Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


A MORADA / R. A. Salvatore
A MORADA / R. A. Salvatore

                                                                                                                                                   

                                                                                                                                                  

 

 

Biblio VT 

 

 

Series & Trilogias Literarias

 

 

 

 

 

 

Jamais uma estrela acaricia esta terra com sua poética luz carregada de mistérios, nem tampouco o sol envia aqui seus quentes raios de vida. Esta é a Antípoda Escura, o mundo secreto debaixo da resplandecente superfície dos Reino Esquecidos, cujo céu é um teto de fria pedra, e cujas paredes mostram a tumefação da morte à luz das tochas dos insensatos habitantes da superfície que baixam até aqui. Este não é seu mundo, o mundo da luz. A maioria dos que vêm sem ser convidados nunca retornam.
Aqueles que conseguem escapar e retornam à segurança de seus lares na superfície, voltam transformados. Seus olhos viram as sombras e as trevas, a condenação inevitável da Antípoda Escura. Sombrios corredores percorrem o reino escuro em riscados sinuosos, conectando as cavernas grandes com as pequenas, os tetos altos com os baixos.
Montículos de pedra afiados como os dentes de um dragão dormido se abatem ameaçadores ou se elevam para fechar o passo aos intrusos. Aqui reina o silêncio, profundo e agoureiro, o silêncio de um depredador escondido. Muito freqüentemente, o único som que percebam os viajantes na Antípoda Escura, o único indício de que não perderam o sentido do ouvido, é a distante destilação da água, que ressona nas cavernas como o batimento do coração do coração de uma besta, enquanto o líquido se escorre entre as silentes pedras até os lagos de água geada nas profundidades da Antípoda Escura. O que há debaixo da imóvel superfície destes, negro como o ônix, é algo que só se pode adivinhar. Que secretos esperam aos valentes, que secretos esperam aos insensatos, é algo que só a imaginação pode revelar... até que a quietude se perturba. Esta é a Antípoda Escura. Aqui também há ilhas de vida, cidades tão grandes como muitas das existentes na superfície. Ao final de qualquer das inumeráveis voltas e revoltas na pedra cinza, o viajante pode encontrar-se de repente no confine de uma destas cidades, que oferecem um surpreendente contraste com a solidão dos corredores. Mas estes lugares não são um refúgio; unicamente um viajante estúpido poderia pensar semelhante coisa. São o lar das raças mais malignas de todos os Reino, entre as quais figuram os duergars, os kuo-toas e os drows. Em uma destas cavernas, de três quilômetros de largura e trezentos metros de altura, eleva-se Menzoberranzan, um monumento à graça letal que caracteriza à raça dos elfos drows. Segundo os cánones destes, não é uma grande cidade, pois só vinte mil elfos escuros vivem nela. Ali, onde em épocas passadas não havia mais que uma caverna povoada de estalactites e estalagmites grosseiramente esculpidas, agora há fileira detrás fileira de castelos esculpidos que vibram com o silencioso resplendor da magia. A cidade é perfeita em suas formas, e nenhuma só pedra conserva seu contorno natural.
Entretanto, esta sensação de ordem e controle não é mais que uma cruel fachada, um engano que oculta o caos e a baixeza que governa o coração dos elfos escuros.
Ao igual a suas cidades, são gente formosa, grácil e delicada, de rasgos angulosos e assustadores. Temíveis entre os mais temíveis, são os que governam neste mundo sem lei, e as demais raças observam cautelosamente seu passo, pois inclusive a beleza empalidece ante a espada de um elfo escuro. Esta é a Antípoda Escura, o vale da morte, a terra dos pesadelos sem nome. E os drows são os superviventes.

 

 

 

 

 

 

PRIMEIRA PARTE

Posição social

Posição social: em todo mundo dos drows, não há uma palavra mais importante. É o anseia de sua religião -a nossa-, o que move cada fibra de seu ofegante coração.
A ambição domina ao sentido comum e a compaixão é objeto de desprezo, tudo em nome do Lloth, a rainha aranha. A ascensão ao poder na sociedade drow é um singelo
processo
de eliminação. A rainha aranha é uma deidade do caos, e tanto ela como suas sacerdotisas, as autênticas governantes do mundo drow, não olham com desagrado aos indivíduos
ambiciosos armados com adagas envenenadas. Certamente, há regras de comportamento, pois toda sociedade deve gabar-se das possuir. Cometer abertamente um assassinato
ou provocar uma guerra dá lugar a um simulacro de justiça, e as sentenças ditadas em nome da justiça drow são implacáveis. Em troca, cravar uma adaga nas costas
de um rival no meio do caos da batalha mais importante, ou nas discretas sombras de um beco, é algo aceitável, inclusive aplaudido. A investigação não é o forte
da justiça drow. Ninguém se preocupa de averiguar nada. A posição social é o meio do que se vale Lloth para incrementar o caos, para obter que seus "filhos" drows
sejam seus próprios carcereiros. Filhos? Melhor seria dizer peões, bonecos de pano da rainha aranha, bonecos movidas pelos imperceptíveis mas inquebráveis fios
de seu tecido. Todos sobem pela escada da rainha aranha; todos ambicionam lhe proporcionar agradar, e todos caem ante os que ambicionam lhe proporcionar agradar.
A posição social é a paradoxo do mundo de minha gente, o limite de nosso poder dentro do anseia de poder. chega-se a ela mediante a traição, e aqueles que o conseguem
ficam expostos à traição. Os mais capitalistas do Menzoberranzan passam seus dias vigiando suas costas, para defender-se das adagas que espreitam detrás deles. Pelo
general, a morte lhes chega de cara.
DRIZZT DOU'URDEM

1

Menzoberranzan

Um habitante da superfície não teria notado sua presença a um passo de distância. Pisada-las em do lagarto que montava eram muito leves para ser ouvidas, e as armaduras
que protegiam ao cavaleiro e a suas arreios, flexíveis e perfeitamente engastadas, ondulavam-se e torciam ao compasso de seus movimentos com tanta precisão, que
pareciam uma segunda pele. O lagarto do Dinin avançava ao trote com um passo elástico e vivo, e quase parecia flutuar sobre o estou acostumado a quebrado, as paredes,
e inclusive os tetos dos túneis intermináveis. Os lagartos subterrâneos, com suas patas de três dedos adesivos, eram as monturas preferidas precisamente por sua
capacidade de escalar a pedra com a mesma facilidade de uma aranha. No luminoso mundo exterior, o passo por superfícies duras não deixa rastros, mas quase todas
as criaturas da Antípoda Escura possuem infravisão, quer dizer, a capacidade de ver o espectro dos raios infravermelhos. Pisada-las deixam um calor residual que
pode ser rastreado sem muitas dificuldades se aquelas mantiverem um curso mais ou menos previsível pelo chão de um corredor. Dinin se sujeitou com firmeza à cadeira
enquanto o lagarto percorria um lance do teto, e depois descendia ziguezagueando pela parede. Desse modo não conseguiriam rastrear seu passo. Não tinha luz para
ver seu caminho, mas não a necessitava. Ele era um elfo escuro, um drow, um sobressaio de pele negra daqueles seres do bosque que dançavam à luz das estrelas na
superfície do mundo. Graças às dotes de sua visão, que podia interpretar as sutis variações do calor em imagens de brilhante colorido, a Antípoda Escura não era
para o Dinin um lugar carente de luz. As cores de toda a gama do espectro apareciam ante ele na pedra das paredes e do estou acostumado a esquentados por alguma
fissura distante ou por uma corrente cálida. O calor dos seres vivos era o mais reconhecível, e permitia ao elfo escuro ver seus inimigos com uma nitidez de detalhes
equiparável a que podia ter um habitante do mundo exterior a plena luz do dia. Em uma situação normal, Dinin não tivesse saído da cidade sem um acompanhante; o mundo
da Antípoda Escura resultava muito perigoso para uma viagem a sós, inclusive para um elfo escuro. Mas nesta ocasião, necessitava a segurança de que nenhum drow rival
visse seu passo. Um suave resplendor azul além de um arco esculpido na rocha lhe advertiu que se aproximava da entrada da cidade, por isso cortou o passado do lagarto.
Muito poucos utilizavam este túnel estreito que desembocava no Tier Breche, a parte norte do Menzoberranzan destinada à Academia, e só os instrutores da Academia
podiam acontecer por ali sem despertar suspeitas. Dinin sempre se sentia nervoso quando chegava a este ponto. Dos cem túneis que se abriam na caverna principal do
Menzoberranzan, este era o mais vigiado. além da arcada, duas estátuas as gema que representavam a duas aranhas gigantescas mantinham uma defesa silenciosa. Se um
inimigo cruzava a entrada, as aranhas cobravam vida e atacavam, ao tempo que soavam os alarmes em toda a Academia. Dinin desmontou, e o lagarto subiu pela parede
sem esforço, até ficar pendurado à altura do peito do drow. Este colocou uma mão por debaixo do pescoço de seu piwafwi, a capa mágica que o protegia, e tirou uma
bolsa, de onde extraiu a insígnia da casa de Dou'Urdem: uma aranha que blandía diversas armas em cada uma de suas oito patas, e em que podiam lê-las letras "DN"
correspondentes ao Daermon N'a'shezbaernon, o antigo nome oficial da casa de Dou'Urdem. -Esperará minha volta -sussurrou-lhe ao lagarto, enquanto passava a insígnia
diante dos olhos do réptil. Como todas as demais insígnias das casas drows, a de Dou'Urdem tinha vários dons mágicos, entre eles o de outorgar aos membros da família
um controle absoluto sobre os animais domésticos. O lagarto obedeceria a ordem sem fraquejar, e manteria sua posição como se estivesse pego à pedra, mesmo que um
rato -seu bocado favorito- ficasse a um palmo de seus fauces. Dinin fez uma inspiração profunda e avançou com precaução para a arcada. Podia ver as aranhas que
o observavam burlonas de uma altura de cinco metros. Ele não era um inimigo a não ser um drow

da cidade, e podia passar sem preocupações por qualquer outro túnel, mas a Academia era um lugar especial. Dinin tinha escutado que freqüentemente as aranhas impediam
o passo -de uma maneira cruel- aos drows que careciam de licença. recordou-se a si mesmo que não podia atrasar-se por culpa de temores ou possíveis conseqüências.
Sua missão tinha uma importância fundamental para os planos de sua família. Com o olhar à frente, cruzou a arcada entre as aranhas, e entrou no Tier Breche. apartou-se
a um lado do meio-fio e se deteve, primeiro para estar seguro de que ninguém espreitava, e depois para admirar a vista panorâmica do Menzoberranzan. Ninguém, já
fora drow ou de qualquer outra raça, poderia contemplar a cidade desde esse lugar sem sentir uma profunda admiração. Tier Breche era o ponto mais alto no chão da
caverna, e de ali se podia ver toda a cidade. O recinto da Academia era estreito, e continha só as três estruturas que formavam a escola drow: Arach-Tinilith, a
escola do Lloth, com forma de aranha; Sorcere, a torre de altos e esbeltos minaretes onde se acostumava a feitiçaria, e Melee-Magthere, uma singela pirâmide onde
os guerreiros varões aprendiam seu ofício. além das estalagmites esculpidas que marcavam a entrada da Academia, o chão da caverna se afundava bruscamente e se estendia
ao longo e ao largo, até onde não alcançava a aguda visão do Dinin. Os sensíveis olhos do drow podiam ver as cores do Menzoberranzan divididos no espectro primário.
As ondas de calor liberados por várias fissuras e fornecedores quentes se expandiam por toda a caverna. O púrpura e o vermelho, o amarelo brilhante e o azul claro,
cruzavam-se e mesclavam, cobriam as paredes e as estalagmites, ou riscavam singulares linhas horizontais sobre o pano de fundo cinzento da pedra. As regiões de magia
intensa -como as aranhas entre as que tinha passado Dinin, que resplandeciam carregadas de energia- apareciam no espectro infravermelho melhor delimitadas que
as gradações naturais de cor. Por último, estavam as luzes da cidade, o fogo mágico e as esculturas iluminadas das casas. Os drows se sentiam orgulhosos pela beleza
de seu desenho, e sobre tudo pelas colunas esculpidas ou as gárgulas exquisitamente lavradas que reluziam banhadas por uma luminosidade mágica. Inclusive desde esta
distancia Dinin podia ver a casa Baenre, a primeira casa do Menzoberranzan. Abrangia vinte pilares de estalagmites e dez estalactites gigantes. A casa Baenre tinha
cinco mil anos de existência, da fundação do Menzoberranzan, e durante todos estes séculos tinha aperfeiçoado incansavelmente sua arte. Virtualmente toda a superfície
da imensa estrutura estava iluminada, de azul nas torres e púrpura brilhante na enorme cúpula central. A intensa luz das velas, um objeto alheio a Antípoda Escura,
aparecia nas janelas de algumas casa longínquas. Dinin sabia que só as sacerdotisas ou os feiticeiros acendiam aqueles fogos, uma moléstia necessária em seu mundo
de papéis e pergaminhos. Isto era Menzoberranzan, a cidade dos drows. Aqui viviam vinte mil elfos escuros, vinte mil soldados do exército do mal. Um sorriso perverso
apareceu na boca do Dinin quando pensou que alguns daqueles soldados morreriam essa mesma noite. Dinin estudou Narbondel, o enorme pilar central que servia de relógio
ao Menzoberranzan e único médio a disposição dos drows para marcar o passado do tempo em um mundo que não tinha dias nem estações. Ao final de cada dia, o archimago
da cidade jogava seus fogos mágicos na base do pilar de pedra. O feitiço durava todo um ciclo -um dia completo na superfície- e de forma gradual estendia seu calor
por toda a estrutura até que resplandecia no espectro infravermelho. O pilar aparecia agora totalmente escuro e frio, sinal de que se apagaram os fogos. O feiticeiro
se encontraria nestes momentos na base, pensou Dinin, ocupado em renovar o ciclo. Era meia-noite, a hora assinalada. Dinin se afastou das aranhas e a saída do túnel,
e se deslizou por um flanco do Tier Breche, procurando as "sombras" dos esquemas de calor na parede, que serviam para ocultar a silhueta desenhada por sua própria
temperatura corporal. Por fim chegou ao Sorcere, a escola de feitiçaria, e se meteu por um estreito beco entre a base curva da torre e a parede exterior do Tier
Breche. -Estudante ou professor? -sussurrou uma voz. -Só um professor pode caminhar pelo Tier Breche durante a morte negra do Narbondel - respondeu Dinin. Uma
figura encapuzada apareceu junto ao arco da estrutura para situar-se diante do Dinin. O estranho manteve a postura habitual dos professores da Academia drow, com
os braços estendidos, dobrados pelos cotovelos, e as mãos diante do peito, uma sobre a outra. Este gesto era quão único Dinin encontrava normal no personagem. -Saúdo-te,
Sem Rosto -disse, por meio do código dos drows, uma linguagem tão detalhada como o oral. O tremor das mãos do Dinin desmentia sua serenidade aparente, pois a presença
do feiticeiro o inquietava quase até os limites do terror. -Segundo filho de Dou'Urdem -replicou o feiticeiro da mesma maneira-, trouxeste meu pagamento?

-Terá sua recompensa -assinalou Dinin, que recuperou sua compostura com o primeiro indício de aborrecimento. Como te atreve a duvidar da promessa de Malícia
Dou'Urdem, mãe matrona do Daermon N'a'shezbaernon, casa décima do Menzoberranzan? O Sem Rosto retrocedeu, consciente de seu equívoco. -Minhas desculpas, segundo
filho da casa de Dou'Urdem -respondeu, com um joelho em terra em sinal de submissão. Desde que tinha entrado em formar parte da conspiração, o feiticeiro tinha
medo de que sua impaciência pudesse lhe custar a vida. Tinha sofrido as conseqüências de uma de suas próprias experiências mágicas, e o acidente lhe tinha apagado
as feições. Agora em lugar de rosto tinha uma massa Lisa de cor branca e verde. A matrona Malícia Dou'Urdem, que dominava como ninguém a preparação de elixires e
poções, tinha-lhe devotado uma esperança de recuperação que não podia deixar passar. Dinin não teve piedade do drow, mas a casa de Dou'Urdem necessitava os serviços
do feiticeiro. -Terá sua poção -prometeu-lhe Dinin, sereno- quando Alton DeVir esteja morto. -Certamente -disse o feiticeiro. Esta noite? Dinin cruzou os
braços enquanto considerava a pergunta. A matrona Malícia lhe havia dito que Alton DeVir devia morrer até a risco de uma guerra entre suas famílias; mas agora que
refletia sobre isso, Dinin o encontrou muito singelo. O Sem Rosto não passou por cima a faísca que apareceu de repente no resplendor avermelhado dos olhos do jovem
Dou'Urdem. -Espera a que a luz do Narbondel se aproxime de seu cenit -respondeu Dinin, na linguagem muda. Executava os signos excitado, com todo o rosto retorcido
em uma expressão maligna. -O moço condenado tem que saber o destino de sua casa antes de morrer? -perguntou o feiticeiro, que tinha adivinhado as perversas intenções
detrás das ordens do Dinin. -Enquanto cai o golpe assassino -respondeu Dinin-, que Alton DeVir mora sem esperança. Dinin foi em busca de suas arreios e se afastou
a toda pressa pelos corredores vazios, para depois tomar uma rota transversal que o levaria a cidade por outra entrada. O caminho o deixou na zona leste da grande
caverna, a seção produtiva do Menzoberranzan, onde nenhuma família drow descobriria que tinha estado fora dos limites da cidade. Dinin guiou a seu lagarto pelas
bordas do Donigarten, o pequeno lago da cidade com sua ilhota coberta de musgo que albergava a um rebanho não muito numeroso de umas cabeças de gado chamadas rodem.
Um centenar de goblins e orcos dedicados a cuidar do gado e a pescar observaram o rápido passado do drow. Conhecedores das restrições impostas por sua condição de
escravos, evitaram olhar ao Dinin aos olhos. De todos os modos, o elfo não lhes teria feito conta, pois levava muita pressa. Assim que chegou às lisas e sinuosas
avenidas entre os resplandecentes castelos drows, esporeou a seu lagarto e cavalgou para a parte sul da região central da cidade, para o bosque de cogumelos gigantes
que marcavam o setor das melhores casa do Menzoberranzan. Em uma curva fechada, quase se levou por diante a um grupo de quatro peludos errantes. Os goblins gigantes
se detiveram por um momento a estudar ao drow, e depois se separaram de seu caminho com deliberada lentidão. Dinin sabia que os peludos o tinham reconhecido como
um nobre, membro da casa de Dou'Urdem e filho de uma grande sacerdotisa. Dos vinte mil drows que viviam no Menzoberranzan, só um milhar ou pouco mais eram nobres
-os filhos das sessenta e sete famílias reconhecidas da cidade-; o resto eram soldados comuns. Os peludos não eram criaturas estúpidas. Distinguiam a um nobre
de um soldado comum, e, embora os elfos drows não levavam suas insígnias familiares à vista, o característico penteado dos brancos cabelos do Dinin e o desenho de
raias violeta e vermelhas em seu piwafwi negro denotavam sua fila. A urgência de sua missão o pressionava, mas Dinin não podia perdoar a provocação dos peludos.
teriam se dispersado à carreira se ele tivesse sido um membro da casa Baenre ou de alguma outra das sete casas governantes? -Já aprenderão a respeitar a casa Dou'Urdem!
-murmurou o elfo escuro, enquanto girava e carregava contra o grupo. Os peludos puseram-se a correr por um beco semeado de pedras e escombros. Apelando aos poderes
inatos de sua raça, Dinin lançou um globo de escuridão -impenetrável a infravisão e à visão normal- por diante das criaturas que escapavam. Pensou que não era
prudente chamar a atenção sobre si mesmo, mas um momento mais tarde, quando escutou os golpes e as maldições de quão peludos corriam às cegas entre as pedras, considerou
que havia valido a pena. Acalmada sua cólera, afastou-se. Escolheu com cuidado sua rota através das sombras de calor. Como membro da décima casa da cidade, Dinin
podia ir aonde quisesse dentro dos limites da grande caverna sem dar explicações, mas a matrona Malícia tinha deixado bem claro que ninguém vinculado à casa Dou'Urdem
devia deixar-se surpreender perto do horta de cogumelos. Não se devia contrariar à matrona Malícia; embora, depois de tudo, isto só era uma regra, e no Menzoberranzan
existia uma regra que precedia a todas as demais: que não lhe pilhem.

No extremo sul do horta de cogumelos, o impetuoso drow encontrou o que procurava: um grupo de cinco enormes pilares que foram do chão ao teto. As colunas tinham
sido esvaziadas para as converter em um enxame de habitações, e estavam unidas entre si com pontes e parapeitos metálicos e de pedra. Um centenar de gárgulas, o
estandarte da casa, banhadas em um resplendor avermelhado, descansavam em seus pedestais como sentinelas silenciosos. Esta era a casa DeVir, a quarta casa do Menzoberranzan.
Uma paliçada de cogumelos muito altas rodeava o lugar, e um de cada cinco cogumelos era uma uivadora, um cogumelo muito apreciado como guardião que recebia este
nomeie pelos estridentes uivos de alarme que emitia cada vez que um ser vivo passava a seu lado. Dinin manteve uma distância prudencial para não provocar a resposta
de alguma dos cogumelos, consciente além de que outros feitiços mais capitalistas protegiam a fortaleza. A matrona Malícia se encarregaria de eliminá-los. Um silêncio
espectador reinava neste setor da cidade. Em todo Menzoberranzan se sabia que a matrona Ginafae, da casa DeVir, tinha perdido o favor do Lloth, a rainha aranha de
todos os drows e a autêntica fonte de poder das casas. Estas circunstâncias nunca se discutiam abertamente entre os drows, mas todos sabiam que alguma família situada
em um degrau mais desço da hierarquia da cidade não demoraria para atacar à debilitada casa DeVir. A matrona Ginafae e sua família tinham sido os últimos em inteirar
do desgosto da rainha aranha -Lloth sempre atuava desta forma arteira- e, com apenas observar o exterior da casa DeVir, Dinin pôde constatar que a família condenada
não tinha tido tempo de preparar suas defesas. Os DeVir contavam com quase quatrocentos soldados, a maioria mulheres, mas aqueles que Dinin podia ver em seus postos
ao longo dos parapeitos pareciam nervosos e inseguros. O sorriso do Dinin se acentuou quando pensou em sua própria casa, que ganhava em poder diariamente sob a ardilosa
guia da matrona Malícia. Com suas três irmãs a ponto de converter-se em grandes sacerdotisas, seu irmão, um feiticeiro de renome, e seu tio Zaknafein, o melhor professor
de armas de todo Menzoberranzan, dedicado a treinar a trezentos soldados, a casa Dou'Urdem era uma força muito poderosa. E a matrona Malícia, a diferença do Ginafae,
gozava de todos os favores da rainha aranha. -Daermon N'a'shezbaernon -murmurou Dinin, empregando o nome oficial da casa Dou'Urdem. Casa novena do Menzoberranzan!
Agradou-lhe como soava. No centro da cidade, mais à frente do resplandecente balcão prateado e o arco de entrada de seis metros de altura na parede oeste da caverna,
os membros mais importantes da casa Dou'Urdem se tinham reunido para ultimar os planos para essa noite. Em um estrado, ao fundo da pequena sala de audiências, encontrava-se
a venerável matrona Malícia, com o ventre muito inchado nas horas finais de seu embaraço. Acompanhavam-na suas três filhas, Maia, Vierna e a maior, Briza, que acabava
de converter-se em grande sacerdotisa do Lloth. Maia e Vierna eram idênticas a sua mãe, magras e miúdas, embora possuíam uma força tremenda. Briza, em troca, quase
não tinha nenhum dos rasgos familiares. Era grande -enorme para o tamanho normal dos drows- e de ombros e quadris arredondados. Quem a conhecia opinavam que seu
tamanho era simplesmente conseqüência de seu temperamento. Um corpo mais pequeno não teria podido conter toda a cólera e a brutalidade da flamejante grande sacerdotisa
da casa Dou'Urdem. -Dinin não demorará para retornar -comentou Rizzen, o atual senhor da família-, e nos informará se for o momento apropriado para o assalto.
-Atacaremos antes de que Narbondel alcance o resplendor da manhã! -replicou-lhe Briza, com sua voz grosa mas cortante. voltou-se para sua mãe com um sorriso retorcido,
procurando sua aprovação por pôr ao macho em seu lugar. -O bebê nascerá esta noite -explicou a matrona Malícia a seu ansioso marido. Não importam as notícias
que traga Dinin, atacaremos igual. -Será um varão -grunhiu Briza, sem ocultar sua desilusão. O terceiro filho vivo da casa Dou'Urdem. -Que será sacrificado
ao Lloth -interveio Zaknafein, um antigo senhor da casa que agora ostentava a importante posição de professor de armas. O famoso guerreiro drow parecia muito satisfeito
com a idéia do sacrifício, e o mesmo ocorria com o Nalfein, o filho maior da família, que permanecia junto ao Zak. Nalfein era o primogênito, e já tinha bastante
competência com o Dinin dentro da casa Dou'Urdem para desejar mais complicações. -De acordo com o costume -exclamou Briza, orgulhosa, e o vermelho de suas pupilas
brilhou com mais força. Para ajudar a nossa vitória! -Matrona Malícia -disse Rizzen, depois de uns momentos de vacilação-, conhece muito bem as dificuldades
do parto. A dor poderia te distrair... -Atreve-te a questionar à mãe matrona? Briza se ergueu furiosa, e jogou mão ao látego com cabeças de serpente que pendia
de seu cinturão. A matrona Malícia a deteve com um gesto.

-te ocupe da briga -indicou ao Rizzen. Deixa que as mulheres da casa atendam às coisas importantes desta batalha. Rizzen se moveu incômodo e baixou o olhar.
Dinin chegou à grade que unia o fortaleza da parede oeste da cidade com as duas pequenas torres de estalagmites da casa Dou'Urdem. A grade era de adamantita, o metal
mais duro do mundo, e a adornavam um centenar de talhas de aranhas que blandían arma, protegidas magicamente com runas e hieróglifos mortais. O poderoso portão da
casa Dou'Urdem era a inveja de muitas casas drows, mas depois de ter contemplado só uns minutos antes as espetaculares mansões no horta de cogumelos, Dinin não pôde
menos que sentir-se desiludido ao ver sua própria casa. O recinto era singelo e um tanto descascado, como o era a parte de parede, com a exceção do magnífico balcão
de mitril e adamantita que se estendia com o passar do segundo nível, junto ao portal em arco reservado aos nobres da família. Cada balaustrada mostrava um milhar
de talhas que se uniam em uma única peça artística. A casa Dou'Urdem, a diferença da grande maioria das casas do Menzoberranzan, não se elevava independente entre
as estalactites e as estalagmites. A maior parte da estrutura se encontrava dentro de uma cova, e, embora esta localização tinha suas vantagens defensivas, Dinin
desejava muito freqüentemente que sua família pudesse mostrar um pouco mais de esplendor. Um soldado quase eufórico correu a abrir o portão para deixar passo ao
segundo filho. Dinin passou a seu lado sem sequer saudá-lo e atravessou o pátio, consciente do centenar comprido de olhares que o observavam cheias de curiosidade.
Os soldados e escravos sabiam que Dinin tinha saído a cumprir uma missão relacionada com a iminente batalha. Não havia escadas até o balcão prateado da casa Dou'Urdem,
o qual constituía outra medida de precaução destinada a separar aos líderes da casa da soldadesca e os escravos. Os nobres drows não necessitavam escadas, pois suas
habilidades mágicas inatas lhes permitiam desfrutar de do poder de levitar. Quase sem dar-se conta do ato, Dinin se elevou no ar com toda facilidade e se posou no
balcão. Cruzou a toda pressa a arcada e desceu pelo corredor central da casa, que aparecia iluminada com os suaves tons dos fogos fátuos, que permitiam a visão no
espectro de luz normal embora sem a intensidade suficiente para entorpecer a infravisão. A porta de bronze decorada, ao final do corredor, marcava o destino do
segundo filho, que se deteve o tempo necessário para acomodar seus olhos à gama infravermelha. A diferença do corredor, a estadia ao outro lado da porta não estava
iluminada. tratava-se da sala de audiências da soma sacerdotisa, a hall a grande capela da casa Dou'Urdem. As habitações das sacerdotisas drows, em consonância com
os ritos escuros da rainha aranha, não eram lugares de luz. Quando se considerou preparado, Dinin abriu bruscamente a porta, abriu-se passo sem vacilar entre os
dois guardas atônitos, e avançou com atrevimento até deter-se diante de sua mãe. As três filhas da família entrecerraron as pálpebras ante seu descarado e pretensioso
irmão. Ele adivinhou seus pensamentos. Entrar sem permissão! Era a ele ao que teriam que sacrificar esta noite! Por muito que desfrutasse pondo a prova os limites
de sua condição inferior como varão, Dinin não podia fazer caso omisso das ameaçadoras olhares da Vierna, Maia e Briza. Ao ser mulheres, eram maiores e fortes que
Dinin e tinham aprendido durante toda sua vida o uso dos malignos poderes das sacerdotisas drows e suas armas. Dinin observou como as extensões encantadas das sacerdotisas
-os temíveis látegos com cabeças de serpente pendurados dos cinturões de suas irmãs- agitavam-se ansiosas pelo castigo que foram infligir. Os punhos de adamantita
não tinham nada fora do comum, mas as caudas dos látegos e as múltiplos cabeças eram serpentes vivas. O látego da Briza, um artefato especialmente sinistro, saltava
e se enroscava no cinturão que o retinha. Briza sempre era primeira em castigar. A matrona Malícia, em troca, parecia agradada com a insolência do Dinin. A seu julgamento,
o segundo filho sabia muito bem qual era seu sítio e obedecia suas ordens sem medo e sem fazer perguntas. Dinin se reanimou com a expressão de calma no rosto de
sua mãe, que contrastava com as caras de suas irmãs, brancas de fúria. -Tudo está preparado -informou a Malícia. A casa DeVir se refugia detrás de sua grade.
Todos exceto Alton, certamente, que continua com seus estudos no Sorcere. -Reuniste-te com o Sem Rosto? -perguntou a matrona Malícia. -Esta noite havia muita
tranqüilidade na Academia -respondeu Dinin. Nosso encontro se realizou sem tropeços. -Aceitou nosso contrato? -Encarregará-se do Alton DeVir tal como queríamos.
Dinin soltou uma risita. Então recordou a pequena mudança que tinha feito nos planos da matrona Malícia, que demorava a execução do Alton só para satisfazer sua
própria crueldade. E também recordou outra coisa: a soma sacerdotisa do Lloth tinha um talento incomparável para ler o pensamento de outros.

-Alton morrerá esta noite -acrescentou Dinin a toda pressa, para evitar que outros lhe fizessem perguntas a respeito dos detalhes. -Excelente -grunhiu Briza.
Dinin respirou mais tranqüilo. -nos unamos -ordenou a matrona Malícia. Os quatro drows varões se ajoelharam diante da matrona e suas filhas. Rizzen frente a Malícia;
Zaknafein, frente a Briza; Nalfein, frente a Maia, e Dinin, frente a Vierna. As sacerdotisas cantaram ao uníssono, ao tempo que apoiavam delicadamente a mão sobre
a frente de seus respectivos soldados, para entrar em sintonia com suas paixões. -Conhecem seus postos -disse a matrona Malícia quando acabou a cerimônia. Fez
uma careta ao sentir a dor de uma nova contração. Que comece nosso trabalho. Uma hora mais tarde, Zaknafein e Briza permaneciam juntos no balcão da entrada superior
da casa Dou'Urdem. Mais abaixo, no chão da caverna, a segunda e terceira brigadas do exército familiar, ao mando do Rizzen e Nalfein, trabalhavam em excesso se nos
preparativos finais, consistentes na colocação das correias de couros quentes e placas metálicas destinadas a servir de camuflagem ante a visão infravermelha dos
drows. O grupo do Dinin, reforçado com um centenar de escravos goblins e que constituía a primeira força de assalto, pôs-se em marcha muito antes. -depois de esta
noite nos conhecerão -afirmou Briza. Ninguém poderia ter imaginado nunca que uma décima casa se atreveria a atacar a outra tão capitalista como os DeVir. Quando
correrem os rumores detrás esta noite sangrenta, até o Baenre tomará em conta ao Daermon N'a'shezbaernon! Briza apareceu por cima da balaustrada para observar como
formavam as duas brigadas e iniciavam sua marcha silenciosa, por atalhos separados, que as levariam através dos vericuetos da cidade até o horta de cogumelos e o
edifício de cinco pilares da casa DeVir. Zaknafein contemplou as costas da filha maior da matrona Malícia sem desejar outra coisa que lhe afundar sua adaga entre
os omoplatas. como sempre, prevaleceu o sentido comum do Zak, e sua mão não empunhou a adaga. -Tem os objetos? -perguntou Briza, com um tom muito mais respeitoso
que o que empregava quando tinha a sua mãe a seu lado. Zak só era um varão, um plebeu ao que lhe permitia utilizar o nome da família unicamente porque em algumas
ocasões tinha completo para a matrona Malícia as funções de marido e também porque uma vez tinha sido o amo da casa. De todos os modos, Briza tinha medo de provocar
sua ira. Zak era o professor de armas da casa Dou'Urdem, um varão alto e musculoso, mais forte que muitas mulheres, e aqueles que tinham tido ocasião de ver sua
fúria no combate o consideravam entre os melhores guerreiros de todo Menzoberranzan. Além da Briza e sua mãe, as duas somas sacerdotisas da rainha aranha, Zaknafein,
com sua insuperável capacidade como espadachim, era a melhor vaza da família Dou'Urdem. Zak levantou o capuz negro e abriu a pequena bolsa pendurada de seu cinturão,
para mostrar um punhado de pequenas bolas de cerâmica. Briza sorriu com maldade e se esfregou as magras mãos. -A matrona Ginafae se levará um desgosto -sussurrou
a mulher. Zak lhe devolveu o sorriso e se voltou para contemplar a marcha dos soldados. Nada lhe produzia maior prazer ao professor de armas que matar a elfos drows,
sobre tudo às sacerdotisas do Lloth. -te prepare -disse Briza ao cabo de uns poucos minutos. Zak se apartou a espessa cabeleira do rosto e permaneceu em posição
de firmes, com os olhos bem fechados. Briza empunhou sua varinha lentamente ao tempo que começava a salmodia destinada a pôr em marcha o feitiço. A mulher tocou
com a vara um ombro do Zak, depois o outro e a seguir manteve o fortificação imóvel por cima da cabeça do homem. Zaknafein sentiu o rocio gelado que caía sobre ele
e penetrava seus objetos e sua couraça, inclusive sua carne, até que todo seu corpo e atavios se esfriaram a uma temperatura uniforme. Zak odiava o helor mágico
-parecia-lhe que era como a sensação de estar morto-, mas sabia que graças a este feitiço agora resultava invisível para a visão infravermelha das criaturas da
Antípoda Escura, tão cinza como a pedra da caverna. O professor de armas abriu os olhos e se estremeceu; flexionou os dedos para assegurar-se de que ainda podia
movê-los. Olhou a Briza, que tinha começado com o segundo feitiço, a invocação. Como demoraria uns minutos em completá-lo, Zak se recostou contra a parede e pensou
uma vez mais na agradável embora perigosa tarefa que tinha por diante. A matrona Malícia tinha sido muito considerada ao lhe deixar todas as sacerdotisas da casa
DeVir para ele. -Já está -anunciou Briza depois de um momento, e indicou ao Zak que olhasse para o alto, para a escuridão que cobria o invisível teto da imensa
caverna.

Zak viu imediatamente o resultado do feitiço: uma corrente de ar, amarelada e mais cálida que o ar normal da caverna; uma corrente de ar viva. A criatura, proveniente
de um plano elementar, chegou quase até o mesmo bordo do balcão, e esperou obediente as ordens do lhe invoquem. O guerreiro não vacilou. jogou-se de um salto no
seio da corrente, que o manteve suspenso por cima do chão. Briza o saudou por última vez e com um gesto indicou à coisa que ficasse em marcha. -Sorte no combate
-desejou-lhe, embora Zak já tinha desaparecido no espaço. Zak riu ante a ironia de suas palavras, enquanto os edifícios do Menzoberranzan desfilavam por debaixo
de seu corpo. A mulher desejava a morte das sacerdotisas da casa DeVir tanto como ele, mas por razões muito diferentes. O professor de armas teria obtido o mesmo
prazer se suas próximas vítimas tivessem sido sacerdotisas da casa Dou'Urdem. O guerreiro tocou uma de suas espadas de adamantita, uma arma drow forjada magicamente
e dotada com um fio muito agudo. "Sorte no combate", repetiu para si mesmo, como uma brincadeira a Briza.

2

A queda da casa DeVir

Dinin observou agradado que todos os peludos errantes, assim como todos outros membros da multidão de raças que compunham Menzoberranzan, incluídos os drows, separavam-se
de seu passo a toda pressa. Esta vez o segundo filho da casa Dou'Urdem não estava sozinho. Quase sessenta soldados da casa partiam detrás dele em perfeita formação.
Mais atrás, também em ordem mas com muito menos entusiasmo pela aventura, escoltavam-no um centenar de escravos armados pertencentes a raças inferiores: goblins,
orcos e peludos. Os espectadores não tinham nenhuma dúvida a respeito do que se preparava. Uma casa drow partia à guerra. Este não era um fato habitual no Menzoberranzan
embora tampouco resultava inesperado. Ao menos uma vez em cada década uma casa decidia que sua posição dentro da hierarquia da cidade podia ser melhorada através
da eliminação de outra casa. Resultava um tanto arriscado, porque terei que liquidar rápida e discretamente a todos os nobres da casa "vítima". Com um só que sobrevivesse
para apresentar uma acusação contra os autores, a casa atacante seria erradicada por meio do implacável sistema de "justiça" do Menzoberranzan. Em troca, se a incursão
se realizava sem falhas, não haveria lugar a acusações. Toda a cidade, incluído o conselho regente integrado pelas oito mães matronas principais, aplaudiriam em
segredo aos atacantes por sua coragem e inteligência e nunca se diria nada mais sobre o incidente. Dinin efetuou um rodeio para não deixar um rastro direto entre
a casa Dou'Urdem e a casa DeVir. Meia hora mais tarde, pela segunda vez aquela noite, aproximou-se do extremo sul do horta de cogumelos e ao grupo de estalagmites
que cercavam a casa DeVir. Seus soldados se desdobraram ansiosos, ao tempo que preparavam suas armas e estudavam o objetivo de seu ataque. Os escravos se moviam
com mais lentidão. Desejavam escapar, porque no fundo de seus corações sabiam que morreriam nesta batalha, mas não tentariam fugir pois temiam mais a ira dos elfos
escuros que a própria morte. Com todas as saídas do Menzoberranzan protegidas com a maligna magia drow, aonde podiam ir? Todos eles tinham presenciado os brutais
castigos que os drows propinaban aos escravos recapturados. A uma ordem do Dinin, tomaram suas posições ao redor do cerco de cogumelos. Dinin colocou uma mão em
uma bolsa grande e tirou uma prancha de metal quente. Moveu o objeto, perfeitamente visível no espectro infravermelho, para lançar três brilhos de aviso às brigadas
do Nalfein e Rizzen. Depois, com sua arrogância habitual, Dinin o lançou ao ar antes de voltar a agarrá-lo e guardá-lo nas profundidades de sua bolsa, que mantinha
o calor. Em obediência a este sinal, a brigada drow colocou os dardos encantados em suas pequenas molas de suspensão de mão e apontou a quão brancos tinham atribuídos.
Um de cada cinco cogumelos era uivador, mas os dardos continham uma substância mágica capaz de silenciar o rugido de um dragão. "... dois..., três", contou Dinin,
marcando o tempo com a mão dado que não se podia ouvir nenhum som dentro da esfera de silêncio mágico que cobria a suas tropas. Imaginou o estalo da corda de sua
mola de suspensão quando lançou o dardo contra a uivadora mais próxima. Esta cena se repetiu em todo o perímetro da casa DeVir, à medida que os dardos encantados
silenciavam sistematicamente a primeira linha de alarme. Ao outro lado do Menzoberranzan, a matrona Malícia, suas filhas e quatro das sacerdotisas comuns da casa
estavam reunidas em um ímpio círculo de oito membros. Rodeavam um ídolo de sua maligna deusa, uma gema esculpida que reproduzia a um drow com rosto de aranha, e
imploravam a ajuda do Lloth em sua luta. Malícia ocupava a cabeceira, reclinada em uma cadeira de parto. Briza e Vierna se encontravam a seu lado, e a primeira lhe
sujeitava uma mão. O grupo cantava ao uníssono, ao tempo que fundia suas energias em um único feitiço ofensivo. Ao cabo de uns momentos, quando Vierna, ligada telepáticamente
com o Dinin, advertiu que o primeiro grupo de ataque se encontrava em posição, o círculo dos oito da casa Dou'Urdem enviou as primeiras ondas de energia mental contra
a casa rival.

A matrona Ginafae, suas duas filhas e as cinco sacerdotisas principais das tropas da casa DeVir se acurrucaban na escuridão da sala de espera da capela principal
do edifício de cinco estalagmites. reuniram-se ali cada noite em solene prece desde que a matrona Ginafae teve notícia de que tinha cansado em desgraça com o Lloth.
Ginafae compreendia muito bem quão vulnerável seria sua casa até tão não encontrasse a maneira de apaziguar à rainha aranha. Havia sessenta e oito casas mais no
Menzoberranzan, e entre estas umas vinte que podiam atrever-se a atacar a casa DeVir aproveitando-se desta terrível desvantagem. As oito sacerdotisas se mostravam
muito nervosas, como se suspeitassem o que podia ocorrer ao longo da noite. Ginafae foi primeira em percebê-lo: um estalo sorvete de percepções confusas que a fizeram
gaguejar em meio de sua súplica de perdão. As outras sacerdotisas da casa DeVir a olharam inquietas ao advertir as dificuldades na fala da matrona, e esperaram sua
confirmação. -Atacam-nos -gemeu Ginafae, sentindo que a cabeça lhe estalava de dor ante o formidável ataque mental dos clérigos da casa Dou'Urdem. O segundo sinal
do Dinin pôs em marcha às tropas pulseiras, que correram sigilosamente para a perto e se abriram passo entre os cogumelos gigantes a golpes de espada. O segundo
filho da casa Dou'Urdem observou agradado a fácil invasão do pátio da casa DeVir. -Um guarda muito pouco preparado -sussurrou sarcástico às gárgulas, banhadas
em um resplendor avermelhado, que havia no alto das muralhas. Ao princípio da noite as estátuas lhe tinham parecido um guarda formidável; agora, em troca, não eram
mais que um montão de pedras inofensivas. Dinin advertiu o crescente mas contido entusiasmo dos soldados a seu redor, que desejavam entrar em combate. de vez em
quando se produzia um relâmpago mortal quando algum dos escravos tropeçava com uma runa protetora. O segundo filho e outros drows riam do espetáculo. As raças inferiores
não tinham nenhum valor para o exército da casa Dou'Urdem. O único propósito de trazer para os goblins à casa DeVir era que ativassem as armadilhas letais e as defesas
instaladas no perímetro, para assim permitir o passo seguro dos elfos escuros, os verdadeiros soldados. A perto estava aberta, e já não fazia falta atuar em segredo,
pois os soldados da casa DeVir tinham saído ao encontro dos escravos. Assim que Dinin levantou uma mão para transmitir o sinal de ataque, seus sessenta guerreiros
se lançaram à luta com os rostos retorcidos em uma expressão selvagem, enquanto blandían suas espadas dispostos a matar a seus rivais no ato. Mesmo assim, detiveram-se
um momento para executar o último ato de preparação antes da matança. Todos os drows, nobres e plebeus, possuíam certas dotes mágicas. Criar uma esfera de escuridão,
similar a que tinha utilizado Dinin contra os peludos umas horas antes, era algo muito singelo até para o mais vulgar dos elfos drows. Em conseqüência, os sessenta
soldados de Dou'Urdem se dedicaram a lançar esferas de escuridão por cima do perto de cogumelos por todo o perímetro da casa DeVir. Apesar de todas suas precauções
e o sigilo de seus movimentos, a casa Dou'Urdem sabia que muitos olhares seguiam o desenvolvimento do ataque. As testemunhas não representavam uma ameaça, pois pelo
general não se incomodavam em identificar à casa atacante, mas os costumes e as normas exigiam um certo secreto: eram as regras de etiqueta da guerra drow. Em um
instante, a casa DeVir se converteu, para o resto da cidade, em uma mancha negra na paisagem do Menzoberranzan. Rizzen se aproximou por detrás de seu filho menor
e se comunicou com ele por meio da complicado linguagem por gestos dos drows. -Bem feito -transmitiu. Nalfein entrou pela parte de atrás. -Obteremos uma fácil
vitória -opinou o presunçoso Dinin-, se mantivermos a raia à matrona Ginafae e a seus clérigos. -Confia na matrona Malícia -respondeu Rizzen, que aplaudiu o
ombro de seu filho antes de seguir a suas tropas através da brecha aberta no perto de cogumelos. por cima das construções da casa DeVir, Zaknafein descansava muito
cômodo na corrente do servente aéreo da Briza, enquanto contemplava o desenvolvimento do drama. Desde esta vantajosa posição, Zak podia ver o interior do anel de
trevas e podia escutar os sons contidos na esfera de silêncio mágico. As tropas do Dinin, os primeiros em penetrar na residência, tinham encontrado uma forte resistência
em cada uma das portas e agora suportavam um duro castigo. Nalfein e sua brigada, as tropas da casa Dou'Urdem mais acostumadas nas artes da feitiçaria, cruzaram
a perto pela parte posterior do complexo. Raios e bolas mágicas de ácido estalavam no pátio contra a base da casa, sem fazer distinções entre defensores e atacantes,
que caíam como moscas. No pátio principal, Rizzen e Dinin comandavam aos melhores guerreiros da casa Dou'Urdem. Quando todas as tropas se encetaram em combate, Zak
advertiu que as bênções do Lloth eram para

os agressores. Os soldados da casa Dou'Urdem atacavam mais rápido que seus inimigos e suas estocadas sempre eram certeiras. Em questão de minutos, combatia-se entre
os cinco pilares. Zak estirou os braços para liberá-los do intumescimento produzido pelo frio e pôs em marcha seu servente aéreo com uma ordem mental. Descendeu
em seu leito de ar, e o abandonou de um salto quando se encontrou a um par de metros da terraço das habitações superiores do pilar central. Imediatamente, dois guardas,
um homem e uma mulher, saíram a seu encontro; mas ao não poder distinguir a forma real do que parecia ser uma mancha cinza, vacilaram. Sua confusão durou muito.
Nunca tinham ouvido mencionar ao Zaknafein Dou'Urdem e ignoravam que se enfrentavam à morte. O látego do Zak estalou no ar como um relâmpago e de um só golpe cortou
a garganta da mulher, enquanto que com a outra mão dirigia a espada para realizar com grande mestria uma série de paradas e ataques que fizeram perder o equilíbrio
ao guarda. Zak acabou com os dois com um único e velocísimo movimento. Atirou do látego enrolado na garganta da mulher, que saiu disparada da terraço, ao tempo que
com um chute no rosto fazia seguir ao homem o mesmo caminho, até o chão da cova. Zak já se encontrava no interior, onde outro guarda cometeu a temeridade de lhe
fazer frente e acabou morto no ato. O professor de armas avançou pego à curva parede da torre, Para aproveitar ao máximo a camuflagem de seu corpo esfriado que se
confundia com a cor da pedra. Os soldados da casa DeVir corriam de um lado para outro em um vão intento de organizar a defesa contra a horda de intrusos que dominavam
o nível inferior de todas as estruturas e se feito com o controle de dois pilares. Zak não fez conta. isolou-se mentalmente do estrépito das armas de adamantita,
os gritos dos comandantes e os alaridos dos que morriam, para concentrar-se em um som singular que o guiaria até seu destino: um cântico frenético. Encontrou um
corredor deserto adornado com talhas de aranhas, que entrava para o centro da estalactite. Como na casa Dou'Urdem, este corredor acabava em umas grandes leva dobre,
com decorações onde preponderavam as formas aracnídeas. -Este tem que ser o lugar -murmurou cobrindo-a cabeça com o capuz. Uma aranha gigante saiu de repente de
seu esconderijo ao lado mesmo do homem. Zak se mergulhou por debaixo do monstro ao tempo que girava sobre si mesmo para cravar sua espada quase até o punho no ventre
da criatura. Um líquido pegajoso empapou ao professor de armas enquanto a aranha se debatia nos estertores de uma morte rápida. -Sim, este deve ser o lugar -sussurrou
Zak, limpando o rosto, sujo com os pestilentos fluidos. Continuando, arrastou ao monstro morto até o cubículo que lhe tinha servido de esconderijo, e se acurrucó
a seu lado, com a esperança de que ninguém tivesse advertido a breve briga. Pelo estrépito das armas ao chocar, Zak calculou que a luta se desenvolvia muito perto
do piso em que se achava. Ao parecer, as defesas da casa DeVir resistiam, e os invasores não conseguiam avançar. -Agora, Malícia -murmurou Zak, confiando em que
Briza, com a que estava unido telepáticamente, captaria sua agitação. Que não seja muito tarde! Na sala de espera dos clérigos da casa Dou'Urdem, Malícia e suas
subordinadas mantinham seu brutal ataque telepático contra os sacerdotes da casa DeVir. Lloth escutava suas preces com mais claridade que as de seus oponentes, e
outorgava aos clérigos da casa Dou'Urdem feitiços mais capitalistas em seu combate mental. Já tinham conseguido sem muitas dificuldades pôr a seus inimigos à defensiva.
Uma das sacerdotisas menores no círculo dos oito do DeVir tinha resultado esmagada pelas ondas mentais da Briza, e seu cadáver jazia no chão a um palmo dos pés da
matrona Ginafae. Não obstante, o ataque tinha perdido impulso e a batalha parecia equilibrada. A matrona Malícia, atendida pelos dores do parto, não podia manter
a concentração, e, sem sua voz, os feitiços do círculo sacrílego se debilitavam. Ao lado de sua mãe, a capitalista Briza sujeitava a mão de Malícia com tanta força
que lhe tinha talhado a circulação, e agora aquela aparecia aos olhos de outros como o único ponto frio no corpo da parturiente. Briza vigiava as contrações e o
penacho de cabelos brancos do bebê, para calcular o tempo que faltava para o nascimento. A técnica de transladar a dor do parto a um feitiço ofensivo era algo que
só mencionavam as lendas e ninguém o tinha posto em prática, embora Briza sabia que o tempo era o fator crítico. Sussurrou ao ouvido de sua mãe para ajudá-la a pronunciar
as palavras da salmodia mortal. A matrona Malícia reprimiu seus gemidos para transformar a agonia de sua dor em potencializa ofensiva. -Dinnen douward MA brechen
tol -rezou Briza.

-Dinnen douward... maaa... brechen tol!-repetiu Malícia, esforçando-se tanto por concentrar-se em meio de sua dor que seus dente fizeram um corte em seu magro
lábio inferior. A cabeça do bebê se fez um pouco mais visível, e esta vez não retrocedeu. Briza se estremeceu quase sem poder recordar as palavras da salmodia. Murmurou
a última estrofe ao ouvido da matrona, com um pouco de medo pelas conseqüências. Malícia fez provisão de todo seu valor. Percebia o comichão do feitiço com tanta
claridade como a dor do parto. Para suas filhas, que a contemplavam incrédulas de pé ao redor do ídolo, semelhava uma mancha vermelha de fúria hirviente, sulcada
por linhas de suor tão brilhantes como o vapor da água. -Abec -pronunciou a matrona, consciente do aumento da pressão. Abec. Notou o rasgo ardente de sua pele,
a súbita e escorregadia descarga à medida que passava a cabeça do bebê, o repentino êxtase do nascimento. -Abec dava'n'a'BREG DOUWARD! -gritou Malícia, convertendo
toda sua agonia em uma última explosão de poder mágico que derrubou inclusive aos clérigos de sua própria casa. Transportado no impulso da exultação da matrona Malícia,
o duomer caiu como um raio na capela, destroçou o ídolo do Lloth, converteu as portas dobre em um montão de ferros retorcidos e lançou por terra à matrona Ginafae
e a seus subordinados. Zak sacudiu a cabeça incrédulo quando as portas da capela voaram por diante de seu esconderijo. -Vá coice, Malícia! -exclamou, com uma gargalhada.
Sem perder um segundo se adiantou até a entrada da capela. Utilizando a infravisão, inspecionou o recinto às escuras e distinguiu aos sete ocupantes vivos, com
seus objetos convertidos em farrapos, que tentavam levantar-se. Moveu uma vez mais a cabeça, admirado pelo tremendo poder da matrona Malícia, e se cobriu o rosto
com o capuz. Um estalo de seu látego foi sua única apresentação enquanto estrelava uma pequena esfera de cerâmica diante de seus pés. A esfera se fez pedaços e deixou
cair um perdigón que Briza tinha enfeitiçado para este tipo de situações, um perdigón que resplandecia com a força do sol. Para os olhos habituados à escuridão e
capacitados para ver o espectro infravermelho, a súbita aparição de uma luz tão intensa foi como uma terrível queimadura. Os gritos de dor das sacerdotisas ajudaram
ao Zak em seu sistemático percurso pela habitação. O professor de armas sorria agradado atrás do véu do capuz cada vez que sua espada se afundava na carne dos drows.
Escutou as primeiras palavras de um feitiço, ao outro lado da sala, e compreendeu que um dos DeVir se recuperou o suficiente para chegar a ser perigoso. Zak não
necessitava de seus olhos para orientar-se, e de uma chicotada lhe arrancou a língua à matrona Ginafae. Briza colocou ao recém-nascido sobre o lombo do ídolo aranha
e empunhou a adaga cerimoniosa. Fez uma pausa para admirar o trabalho do artista que tinha fabricado a adaga dos sacrifícios. O punho reproduzia o corpo de uma aranha
de oito patas cobertas de puas diminutas a modo de cabelos e dispostas em diagonal para baixo para servir de cuchillas. Briza levantou a arma por cima do peito do
bebê. -Nomeia ao bebê -rogou a sua mãe. A rainha aranha não aceitará o sacrifício até que o bebê tenha um nome! A matrona Malícia bamboleou a cabeça, tentando
entender as palavras de sua filha. A mãe matrona tinha consumido toda sua energia mental no momento do feitiço e o nascimento, e agora apenas se conservava um pouco
de lucidez. -Nomeia ao bebê! -gritou Briza, ansiosa por alimentar a sua deidade faminta. -aproxima-se o final -comentou-lhe Dinin a seu irmão quando se encontraram
no vestíbulo inferior de um dos pilares mais pequenos da casa DeVir. Rizzen está a ponto de conquistar esta torre, e ao parecer Zaknafein completou seu trabalho.
-Dois pelotões da casa DeVir se passaram a nosso bando -respondeu Nalfein. -cheiraram a derrota -afirmou Dinin, com uma gargalhada. Eles dá no mesmo uma casa
que outra. Para os plebeus não há nenhuma causa pela que valha a pena morrer. Nossa tarefa está a ponto de acabar. -Muito rápido para que alguém se desse conta
de algo-disse Nalfein. Agora Dou'Urdem, Daermon N'a'shezbaernon, é a casa novena do Menzoberranzan, e malditos sejam os DeVir! -Cuidado! -gritou de repente
Dinin, com os olhos muito abertos em uma fingida expressão de espanto enquanto olhava por cima do ombro de seu irmão. Nalfein reagiu no ato e se voltou para fazer
frente ao perigo que o espreitava por detrás, com o qual deu as costas ao atacante real. Na mesma fração de segundo em que Nalfein advertia a

traição, a espada do Dinin lhe cortou o espinho dorsal. Dinin apoiou a cabeça no ombro de seu irmão e apertou sua bochecha contra a do Nalfein, para observar como
a faísca vermelha se apagava em seus olhos. -Muito rápido para que alguém se desse conta de algo -burlou-se Dinin, repetindo as palavras de seu irmão. separou-se
do corpo inerte, que caiu ao chão. Agora Dinin é o filho maior da casa Dou'Urdem, e maldito seja Nalfein! -Drizzt -sussurrou a matrona Malícia. O nome do menino
é Drizzt! Briza apertou o punho da adaga e começou o ritual do sacrifício. -Reina das aranhas, toma a este menino -recitou, e levantou a adaga, lista para descarregar
o golpe. Entregamos ao Drizzt Dou'Urdem como uma oferenda por nossa gloriosa vic... -Espera! -gritou Maia de um flanco da habitação. Seu vínculo telepático se
interrompeu bruscamente e isto só podia significar uma coisa. Nalfein morreu -anunciou. O bebê já não é o terceiro filho vivo. Vierna dirigiu um olhar de interrogação
a sua irmã. No preciso momento em que Maia percebia a morte do Nalfein, Vierna, conectada ao Dinin, notava uma forte comoção emocional. Alegria? Vierna franziu os
lábios, e se perguntou se Dinin teria conseguido cometer o fratricídio. Briza ainda sustentava a adaga com forma de aranha sobre o peito do bebê, disposta a sacrificá-lo
ao Lloth. -Prometemos à rainha aranha o terceiro filho vivo -advertiu-lhe Maia. E cumprimos. -Mas não em sacrifício -protestou Briza. -Se Lloth aceitou ao
Nalfein, então a promessa está satisfeita-manifestou Vierna, confundida. Lhe entregar outro poderia provocar a ira da rainha aranha. -Se não lhe dermos o que
tínhamos prometido poderia resultar ainda pior! -insistiu Briza. -Então cumpre com o encargo -disse Maia. Briza levantou outra vez a adaga e voltou a iniciar
o ritual. -Aparta sua mão -ordenou-lhe a matrona Malícia, que se ergueu em sua cadeira. Lloth está satisfeita. A vitória é nossa. Dêem a bem-vinda a seu irmão,
o flamejante membro da casa Dou'Urdem. -Só é um varão -comentou Briza, desgostada, ao tempo que se separava do ídolo e do bebê. -A próxima vez o faremos melhor
-repôs Malícia, com uma risita. Em seu foro interno se perguntou se haveria uma próxima vez. aproximava-se do final de seu quinto século de vida, e as elfas drows
não eram muito prolíficas, nem mesmo as jovens. Malícia tinha concebido a Briza quando tinha cem anos, mas nas quatro centúrias transcorridas após só tinha tido
outros cinco filhos. Inclusive este bebê, Drizzt, tinha chegado como uma surpresa, e Malícia não esperava ter mais filhos. -Basta já de discussões -murmurou Malícia
para si mesmo, exausta. Já haverá tempo de sobra... afundou-se em sua cadeira e se sumiu em um profundo e prazenteiro sonho para sonhar com novas cotas de poder.
Zaknafein caminhou através do pilar central da casa DeVir, com o capuz em uma mão e seu látego e a espada sujeitos outra vez ao cinturão. de vez em quando se escutava
o ruído de uma refrega, que concluía quase imediatamente. A casa Dou'Urdem tinha alcançado a vitória, a casa décima tinha derrotado à quarta, e agora só faltava
eliminar as provas e às testemunhas. Um grupo de sacerdotisas menores se ocupava de atender aos Dou'Urdem feridos e de reanimar aos cadáveres que não podiam curar,
para que os corpos pudessem afastar-se por seus próprios meios do cenário do crime. Quando estivessem de retorno na casa Dou'Urdem, quão mortos não apresentassem
lesões irreversíveis seriam ressuscitados e devolvidos a suas ocupações. Zak se afastou, estremecido pelo espetáculo, enquanto as sacerdotisas foram de habitação
em habitação, seguidas por uma fila de zombis Dou'Urdem cada vez mais larga. Se a presença desta tropa lhe resultava desagradável, muito pior era a que a seguia.
Duas sacerdotisas Dou'Urdem guiavam a um pelotão pelo edifício, com o objetivo de descobrir por meio de seus feitiços detectores os esconderijos dos DeVir superviventes.
Uma das sacerdotisas se deteve no vestíbulo a uns poucos passos do Zak, e, com os olhos em branco, concentrou-se nas vibrações de seu feitiço. Estendeu um braço
ante ela e riscou uma linha no ar, como se seus dedos fossem uma macabra vara mágica à busca de carne drow. -Ali! -exclamou a mulher, assinalando uma seção na
base da parede. Os soldados se lançaram como uma manada de lobos contra a porta secreta e a derrubaram no ato. No pequeno esconderijo se acurrucaban os meninos da
casa DeVir. devido a sua condição de nobres não podiam deixá-los vivos.

Zak caminhou depressa para não presenciar a cena, embora pôde escutar com toda claridade os gritos se desesperados para os meninos enquanto os sanguinários soldados
de Dou'Urdem cumpriam seu macabro trabalho. O professor de armas partia quase à carreira quando ao dar a volta em uma curva se encontrou de repente com o Dinin e
Rizzen. -Nalfein está morto -declarou Rizzen, impassível. Zak dirigiu um olhar de suspeita ao segundo filho da casa Dou'Urdem. -Matei ao soldado DeVir que cometeu
o crime -assegurou-lhe Dinin, sem dissimular um sorriso presunçoso. Zak tinha quatrocentos anos, e conhecia muito bem os costumes de sua ambiciosa raça. Os irmãos
tinham estado na retaguarda, sempre separados do inimigo por uma hoste de soldados Dou'Urdem. Quando ao fim tinham entrado nos edifícios, quase todas as tropas superviventes
dos DeVir se passaram à casa Dou'Urdem. O professor de armas teria jurado que nenhum dos irmãos tinha chegado a presenciar combate algum contra os DeVir. -Todas
nossas tropas se inteiraram da massacre na capela -comentou- Rizzen ao Zak. Comportaste-te com a mesma perfeição de sempre, tal como esperávamos de ti. Zak dirigiu
um olhar de desprezo a seu patrão e seguiu seu caminho, que o levou através da porta principal até além da escuridão mágica e ao silêncio da tenebrosa alvorada do
Menzoberranzan. Rizzen não era mais que o último de uma larga lista de companheiros da matrona Malícia. Quando esta decidisse dar por acabada a relação, relegaria-o
outra vez às filas dos soldados plebeus, despojado do nome Dou'Urdem e de todos os direitos que o acompanhavam, ou mandaria matá-lo. Zak não lhe devia respeito.
O professor de armas atravessou o cerco de cogumelos e, depois de procurar o ponto de observação mais alto a seu alcance, deixou-se cair ao chão. Ao cabo de uns
momentos contemplou, assombrado, o desfile do exército Dou'Urdem: o patrão e o filho, os soldados e as sacerdotisas, e as duas dúzias de zombis, que retornavam a
sua casa. Tinham perdido a quase todos os escravos, e não se preocuparam por recuperá-los, mas a coluna que abandonava a arrasada casa DeVir era mais numerosa que
antes. Os escravos perdidos tinham sido substituídos por partida dobro com os escravos da família DeVir, e cinqüenta ou mais soldados plebeus da família vencida
se uniram voluntariamente aos agressores, um pouco muito habitual entre os drows. Estes traidores seriam submetidos a um interrogatório mágico pelas sacerdotisas
Dou'Urdem para comprovar sua sinceridade. Zak sabia que todos superariam a prova. Os elfos drows eram superviventes, e não gente de princípios. Os soldados receberiam
uma nova identidade e seriam mantidos no isolamento da casa Dou'Urdem durante uns meses, até que ninguém recordasse a queda da casa DeVir. O professor de armas não
os acompanhou. Em troca, procurou um atalho entre os cogumelos gigantes até chegar a um pequeno claro, onde se deitou sobre a rocha coberta de musgo para contemplar
a eterna escuridão do teto da caverna... e a eterna escuridão de sua existência. Como intruso na zona mais capitalista da grande cidade, o mais sensato por sua parte
teria sido permanecer em silencio naquele momento. Pensou nas possíveis testemunhas, os elfos escuros que tinham presenciado a queda da casa DeVir, e que tinham
desfrutado com o espetáculo. Enfrentado a semelhante comportamento e ao açougue dessa noite, Zak não podia conter suas emoções. Seu lamento se manifestou como um
rogo a um deus desconhecido. -Que classe de lugar é meu mundo? Em que escuro torvelinho se encarnou meu espírito? - sussurrou furioso, manifestando a repulsa que
sempre tinha sentido em seu interior. À luz, vejo que minha pele é negra. Na escuridão, resplandece branca ao calor desta fúria que não posso rechaçar. "Oxalá
tivesse a coragem de deixar este lugar ou esta vida, ou de me enfrentar abertamente contra a maldade que é este mundo, o de minha gente. A coragem de procurar uma
existência que não esteja contra minhas crenças, a não ser regida por aquilo que tenho por verdadeiro. "Zaknafein Dou'Urdem é meu nome, e entretanto não sou um drow,
nem por nascimento nem por adoção. Deixemos que descubram o ser que sou. Deixemos que descarreguem seus vituperios sobre estes velhos ombros que já não suportam
a carga do desconsolo do Menzoberranzan. Sem fazer caso das conseqüências, o professor de armas se ergueu em toda sua estatura para lançar sua pergunta aos quatro
ventos. -Menzoberranzan, que demônios é? -gritou. Depois, quando não chegou nenhuma resposta da cidade em silêncio, Zak flexionou seus cansados músculos para eliminar
os restos do frio mágico da Briza. Aplaudiu o látego sujeito a seu cinturão, e o consolou recordar que a arma lhe tinha permitido lhe cortar a língua a uma mãe matrona.

3

Os olhos de um menino

Masoj, o jovem aprendiz -o qual, nesta etapa de sua carreira de mago, só significava que tinha igual categoria que um servente-, apoiou-se na manga de sua vassoura
e observou ao Alton DeVir, quem cruzava a porta da câmara mais alta da torre. Masoj quase sentia compaixão pelo estudante, que tinha que entrar e enfrentar-se ao
Sem Rosto. O aprendiz também se sentia excitado ao saber que a discussão entre o Alton e o professor Sem Rosto seria algo digno de presenciar. dedicou-se outra vez
a varrer e utilizou a vassoura para avançar ao longo da curva da parede, em direção à porta. -requerestes minha presença, professor Sem Rosto -repetiu Alton DeVir,
elevando uma mão e entreabrindo as pálpebras para proteger do intenso resplendor dos três candelabros que iluminavam a habitação. Alton se moveu incômodo, descarregando
seu peso de um pé a outro sem apartar-se da porta. Ao outro extremo do recinto o Sem Rosto se mantinha de costas ao jovem DeVir. "O melhor é acabar com isto quanto
antes", pensou o professor. Era consciente de que o feitiço que preparava nesse momento mataria ao estudante antes de lhe dar tempo a conhecer o destino de sua família,
por isso não cumpriria com as instruções finais do Dinin Dou'Urdem, mas o risco era muito alto e o melhor era fazê-lo quanto antes. -Hão... -repetiu Alton. A prudência
o conteve e em troca tentou compreender a situação em que se encontrava. Era algo pouco habitual ser chamado aos aposentos privados de um professor da Academia antes
de começar as lições do dia. Quando tinha recebido o aviso, Alton pensou que tinha fracassado em uma de suas lições, o qual podia ser um engano fatal no Sorcere.
Alton estava a ponto de graduar-se, mas o voto contra um só dos professores podia acabar com seus estudos. Tinha sido um dos alunos mais aplicados do Sem Rosto,
e inclusive tinha acreditado que o misterioso professor o favorecia. Poderia ser esta chamada um gesto de cortesia e uma felicitação por seu êxito como estudante?
Alton compreendeu que isto era pouco provável, pois os professores da Academia não estavam acostumada felicitar aos alunos. Então escutou o rumor da salmodia e advertiu
que o professor se ocupava de preparar um feitiço. de repente, pareceu-lhe que havia algo muito estranho, que em seu conjunto a situação não encaixava nos estritos
procedimentos da Academia. Alton separou as pernas e plantou os pés bem firmes ao tempo que esticava os músculos, em uma resposta automática ao lema que a Academia
inculcava a seus alunos do primeiro dia, o preceito que mantinha vivos aos elfos escuros em uma sociedade tão devota do caos: estejam preparados. A porta estalou
diante de seus narizes, e uma chuva de fragmentos de pedra açoitou a habitação enquanto Masoj saía despedido contra uma parede. O aprendiz considerou que o espetáculo
merecia os inconvenientes e o golpe no ombro quando viu o Alton DeVir sair por pernas da habitação. Das costas e o braço esquerdo do estudante saíam hilillos de
fumaça, e a mais deliciosa expressão de pânico e dor que Masoj tinha visto em toda sua vida se refletia no rosto do jovem DeVir. Alton caiu ao chão e rodou sobre
si mesmo, em um intento desesperado por afastar do professor assassino. Conseguiu baixar e dar a volta pelo arco descendente do chão da habitação e atravessar a
porta que dava a seguinte câmara inferior no preciso momento em que o Sem Rosto aparecia na abertura da porta destroçada. O professor se deteve para soltar uma maldição
ante seu fracasso e a pensar na melhor maneira de substituir a porta.

-Poda tudo este lixo! -ordenou ao Masoj, que uma vez mais estava tão afresco com as mãos sujeitas ao extremo do pau da vassoura e o queixo apoiado nas mãos. Masoj
agachou a cabeça obediente e começou a varrer as lascas de pedra; mas assim que o Sem Rosto o deixou atrás, abandonou sua tarefa e seguiu com cautela a seu amo.
Alton não tinha escapatória possível, e ele não queria perder o final deste episódio. A terceira habitação, a biblioteca privada do Sem Rosto, era a ondas iluminada
das quatro que havia na torre, com dúzias de velas acesas em cada uma das paredes. -Maldita luz! -exclamou Alton, que, cegado pelo resplendor, abriu-se passo a
provas para a porta que conduzia ao vestíbulo de entrada à residência do professor. Se podia chegar até ali e sair da torre para ganhar acesso ao pátio da Academia,
possivelmente conseguisse sair bem liberado do apuro. Alton pertencia ao escuro mundo do Menzoberranzan, mas o Sem Rosto, que tinha passado tantas décadas à luz
dos candelabros do Sorcere, acostumou-se a ver os matizes da luz além das ondas infravermelhas do calor. O vestíbulo aparecia abarrotado de cadeiras e cofres e iluminado
com uma única vela, e portanto Alton podia ver com a claridade suficiente para esquivar ou saltar os obstáculos. Correu até a porta e, sujeitando o pesado trinco,
fez-o girar com facilidade; entretanto, quando atirou para abrir a porta, a folha não se moveu e uma faísca de energia azul o lançou contra o chão. -Maldito seja
este lugar! -gritou Alton. A porta tinha um fechamento mágico. O estudante conhecia um feitiço para abrir portas encantadas, embora duvidava que sua magia tivesse
o poder suficiente para desfazer o encantamento de um professor. Dominado pela pressa e o medo, as palavras do duomer passaram pela mente do Alton em uma confusão
indecifrável. -Não fuja, DeVir! -vociferou o Sem Rosto da outra habitação. Só conseguirá prolongar sua tortura! -Maldito você seja também -replicou Alton em
um murmúrio. Se despreocupó do encantamento, porque não teria tempo de pô-lo em prática. Em troca, examinou o quarto em busca de alguma outra saída. Descobriu algo
fora do corrente a meia altura de uma das paredes laterais, no espaço entre dois grandes armários, e retrocedeu uns passos para poder ver melhor; mas se encontrou
dentro da zona iluminada pela vela, no campo onde seus olhos recebiam o mesmo tempo as ondas de luz e de calor. Só podia ver que esta seção da parede apresentava
um resplendor uniforme no espectro infravermelho e que seu tom tinha um matiz distinto do das pedras das paredes. Outra porta? Alton unicamente podia confiar em
que sua hipótese fosse a correta. Correu até o centro da habitação para situar-se diante mesmo do objeto, e forçou a mudança da visão infravermelha ao do mundo da
luz. À medida que seus olhos se acomodavam à mudança, o que pôde ver surpreendeu e desconcertou ao jovem DeVir. Não viu outra porta, nenhuma abertura a outro quarto
ao outro lado. O que tinha diante era um reflexo de si mesmo, e uma parte da habitação onde se encontrava. Em seus cinqüenta e cinco anos de vida, Alton nunca tinha
visto nada igual, embora tinha ouvido falar destes artefatos aos professores do Sorcere. Chamavam-nos espelhos. Um movimento na porta superior da habitação recordou
ao Alton que o Sem Rosto estava a uns passos de distância. Não podia perder mais tempo em estudar suas opções. Agachou a cabeça e carregou contra o espelho. Possivelmente
se tratava de um portal de teletransporte a outro setor da cidade, ou de uma porta a outra habitação. Talvez, atreveu-se a pensar Alton naquele segundos de desespero,
era uma abertura de comunicação entre planos que o levaria a um plano novo e desconhecido. Sentiu o comichão excitante da aventura enquanto se aproximava do objeto
maravilhoso. Depois, notou só o impacto, o ruído do cristal que se rompia, e a dureza da parede de pedra detrás daquela coisa. A fim de contas, possivelmente só
era um espelho. -Olhe seus olhos -sussurrou-lhe Vierna a Maia enquanto as duas mulheres observavam ao novo membro da casa Dou'Urdem. Efetivamente, os olhos do
bebê eram dignos de comentar. Apesar de que tinha transcorrido menos de uma hora do nascimento, as pupilas se moviam de um lugar a outro atentas a tudo. Embora mostravam
o resplendor típico dos olhos capazes de ver no espectro infravermelho, o vermelho habitual aparecia tingido com um pingo de azul, com o qual tinham um tom lilás.
-Será cego? -perguntou Maia. depois de tudo, possivelmente o acabe sacrificando à rainha aranha.

Inquieta, Briza voltou a observar os olhos de seu irmão. Os elfos escuros sacrificavam aos meninos com defeitos físicos. -Não é cego -respondeu Vierna, que passou
uma mão por diante do rosto do pequeno e dirigiu um olhar de fúria a suas irmãs. Segue o movimento de meus dedos. Maia viu que Vierna dizia a verdade. aproximou-se
um pouco mais ao bebê e observou seu rosto e seus estranhos olhos. -O que é o que vê, Drizzt Dou'Urdem? -perguntou em voz baixa, não por delicadeza por volta do
recém-nascido, a não ser para não incomodar a sua mãe, que descansava em uma cadeira colocada junto ao ídolo aranha. -O que pode ver que nós não vejamos? Os cristais
se esmagaram com o peso do Alton, e lhe produziram profundos cortes quando moveu o corpo em um esforço por ficar de pé. "Para que?", pensou. Escutou o gemido do
Sem Rosto ao ver seu espelho destroçado e olhou em direção à voz. O feiticeiro estava quase em cima dele. Ao jovem DeVir lhe pareceu estar aos pés de um gigante:
um ser enorme e poderoso que tampava a luz da vela no pequeno espaço entre os dois armários, com seu corpo aumentado dez vezes aos olhos da vítima inerme pelo que
representava sua presença. Alton notou que uma substância pegajosa caía sobre ele, uma espécie de telaraña que se enganchava nos armários, na parede e em seu corpo.
O moço tentou levantar-se, escapar como fora, mas o feitiço do Sem Rosto já o deixava bem sujeito, apanhado como uma mosca na rede de uma aranha. -Primeiro minha
porta -exclamou o Sem Rosto-, e agora isto: meu espelho! Tem idéia do que me custou conseguir um objeto tão precioso? Alton moveu a cabeça de um lado a outro,
não como resposta, a não ser com a intenção de conseguir ao menos liberar sua cara da substância pegajosa. -por que não fica quieto de uma vez e deixa que acabe
com tudo isto sem mais inconvenientes? -vociferou o Sem Rosto, profundamente aborrecido. -por que? -perguntou Alton, que antes de falar cuspiu a substância pega
a seus lábios. por que querem me matar? -Porque tem quebrado meu espelho! -respondeu o Sem Rosto. Certamente, sua resposta não tinha sentido -o espelho tinha
sido quebrado depois do primeiro ataque- mas para o professor, pensou Alton, não era necessário que o tivesse. Alton sabia que sua causa estava perdida, mas mesmo
assim continuou com seus esforços para dissuadir a seu oponente. -Conhecem muito bem a posição de minha casa, a casa DeVir! -afirmou indignado. É quarta da cidade.
Provocarão a ira da matrona Ginafae. Uma grande sacerdotisa dispõe de médios para averiguar a verdade em casos como este! -A casa DeVir? O Sem Rosto soltou uma
gargalhada. Possivelmente se impunha aplicar os torturas solicitados pelo Dinin Dou'Urdem. depois de tudo, Alton tinha destroçado seu espelho. -Sim, a quarta casa!
-repetiu Alton. -Jovenzinho estúpido -burlou-se o Sem Rosto. A casa DeVir já não existe. Não é a quarta, nem a quinta. Não é nada. Alton afrouxou os músculos,
embora a telaraña fez todo o possível por manter seu corpo erguido. Do que falava o professor? -Estão todos mortos -acrescentou o Sem Rosto. A matrona Ginafae
tem a oportunidade de ver o Lloth mais de perto. -A expressão de horror do Alton agradou ao mago. Todos mortos - repetiu, ufano. Exceto o pobre Alton, que
vive para inteirar-se da desgraça de sua família. Um engano que remediaremos agora mesmo! O Sem Rosto levantou as mãos para lançar um feitiço mortal. -Quem? -gritou
Alton. O Sem Rosto fez uma pausa, desconcertado pela pergunta. -Que casa é a responsável? -inquiriu o estudante, com mais claridade. Ou melhor dizendo, quais
são as casas que conspiraram para destruir aos DeVir? -Ah, teria que sabê-lo -respondeu o Sem Rosto, que desfrutava com o sofrimento do jovem. Suponho que tem
direito ou seja a verdade antes de que lhe reúnas com os teu no reino dos mortos. Um sorriso apareceu no buraco onde tinham estado seus lábios. -Mas tem quebrado
meu espelho! -bramou o professor. Morre, estúpido estudante! Procura suas próprias respostas! O peito do Sem Rosto se abombó de repente, e umas terríveis convulsões
lhe sacudiram o corpo, enquanto balbuciava maldições em uma língua desconhecida para o aterrorizado estudante. Que vil feitiço tinha preparado o professor desfigurado,
tão maligno que seu salmodia soava como um jargão

incompreensível para os educados ouvidos do Alton, de uma crueldade tão grande que sua só enunciação era capaz de estremecer inclusive ao feiticeiro? Então o Sem
Rosto caiu de bruces ao chão e expirou. Assombrado, Alton seguiu a linha riscada pelo capuz do professor ao longo das costas e descobriu o extremo emplumado de um
dardo. O jovem DeVir contemplou o objeto envenenado, que vibrava pelo impacto, e depois voltou seu olhar para o centro da habitação, onde o assistente permanecia
muito tranqüilo. -Uma arma muito bonita, Sem Rosto! -comentou Masoj, enquanto esticava a corda de uma pequena mola de suspensão de mão. Obsequiou ao DeVir com
um sorriso pérfido e colocou outro dardo. A matrona Malícia apoiou as mãos nos braços de sua cadeira e com um tremendo esforço de vontade ficou de pé. -Saiam do
passo! -ordenou a suas filhas. Maia e Vierna se apartaram imediatamente do ídolo aranha e do bebê. -Olhe seus olhos, mãe matrona -atreveu-se a dizer Vierna.
São muito estranhos. A matrona Malícia observou ao menino. Tudo parecia normal, e se sentiu agradada; agora que Nalfein, o filho maior da casa Dou'Urdem, tinha morrido,
este menino, Drizzt, teria que esforçar-se muito para substituir ao filho perdido. -Seus olhos -repetiu Vierna. A matrona lhe dirigiu um olhar maligno mas se inclinou
sobre o menino para ver que vinha tanto escândalo. -Lilás! -exclamou Malícia, surpreendida. Nunca tinha escutado mencionar nada parecido. -Não é cego -apressou-se
a assinalar Maia, ao ver a expressão de desdém no rosto de sua mãe. -Tragam a vela -ordenou a matrona Malícia. Vejamos que aspecto têm estes olhos no mundo da
luz. Maia e Vierna se dirigiram ao armário sagrado, mas Briza se interpôs em seu caminho. -Só uma grande sacerdotisa pode tocar os objetos consagrados -recordou-lhes
em um tom carregado de ameaça. Com gesto altivo, deu meia volta, abriu o armário, e tirou o cabo de uma vela vermelha. As sacerdotisas fecharam os olhos, e a matrona
Malícia protegeu o rosto do infante com uma mão enquanto Briza acendia a vela sagrada. Chama-a era muito pequena, mas para os olhos dos drows tinha uma potência
extraordinária. -Traz-a -disse Malícia assim que seus olhos se acomodaram à intensidade da luz. Briza aproximou a vela ao rosto do Drizzt, e Malícia apartou a
mão pouco a pouco. -Não chora -comentou Briza, assombrada ao ver que o bebê podia tolerar o aguilhão da luz sem problemas. -Lilás também -sussurrou a matrona,
sem emprestar atenção aos comentários de sua filha. Os olhos são lilás nos dois mundos. Vierna soltou uma exclamação quando olhou a seu irmão pequeno e seus estranhos
olhos lilás. -É seu irmão -recordou-lhe a matrona Malícia, que interpretou a exclamação da Vierna como uma insinuação do que poderia ocorrer. Quando for maior
e o olhar de seus olhos te atravesse, recorda, por sua vida, que é seu irmão. Vierna lhe voltou as costas, quase a ponto de dar uma resposta que depois se arrependeria
de ter pronunciado. As aventuras amorosas da matrona Malícia com quase todos os soldados varões da casa Dou'Urdem -e com muitos outros que a sedutora matrona tinha
conseguido arrebatar de outras casas- eram quase uma lenda no Menzoberranzan. Quem se acreditava que era para recomendar prudência e uma conduta exemplar? Vierna
se mordeu a língua e desejou que nem Briza nem sua mãe tivessem lido seus pensamentos naquele momento. No Menzoberranzan, pensar estas coisas a respeito de uma grande
sacerdotisa, fossem ou não certas, significava uma morte muito dolorosa. Malícia entreabriu as pálpebras, e Vierna acreditou que a tinha descoberto. -Você te encarregará
de educá-lo -disse a matrona Malícia. -Maia é mais jovem -protestou Vierna. Poderia me converter em grande sacerdotisa dentro de uns poucos anos se dispuser
do tempo suficiente para meus estudos. -Ou possivelmente nunca -recordou-lhe Malícia, severo. Leva a menino à capela. Insígnia o as palavras e te ocupe de que
aprenda tudo o que necessita para servir corretamente como príncipe da casa Dou'Urdem. -Eu poderia me ocupar de sua educação -ofereceu Briza, que, em um gesto
inconsciente, aproximou a mão a seu látego de serpentes. eu adoro ensinar aos varões seu lugar em nosso mundo.

-É uma grande sacerdotisa -replicou Malícia, com um olhar furioso. Tem outras tarefas mais importantes que a de ensinar a falar com um menino. -Depois voltou
sua atenção outra vez a Vierna. O bebê é teu; não me decepcões! As lições que repartirá ao Drizzt reforçarão seus conhecimentos sobre nossos preceitos. O exercício
da "maternidade" te ajudará em seus esforços por te converter em grande sacerdotisa. -Malícia fez uma pausa para que Vierna considerasse o encargo de um ponto de
vista mais positivo, e a seguir voltou a utilizar um tom de ameaça. Possivelmente te possa ajudar, mas tenha presente que também pode te destruir! Vierna suspirou
sem deixar traslucir seus pensamentos. A tarefa que a matrona Malícia tinha descarregado sobre seus ombros consumiria todo seu tempo ao menos durante dez anos, e
a perspectiva de ter que passar toda uma década junto ao menino de olhos lilás não lhe resultava nada grata. Entretanto, a alternativa de enfrentar-se à cólera da
matrona Malícia Dou'Urdem era muito pior. -Não é mais que um menino, um aprendiz -gaguejou Alton, depois de cuspir outra parte de baba pegajosa. Que interesse
tinha...? -Em matá-lo? -Masoj acabou a pergunta por ele. Certamente, não para te salvar a vida, se for o que crie. -Lançou um escupitajo contra o cadáver do
Sem Rosto. Me olhe, um príncipe da sexta casa, convertido em servente deste asqueroso... -Hun'ett -interrompeu-o Alton. A Hun'ett é a sexta casa. O drow mais
jovem se levou um dedo aos lábios franzidos, e de repente um sorriso lhe iluminou o rosto, um cruel sorriso sarcástico. -Suponho que agora somos a quinta casa -comentou-,
à vista de que os DeVir foram eliminados. -Ainda não! -grunhiu Alton. -Só de momento -assegurou-lhe Masoj, com o dedo no gatilho da mola de suspensão. Alton
se afundou mais na rede. Morrer à mãos de um professor já era bastante mau, mas a indignidade de ser disparado flechas por um menino... -Possivelmente teria que
te dar as obrigado -acrescentou Masoj. Tinha planejado sua morte há semanas. -por que? -perguntou-lhe Alton a seu novo inimigo. Atreveste-te a assassinar
a um professor do Sorcere só porque sua família entregou a ele como servente? -Matei-o porque me humilhava! -gritou Masoj. Durante quatro anos trabalhei como
um escravo para ele, para este montão de imundície. limpei suas botas. preparei ungüentos para a massa repugnante que tinha por cara! Alguma vez foi suficiente?
Não para ele. -Voltou a cuspir ao cadáver e prosseguiu com seu monólogo dedicado mais a si mesmo que ao estudante prisioneiro- . Quão nobres aspiram a converter-se
em magos têm a vantagem de poder passar uma temporada como aprendizes antes de alcançar a idade necessária para o ingresso no Sorcere. -Certamente -interveio Alton.
Eu mesmo fui aprendiz com... -Tinha a intenção de não me deixar ingressar no Sorcere! -exclamou Masoj, sem fazer caso do Alton. Pretendia me forçar a entrar
no Melee-Magthere, a escola dos guerreiros! dentro de duas semanas farei vinte e cinco anos. Masoj fez uma pausa, como se de repente tivesse recordado que havia
alguém mais na habitação. -Não tinha mais opção que matá-lo -acrescentou, esta vez dirigindo-se ao Alton. Então apareceu você e não pude deixar acontecer a oportunidade.
Um estudante e um professor que se matam o um ao outro em uma briga... Não é a primeira vez que acontece. Quem poderia perguntar nada? portanto, penso que devo te
dar as obrigado, Alton DeVir de Nenhuma Casa Digna de Menção... -Masoj lhe dedicou um arremedo de reverência-, antes de que lhe mate, quero dizer. -Espera! -gritou
Alton. Que esperas conseguir com minha morte? -Um álibi. -Mas se já tem um álibi! E entre os dois podemos melhorá-la -propôs DeVir. -te explique -disse Masoj,
que, em realidade, não tinha nenhuma pressa. O Sem Rosto tinha sido um grande feiticeiro, por isso a rede mágica demoraria muito em desaparecer. -me solte -rogou
Alton, ansioso. -É que de verdade é tão estúpido como dizia o Sem Rosto? Alton aceitou o insulto sem protestar; depois de tudo, o moço tinha a mola de suspensão.
-me solte para que possa assumir a identidade do Sem Rosto -explicou. A morte de um professor despertaria suspeitas, mas se não haver nenhum professor morto...
-E o que fazemos com este? -perguntou Masoj, que acompanhou suas palavras com um chute ao cadáver. -Queima-o -respondeu Alton, entusiasmado com seu plano.
Deixa que Alton DeVir se converta no professor. A casa DeVir já não existe. Não haverá perguntas, nem represálias. Masoj mostrou uma expressão cética.

-O Sem Rosto era virtualmente um ermitão -adicionou Alton. E eu estou muito perto da graduação. Não há nenhuma dúvida de que posso assumir perfeitamente as singelas
tarefas do ensino básico depois de trinta anos de estudos. -E eu o que ganho? Alton o olhou perplexo, como se a resposta fosse a coisa mais óbvia do mundo. -Um
professor do Sorcere que será seu mentor -respondeu. Alguém que te ajudará nos anos de estudo. -E alguém que poderá desfazer-se de uma testemunha quando lhe
convier -opinou Masoj com astúcia. -Se o fizer, qual seria meu benefício? -replicou Alton. Provocar a ira da casa Hun'quinta ett da cidade, e sem uma família
que me respalde? Não, jovem Masoj. Não sou tão estúpido como acreditava o Sem Rosto. Masoj se tamborilou os dentes com uma de suas largas e afiadas unhas enquanto
considerava as possibilidades. Um aliado entre os professores do Sorcere? Parecia algo muito prometedor. de repente Masoj teve outra idéia. Abriu o armário que havia
junto ao Alton e começou a rebuscar em seu interior. DeVir torceu o gesto quando escutou o estrépito dos recipientes de vidro e cerâmica ao romper-se, e pensou nos
componentes, possivelmente beberagens acabadas, que se podiam perder por culpa do descuido do aprendiz. Talvez o Sem Rosto não ia desencaminhado ao julgar que Melee-Magthere
era o destino mais adequado para seu servente. Ao cabo de uns minutos, o jovem drow completou sua busca, e Alton recordou que não estava em situação de criticar
a ninguém. -Isto é meu -afirmou Masoj, que mostrou ao DeVir um pequeno objeto negro: uma figurinha de ônix que reproduzia com muito detalhe o corpo de uma pantera.
É um presente de um ser dos planos inferiores em agradecimento por um favor que lhe fiz. -Ajudou a uma daquelas criaturas? Alton não pôde evitar a pergunta, porque
lhe resultava difícil aceitar que um vulgar aprendiz tivesse os recursos necessários sequer para sobreviver a um encontro com um inimigo tão poderoso e imprevisível.
-O Sem Rosto -Masoj descarregou outro chute contra o cadáver- ficou com o mérito e a estatueta, mas são meus! Todo o resto que há aqui será teu, certamente. Sei
para que servem a maioria dos duomers e te ensinarei o que é cada coisa. Entusiasmado pela perspectiva de que acabaria por sair bem liberado do terrível apuro, Alton
não fez muito caso da estatueta. Só lhe interessava ver-se livre quanto antes da telaraña para poder averiguar a verdade sobre o destino de sua casa. Então Masoj,
sempre tão desconcertante, deu-lhe as costas disposta a sair do quarto. -Aonde vai? -inquiriu Alton. -A procurar o ácido. -Ácido? Alton dissimulou seu pânico,
embora tinha a terrível sensação de saber quais eram as intenções do Masoj. -Sem dúvida pretende que a suplantación pareça real -respondeu Masoj, muito tranqüilo.
Desde não ser assim, não serviria de nada. Temos que aproveitar a rede enquanto agüente. Manterá-te sujeito. -Não! -exclamou Alton, que se conteve ao ver que Masoj
se voltava e o olhava com um sorriso maligno. -Reconheço que pode resultar um pouco doloroso e que talvez seja procurar mais problemas dos necessários -comentou
Masoj. Não tem família e não encontrará aliados no Sorcere, porque o Sem Rosto era desprezado por todos outros professores. -O aprendiz levantou a mola de suspensão
e apontou à cabeça do Alton, entre as sobrancelhas. Possivelmente prefira morrer. -Traz o ácido! -gritou Alton. -Para que? -brincou Masoj, movendo a arma.
por que te interessa tanto viver, Alton DeVir de Nenhuma Casa Digna de Menção? -Para me vingar -respondeu Alton, com tanto ódio que Masoj se assustou. Ainda
não sabe... embora o aprenderá com o tempo, meu jovem estudante... mas não há nada que dê mais sentido à vida que o desejo de vingança. Masoj baixou a mola de suspensão
e contemplou ao drow prisioneiro com respeito. Entretanto, o aprendiz Hun'ett não pôde valorar a sinceridade das palavras do Alton, até que o elfo repetiu seu pedido,
esta vez com um sorriso. -Traz o ácido -disse Alton DeVir.

4

A primeira casa

Quatro ciclos do Narbondel -quatro dias- mais tarde, um resplandecente disco azul flutuou por cima do atalho de pedra flanqueado por cogumelos gigantes até chegar
ao portal coberto com aranhas cinzeladas da casa Dou'Urdem. Das janelas das duas torres exteriores e o pátio, os sentinelas observaram o objeto que flutuava a um
metro do chão. A família da casa foi informada imediatamente da presença do disco. -O que pode ser? -perguntou- Briza ao Zaknafein quando ela, o professor de armas,
Dinin e Maia se reuniram no balcão do nível superior. -Talvez um mensageiro -propôs Zak. Temos que averiguar o que é. Zak saltou a balaustrada e levitou até
o pátio. Briza lhe fez um sinal a Maia, e a filha menor dos Dou'Urdem seguiu ao Zak. -Leva o selo da casa Baenre -gritou Zak assim que esteve um pouco mais perto
do objeto. Com a ajuda da moça abriu o portão, e o disco se deslizou ao interior, sem fazer nenhum movimento hostil. -Baenre -repetiu Briza por cima do ombro,
em direção ao corredor da casa onde esperavam a matrona Malícia e Rizzen. -Ao parecer lhes chamam uma audiência, mãe matrona -disse Dinin, inquieto. -Estarão
inteirados de nosso ataque? -perguntou Briza no código mudo. Todos os membros da casa Dou'Urdem, nobres e plebeus, compartilharam aquela desagradável possibilidade.
Tinham passado uns poucos dias da destruição da casa DeVir, e receber agora uma chamada da primeira mãe matrona do Menzoberranzan não podia considerar uma vulgar
coincidência. -Todas as casas sabem -replicou Malícia em voz alta, que julgou desnecessária a precaução do silêncio dentro de sua própria residência. É que as
provas contra nós som tão abundantes que o conselho regente se viu obrigado a intervir? -Dirigiu um olhar a Briza, com seus escuros olhos que alternavam entre o
resplendor avermelhado da infravisão e o verde profundo que mostravam à luz normal. Esta é a pergunta que devemos formular. Malícia saiu ao balcão, mas Briza
a sujeitou pelas costas de sua pesada capa negra para retê-la. -Não pensará ir com essa coisa, verdade? -perguntou Briza. A resposta de sua mãe a desconcertou
ainda mais. -Certamente -respondeu Malícia. A matrona Baenre não me convidaria publicamente se tivesse a intenção de me fazer danifico. Nem sequer ela tem tanto
poder como para não fazer caso às normas da cidade. -De verdade crie que não corre nenhum perigo? -inquiriu Rizzen, muito preocupado. Se matavam a Malícia, Briza
assumiria o mando da casa, e Rizzen duvidava que a filha maior queria ter algum varão a seu lado. Até no caso de que a maligna fêmea desejasse ter um patrão, Rizzen
sabia que não seria ele. Tampouco era o pai da Briza (inclusive era menor que ela) e resultava evidente que seu futuro dependia da boa saúde da matrona Malícia.
-Sua preocupação me adula -respondeu Malícia, consciente dos autênticos temores de seu marido. Apartou a mão da Briza e saltou ao vazio. Enquanto descendia lentamente
aproveitou para arrumar seus objetos. Briza sacudiu a cabeça em um gesto desdenhoso e indicou ao Rizzen que a seguisse ao interior da casa. Pareceu-lhe pouco prudente
que o resto da família permanecesse à vista de qualquer possível inimigo. -Quer uma escolta? -perguntou Zak quando Malícia se sentou no disco. -Estou segura de
que encontrarei uma logo que cruzamento as grades de nossa casa - respondeu Malícia. A matrona Baenre não correria o risco de me expor a nenhum perigo enquanto
seja sua convidada.

-De acordo -disse Zak. Mas quer uma escolta da casa Dou'Urdem? -Se fosse necessária, teriam enviado dois discos -afirmou Malícia, com um tom que não admitia
réplicas. Estava um pouco farta de tantas amostras de preocupação por sua segurança. depois de tudo, era a mãe matrona, a mais forte, a maior e a mais sábia, e não
gostava que outros discutissem suas decisões. Ordenou ao disco-: Executa sua tarefa, e acabemos de uma vez com isto! Zak quase soltou uma gargalhada ao escutar
as palavras de Malícia. -Matrona Malícia Dou'Urdem -disse uma voz mágica procedente do disco. A matrona Baenre te apresenta seus respeitos. passou muito tempo
desde sua última audiência. -Nunca -transmitiu- Malícia ao Zak, e em voz mais alta disse-: Me leve a casa Baenre. Não quero desperdiçar meu tempo em conversações
com uma boca mágica! Ao parecer, a matrona Baenre tinha previsto a impaciência de Malícia, porque, sem mais palavras, o disco ficou em marcha e abandonou a residência
Dou'Urdem. Zak fechou o portão e a toda pressa ordenou a seus soldados que entrassem em ação. Malícia não queria uma escolta pública, mas a rede de espiões dos Dou'Urdem
manteria vigiado o disco dos Baenre até a entrada na enorme residência da casa regente. A hipótese de Malícia a respeito da escolta resultou correta. Assim que o
disco deixou o caminho de entrada à casa Dou'Urdem, vinte soldados da casa Baenre, todos mulheres, saíram de seus esconderijos aos lados da avenida e formaram um
rombo defensivo ao redor da convidada. Os guardas situados nas pontas do rombo vestiam capas negras com o brasão da aranha bordada em vermelho e violeta à costas:
a túnica das somas sacerdotisas. -As filhas do Baenre -murmurou Malícia, porque só as filhas de um nobre podiam ostentar esta fila. Quantas moléstias se tomou
a primeira mãe matrona para assegurar o amparo de Malícia! Os escravos e drows plebeus corriam para afastar-se da comitiva à medida que o grupo avançava pelas ruas
sinuosas em direção à horta de cogumelos gigantes. Só os soldados da casa Baenre podiam levar a insígnia da casa à vista, e ninguém tinha a intenção de provocar
a ira da matrona Baenre. Malícia não saía de seu assombro e unicamente desejava poder chegar algum dia a desfrutar de semelhante poder. Ao cabo de uns minutos teve
ocasião de ficar boquiaberta quando se encontrou diante de seu lugar do destino. A casa Baenre abrangia vinte enormes e majestosas estalagmites, todas elas conectadas
entre si por grandes pontes e parapeitos. As luzes mágicas e os fogos fátuos resplandeciam em um milhar de esculturas, e um centenar de guardas em uniformize de
ornamento desfilavam pelo pátio em perfeita formação. Inclusive ainda mais surpreendentes eram as estruturas investidas, as trinta estalactites mais pequenas da
casa Baenre. Penduravam do teto da caverna, com suas raízes ocultas na escuridão das alturas. Algumas quase tocavam as pontas das estalagmites, e outras penduravam
sozinhas como lanças. Como se fossem as estrias de um parafuso, os balcões recarregados de adornos e emblemas mágicos se enroscavam na superfície das estalactites
até onde alcançava a vista. Também era mágica a grade que conectava as bases das estalagmites exteriores, para formar um círculo protetor em todo o perímetro do
conjunto. tratava-se de uma telaraña gigante, que destacava por seu brilho prateado sobre o tom azul das construções. Alguns diziam que tinha sido um presente do
Lloth em pessoa, com fios fortes como o aço e grosas como o braço de um elfo escuro. Qualquer objeto que tocava a grade dos Baenre, até a mais afiada das armas drows,
ficava pego a ela até que a mãe matrona ordenava à grade que o soltasse. Malícia e sua escolta avançaram em linha reta para uma seção simétrica e circular da grade,
entre as mais altas das torres exteriores. Quando se aproximaram, apareceu um buraco na telaraña metálica o suficientemente grande para permitir o passo da comitiva.
Enquanto isso, Malícia fazia todo o possível para dissimular seu assombro. Centenares de soldados observaram com curiosidade o passo da procissão em seu avanço para
a estrutura central da casa Baenre, o imenso domo da capela banhado em um resplendor avermelhado. Os soldados plebeus abandonaram a formação, e só as quatro somas
sacerdotisas escoltaram à matrona Malícia até o interior. O espetáculo ao outro lado das grandes leva da capela não a decepcionou. Um altar central dominava o recinto
e servia de ponto de partida a uma fileira de bancos que se estendia em espiral ao longo de várias dúzias de voltas até chegar às paredes da enorme sala. Havia lugar
suficiente para que dois mil elfos escuros pudessem sentar-se com toda comodidade. Por toda parte se viam estátuas e ídolos, que brilhavam com uma suave luz negra.
Nas alturas, por cima do altar, resplandecia uma imagem gigantesca, uma ilusão óptica em vermelho e negro que se alternava na representação de uma aranha e de uma
formosa drow.

-É obra do Gomph, meu feiticeiro principal -comentou a matrona Baenre desde seu assento no altar, segura de que Malícia, como todos outros que visitavam a capela
Baenre, estava impressionada pelo espetáculo. Até os feiticeiros têm seu lugar. -Sempre que não esqueçam qual é -replicou Malícia, enquanto desembarcava do disco.
-Assim é -disse a matrona Baenre. Há ocasiões em que os varões se mostram tão presunçosos, especialmente os feiticeiros! De todos os modos, desejaria poder ter
ao Gomph a meu lado com mais freqüência nestes dias. Nomearam-no archimago do Menzoberranzan e quando não está ocupado com o Narbondel sempre tem que atender algum
outro assunto. Malícia assentiu em silêncio. Certamente, sabia que o filho da matrona Baenre tinha o cargo de archimago. Não era um segredo. E também todos sabiam
que Triel, a filha do Baenre, era a matrona dama da Academia, uma posição de honra no Menzoberranzan, que seguia em fila ao título de mãe matrona de uma família.
Malícia estava segura de que a matrona Baenre mencionaria o fato à primeira oportunidade. antes de que Malícia pudesse dar um passo para a escada do altar, uma nova
escolta surgiu das sombras. Malícia franziu o sobrecenho ao ver aquela coisa, uma criatura conhecida como um illita, um desolador mental. Media quase um metro oitenta
de estatura e superava em uns trinta centímetros a Malícia; a diferença era o resultado da enorme cabeça da criatura. Coberta de babas e com os olhos leitosos carentes
de pupilas, a cabeça se parecia com a de um polvo. Malícia recuperou a compostura. Os desoladores mentais não eram desconhecidos no Menzoberranzan, e os rumores
diziam que um deles tinha travado amizade com a matrona Baenre. Em qualquer caso, estas criaturas -mais inteligentes e cruéis que os mesmos drows- quase sempre
inspiravam repulsão. -Podem chamá-lo Methil -disse a matrona Baenre. Sou incapaz de pronunciar seu verdadeiro nome. É um amigo. -antes de que Malícia pudesse
responder, Baenre acrescentou-: Certamente, é certo que Methil me dá vantagens em nossas discussões, e que não estão acostumada aos illitas. Então, ao ver que Malícia
a olhava boquiaberta, a matrona Baenre se despediu do illita. -Têm lido meus pensamentos -protestou Malícia. Havia muito poucos capazes de penetrar as barreiras
mentais de uma grande sacerdotisa o suficiente para ler seus pensamentos, e esta prática era considerada pela sociedade drow como um dos crímenes mais graves. -Não!
-exclamou a matrona Baenre, à defensiva. Peço-lhes perdão, matrona Malícia. Methil lê os pensamentos, inclusive os pensamentos de uma grande sacerdotisa, com
a mesma facilidade que nós escutamos as palavras. comunica-se telepáticamente. Dou-lhes minha palavra de que nem sequer me dava conta de que não haviam dito nada.
Malícia esperou a que a criatura saísse da capela, e depois subiu a escada do altar. Apesar de seus esforços, não pôde evitar que seu olhar se dirigisse de vez em
quando à imagem que trocava de aranha a drow e viceversa. -Como estão as coisas na casa Dou'Urdem? -perguntou a matrona Baenre, com uma cortesia fingida. -Muito
bem -respondeu Malícia, muito mais interessada em estudar a seu oponente que na conversação. encontravam-se sozinhas no alto do altar, embora sem dúvida uma dúzia
ou mais de sacerdotisas rondavam entre as sombras da enorme sala, atentas a qualquer movimento da convidada. Malícia já tinha bastante ocultando seu desprezo para
a matrona Baenre. Malícia era velha - tinha quase quinhentos anos-, mas a matrona Baenre era uma anciã. Segundo alguns, seus olhos tinham visto o passo de milênio,
embora os drows poucas vezes superavam o sétimo século de vida, e jamais o oitavo. A diferença de outros drows, que pelo general não demonstravam sua idade -Malícia
era agora tão ágil e formosa como quando tinha cem anos-, a matrona Baenre tinha um aspecto frágil e cansado. As rugas ao redor de sua boca pareciam uma telaraña,
e apenas se podia manter abertas as pálpebras. "A matrona Baenre teria que estar morta -pensou Malícia. Mas ainda vive." A matrona Baenre, apesar de sua dilatada
idade, estava grávida, e só faltavam umas poucas semanas para que desse a luz. Também neste aspecto, a matrona Baenre desafiava as normas dos elfos escuros. Tinha
tido vinte filhos, o dobro do habitual no Menzoberranzan, e quinze tinham sido mulheres, todas elas grandes sacerdotisas! Dez dos filhos do Baenre eram mais velhos
que Malícia! -Quantos soldados têm agora a suas ordens? -perguntou a matrona Baenre, que se inclinou para demonstrar seu interesse. -Trezentos -respondeu Malícia.
-Ah -murmurou a anciã drow, levando um dedo aos lábios. Haviam-me dito que somavam trezentos e cinqüenta.

Malícia não pôde evitar torcer o gesto. Baenre se burlava dela ao fazer referência a quão soldados a casa Dou'Urdem tinha tomado a seu serviço no assalto à casa
DeVir. -Trezentos -repetiu Malícia. -Certamente -disse Baenre, com as costas apoiada outra vez no respaldo de seu assento. -A casa Baenre conserva seus mil?
-inquiriu Malícia, só para manter a discussão no mesmo nível. -foi nosso número há muitos anos. Malícia se perguntou uma vez mais por que esta velha decrépita
seguia viva. Sem dúvida mais de uma das filhas do Baenre aspirava à posição de mãe matrona. por que não tinham conspirado para tirar a de no meio? por que nenhuma
delas, em particular aquelas nas últimas etapas de sua vida, tinha criado sua própria casa, como marcava o costume para as filhas nobres quando tinham mais de quinhentos
anos? Enquanto vivessem submetidas à matrona Baenre, seus filhos nem sequer seriam considerados nobres e estariam relegados às filas dos plebeus. -ouvistes falar
do destino da casa DeVir? -perguntou a matrona Baenre, que decidiu ir ao grão, aborrecida dos hesitações de sua convidada. -Que casa? -replicou Malícia, com toda
intenção. Nesse momento não havia já no Menzoberranzan nenhuma casa com dito nome. Para os drows era como se a casa DeVir nunca tivesse existido. -me desculpem
-disse a matrona Baenre, com uma risita. Agora são a mãe matrona da casa novena. É uma grande honra. -Mas não tão grande como ser mãe matrona da casa oitava
-respondeu Malícia. -Assim é -reconheceu Baenre-, embora devam ter presente que o fato de ser a novena lhes situa a um passo de um assento no conselho regente.
-Isso sim seria uma grande honra -afirmou Malícia. Por fim começava a compreender que Baenre não se burlava, mas sim a felicitava e a incitava a novas conquistas.
Malícia se animou. Baenre gozava do mais amplo favor da rainha aranha. Se lhe agradava a ascensão da casa Dou'Urdem, também Lloth estava satisfeita. -Não é uma
honra tão grande como pensam -comentou Baenre. Somos um grupo de velhas, que nos reunimos de vez em quando para procurar a maneira de colocar as mãos aonde não
nos corresponde. -A cidade aceita sua regência. -Acaso têm outra opção? -Baenre soltou uma gargalhada. De todos os modos, é melhor deixar o manejo dos assuntos
drows em mãos das mães matronas das casas individuais. Lloth não aceitaria um conselho regente que exercesse um poder de tipo absoluto. Criem que a casa Baenre não
teria conquistado todo Menzoberranzan faz muitos anos se essa tivesse sido a vontade da rainha aranha? Malícia se acomodou orgulhosa em sua cadeira, assombrada
pela arrogância daquelas palavras. -Não agora, certamente -acrescentou a matrona Baenre. A cidade é muito grande para desenvolver uma ação semelhante. Mas faz
muitos anos, antes de seu nascimento, a casa Baenre não tivesse tido dificuldades para conseguir a conquista. Mas esta não é nossa forma de atuar. Lloth estimula
a diversidade. Agrada-lhe que as casas se equilibrem entre si, dispostas a lutar unidas ante um perigo comum. -A anciã fez uma pausa e deixou que um sorriso aparecesse
em seu rosto. E sempre atentas a golpear a qualquer que perdeu seu favor. "Outra referência direta à casa DeVir -pensou Malícia-, e esta vez relacionada com
o favor da rainha aranha." Malícia abandonou sua hostilidade, e desfrutou ao máximo da conversação com a matrona Baenre, que durou duas horas. Mesmo assim, quando
viajava outra vez no disco, através da casa maior e capitalista de todo Menzoberranzan, Malícia não sorria. Enfrentada a esta manifesta demonstração de força, não
podia esquecer que o convite da mãe Baenre tinha servido para duas coisas: para felicitar a de uma forma indireta pela perfeição de seu golpe, e para lhe recordar
com toda claridade que não devia ser muito ambiciosa.

5

Aprendizagem

Durante cinco largos anos Vierna dedicou quase todo seu tempo ao cuidado do pequeno Drizzt. Na sociedade drow, este não era tanto um tempo destinado à criação a
não ser à doutrinação. O menino tinha que aprender as habilidades motrizes e lingüísticas básicas, como todos outros meninos das raças inteligentes, mas também os
preceitos que mantinham unida a caótica civilização drow. No caso de um infante varão como Drizzt, Vierna passava horas lhe recordando que era inferior às mulheres
drows. Dado que toda esta parte da vida do Drizzt transcorria na capela familiar, não mantinha contato com nenhum outro varão exceto no transcurso dos ritos, mas
nestas ocasiões Drizzt permanecia em silencio junto à Vierna, com o olhar fixo no chão. Quando Drizzt teve idade suficiente para entender as ordens, a tarefa da
Vierna resultou mais suportável. De todos os modos, dedicava muitíssimas horas ao ensino de seu irmão menor; na atualidade, Drizzt aprendia os complicados movimentos
faciais, manuais e corporais do código mudo. Mas muito freqüentemente, Vierna só lhe ordenava que se ocupasse do interminável trabalho de limpar a capela. O recinto
logo que tinha a quinta parte do tamanho do grande templo da casa Baenre, embora suas dimensões eram suficientes para dar capacidade a todos os elfos escuros da
casa Dou'Urdem, e ainda lhe sobravam um centenar de assentos. Apesar de que agora o ofício de nodriza não lhe pesava tanto, Vierna ainda lamentava não ter mais tempo
para seus estudos. Se a matrona Malícia tivesse encomendado a Maia a tarefa de criar e adestrar ao menino, ela possivelmente teria podido conseguir ser ordenada
como grande sacerdotisa. Em troca, ainda ficavam outros cinco anos com o Drizzt. Maia poderia converter-se em soma sacerdotisa antes que ela! Vierna descartou esta
possibilidade. Não podia permitir-se pensar em tais problemas. Acabaria com seu trabalho de nodriza dentro de poucos anos. Quando Drizzt cumprisse seu décimo ano,
seria designado príncipe pajem da família e serviria a todos seus membros por igual. Se seu trabalho com o Drizzt não decepcionava à matrona Malícia, Vierna sabia
que receberia uma recompensa adequada a seus esforços. -Sobe a parede -ordenou Vierna. Poda aquela estátua. A mulher lhe assinalou a escultura de uma drow nua
se localizada a uns seis metros do chão. O jovem Drizzt olhou a estátua, desconcertado. Era impossível subir até a escultura e limpá-la sem um cabo seguro. Entretanto,
Drizzt sabia o duro castigo que significava a desobediência -inclusive a vacilação- e se aproximou da parede disposto a escalá-la. -Assim não! -reprovou-lhe
Vierna. -Então, como? -atreveu-se a perguntar Drizzt, que não entendia as intenções de sua irmã. -Pensa em subir até a gárgula -respondeu Vierna. No rosto do
pequeno apareceu uma expressão de estranheza. -É um nobre da casa Dou'Urdem! -gritou-lhe Vierna. Ou ao menos o será algum dia. Na bolsa que leva a pescoço tem
o emblema da casa, um talismã de grande poder. Em realidade, Vierna não tinha muito claro se Drizzt estava preparado para esta prova. A levitação era uma das expressões
mais importantes da magia inata dos drows, algo muito mais difícil que produzir fogos fátuos ou lançar globos de escuridão. O emblema Dou'Urdem acrescentava os poderes
inatos dos elfos escuros, que pelo general se manifestavam com a idade adulta. Embora a maioria dos nobres drows podiam levitar uma ou duas vezes ao dia, os nobres
da casa Dou'Urdem, graças a seu emblema, podiam fazê-lo em muitas mais ocasões. Em qualquer outra circunstância, Vierna jamais teria tentado realizar esta prova
com um varão de menos de dez anos, mas Drizzt tinha revelado um potencial mágico tão enorme no transcurso dos dois últimos anos que não via nenhum risco no intento.
-te situe em linha com a estátua -disse-, e pensa em subir.

Drizzt olhou a figura feminina, e pôs os pés em linha com o delicado e anguloso rosto da estátua. A seguir colocou uma mão sobre seu colar para harmonizar seus pensamentos
com a força do emblema. Em outras ocasiões tinha percebido que a moeda mágica tinha algum tipo de poder, mas só havia uma sensação pouco definida, a intuição de
um menino. Agora que tinha uma confirmação a suas suspeitas e um objetivo, podia notar com toda claridade as vibrações da energia mágica. Uma série de exercícios
respiratórios limparam qualquer distração da mente do jovem drow. Descartou qualquer outro objeto na capela: só via a estátua, o ponto do destino. Notou que se aliviava,
que seus talões não tocavam o chão; sustentava-se sobre a ponta dos dedos de um pé, embora sem peso. Drizzt olhou a Vierna com um sorriso de assombro... e caiu de
bruces. -Estúpido varão! -gritou Vierna. Tenta-o outra vez! Tenta-o mil vezes se for necessário! - A mulher jogou mão a seu látego com cabeças de serpente.
Se fracassas... Drizzt desviou o olhar, enquanto se reprovava a si mesmo por ter provocado o fracasso do feitiço com seu entusiasmo. Podia fazê-lo e não tinha medo
ao castigo. concentrou-se uma vez mais na escultura e deixou que a energia mágica impulsionasse seu corpo. Também Vierna sabia que Drizzt acabaria por consegui-lo.
Tinha uma mente tanto ou mais aguda que qualquer das pessoas que Vierna conhecia, incluídas as outras mulheres da casa Dou'Urdem. Além disso, o menino era teimoso;
não se deixaria vencer pela magia. Sabia que era muito capaz de seguir em seus intentos até desfalecer de fome se era necessário. Vierna o observou passar por uma
série de pequenos êxitos e fracassos; no último, Drizzt caiu ao chão de uma altura de três metros. Por um momento, Vierna acreditou que tinha resultado ferido de
gravidade. Entretanto, Drizzt nem sequer gritou e voltou para sua posição para concentrar-se uma vez mais em seu objetivo. -É muito pequeno para consegui-lo -comentou
alguém a costas da Vierna. A mulher se voltou em sua cadeira e descobriu a Briza, que a olhava com seu habitual gesto azedo. -Possivelmente -replicou Vierna-,
mas não saberei se não o deixo que o tente. -Açoita-o quando fracassar -sugeriu Briza, ao tempo que empunhava seu terrível látego de seis cabeças. Contemplou a
arma com carinho, como se fosse um animal doméstico, e deixou que uma das cabeças de serpente se deslizasse sobre seu pescoço e o rosto. Inspirará-o. -Guarda-o!
-exclamou Vierna. Drizzt está a meu cargo e não necessito sua ajuda! -Teria que ter um pouco mais de cuidado quando fala com uma grande sacerdotisa -advertiu-lhe
Briza. E todas as cabeças de serpente, prolongações de seus pensamentos, voltaram-se para a Vierna em um gesto de ameaça. -E você teria que preocupar-se da matrona
Malícia se pretende interferir em meu trabalho. -Seu trabalho -disse Briza com desprezo, embora se apressou a guardar o látego ao escutar o nome de Malícia.
É muito branda para educar a um menino. Os varões devem ser disciplinados; têm que aprender qual é seu lugar. Dito isto, e consciente de que a ameaça da Vierna podia
ter conseqüências graves para ela, a irmã maior deu meia volta e saiu da capela. Vierna deixou que Briza dissesse a última palavra. A nodriza voltou seu olhar ao
Drizzt, que insistia em seu empenho de levitar até a estátua. -Basta! -ordenou, ao ver que o menino estava muito fatigado. Com muita dificuldade lhe era possível
separar os pés do chão. -Conseguirei-o! -replicou Drizzt, quase com insolência. A Vierna gostou de sua firmeza, mas não o tom da réplica. Possivelmente havia algo
de verdade nas palavras da Briza. A mulher agarrou seu látego. Algumas vezes um pouco de inspiração podia obrar milagres. Ao dia seguinte, Vierna ocupou seu assento
na capela e contemplou ao Drizzt, que lustrava a estátua da mulher nua. Tinha levitado os seis metros ao primeiro intento. Vierna não pôde evitar sentir-se desiludida
quando Drizzt não lhe dedicou um sorriso por seu triunfo. O menino flutuava no ar, movendo as escovas a uma velocidade de vertigem, com toda sua atenção posta na
tarefa encomendada. Vierna observou os vergões nas costas nua de seu irmão, o rastro da "inspiração" do dia anterior. No espectro infravermelho, as marcas do látego
se destacavam com toda claridade como umas linhas de calor onde a pele tinha sido arranco. A mulher compreendia as vantagens de castigar a um menino, especialmente
se se tratava de um varão. Muito poucos drows varões se atreviam a empunhar uma arma contra uma mulher, a menos que recebessem uma ordem de outra fêmea. Não pôde
evitar pensar quanto se perdia por isso, e se perguntou até onde poderia chegar alguém como Drizzt. Mas ao cabo de um momento, arrependeu-se de seus pensamentos
blasfemos. Aspirava a converter-se em uma grande sacerdotisa da rainha aranha, Lloth a desumana, e suas reflexões foram contra as regras de sua posição. Dirigiu
um olhar furioso a seu irmão menor, como se ele fora o culpado de suas idéias, e uma vez mais empunhou seu látego.

Teria que voltar a açoitar ao Drizzt por lhe inspirar pensamentos sacrílegos. O trabalho da Vierna se prolongou durante cinco anos mais. Drizzt aprendia as lições
básicas da vida na sociedade drow enquanto atendia à limpeza da capela da casa Dou'Urdem. Além de lhe inculcar a supremacia das mulheres drows (uma lição sempre
acentuada pelo látego de cabeças de serpente), os ensinos mais importantes versavam sobre os elfos da superfície. Pelo general, os impérios do mal se mantêm unidas
graças ao ódio para inimigos inventados, e na história do mundo não tinha existido ninguém com tanta capacidade para este engano como os drows. Assim que podiam
entender o significado das palavras, lhes ensinava que tudo quão mau podia haver em sua vida era culpa dos elfos da superfície. Cada vez que as presas das serpentes
do látego da Vierna se cravavam nas costas do Drizzt, o menino implorava a morte de um desses elfos. O ódio condicionado quase nunca é um sentimento racional.

SEGUNDA PARTE

O professor de armas

Horas e dias vazios. Descubro que tenho muito poucas lembranças daquele primeiro período de minha vida, daqueles primeiros dezesseis anos em que trabalhei como servente.
Os minutos se convertiam em horas, as horas em dias, e assim sucessivamente, até que tudo parecia um interminável momento vazio. Em diversas ocasiões consegui me
escapulir até o balcão da casa Dou'Urdem e contemplar as luzes mágicas do Menzoberranzan. Em tudas aquelas viagens secretas, senti-me enfeitiçado pela aparição e
desaparecimento da luz do Narbondel, o pilar que marca o tempo. Quando rememoro aquelas largas horas dedicadas a ver como o fogo do feiticeiro subia e descia pelo
pilar, surpreendo-me do vazio de meus primeiros anos. Recordo com toda claridade minha excitação, o entusiasmo, cada vez que saía da casa para poder contemplar o
pilar. Era algo tão simples, e entretanto tão te gratifiquem comparado com o resto de minha existência... Cada vez que escuto o estalar de um látego, outra lembrança
-em realidade mais uma sensação que uma lembrança-, estremeço-me. A descarga elétrica e o intumescimento produzido por aquelas armas com cabeças de serpente é
algo que ninguém pode esquecer facilmente. Remoem-lhe debaixo da pele e enviam ondas de energia mágica através de seu corpo, ondas que lhe esticam os músculos muito
além de sua resistência. De todos os modos, tive mais sorte que a maioria. Minha irmã Vierna estava a ponto de converter-se em grande sacerdotisa quando recebeu
o encargo de minha criação e se encontrava em um período de sua vida no que tinha energias de sobra para realizar seu trabalho. Possivelmente por isso naqueles dez
primeiros anos a seu cuidado houve mais coisas das que lembrança. Vierna nunca mostrou a perversidade de nossa mãe, nem tampouco a de nossa irmã maior, Briza. Talvez
houve momentos felizes na solidão da capela familiar; é possível que Vierna deixasse aflorar sua natureza mais amável com seu irmão menor. Possivelmente me equivoco.
Embora recordo a Vierna como a mais bondosa de minhas irmãs, suas palavras levavam o veneno do Lloth como todas as demais sacerdotisas do Menzoberranzan. É pouco
provável que arriscasse suas aspirações ao sacerdócio só por beneficiar a um menino, a um vulgar menino varão. Se existiram alegrias naqueles anos, obscurecidas
pela maldade imperante no Menzoberranzan, ou se aquele primeiro período de minha vida resultou inclusive mais doloroso que os anos posteriores -tão terríveis que
minha mente sepultou sua lembrança- não sei. Por muito que o tento, não consigo recordá-los. Lembrança muito melhor os seis anos seguintes, mas a memória mais importante
dos dias que passei ao serviço da corte da matrona Malícia -além das escapadas secretas ao exterior da casa-é a imagem de meus pés. Ao príncipe pajem não lhe está
permitido levantar o olhar.
DRIZZT DOU'URDEM

6

"Duas mãos"

Drizzt respondeu sem tardança à chamada de sua mãe matrona, e não necessitou o estímulo do látego da Briza para apressar-se. Com quanta freqüência tinha sofrido
o aguilhão daquele terrível instrumento! Drizzt não desejava vingar-se de seu cruel irmana maior. Os anos de condicionamento lhe tinham ensinado a temer as conseqüências
de atacar a esta mulher -ou a qualquer outra- até tal ponto que nem sequer lhe ocorria pensar na revanche. -Sabe o que significa este dia? -perguntou-lhe a matrona
Malícia quando ele chegou ao lado de seu enorme trono na hall escura da capela. -Não, mãe matrona -respondeu Drizzt, que sem dar-se conta mantinha o olhar cravado
no chão. Um suspiro de resignação surgiu em sua garganta ao não ver outra coisa que seus próprios pés. A vida tinha que ser algo mais que a pedra cinza e os dedos
de seus pés, pensou. Deslizou um pé fora da sandália e começou a desenhar no chão com a ponta do dedo gordo. O calor do corpo deixava marcas visíveis no espectro
infravermelho, e o moço tinha a rapidez e a habilidade necessárias para acabar um desenho singelo antes de que os primeiros traços se esfriassem. -Dezesseis anos
-acrescentou a matrona Malícia. respiraste o ar do Menzoberranzan durante dezesseis anos. concluiu um período muito importante de sua vida. Drizzt não reagiu,
pois não via nenhuma importância ou significado especial na declaração. Sua vida era uma eterna e invariável rotina. Um dia, dezesseis anos, qual era a diferença?
Se sua mãe considerava importantes as coisas que tinha suportado desde seu nascimento, pensou o moço estremecido, o que lhe podiam proporcionar as décadas seguintes?
Já tinha quase acabado o desenho de uma drow de ombros arredondados -Briza- atacada pelas costas por uma serpente enorme, quando escutou a voz de sua mãe. -me
olhe -ordenou-lhe a matrona Malícia. Drizzt não sabia o que fazer. Sua tendência natural tinha sido em outros tempos olhar a seu interlocutor, mas Briza se encarregou
à força de golpes de que reprimisse seu impulso. O lugar de um príncipe pajem era a servidão, e os olhos de um príncipe pajem só podiam olhar às criaturas que se
moviam pelo chão, exceto as aranhas. Cada vez que um dos insetos de oito patas aparecia no campo visual do Drizzt, o moço devia olhar em outra direção. As aranhas
eram muito importantes para gente corno o príncipe pajem. -me olhe -repetiu a matrona Malícia, com um tom impaciente. Drizzt tinha tido ocasião de presenciar as
explosões de cólera de sua mãe, uma cólera tão vil que varria tudo o que encontrava a seu passo. Inclusive Briza, tão cruel e ufana de si mesmo, corria a esconder-se
quando a mãe matrona se zangava. Drizzt se forçou a olhar e foi percorrendo com a vista a túnica negra de sua mãe, servindo-se das aranhas bordadas no tecido para
medir o ângulo de seu olhar. À medida que ascendia esperava receber um golpe na cabeça, ou uma chicotada nas costas (Briza se encontrava detrás dele, sempre com
a mão perto do látego com cabeças de serpente enganchado a seu cinturão). Então a viu: a poderosa matrona Malícia Dou'Urdem, com um resplendor vermelho nos olhos
e o rosto fresco, sem nenhum sinal do calor da ira. Drizzt se manteve alerta, em previsão do golpe. -Seu tempo como príncipe pajem concluiu -anunciou a matrona
Malícia. Agora é o segundo filho da casa Dou'Urdem e receberá todos os... Em um ato reflito Drizzt olhou ao chão. -me olhe! -gritou sua mãe, furiosa. Aterrorizado,
Drizzt fixou o olhar no rosto da mulher, que agora brilhava com um carmim aceso. Com a extremidade do olho advertiu o calor da mão de Malícia em movimento, embora
não era tão estúpido para esquivar o golpe. Um segundo mais tarde, encontrava-se no chão com a bochecha machucada.

Inclusive do chão, Drizzt conservou a serenidade suficiente para responder ao olhar da matrona Malícia. -Já não é um servente! -rugiu a mãe matrona. Se contínuas
atuando como tal só atrairá a desgraça sobre nossa família! A matrona sujeitou ao Drizzt da garganta e o obrigou a ficar de pé sem contemplações. -Se desonras a
casa Dou'Urdem -prometeu, com o rosto quase pego ao de seu filho-, cravarei agulhas em seus olhos lilás. Drizzt não pestanejou. Nos seis anos transcorridos desde
que Vierna tinha deixado de adestrá-lo e o tinha posto ao serviço da família, tinha aprendido o suficiente a respeito da matrona Malícia para interpretar todas as
inflexões de suas ameaças. Ela era sua mãe -se é que isto contava para algo-, mas Drizzt não duvidava que Malícia desfrutaria se tinha que cumprir sua promessa.
-Este é diferente -afirmou Vierna- em algo mais que na cor de seus olhos. -Então, em que sentido? -perguntou Zaknafein, tentando manter sua curiosidade a um
nível estritamente profissional. Zak sempre tinha preferido a Vierna entre as três irmãs, mas desde que se converteu em grande sacerdotisa era muito entremetida.
Vierna demorou um pouco o passo ao ver a distância a entrada à hall da capela. -Resulta difícil precisá-lo -admitiu. Drizzt é tanto ou mais inteligente que qualquer
outro menino varão: podia levitar aos cinco anos. Entretanto, quando se converteu em príncipe pajem, custou semanas de castigo lhe ensinar a manter baixa o olhar,
como se um ato tão singelo fosse contra sua natureza. Zaknafein fez um alto e deixou que Vierna se adiantasse. "Contra sua natureza?", murmurou para si mesmo, enquanto
considerava as implicações dos comentários da Vierna. Possivelmente era antinatural para um drow, mas exatamente o que Zaknafein esperaria de um filho dele. Entrou
detrás da Vierna na hall escura. Malícia, como sempre, ocupava seu trono diante do ídolo aranha; em troca, todas as demais sela tinham sido colocadas contra as
paredes, apesar de que estava presente toda a família. Zak compreendeu que se tratava de uma reunião cerimoniosa, à vista de que só a mãe matrona tinha um assento.
-Matrona Malícia -anunciou Vierna, com seu tom mais reverente-, trouxe para o Zaknafein, tal como ordenastes. Zak se separou da Vierna, saudou malícia com uma
inclinação de cabeça, e concentrou toda sua atenção no menor dos Dou'Urdem, que permanecia com o torso nu junto à matrona. Malícia levantou uma mão para silenciar
aos pressente e fez um gesto a Briza, que sustentava uma piwafwi da casa. Uma expressão de alegria iluminou as juvenis feições do Drizzt enquanto Briza, ao som das
letanías estipuladas para esta cerimônia, colocava-lhe sobre os ombros a capa mágica, negra com bordados lilás e vermelhos. -Saúde, Zaknafein Dou'Urdem -disse
Drizzt com entusiasmo, coisa que provocou olhares de assombro por parte de todos os pressente. A matrona Malícia não lhe tinha outorgado o privilégio de falar, e
nem sequer lhe tinha solicitada permissão! -Sou Drizzt, segundo filho da casa Dou'Urdem. Já não sou o príncipe pajem. Agora lhes posso olhar, refiro aos olhos e
não às botas. Há-me isso dito minha mãe. O sorriso do Drizzt desapareceu ao ver a fúria refletida no rosto da matrona Malícia. Vierna ficou de uma peça, com a boca
aberta e os olhos muito abertos em um olhar incrédulo. Também Zak estava assombrado, mas por outro motivo. levou-se uma mão aos lábios para impedir um sorriso que
necessariamente teria dado passo a uma sonora gargalhada. Zak não podia recordar quando tinha visto por última vez um vermelho tão intenso no rosto da matrona. Briza,
em seu lugar habitual detrás de Malícia, manuseou seu látego, desconcertada até tal ponto pelas ações de seu irmão menor que não sabia o que fazer. Zak era consciente
de que isto era algo fora do comum, porque a filha maior de Malícia nunca vacilava quando se tratava de impor um castigo. Ao lado de sua mãe, mas agora a uma distância
prudente, Drizzt guardou silêncio e permaneceu imóvel, com os dentes cravados no lábio inferior. De todos os modos, Zak podia ver que o sorriso ainda brilhava nos
olhos do jovem drow. A espontaneidade do Drizzt e a falta de respeito à fila tinham sido algo mais que um involuntário deslize da língua ou a falta de experiência.
O professor de armas se adiantou para desviar a atenção da mãe matrona. -Segundo filho? -perguntou, fazendo ver que estava impressionado, tanto em benefício do
orgulho do Drizzt para apaziguar e distrair a Malícia. Então chegou a hora de seu treinamento. Contra o que se esperava, Malícia se deixou apaziguar pelas palavras
do professor de armas.

-Unicamente o necessário, Zaknafein. Se Drizzt está chamado a substituir ao Nalfein, seu lugar na Academia será Sorcere. portanto, a maior parte de sua preparação
recairá no Rizzen e em seus conhecimentos das artes mágicas, embora sejam limitados. -Estão segura de que a feitiçaria é seu ramo, matrona? -apressou-se a perguntar
Zak. -Parece inteligente -respondeu Malícia. Dirigiu um olhar de recriminação ao Drizzt. Ao menos, em algumas ocasões. Vierna me informou que seus progressos
no domínio dos poderes inatos. Nossa casa necessita um novo feiticeiro. Esta última afirmação de Malícia estava em consonância com sua lembrança do orgulho demonstrado
pela matrona Baenre por ter um filho que era o archimago da cidade. Tinham transcorrido dezesseis anos desde sua entrevista com a primeira mãe matrona do Menzoberranzan,
e não tinha esquecido nem o mais mínimo detalhe daquele encontro. -Sorcere parece ser seu destino natural -acrescentou. Zak tirou uma moeda da bolsa pendurada
de seu pescoço, lançou-a ao ar, e a agarrou ao vôo. -Podemos fazer uma prova? -solicitou. -Se gostar -aceitou Malícia, sem surpreender-se de que Zak tentasse
convencer a de que cometia um engano. O professor de armas outorgava poucos méritos à magia; preferia a espada e não os feitiços para resolver seus assuntos. Zak
se situou diante do Drizzt e lhe alcançou a moeda. -Lança-a -ordenou-lhe. Drizzt encolheu os ombros, preocupado por descobrir o significado da conversação entre
sua mãe e o professor de armas. Até então não tinha escutado nenhuma menção a respeito de seu futuro, nem de um lugar chamado Sorcere. Com certa displicência, deslizou
a moeda sobre seu dedo indicador curvado, lançou-a ao ar com um golpe do polegar e a apanhou quando caía sem nenhuma dificuldade. Depois tendeu a mão para devolver
a moeda ao Zak ao tempo que o olhava desconcertado, como se queria saber o que tinha de importante um pouco tão fácil. Em lugar de agarrar a moeda, o professor de
armas tirou outra da bolsa pendurada de seu pescoço e a alcançou. -Tenta-o com as duas mãos -disse. Drizzt elevou outra vez os ombros, e com um único movimento
lançou e apanhou as moedas. Zak voltou o olhar para a matrona Malícia. Qualquer drow podia apanhar duas moedas ao vôo, mas era a graça do Drizzt o que convertia
em um prazer ver como o fazia. Sem deixar de olhar à matrona com uma expressão ardilosa, Zak tirou outras duas moedas. -Empilha duas em cada mão e lança as quatro
de uma vez -indicou-lhe ao jovem drow. As quatro moedas voaram pelo ar e as quatro foram recolhidas. Drizzt não moveu mais que os braços para as recuperar. -Duas
mãos -comentou-lhe Zak a Malícia. Este é um guerreiro. Pertence ao Melee-Magthere. -Vi a muitos feiticeiros fazer o mesmo -replicou Malícia, desgostada pela
expressão satisfeita no rosto do professor de armas. Zak tinha sido um dos maridos de Malícia, e em muitas ocasiões desde naquele tempo o tinha tomado como amante.
Suas habilidades e sua agilidade não se limitavam exclusivamente ao uso das armas. Mas junto com os prazeres que Zaknafein fazia desfrutar a Malícia, prazeres que
tinham impulsionado a esta a lhe perdoar a vida mais de uma dúzia de vezes, também havia lhe trazido um sem-fim de problemas. Zak era o melhor professor de armas
do Menzoberranzan, um fato que Malícia não podia deixar de lado, mas seu desdém (inclusive desprezo) pela rainha aranha tinha exposto graves dificuldades à casa
Dou'Urdem. Zak alcançou outras duas moedas ao Drizzt, e o jovem, que agora desfrutava com o jogo, pô-las em movimento. Lançou seis e recolheu seis, separadas em
dois grupos segundo a mão que as tinha arrojado. -Duas mãos -repetiu Zak, entusiasmado. A matrona Malícia lhe indicou que prosseguisse, incapaz de negar a graça
exibida por seu filho menor. -Atreve-te a provar de novo? -perguntou- Zak ao Drizzt. Drizzt utilizou as mãos de forma independente, e em questão de segundos colocou
as moedas sobre seus dedos indicadores, listas para as lançar. Zak o deteve e, tirando outras quatro moedas, aumentou a cinco o número de moedas em cada pilha. O
professor de armas fez uma pausa para estudar a concentração do jovem drow (e também para manter suas mãos sobre as moedas e assegurar-se que o calor de seu corpo
lhes daria o brilho suficiente para que Drizzt pudesse seguir suas trajetórias com toda claridade). -As agarre todas, segundo filho -recomendou-lhe, muito sério.
As agarre todas, ou acabará no Sorcere, a escola de magia. Não é ali onde está seu destino! Drizzt não entendeu muito bem a que se referia Zak, mas pelo tom de voz
do professor de armas compreendeu sua importância. Fez um par de exercícios respiratórios para facilitar sua concentração, e depois lançou as moedas ao ar. Seguiu
seu vôo e as classificou de acordo com a mão que ia a

as recolher. As duas primeiras as agarrou sem problemas, mas Drizzt viu que, pela trajetória dispersa, não cairiam em ordem. Imediatamente ficou em movimento e deu
uma volta completa ao tempo que movia as mãos a uma velocidade de vertigem. Depois se endireitou de repente diante do Zak, com os punhos apertados contra os quadris
e uma expressão severo no rosto. Zak e a matrona Malícia intercambiaram um olhar, sem entender muito bem o que tinha passado. Drizzt estendeu os punhos para o Zak
e os abriu pouco a pouco, com um sorriso de confiança. Cinco moedas em cada mão. Zak soltou um assobio silencioso. A ele, que era o professor de armas da casa, havia-lhe
flanco uma dúzia de intentos dominar a manobra para recolher dez moedas no ar. aproximou-se da matrona Malícia. -Duas mãos -disse pela terceira vez. Ele é um
guerreiro, e eu me fiquei sem moedas. -Quantas mais poderia agarrar? -sussurrou Malícia, que não podia dissimular seu assombro. -Quantas podemos empilhar? -replicou
Zaknafein, com um sorriso de triunfo. A matrona Malícia soltou uma gargalhada e sacudiu a cabeça. Tinha desejado que Drizzt substituísse ao desaparecido Nalfein
como feiticeiro da casa, mas seu teimado professor de armas tinha conseguido, como sempre, fazê-la trocar de opinião. -Muito bem, Zaknafein -disse, em admissão
de sua derrota. O segundo filho é um guerreiro. Zak assentiu e se voltou para o Drizzt. -Possivelmente não esteja muito longe o dia em que se converta no professor
de armas da casa Dou'Urdem -comentou a matrona Malícia. Seu sarcasmo deteve o Zak, que lhe dirigiu um olhar por cima do ombro. -É que podíamos esperar menos dele?
-acrescentou Malícia, com seu habitual falta de pudor. Rizzen, o atual senhor da casa, reanimou envergonhado. Sabia como todos outros -incluídos os escravos da
casa Dou'Urdem-que Drizzt não era filho dele. -Três habitações? -perguntou Drizzt quando entrou acompanhado pelo Zak a grande sala de armas no lado sul da residência
dos Dou'Urdem. Bolas multicoloridos de luz mágica apareciam instaladas a todo o comprido do teto de pedra, e o resplendor era suficiente para iluminar todo o espaço
sem incomodar à vista. A sala só tinha três portas: uma ao este, que dava passo ao quarto comunicado com o balcão da casa; outra no lado sul, correspondente à última
habitação do edifício, e a terceira era a que acabavam de atravessar. Ao ver como Zak se ocupava de fechar as diversas fechaduras colocadas nesta porta, Drizzt compreendeu
que não teria ocasião de utilizá-la com muita freqüência. -Uma habitação -corrigiu-o Zak. -Mas há outras duas portas -insistiu Drizzt, enquanto inspecionava
a sala. Sem fechaduras. -Ah! -exclamou Zak-, suas fechaduras estão feitas com sentido comum. -Drizzt começou a entender a situação. Aquela porta -acrescentou
o professor de armas, assinalando para o sul- comunica com meus aposentos privados. Que nunca te surpreenda ali dentro. A outra dá passo à sala de táticas, reservada
para os tempos de guerra. Quando me convencer de sua valia, se é que alguma vez o consegue, possivelmente te convide a visitá-la. Mas ainda ficam por diante muitos
anos para que chegue esse dia; até então, terá que considerar esta magnífica sala -Zak moveu seu braço em um amplo gesto- como sua casa. Drizzt contemplou a sala
sem muito entusiasmo. Tinha tido a esperança de que esta classe de tratamento tivesse ficado atrás com seus dias de príncipe pajem. Em troca, via-se outra vez levado
a passado, inclusive além dos seis anos de servidão na casa, a sua primeira década de vida encerrado na capela aos cuidados da Vierna. Esta habitação era mais pequena
que a capela, e muito reduzida para o gosto do jovem drow. Seu seguinte pergunta soou como um grunhido. -Onde dormirei? -Aqui -respondeu Zak sem rodeios. -Onde
comerei? -Aqui. Drizzt entreabriu as pálpebras, e seu rosto se acendeu de fúria. -Onde...? -começou a perguntar, decidido a rebater a lógica do professor de armas.
-Aqui -respondeu Zak com o mesmo tom moderado e sonoro, antes de que Drizzt pudesse acabar sua pergunta. O jovem separou as pernas e cruzou os braços. -Pode resultar
um pouco chato. -Mais te vale que não seja assim -replicou Zak. -Que sentido tem tudo isto? -protestou Drizzt. Apartaste-me que minha mãe... -Dará-lhe o tratamento
de matrona Malícia -advertiu-lhe Zak. Sempre a nomeará como matrona Malícia. -De minha mãe...

A seguinte interrupção do Zak não foi oral: o professor de armas o tombou de um murro. Drizzt voltou em si ao cabo de uns vinte minutos. -Primeira lição -assinalou
Zak, apoiado em uma parede a uns passos de distância. Por seu próprio bem, sempre a nomeará como matrona Malícia. Drizzt ficou de flanco e tentou levantar-se sobre
um cotovelo, mas o invadiu o enjôo assim que separou a cabeça do tapete negro. Zak o agarrou do braço e o levantou. -Não é tão fácil como agarrar moedas -comentou
o professor de armas. -O que? -Parar um golpe. -Que golpe? -Só dava que sim, menino teimoso. -Segundo filho! -corrigiu-o Drizzt, zangado, enquanto voltava
a cruzar-se de braços em um gesto de desafio. Zak fechou a mão em um punho, como uma advertência pouco sutil que Drizzt não passou por cima. -Quer jogar outra sesta?
-perguntou o professor de armas. -Os segundos filhos podem ser meninos -reconheceu Drizzt, prudentemente. Zak sacudiu a cabeça em um gesto de incredulidade. Isto
prometia ser interessante. -Possivelmente encontre alguma coisa que te faça mais suportável sua estadia -disse, enquanto guiava ao Drizzt para uma larga e espessa
cortina com adornos de muitas cores, embora a maioria eram de tons escuros. Mas só se pode aprender a controlar essa língua tão larga. Zak apartou a cortina de
um puxão, e deixou à vista a mais extraordinária coleção de armas que o jovem drow (e provavelmente muitos outros majores) tinha visto em toda sua vida. Alabardas,
lanças, lanças, espadas, tochas, maças, e uma amplísima variedade de armas das que nem sequer conhecia sua existência, apareciam ordenadas com muito cuidado nas
prateleiras do armeiro. -as examine -disse-lhe Zak. Sem pressa e a seu prazer. Descobre quais se adaptam melhor a suas mãos, segue cegamente os ditados de sua
vontade. Quando acabar sua aprendizagem, todas serão para ti como um amigo de confiança. Boquiaberto, Drizzt caminhou com o passar do armeiro, enquanto via seu entorno
e o futuro sob outro prisma. Durante seus dezesseis anos de vida, o aborrecimento tinha sido seu pior inimigo. Agora, por fim, tinha encontrado armas para lutar
contra ele. Zak se dirigiu para sua habitação privada, consciente de que era melhor deixar ao Drizzt a sós naquele primeiro contato com as armas. Ao chegar à porta,
o professor se deteve e se voltou para olhar ao jovem Dou'Urdem. Drizzt tinha pego uma larga e pesada alabarda que quase o dobrava em altura, e a movia lentamente
em um arco. Mas apesar de todos seus intentos por mantê-la controlada, o impulso da sela acabou por tombá-lo ao chão. Zak escutou o som de sua própria risada, mas
a gargalhada só serve para lhe recordar a dura realidade de sua tarefa. Treinaria ao Drizzt, como tinha feito com outro milhar de jovens elfos escuros antes que
ele, para convertê-lo em um guerreiro e prepará-lo para os rigores da Academia e os perigos da vida no Menzoberranzan. Ensinaria ao Drizzt a ser um assassino. "Que
pouco adequado parece esse manto para sua natureza!", pensou Zak. Drizzt sorria com muita facilidade; a idéia de que pudesse afundar sua espada no coração de outro
ser vivo lhe repugnou. Essa era a maneira de proceder dos drows, uma maneira a que Zak tinha sido incapaz de opor-se em seus quatrocentos anos de vida. Apartou o
olhar do Drizzt, entretido com as armas, entrou em sua habitação e fechou a porta. -São todos assim? -perguntou em voz alta na solidão espartana de seu quarto.
Têm todos os meninos drows a mesma inocência, o mesmo sorriso puro e tão delicado que não pode sobreviver à fealdade de nosso mundo? Zak se dirigiu para a pequena
mesa se localizada a um lado da habitação, com a intenção de levantar a coberta do globo de cerâmica que proporcionava luz ao quarto. Ao ver que não podia se separar
de sua mente a expressão de alegria do Drizzt ante o descobrimento das armas, trocou de idéia e decidiu deitar-se. -Ou acaso é único, Drizzt Dou'Urdem? -sussurrou,
deixando cair sobre os almofadões do leito. E, se for tão diferente, então qual é a causa? O sangue, meu sangue, que corre por suas veias como uma maldição? Ou
os anos que passaste junto a seu nodriza? Zak se cobriu os olhos com um braço e procurou as respostas a suas muitos interrogantes. Chegou à conclusão de que Drizzt
se separava da norma, embora não sabia se devia atribui-lo a Vierna ou a si mesmo. Ao cabo de um momento dormiu, mas o sonho não lhe serve de consolo. O mesmo pesadelo
de sempre perturbou seu descanso: uma lembrança que se negava a desaparecer. Zaknafein escutou outra vez os gritos dos meninos da casa DeVir enquanto os soldados
de Dou'Urdem -soldados que ele mesmo tinha treinado- assassinavam-nos. -Este é diferente! -gritou Zak, ao tempo que saltava da cama.

Com uma mão tremente se enxugou o suor frio que lhe empapava o rosto. "Este é diferente!", disse-se. Precisava acreditar que era verdade.

7

Segredos escuros

-De verdade pensa tentá-lo? -perguntou Masoj, com um tom tão altivo como incrédulo. Alton dirigiu um olhar sinistro ao estudante. -Descarrega sua raiva em algum
outro, Sem Rosto -disse Masoj, apartando o olhar do rosto destroçado de seu tutor. Não sou a causa de sua frustração. Pergunta-a era válida. -Durante mais de
uma década estudaste as artes mágicas-replicou Alton-, e em que pese a isso ainda tem medo de explorar o mundo escuro ao lado de um professor do Sorcere. -Não
teria medo junto a um autêntico professor -atreveu-se a sussurrar Masoj. Alton não emprestou atenção a este comentário, tal como tinha feito com tantas outras observações
do aprendiz Hun'ett ao longo dos últimos dezesseis anos. Masoj era o único vínculo do Alton com o mundo exterior, e, enquanto que o moço contava com o respaldo de
uma família poderosa, Alton só o tinha a ele. Cruzaram a porta que dava à habitação superior da moradia do Alton. Uma vela solitária iluminava o quarto, e sua luz
resultava escassa devido à abundância de tapeçarias de tons escuros e à cor negra da pedra e os tapetes. Alton ocupou seu tamborete, localizado-se detrás de uma
pequena mesa redonda, e colocou sobre esta um livro muito grosso. -É um feitiço reservado às sacerdotisas -objetou Masoj, que se instalou ao outro lado da mesa.
Os magos se ocupam dos planos inferiores. Os mortos são matéria exclusiva das sacerdotisas. Alton franziu o sobrecenho e cravou o olhar no Masoj; a vacilante luz
da vela ressaltava as grotescas feições do professor. -Por isso se vê, não tenho nenhuma sacerdotisa a minha disposição -comentou o Sem Rosto em tom sarcástico.
Preferiria que tentasse entrar em comunicação com algum feto dos Nove Infernos? Masoj se estremeceu e sacudiu a cabeça vigorosamente. Não queria voltar a passar
por semelhante experiência. Um ano atrás, e em seu desejo de encontrar respostas a suas perguntas, o Sem Rosto tinha solicitado a ajuda de um demônio gelado. Aquele
ser veleidoso tinha congelado a habitação até fazê-la resplandecer com uma cor negra no espectro infravermelho, com o que tinha destroçado uma fortuna em equipes
de alquimia. Se Masoj não tivesse chamado a sua pantera mágica para distrair ao demônio gelado, nenhum dos dois teria saído vivo da habitação. -De acordo -respondeu
Masoj sem muita convicção, e se apoiou na mesa com os braços cruzados. Invoca a seu espírito e encontra suas respostas. Alton advertiu o ondulação na túnica do
Masoj produzida por um estremecimento involuntário. Dirigiu-lhe um olhar iracundo, e depois voltou para seus preparativos. Enquanto Alton se aproximava do momento
de lançar o feitiço, a mão do Masoj procurou em seu bolso a figurinha de ônix da pantera que tinha conseguido o dia em que DeVir assumiu a identidade do Sem Rosto.
A estatueta estava encantada com um potente duomer que permitia a seu possuidor invocar a ajuda de uma poderosa pantera. Masoj tinha invocado ao grande felino de
vez em quando, sem compreender do todo as limitações do duomer e seus possíveis perigos. "Só em casos de extrema urgência -pensou o moço quando fechou a mão sobre
a figurinha. por que sempre os problemas surgem quando estou com o Alton?" Apesar de seus alardes, nesta ocasião Alton compartilhava a inquietação do Masoj. Os
espíritos dos mortos não eram destrutivos como os fetos dos planos inferiores, mas de todos os modos podiam ser muito cruéis e sutis em suas torturas. Mas Alton
precisava saber a resposta. Desde fazia mais de quinze anos tinha procurado a informação através dos canais convencionais; quer dizer, tinha interrogado a professores
e estudantes -sempre de uma maneira indireta- a respeito dos detalhes referentes à queda da casa DeVir. Muitos

conheciam os rumores do ocorrido, e alguns inclusive lhe tinham explicado a tática e os métodos utilizados pela casa vitoriosa. Entretanto, nenhum se atreveu a dar
o nome da casa atacante. No Menzoberranzan, ninguém ousava dizer nada que se pudesse interpretar como uma acusação, mesmo que fora do domínio geral, sem ter provas
definitivas que justificassem uma ação do conselho regente contra o acusado. Se uma casa organizava um ataque e era descoberta, Menzoberranzan em pleno se lançava
contra ela até apagá-la do mapa. Mas se a incursão tinha êxito, como era o caso da casa DeVir, o acusador podia ver-se em graves dificuldades. A vergonha pública,
mais que as leis da honra, era a que movia as engrenagens da justiça na cidade dos drows. Agora o único supervivente da casa DeVir tentava encontrar por outros meios
a resposta a sua busca. Primeiro o tinha tentado nos planos inferiores, através do demônio gelado, com um resultado desastroso. Mas agora tinha em seu poder um objeto
que podia pôr ponto final a suas frustrações: um livro escrito por um feiticeiro da superfície. Na hierarquia drow, unicamente as sacerdotisas do Lloth tratavam
com o reino dos mortos, mas em outras sociedades também os feiticeiros podiam atuar no mundo dos espíritos. Alton tinha encontrado o livro na biblioteca do Sorcere
e tinha conseguido traduzir o suficiente -ao menos, isso acreditava- para poder estabelecer um contato espiritual. retorceu-se as mãos, abriu o livro com muito
cuidado na página marcada, e jogou uma última olhada ao texto do feitiço. -Está preparado? -perguntou ao Masoj. -Não. Alton passou por cima o sarcasmo do estudante
e apoiou as Palmas das mãos sobre a mesa. Pouco a pouco se inundou no transe. -Fey innad... -Alton fez uma pausa e pigarreou para dissimular o engano. em que pese
a não ter estudado a fundo o feitiço, Masoj advertiu o equívoco. -Fey innunad dê-min... -O feiticeiro fez outra pausa. -Que Lloth tenha piedade de nós -murmurou
Masoj. Alton abriu os olhos, e olhou ao estudante com vontades de estrangulá-lo. -É uma tradução -disse- da estranha língua de um mago humano! -Monserga -replicou
Masoj. -Isto que vê é o livro de feitiços de um feiticeiro do mundo exterior -explicou Alton com voz contida. Um archimago, conforme dizia a nota do ladrão orco
que o roubou e o vendeu a nossos agentes. DeVir recuperou a compostura, sacudiu sua calva cabeça, e tentou uma vez mais entrar em transe. -Fantástico. Um orco estúpido
e ignorante foi capaz de roubar o livro de feitiços de um archimago -sussurrou Masoj. Dado o absurdo da afirmação, não era necessário adicionar nada mais. -O mago
estava morto! -vociferou Alton. O livro é autêntico! -Quem se encarregou da tradução? -perguntou Masoj com um tom lhe exasperem. Alton se negou a aceitar mais
interrupções. Sem fazer nenhum caso da expressão de brincadeira do Masoj, voltou para seu recitado. -Fey innunad dê-min dê-sul dê-ket. Por sua parte, Masoj tentou
repassar a lição de uma de suas classes, como uma maneira de controlar suas risadas e não incomodar ao DeVir. Em realidade não acreditava no êxito da prova, mas
não queria distrai-lo e correr o risco de ter que suportar a ridícula cantinela outra vez desde o começo. Ao cabo de um par de minutos, excitada-a voz do Alton o
tirou de suas reflexões. -Matrona Ginafae? Masoj se surpreendeu ao ver que uma estranha bola de fumaça verde aparecia por cima da chama da vela e pouco a pouco
tomava uma forma mais definida. -Matrona Ginafae! -repetiu Alton ao completar o feitiço. Ante seus olhos tinha a inconfundível imagem do rosto de sua mãe morta.
-Quem é? -perguntou o espírito, desconcertado, depois de observar a habitação durante um bom momento. -Sou Alton. Alton DeVir, seu filho. -Filho? -repetiu a
aparição. -Sim, seu filho. -Não recordo ter tido um filho tão feio. -É um disfarce -apressou-se a responder Alton, ao tempo que espiava ao Masoj, convencido
de que se burlava dele. Mas se o estudante se mostrou antes depreciativo, agora sua expressão era de absoluto respeito.

-Não é mais que um disfarce -assegurou Alton com um sorriso-, para poder me mover pela cidade e preparar a vingança contra nossos inimigos. -Que cidade? -Menzoberranzan.
O espírito pareceu não saber a que se referia. -É Ginafae, não é verdade? -insistiu Alton. A matrona Ginafae DeVir. O rosto do espírito adquiriu uma expressão
carrancuda, enquanto este parecia considerar a pergunta. -Eu era... acredito que... -A mãe matrona da casa DeVir, quarta casa do Menzoberranzan -insistiu Alton,
cada vez mais excitado. Soma sacerdotisa do Lloth. A menção da rainha aranha sacudiu ao espírito. -Ai, não! -gritou Ginafae ao recordar sua existência terrestre.
Não teria que havê-lo feito, meu horrível filho! -É só um disfarce -interrompeu-a Alton. -Devo ir -acrescentou o espírito do Ginafae, que olhou a sua redor
presa de uma evidente inquietação. Deve permitir que vá! -Mas necessito que me dê uma informação, matrona Ginafae. -Não me chame assim! -chiou o espírito.
Não o entende! Já não gozo do favor do Lloth. -Problemas -sussurrou Masoj de repente, sem surpreender-se. -Só uma resposta! -exigiu Alton, pouco disposto a deixar
acontecer a oportunidade de averiguar por fim a identidade de seus inimigos. -Depressa! -gritou o espírito. -me diga o nome da casa que destruiu aos DeVir. -A
casa? -disse Ginafae. Sim, lembrança aquela noite terrível. Foi a casa... A bola de fumaça se deformou, e a imagem do Ginafae se desfez enquanto suas últimas
palavras se convertiam em um murmúrio incompreensível. -Não! -chiou Alton, que abandonou seu tamborete de um salto. Me deve dizer isso Quais são meus inimigos?
-Incluiria-me como um deles? -perguntou a imagem do espírito com uma voz muito distinta da que tinha empregado antes, um tom tão capitalista que deixou o rosto
do Alton sem sangue. A imagem sofreu uma nova transformação e se converteu em algo espantoso. Muito mais horrível que Alton ou que qualquer outra coisa existente
no plano material. Alton não era uma sacerdotisa, e nunca tinha estudado a religião drow além dos conhecimentos elementares que se repartiam aos varões da raça.
Mesmo assim, conhecia a criatura que flutuava ante seus olhos, porque se parecia com uma barra de cera no processo de fundir-se: era uma yochlol, uma donzela do
Lloth. -Como te atreve a perturbar o tortura do Ginafae? -perguntou a criatura. -Maldita seja! -murmurou Masoj, e com muita dissimulação procurou refúgio debaixo
da toalha negra da mesa. Apesar de suas dúvidas a respeito dos conhecimentos mágicos do Alton, não tinha esperado que seu desfigurado professor os metesse em semelhante
atoleiro. -Mas... -gaguejou Alton. -Nunca mais tente penetrar neste plano, estúpido feiticeiro! -rugiu a yochlol. -Não tinha intenção de chegar ao abismo -protestou
Alton, contrito. Só pretendia falar... -Com o Ginafae! -A yochlol completou a frase do Alton com um tom zombador. Onde esperava encontrar seu espírito, idiota?
Possivelmente pulando no Olimpo, com os falsos deuses dos elfos da superfície? -Não pensava... -É que alguma vez pensa? -grunhiu a yochlol. "Não", respondeu Masoj
para seus adentros, sem deixar-se ver. -Não volte a te entremeter neste plano -repetiu a yochlol por última vez. A rainha aranha é inflexível e não tolera aos
varões entremetidos! O derretido rosto da criatura aumentou de tamanho e superou os limites da nuvem de fumaça. Alton escutou uns sons que pareciam arcadas, e se
apertou contra a parede ao tempo que levantava os braços para proteger o rosto. A boca da yochlol se abriu desmesuradamente, ao ponto de impedir de ver o resto de
sua cara, e cuspiu uma chuva de pequenos objetos, que ricochetearam no corpo do Alton e na parede. "Pedras?", pensou o mago sem rosto, desconcertado. Uma daquelas
coisas respondeu a sua muda pergunta; sujeitou-se à túnica negra e começou a subir para seu pescoço: aranhas. Outra quebra de onda de monstros de oito patas se deslizou
por debaixo da mesa, e Masoj rodou sobre si mesmo para sair de seu improvisado esconderijo. Assim que pôde, ficou de pé e jogou um olhar em direção ao Alton, que
dava palmadas e pisões a destro e sinistro para rechaçar a horda de insetos.

-Não as mate! -chiou Masoj. Matar aranhas está proibido por... -Aos Nove Infernos com as sacerdotisas e suas leis! -replicou Alton. Masoj elevou os ombros
em um gesto de resignação, procurou entre as dobras de sua túnica, e tirou a mesma mola de suspensão de mão que tinha utilizado para matar ao verdadeiro Sem Rosto
tantos anos atrás. Examinou a arma e olhou as pequenas aranhas que corriam pela habitação. -Será excessivo? -perguntou em voz alta. Ao não escutar nenhuma resposta,
voltou a elevar os ombros e disparou. O dardo abriu um corte bastante profundo no ombro do Alton, que olhou incrédulo a ferida e depois se voltou para o Masoj feito
uma fúria. -Tinha uma no ombro -desculpou-se Masoj. O gesto azedo do Alton não desapareceu. -Ingrato -acrescentou Masoj. Alton, é um estúpido. Não viu que
todas as aranhas estão em seu lado da habitação? -O estudante lhe voltou as costas. Que tenha boa caça! -desejou-lhe. Tendeu uma mão para o trinco da porta,
mas antes de que pudesse sujeitá-lo, a folha da porta se transformou na imagem da matrona Ginafae. A figura lhe dedicou um grande sorriso, muito grande, e uma língua
enorme e úmida lambeu o rosto do Masoj. -Alton! -gritou, ao tempo que se afastava de um salto da repugnante língua. Viu que o mago se dispunha a realizar um encantamento.
Alton se esforçava por manter sua concentração enquanto as aranhas subiam pela túnica. É homem morto -comentou Masoj como se tal coisa. Alton lutou para não cometer
nenhum engano, sem fazer caso do asco que lhe produziam as aranhas, e por fim conseguiu acabar o ritual. Em todos seus anos de estudo, nunca tinha imaginado que
seria capaz de fazer algo assim; teria se rido com apenas mencioná-lo. Agora, em troca, parecia-lhe algo preferível à condenação da yochlol. Lançou uma bola de fogo
contra seus próprios pés. Nu e sem cabeleira, Masoj atravessou a porta para escapar do inferno. A seguir apareceu seu professor, envolto em chamas; jogou-se no chão
e começou a rodar sobre a pedra ao tempo que se despojava dos objetos incendiados. Enquanto contemplava como Alton apagava as últimas chamas, uma agradável lembrança
apareceu na mente do Masoj, e pronunciou a única queixa que dominava seus pensamentos em meio de tanto desastre: -Teria que havê-lo matado quando estava na rede.
Ao cabo de uns minutos, assim que Masoj partiu a sua habitação para ocupar-se de seus estudos, Alton se colocou os braceletes metálicos que o identificavam como
professor da Academia e abandonou Sorcere. Baixou as grandes escalinatas que conduziam até o Tier Breche e se sentou a contemplar o panorama do Menzoberranzan. Mas
o maravilhoso espetáculo que lhe oferecia a cidade não consolou ao DeVir de seu último fracasso. Durante dezesseis anos tinha adiado todos seus demais sonhos e ambições
em favor de sua busca se desesperada por encontrar a casa culpado, e tinham sido dezesseis anos de fracassos. perguntou-se quanto tempo mais poderia manter o engano,
e seus ânimos. Masoj, seu único amigo -se é que podia chamá-lo assim-, tinha completado mais da metade de seus estudos no Sorcere. O que faria quando Masoj acabasse
a carreira e retornasse à casa Hun'ett? -Possivelmente terei que persistir em meus esforços nos séculos vindouros -disse em voz alta-, só para ser assassinado
por um estudante desesperado, como eu... como Masoj assassinou ao Sem Rosto. Seria capaz meu assassino de desfigurar-se para ocupar meu lugar? Alton não pôde evitar
a risada irônica que escapou de sua boca sem lábios ao imaginar um "professor sem rosto" eterno no Sorcere. Em que momento surgiriam as suspeitas da matrona dama
da Academia? dentro de mil anos? Dez mil? Ou o Sem Rosto seria capaz de sobreviver à própria Menzoberranzan? Viver como um professor não estava nada mal. Muitos
drows teriam sacrificado muito mais para desfrutar desta honra. Alton apoiou o rosto sobre o antebraço e tentou se separar de sua mente estes estúpidos raciocínios.
Não era um autêntico professor, nem sua posição lhe reportava grandes satisfações. Possivelmente Masoj lhe teria feito um favor, dezesseis anos atrás, lhe disparando
quando se encontrava apanhado na rede do Sem Rosto. O desespero do Alton se acentuou quando considerou os anos que tinha por diante. Acabava de cumprir setenta e
era jovem para os de sua raça. A idéia de que só tinha vivido uma décima parte de sua existência não foi essa noite um motivo de alegria para o Alton DeVir. "Quanto
tempo mais sobreviverei? -pensou. Quanto tempo mais até que o inferno que é minha vida me consuma?"

-Teria sido melhor morrer à mãos do Sem Rosto -murmurou. Porque agora sou Alton de Nenhuma Casa Digna de Menção. Masoj o tinha batizado assim durante a primeira
manhã depois da queda da casa DeVir, mas nnaquele tempo, naquele tempo, quando sua vida dependia do disparo de uma mola de suspensão, Alton não tinha compreendido
as implicações do título. Menzoberranzan não era mais que um conjunto de casas individuais. Um patife plebeu podia unir-se a qualquer e proclamar que era a sua,
mas um patife nobre não seria aceito em nenhuma casa da cidade. Só tinha Sorcere e nada mais, e isto até o momento em que descobrissem sua verdadeira identidade.
Qual seria o castigo por matar a um professor? Masoj tinha cometido o crime, mas Masoj tinha uma casa para defendê-lo. Alton não era mais que um patife. acomodou-se
em seu assento com os cotovelos apoiados nos joelhos e contemplou a ascensão do calor no Narbondel. À medida que os minutos se convertiam em horas, Alton superou
o desconsolo e a autocompasión; contemplou a cidade com novos olhos, interessado esta vez pelas casas individuais, e pensou nos escuros secretos que se albergavam
em cada uma delas. "E há uma -disse-se- que oculta o segredo mais valioso para mim." Uma delas tinha destruído a casa DeVir. esqueceu-se do fracasso dessa noite
com a matrona Ginafae e a yochlol, e de seus desejos de morrer. depois de tudo, dezesseis anos não significavam nada. Ainda ficavam outros seiscentos anos de vida.
Se era necessário, estava disposto a dedicar até o último minuto desses seis séculos à busca dos culpados. -Vingança -grunhiu em voz alta, porque precisava recordar
que esta era a única razão de sua existência.

8

Parentesco

Zak o acossou com uma série de golpes baixos. Drizzt tentou retroceder o mais rápido possível e recuperar a postura, mas o incessante ataque seguiu cada um de seus
passos, e se viu forçado a realizar unicamente movimentos defensivos. Com muita freqüência, Drizzt descobria que estavam mais perto do professor os punhos de suas
armas que as lâminas. Então Zak se agachou para depois levantar-se por debaixo da defesa do jovem. Drizzt cruzou suas cimitarras como um perito, embora teve que
manter-se
rígido para esquivar o assalto do Zak. O aluno era consciente de que seu rival o tinha colocado em uma posição desfavorável, e não se surpreendeu quando Zak transladou
seu peso à perna atrasada e se lançou a fundo, com as pontas de suas espadas dirigidas às coxas de seu oponente. Drizzt amaldiçoou para si mesmo e baixou as cimitarras
em uma cruz investida, com a intenção de empregar a "V" das lâminas para apanhar as espadas do professor. Levado por um impulso repentino, Drizzt vacilou enquanto
interceptava as armas do Zak, e se separou de um salto, com o qual recebeu um doloroso golpe na cara interior da coxa. Aborrecido pelo engano, arrojou as armas ao
chão. Também Zak deu um salto atrás, e observou ao Drizzt com uma expressão de desconcerto. -Não deveria ter falhado esse movimento -afirmou, cortante. -A parada
é errônea -replicou Drizzt. Zak pôs a ponta de uma de suas espadas no chão e se apoiou na arma, à espera de uma explicação mais ampla por parte de seu aluno. No
passado, Zak tinha ferido -e inclusive matado- a estudantes por insolências como esta. -A cruz investida detém o ataque, mas o que ganha? -acrescentou o jovem.
Quando o movimento se completa, a ponta de minha espada fica muito baixa para iniciar uma rotina de ataque eficaz, e você tem tempo de te retirar. -Mas detiveste
o ataque. -Só para ter que me enfrentar ao seguinte -protestou Drizzt. Quão único consigo da cruz investida é uma posição equilibrada. -Y...? -perguntou Zak,
que não acabava de entender qual era o problema do aluno com essa tática. -Recorda suas próprias lições! -gritou Drizzt. "Cada movimento deve conseguir uma vantagem."
É o que prega a toda hora, mas não vejo nenhuma vantagem em utilizar a cruz investida. -Entrevistas só uma parte daquela lição porque te convém -reprovou-lhe Zak,
zangado. Completa a frase ou não a repita! Cada movimento deve conseguir uma vantagem ou eliminar uma desvantagem. A cruz investida derrota o duplo golpe baixo,
e é óbvio que seu oponente tem a vantagem se se atrever a executar uma manobra ofensiva tão arriscada. Naquele momento é preferível recuperar uma posição de equilíbrio.
-A parada é errônea! -repetiu Drizzt, teimado. -Recolhe suas armas -grunhiu Zak, com um gesto ameaçador. Drizzt vacilou, e o professor de armas se lançou ao
ataque, com as espadas por diante. Drizzt se agachou, recolheu suas cimitarras e se levantou para responder ao assalto, sem saber muito bem se se tratava de outra
lição ou de um ataque real. O professor o atacou com sanha. Lançava um golpe atrás de outro, e Drizzt teve que retroceder em círculos. O jovem se defendeu com bastante
habilidade e pouco a pouco observou uma pauta conhecida à medida que os ataques do Zak eram cada vez mais baixos, coisa que forçava ao Drizzt a levantar os punhos
para cima e para fora por cima das lâminas das cimitarras. Drizzt compreendeu que Zak pretendia demonstrar que tinha razão com feitos e não com palavras. Entretanto,
ao ver a expressão de fúria no rosto do professor, não teve muito claro até onde queria chegar este em sua demonstração. Se Zak estava no certo, concluiria o ataque
com um golpe na coxa? Ou em seu coração? Zak se agachou e se levantou por debaixo da defesa, e Drizzt se ergueu rígido.

-Dobro golpe baixo! -exclamou o professor, e executou a manobra. Drizzt estava preparado. Realizou a cruz investida e sorriu satisfeito ao escutar o som metálico
do choque das espadas atacantes contra suas cimitarras. Então manteve ocupada uma só de suas armas, convencido de que seria suficiente para desviar as espadas do
Zak. Agora, com uma lâmina livre da parada, Drizzt a fez girar para lançar sua réplica. Assim que o jovem investiu o movimento, Zak descobriu o plano porque já suspeitava
qual seria sua armadilha. O professor baixou até o chão a ponta de uma de suas espadas -a mais próxima ao punho da cimitarra que Drizzt utilizava na parada-, e
o moço, em seu intento de manter um esforço constante a todo o comprido da cimitarra que parava, perdeu o equilíbrio. Mesmo assim, teve os reflexos suficientes para
controlar o tropeção, embora roçou o chão com os nódulos. Convencido ainda de que Zak tinha cansado na armadilha, e de que poderia acabar seu brilhante contra-ataque,
deu um passo curto adiante para recuperar a postura. O professor de armas se mergulhou de cabeça ao chão, por debaixo do arco esboçado pela cimitarra do Drizzt,
e, depois de rodar uma vez para situar-se atrás do jovem, afundou-lhe o salto de sua bota em uma das curvas. antes de que o aluno pudesse dar-se conta do ataque,
já se encontrava tendido de costas. Zak interrompeu bruscamente seu movimento e apartou as pernas. Drizzt não tinha tido sequer tempo de captar a réplica a seu contra-ataque,
quando viu seu professor de pé a seu lado e notou a leve espetada da espada do Zak em sua garganta, que arrancou uma pequena gota de sangue. -Tem alguma coisa mais
que dizer a respeito? -grunhiu Zak. -A parada é errônea! -respondeu Drizzt com veemência. Zak estalou em uma gargalhada. Deixou cair sua espada ao chão, tendeu
uma mão, e ajudou a seu teimado aluno a levantar-se. Mais tranqüilo, seu olhar procurou os olhos lilás do Drizzt enquanto apartava ao moço a um braço de distância.
O professor estava maravilhado da elegância da postura do Drizzt, da maneira em que empunhava as cimitarras as gema como se fossem prolongações naturais de seus
braços. Drizzt só levava uns poucos meses de treinamento, mas quase dominava o uso das armas do amplo arsenal da casa Dou'Urdem. Essas cimitarras! As armas escolhidas
pelo Drizzt, com as lâminas curvas que aumentavam a surpreendente fluidez do estilo do jovem guerreiro... Com elas em suas mãos, este jovem drow, um adolescente,
poderia derrotar na metade dos membros da Academia. Um estremecimento correu pelas costas do Zak quando pensou na mestria do Drizzt quando completasse sua preparação.
Entretanto, não eram só as capacidades físicas e o potencial do Drizzt Dou'Urdem o que faziam refletir ao Zaknafein. O professor tinha chegado à conclusão de que
o temperamento do moço era muito diferente do de qualquer outro drow. Drizzt possuía um espírito inocente, livre de toda malícia, e Zak não podia evitar sentir-se
orgulhoso quando o olhava. Em todos os aspectos, o jovem drow obedecia aos mesmos princípios que Zak, em que pese a ser uma moral desconhecida no Menzoberranzan.
Também Drizzt tinha percebido a relação, embora não tinha idéia de quão excepcionais eram no maligno mundo drow essas percepções que Zak e ele compartilhavam. Tinha
advertido que o "tio Zak" era distinto de qualquer outro dos elfos escuros que conhecia, embora este número se reduzia aos membros de sua família e umas dezenas
de soldados. Certamente, Zak era muito diferente da Briza, a irmã maior do Drizzt, com sua desesperada, quase cega, ambição por destacar no misterioso culto ao Lloth.
E por certo que Zak era muito diferente da matrona Malícia, a mãe do Drizzt, que nunca lhe dirigia a palavra exceto para lhe ordenar alguma coisa. Zak era capaz
de sorrir ante situações que não necessariamente significavam um sofrimento para outras pessoas. Ele era o primeiro drow que, ao parecer, estava satisfeito com sua
posição na vida, e o primeiro ao que Drizzt tinha escutado rir. -Um bom intento -comentou o professor de armas a respeito da manobra do Drizzt. -Em um combate
real, me teriam matado -respondeu o jovem. -Certamente -assentiu Zak. Mas por isso nos treinamos. Seu plano era excelente, o tempo perfeito. Só a situação estava
equivocada. De todos os modos, insisto em que foi um bom intento. -Esperava-lhe isso -disse o aluno. -Possivelmente -manifestou Zak, sorridente-, mas porque
tinha visto outro aluno tentar a mesma manobra. -Contra ti? -exclamou Drizzt, que já não se sentiu tão orgulhoso de seus supostos descobrimentos nas táticas de
esgrima. -Equivoca-te -respondeu Zak, com uma piscada. Observei o fracasso da manobra do mesmo ângulo que você, e com o mesmo resultado. -Pensamos da mesma
maneira -comentou Drizzt, muito mais animado. -Assim é -afirmou Zak-, embora meus conhecimentos estão afiançados por quatrocentos anos de experiências, enquanto
que você nem sequer chegaste aos vinte. Confia em mim, moço impaciente. A cruz investida é a parada correta. -Possivelmente -disse Drizzt.

-Quando encontrar uma parada melhor, provaremo-la -assegurou-lhe Zak, ocultando um sorriso. Mas até então confia em minha palavra. treinei a mais soldados dos
que lembrança. A todo o exército da casa Dou'Urdem e a dez vezes aquele número quando servi de professor no MeleeMagthere. Ensinei ao Rizzen, a todas suas irmãs,
e a seus dois irmãos. -Meus dois irmãos? -Eu... -Zak fez uma pausa e dirigiu um olhar de curiosidade ao Drizzt. Já vejo -acrescentou. Nunca se preocuparam
de lhe dizer isso Zak se perguntou se devia misturar-se e dizer a verdade ao Drizzt. Sem dúvida, à matrona Malícia daria igual; provavelmente não o havia dito ao
Drizzt porque não considerava a morte do Nalfein como algo digno de mencionar. -Sim, dois -explicou Zak. Tinha dois irmãos quando você nasceu: Dinin, ao que
conhece, e outro major, Nalfein, um mago de grande poder. Nalfein resultou morto em uma batalha a mesma noite de seu nascimento. -Contra os pequenos ou os malignos
gnomos?-chiou Drizzt, com o entusiasmo de um menino ansioso por escutar um conto de medo antes de dormir. Defendia a cidade contra os bárbaros conquistadores
ou contra monstros infames? Zak passou um momento difícil ao descobrir a tergiversação nas inocentes crenças do Drizzt. "Têm-no envolto em uma rede de mentiras",
pensou, e depois respondeu em voz alta: -Não. -Então foi contra algum oponente ainda mais terrível? -insistiu o moço. Os pérfidos elfos da superfície? -Morreu
à mãos de outro drow! -exclamou Zak, frustrado. A afirmação do professor apagou o brilho de entusiasmo dos olhos do Drizzt. O jovem se reclinou em seu assento e
pensou nas palavras do Zak, enquanto seu professor sofria ao ver a expressão de desconcerto no rosto de seu tutelado. -Uma guerra contra outra cidade? -perguntou
Drizzt, sombrio. Não sabia que... Zak não lhe emprestou mais atenção. Deu meia volta e se retirou em silencio a sua habitação. Que Malícia ou qualquer de seus
lacaios se ocupasse de acabar com a inocência do moço. A suas costas, Drizzt não fez nenhum comentário, consciente de que a conversação, e a classe, acabaram-se.
Mas também consciente de que se inteirou de um pouco muito importante. O professor de armas e Drizzt praticavam durante horas enquanto os dias se convertiam em semanas,
e as semanas em meses. O tempo não tinha importância, combatiam até ficar esgotados, e reatavam as práticas logo que podiam. Ao terceiro ano, quando cumpriu os dezenove,
Drizzt era capaz de enfrentar-se durante horas contra o professor de armas, e inclusive tomava a ofensiva em muitos de seus duelos. Zak desfrutava ao máximo. Pela
primeira vez em muitos anos, tinha encontrado a alguém com a capacidade para converter-se em seu igual. O professor não recordava que a risada tivesse acompanhado
nunca o choque das armas de adamantita na sala de treinamento. Observou como Drizzt se transformava em uma moço alta e atlética, atento, ativo e inteligente. Os
professores da Academia teriam que esforçar-se muito para conseguir um simples empate frente a Drizzt, inclusive em seu primeiro ano. Este pensamento emocionava
ao professor de armas, mas então recordava os princípios da Academia, os preceitos da vida drow, e as conseqüências que teriam em seu maravilhoso estudante: arrebatariam
para sempre o sorriso dos olhos lilás do Drizzt. Um aviso do mundo drow que existia ao outro lado da porta da sala de exercícios os visitou um dia na pessoa da matrona
Malícia. -Trata-a com o devido respeito -advertiu- Zak ao Drizzt quando Maia anunciou a chegada da mãe matrona. O professor de armas se adiantou prudentemente
para saudar em privado à máxima autoridade da casa Dou'Urdem. -Meus respeitos, matrona -disse com uma reverência. A que devo a honra de sua presença? A matrona
riu em seus narizes, ao descobrir seu jogo. -Meu filho e você lhes passam a vida encerrados nesta sala -respondeu Malícia. Quero conhecer os progressos do moço.
-É um guerreiro de primeira -afirmou Zak. -Não tem outra opção -murmurou Malícia. dentro de um ano ingressará na Academia. -A Academia jamais viu um espadachim
como ele -grunhiu Zak, molesto pelo tom de dúvida empregado por Malícia. A matrona se separou do professor de armas e caminhou até onde estava Drizzt.

-Não duvido de seus progressos com a espada -comentou a seu filho, embora acompanhou suas palavras com um olhar de astúcia ao Zak. Leva-o no sangue. Mas há outras
qualidades que formam a um guerreiro drow; qualidades do coração. A atitude de um guerreiro! Drizzt não sabia como responder. Só a havia visto algumas vezes nos
últimos três anos, e nunca tinham conversado. Zak viu o desconcerto no rosto do Drizzt e teve medo de que o moço cometesse um engano: precisamente o que desejava
a matrona Malícia. Desta maneira, Malícia teria uma desculpa para tirar ao Drizzt da tutela do Zak -ao tempo que desonrava ao professor- e confiar sua preparação
ao Dinin ou a algum outro assassino desalmado. Zak podia ser o melhor instrutor de esgrima, mas agora que Drizzt já conhecia o manejo das armas, Malícia queria endurecê-lo
emocionalmente. Zak não queria correr o risco; apreciava muitíssimo o tempo que passava junto ao jovem Drizzt. Tirou suas espadas das vagens incrustadas de pedraria
e carregou por diante mesmo da matrona Malícia. -Demonstra o que sabe, jovem guerreiro! -gritou. Os olhos do Drizzt brilharam como brasas ao ver a carga do professor,
e as cimitarras apareceram em suas mãos como por arte de magia. E sorte teve de que fora assim! Zak se lançou sobre o Drizzt com uma fúria desconhecida para o jovem
drow, muito mais intensa que aquela vez em que tinham discutido os méritos da parada em cruz investida. O choque das espadas contra as cimitarras arrancou faíscas
do aço, e Drizzt se viu obrigado a retroceder, com os braços doloridos pelo impacto dos poderosos golpes. -O que pretende...? -tentou perguntar. -lhe demonstre!
-rugiu Zak, sem deixar de lançar cutiladas. Drizzt conseguiu evitar com muita dificuldade uma estocada mortal. Entretanto, sua confusão o levava a manter-se à defensiva.
Zak desviou uma das cimitarras do Drizzt, depois a outra e então utilizou uma arma inesperada: levantou uma perna e descarregou o salto contra o nariz de seu aluno.
Drizzt escutou o rangido do tabique nasal ao romper-se e sentiu o calor do sangue sobre seu rosto. jogou-se de cabeça ao chão e rodou sobre si mesmo, em um intento
de se manter a uma distância segura de seu enlouquecido oponente até que pudesse recuperar do golpe. De joelhos, viu o Zak que se aproximava disposto a não lhe dar
quartel. -lhe demonstre! -grunhiu o professor. As chamas purpúreas do fogo fátuo iluminaram a pele do Drizzt, e o transformaram em um branco fácil. Respondeu da
única maneira a seu alcance: lançando um globo de escuridão sobre o Zak e ele mesmo. Intuindo qual seria o próximo movimento do professor de armas, tombou-se no
chão e se arrastou sobre o estômago para sair do globo, sempre com a cabeça baixa. Foi uma sábia decisão. Ante a aparição do globo de escuridão, Zak se tinha apressado
a levitar a uns três metros de altura e passou sobre ele, sem deixar de lançar golpes para onde calculava que estaria a cabeça de seu rival. Quando Drizzt saiu pelo
outro lado do globo, olhou para trás e só viu as pantorrilhas do Zak. Não teve necessidade de ver nada mais para compreender as sinistras intenções de seu professor.
Zak o teria talhado em pedaços de não ter estado tendido no chão. A ira substituiu o desconcerto. Quando Zak voltou a pôr os pés em terra e rodeou o globo à carreira,
Drizzt deixou que sua irritação o guiasse no combate. Executou uma pirueta antes de alcançar ao Zak, ao tempo que riscava um arco com a cimitarra principal e com
a outra simulava uma estocada a fundo por cima da linha daquela. Zak esquivou a estocada e com uma parada de reverso deteve a outra. Drizzt não tinha acabado. Com
uma de suas armas lançou uma série de rápidos puntazos que puseram ao Zak em retirada durante uma dúzia de passos ou mais, e juntos penetraram na escuridão mágica.
Agora tinham que confiar em seu muito agudo sentido do ouvido e em seus reflexos. Zak conseguiu por fim recuperar o equilíbrio, mas imediatamente Drizzt empregou
seus próprios pés, lançando chutes cada vez que o permitia o impulso de suas armas. de repente, conseguiu penetrar uma patada entre as defesas do Zak, e o golpe
no plexo deixou sem fôlego ao professor de armas. Reapareceram pelo outro lado do globo, e esta vez também a silhueta do Zak se via recortada pelo fogo fátuo. O
professor se sentiu doído pela expressão de ódio no rosto de seu aluno, mas compreendeu que nem ele nem Drizzt tinham podido escolher. Esta briga tinha que ser brutal,
era necessário lhe dar reflexos de autenticidade. Pouco a pouco, Zak passou a um ritmo mais tranqüilo, exclusivamente à defensiva, e deixou que o cansaço do combate
consumisse a fúria do jovem. Drizzt continuou com os ataques, implacável. Zak o enrolou lhe deixando ver aberturas onde não as havia, e o moço sempre mordeu o anzol,
com uma estocada, um corte ou um chute. A matrona Malícia contemplava o espetáculo em silêncio. Não podia negar a qualidade do ensino que Zak tinha repartido a seu
filho. Fisicamente, Drizzt estava mais que preparado para o combate. Por sua parte, Zak sabia que, para a matrona Malícia, a mestria com as armas podia não ser suficiente.
Devia evitar que tivesse ocasião de conversar com o moço. Ela não aprovaria as opiniões do jovem.

O professor de armas observou o cansaço de seu aluno, embora não se deixou enganar pelo Drizzt, que exagerava a fadiga para surpreendê-lo. "Acabemos com isto", murmurou
para si mesmo, e de repente se "torceu" um tornozelo, ao tempo que movia para o flanco e para baixo o braço direito e se esforçava por recuperar o equilíbrio, com
o qual abriu um buraco em suas defesas que Drizzt não poderia deixar de aproveitar. O ataque chegou como um raio, e o braço esquerdo do Zak se moveu em um curto
golpe enviesado que arrancou a cimitarra da mão direita do Drizzt. -Ah! -gritou Drizzt, que tinha esperado esta manobra. E sem perder um segundo lançou seu segundo
ataque. Com a outra cimitarra descarregou um golpe contra o ombro esquerdo do Zak, embora no último momento desviou a trajetória como fazia nos exercícios. Mas Zak
já estava de joelhos quando Drizzt descarregou o segundo golpe. Enquanto a lâmina do Drizzt cortava o ar por cima da cabeça do professor, Zak se levantou de um salto
e lançou um golpe com o punho de sua espada que se estrelou na mandíbula do Drizzt. Atordoado, o moço deu um passo atrás e permaneceu imóvel uns segundos. A segunda
cimitarra lhe escapou dos dedos, e seus olhos velados não piscaram. -Uma finta dentro de uma finta dentro de uma finta! -explicou Zak, tranqüilamente. Drizzt se
desabou, inconsciente. Malícia assentiu satisfeita enquanto Zak se reunia com ela. -Está preparado para ir à Academia -afirmou a matrona. No rosto do Zak apareceu
uma expressão azeda, e não respondeu. -Vierna já está ali -acrescentou Malícia-, para ensinar como uma das damas do ArachTinilith, a escola do Lloth. É uma grande
honra. "Um grande lucro para a casa Dou'Urdem", pensou Zak, que se cuidou de não manifestar sua opinião. -Dinin não demorará para segui-la -disse a matrona. -Dois
filhos professores da Academia ao mesmo tempo? -exclamou Zak, que, impulsionado pelo assombro, acrescentou-: Sem dúvida terá tido que te esforçar muito para conseguir
semelhante privilégio. -Um favor se paga com outro -respondeu a matrona Malícia, com seu sorriso ardiloso. -Com que fim? -perguntou Zak. Amparo para o Drizzt?
-Por isso acabo de ver -respondeu Malícia, com uma gargalhada-, Drizzt poderia encarregar-se de proteger aos outros dois. Zak se mordeu a língua ao escutar o
comentário. Dinin era o dobro de hábil com as armas e um assassino desumano. Resultava evidente que Malícia tinha outras intenções. -Três das primeiras oito casas
estarão representadas na Academia ao menos com quatro filhos nas próximas duas décadas -reconheceu a matrona Malícia. O filho da matrona Baenre começará no mesmo
curso do Drizzt. -Vejo que tem aspirações -disse Zak. Até onde pretenderá chegar a casa Dou'Urdem da mão da matrona Malícia? -Algum dia o sarcasmo te custará
a língua -advertiu-lhe a mãe matrona. Seríamos uns parvos se desperdiçássemos a oportunidade de saber algo mais de nossos rivais. -As primeiras oito casas -murmurou
Zak. Vê com cuidado, matrona Malícia. Não esqueça vigiar aos rivais entre as casas inferiores. Existiu uma vez uma casa chamada DeVir que cometeu o mesmo engano.
-Não haverá nenhum ataque pelas costas -replicou Malícia com desprezo. Somos a casa novena mas dispomos de muito mais poder que outras. Ninguém ousará nos atacar
a traição. Há brancos mais fáceis entre os que estão por acima de nós. -E tudo para nosso benefício -assinalou Zak. -Acaso não se trata disso? -perguntou Malícia,
com um sorriso cruel. Zak não teve necessidade de responder, pois a matrona conhecia seus verdadeiros sentimentos. Precisamente não era isso o importante. -Não
fale, e a mandíbula se curará antes -recomendou-lhe Zak ao jovem quando voltaram a estar a sós. Drizzt lhe dirigiu um olhar furioso. -Temo-nos feito grandes amigos
-acrescentou o professor de armas. -É o que acreditava -murmurou Drizzt. -Então pensa com claridade -reprovou-lhe Zak. Crie que a matrona Malícia aprovaria
a existência deste vínculo entre seu professor de armas e seu mais jovem... e prezado filho? É um drow, Drizzt Dou'Urdem, e de nobre berço. Não pode ter amigos.
Drizzt se ergueu como se o tivessem esbofeteado. -Ao menos, não abertamente -assinalou Zak, pondo uma mão sobre o ombro do moço em um gesto afetuoso. Os amigos
significam vulnerabilidade, uma debilidade indesculpável. A matrona

Malícia jamais o aceitaria... -Fez uma pausa, ao dar-se conta de que amedrontava a seu estudante. Bom -admitiu como conclusão final-, ao menos nós dois sabemos
quem somos. Para o Drizzt, em realidade, isto não parecia estar tão claro.

9

Famílias

-Vêem, depressa -ordenou- Zak ao Drizzt uma noite depois de acabar os treinamentos do dia. Pela urgência no tom do professor de armas, e pelo fato de que Zak nem
sequer o esperou, o moço compreendeu que ocorria algo importante. Por fim alcançou ao Zak no balcão da casa Dou'Urdem, onde já se encontravam Maia e Briza. -O que
ocorre? -perguntou Drizzt. Zak o aproximou a seu lado e assinalou através da grande caverna, para o lado nordeste da cidade. viam-se luzes que se acendiam e apagavam
bruscamente, e por um momento se elevou uma coluna de fogo. -Uma incursão -respondeu Briza, sem pensá-lo. Casas menores, que não têm nada que ver conosco. Zak
viu que Drizzt não tinha compreendido a resposta. -trata-se do ataque de uma casa contra outra -explicou-lhe. Possivelmente por vingança, mas o mais provável
é que seja um intento de alcançar uma posição superior na cidade. -A batalha dura muito -comentou Briza. Ainda há estalos. Zak continuou com suas explicações
para dissipar as dúvidas do desconcertado segundo filho da casa. -Os atacantes teriam que ter oculto o combate com anéis de escuridão -disse. Se não o conseguiram
é que a casa defensora estava preparada para rechaçar a incursão. -Por isso se vê, não acredito que as coisas vão muito bem aos atacantes -opinou Briza. Drizzt
não podia dar crédito ao que escutava. Ainda mais que a notícia lhe preocupava a maneira em que sua família comentava o sucesso. mostravam-se extremamente tranqüilos
em suas apreciações, como se isto fosse algo habitual. -Os atacantes não devem deixar testemunhas -informou Zak ao Drizzt. Se não ser assim, terão que enfrentar-se
com a condenação do conselho regente. -Mas nós somos testemunhas -objetou Drizzt. -Não -disse Zak. Somos observadores. A batalha não é nossa coisa. Unicamente
os nobres da casa defensora têm direito a apresentar acusações contra seus atacantes. -Se é que os nobres salvam a vida -apontou Briza, que desfrutava com o drama.
Naquele momento, Drizzt não esteve muito seguro de se lhe agradava esta nova revelação. Em qualquer caso, descobriu que não podia apartar o olhar do espetáculo da
batalha drow. Ninguém dormia na residência Dou'Urdem. Os soldados e escravos corriam daqui para lá em busca de um bom lugar de observação, e gritavam comentários
sobre as alternativas da ação e a possível identidade dos atacantes. Esta era a sociedade drow com todo seu jogo macabro, e, embora no fundo de seu coração o membro
mais jovem da casa Dou'Urdem considerava que estava mau, não podia negar a excitação da noite, como tampouco podia fazer caso omisso das expressões de prazer nos
rostos das três pessoas que compartilhavam o balcão com ele. Alton fez um último percorrido por seus aposentos privados para assegurar-se de que qualquer artefato
ou livro que pudesse parecer sacrílego estivesse bem oculto. Esperava a visita de uma mãe matrona, um fato excepcional para um professor da Academia sem relação
com o Arach-Tinilith, a escola do Lloth. Alton estava bastante preocupado pelos motivos que pudessem ter impulsionado a seu visitante, a matrona SiNafay Hun'ett,
cabeça da quinta casa e mãe do Masoj, seu companheiro na conspiração.

Um golpe na porta de pedra da habitação mais baixa da torre avisou ao DeVir a chegada de seu visitante. arrumou-se a túnica e jogou outro olhar à habitação. A porta
se abriu antes de que Alton pudesse atender a chamada, e a matrona SiNafay entrou no quarto. Com toda facilidade se adaptou à mudança -abandonar a escuridão total
do corredor e entrar na habitação iluminada pelas velas- sem sequer pestanejar. SiNafay era mais pequena do que tinha imaginado Alton, quase diminuta para o que
era a estatura habitual dos drows. Logo que media pouco mais de um metro vinte e pesava, conforme estimou Alton, uns vinte e cinco quilogramas. De todos os modos,
era uma mãe matrona, e Alton não esqueceu que ela podia matá-lo com um feitiço. Alton desviou o olhar em um gesto de obediência e tratou de convencer-se a si mesmo
de que esta visita não tinha nada de estranho. Entretanto, não as teve todas consigo quando Masoj entrou na carreira e se colocou junto a sua mãe, com um sorriso
de satisfação. -Saudações da casa Hun'ett, Gelroos -disse a matrona SiNafay. passaram vinte e cinco anos ou mais desde que falamos por última vez. "Gelroos?",
repetiu para si Alton, e pigarreou para dissimular sua surpresa. -Meus respeitos, matrona SiNafay -conseguiu gaguejar. Em realidade aconteceu tanto tempo? -Teria
que vir à casa -acrescentou a matrona. Suas habitações permanecem vazias. "Minhas habitações?" Alton começou a sentir-se mau. SiNafay advertiu o desgosto do homem.
Franziu o sobrecenho e entreabriu as pálpebras em um gesto cruel. Alton suspeitou que acabava de descobrir seu segredo. Se o Sem Rosto tinha sido membro da família
Hun'ett, como podia pretender enganar à mãe matrona da casa? Com dissimulação procurou uma rota de escapamento, ou a maneira de poder matar ao traidor do Masoj antes
de que SiNafay acabasse com ele. Quando voltou a olhar à matrona SiNafay, a mulher já preparava um feitiço. Quando o completou, abriu os olhos bruscamente: tinha
confirmado suas suspeitas. -Quem é? -perguntou, com um tom que não era ameaçador mas sim de curiosidade. Não havia maneira de escapar, nem possibilidade de alcançar
ao Masoj, situado prudentemente muito perto de sua poderosa mãe. -Quem é? -repetiu SiNafay, enquanto agarrava um instrumento de três cabeças sujeito a seu cinturão.
O temível látego de cabeças de serpente, que injetavam o mais doloroso e potente veneno conhecido pelos drows. -Alton -gaguejou, consciente de que não podia permanecer
em silêncio. Sabia que, tendo sido descoberto, SiNafay podia utilizar a magia para comprovar a veracidade de suas respostas. Sou Alton DeVir. -DeVir? -A resposta
do Alton pareceu intrigar ao SiNafay. Da casa DeVir que desapareceu alguns anos atrás? -Sou o único sobrevivente -afirmou Alton. -E matou ao Gelroos..., Gelroos
Hun'ett, para ocupar seu lugar como professor no Sorcere - raciocinou a matrona com um tom feroz, e Alton se viu um passo da morte. -Eu..., eu não podia saber
seu nome... Me teria matado! -exclamou Alton, em sua defesa. -Eu matei ao Gelroos -disse uma voz do outro extremo da habitação. SiNafay e Alton se voltaram para
o Masoj, que uma vez mais empunhava sua arma favorita: a pequena mola de suspensão. -Com isto -explicou o jovem Hun'ett. A noite em que desapareceu a casa DeVir,
encontrei a desculpa na briga que sustentaram Gelroos e este. Assinalou ao Alton. -Gelroos era seu irmão -recordou-lhe a matrona SiNafay. -Maldita seja sua alma!
-exclamou Masoj. Durante quatro anos miseráveis não fiz outra coisa que ser seu servente. Servi-o como se fora uma mãe matrona! Me teria mantido afastado do Sorcere,
me teria forçado a entrar no Melee-Magthere. A matrona olhou a seu filho, depois ao Alton, e outra vez a seu filho. -Em troca, deixou que este vivesse -comentou
SiNafay com um sorriso. Matou a seu inimigo e forjou uma aliança com um novo professor em uma só jogada. -Tal como me ensinaram -resmungou Masoj, sem saber se
sua ação daria lugar a uma represália ou a um louvor. -Não foi mais que um menino -assinalou SiNafay, ao recordar de repente os anos transcorridos. Masoj aceitou
o completo em silêncio. -E o que passará comigo? -perguntou Alton, que não se perdeu nenhuma palavra. Me perdoa a vida? -Sua vida como Alton DeVir acabou, por
isso se vê, a noite da queda da casa DeVir -respondeu-lhe SiNafay, com um olhar furioso. portanto, agora é o Sem Rosto, Gelroos Hun'ett. Posso utilizar seus olhos
na Academia, para que vigie a meu filho e a meus inimigos.

Alton apenas se se atrevia a respirar. Encontrar-se de repente aliado com uma das casas mais capitalistas do Menzoberranzan! Um amontoado de possibilidades e perguntas
alagou sua mente, e em especial uma: quão mesma o atormentava desde fazia quase duas décadas. -Dava o que pensa -ordenou-lhe sua mãe matrona adotiva ao ver sua
excitação. -São uma grande sacerdotisa do Lloth -disse Alton, sem preocupar-se das conseqüências. Está dentro de seu poder conceder o que mais desejo. -Atreve-te
a pedir um favor? -repreendeu-o a matrona SiNafay, apesar de que lhe intrigava descobrir qual era o mistério que tanto atormentava ao Alton. De acordo, concedido.
-Que casa destruiu a minha família? -grunhiu Alton. Lhe perguntem ao mundo dos mortos, suplico-lhes isso, matrona SiNafay. SiNafay considerou sua resposta com
muito cuidado, e as possibilidades que oferecia o evidente desejo de vingança do DeVir. "Outro beneficio por aceitá-lo na família?", pensou a matrona. -Isso já
sei -respondeu. Possivelmente quando tiver demonstrado seu valor, revê-te... -Não! -gritou Alton, e se conteve imediatamente. Tinha interrompido a uma mãe matrona,
um crime que podia ser castigado com a morte. -A resposta deve ser muito importante para ti, do momento em que atua com tal imprudência -assinalou SiNafay, que
controlou sua ira. -Por favor -suplicou Alton-, devo sabê-lo. me matem se lhes agradar, mas primeiro me digam quem foi. Ao SiNafay gostou do valor, e decidiu
que sua obsessão podia lhe resultar muito proveitosa. -A casa Dou'Urdem -respondeu. -Dou'Urdem? -repetiu Alton. Parecia-lhe impossível que uma casa se separada
dos primeiros postos da hierarquia da cidade tivesse sido capaz de derrotar à casa DeVir. -Não empreenderá nenhuma ação contra eles -advertiu-lhe a matrona SiNafay.
Por esta vez, perdoarei sua insolência. Agora é um filho da casa Hun'ett. Não esqueça nunca qual é seu lugar! Não acrescentou nada mais, consciente de que alguém
com a astúcia suficiente para manter um engano tão grande durante quase duas décadas não podia ser tão parvo para desobedecer à mãe matrona de sua casa. -Vêem,
Masoj -disse-lhe SiNafay a seu filho. Saiamos daqui para que possa pensar em paz a respeito de sua nova identidade. -Tem que sabê-lo, matrona SiNafay -ousou
dizer Masoj enquanto caminhava com sua mãe para a saída do Sorcere. Alton DeVir é um bufão. É muito capaz de trazer a desgraça à casa Hun'ett. -Sobreviveu à queda
de sua própria casa -respondeu SiNafay-, e conseguiu fazer-se passar pelo Sem Rosto durante dezenove anos. Um bufão? Possivelmente, mas ao menos um bufão com muitos
recursos. Em um gesto inconsciente, Masoj se esfregou a parte de sua sobrancelha que não havia tornado a crescer depois do episódio com a yochlol. -sofri as palhaçadas
do Alton DeVir durante todos estes anos -disse Masoj. Reconheço que tem bastante sorte e que está acostumado a sair bem sacado dos problemas, embora pelo general
é ele mesmo o que os provoca. -Não tenha medo. -SiNafay soltou uma gargalhada. Alton beneficiará os interesses de nossa casa. -O que podemos ganhar? -É um
professor da Academia -respondeu SiNafay. Dará-me os olhos ali onde agora os necessito. -Deteve seu filho e lhe fez dar meia volta para olhá-lo à cara; desejava
que compreendesse a importância de cada uma de suas palavras. A reclamação do Alton DeVir contra a casa Dou'Urdem pode trabalhar a nosso favor. Era um nobre da
casa, com direitos de acusação. -Pretende utilizar a acusação do Alton DeVir para conseguir que as grandes casa castiguem à casa Dou'Urdem? -perguntou Masoj. -As
grandes casa não se incomodarão em tomar represálias por um incidente que ocorreu faz quase vinte anos -disse SiNafay. A casa Dou'Urdem executou a destruição
da casa DeVir de uma forma quase perfeita. Foi uma matança impecável. Lançar uma acusação pública contra os Dou'Urdem nestes momentos seria um convite a que a fúria
das grandes casa caia sobre nós. -Então que vantagem nos pode reportar Alton DeVir? -inquiriu Masoj. -Não é mais que um varão e não pode compreender as complexidades
da hierarquia governante -replicou a matrona. Com a acusação do Alton DeVir sussurrada nos ouvidos corretos, o conselho poderia fazer a vista gorda se uma única
casa se venha em nome do Alton.

-Com que fim? -assinalou Masoj, sem compreender a importância da explicação de sua mãe. Arriscaria as perdas de semelhante batalha para conseguir a destruição
de uma casa menor? -O mesmo pensava a casa DeVir da casa Dou'Urdem -repôs SiNafay. Em nosso mundo devemos nos preocupar tanto das casas grandes como das pequenas.
Todas as grandes casa teriam que ter a prudência de vigiar atentamente os movimentos do Daermon N'a'shezbaernon, a casa novena conhecida com o nome de Dou'Urdem.
Agora tem um professor e uma dama servindo na Academia e três grandes sacerdotisas, além de uma quarta que se aproxima de sua meta. -Quatro grandes sacerdotisas?
-exclamou Masoj. Em uma só casa? Só três das oito casas principais tinham mais. Normalmente, as irmãs que aspiravam a alcançar dita fila inspiravam rivalidades
que se saldavam com a morte. -E as legiões da casa Dou'Urdem somam mais de trezentos e cinqüenta soldados -acrescentou SiNafay-, todos eles treinados por quem
possivelmente é o melhor professor de armas de toda a cidade. -Refere ao Zaknafein Dou'Urdem, certamente -disse Masoj. -ouviste falar dele? -Seu nome se menciona
com freqüência na Academia, inclusive no Sorcere. -Bem -ronronou SiNafay. Então compreenderá a importância da missão que tenho reservada para ti. Um brilho de
entusiasmo apareceu nos olhos do Masoj. -Muito em breve, outro Dou'Urdem ingressará na Academia -explicou SiNafay. Não é um professor a não ser um estudante.
Por isso hão dito os poucos que viram treinar-se a este moço, Drizzt, será um guerreiro tão magnífico como o próprio Zaknafein. Isto é algo que não podemos permitir.
-Quer que mate ao moço? -perguntou Masoj, ansioso. -Não -respondeu SiNafay-, ainda não. Quero que o observe, que compreenda os motivos de cada um de seus movimentos.
E deve estar sempre preparado para o momento de atacar. Ao Masoj gostou da missão que lhe tinha encomendado sua mãe, mas havia algo que seguia lhe preocupando, e
muito. -Ainda temos que pensar no Alton -disse. É impaciente e atrevido. Quais seriam as conseqüências para a casa Hun'ett se atacar à casa Dou'Urdem antes do
momento preciso? Podemos nos arriscar a uma acusação contra nossa casa e a uma guerra aberta contra a cidade? -Não se preocupe, meu filho -respondeu a matrona
SiNafay. Se Alton DeVir cometer semelhante estupidez enquanto suplanta ao Gelroos Hun'ett, o acusaremos de ser um assassino e um impostor, sem nenhum vínculo com
nossa família. Converterá-se em um patife ingrato, e ali onde vá haverá um verdugo esperando-o. Sua explicação dita em um tom despreocupado tranqüilizou ao Masoj,
mas a matrona SiNafay, profunda conhecedora da forma de ser da sociedade drow, tinha compreendido o risco que assumia ao aceitar ao Alton DeVir como membro de sua
casa. Seu plano parecia impecável, e o ganho -o desaparecimento da ambiciosa casa Dou'Urdem- era uma ceva muito apetitosa. De todos os modos, os perigos também
eram muito reais. Embora se aceitava que uma casa destrói-se a outra em segredo, as conseqüências do fracasso não podiam ser deixadas de lado. Aquela mesma noite,
uma casa menor tinha atacado a outra e, se os rumores diziam a verdade, tinha fracassado. Com a chegada do novo dia e a apresentação de acusações, o conselho regente
teria que fazer um ato de justiça, e castigar aos atacantes. Ao longo de sua vida, a matrona SiNafay tinha presenciado a aplicação desta "justiça" em diversas ocasiões.
Nem um só membro das casas agressoras -nem sequer se permitia recordar seus nomes- tinha sobrevivido. À manhã seguinte, Zak despertou ao Drizzt muito cedo. -Vêem
-disse. Hoje sairemos da casa em resposta a uma chamada. -Sairemos da casa? -exclamou Drizzt, tão surpreso pela notícia que se esqueceu do sonho. Em seus dezenove
anos de vida, Drizzt nunca tinha ido além da grade de adamantita da residência Dou'Urdem. Só tinha observado o mundo do Menzoberranzan do balcão. Enquanto Zak esperava,
o jovem se calçou as suaves expulsa e recolheu seu piwafwi. -Hoje não haverá lição? -inquiriu. -Já veremos -limitou-se a responder Zak. O professor de armas
se disse para si mesmo que Drizzt estava a ponto de conhecer uma das revelações mais surpreendentes de sua vida. Uma casa tinha fracassado em uma incursão, e o conselho
regente tinha solicitado a presença de todos os nobres da cidade para que fossem testemunhas do peso da justiça. Quando abriram a porta da sala de exercícios e saíram
ao corredor, encontraram-se com a Briza que ia para buscá-los.

-Depressa -arreganhou-os. A matrona Malícia não deseja que nossa casa seja das últimas em unir-se à reunião! A mãe matrona, instalada sobre um resplandecente
disco voador azul -as mães matronas muito poucas vezes caminhavam pela cidade-, encabeçou a procissão através do grande portão da casa Dou'Urdem. Briza caminhava
ao lado de sua mãe, seguidas por Maia e Rizzen, e Drizzt e Zak na terceira fila. Vierna e Dinin, tal como correspondia a suas obrigações como membros da Academia,
tinham atendido a chamada do conselho regente com um grupo diferente. A cidade inteira se lançou à rua, e todos comentavam o fracasso da incursão. Drizzt caminhava
entre o bulício com os olhos muito abertos, admirado ante a magnificência das casas drows. Escravos pertencentes a todas as raças inferiores -goblins, orcos e inclusive
gigantes- apartavam-se a toda pressa ao reconhecer a Malícia, montada em seu disco mágico, como uma mãe matrona. Os plebeus interrompiam suas conversações e guardavam
respeitoso silêncio ao passo da família nobre. Enquanto caminhavam para a zona nordeste, onde estava a casa culpado, entraram em uma rua obstruída por uma caravana
de duergars, pequenos cinzas. Havia uma dúzia de carromatos derrubados ou com as varas enganchadas. Ao parecer, dois grupos de duergars se encontraram na rua desde
direções opostas, e nenhum tinha querido ceder o direito de passagem. Briza empunhou seu látego de cabeças de serpente e perseguiu umas quantas das criaturas, limpando
o caminho para que Malícia pudesse flutuar em seu disco até onde se encontravam os chefes dos dois grupos. Os pequenos se voltaram para ela com uma expressão de
fúria
até que reconheceram sua condição. -Imploro-lhes seu perdão -gaguejou um deles. Não é mais que um desgraçado acidente. Malícia jogou o olho ao conteúdo de um
dos carromatos derrubados: caixas cheias de patas de caranguejo e outras delícias. -demorastes minha viagem -comentou Malícia, sem alterar-se. -viemos a sua cidade
a comercializar -explicou o outro pequeno. Olhou furioso ao outro mercado, e Malícia compreendeu que eram rivais. Possivelmente competiam por vender seus produtos
a uma mesma casa drow. -Perdoarei sua insolência... -ofereceu Malícia, gentilmente, sem deixar de olhar as caixas. Os dois mercados suspeitaram quais seriam suas
próximas palavras. Também Zak as adivinhou. -Esta noite comeremos bem -sussurrou ao Drizzt com uma piscada de picardia. Malícia não deixará escapar esta oportunidade.
...se podem entregar esta noite a metade de sua carga à porta da casa Dou'Urdem - concluiu a matrona. Os pequenos abriram a boca dispostos a protestar, mas desistiram
no ato. Odiavam ter entendimentos com os elfos escuros! -Serão compensados adequadamente -acrescentou Malícia. A casa Dou'Urdem não é pobre. Com o que há nas
duas caravanas têm mais que suficiente para satisfazer a seu cliente. A nenhum dos dois anões lhe ocorreu discutir este raciocínio, embora sabiam que, pelo fato
de ter ofendido a uma mãe matrona, o pagamento que receberiam por seu valiosos mantimentos seria muito inferior ao real. Entretanto, não podiam fazer outra coisa
que aceitar; era um dos riscos de fazer negócios no Menzoberranzan. Saudaram malícia com uma reverência e puseram a suas tropas a limpar o caminho para permitir
o passo da procissão drow. Os membros da casa Teken'duis, os fracassados atacantes da noite anterior, entrincheiraram-se dentro das duas estalagmites de sua residência,
conscientes do destino que lhes esperava. Frente à grade, congregaram-se todos os nobres do Menzoberranzan, mais de um milhar de drows, com a matrona Baenre e as
outras sete mães matronas do conselho regente à cabeça. Mas muito mais terrível para a casa culpado era a presença da totalidade das três escolas da Academia, estudantes
e professores, que tinham rodeado a residência. A matrona Malícia levou a seu grupo até a primeira fila detrás das matronas regentes. Como era a matrona da casa
novena, a só um degrau por debaixo do conselho, outros nobres drows se separaram de seu caminho. -A casa Teken'duis provocou a ira da rainha aranha! -proclamou
a matrona Baenre com a voz amplificada por um feitiço. -Unicamente porque fracassaram -sussurrou- Zak ao Drizzt. Briza dirigiu um olhar furioso aos dois varões.
-Estes são os únicos superviventes da casa Freth -anunciou a matrona Baenre, ao tempo que chamava a seu lado a três jovens drows, duas mulheres e um varão. Podem
nos dizer, órfãos da casa Freth, quem atacou sua casa? -A casa Teken'duis! -responderam os três ao uníssono.

-Ensaiado -comentou Zak. -Silêncio! -ordenou Briza, que se voltou outra vez para eles, ao escutar o murmúrio do professor de armas. -Sim-disse Zak, e deu um
cabeçada ao Drizzt. Te cale! Drizzt iniciou um protesto, mas Briza já não os fazia caso e o sorriso do Zak o desarmou. -portanto, é vontade do conselho regente
-anunciou a matrona Baenre- que a casa Teken'duis sofra as conseqüências de suas ações! -E o que passará com os órfãos da casa Freth? -perguntou uma voz entre
a multidão. -São nobres por direito de nascimento e como nobres viverão -respondeu a matrona Baenre, enquanto acariciava a cabeça da maior das órfãs, uma sacerdotisa
que tinha concluído seus estudos na Academia não fazia muito. A casa Baenre toma sob seu amparo: a partir de agora levarão o nome do Baenre. Entre a multidão se
escutaram alguns murmúrios. Três jovens nobres, dois deles mulheres, representavam um tesouro. Qualquer casa da cidade os teria acolhido com gosto. -Baenre -sussurrou-lhe
Briza a Malícia. Para que necessita a primeira casa mais sacerdotisas? -Ao parecer, dezesseis somas sacerdotisas não são suficientes -respondeu Malícia. -E,
sem dúvida, Baenre se levará qualquer soldado supervivente da casa Freth -acrescentou Briza. Malícia não estava tão segura. A matrona Baenre já arriscava bastante
adotando aos nobres superviventes. Se a casa Baenre se convertia em muito capitalista, Lloth não deixaria de intervir. Em situações como esta, quando uma casa tinha
sido quase aniquilada, os soldados plebeus superviventes eram leiloados entre as demais casa. Malícia não queria perdê-la leilão. Os soldados eram caros, mas nesta
ocasião Malícia tinha muito interesse em aumentar seu exército, sobre tudo se havia entre a tropa algum mago. -Casa Teken'duis! -declarou a matrona Baenre, que
prosseguia com seu discurso. quebrantastes nossas leis e portanto receberão o castigo merecido. Lutem se quiserem, mas devem compreender que vós mesmos lhes fizeram
merecedores deste destino! Com um gesto, a mãe matrona ordenou à Academia, a ejecutora de justiça, que entrasse em ação. Em oito pontos ao redor da casa Teken'duis
se tinham colocado outros tantos braseiros de grandes dimensões, atendidos pelas damas do Arach-Tinilith e as estudantes do último curso. As colunas de fogo se
elevaram no ar com um rugido à medida que as somas sacerdotisas abriam a comunicação com os planos inferiores. Drizzt observou o processo, assombrado e ao mesmo
tempo atento à presença do Dinin ou Vierna. Os fetos dos planos inferiores, enormes monstros providos de tentáculos, surgiram das chamas talheres de babas e cuspindo
fogo. Inclusive as somas sacerdotisas mais próximas aos braseiros se separaram da grotesca horda. As criaturas aceitaram agradadas esta amostra de servidão. A um
sinal da matrona Baenre, lançaram-se contra a casa Teken'duis. Runas e salvaguardas estalaram ao longo da débil grade da casa, mas estas não representavam um obstáculo
para as criaturas. Naquele momento entraram em ação os magos e estudantes do Sorcere, que lançaram sobre os telhados da casa Teken'duis uma chuva de raios, centelhas
e bolas de ácido. Os estudantes e professores do Melee-Magthere, a escola de guerreiros, seguiram-nos com as descargas de molas de suspensão, dirigindo suas setas
às janelas para evitar que a família condenada pudesse as utilizar para a fuga. A horda de monstros atravessou as portas. Estalaram os relâmpagos e retumbaram os
trovões. Zak olhou ao Drizzt, e um gesto de preocupação substituiu o sorriso do professor. Apanhado pela excitação do momento -e, sem dúvida, este espetáculo era
assustador- Drizzt mostrava uma expressão de assombro. Do interior da casa surgiram os primeiros gritos das vítimas, alaridos de agonia tão estremecedores que dissiparam
qualquer prazer macabro que Drizzt pudesse ter experiente com o drama. O moço sujeitou ao Zak por um ombro, e o fez girar para lhe pedir uma explicação. Um dos filhos
da casa Teken'duis, que fugia de um monstro gigante de dez braços, apareceu no balcão de uma das janelas mais altas. Uma dúzia de dardos se cravaram simultaneamente
em seu corpo, e, antes de que pudesse lançar seu último suspiro, uma sucessão de três raios o levantaram pelo ar e o deixaram cair sobre o balcão. O corpo calcinado
e mutilado se desabou sobre a balaustrada e esteve a ponto de cair ao vazio, mas o monstro tendeu uma de suas mãos com garras como ganchos de ferro e o sujeitou
para depois devorá-lo. -A justiça drow -disse Zak, com um tom frio. Não fez nenhum intento por consolar ao Drizzt: queria que a brutalidade deste momento se gravasse
na mente de seu aluno para o resto de sua vida.

O assédio se prolongou durante mais de uma hora. Quando acabou, quando os fetos foram devolvidos aos planos inferiores através dos braseiros e os estudantes e instrutores
da Academia iniciaram sua volta ao Tier Breche, a casa Teken'duis não era mais que uma massa resplandecente de pedra fundida. Drizzt suportou o espetáculo até o
final, horrorizado, mas também assustado das conseqüências se escapava. No caminho de volta à casa Dou'Urdem as maravilhas do Menzoberranzan não lhe deram nenhum
consolo.

10

A mancha de sangue

-Zaknafein está fora da casa? -perguntou Malícia. -Enviei-o junto com o Rizzen à Academia com uma mensagem para a Vierna -explicou Briza. Não voltará até dentro
de muitas horas. A luz do Narbondel começará a descender antes de que retorne. -Muito bem -disse Malícia. entendestes seus papéis nesta farsa? Briza e Maia assentiram.
-Alguma vez tinha ouvido falar de nada parecido -comentou Maia. É necessário? -Foi planejado para outro membro desta casa -respondeu Briza, que olhou a Malícia
para que confirmasse suas palavras. Faz quase quatrocentos anos. -Sim-afirmou Malícia. Foi pensado para o Zaknafein, mas a inesperada morte da matrona Vartha,
minha mãe, fez fracassar o plano. -Foi então quando te converteu em mãe matrona -assinalou Maia. -Efetivamente -repôs Malícia-, apesar de que não tinha completo
meu primeiro centenário e ainda era uma estudante no Arach-Tinilith. Não foram bons tempos na história da casa Dou'Urdem. -Mas sobrevivemos -disse Briza. Com
a morte da matrona Vartha, Nalfein e eu nos convertemos em nobres da casa. -Entretanto, Zaknafein não foi submetido à prova -apontou Maia. -Havia muitas coisas
mais urgentes que atender -respondeu Malícia. -De todos os modos, agora o tentaremos com o Drizzt -disse Maia. -O castigo à casa Teken'duis me convenceu de que
devemos realizar esta ação -manifestou Malícia. -Sim -coincidiu Briza. Recordam sua expressão durante o ataque? -Eu sim-respondeu Maia. Estava enojado.
-Algo indigno em um guerreiro drow-declarou Malícia-, e em conseqüência é nosso dever submetê-lo à prova. Drizzt ingressará na Academia dentro de pouco. Devemos
manchar suas mãos com sangue drow e despojar o de sua inocência. -Parecem muitas moléstias para um filho varão -protestou Briza. Se Drizzt não pode adaptar-se
a nosso modo de ser, por que não o damos ao Lloth? -Não terei mais filhos -replicou Malícia, severo. Cada membro da família é importante se pretendemos destacar
na cidade. Embora suas filhas não sabiam, Malícia esperava ganhar algo mais com a conversão de seu filho menor em um assassino desalmado. Odiava ao Zaknafein tanto
como o desejava: se conseguia destruir a inocência do Drizzt e fazê-lo abraçar as regras da sociedade drow, o professor de armas sofreria uma decepção tremenda.
-Vamos, acabemos com este assunto -acrescentou Malícia. A mãe matrona bateu Palmas e um cofre de grandes dimensões, sustentado por oito patas de aranha animadas,
entrou na habitação, seguido por um escravo goblin muito nervoso. -Passa, Byuchyuch -animou-o Malícia cordialmente. O escravo, disposto a agradar a sua ama, aproximou-se
do trono da mãe matrona e permaneceu imóvel enquanto Malícia iniciava a salmodia de um comprido e muito complicado feitiço. Briza e Maia contemplaram admiradas a
arte de sua mãe. As feições do pequeno goblin se incharam e retorceram, e sua pele se obscureceu. Ao cabo de uns minutos, o escravo apresentava o aspecto de um drow
adulto. Byuchyuch aceitou a mudança como uma bênção, sem compreender que a transformação era só o prelúdio de sua morte. -Agora é um soldado drow -anunciou-lhe
Maia-, e meu campeão. Só tem que matar a um guerreiro de fila inferior para tomar seu posto como um plebeu livre da casa Dou'Urdem. depois de dez anos de escravidão
em uma das casas mais malignas dos elfos escuros, o goblin estava disposto a fazer algo por obter esta recompensa.

Malícia abandonou seu trono e se dirigiu para a saída da sala. -Venham -ordenou, e suas duas filhas, o goblin e o cofre animado desfilaram atrás dela. Encontraram
ao Drizzt na sala de exercícios, ocupado em polir o fio de suas cimitarras. levantou-se de um salto ante a aparição destes visitantes inesperados e permaneceu em
silêncio. -Saúde, meu filho -disse Malícia, com um tom de afeto que Drizzt não lhe conhecia. preparamos uma prova para ti, um pouco muito singelo mas necessário
para seu ingresso no Melee-Magthere. Drizzt a olhou desconcertado. Não estava informado de que existisse nenhuma prova de ingresso. Maia chamou o cofre e abriu a
tampa com um gesto reverente. -até agora tiveste suas armas e seu piwafwi -explicou a seu irmão. chegou o momento de receber sua equipe completa como corresponde
a um nobre da casa Dou'Urdem. Do interior do cofre tirou um par de botas negras de cano alta e as alcançou ao Drizzt. O jovem se tirou suas botas a toda pressa e
se calçou as novas. Eram suaves como a seda, e se ajustaram sozinhas até adaptar-se perfeitamente a seus pés. Drizzt sabia que estavam dotadas da magia que lhe permitiria
mover-se no mais absoluto silêncio. Ainda não tinha acabado das admirar, quando Maia lhe entregou o seguinte presente, que era ainda mais impressionante. Drizzt
deixou cair ao chão seu piwafwi e agarrou a cota de malha chapeada. Em todos os Reino não existia uma armadura mais flexível e melhor feita que a cota de malha drow.
Não pesava mais que uma camisa de tecido grosa e se podia dobrar com tanta facilidade como uma parte de seda; entretanto, podia suportar a ponta de uma lança com
tanta eficácia como as couraças de aço fabricadas pelos pequenos. -Briga com duas armas -disse Maia-, e portanto não necessita um escudo. Mas ponha suas cimitarras
nisto: é mais adequado para um nobre drow. A sacerdotisa entregou ao Drizzt um cinturão de couro negro, com uma esmeralda enorme na fivela e duas vagens recamadas
com pedras preciosas. -te prepare -advertiu- Malícia ao Drizzt. Tem que ganhar os presentes. Enquanto Drizzt se colocava a equipe, Malícia se aproximou do goblin
transformado, que se mostrava cada vez mais inquieto ao ver que este combate não seria tarefa fácil. -Quando o matar, os objetos serão teus -prometeu Malícia.
O rosto do goblin se iluminou com um sorriso. A cobiça lhe impediu de compreender que não tinha nenhuma possibilidade de vencer ao Drizzt. Enquanto Drizzt se ocupava
de grampear o piwafwi, Maia lhe apresentou ao falso soldado drow. -Este é Byuchyuch -disse-, meu campeão. Terá que derrotá-lo para conseguir os presentes... e
o lugar que te corresponde na família. Sem duvidar de sua capacidade, e convencido de que o duelo só seria outra sessão de treinamento, Drizzt aceitou imediatamente
o desafio. -Então, em guarda -anunciou, ao tempo que desencapava suas cimitarras das luxuosas vagens. Malícia dirigiu ao Byuchyuch um sorriso de fôlego, e o goblin
empunhou a espada e o escudo que lhe tinha dado Maia e avançou para o Drizzt. O jovem se moveu sem pressa, disposto a calibrar a seu oponente antes de atrever-se
a qualquer golpe ofensivo. Só demorou uns segundos em advertir quão mau Byuchyuch dirigia a espada e o escudo. Como desconhecia a verdadeira identidade da criatura,
pareceu-lhe incrível que um drow pudesse demonstrar tanta inépcia com as armas. Pensou se não seria uma cilada de seu rival, e em conseqüência manteve sua atitude
de cautela. De todos os modos, depois de umas quantas estocadas lançadas sem nenhum tino por seu rival, Drizzt se sentiu obrigado a tomar a iniciativa. Descarregou
um golpe com a cimitarra de plano contra o escudo do Byuchyuch. O falso drow respondeu com uma torpe estocada, e Drizzt lhe arrancou a espada da mão com um singelo
molinete; um giro de boneca foi suficiente para levar a ponta de sua cimitarra até a boca do estômago do Byuchyuch. -Muito fácil -murmurou Drizzt. Mas a autêntica
prova só acabava de começar. De acordo com o plano, Briza lançou um feitiço lhe paralisem sobre o goblin, que dominado pelo pânico tentava escapar da cimitarra.
-Completa o golpe -ordenou- Malícia ao Drizzt. O jovem olhou sua cimitarra, e depois a sua mãe, incapaz de dar crédito a suas palavras. -O campeão de Maia deve
morrer -exclamou Briza. -Não posso... -começou Drizzt. -Arbusto! -rugiu Malícia, e esta vez a palavra levava o peso de uma ordem mágica. -Ataca! -chiou Briza.
Drizzt notou como suas palavras o impulsionavam a mover a mão. Profundamente aborrecido pela idéia de matar a um inimigo indefeso, dedicou toda sua energia mental
a resistir as ordens. Mas embora pôde rechaçar as ordens durante uns segundos, descobriu que não podia apartar a arma. -Arbusto! -gritou Malícia. -Ataca! -repetiu
Briza.

O coro se manteve durante uns segundos de agonia. O suor umedecia a frente do Drizzt. Então a força de vontade do jovem se quebrou. Sua cimitarra se deslizou entre
as costelas do Byuchyuch e atravessou o coração da desgraçada criatura. Briza liberou o goblin de seu feitiço lhe paralisem, para que Drizzt pudesse ver o sofrimento
no rosto do falso drow e escutar os estertores do Byuchyuch. Drizzt sentiu que se afogava ao ver sua arma manchada de sangue. Agora tinha chegado o turno de Maia.
Descarregou um golpe de maça sobre o ombro do Drizzt que o fez cair ao chão. -mataste a meu campeão! -gritou. Agora tem que lutar comigo! Drizzt rodou sobre
si mesmo para apartar-se da enfurecida mulher, e ficou de pé. Não tinha intenção de lutar, mas antes de que pudesse deixar cair suas armas, Malícia lhe leu os pensamentos
e lhe advertiu: -Se não brigar, Maia te matará! -Isto não tem sentido -protestou o jovem, mas suas palavras se perderam no estrépito metálico quando parou um
golpe com uma cimitarra. Gostasse ou não, já estava metido no combate. Maia era uma jaqueta perita -todas as mulheres dedicavam muitas horas a treinar-se com as
armas- e era mais forte que Drizzt. Entretanto, Drizzt era o filho do Zak, seu melhor aluno, e, quando aceitou que não tinha outra maneira de sair deste apuro,
fez frente à maça e o escudo de Maia com todas as manobras que tinha aprendido. As cimitarras subiam e desciam em uma dança que impressionou a Briza e a Maia. Malícia
apenas se seguia o desenvolvimento do combate, muito ocupada em preparar outro feitiço muito poderoso. A matrona não duvidava que Drizzt podia derrotar a sua irmã,
e com muita astúcia acrescentou este fato a seu plano. Os movimentos do Drizzt eram exclusivamente defensivos enquanto esperava que sua mãe recuperasse a sensatez
e detivesse o combate. Tinha a intenção de tombar a Maia, lhe fazer perder o equilíbrio e acabar o duelo colocando-a em uma posição onde se visse obrigada a render-se.
Drizzt confiava em que Briza e Malícia não o forçariam a matar a Maia como tinham feito com o Byuchyuch. Por fim, Maia escorregou. Levantou o escudo para desviar
a trajetória de uma das cimitarras mas perdeu o equilíbrio na parada e abriu os braços. A outra cimitarra do Drizzt lançou uma estocada, só para roçar o peito de
Maia e obrigá-la a cair. O feitiço de Malícia alcançou a arma em plena estocada. A lâmina de adamantita manchada de sangue cobrou vida, e Drizzt se encontrou sujeitando
a cauda de uma serpente: um ofídio que se retorceu no ar para lançar-se contra ele! A serpente mágica cuspiu seu veneno nos olhos do Drizzt, que já não pôde ver
nada mais. Então sentiu a dor do látego da Briza. As seis cabeças de serpente da arma morderam as costas do Drizzt, destroçaram sua cota de malha e o afundaram no
terror de um suplício insuportável. Caiu ao chão em posição fetal, incapaz de defender-se, enquanto Briza o açoitava sem piedade. -Nunca ataque a uma mulher drow!
-gritou-lhe ao tempo que com uma última chicotada o fazia perder o conhecimento. Drizzt abriu os olhos ao cabo de uma hora. encontrava-se deitado em sua cama, e
a matrona Malícia o vigiava. A soma sacerdotisa lhe tinha curado as feridas, mas a dor seguia presente como uma vivido lembrança da lição... embora não tão vivido
como o sangue que ainda manchava a cimitarra do Drizzt. -Terá uma couraça nova -disse-lhe Malícia. É um guerreiro drow e lhe ganhaste isso. A matrona voltou
as costas a seu filho e abandonou o quarto, deixando ao Drizzt submerso em sua dor pelo castigo e sua inocência perdida. -Não o envie -pediu Zak com toda a ênfase
que podia permitir-se. Olhou à matrona Malícia, muito bojuda em seu trono de pedra e veludo negro. como sempre, Briza e Maia permaneciam junto a sua mãe. -É um
guerreiro drow -replicou Malícia, sem perder a calma. Deve ir à Academia. São nossos costumes. Zak olhou a seu redor, desesperado. Odiava este lugar, a sala de
espera da capela, com suas esculturas da rainha aranha que se burlavam dele desde todos os rincões, e com Malícia instalada -por cima dele- no escabelo do poder.
Zak apartou estes pensamentos de sua mente e recuperou sua coragem. Esta vez tinha que defender algo muito importante. -Não o envie -repetiu. O estragarão! As
mãos da matrona Malícia apertaram os braços de pedra de seu trono. -Nestes momentos, Drizzt pode superar na metade dos alunos da Academia -acrescentou Zak a toda
pressa, antes de que Malícia pudesse dar rédea solta a seu aborrecimento. Me dê outros dois anos e o converterei no melhor espadachim de todo Menzoberranzan.

Malícia se reclinou em seu assento. Por isso tinha visto da preparação do Drizzt, não podia negar a veracidade das afirmações do Zak. -Irá à Academia -respondeu.
Faz falta algo mais que a habilidade com as armas para fazer a um guerreiro drow. Drizzt tem outras lições que aprender. -Lições de traição! -espetou-lhe Zak,
muito furioso para pensar nas conseqüências. Drizzt lhe tinha informado do que Malícia e suas cruéis filhas tinham feito aquele dia, e Zak tinha compreendido o propósito
de suas ações. Sua "lição" quase tinha quebrantado ao moço, e possivelmente o tinha despojado para sempre de quão ideais tanto estimava. Talvez lhe resultaria mais
difícil atenerse a seus princípios morais ao ver-se despojado de seu pedestal de pureza. -Vigia sua língua, Zaknafein -advertiu-lhe a matrona Malícia. -Luto com
paixão! -replicou o professor de armas. Esta é a razão de minhas vitórias. Também seu filho luta com paixão. Não permita que o adestramento da Academia a arrebate!
-nos deixem sozinhos -ordenou Malícia a suas filhas. Maia fez uma reverência e saiu quase à carreira. Em troca, Briza o fez pouco a pouco detrás dirigir um olhar
de suspeita ao professor. Zak não lhe devolveu o olhar, mas por um momento pensou em quão agradável seria apagar o sorriso matreiro da Briza com a ponta de sua espada.
-Zaknafein -disse Malícia assim que estiveram sozinhos. tolerei suas crenças blasfemas durante muitos anos por sua mestria com as armas. ensinaste bem a meus
soldados, e seu entusiasmo por matar drows, sobre tudo às sacerdotisas da rainha aranha, serviu à ascensão da casa Dou'Urdem. Tampouco sou, nem fui, ingrata. "Mas
agora te advirto, e será a última vez, que Drizzt é meu filho, não de seu pai. Irá à Academia e aprenderá o que necessita para ocupar seu lugar como príncipe da
casa Dou'Urdem. Se interferir no que se deve fazer, Zaknafein, não passarei mais por alto suas ações! Seu coração será entregue ao Lloth. Zak fez soar seus saltos
e agachou bruscamente a cabeça; depois deu meia volta e saiu da sala, preocupado por descobrir alguma esperança neste quadro tão desolador. Enquanto caminhava pelo
corredor principal, voltou a escutar em sua memória os gritos dos meninos assassinados da casa DeVir, meninos que nunca tinham tido a oportunidade de conhecer as
crueldades da Academia drow. Possivelmente estavam melhor mortos.

11

Uma sinistra preferência

Zak tirou uma de suas espadas da vagem e admirou os maravilhosos detalhes da arma. Esta espada, como a maioria das armas drows, tinha sido forjada pelos pequenos
cinzas,
e depois vendida no Menzoberranzan. O artesanato dos duergars era deliciosa, mas era o trabalho feito com a arma atrás de sua aquisição pelos elfos escuros o que
a convertia em um pouco tão especial. Nenhuma das raças da superfície ou da Antípoda Escura podia superar aos elfos escuros na arte de encantar as armas. Imbuídas
com as estranhas emanações da Antípoda Escura, o poder mágico exclusivo do mundo escuro, e bentas pelas blasfemas sacerdotisas do Lloth, não havia espadas mais dispostas
a matar que estas. As outras raças, sobre tudo os pequenos e os elfos da superfície, também se orgulhavam de sua capacidade para fabricar armas. Magníficas espadas
e soberbos martelos descansavam sobre partes de veludo como peças de amostra, e sempre havia perto um bardo disposto a relatar a lenda correspondente, que estava
acostumado a começar: "Era uma vez...". As armas dos drows eram diferentes; nunca serviam como peças de exposição. Participavam das necessidades do presente, e sua
utilidade não desaparecia enquanto conservassem o fio suficiente para a batalha, suficiente para matar. Zak levantou a espada à altura de seus olhos. Em suas mãos,
a espada se converteu em algo mais que um instrumento de guerra. Era uma prolongação de sua cólera, sua resposta a uma existência que não podia aceitar. Possivelmente
também podia ser a resposta a outro problema que parecia não ter solução. Entrou na sala de treinamento, onde Drizzt praticava uma série de movimentos de ataque
contra um boneco. Zak contemplou o rigor do Drizzt na execução de seus movimentos, e se perguntou se o jovem voltaria a considerar alguma vez o baile das armas como
uma forma de jogo. Com que fluidez cortavam o ar as cimitarras do Drizzt! intercalavam-se com uma precisão assombrosa; cada lâmina parecia prever o movimento da
outra
e se apartava em uma complementação perfeita. Seu jovem aluno não demoraria para converter-se em um guerreiro insuperável, um professor por cima do próprio Zaknafein.
-Será capaz de sobreviver? -sussurrou Zak. Acaso tem o coração de um guerreiro drow? Zak desejou que a resposta fora um não terminante, mas dava igual. Drizzt
estava condenado a seu destino. Zak voltou a contemplar sua espada e compreendeu o que devia fazer. Desenvainó a outra espada e avançou com passo decidido para o
jovem. Drizzt o viu vir e ficou em guarda. -Um último duelo antes de que vá à Academia? -perguntou, e soltou uma gargalhada. Zak fez uma pausa para tomar nota
do sorriso do Drizzt. Era falsa? Ou é que o jovem drow se perdoou a si mesmo por suas ações contra o campeão de Maia? "Não tem importância", pensou Zak. Inclusive
se Drizzt se recuperou dos torturas de sua mãe, a Academia o destroçaria. O professor de armas não respondeu, e lançou uma série de estocadas e golpes que puseram
ao Drizzt à defensiva. O jovem se adaptou ao ritmo, sem compreender que este último encontro com seu tutor era muito mais que um treinamento de rotina. -Recordarei
tudo o que me ensinaste -prometeu Drizzt, que evitou um golpe enviesado e respondeu com várias estocadas a fundo. Conseguirei que escrevam meu nome nas salas
do MeleeMagthere, e se sentirá orgulhoso de mim. A expressão azeda no rosto do Zak surpreendeu ao Drizzt, e o jovem drow se sentiu ainda mais desconcertado quando
o seguinte ataque de seu professor procurou diretamente seu coração. Drizzt se separou de um salto e, levado pelo desespero, descarregou um golpe de plano contra
a lâmina que o salvou de morrer transpassado. -Tão seguro está de ti mesmo? -grunhiu Zak, sem deixar de acossar ao moço.

-Sou um lutador -gritou Drizzt, no meio do estrépito do choque dos aços. Um guerreiro drow! -É um bailarino! -reprovou-lhe Zak com tom zombador, e golpeou
sua espada contra a cimitarra defensora com tanta fúria que torceu o braço do jovem drow. Um impostor! -acrescentou Zak. Aspira a um título que nem sequer sabe
o que representa! Drizzt passou à ofensiva. O fogo da cólera brilhava em seus olhos lilás, e um novo impulso guiou os movimentos de suas cimitarras. Mas Zak era
implacável. Detinha todos os ataques ao tempo que continuava com sua lição. -Conhece a emoção que produz um assassinato? -espetou-lhe. Reconciliaste-te contigo
mesmo pelo ato que cometeu? As únicas respostas do Drizzt foram um grunhido de frustração e um novo ataque. -Ah, o prazer de afundar a espada no peito de uma grande
sacerdotisa! -provocou-o Zak. Que delicioso é ver como se apaga o calor de seu corpo enquanto seus lábios lhe cospem maldições silenciosas à cara! tiveste ocasião
de escutar os gritos dos meninos quando os matam? Drizzt renunciou a seu ataque, mas Zak não queria deter o combate. O professor de armas recuperou a ofensiva, e
cada um de seus golpes procurava uma zona vital. -Que gritos tão potentes! -prosseguiu Zak. Soam em sua cabeça durante séculos. Perseguem-lhe durante todo o
resto de sua vida. Zak deteve por um momento a ação para que Drizzt não se perdesse nenhuma só de suas palavras. -Alguma vez os ouviste, não é assim, bailarino?
-O professor de armas abriu os braços de par em par, como um convite. Adiante, consegue sua segunda morte. -Zak pôs uma mão sobre seu ventre. Aqui, nos intestinos,
onde a dor é mais terrível, para que meus gritos possam soar para sempre em sua memória. me demonstre que é o guerreiro drow que diz ser. As pontas das cimitarras
do Drizzt baixaram lentamente até tocar o chão de pedra. O sorriso tinha desaparecido de seu rosto. -Vacila. -Zak lhe riu na cara. Esta é sua oportunidade para
te lavrar um nome. Um só golpe, e sua reputação te precederá na Academia. Outros estudantes, inclusive professores, sussurrarão seu nome a seu passo. "Drizzt Dou'Urdem
-dirão. O moço que matou ao mais nobre professor de todo Menzoberranzan!" Não é isto o que desejas? -Maldito seja! -exclamou Drizzt, embora sem fazer nenhum
movimento de ataque. -Guerreiro drow? -burlou-se Zak. Nem sequer sabe o que representa. Então Drizzt reatou o duelo, com uma fúria que nunca antes tinha experiente.
Seu propósito não era o de matar a não ser o de derrotar a seu professor, lhe arrancar o gesto zombador de sua boca com uma demonstração impressionante. Drizzt se
mostrou brilhante, e atacou ao Zak por acima e por abaixo, por dentro e por fora. O professor se encontrou mais vezes apoiado sobre seus saltos que sobre as novelo
de seus pés, muito ocupado em manter-se afastado das estocadas de seu aluno para pensar em uma ofensiva. Permitiu que o jovem mantivera a iniciativa durante um bom
momento, preocupado pelo resultado final que tinha escolhido como o mais adequado. de repente Zak descobriu que não podia suportar mais a demora. Lançou um golpe
sem muita força, e a resposta do Drizzt lhe arrancou a arma da mão. Mas enquanto seu aluno se aproximava disposto a rematar sua vitória, Zak deslizou a mão livre
em sua bolsa e agarrou uma das bolas de cerâmica mágicas, quão mesmas tantas vezes tinha empregado nos combates reais. -Esta vez não, Zaknafein! -gritou Drizzt,
sem perder o controle de seus ataques, porque recordava muito bem as muitas ocasiões em que Zak tinha tirado partido de uma falsa desvantagem. Zak manuseou a bola,
aborrecido pelo que ia fazer. Drizzt avançou com outra seqüência de ataque, e depois outra, para medir a vantagem que tinha conseguido ao lhe tirar uma espada a
seu rival. Crédulo em sua posição, Drizzt lançou uma estocada baixa e a fundo. Apesar de estar distraído, Zak conseguiu parar o ataque com sua espada. A segunda
cimitarra do Drizzt golpeou de plano sobre a ponta da espada inimizade, e a baixou até o chão. No mesmo movimento vertiginoso, Drizzt retirou a primeira lâmina da
parada do Zak e a levantou para descarregar um golpe que deteve um centímetro da garganta de seu professor. -Tenho-te! -gritou o jovem drow. A resposta do Zak
foi uma explosão de luz tão intensa que Drizzt nem sequer teria sido capaz de imaginar. Zak tinha fechado os olhos em previsão do estalo, mas Drizzt, surpreso, não
pôde suportar a mudança brusca. Foi como se tivessem aceso uma fogueira no interior de sua cabeça, e retrocedeu cambaleante, desesperado por afastar-se da luz. Com
os olhos bem fechados, Zak já se isolou a si mesmo da necessidade de ver. Deixou que seu agudo sentido do ouvido o guiasse. O jovem drow, que fazia muito ruído com
seus contínuos tropeções,

resultava um branco fácil de se localizar. O professor jogou mão a seu látego e descarregou um golpe que alcançou ao Drizzt nos tornozelos e o fez cair ao chão.
Pouco a pouco, o professor de armas se aproximou. Embora sabia que sua decisão era a correta se odiava a si mesmo com cada novo passo. Drizzt compreendeu que o espreitavam,
embora não podia adivinhar o motivo. A luz tinha sido uma surpresa muito desagradável, mas ainda o era mais o fato de que Zak continuasse com o combate. O jovem
se preparou. Não podia escapar da armadilha e tinha que encontrar a maneira de compensar a falta de visão. Tinha que sentir o fluxo da batalha, escutar os ruídos
do atacante e prever cada um de seus golpes. Levantou as cimitarras bem a tempo para deter um cutilada que lhe tivesse falho o crânio. Zak não tinha esperado a parada.
Retrocedeu e entrou desde outro ângulo. Uma vez mais foi interceptado. Levado mais pela curiosidade que por seu desejo de matar ao Drizzt, o professor de armas realizou
uma série de ataques capazes de superar as defesas de muitos rivais com a vista perfeita. Apesar da cegueira, Drizzt não falhou nem um só estorvo, e a espada do
Zak se estrelou inutilmente contra suas cimitarras. -Traição! -gritou Drizzt, atormentado pela luz que parecia não querer apagar-se de sua cabeça. Deteve outro
golpe e tentou ficar de pé, consciente de que não podia sustentar uma defesa adequada do chão durante muito mais tempo. Entretanto, a dor do aguilhão luminoso era
muito intenso, e o moço, que estava a ponto de deprimir-se, não pôde suportar o esforço e se desabou outra vez; o golpe lhe fez soltar uma das cimitarras. Assim
que tocou a pedra, rodou sobre si mesmo desesperado, atento à investida do Zak. O golpe de espada lhe arrancou da emano a outra cimitarra. -Traição -repetiu Drizzt
com voz afogada. Tanto te desgosta perder? -É que não o compreende? -gritou-lhe Zak. Perder é morrer! Pode ganhar mil combates, mas só pode perder um! Colocou
sua espada em linha com a garganta do Drizzt. Seria um corte limpo. Tinha que fazê-lo como um ato de misericórdia, antes de que os professores da Academia se apropriassem
de seu aluno. Zak arrojou sua espada através da sala e, tendendo as mãos vazias, sujeitou ao Drizzt pelo peito de sua camisa, e o levantou do chão. Permaneceram
cara a cara, sem poder ver-se muito bem pelo forte resplendor da luz mágica, e nenhum dos dois se atreveu a ser o primeiro em romper o silêncio. depois de uns minutos
que pareceram eternos, o duomer da bola encantada se apagou e a sala recuperou a iluminação normal. Por fim, os dois elfos escuros se puderam olhar sob uma luz muito
diferente. -É um truque das sacerdotisas do Lloth -explicou Zak. Sempre têm preparados estes feitiços de luz. -Um sorriso tenso apareceu em seu rosto enquanto
tentava apaziguar a ira do Drizzt. Embora deva admitir que em mais de uma ocasião utilizei o truque não só contra elas mas também também com somas sacerdotisas.
-Traição -afirmou Drizzt pela terceira vez. -É nossa forma de ser -respondeu Zak. Já aprenderá. -É sua forma de ser -acusou-o Drizzt. Sorri quando fala
de assassinar às sacerdotisas da rainha aranha. Tanto você gosta de matar? Matar drows? Zak não pôde encontrar uma resposta à acusação. As palavras do Drizzt o
feriram profundamente porque diziam a verdade, e porque Zak tinha chegado a considerar seu desejo de matar às sacerdotisas do Lloth como uma resposta covarde a suas
próprias frustrações. -Estava disposto a me matar -afirmou Drizzt. -Mas não o fiz -replicou Zak. E agora está vivo para ir à Academia, para que lhe cravem
uma adaga nas costas porque é muito estúpido para ver a realidade de nosso mundo, porque te nega a aceitar como é sua gente. "Possivelmente te converta em um deles
-acrescentou Zak. Em qualquer caso, o Drizzt Dou'Urdem que conheci acabará por morrer. Drizzt se estremeceu de dor, e lhe resultou impossível encontrar as palavras
para rebater as afirmações do Zak. Sentiu que o sangue abandonava seu rosto apesar da força dos batimentos do coração de seu coração. afastou-se sem deixar de observar
ao Zak com um olhar furioso. -Adiante, Drizzt Dou'Urdem! -gritou-lhe Zak. Vá à Academia e desfruta com a glória de seus progressos. Mas não esqueça as conseqüências
que lhe proporcionarão seus lucros. Sempre há conseqüências! Zak se retirou à segurança de sua habitação privada. A porta se fechou atrás do professor de armas com
um golpe lapidário que lhe fez dar meia volta e enfrentar-se à pedra nua. -Vê, Drizzt Dou'Urdem -sussurrou com voz doída. Vá à Academia e descobre de uma vez
quem é.

Dinin foi a procurar a seu irmão a primeira hora da manhã seguinte. Drizzt abandonou a sala de treinamento sem pressa, à espera de que Zak saísse de sua habitação
para atacá-lo uma vez mais ou lhe dizer adeus. No fundo de seu coração sabia que seu professor não apareceria. Drizzt tinha pensado que eram amigos, tinha acreditado
que o vínculo entre ele e Zaknafein era muito mais profundo que a relação habitual entre um professor e seu aluno. O jovem drow não tinha respostas para as muitas
perguntas que rondavam em sua mente, e a pessoa que tinha sido seu professor durante os últimos cinco anos tampouco podia dar-lhe O calor sobe no Narbondel -comentou
Dinin quando saíram ao balcão. Não devemos chegar tarde a seu primeiro dia na Academia. Drizzt contemplou a multidão de cores e formas que compunham Menzoberranzan,
e compreendeu o pouco que sabia sobre o mundo que havia além das paredes de sua casa. As palavras do Zak -e sua cólera- impregnaram em sua mente enquanto permanecia
no balcão, para lhe recordar sua ignorância e lhe insinuar a tenebrosidad do caminho que tinha por diante. -O que é este lugar? -sussurrou. -Este é o mundo -respondeu
Dinin, embora Drizzt não tinha procurado uma resposta. Não se preocupe, segundo filho. -Soltou uma gargalhada enquanto subia à balaustrada. Aprenderá todo o
necessário sobre o Menzoberranzan na Academia. Aprenderá quem é e quem é sua gente. A afirmação intranqüilizou ao Drizzt. Possivelmente, disse-se a si mesmo ao recordar
seu último e amargo encontro com seu professor, isto era exatamente o que lhe dava medo descobrir. Fez um gesto de resignação e seguiu ao Dinin por cima da balaustrada
em um descida mágico até o pátio de armas: os primeiros passos pelo atalho das trevas. Outros olhos vigiaram atentamente a saída do Dinin e Drizzt da casa Dou'Urdem.
tratava-se do Alton DeVir, que, sentado junto a um cogumelo gigante, como tinha feito cada dia da última semana, observava a residência dos Dou'Urdem. Daermon N'a'shezbaernon,
casa novena do Menzoberranzan. A casa que tinha assassinado a sua matrona, a suas irmãs e irmãos, e tudo o que tinha sido a casa DeVir, com a exceção do Alton. Alton
recordou o esplendor da casa DeVir, e o momento em que a matrona Ginafae tinha reunido aos membros da família para discutir suas ambições. Alton, tão somente um
estudante quando caiu a casa DeVir, podia agora refletir sobre o ocorrido com maior claridade. Os vinte anos transcorridos o tinham dotado de uma grande experiência.
Ginafae tinha sido a matrona mais jovem entre as famílias regentes, e suas possibilidades pareciam ilimitadas. Então tinha ajudado a uma patrulha de gnomos; tinha
utilizado os poderes outorgados pelo Lloth para obstaculizar aos elfos escuros que tinham tendido uma emboscada às pessoas pequena nas cavernas dos subúrbios do
Menzoberranzan, e tudo pelo desejo do Ginafae de matar a um único membro do grupo atacante, o filho mago da terceira casa da cidade, a casa escolhida como a próxima
vítima da casa DeVir. A rainha aranha não perdoou a escolha de armas feita pelo Ginafae. Os gnomos das profundidades eram os piores inimigos dos elfos escuros em
toda a Antípoda Escura. Quando Ginafae perdeu o favor da deusa, a casa DeVir ficou condenada. Alton tinha dedicado vinte anos a averiguar o nome de seus inimigos,
a descobrir qual das famílias drows se aproveitou do engano de sua mãe e tinha massacrado aos seus. Vinte largos anos, e então sua matrona adotiva, SiNafay Hun'ett,
tinha acabado com sua busca tão bruscamente como ele a tinha iniciado. Agora, enquanto Alton contemplava a casa culpado, só sabia uma coisa: vinte anos não tinham
sido suficientes para acalmar seus desejos de vingança.

TERCEIRA PARTE

A Academia

A Academia é a propagação das mentiras que mantêm unida à sociedade drow; a concreção final de todas as falsidades, repetidas tantas vezes que soam como certas frente
a qualquer prova do contrário. As lições que aprendem os jovens drows a respeito da verdade e a justiça são refutadas com tanta claridade pela vida de cada dia na
maligna Menzoberranzan que resulta difícil compreender como ninguém pode as acreditar. Entretanto, é assim. Inclusive agora, décadas depois de meu afastamento, a
lembrança daquele lugar ainda me atemoriza, mas não por uma dor física nem pela ameaça constante da morte -depois de tudo, percorri muitos caminhos igual de perigosos.
A Academia do Menzoberranzan me assusta quando penso nos superviventes, os graduados, que vivem -e desfrutam- com as maldades que conformam seu mundo. Vivem convencidos
de que tudo é válido sempre que se possa sair impune, de que a autogratificación é o aspecto mais importante da existência, e de que o poder se consegue só quando
se é o suficientemente forte e ardiloso para poder arrebatar-se o das mãos a aqueles que já não o merecem. A compaixão não tem capacidade no Menzoberranzan, e não
obstante é a compaixão, não o medo, o que cria harmonia na maioria das raças, e é a harmonia -a união para conseguir metas compartilhadas- o que precede à grandeza.
As mentiras inundam aos drows no medo e a desconfiança, refutam a amizade com a ponta de uma espada benta pelo Lloth. O ódio e a ambição alimentados por estes princípios
amorais são a condenação de minha gente, uma debilidade que eles percebem como força. O resultado é uma existência paranóica e lhe paralisem que os obriga a viver
sempre alerta. Não sei como consegui sobreviver à Academia, como descobri a tempo as falsidades para poder as contrastar ideais que governam minha vida, e sair fortalecido
do processo. Quero acreditar que foi graças ao Zaknafein, meu professor. Foi a vasta experiência do Zak, que tanto o amargurou e que acabou por lhe custar tão caro,
o que me ensinou a escutar os gritos: os gritos de protesto contra a traição assassina; os gritos de raiva dos líderes da sociedade drow, as grandes sacerdotisas
da rainha aranha, ressonando nos labirintos de minha mente, até conseguir um lugar em minha consciência. Os gritos dos meninos moribundos.
DRIZZT DOU'URDEM

12

Este inimigo. "Eles"

Vestido com os objetos adequados ao filho de uma casa nobre, e com uma adaga oculta em uma das botas -um conselho do Dinin-, Drizzt subiu a ampla escalinata de
pedra que conduzia ao Tier Breche, a Academia dos drows. Drizzt chegou ao alto e passou entre os enormes pilares, ante o olhar impassível dos dois sentinelas, alunos
do último curso do Melee-Magthere. Uma vintena de jovens drows passeavam pelo pátio do recinto, mas Drizzt apenas se se fixou neles. Toda sua atenção se concentrava
nos três edifícios que tinha ante seus olhos. A sua esquerda se erguia a torre do Sorcere, a escola de feitiçaria. Drizzt passaria ali os seis primeiros meses de
seu décimo e último ano de estudos. Diante, elevava-se a mais impressionante das três estruturas: Arach-Tinilith, a escola do Lloth, esculpida na pedra com a forma
de uma aranha gigantesca. Para os drows, este era o edifício mais importante da Academia e estava reservado para as mulheres. Os estudantes varões só se alojavam
no Arach-Tinilith durante os últimos seis meses de estudos. Embora Sorcere e Arach-Tinilith eram as construções mais belas, a mais importante para o Drizzt naqueles
primeiros momentos se levantava sua direita, junto à parede: a silhueta piramidal do Melee-Magthere, a escola dos guerreiros. Este edifício seria o lar do Drizzt
durante os próximos nove anos. Então advertiu que seus companheiros eram os outros elfos escuros que se encontravam no pátio, guerreiros como ele, dispostos a começar
sua preparação nas artes marciais. A classe, com um total de vinte e cinco alunos, era mais numerosa do que era habitual nesta escola. Ainda lhe resultou mais estranho
ver que muitos dos noviços eram nobres. Drizzt se perguntou se seus conhecimentos poderiam medir-se com os deles, se suas sessões com o Zaknafein resistiriam a comparação
com os duelos que sem dúvida todos tinham liberado com os professores de armas de suas respectivas famílias. Estes pensamentos acabaram por empurrar ao Drizzt a
recordar o último encontro com seu professor. apressou-se a apagar da memória aquele episódio tão doloroso, e, sobre tudo, as perguntas que as observações do Zak
o tinham obrigado a expor-se. Não era este o momento para ter dúvidas. Melee-Magthere se erguia ante ele, a maior das provas e a mais importante lição de sua vida.
-Saúde -disse uma voz a suas costas. Drizzt deu meia volta e se encontrou frente a outro noviço, que levava uma espada e uma adaga má sujeitos à cintura. O moço
parecia mais nervoso ainda que ele, e isto o animou. -Kelnozz da casa Kenafin, décima quinta casa -manifestou o noviço, a modo de apresentação. -Drizzt Dou'Urdem
do Daermon N'a'shezbaernon, casa de Dou'Urdem, casa novena do Menzoberranzan -respondeu Drizzt automaticamente, tal qual lhe tinha ensinado a matrona Malícia. -Um
nobre -comentou Kelnozz, ao escutar que o sobrenome do Drizzt correspondia no nome de sua casa, e saudou o Drizzt com uma reverência. Sinto-me honrado. Ao Drizzt
começou a lhe gostar deste lugar. Com o tratamento que normalmente recebia em sua casa, nunca se tinha considerado a si mesmo como um nobre. Mas qualquer ilusão
de grandeza que pôde ter despertado a respeitosa saudação do Kelnozz se dissipou quase imediatamente quando apareceram os professores. Drizzt viu seu irmão, Dinin,
no grupo mas fez ver -tal como lhe tinha advertido Dinin, além de lhe assinalar que não esperasse um tratamento de favor- que não o conhecia. Drizzt correu para
o interior do Melee-Magthere com o resto dos estudantes quando se escutou o estalo dos látegos e os gritos ameaçadores dos professores. Guiaram-nos como um rebanho
por uns corredores laterais até chegar a uma habitação oval. -Podem-lhes sentar ou ficar de pé -grunhiu um dos professores. Ao ver que dois estudantes sussurravam
entre eles a um lado do grupo, empunhou seu látego e de um trallazo fez cair a um dos jovens. No ato reinou um silêncio sepulcral.

-Sou Hatch'net -anunciou o professor, com uma voz de trovão-, professor de história. Esta sala será sua sala-de-aula durante cinqüenta ciclos do Narbondel. -O
instrutor jogou um olhar aos cinturões de seus alunos. Não está permitido trazer armas a este lugar! Hatch'net deu uma volta pela sala, vigiando que tudo as olhadas
estivessem pendentes de seus movimentos. -São drows -exclamou de repente. Sabem o que significa? Sabem qual é sua origem, e a história de nosso povo? Menzoberranzan
não foi sempre nosso lar, nem tampouco outra alguma caverna da Antípoda Escura. Existiu um tempo em que caminhávamos pela superfície do mundo. girou-se como uma
peonza e se enfrentou ao Drizzt. -Conhece a superfície? -perguntou-lhe Hatch'net de sopetón. Drizzt deu um coice e sacudiu a cabeça. -Um lugar horrível -assegurou
Hatch'net, que se voltou para o resto do grupo. Cada dia, à medida que o resplendor sobe pela coluna do Narbondel, uma grande bola de fogo se eleva no céu aberto
da superfície, e se acontecem horas de uma luz muito mais intensa que os feitiços de castigo das sacerdotisas do Lloth. O professor estendeu os braços e olhou para
as alturas, com uma tremenda expressão de ódio. As exclamações dos alunos soaram a seu redor. -Inclusive de noite, quando a bola de fogo desapareceu por debaixo
do bordo do mundo - acrescentou Hatch'net, que impunha a suas palavras o tom de um conto de terror-, ninguém pode escapar os inumeráveis horrores da superfície.
Como um aviso do que trará o dia seguinte, pontos de luz... e algumas vezes uma bola de fogo prateado mais pequena... salpicam a bendita escuridão do céu. "Existiu
um tempo em que caminhávamos pela superfície do mundo -repetiu, esta vez com um tom quejumbroso-, em épocas muito remotas, inclusive mais longínquas que o início
das grandes casa. Nnaquele tempo naquele tempo caminhávamos junto aos elfos de pele branca. -Não pode ser certo! -gritou um dos estudantes. Hatch'net o olhou atentamente,
enquanto considerava se seria melhor açoitar ao estudante por sua inoportuna interrupção ou permitir ao grupo que participasse. -É-o! -replicou, depois de decidir-se
pela última opção. Creímos que os elfos brancos eram nossos amigos: chamávamo-los irmãos! Em nossa inocência não podíamos saber que eram a encarnação do engano
e a maldade. Não podíamos saber que de repente se voltariam contra nós para nos expulsar, para matar a nossos filhos e aos majores de nossa raça! "Carentes de toda
piedade, os malignos elfos nos perseguiram por toda a face da terra. Implorávamo-lhes a paz, e sempre nos respondiam com suas espadas e flechas assassinas. -O orador
fez uma pausa, e seu rosto se retorceu em um sorriso malévolo. Então encontramos a nossa deusa! -Elogiada seja Lloth! -exclamou uma voz anônima. Uma vez mais
Hatch'net deixou acontecer o deslize, consciente de que cada comentário ajudava a inundar a seus ouvintes nas redes de sua retórica. -Assim é! -replicou o professor.
Elogiada seja a rainha aranha! Porque foi ela quem acolheu sob seu manto protetor a nossa raça órfã e nos ajudou a lutar contra nossos inimigos. Foi ela quem guiou
às matronas de nossa raça até o paraíso da Antípoda Escura. É ela -rugiu, com um punho em alto- quem nos dá a força e a magia para nos vingar de nossos inimigos.
"Nós somos os drows! -proclamou Hatch'net. Vós são os drows, aos que nunca ninguém voltará a pisotear, amos de seus desejos, conquistadores das terras que escolham
habitar! -A superfície? -perguntou uma voz. -A superfície? -repetiu Hatch'net com uma gargalhada. Quem quer voltar para aquele lugar tão vil? Que fiquem os
elfos brancos! Que se queimem com o fogo do céu aberto! Nós temos a Antípoda Escura, onde podemos sentir o batimento do coração do mundo debaixo de nossos pés, e
onde as pedras das paredes mostram o calor do poder do mundo! Drizzt permaneceu em silêncio, atento a cada palavra do discurso que o orador tinha repetido durante
tantos anos. Como todos os novos estudantes, viu-se apanhado nas hipnóticas variações de tom e os gritos de ânimo do professor. Hatch'net levava mais de dois séculos
como professor de história na Academia, e tinha mais prestigio no Menzoberranzan que qualquer outro drow varão, e mais que muitas mulheres. As matronas das famílias
governantes compreendiam muito bem o valor de sua oratória. Os discursos se repetiram ao longo dos dias; uma retórica interminável de odeio contra um inimigo que
nenhum de seus estudantes tinha visto jamais. Os elfos da superfície não eram o único objetivo das histórias do Hatch'net. Anões, gnomos, humanos, halflings e todas
as demais raças da superfície -e inclusive as raças subterrâneas como os anões duergars, com quem os drows mantinham relações comerciais e acostumavam lutar unidos-
eram fustigados pelo venenoso verbo do professor. Drizzt compreendeu por fim por que não permitiam a entrada de armas na sala oval. Quando acabava cada nova classe,
descobria suas mãos duras contra os quadris, procurando inconscientemente os punhos de suas cimitarras. Resultava óbvio, pelas disputas que surgiam entre os estudantes,
que muitos outros tinham a mesma ânsia. A única coisa que permitia manter um pouco de

controle era a corrente de mentiras que pronunciava o professor a respeito dos horrores do mundo exterior e o reconfortante vínculo da herança comum de todos os
estudantes; uma herança que, tal como os estudantes não demorariam para acreditar com convicção, dava-lhes inimigos suficientes para não ter a necessidade de combater
entre eles. As largas e exaustivas horas na sala oval deixavam pouco tempo livre para que os estudantes se relacionassem. Compartilhavam o alojamento, mas suas muitas
tarefas além de assistir às classes do Hatch'net -servir aos estudantes maiores e professores, preparar comidas e limpar o edifício- apenas se lhes deixava tempo
para descansar. A final da primeira semana rondavam o esgotamento, uma condição, como pôde ver Drizzt, que inclusive reforçava o efeito das dissertações do Hatch'net.
Drizzt aceitou este novo ritmo de vida sem pigarrear, porque o considerava uma melhora evidente em comparação com os seis anos dedicados a servir a sua mãe e a suas
irmãs como príncipe pajem. Mesmo assim, sofreu uma grande desilusão em suas primeiras semanas no Melee-Magthere, pois sentia falta de suas sessões de treinamento.
Uma noite se sentou no bordo de seu camastro, e contemplou uma de suas cimitarras, enquanto recordava as muitas horas de esgrima com o Zaknafein. -Temos que ir
a classe dentro de duas horas -advertiu-lhe Kelnozz, desde sua cama. Descansa. -Noto que minhas mãos perdem o toque -respondeu Drizzt em voz baixa. A lâmina
me parece mais pesada, desequilibrada. -Só faltam dez ciclos do Narbondel para o grande duelo -disse Kelnozz. Ali terá oportunidade de praticar tudo o que queira!
Não tema, não demorará para recuperar o toque que possa ter perdido nas classes do professor de história. Durante os próximos nove anos essa magnífica cimitarra
tua quase nunca abandonará sua mão! Drizzt deslizou a arma em sua vagem e se recostou em seu camastro. Como com muitos outros aspectos de sua vida até o momento
-e, conforme começava a temer, com muitos mais de seu futuro no Menzoberranzan- não tinha outra opção que aceitar as circunstâncias de sua existência. -Esta parte
de seu treinamento chegou a seu fim -anunciou o professor Hatch'net pela manhã do qüinquagésimo dia. Outro professor, Dinin, entrou na sala, seguido por uma caixa
de ferro sustentada no ar por um feitiço mágico, cheia de paus de madeira acolchoados de diversas medidas e com um desenho similar ao das armas drows. -Escolham
o pau que mais se pareça com sua arma preferida-explicou Hatch'net enquanto Dinin percorria a sala. Chegou junto a seu irmão, e o olhar do Drizzt se dirigiu imediatamente
aos objetos escolhidos: dois paus ligeiramente curvos de pouco mais de um metro de longitude. O moço os empunhou e lançou um par de golpes. Seu peso e equilíbrio
se pareciam bastante a suas preciosas cimitarras. -Pelo orgulho do Daermon N'a'shezbaernon -sussurrou Dinin, antes de passar ao seguinte aluno. Drizzt executou
outro par de movimentos com suas armas de madeira. Tinha chegado o momento de conhecer o valor das classes do Zak. -Sua classe precisa ter uma ordem! -dizia Hatch'net
quando Drizzt deixou de examinar suas armas. Este é o motivo do grande duelo. Recordem: só pode haver um vencedor! Hatch'net e Dinin tiraram os estudantes da sala
oval e, uma vez no exterior do edifício do Melee-Magthere, guiaram-nos pelo túnel que se estendia além das duas estátuas de aranhas que marcavam o final do Tier
Breche. Esta era a primeira vez que os estudantes transpassavam os limites do Menzoberranzan. -Quais são as regras? -perguntou- Drizzt ao Kelnozz, que partia a
seu lado. -Se um professor disser que lhe venceram, venceram-lhe e se acabou! -respondeu Kelnozz. -Refiro-me ao combate -explicou Drizzt. -Ganhar -repôs Kelnozz,
que o olhou incrédulo por formular uma pergunta cuja resposta era óbvia. Ao cabo de pouco tempo entraram em uma caverna bastante grande, o cenário do grande duelo.
As bicudas estalacticas penduravam como adagas sobre suas cabeças, e os montículos formados pelas estalagmites transformavam o chão em um complicado labirinto onde
abundavam os rincões cegos e os lugares para tender emboscadas. -Escolham sua estratégia e procurem o ponto de partida -avisou-lhes o professor Hatch'net. O
grande duelo começará quando acabar de contar até cem! Os vinte e cinco participantes ficaram em marcha; alguns fizeram uma pausa para estudar o terreno, enquanto
que outros corriam a inundar-se nas trevas do labirinto. Drizzt decidiu procurar um corredor estreito para não correr o risco de ter que enfrentar-se a mais de um
rival de uma vez, e logo que tinha iniciado sua busca quando foi pego por detrás.


-Formamos uma equipe? -perguntou-lhe Kelnozz. Drizzt não respondeu porque duvidava da capacidade jaqueta do jovem e do que as normas do encontro aceitariam. -Há
outros que procuraram um companheiro -insistiu Kelnozz. Inclusive formaram trios. Juntos poderíamos ter maiores probabilidades. -O professor disse que só podia
haver um vencedor -respondeu ao fim. -Quem mais indicado que você, se é que não sou eu? -opinou Kelnozz, com uma piscada de picardia. Derrotemos a outros. Depois
podemos dirimir quem será o vencedor entre nós. O raciocínio parecia prudente, e, dado que a conta do Hatch'net se aproximava dos setenta e cinco, Drizzt tinha muito
pouco tempo para analisar possibilidades. Deu uma palmada no ombro do Kelnozz e guiou a seu novo aliado pelo labirinto. Havia passarelas que rodeavam todo o interior
da caverna, e inclusive a atravessavam de um lado a outro por cima do labirinto, para proporcionar aos juizes do duelo uma visão sem obstáculos do que ocorria abaixo.
Uma dúzia de professores esperavam ansiosos nas passarelas o começo dos primeiros combates para poder avaliar os talentos deste novo curso. -Cem! -gritou Hatch'net
de uma das passarelas. Kelnozz ficou em marcha, mas Drizzt o deteve e o fez permanecer no estreito corredor entre duas grandes estalagmites. -Que eles venham para
nos buscar! -indicou-lhe com o código mudo de mãos e caretas. Adotou uma postura de combate. Deixemos que se cansem com outros rivais. A paciência é nossa melhor
aliada! Kelnozz se tranqüilizou, convencido de seu acerto na escolha. Em qualquer caso, não tiveram que esperar muito, porque um momento mais tarde um alto e agressivo
estudante atacou sua posição defensiva, armado com a réplica de uma lança. lançou-se diretamente contra Drizzt e descarregou um golpe com a parte inferior da arma,
para depois girar esta em um molinete que pretendia rematar com um só golpe a seu rival, uma manobra muito bem executada. Entretanto, Drizzt considerou que era um
plano de ataque elementar, quase muito básico, e em um primeiro momento não acreditou que um estudante treinado pudesse atacar a outro de uma forma tão aberta. Quando
se convenceu de que o ataque era real e não uma ameaça, respondeu com a parada correta. Moveu suas cimitarras de madeira em dois círculos de sentidos opostos para
golpear a lança por debaixo, e a desviou por cima da trajetória escolhida. O atacante, surpreso por esta imprevista parada seguida por um avanço, encontrou-se descoberto
e sem equilíbrio. Uma fração de segundo depois, antes de que seu veemente rival tivesse sequer tempo de recuperar-se, Drizzt lhe tocou o peito com a ponta de sua
arma e a seguir fez o mesmo com a outra. Uma suave luz azul iluminou o rosto do estupefato estudante, e tanto ele como Drizzt seguiram a trajetória do raio até um
dos professores, que os observava da passarela com uma varinha na mão. -Venceram-lhe -disse o professor ao estudante. Te deixe cair onde está! O estudante alto
dirigiu um olhar furioso ao Drizzt e obedeceu a ordem. -Vêem -disse Drizzt ao Kelnozz, com outro olhar à luz do professor. Outros que estão neste setor conhecem
agora nossa posição. Temos que procurar outra zona defensiva. Kelnozz se atrasou um instante para observar o passo ágil e silencioso de seu camarada. Fazia bem em
escolher ao Drizzt, mas agora, depois do rápido encontro, já sabia que se ele e este perito espadachim tinham que enfrentar-se entre si -algo mais que provável-
não podia aspirar à vitória. Juntos se desviaram por outro corredor ao topar com um muro, e se encontraram de frente com dois novos rivais. Kelnozz perseguiu um,
que pôs-se a correr assustado, e Drizzt plantou cara ao outro, que esgrimia uma espada e uma adaga. Um sorriso de confiança apareceu no rosto do Drizzt quando seu
oponente se lançou à ofensiva, com os mesmos movimentos básicos utilizados pelo anterior aluno a quem tinha vencido com tanta facilidade. uns quantos cortes e reversos
de suas cimitarras, e um par de golpes horizontais nos fios interiores das armas de seu rival, conseguiram separar a espada da adaga. O ataque do Drizzt penetrou
entre os braços abertos do oponente, e uma vez mais o jovem repetiu o duplo golpe contra o peito. A luz azul apareceu no ato. -Venceram-lhe -avisou o professor.
Te deixe cair onde está! Enfurecido, o teimado estudante descarregou um golpe malévolo. Drizzt parou o ataque com uma cimitarra e golpeou com a outra a boneca de
seu rival, obrigando-o a soltar a espada. O atacante se sujeitou a boneca ferida, mas este resultou ser seu problema menos importante. Um resplandecente raio de
luz azul brotou da varinha do observador, alcançou ao estudante no peito e o lançou como um boneco de pano contra uma estalagmite a uns três metros de distância.
O moço caiu ao chão com um grito de agonia, e uma onda de calor surgiu de seu corpo abrasado.

-Venceram-lhe -repetiu o professor. Drizzt deu um passo adiante, disposto a socorrer ao cansado, mas o observador o impediu com um enfático-: Não! Naquele momento
Kelnozz retornou de sua perseguição. Por um instante pareceu sentido saudades de não ver o rival do Drizzt cansado a seus pés. -escapou-se? -perguntou-lhe. Então
descobriu o corpo convexo uns metros mais à frente, e com uma gargalhada acrescentou-: Se um professor disser que lhe venceram, venceram-lhe e se acabou! "Vêem!
-adicionou. A batalha está em seu apogeu. vamos divertir nos um pouco! Drizzt pensou que seu companheiro era muito fanfarrão por ser alguém que ainda não tinha
utilizado suas armas. encolheu-se de ombros e foi atrás dele. Seu seguinte encontro não resultou tão fácil. Penetraram por uma passagem dobro que passava entre diversas
formações rochosas e se encontraram frente a frente com um trio. Drizzt e Kelnozz compreenderam que eram nobres das casas principais. Drizzt atendeu aos dois que
tinha a sua esquerda, armados com uma espada cada um, enquanto Kelnozz se ocupava do terceiro. O jovem não tinha experiência de combate contra vários rivais de uma
vez, mas Zak lhe tinha ensinado a consciência as técnicas para esta classe de duelos. Ao princípio seus movimentos se limitaram à defesa. Adotou um ritmo fácil de
manter e deixou que seus oponentes se cansassem, à espera de que cometessem um engano. Mas se tratava de dois espadachins ardilosos que conheciam muito bem os movimentos
que realizava o companheiro. Seus ataques se complementavam, e lançavam suas estocadas desde ângulos quase opostos. "Duas mãos", tinha-o chamado Zak em uma ocasião,
e agora Drizzt demonstrou que se merecia o título. Suas cimitarras se moviam de forma independente, embora em perfeita harmonia, e rechaçavam todos os ataques. De
uma das passarelas, os professores Hatch'net e Dinin presenciavam o desenvolvimento do combate: Hatch'net muito impressionado, e Dinin cheio de orgulho. Drizzt observou
a frustração nos rostos de seus inimigos, e soube que sua oportunidade para o contra-ataque não demoraria para chegar. Então fizeram um cruzamento, e atacaram ao
uníssono com golpes idênticos, as pontas de suas espadas de madeira quase juntas. Drizzt fez um estorvo e lançou um velocísimo golpe para cima com sua cimitarra
esquerda, que desviou o ataque. Continuando, investiu o impulso de seu corpo e, deixando cair sobre um joelho, em linha com seus oponentes, atirou duas estocadas
sucessivas com a mão direita. A ponta de sua cimitarra golpeou primeiro a um e depois ao outro, em plena virilha. Os rivais soltaram suas armas ao mesmo tempo, levaram-se
as mãos às partes feridas, e caíram de joelhos. Drizzt se incorporou de um salto, disposto a lhes pedir desculpas. Hatch'net fez um gesto de assentimento ao Dinin,
e os dois professores dirigiram a luz azul de suas varinhas aos dois perdedores. -me ajude! -gritou Kelnozz do outro lado da barreira de pedra que unia as estalagmites.
Drizzt se agachou para mergulhar-se através de um oco na parede, ergueu-se a toda velocidade, e com um golpe de reverso no peito derrubou a um quarto oponente que
tinha estado oculto para atacar pelas costas. Drizzt fez uma pausa e observou a sua última vítima. Não se tinha dado conta da presença do rival emboscado, mas sua
pontaria tinha sido perfeita. Hatch'net soltou um assobio de admiração enquanto dirigia sua luz ao último perdedor. -É bom! -comentou. Drizzt viu o Kelnozz um
pouco mais à frente, virtualmente encurralado pelas hábeis manobra de seu oponente. Drizzt se interpôs entre os duelistas e desviou um ataque que teria derrotado
a seu companheiro. Este novo competidor, que utilizava duas espadas, demonstrou ser o mais qualificado. enfrentou-se ao Drizzt com uma série de fintas e giros, que
em mais de uma ocasião o fizeram retroceder. -Berg'inyon da casa Baenre -sussurrou-lhe Hatch'net ao Dinin, que compreendeu a importância do duelo e desejou que
seu irmão saísse gracioso deste difícil compromisso. Berg'inyon não resultou uma desilusão para o tutelado do Zak. Seus movimentos eram sempre fluídos e precisos,
e o duelo se prolongou durante vários minutos sem que nenhum obtivesse vantagem. Então Berg'inyon arriscou um patrão de ataque que Drizzt já conhecia: o duplo golpe
baixo. Drizzt executou a cruz investida à perfeição, a parada adequada que Zaknafein lhe tinha ensinado com sangue. de repente, seguindo um impulso, lançou um chute
entre os punhos de suas cimitarras cruzadas contra o rosto de seu oponente. O golpe jogou no filho da casa Baenre contra a parede. -Sabia que a parada era errônea!
-gritou Drizzt, que já se imaginava a si mesmo vencendo ao Zak assim que tivessem a oportunidade de compartilhar uma sessão de treinamento. -É bom! -repetiu Hatch'net
para maior satisfação de seu companheiro. Atordoado pelo golpe, Berg'inyon não estava em condições de superar a desvantagem. Lançou um globo de escuridão para defender-se,
mas seu rival se inundou nas trevas, disposto a combater às cegas.

Drizzt encurralou ao filho da casa do Baenre com uma série de rápidos ataques, e o duelo se acabou quando uma das cimitarras do jovem se apoiou no pescoço do Berg'inyon.
-Rendo-me -exclamou o jovem Baenre, assim que o pau tocou sua carne. Ao escutar a chamada, o professor Hatch'net dissipou a escuridão. Berg'inyon depositou as
duas espadas sobre a pedra e depois se tendeu no chão. A luz azul lhe roçou a cara. Drizzt não pôde reprimir um sorriso triunfal. É que havia algum inimigo ao que
não pudesse derrotar? Naquele momento sentiu um estalo na nuca que o fez cair de joelhos. Alcançou a jogar um olhar sobre o ombro e viu o Kelnozz que se afastava.
-Um parvo -burlou-se Hatch'net, e iluminou ao Drizzt. Depois se voltou para o Dinin. Um parvo muito destro. Dinin se cruzou de braços, com o rosto avermelhado
pela vergonha e a raiva. Drizzt sentiu o frio da pedra contra sua bochecha, mas naquele momento só pensava no passado, na sarcástica afirmação do Zaknafein, absolutamente
certa: "É nossa maneira de ser!"

13

O preço da vitória

Aquela noite, no barracão, Drizzt e Kelnozz discutiram o duelo. Reinava uma escuridão total e outros estudantes dormiam profundamente em seus camastros, esgotados
depois da luta do dia e a tarefa de servir aos alunos maiores. Kelnozz já se esperava esta discussão. Tinha adivinhado a ingenuidade do Drizzt no momento em que
o jovem lhe tinha perguntado pelas regras do encontro. Um guerreiro drow experiente, e sobre tudo um nobre, jamais teria feito essa pergunta, pois teria tido muito
claro que a única regra de sua existência era conseguir a vitória. Ao Kelnozz não preocupava muito a reação do jovem Dou'Urdem; a vingança alimentada pelo ressentimento
não parecia ser um dos rasgos do Drizzt. -Enganaste-me -afirmou Drizzt, que esperou durante um par de segundos um comentário do plebeu da casa Kenafin, antes de
perguntar-: por que? O volume da voz do Drizzt provocou o alarme do Kelnozz, que olhou inquieto a seu redor. Os supunha dormindo. Se um professor escutava a discussão
os castigariam no ato. -A que vem tanta queixa? -respondeu-lhe Kelnozz com o código manual. O calor de seus dedos era como luzes para a visão infravermelha do
Drizzt. Atuei tal como devia, embora acredito que me precipitei. Possivelmente, se você tivesse derrotado a uns quantos mais, agora poderia estar por cima do terceiro
da classe. -Se tivéssemos lutado juntos, tal como acordamos, poderia ter ganho, ou como mínimo acabado segundo -transmitiu Drizzt, e os rápidos movimentos de seus
dedos refletiram sua irritação. -Digamos que segundo -replicou Kelnozz. Do primeiro momento soube que não poderia me medir contigo. É o melhor espadachim que
vi em toda minha vida. -Os professores não compartilham sua opinião -protestou Drizzt em voz alta. -Ser oitavo tampouco está mau -sussurrou Kelnozz. Berg'inyon
ocupa o décimo posto, e isso que é da primeira casa do Menzoberranzan. Teria que te alegrar por ter uma posição que não provoca a inveja de seus companheiros. -Um
ruído ao outro lado da porta fez que Kelnozz voltasse outra vez ao código manual. Ter uma qualificação melhor só significa que há mais gente disposta a me cravar
uma adaga nas costas. Drizzt não fez caso das implicações contidas na réplica do Kelnozz. resistia a acreditar que houvesse na Academia alguém capaz de semelhante
traição. -No meu entender, Berg'inyon foi o melhor participante do encontro -assinalou Drizzt. Tinha-te encurralado e só te salvou minha ajuda! -Por minha parte,
Berg'inyon já se pode ir trabalhar de cozinheiro em qualquer casa -murmurou Kelnozz em tom quase inaudível, porque o camastro do filho da casa Baenre estava um
par de metros mais à frente. Ele é décimo e eu, Kelnozz do Kenafin, sou o terceiro! -E eu o oitavo -disse Drizzt, com um tom de irritação pouco habitual-, mas
posso te derrotar com a arma que queira. Kelnozz se encolheu de ombros, e no espectro infravermelho seu movimento foi como um súbito relâmpago. -Esta vez não -transmitiu.
Eu ganhei o duelo. -Duelo? -exclamou Drizzt, atônito. Enganou-me, e nada mais! -Quem ficou de pé? -recordou-lhe Kelnozz. A quem iluminou a luz azul da varinha
do professor? -A honra exige umas regras para o duelo -grunhiu Drizzt. -Existe uma regra -replicou Kelnozz, bruscamente-: pode fazer o que quiser sempre que
não lhe pilhem. Ganhei nosso duelo, Drizzt Dou'Urdem, e tenho uma qualificação mais alta! Isto é o único importante! No calor da discussão, suas vozes soaram muito
altas. abriu-se a porta do barracão, e um professor apareceu na soleira. As luzes azuis do vestíbulo delinearam sua silhueta, e os dois estudantes se apressaram
a fechar os olhos... e a boca.

O tom do último comentário do Kelnozz inspirou ao Drizzt algumas reflita prudentes. Compreendeu que sua amizade com o Kelnozz tinha acabado, e que possivelmente
ele e Kelnozz nunca tinham chegado a ser amigos. -Viu-o? -perguntou Alton, ansioso, sem deixar de tamborilar com os dedos sobre a mesinha da habitação mais alta
de sua torre. Alton fazia que os estudantes mais jovens do Sorcere reparassem os destroços provocados pela bola de fogo lançada por ele mesmo, mas ainda ficavam
rastros na pedra das paredes. -Sim -respondeu Masoj. E também me inteirei que sua habilidade com as armas. -Oitavo de sua classe depois do grande duelo -disse
Alton- é algo muito meritório. -Por isso dizem, tem todas as qualidades para ser o primeiro -comentou Masoj. Não demorará muito em reclamar o título. Eu me
andaria com muito cuidado com ele. -Não viverá para consegui-lo! -prometeu Alton. A casa Dou'Urdem tem grandes esperança depositadas nesta moço de olhos lilás,
e portanto decidi que Drizzt seja o primeiro objetivo de minha vingança. Sua morte será um castigo castigo à perfídia da matrona Malícia! Masoj compreendeu no ato
que a afirmação do falso professor acabava de expor um problema e decidiu cortar o de raiz. -Não lhe fará nenhum dano -advertiu ao Alton. Nem te ocorra te aproximar
dele. -esperei duas décadas... -começou a dizer Alton, zangado. -E pode esperar umas quantas mais -interrompeu-o Masoj, sem contemplações. Recordo-te que aceitou
a oferta da matrona SiNafay para entrar na casa Hun'ett. Isto significa obediência. A matrona SiNafay, nossa mãe matrona, pôs sobre meus ombros a responsabilidade
de me ocupar do Drizzt Dou'Urdem, e penso cumprir sua vontade. Alton se apoiou no respaldo de sua cadeira e descansou sobre a palma de seu emano o que ficava de
seu queixo corroído pelo ácido, enquanto pensava nas palavras de seu sócio secreto. -A matrona SiNafay tem planos que lhe darão a vingança que tanto deseja -acrescentou
Masoj. Advirto-lhe isso, Alton DeVir -disse, recalcando o sobrenome para demonstrar que não era um verdadeiro Hun'ett-, que se começar uma guerra com a casa
Dou'Urdem, ou inclusive se os puser à defensiva com qualquer ato de violência não aprovado pela matrona SiNafay, incorrerá na ira da casa Hun'ett. A matrona SiNafay
te denunciará como um impostor assassino e conseguirá que o conselho regente condene a todos os castigos possíveis. Alton não tinha médios para refutar a ameaça.
Era um trapaceiro, sem família além dos Hun'ett que o tinham adotado. Se SiNafay se voltava contra ele, não encontraria novos aliados. -Que planos tem SiNafay...,
a matrona SiNafay..., para a casa Dou'Urdem? -perguntou, mais tranqüilo. Me diga como será minha vingança para que possa suportar estes terríveis anos de espera.
Masoj sabia que sua resposta devia ser prudente. Sua mãe não lhe tinha proibido discutir com o Alton os planos para o futuro, mas se tivesse querido que o imprevisível
DeVir os conhecesse, os teria revelado ela mesma. -Digamos que o poder da casa Dou'Urdem não deixou que aumentar até um ponto em que se converteu em uma ameaça
muito real para todas as outras grandes casa -explicou Masoj, que desfrutava com os mesentérios prévios à guerra. Como exemplo temos a queda da casa DeVir, executada
sem nenhuma falha. Muitos nobres do Menzoberranzan descansariam mais tranqüilos se... interrompeu-se, convencido de que talvez já havia dito mais da conta. Pelo
brilho nos olhos do Alton, Masoj compreendeu que a ceva tinha sido suficiente para comprar a paciência do Alton. A Academia proporcionou muitas desilusões ao jovem
Drizzt, sobre tudo durante aquele primeiro ano, quando tantas das escuras realidades da sociedade drow, realidades que Zaknafein só lhe tinha insinuado, faziam-se
cada vez mais evidentes, embora tratava de que o afetassem o menos possível. Analisava as conferências dos professores onde se exaltava o ódio e a desconfiança sem
tirar as de seu contexto, e depois aplicava a crítica segundo as pautas de seu velho tutor. A verdade lhe parecia algo muito ambíguo, muito difícil de definir. Por
meio desta análise, Drizzt descobriu uma constante: ao longo de toda sua vida, todos os numerosos atos de traição que tinha presenciado sempre tinham sido cometidos
pelos elfos escuros. O treinamento físico da Academia, as muitas horas diárias dedicadas à prática e estudo de técnicas de combate, era o único que consolava ao
Drizzt. Na sala de exercícios, com as armas nas mãos, esquecia-se das perguntas que tanto o inquietavam. Aqui sobressaía. Se Drizzt tinha ingressado na Academia
com um nível de treinamento e experiência superior ao de seus companheiros, a diferença se fez cada vez major à medida que transcorriam os meses. Aprendeu a ver
além das pautas de ataque e defesa que ensinavam os

professores e criou seus próprios métodos, inovações que igualavam -e às vezes superavam- as técnicas habituais. Ao princípio, Dinin escutava orgulhoso os louvores
que seus colegas prodigalizavam aos progressos de seu irmão menor. As loas chegaram a tal extremo que o filho maior da matrona Malícia começou a inquietar-se. Dinin
era o filho maior da casa Dou'Urdem, um título que tinha conseguido depois de assassinar ao Nalfein. Drizzt, possuidor de todas as qualidades necessárias para converter-se
em um dos melhores guerreiros de todo Menzoberranzan, era o segundo filho da casa, e possivelmente um aspirante a desbancar ao Dinin. Também os companheiros do Drizzt
vigiavam seus progressos na matéria... e com muita freqüência os tinham que suportar em carne própria. Olhavam ao Drizzt com profunda inveja e se perguntavam se
alguma vez poderiam chegar a ter a mesma desenvoltura com as armas. O pragmatismo era um dos rasgos mais acentuados dos elfos escuros. Estes jovens estudantes tinham
observado durante anos como os majores de suas famílias manipulavam os fatos e as situações para seu próprio proveito. Todos compreendiam a vantagem de ter ao Drizzt
Dou'Urdem como aliado, e assim, quando ao ano seguinte se celebrou o grande duelo, Drizzt se viu assediado pelas petições de seus companheiros para lutar a seu lado.
A petição mais surpreendente foi a do Kelnozz da casa Kenafin, que no ano anterior tinha derrotado ao Drizzt com um ataque a traição. -Quer que voltemos a nos unir
para conseguir esta vez os primeiros postos da classe? - perguntou o presunçoso jovem enquanto acompanhava ao Drizzt pelo túnel que conduzia até o cenário da luta.
Em um momento dado o adiantou e se enfrentou ao Drizzt como se fossem grandes amigos, com os antebraços apoiados nos punhos de suas espadas e um sorriso em excesso
alegre no rosto. Drizzt não encontrava resposta a tanta desfarçatez. Voltou-lhe as costas e se afastou, embora sem deixar de vigiá-lo por cima do ombro. -por que
te surpreende tanto? -insistiu Kelnozz, que correu para voltar a situar-se a seu lado. -Como pode imaginar que posso desejar formar casal com um traidor? -exclamou
Drizzt, zangado. Não esqueci sua suja mutreta! -Mas se disso se trata! -replicou Kelnozz. Agora está avisado! Seria muito estúpido de minha parte tentar te
enganar outra vez. -Então como pensa me vencer? -perguntou Drizzt. Não pode me derrotar em um combate limpo. Suas palavras não eram uma fanfarronada, a não ser
um fato evidente para qualquer. -O segundo posto também é muito meritório -reconheceu Kelnozz. Drizzt o olhou furioso. Sabia que Kelnozz não se conformaria com
outra coisa que não fosse a vitória. -Se nos virmos as caras durante o duelo -disse com voz fria-, será como oponentes. Deu-lhe as costas e se afastou, e esta
vez Kelnozz não o seguiu. Aquele dia a sorte se mostrou eqüitativa com o Drizzt, porque seu primeiro rival no grande duelo, e sua primeira vítima, não foi outro
que seu antigo companheiro. Drizzt encontrou ao Kelnozz no mesmo corredor que tinham utilizado como ponto defensivo no exercício do ano anterior e o venceu com a
primeira combinação de ataque. Drizzt teve que fazer um esforço por conter seu ímpeto e não golpear as costelas do Kelnozz com todas suas forças. Depois Drizzt se
perdeu entre as sombras, e procurou seu caminho com muito cuidado até que pouco a pouco diminuiu o número de participantes. devido a sua reputação, devia estar muito
alerta, porque seus companheiros compreendiam a vantagem que supunha eliminar a um adversário tão qualificado ao princípio da competição. Ao atuar a sós, Drizzt
tinha que observar muito bem o cenário de cada nova batalha, para assegurar-se de que seu rival não contava com ajudantes ocultos nas sombras. Este era o meio natural
do Drizzt, o lugar onde se sentia mais a gosto com os desafios que lhe expor. Ao cabo de duas horas, só ficavam em campo de batalha cinco competidores, e, depois
de outras dois de jogar gato e ao camundongo, o número se reduziu a dois: Drizzt e Berg'inyon Baenre. Drizzt chegou a um setor espaçoso da caverna e pôs em prática
o plano preparado para a ocasião. -Sal de seu esconderijo, Baenre! -gritou. Acabemos este desafio à vista de tuda e com honra! Da passarela, Dinin sacudiu a
cabeça sem dar crédito à atitude e os gritos do Drizzt. -perdeu toda a vantagem -comentou o professor Hatch'net, que acompanhava ao filho maior da casa Dou'Urdem.
Graças a ser o melhor espadachim tinha preocupado ao Berg'inyon. Agora seu irmão está ao descoberto, e seu rival conhece sua posição. -foi um comportamento estúpido
-murmurou Dinin.

-O duelo se acabará dentro de muito pouco -disse Hatch'net quando viu o Berg'inyon que avançava ao casaco de um montículo disposto a atacar pelas costas. -Tem
medo? -proclamou Drizzt. Se for verdade que merece o primeiro posto, como sempre diz, então vêem e te enfrente a mim. Demonstra o valor de suas palavras, Berg'inyon
Baenre, ou cala para sempre. O ruído da carga fez que Drizzt se lançasse de cabeça ao chão para depois rodar a um flanco. -Brigar não é um jogo de meninos! -gritou
o filho da casa Baenre enquanto atacava, com os olhos resplandecentes pela vantagem que acreditava ter. Então Berg'inyon tropeçou em um arame que tinha tendido Drizzt
e caiu de bruces. Uma fração de segundo mais tarde, tinha a ponta de uma das cimitarras do Drizzt apoiada na garganta. -É o que me ensinaram -respondeu Drizzt
com voz grave. -E com isto um Dou'Urdem se converte no campeão -afirmou Hatch'net, que iluminou o rosto do perdedor com a luz azul de sua varinha. Suas seguintes
palavras apagaram o sorriso dos lábios do Dinin com um prudente aviso-: Os filhos maiores teriam que saber guardar-se de segundos filhos tão destros. Drizzt não
deu maior trascendencia a sua vitória no segundo ano; só lhe interessava desenvolver ao máximo sua capacidade de luta. Virtualmente em todas as horas que ficavam
livres entre suas muitas outras obrigações. Mas estas servidões se reduziram com o passo dos anos -pois os trabalhos mais duros recaíam sobre os estudantes novatos-,
e Drizzt dispôs cada vez de mais e mais tempo para seu treinamento privado. Gozava com a dança de suas armas e a harmonia de seus movimentos. Suas cimitarras se
converteram em suas únicas amigas, no único em que podia confiar. Voltou a ganhar o grande duelo ao terceiro ano, e também ao seguinte, apesar das conspirações de
muitos estudantes em seu contrário. Os professores compreenderam que não havia ninguém no curso do Drizzt capaz de derrotá-lo, e ao ano seguinte o fizeram participar
do grande duelo dos alunos dos últimos cursos. O triunfo foi para o Drizzt. A Academia, mais que qualquer outra costure no Menzoberranzan, tinha uma estrutura rígida,
e, apesar de que a capacidade do Drizzt transbordava sorte estrutura respeito a seus progressos com as armas, não podia reduzir seu tempo de estudante. Como guerreiro,
teria que passar dez anos na Academia, um prazo bastante curto comparado com os trinta exigidos no Sorcere para chegar a mago, ou os cinqüenta das noviças no Arach-Tinilith.
Os guerreiros iniciavam sua preparação aos vinte anos, os magos deviam esperar a cumprir os vinte e cinco, e as noviças até os quarenta. Os primeiros quatro anos
no Melee-Magthere se dedicavam ao combate pessoal e o manejo das armas. Neste tema, os professores não puderam lhe ensinar ao Drizzt nada que não tivesse aprendido
já com o Zak. Na etapa seguinte, de dois anos, os jovens drows aprendiam as táticas de combate em grupo com outros guerreiros, e a seguir dedicavam outros três anos
a incorporar estas táticas em seus enfrentamentos junto a magos e sacerdotisas... e contra estes. O último ano da Academia completava a educação dos guerreiros.
Durante os primeiros seis meses no Sorcere, aprendiam os rudimentos da magia, e os últimos seis, o prelúdio da graduação, passavam-nos sob a tutela das sacerdotisas
do Arach-Tinilith. Só havia uma coisa invariável ao longo destes dez anos: a repetição constante dos preceitos tão queridos pela rainha aranha, do amontoado de
mentiras que mantinham aos drows submetidos a um estado de caos controlado. Para o Drizzt, a Academia se converteu em um desafio pessoal, um sala-de-aula privada
dentro da malha impenetrável elaborada por suas cimitarras. No interior daquelas paredes de adamantita formadas por suas lâminas, Drizzt descobriu que podia fazer
caso omisso das muitas injustiças que se cometiam a seu redor, e manter-se isolado das palavras venenosas que lhe teriam envenenado o coração. A Academia era um
lugar dominado pela cobiça e a traição, um campo de cultivo para o anseia de poder que marcava a vida de todos os drows. Drizzt se prometeu a si mesmo que não se
deixaria corromper. Mesmo assim, à medida que passavam os anos e as batalhas se faziam cada vez mais brutais, Drizzt se encontrou mais de uma vez nas garras de situações
que não podia ignorar com tanta facilidade.

14

O devido respeito

Avançavam pelo labirinto de túneis com a leveza da brisa; cada passo era executado com sigilo e acabava em uma posição de alerta. Eram os estudantes do décimo curso,
seu último ano no MeleeMagthere, e realizavam suas práticas tão dentro como fora do Menzoberranzan. Já não levavam paus como armas; de seus cinturões penduravam
agora armas de adamantita, finamente forjadas e com fios como navalhas. Em ocasiões, os túneis se estreitavam, e só ficava espaço para permitir o passo de um elfo
escuro de uma vez. Em outras, os estudantes se encontravam em cavernas enormes com as paredes e tetos mais à frente do alcance de sua vista. Eram guerreiros drows,
treinados para atuar em qualquer tipo de terreno da Antípoda Escura e conhecedores das técnicas de combate de seus possíveis oponentes. O professor Hatch'net considerava
estes exercícios como uma simples prática, embora tinha advertido aos estudantes que a patrulha freqüentemente se encontrava com monstros muito reais e pouco amistosos.
Drizzt, por ser o melhor da classe, ia à cabeça do grupo, escoltado pelo professor Hatch'net e outros dez estudantes em formação. Só ficavam vinte e dois dos vinte
e cinco jovens que tinham entrado com o Drizzt na Academia. A gente tinha sido expulso -e em conseqüência executado- por um intento de assassinato na pessoa de
um estudante de um curso superior; o segundo tinha resultado morto em umas manobras de combate, e o terceiro havia falecido em sua cama por causas naturais (pois,
a julgamento da Academia, uma adaga no coração acabava naturalmente com a vida de qualquer). Em outro túnel próximo ao primeiro, Berg'inyon Baenre, segundo da classe,
guiava ao professor Dinin e à outra metade de alunos em um exercício similar. Dia detrás dia, Drizzt e outros se esforçaram por estar sempre preparados. Ao longo
de três meses de patrulhar, o grupo só tinha encontrado a um monstro; um pescador cavernícola, um repugnante feto da Antípoda Escura com aspecto de caranguejo gigante.
Mas aquele encontro só tinha sido uma distração momentânea, sem nenhum resultado prático, porque o pescador cavernícola se escapou pelos rebordos superiores antes
de que a patrulha pudesse atacá-lo. Entretanto hoje Drizzt percebia algo diferente. Possivelmente era o tom da voz do professor Hatch'net ou um zumbido nas pedras
da caverna, uma vibração sutil que alertava ao subconsciente do Drizzt da presença de outras criaturas no labirinto de túneis. O jovem tinha aprendido a confiar
em seus instintos e não se surpreendeu quando com a extremidade do olho captou o brilho delator de uma fonte de energia em um passadiço lateral. Fez um sinal ao
grupo para deter sua marcha, e depois subiu velozmente para situar-se em uma pequena ladeira que lhe permitia ver por cima da saída da passagem lateral. Quando o
intruso apareceu no túnel principal, encontrou-se de repente tendido de costas e retido pelo pescoço pelas lâminas cruzadas de duas cimitarras. Drizzt se apartou
no ato ao ver que sua prisioneiro era outro estudante drow. -O que faz aqui? -interrogou-o o professor Hatch'net. Sabe que ninguém exceto as patrulhas podem
percorrer os túneis fora do Menzoberranzan! -Suplico-lhes perdão, professor -rogou o estudante. Trago notícias de um alarme. Os integrantes do grupo se apertaram
ao redor do mensageiro, mas Hatch'net os fez retroceder com um olhar furioso e ordenou ao Drizzt que os dispusera nas posições de defesa. -desapareceu uma menina!
-acrescentou o estudante. Uma princesa da casa Baenre! Viram monstros nos túneis! -Que classe de monstros? -perguntou Hatch'net. Um sonoro toco castanholas,
como se golpeassem duas pedras entre si, respondeu a sua pergunta. -Oseogarfios! -transmitiu-lhe Hatch'net ao Drizzt, que estava a seu lado. O jovem não tinha
visto nunca a essas bestas, mas sabia o suficiente para compreender por que o professor Hatch'net tinha passado bruscamente ao código manual. Os oseogarfios caçavam
valendo-se de um

sentido do ouvido muito mais agudo que qualquer outra criatura da Antípoda Escura. Drizzt retransmitiu imediatamente o sinal ao resto dos estudantes, que mantiveram
um silêncio absoluto à espera das instruções de seu professor. Esta era a classe de situações para as que se treinaram durante nove anos, e só o suor nas Palmas
de suas mãos traía a calma aparente dos jovens drows. -As bolas de escuridão não deterão os oseogarfios -assinalou Hatch'net a suas tropas. Nem tampouco estas.
Assinalou a mola de suspensão que empunhava e o dardo envenenado preparado para disparar, a arma habitual dos drows no ataque inicial. Hatch'net guardou a mola de
suspensão e desembainhou sua espada. -Devem procurar uma brecha na armadura óssea da criatura -recordou-lhes Hatch'net-, e deslizar a espada até a carne. O professor
tocou o ombro do Drizzt, e reataram a marcha juntos, escoltados pelos estudantes formados de um em fundo. O toco castanholas se escutava com claridade, mas ao ressonar
nas paredes de pedra dos túneis, resultava difícil precisar de onde provinha. Hatch'net deixou que Drizzt os guiasse e se sentiu impressionado pela rapidez demonstrada
pelo jovem em descobrir o rumo corretamente. Drizzt avançou com toda confiança, apesar de que outros integrantes da patrulha não deixavam de olhar nervosos a seu
redor, porque não sabiam onde estava o perigo nem a distância que os separava. Então um som particular, que se destacou entre o estrépito do toco castanholas e seus
ecos, imobilizou-os. O som soou cada vez mais forte até envolver à patrulha em um alarido de terror. Era o grito de um menino. -A princesa da casa Baenre! -transmitiu-lhe
Hatch'net ao Drizzt. O professor começou a dar as ordens para que os estudantes adotassem a formação de combate, mas Drizzt não esperou ou seja quais eram. O alarido
lhe tinha provocado um estremecimento de repulsão, e, quando voltou a soar, o fogo da cólera ardeu em seus olhos lilás. Drizzt correu pelo túnel, com o frio metal
de suas cimitarras assinalando o caminho. Hatch'net ordenou ao resto do grupo que o seguisse. Odiava a possibilidade de perder a um estudante tão capacitado como
Drizzt, mas também se podia tirar proveito da temeridade das ações do jovem. Se outros presenciavam como o melhor da classe morria por ter cometido uma estupidez,
seria uma lição que outros demorariam muito em esquecer. Drizzt desapareceu em uma curva muita fechada e foi sair a um corredor comprido e estreito de paredes rotas.
Agora não se escutava eco algum, só o faminto toco castanholas dos monstros escondidos e os afogados soluços da menina. Seu fino ouvido captou o suave rumor da patrulha
a suas costas, e compreendeu que, se ele podia escutá-lo, também podiam fazê-lo-os oseogarfios. Drizzt não queria renunciar a sua cólera nem à urgência de sua empresa.
Subiu até uma cornija, a três metros de altura, crédulo em que seguiria a todo o comprido do corredor. Quando passou pela última volta, apenas se pôde distinguir
o calor dos monstros através da imprecisa frieza de seus exoesqueletos, carapaças de osso que tinham quase a mesma temperatura da pedra. As bestas eram cinco. Duas
delas vigiavam o corredor apertadas contra as rochas e as outras três, metidas em um rincão, jogavam com uma coisa que gemia. Drizzt controlou seus nervos e continuou
seu avanço pela cornija, com todo o sigilo de que era capaz, para deslizar-se além dos sentinelas. Então viu a princesa, feita um novelo aos pés de um dos monstruosos
bípedes. Sacudida-las dos soluços lhe indicaram que ainda vivia. Drizzt não tinha intenção de travar combate com as bestas se podia evitá-lo, e confiava em poder
aproximar-se e resgatar à menina. Então a patrulha apareceu pela curva do corredor, e Drizzt se viu forçado à ação. -Sentinelas! -gritou a voz em pescoço, e sua
advertência salvou a vida dos quatro primeiros do grupo. Drizzt voltou sua atenção imediatamente à menina ferida ao ver que um dos oseogarfios levantava um de seus
pesados pés armados com garras para esmagá-la. A besta tinha quase o dobro da estatura do Drizzt e pesava umas cinco vezes mais. Estava protegida de pés a cabeça
com o duro carapaça de seu exoesqueleto e provida de um comprido e poderoso pico além de umas garras como foices. Três destes monstros se interpunham entre o Drizzt
e a menina. Drizzt não fez caso a todos estes detalhes naquele horrível e crítico momento. Seus temores pela menina superavam qualquer preocupação pelo perigo que
se erguia ante ele. Era um guerreiro drow, um lutador preparado e equipado para a batalha, enquanto que a menina se encontrava indefesa. Dois dos oseogarfios correram
para a cornija, e Drizzt aproveitou a oportunidade. Deu um salto e voou por cima deles para ir cair diante da terceira besta, a que atacou sem perder um segundo.
O monstro se esqueceu da menina assim que as cimitarras lançaram uma chuva de golpes contra seu pico para destroçar sua armadura facial em busca de uma greta por
onde atirar uma estocada mortal. O oseogarfio retrocedeu, espantado pela fúria de seu oponente e incapaz de seguir o velocísimo movimento das cimitarras.

Drizzt sabia que tinha vantagem no combate contra este monstro, mas também era consciente de que os outros dois não demorariam para atacá-lo pelas costas. Prosseguindo
com seu ataque implacável, separou-se de sua posição ao lado da besta e a rodeou para lhe cortar a retirada. Depois se deixou cair ao chão e utilizou seu corpo como
uma alavanca entre as grosas pernas do monstro para fazê-lo cair. Assim que conseguiu seu propósito se encarapitou sobre o corpachón e procurou uma brecha na armadura
de osso. O oseogarfio tentou defender-se como pôde, mas seu enorme peso lhe impedia de mover-se com a rapidez suficiente para evitar o assalto. O jovem drow sabia
que sua situação ainda era mais desesperada. No corredor se livrava uma batalha contra os sentinelas, embora Drizzt duvidava que Hatch'net e outros pudessem acabar
com eles a tempo para deter os dois oseogarfios que avançavam para resgatar a seu companheiro. A prudência ditava que Drizzt abandonasse sua posição sobre a besta
queda e passasse a uma postura defensiva. Entretanto, o grito de agonia da menina apagou qualquer idéia de prudência. A cólera brilhou nos olhos do Drizzt com tanta
força que inclusive o oseogarfio, um ser quase sem inteligência, compreendeu que sua vida chegava a seu fim. Drizzt formou uma "V" com as pontas de suas cimitarras
e as afundou com todas suas forças na nuca do monstro. Ao ver uma pequena fenda no carapaça, cruzou os punhos de suas armas, investiu as pontas, e partiu o osso.
Então uniu os punhos e afundou as lâminas como se fossem uma só na carne branda até alcançar o cérebro da besta. Uma pesada garra cortou o piwafwi e a carne do Drizzt
entre os omoplatas. O jovem se mergulhou de um salto e rodou pelo chão até levantar-se o outro lado do corredor, com as costas coberta de sangue contra a parede.
Só um dos oseogarfios avançou para ele, o outro recolheu à menina. -Não! -gritou Drizzt. lançou-se ao ataque, mas seu adversário o rechaçou de um tapa. Então,
paralisado pelo horror, observou como a outra besta acabava com a vida de sua vítima. A raiva substituiu ao horror nos olhos do Drizzt. Seu rival se equilibrou sobre
ele, disposto a esmagá-lo contra a parede. O guerreiro drow adivinhou sua intenção e não se separou de onde estava. Em troca, apoiou os punhos de suas cimitarras
contra a parede por cima de seus ombros. Com a inércia dos quase quatrocentos quilogramas do monstro, nem sequer sua armadura de osso podia proteger ao oseogarfio
das lâminas de adamantita. O choque esmagou ao Drizzt contra a parede e o deixou sem fôlego, mas a besta acabou com as cimitarras afundadas no ventre. A criatura
retrocedeu, em um intento desesperado por ver-se livre das cimitarras, sem dar-se conta de que não podia escapar da cólera do Drizzt Dou'Urdem. O jovem retorceu
suas armas nas feridas. Depois se separou da parede com todas suas forças e de um tranco derrubou ao monstro, que caiu de costas. Drizzt tinha acabado com dois de
seus inimigos, e a patrulha tinha convexo aos dois sentinelas, embora isto não resolvia seus problemas. O terceiro oseogarfio iniciou seu ataque enquanto ele tentava
tirar suas cimitarras das vísceras de sua última vítima. Drizzt não tinha salvação. Naquele momento apareceu a segunda patrulha, e Dinin, acompanhado pelo Berg'inyon
Baenre, penetrou no corredor sem saída, pela mesma cornija que tinha utilizado Drizzt. O oseogarfio se separou do jovem para fazer frente à nova ameaça. Drizzt ignorou
a ferida nas costas e os machucados nas costelas. Apenas se podia respirar, mas tampouco tinha muita importância. Por fim conseguiu tirar uma de suas cimitarras,
e carregou contra as costas do monstro. Apanhado entre três peritos espadachins, o oseogarfio caiu morto em um par de minutos. Por fim o corredor ficou espaçoso,
e outros elfos escuros se reuniram com os outros. Só tinham perdido a um estudante no combate contra os sentinelas. -Uma princesa da casa Barrison'do'armgo -comentou
um dos estudantes da patrulha do Dinin, ao ver o cadáver da menina. -Disseram-nos que era uma princesa da casa Baenre -replicou outro, pertencente ao grupo do
Hatch'net. Drizzt não passou por cima a discrepância. Berg'inyon Baenre se apressou a comprovar se efetivamente a vítima era sua irmã menor. -Não é de minha casa
-disse com evidente alívio depois de uma rápida inspeção. Depois soltou uma gargalhada quando observou outros detalhes e acrescentou-: Nem sequer é uma princesa!
Drizzt observou com curiosidade o comportamento de seus companheiros, surpreso por sua aparente indiferença ante a morte de uma menina. Outro estudante confirmou
as palavras do Berg'inyon. -É um varão! -exclamou. Mas de que casa? O professor Hatch'net se aproximou do cadáver e se apoderou da bolsa que pendurava do pescoço
do menino. Esvaziou o conteúdo sobre a palma de sua mão, e encontrou o emblema de uma casa menor. -Um inocente extraviado -informou a seus estudantes com uma gargalhada
enquanto arrojava a bolsa vazia ao chão e guardava os objetos em um bolso. Sua morte não tem nenhuma importância. -Uma excelente briga -apressou-se a assinalar
Dinin-, com uma só baixa. Podem voltar para o Menzoberranzan orgulhosos do trabalho que realizastes hoje. Drizzt golpeou as lâminas de suas cimitarras entre si como
uma sonora manifestação de protesto.

-Formem e empreendam o caminho de volta -ordenou Hatch'net sem lhe fazer caso. Comportaste-lhes muito bem. -Então se fixou no Drizzt, que se dispunha a cumprir
a ordem. Exceto você! -rugiu Hatch'net. Não posso passar por cima o fato de que mataste a duas das bestas e ajudado a liquidar a uma terceira, mas puseste em
perigo a todo o resto da patrulha com sua estúpida ousadia. -Avisei-lhes dos sentinelas -gaguejou Drizzt. -Ao demônio com sua advertência! -gritou o professor.
Atacou sem esperar a ordem! Não fez caso das táticas de combate aceitas! Guiou-nos até aqui às cegas! Olhe o corpo de seu companheiro cansado! -chiou Hatch'net,
assinalando o cadáver do estudante. Sua morte pesará sobre sua consciência! -Pretendia salvar ao menino -protestou Drizzt. -Todos queríamos salvá-lo -replicou
Hatch'net. Drizzt não estava tão seguro. Que fazia um menino só nestes corredores? Não deixava de resultar curioso que um grupo de oseogarfios, umas criaturas muito
pouco habituais na zona do Menzoberranzan, aparecessem para servir de treinamento em uma prática de patrulha. Muito curioso, pensou Drizzt, porque os corredores
mais se separados da cidade estavam vigiados por autênticas patrulhas de guerreiros veteranos, magos e inclusive sacerdotisas. -Sabiam o que se ocultava mais à
frente da curva do túnel -afirmou Drizzt, sem elevar a voz, com o olhar posto no rosto do professor. O golpe de uma espada sobre a ferida das costas fez que o jovem
se retorcesse de dor, e esteve a ponto de cair ao chão. voltou-se para enfrentar-se à furioso olhar do Dinin. -Guarda suas estúpidas palavras para ti -advertiu-lhe
Dinin com voz afogada-, ou te cortarei a língua. -O menino era uma ceva -insistiu Drizzt quando se encontrou com seu irmão na habitação do Dinin. A resposta do
Dinin foi um sonoro reverso no rosto do Drizzt. -Sacrificaram-no como parte do exercício -grunhiu o jovem Dou'Urdem sem intimidar-se. Dinin lançou uma segunda
bofetada, mas Drizzt lhe deteve a mão no ar. -Sabe que digo a verdade -afirmou Drizzt. Sabia do primeiro momento. -Aprende de uma vez qual é seu lugar, segundo
filho -replicou Dinin, com um tom de ameaça-, na Academia e na família. separou-se de seu irmão. -Aos Nove Infernos com a Academia! -gritou Drizzt, furioso.
Se a família mantiver as... O jovem se interrompeu ao ver que Dinin empunhava uma espada e uma adaga. Retrocedeu de um salto e desembainhou suas cimitarras. -Não
desejo lutar contigo, irmão -disse. Mas deve saber que se atacar me defenderei. Só um de nós sairá vivo daqui. Dinin pensou seu próximo movimento com muito cuidado.
Se atacava e vencia, desaparecia a ameaça a sua posição na família. Certamente ninguém, se sequer a matrona Malícia, objetaria o castigo imposto à insolência de
seu irmão menor. Entretanto, Dinin tinha visto combater a seu irmão. Dois oseogarfios! Inclusive Zaknafein teria tido dificuldades para conseguir a vitória. Por
outra parte, Dinin sabia que, se não cumpria sua ameaça, se deixava impune a provocação, possivelmente Drizzt se sentisse encorajado em seus enfrentamentos futuros,
e acabasse tentando-o-a traição que sempre tinha esperado do segundo filho. -O que ocorre aqui? -perguntou uma voz da porta da habitação. Os dois irmãos se voltaram
para encontrar-se com sua irmã Vierna, uma professora do Arach-Tinilith. Guardem suas armas. A casa Dou'Urdem não pode permitir-se agora nenhuma luta interior!
Ao compreender que se livrou do apuro, Dinin se apressou a cumprir com a exigência, e Drizzt fez o mesmo. -Podem-lhes considerar afortunados -acrescentou Vierna-,
porque não informarei à matrona Malícia de sua estupidez. Ela não se mostraria tão bondosa. -por que vieste ao Melee-Magthere sem te anunciar? -perguntou Dinin,
preocupado pela atitude de sua irmã. Ele também era professor da Academia e, embora fosse varão, merecia-se um certo respeito. Vierna jogou um olhar ao corredor
para assegurar-se de que não havia ninguém perto, e depois fechou a porta. -Para pôr sobre aviso a meus irmãos -explicou em voz baixa. Circulam rumores de vingança
contra nossa casa. -De que família se trata? -exclamou Dinin. Desconcertado, Drizzt se apartou um pouco e deixou que os outros dois levassem o peso da conversação.
Qual é o motivo?

-Suponho que deve ser a eliminação da casa DeVir -respondeu Vierna. Sabe-se muito pouco. Os rumores são vagos. De todos os modos, queria-lhes advertir a ambos
para que lhes mantenham muito atentos nos próximos meses. -passaram muitos anos da destruição da casa DeVir -disse Dinin. Quem pode estar interessado na vingança
depois de tanto tempo? -Não são mais que rumores -insistiu Vierna-, mas não podemos baixar o guarda. -Acusam-nos de ter cometido uma ação injusta? -perguntou
Drizzt. Nossa família teria que desmentir imediatamente esta falsa acusação. Dinin e Vierna intercambiaram um sorriso ao escutar as palavras de seu irmão menor.
-Injusta? Vierna não pôde conter a risada. A expressão do Drizzt revelou seu desconcerto. -A mesma noite em que você nasceu -explicou-lhe Dinin-, a casa DeVir
se extinguiu. Um excelente ataque. -Da casa Dou'Urdem? Drizzt se sentiu aturdido ante a incrível noticia. Certamente, estava à corrente destas batalhas, mas tinha
mantido a ilusão de que sua própria família não participava destas ações criminais. -Um dos melhores ataques de todos os tempos -vangloriou-se Vierna. Não ficou
nem uma testemunha viva. -Você..., nossa família... assassinou a outra família? -Vigia suas palavras, segundo filho -advertiu-lhe Dinin. A tarefa se executou
à perfeição. portanto, aos olhos do Menzoberranzan nunca existiu. -Mas a casa DeVir desapareceu -protestou Drizzt. -Até o menino mais pequeno -afirmou Dinin,
muito satisfeito. Um milhar de possibilidades assaltaram ao Drizzt naquele momento, um milhar de perguntas que reclamavam uma resposta imediata. Uma em particular
lhe deu a sensação de que se afogava em sua própria bílis. -Onde estava Zaknafein aquela noite? -Na capela das sacerdotisas da casa DeVir, certamente -respondeu
Vierna. como sempre, Zaknafein cumpriu com seu encargo de uma maneira brilhante. Drizzt sentiu que ia a cabeça, incapaz de acreditar nas palavras de sua irmã.
Sabia que Zak tinha matado a outros drows, que tinha matado a sacerdotisas do Lloth, mas sempre tinha dado é obvio que o professor de armas o tinha feito obrigado
pelas circunstâncias, em um ato de legítima defesa. -Teria que mostrar mais respeito por seu irmão -reprovou-lhe Vierna. Empunhar suas armas contra Dinin! Você
que lhe deve a vida! -Sabe? Dinin dirigiu um olhar de curiosidade a sua irmã e soltou uma risita. -Aquela noite você e eu estávamos fundidos -recordou-lhe Vierna.
Claro que sei. -Do que falam? -perguntou Drizzt, assustado pelo que podia ser a resposta. -Você foi o terceiro filho varão da família -respondeu Vierna-, o
terceiro filho vivo. -escutei falar de meu irmão Nal... O nome se entupiu na garganta do Drizzt quando compreendeu a realidade. até agora o único que sabia do Nalfein
era que tinha morrido à mãos de outro drow. -Já aprenderá em seus estudos no Arach-Tinilith que o terceiro filho vivo é sacrificado ao Lloth -acrescentou Vierna.
portanto, você estava destinado ao sacrifício. A noite de seu nascimento, a mesma noite em que a casa Dou'Urdem lutou contra a casa DeVir, Dinin passou a ocupar
a posição de filho maior. A mulher dirigiu um olhar ardiloso a seu irmão, que se erguia orgulhoso com os braços cruzados sobre o peito. -Agora já posso falar deste
tema. -Vierna sorriu ao Dinin, que com uma inclinação de cabeça expressou sua conformidade. Ocorreu faz tanto tempo que ninguém pode pensar em impor um castigo
ao Dinin. -Do que falam? -exclamou Drizzt, quase dominado pelo pânico. O que fez Dinin? -Afundou sua espada nas costas do Nalfein -respondeu Vierna, muito
tranqüila. Drizzt acreditou que vomitaria. Sacrifício? Assassinato? A aniquilação de uma família, incluídos os meninos? Do que falavam seus irmãos? -Mostra mais
respeito por seu irmão -insistiu Vierna. Deve-lhe a vida. "Advirto-lhes aos dois -continuou brandamente Vierna, com um olhar que estremeceu ao Drizzt e arrebatou
a confiança que exibia Dinin-: a casa Dou'Urdem pode estar no caminho de uma guerra. Se brigarem entre vós, a cólera de suas irmãs e da matrona Malícia, quatro
grandes sacerdotisas, cairá sobre suas desprezíveis almas!

Na segurança de que sua ameaça tinha suficiente peso, deu meia volta e saiu da habitação. -Eu também vou -sussurrou Drizzt, que só desejava poder ir esconder se
em algum rincão escuro. -Irá quando te der permissão! -arreganhou-o Dinin. Recorda qual é seu lugar, Drizzt Dou'Urdem, na Academia e em sua família. -Como você
recordou o teu com o Nalfein? -Ganhamos a batalha contra os DeVir -respondeu Dinin, sem ofender-se. O ato não significou nenhum perigo para a família. Outro
ataque de náusea sacudiu ao Drizzt. Pareceu-lhe que o chão se elevava para engoli-lo, e quase desejou que assim fosse. -Vivemos em um mundo difícil -comentou Dinin.
-Nós o temos feito assim -replicou Drizzt, que reprimiu prudentemente seu desejo de acusar à rainha aranha e sua religião amoral que sancionava estas ações destrutivas
e traiçoeiras, advertido de que Dinin desejava sua morte. Também compreendeu que, se lhe dava ocasião a seu matreiro irmão de pôr às mulheres da família contra suya,
Dinin a aproveitaria. -Tem que aprender -acrescentou Dinin, mais tranqüilo- a aceitar a realidade que te rodeia. Tem que aprender a reconhecer a seus inimigos
e a derrotá-los. -Com todos os meios a meu alcance -disse Drizzt. -É o que caracteriza a um autêntico guerreiro! -afirmou Dinin, com uma risada maligna. -Nosso
inimigos som os elfos escuros? -Somos guerreiros drows -declarou Dinin, severo. Fazemos o que seja necessário para sobreviver. -Como você o fez a noite de meu
nascimento -raciocinou Drizzt, embora esta vez já não ficava nem rastro de ira em seu tom. Foi o suficientemente ardiloso para sair bem sacado. A resposta do
Dinin, em que pese a que a esperava, feriu o jovem drow no mais íntimo. -Nunca ocorreu tal coisa.

15

No lado escuro

-Sou Drizzt. -Já sei quem é -respondeu o estudante de mago, designado como tutor do Drizzt no Sorcere. Sua reputação te precede. Quase todo mundo na Academia
escutou falar de ti e de sua habilidade com as armas. Drizzt fez uma reverência, um tanto envergonhado. -De todos os modos, dita habilidade te servirá aqui de muito
pouco-acrescentou o mago. Eu serei o encarregado de te ensinar as artes da feitiçaria, o lado escuro da magia, como as chamamos nós. Esta é uma prova para sua
mente e seu valor. As vulgares arma de metal não têm nada que fazer aqui. A magia é o autêntico poder de nossa gente! Drizzt aceitou a regañina em silêncio. Sabia
que os rasgos dos que se vangloriava o jovem mago também eram qualidades necessárias em um guerreiro de verdade. Os atributos físicos só tinham um papel menor no
estilo de combate do Drizzt. A força de vontade e as manobras aprendidas até poder as executar às cegas -precisamente aquilo que o mago considerava como propriedade
exclusiva dos feiticeiros- eram as armas que ganhavam os duelos do Drizzt. -Ao longo dos próximos meses te ensinarei muitas maravilhas -acrescentou o mago-,
artefatos que nem sequer poderia imaginar e feitiços de um poder como o que nunca conheceste. -Posso saber seu nome? -perguntou Drizzt, em um tom que pretendia
ser de respeito ante o amontoado de virtudes que o estudante se atribuía a si mesmo. Drizzt já tinha aprendido muitas coisas da feitiçaria através do Zaknafein,
em particular as debilidades inerentes a seus praticantes. devido à utilidade da magia em outras instâncias além da guerra, os magos drows gozavam de uma elevada
posição na sociedade, só por debaixo das sacerdotisas do Lloth. depois de tudo, era um mago o encarregado de acender o brilhante Narbondel, que marcava as horas
da cidade, e eram magos os que acendiam os fogos fátuos nas esculturas das casas. Zaknafein tinha muito pouco respeito pelos feiticeiros. Tinha-lhe advertido a seu
jovem aluno que eles podiam matar depressa e a distância, mas que, se a gente conseguia aproximar-se, encontravam-se indefesos ante o poder da espada. -Masoj -respondeu
o mago. Masoj Hun'ett da casa Hun'ett, em seu trigésimo e último ano de estudos. Muito em breve serei reconhecido como mago do Menzoberranzan e desfrutarei de
todos os privilégios correspondentes a minha posição. -Meus respeitos, Masoj Hun'ett -disse Drizzt. Eu também encaro meu último ano na Academia, já que os guerreiros
só passam aqui dez anos. -Muito acorde para um talento menor -apressou-se a comentar Masoj. Os magos devem estudar durante trinta anos antes de que os considere
com a capacidade suficiente para deixar Sorcere e praticar suas artes. Uma vez mas Drizzt aceitou o insulto sem ofender-se. Queria acabar quanto antes com esta parte
de sua preparação, acabar o ano e partir para sempre da Academia. Drizzt encontrou que os seis meses passados sob a tutela do Masoj acabaram por ser os melhores
de toda sua estadia na Academia. Não é que chegasse a agarrar avaliação ao Masoj, pois o estudante de mago procurava sempre a maneira de lhe recordar a inferioridade
dos guerreiros. Drizzt notava que havia uma competência entre ele e Masoj, quase como se o mago queria preparar-se para um conflito futuro. De todos os modos, suportou
os sarcasmos e seguiu adiante, como tinha feito sempre, disposto a tirar o máximo benefício das classes.

Drizzt descobriu que tinha boas aptidões para as artes mágicas. Todos os drows, incluídos os guerreiros, possuíam um certo talento mágico e algumas qualidades inatas
para este quehacer. Até os meninos drows podiam lançar globos de escuridão ou delinear as silhuetas de seus oponentes por meio de uma tela de chamas de cores inofensivas.
Drizzt não teve nenhuma dificuldade com estas coisas, e ao cabo de poucas semanas era capaz de realizar alguns feitiços singelos. Os poderes inatos dos elfos escuros
se complementavam com uma resistência aos ataques mágicos, e era aqui onde Zaknafein tinha encontrado a debilidade principal dos magos. Um mago podia realizar seu
mais poderoso feitiço à perfeição, mas se a presunta vítima era um elfo escuro, o praticante se levava uma decepção na maioria dos casos. A segurança que oferecia
uma estocada bem dirigida sempre tinha impressionado ao Zak, e Drizzt, depois de observar os defeitos da magia drow durante suas primeiras semanas com o Masoj, começou
a apreciar as virtudes da preparação que lhe tinha dado o professor de armas. Em qualquer caso desfrutava muito com a maioria das coisas que lhe mostrava Masoj,
em particular com os objetos encantados que se guardavam na torre do Sorcere. Drizzt empunhava varinhas e fortificações de incrível poder e praticava alguns lances
de esgrima com uma espada carregada com tanta energia mágica que lhe faziam cócegas as mãos com apenas tocá-la. Por sua parte, Masoj não deixava de observar ao jovem
guerreiro. Estudava cada um de seus movimentos em busca de alguma debilidade que pudesse servir se algum dia chegava o enfrentamento entre a casa Hun'ett e a casa
Dou'Urdem. Em várias ocasiões, Masoj teve a oportunidade de eliminar ao Drizzt, e no fundo de seu coração pensou que teria sido uma medida de prudência as aproveitar.
Mas as ordens da matrona SiNafay ao respeito tinham sido explícitas e inflexíveis. A mãe do Masoj se encarregou em segredo de convertê-lo em tutor do Drizzt. Isto
não tinha nada de particular, já que o ensino dos guerreiros durante seus seis meses de permanência no Sorcere sempre era atribuída aos estudantes do último curso.
Quando a matrona informou ao Masoj dos acertos, apressou-se a lhe recordar que suas classes com o jovem Dou'Urdem só eram uma tira de contato. Não podia oferecer
nenhuma pista do futuro conflito entre as duas casas, e Masoj não era tão parvo para desobedecer. Entretanto, havia outro feiticeiro que espreitava na sombra, A
gente tão desesperado que nem sequer as advertências da mãe matrona podiam deter. -Meu estudante, Masoj, informou-me que tem feito grandes progressos -comentou-
Alton DeVir ao Drizzt em uma ocasião. -Muito obrigado, professor Sem Rosto -respondeu Drizzt com todo respeito, e bastante intimidado pelo convite de um professor
do Sorcere a uma audiência privada. -O que opina da magia, jovem guerreiro? -perguntou Alton. Masoj te impressionou? Drizzt não soube o que responder. A fuer1
de sincero, a magia não o atraía como profissão, mas não queria ofender ao professor. -Encontro que a arte da magia está além de minhas possibilidades -manifestou,
com muito tato. Para alguns pode ser sua meta, mas considero que meus talentos estão mais próximos à espada. -Poderiam suas armas derrotar a outra de poder mágico?
-inquiriu Alton com um tom de provocação que lamentou no ato porque não queria descobrir suas intenções. -Cada uma tem seu lugar na batalha -respondeu Drizzt.
Quem pode dizer qual é mais poderosa? Ao igual a em cada combate, depende dos participantes. -E o que me diz de ti mesmo? -burlou-se Alton. Conforme me hão dito
foste o primeiro de sua classe durante todos estes anos. Os professores do Melee-Magthere dizem maravilhas de suas aptidões. Uma vez mais Drizzt se sentiu envergonhado.
Mesmo assim, picava-lhe a curiosidade o fato de que um professor e um estudante do Sorcere parecessem saber tantas coisas de sua pessoa. -Poderia lhe fazer frente
a alguém dotado de poderes mágicos?-interrogou-o Alton. Contra um professor do Sorcere, possivelmente? -Não... -começou Drizzt, mas Alton já estava muito submerso
em suas próprias divagações para escutá-lo. -Vejamos se for verdade! -gritou o Sem Rosto, que empunhou uma varinha larga e descarregou um raio contra Drizzt sem
prévio aviso. Drizzt se mergulhou antes de que a varinha descarregasse sua energia, e o raio passou por cima de sua cabeça, perfurou a porta, destroçou diversos
objetos na habitação vizinha e acabou por estelar se contra uma parede que ficou chamuscada. O jovem drow se incorporou de um salto com as cimitarras listas para
entrar em ação. Ainda não tinha muito claro quais eram as intenções do professor. -Quantos mais poderá esquivar? -mofou-se Alton, movendo a varinha de um lado
a outro. Sabe quantos feitiços mais pode utilizar? Feitiços que atacam a mente e não o corpo?

Tal como se encontra no livro, não se entende o que quis dizer o tradutor do livro (N. do Corretor do livro digital)

1

Drizzt tentou compreender o significado desta lição e o papel que devia interpretar. Acaso tinha que atacar ao professor? -Estas não são armas de exercício -advertiu-lhe
enquanto levantava suas cimitarras para mostrar-lhe ao Alton. escutou-se o rugido de outra descarga, e Drizzt se apressou a recuperar sua posição original. -Crie
que este é um exercício, estúpido Dou'Urdem? -grunhiu Alton. Sabe quem sou? Para o DeVir tinha chegado o momento da vingança. Ao demônio com as ordens da matrona
SiNafay! No momento em que Alton se dispunha a revelar a verdade ao Drizzt, uma forma escura golpeou contra as costas do professor e o tombou ao chão. Tentou apartar-se,
mas se encontrou indefeso entre as garras de uma enorme pantera negra. Drizzt baixou suas espadas; não entendia nada do que acontecia. -Basta, Guenhwyvar! -ordenou
uma voz detrás do Alton. Drizzt olhou mais à frente do professor cansado e a pantera, e viu o Masoj entrar na habitação. A pantera se separou de um salto de sua
vítima e voltou junto a seu amo, embora fez uma pausa para observar ao Drizzt, que se mantinha alerta no centro da habitação. Tão encantado estava Drizzt com a pantera,
com a fluidez de movimentos de seus músculos e a inteligência em seus grandes olhos, que quase não emprestou atenção ao professor que acabava de atacá-lo, embora
Alton, ileso, levantou-se e parecia bastante irritado. -Meu mascote -explicou Masoj. Drizzt observou assombrado como Masoj devolvia ao felino a seu próprio plano
de existência mediante uma estatueta mágica de ônix que sustentava em uma mão e que absorveu o corpo material da besta. -Como conseguiste um companheiro tão fantástico?
-perguntou o jovem guerreiro. -Nunca subestime os poderes da magia -respondeu Masoj, que guardou a figura de ônix em um dos bolsos de sua túnica. Seu amplo sorriso
se transformou em um gesto azedo quando olhou ao Alton. Também Drizzt olhou ao professor sem rosto. O fato de que um estudante se atreveu a atacar a um professor
parecia um ato impossível. A situação se fazia cada vez mais desconcertante. Alton sabia que se excedeu dos limites, e que lhe tocaria pagar um preço muito alto
por sua estupidez se não encontrava ao ponto uma desculpa para sair do atoleiro. -aproveitaste a lição de hoje? -perguntou- Masoj ao Drizzt, embora Alton compreendeu
que a pergunta também valia para ele. -Não estou muito seguro do sentido de tudo isto -respondeu Drizzt com toda sinceridade. -Uma exibição da debilidade da magia
-explicou Masoj, com a intenção de dissimular o verdadeiro motivo do episódio-, para que visse a desvantagem que representa a concentração necessária para praticar
um feitiço, a vulnerabilidade de um mago obcecado -o estudante olhou diretamente ao Alton- com os feitiços. A vulnerabilidade total quando a presa se converte
para o mago em seu único ponto de interesse. Drizzt compreendeu que se tratava de uma mentira, mas seguia sem entender o que havia detrás de todos estes fatos. Que
motivos podia ter um professor do Sorcere para atacá-lo? por que Masoj, que só era um estudante, tinha arriscado tanto para defendê-lo? -Não incomodemos mais ao
professor -acrescentou Masoj, para pôr fim à curiosidade do Drizzt. Me acompanhe a nossa sala de práticas. Ensinarei-te algumas costure mais do Guenhwyvar, meu
mascote mágica. Drizzt olhou ao Alton, e se perguntou qual seria o próximo passado do imprevisível professor. -Acompanha-o -disse Alton, muito tranqüilo, consciente
de que a desculpa oferecida pelo Masoj era a única maneira de evitar a fúria de sua mãe matrona adotiva. Não me cabe nenhuma dúvida de que aprendeste a lição de
hoje -adicionou, com o olhar posto no Masoj. Drizzt olhou ao Masoj, e depois outra vez ao Alton, mas não fez nenhum comentário. Queria saber mais coisas do Guenhwyvar.
Quando Masoj se encontrou com o Drizzt a sós em seu próprio quarto, tirou do bolso a figurinha de ônix com forma de pantera e chamou outra vez ao Guenhwyvar. O mago
respirou mais tranqüilo depois de apresentar ao jovem o felino, porque Drizzt não voltou a mencionar o incidente com o Alton. Drizzt nunca tinha conhecido uma criatura
mágica tão maravilhosa. Notava um poder no Guenhwyvar, uma dignidade que desmentia a natureza mágica da besta. Em realidade, a musculatura do felino e seus grácis
movimentos representavam o ideal das qualidades jaquetas que tanto desejavam os elfos escuros. Drizzt pensou que só olhando os movimentos do Guenhwyvar podia melhorar
suas próprias técnicas. Masoj os deixou jogar durante horas, agradecido porque Guenhwyvar ajudasse a reparar o engano cometido pelo estúpido do Alton.

Por sua parte, Drizzt já nem recordava o episódio com o professor sem rosto. -A matrona SiNafay não o entenderá -advertiu- Masoj ao DeVir quando se voltaram a
reunir ao final do dia. -Você o dirá -manifestou Alton. sentia-se tão frustrado por não ter podido matar ao Drizzt que quase não lhe importava seu próprio destino.
-Não tem por que sabê-lo -respondeu Masoj. Ao escutar estas palavras do estudante, um sorriso de suspeita apareceu nas desfiguradas feições do Alton. -O que é
o que quer? -perguntou desconfiado. Sua estadia aqui está a ponto de acabar. Que mais pode fazer um professor por ti? -Nada -replicou Masoj. Não quero ter
favores pendentes. Este episódio tem que ficar acabado aqui e agora! -Já o está -afirmou Alton, embora Masoj não pareceu lhe acreditar. -O que ganharia lhe contando
à matrona SiNafay a estupidez de suas ações? -raciocinou Masoj. Com toda segurança te mataria, e então não teria motivo a guerra contra a casa Dou'Urdem. Você
é o vínculo que necessitamos para justificar o ataque. Desejo esta batalha, e não penso perdê-la pelo pouco prazer que me pode proporcionar ver como lhe torturam
até a morte. -Comportei-me como um imbecil -admitiu Alton, sombrio. Não tinha a intenção de matar ao Drizzt quando o convidei a vir aqui. Só desejava observá-lo
e aprender algo mais dele, para assim poder saborear melhor o momento de sua morte. Mas ao o ter ante minha vista, ao ver um dos malditos Dou'Urdem desprotegido
e a meu alcance... -Compreendo-te -disse Masoj de todo coração. tive os mesmos sentimentos cada vez que o vejo. -Mas você não tem nenhuma conta pendente com
a casa Dou'Urdem. -Não com a casa a não ser com ele! -explicou Masoj. Observei-o durante quase uma década, estudei seus movimentos e suas atitudes. -Você não
gosta do que viu? -perguntou Alton, com um leve tom de esperança em sua voz. -Não encaixa -respondeu Masoj, muito sério. depois de seis meses a seu lado, tenho
a sensação de que o conheço menos que nunca. Não mostra nenhuma ambição e entretanto foi o vencedor do grande duelo de sua classe durante nove anos consecutivos.
É algo sem precedentes! Sua compreensão da magia é muito grande. Poderia ter sido mago, um mago muito poderoso, se tivesse escolhido estes estudos. Masoj apertou
os punhos enquanto pensava nas palavras mais precisas para manifestar suas autênticas emoções respeito ao Drizzt. -Tudo é muito fácil para ele -grunhiu. Não
há sacrifício nas ações do Drizzt. Os grandes lucros que conseguiu em sua profissão não o marcaram. -Tem um dom -comentou Alton-, mas conforme me hão dito se
treina mais que ninguém. -Esse não é o problema -grunhiu Masoj, molesto. Havia algo menos tangível no caráter do Drizzt Dou'Urdem que irritava ao jovem Hun'ett.
Não podia definir o que era, porque se tratava de algo que nunca tinha visto em nenhum outro elfo escuro, e também porque era algo muito alheio a seu próprio caráter.
O que preocupava ao Masoj -como a muitos outros estudantes e professores- era o fato de que Drizzt me sobressaía em todas as artes do combate que mais apreciavam
os elfos escuros sem dar nada em troca. Drizzt não tinha pago o preço que o resto dos meninos drows tinham pago inclusive antes de ingressar na Academia. -Não tem
importância -manifestou Masoj depois de uns quantos minutos de silêncio. Já saberei mais costure do jovem Dou'Urdem quando for o momento. -Pensava que sua tutela
tinha concluído -disse Alton. Agora ficam os seis meses no Arach-Tinilith, um lugar inacessível para ti. -Os dois nos graduaremos dentro de seis meses -explicou
Masoj. Compartilharemos nosso tempo de serviço nas patrulhas. -Muitos mais compartilharão o mesmo tempo -recordou-lhe Alton. Dúzias de grupos vigiarão os corredores
da região. Possivelmente nunca tenha a oportunidade de ver o Drizzt em todos os anos de serviço. -Já me ocupei que sirvamos no mesmo grupo -respondeu Masoj. Colocou
uma mão no bolso e tirou a figurinha da pantera mágica. -Um acordo mútuo entre você e o jovem Dou'Urdem -disse Alton, que sorriu agradado. -Ao parecer Drizzt
lhe agarrou muito carinho a meu mascote -comentou Masoj com uma gargalhada. -Muito carinho? Vê com cuidado -advertiu-lhe Alton. Não vá ser que acabe trespassado
por uma cimitarra.

-Possivelmente nosso amigo Dou'Urdem é quem deve estar atento às garras de uma pantera a suas costas -replicou Masoj.

16

Sacrilégio

-O último dia -sussurrou Drizzt, aliviado, enquanto se vestia com a túnica de cerimônia. Se os primeiros seis meses deste último ano, nos que tinha aprendido as
sutilezas da magia no Sorcere, tinham sido os melhores, os seis finais passados na escola do Lloth lhe tinham resultado pesadísimos. Drizzt e seus companheiros tinham
tido que agüentar horas de rezas à rainha aranha, relatos e profecias de seu poder e das recompensas que outorgava aos servidores leais. Drizzt considerava que
a palavra "escravo" era muito mais apropriada, porque em nenhuma parte desta grande escola da deusa drow tinha escutado mencionar em nenhum momento a palavra "amor".
Sua gente adorava ao Lloth. As mulheres do Menzoberranzan dedicavam toda sua vida a servi-la. Entretanto, sua entrega era um ato absolutamente egoísta. As noviças
da rainha aranha só aspiravam a chegar ao mais alta fila para obter o poder pessoal que ia unido ao título de grande sacerdotisa. Ao Drizzt todo isto parecia um
tremendo equívoco. O jovem drow tinha suportado os seis meses no Arach-Tinilith com seu estoicismo habitual. Tinha mantido o olhar baixo e a boca fechada. Agora,
por fim, tinha chegado ao último dia, a cerimônia de graduação, o momento mais sagrado para os drows, em que, conforme lhe tinha prometido Vierna, compreenderia
a verdadeira glória do Lloth. Com passo vacilante, Drizzt saiu do refúgio que era seu pequeno e singelo quarto. Preocupava-lhe o fato de que esta cerimônia se converteu
em uma prova pessoal. até agora, quase nada da sociedade que o rodeava tinha tido sentido e, apesar das afirmações de sua irmã, não confiava em que os fatos deste
dia lhe permitissem ver o mundo da mesma maneira em que o viam outros. Os temores do Drizzt tinham crescido como uma espiral para apanhá-lo em uma rede da que não
podia escapar. Possivelmente, disse-se, a origem de seu medo radicava na possibilidade de que os fatos de hoje cumprissem a promessa da Vierna. Drizzt se protegeu
os olhos quando entrou na grande sala circular do Arach-Tinilith. Uma fogueira ardia no centro do recinto, em um braseiro de oito patas que se parecia, como todo
o resto neste lugar, a uma aranha. A diretora da Academia, a dama matrona, e as outras doze grandes sacerdotisas que eram professoras do Arach-Tinilith, incluída
a irmã do Drizzt, permaneciam sentadas com as pernas cruzadas em um círculo ao redor do braseiro, Drizzt e seus companheiros da escola de guerreiros se acomodaram
ao longo da parede. -MA Ku! -ordenou a dama matrona. O silêncio reinou na sala, quebrado unicamente pelo crepitar do fogo. A porta do recinto se abriu uma vez
mais para dar passo a uma jovem sacerdotisa. Ao Drizzt tinham comentado que era a número um da promoção deste ano no Arach-Tinilith, a melhor estudante da escola
do Lloth, por isso a tinham recompensado com a maior honra desta cerimônia. A jovem se tirou a túnica e avançou nua através do anel formado pelas grandes sacerdotisas
sentadas para situar-se diante das chamas, de costas à dama matrona. Drizzt se mordeu o lábio inferior, envergonhado e também um pouco excitado. Nunca tinha visto
uma drow nua, e suspeitava que o suor em sua frente tinha outra origem além do calor do braseiro. Um olhar rápido a seus companheiros confirmou que eles passavam
pela mesma situação. -Bae-go se'n'ee calamay -sussurrou a dama matrona, e uma nuvem de fumaça vermelha se derramou do braseiro até envolver a sala em uma bruma
resplandecente. A fumaça tinha um intenso aroma adocicado. À medida que Drizzt respirava o ar perfumado, teve a sensação de que perdia peso, e pensou se não acabaria
por flutuar. As chamas do braseiro se elevaram com um rugido, e Drizzt entrecerró as pálpebras para proteger-se da intensidade da luz. As sacerdotisas começaram
a entoar um cântico ritual cujas palavras pertenciam a um idioma desconhecido para o jovem. De todos os modos, quase não lhes emprestou atenção porque só pensava
em manter o controle de seus pensamentos frente ao efeito embriagador da fumaça vermelha.

-Glabrezu -gemeu a dama matrona. Drizzt reconheceu o tom de uma invocação, o nome de um feto dos planos inferiores. Voltou a emprestar atenção à cerimônia e viu
que a dama matrona empunhava um látego de uma só cabeça de serpente. -De onde o terá tirado? -murmurou Drizzt. Então se deu conta de que tinha falado em voz alta
e rogou para que sua imprudência não perturbasse o rito. consolou-se ao comprovar que muitos de seus companheiros murmuravam e que alguns apenas se podiam manter
o equilíbrio. -Chama-o! -ordenou-lhe a dama matrona a estudante nua. A jovem obedeceu a ordem embora sem muita confiança, e abriu os braços de par em par. -Glabrezu
-murmurou. As chamas dançaram junto ao bordo do braseiro. A fumaça se agitou ante o rosto do Drizzt, como se queria obrigar ao jovem a que o respirasse. Notou que
tinha as pernas intumescidas, mas também as notava muito mais sensíveis e vivas que antes. Drizzt escutou como a estudante repetia seu grito com mais força, e também
o rugir das chamas. A intensidade da luz foi como um ataque brutal, mas isso não pareceu lhe importar. Seu olhar percorreu a sala, incapaz de encontrar um foco,
incapaz de ver uma relação entre as estranhas figuras da dança e os sons do rito. Escutou o ofego das grandes sacerdotisas e suas exortações a estudante, consciente
de que a invocação estava a ponto de realizar-se. Escutou o estalo do látego -outro incentivo?- e os gritos do Glabrezu!" da jovem. Tão primitivos, tão capitalistas
eram estes gritos que sacudiam ao Drizzt e a outros varões presentes na sala com um frenesi que nunca tivessem imaginado. As chamas obedeceram a chamada. elevaram-se
cada vez mais e começaram a tomar forma. Uma visão captou a atenção de todos os pressente, apanhou-a e a manteve. Uma cabeça gigante, um cão com chifres de cabra,
apareceu entre as chamas, ao parecer disposto a admirar à formosa jovem nua que se atrevia a pronunciar seu nome. Em algum lugar além da forma pertencente a outro
plano, voltou a estalar o látego com cabeça de serpente; a estudante repetiu seu grito, que esta vez soou como um rogo, como um convite. O gigantesco feto dos planos
inferiores saiu do braseiro. O tremendo poder sacrílego da criatura assombrou ao Drizzt. Glabrezu media três metros de altura mas parecia ainda mais alto; seus enormes
braços musculosos acabavam em grandes pinzas em lugar de mãos e um segundo casal de braços mais pequenos, braços normais, cresciam em seu peito. Os instintos do
Drizzt o urgiam a lançar-se contra o monstro e a resgatar a estudante; mas quando olhou a sua redor em busca de apoio, descobriu que a dama matrona e as demais professoras
da escola tinham reatado o canto ritual, e esta vez suas palavras tinham um acento lascivo. Em meio da bruma e o enjôo, o tentador aroma adocicado da fumaça vermelha
continuava seu assalto à realidade. Drizzt se estremeceu, quase a ponto de perder o controle, e utilizou toda sua ira para lutar contra o desconcertante efeito da
fumaça. Como um ato reflito, suas mãos procuraram os punhos de suas cimitarras. Então uma mão lhe roçou a perna. Olhou para baixo e descobriu a uma professora que,
recostada no chão, convidava-o a unir-se a ela, uma cena que se repetia por toda a sala. A fumaça continuou o ataque contra seus sentidos. A professora repetiu o
convite, e suas unhas lhe aranharam brandamente a pele da perna. Drizzt se passou uma mão pela espessa cabeleira em um intento de concentrar-se em um ponto e superar
o enjôo. Não gostava desta perda de controle, este atordoamento mental que adormecia sua atenção e seus reflexos. Ainda menos gostava do espetáculo que tinha lugar
no recinto. Parecia-lhe algo vil e repugnante. separou-se da professora e cruzou a sala tropeçando com os casais abraçados, que nem sequer advertiram seu passo.
Avançou todo o depressa que lhe permitiam suas pernas intumescidas, e abandonou a sala, sem esquecer-se de fechar a porta. Só o seguiram os gritos da estudante.
Não havia nenhuma barreira material ou mental capaz de apagar aquele som. Drizzt se apoiou contra a parede de pedra e se levou as mãos ao estômago. Não tinha tido
ocasião de pensar nas conseqüências de sua ação. Só sabia que não podia permanecer mais naquela sala. Então apareceu Vierna a seu lado, com sua túnica aberta pela
parte dianteira. Drizzt, com a cabeça um pouco mais clara, tinha começado a pensar no preço de suas ações. Desconcertou-o ver que a expressão no rosto de sua irmã
não era de rechaço. -Prefere a intimidade? -disse Vierna, que apoiou sua mão no ombro do Drizzt sem se incomodar em cobrir o corpo. Compreendo-te. -Que loucura
é esta? -perguntou Drizzt, apartando a mão de sua irmã com um gesto brusco.

O rosto da Vierna se retorceu de ira ao compreender os motivos que tinham levado a seu irmão a sair da sala. -rechaçaste a uma grande sacerdotisa! -gritou. Tornaste-te
louco! Estava em seu direito de te matar por sua insolência! -Nem sequer a conhecia -replicou Drizzt. Acaso se supõe que...? -Tem que te comportar tal como
lhe ensinaram! -Não sinto nada por ela -gaguejou Drizzt. Descobriu que lhe tremiam as mãos. -Crie que Zaknafein sentia algo pela matrona Malícia? -respondeu
Vierna, consciente de que a referência ao herói do Drizzt lhe incomodaria. Ao ver que o sarcasmo tinha ferido a seu irmão, Vierna suavizou sua expressão, agarrou-o
do braço e com voz arrulladora acrescentou-: Retorna à sala. Ainda há tempo. O gélido olhar do Drizzt a deteve como se fosse a ponta de uma cimitarra. -A rainha
aranha é a deusa de nossa gente -recordou-lhe Vierna, severo. Eu sou uma das que manifestam sua vontade. -Eu em seu lugar não me sentiria muito orgulhoso -replicou
Drizzt, que apelou a sua cólera para rebater o medo que ameaçava fazendo renunciar a seus princípios. -Volta agora mesmo para a cerimônia! -gritou Vierna, acompanhando
suas palavras com um sonoro bofetão. -Vete a beijar a uma aranha -respondeu Drizzt, furioso. E oxalá seus pinzas lhe arranquem sua asquerosa língua da boca.
Esta vez foi Vierna a que não pôde controlar o tremor de suas mãos. -Teria que ter mais cuidado quando fala com uma grande sacerdotisa -advertiu-lhe. -Maldita
seja sua rainha aranha! -exclamou Drizzt. Embora esteja seguro de que Lloth vive amaldiçoada há milênios! -Ela nos dá o poder! -uivou Vierna. -Ela nos tira
todo aquilo que possa ser digno! -respondeu o jovem. Valemos menos que a pedra que pisamos! -Sacrilégio! -afirmou Vierna, com um tom idêntico ao estalo do látego
da dama matrona. Um grito de êxtase surgiu do interior da sala. -A união do mal! -murmurou Drizzt, enojado. -Também há um benefício -assinalou Vierna, muito
mais acalmada. -passaste por esta experiência? -perguntou-lhe Drizzt, com um olhar acusador. -Sou uma grande sacerdotisa -repôs Vierna. Drizzt teve a sensação
de que o envolvia um manto de negrume e se cambaleou da ira. -Satisfez-te? -interrogou-a, depreciativo. -Deu-me poder -grunhiu Vierna. Um valor que não compreende.
-E qual foi o preço? A bofetada da Vierna quase o tombou ao chão. -me acompanhe -disse a grande sacerdotisa, sujeitando ao Drizzt pelo peito de sua túnica.
Há um lugar que quero que conheça. Saíram do Arach-Tinilith e cruzaram o pátio da Academia. O jovem vacilou quando chegaram aos pilares que marcavam a entrada do
Tier Breche. -Não posso passar por aqui -recordou a sua irmã. Ainda não me graduei no MeleeMagthere. -Uma formalidade sem importância -respondeu Vierna, sem
demorar o passo. Sou professora do Arach-Tinilith. Tenho a potestad de te graduar. Drizzt não sabia se acreditar na afirmação de sua irmã, mas possivelmente era
algo que sim podia fazer. Em qualquer caso, e a pesar do respeito que sentia pelas normas da Academia, não queria zangar ainda mais a Vierna. Seguiu-a pela larga
escada de pedra e pelas intrincadas ruas da cidade. -Vamos a casa? -atreveu-se a perguntar ao cabo de uns minutos. -Ainda não -respondeu Vierna sem entrar em
detalhes, e Drizzt decidiu não insistir. desviaram-se para o setor leste da grande caverna, que se estendia ao outro lado da parede que sustentava a casa Dou'Urdem,
e chegaram às entradas de três pequenos túneis vigiados pelas resplandecentes estatua de escorpiões gigantes. Vierna fez uma curta pausa para orientar-se, e depois
entrou no túnel mais pequeno. Os minutos se converteram em uma hora, e ainda continuavam a marcha. O túnel se fez mais amplo e muito em breve chegaram a uma zona
de catacumbas que era um autêntico labirinto de corredores entrecruzados. Então, além de uma arcada não muito alta, o estou acostumado a desapareceu e se encontraram
em uma estreita cornija que se abria a um profundo abismo. Drizzt dirigiu a sua irmã um olhar de curiosidade

mas conteve sua pergunta ao ver que estava em transe. A sacerdotisa murmurou umas quantas ordens singelas e a seguir tocou com a ponta dos dedos a frente do Drizzt
e a sua. -Vêem -disse Vierna, e ela e Drizzt saltaram da cornija para levitar até o fundo do abismo. Uma névoa muito tênue, procedente de um manancial quente ou
um poço invisível de breu, cobria a pedra. Drizzt notou a proximidade do perigo e do mal. No ar flutuava algo perverso, tão tangível como a névoa. -Não tenha medo
-transmitiu-lhe Vierna com o código manual. Protege-nos um feitiço. Não podem nos ver. -Quais? -perguntaram as mãos do Drizzt, mas enquanto transmitia sua pergunta,
escutou algo que se movia. Seguiu o olhar da Vierna até um penhasco longínquo e a coisa que havia em cima. Em um primeiro momento, Drizzt pensou que se tratava de
um elfo escuro. E o era da cintura para acima, embora inchado e pálido; em troca, a parte inferior de seu corpo se parecia com o de uma aranha, com oito patas que
suportavam o tronco. A criatura sustentava nas mãos um arco esticado mas parecia confusa, como se não pudesse descobrir aos intrusos. Vierna sentiu prazer ao ver
a expressão de repugnância no rosto de seu irmão enquanto contemplava a coisa. -Olha-o bem, irmão menor -assinalou-lhe. Contempla o destino daqueles que provocam
a ira da rainha aranha. -O que é? -apressou-se a transmitir Drizzt. -Uma draraña -sussurrou Vierna a seu ouvido. Depois voltou para código mudo para acrescentar-:
Lloth não é uma deusa misericorde. Drizzt observou, hipnotizado, como a draraña se movia sobre o penhasco em busca dos intrusos. Drizzt não podia distinguir se era
varão ou fêmea, por culpa do inchaço do torso, mas compreendeu que não tinha importância. A criatura não era criação natural e não teria descendência. Não era mais
que um corpo atormentado, que provavelmente se odiava a si mesmo mais que a qualquer outra costure a seu redor. -Eu sim sou misericordiosa -continuou Vierna por
gestos, embora sabia que a atenção de seu irmão se centrava unicamente na draraña, e se apoiou com todo o corpo contra a pedra. Drizzt se voltou para ela, ao compreender
súbitamente qual era sua intenção. -Adeus, irmão menor -despediu-se Vierna enquanto se afundava na rocha. Este é um destino muito melhor do que te merece. -Não!
-gritou Drizzt, aranhando em vão a nua pedra. Uma flecha se cravou então em uma de suas pernas. As cimitarras apareceram em suas mãos, e deu meia volta para enfrentar-se
ao perigo. A draraña se dispunha a lançar a segunda flecha. Drizzt pretendeu mergulhar-se detrás de um penhasco próximo que lhe podia oferecer amparo, mas sua perna
ferida não o sustentou. Notou-a intumescida e sem forças. Veneno. O jovem conseguiu levantar uma espada bem a tempo para desviar a trajetória da segunda flecha,
e se deixou cair sobre o joelho são para atender sua ferida. Podia sentir como o veneno gelado subia pela perna, mas decidiu que quão único podia fazer era tirar
a flecha, e sem perder um segundo a arrancou de um puxão. Voltou sua atenção ao atacante e compreendeu que teria que deixar a padre para mais tarde. O mais urgente
era escapar do abismo. voltou-se para procurar um lugar isolado do qual poder levitar até a cornija, mas se encontrou cara a cara com outra draraña. Uma tocha se
abateu contra seu ombro e falhou o branco por um par de centímetros. Drizzt parou o golpe de retorno e lançou uma estocada com a segunda cimitarra, que a draraña
desviou com sua segunda tocha. Drizzt se sentia recuperado, e confiou em poder derrotar a este inimigo, inclusive com a desvantagem da perna ferida, até que uma
flecha o golpeou nas costas. O jovem se viu impulsionado para diante pela força do impacto, embora teve tempo para deter outro ataque da draraña que tinha em frente.
Depois caiu, primeiro de joelhos e a seguir de bruces contra o chão. Quando a draraña armada com as tochas avançou convencida de que o jovem tinha morrido, Drizzt
rodou sobre si mesmo até situar-se diretamente debaixo do pendente abdômen da criatura. Levantou a cimitarra e a afundou com todas suas forças; depois se acurrucó
para proteger-se dos fluidos aracnídeos. A draraña ferida tentou afastar-se mas caiu de flanco, com as tripas esparramadas pelo chão. Entretanto, Drizzt não tinha
salvação. Agora tinha os braços intumescidos pela peçonha, e quando a outra criatura avançou para ele já não tinha forças para defender-se. Lutou para não deprimir-se
e procurou uma saída, algo que lhe permitisse escapar a este espantoso final. Pesavam-lhe as pálpebras... Então Drizzt sentiu que uma mão lhe sujeitava a túnica,
levantava-o sem olhares e o esmagava contra a parede de pedra. Abriu os olhos e viu o rosto de sua irmã.

-Está vivo -escutou que dizia. Temos que tirar o daqui depressa e atender suas feridas. Outra figura se moveu ante seus olhos. -Acreditei que era a melhor solução
-desculpou-se Vierna. -Não podemos nos permitir o luxo de perdê-lo -disse uma voz fria. Drizzt reconheceu a voz do passado. Lutou contra o véu que lhe cobria
os olhos e forçou o olhar. -Malícia... -sussurrou. Mãe... A bofetada lhe devolveu a claridade mental. -Matrona Malícia! -grunhiu a matrona com o rosto quase
pego ao do Drizzt. Não o esqueça nunca! Para o Drizzt, a frieza de sua mãe rivalizava com a do veneno, e seu alívio ao vê-la desapareceu com a mesma rapidez com
que aquele se propagou por seu interior. -Deve aprender qual é seu lugar! -rugiu Malícia, reiterando a ordem que tinha açoitado ao Drizzt durante toda sua adolescência.
Escuta minhas palavras -ordenou-lhe, e Drizzt lhe emprestou toda sua atenção-: Vierna te trouxe para este lugar para que lhe matassem. mostrou-se misericordiosa.
Malícia dirigiu um olhar de desilusão a sua filha. -Conheço a vontade da rainha aranha melhor que ela -continuou a matrona, cuja saliva orvalhava o rosto do Drizzt
com cada palavra. Se alguma vez voltar a insultar ao Lloth, nossa deusa, eu mesma me encarregarei de te trazer para este lugar. Mas não para te matar. Isso seria
muito fácil. Sujeitou ao Drizzt do queixo e o obrigou a olhar para os restos da draraña que tinha matado. -Trarei-te aqui -prometeu-lhe Malícia- para te converter
em uma draraña.

QUARTA PARTE

Guenhwyvar

Que olhos são estes que vêem a dor que sofro no fundo de meu ser? Que olhos são estes que vêem os retorcidos passos de minha gente, guiados pela esteira de brinquedos
mortais: espada, flecha e dardos? Pertencem a ti, a ti que corre com passo elástico, brandamente com suas garras acolchoadas, as garras escondidas, armas usadas
quando é necessário, sem as manchas de sangue inocente ou do engano assassino. Cara a cara, é meu espelho; o reflexo na água mansa junto à luz. Que não daria de
ter aquela imagem sobre meu próprio rosto! Que não daria de ter aquele coração em meu próprio peito! Não perca a orgulhosa honra de seu espírito, capitalista Guenhwyvar,
e manten a meu lado, meu queridísima amiga.
DRIZZT DOU'URDEM

17

Bem-vindo ao lar

Drizzt se graduou -oficialmente- na data fixada e com as mais altas honras. Possivelmente a matrona Malícia tinha feito os comentários adequados aos ouvidos das
mais altas instâncias, para tirar ferro às indiscrições de seu filho, mas Drizzt suspeitava que nenhum dos presentes na cerimônia de graduação recordava sequer que
se partiu. Atravessou o portão cenário da casa Dou'Urdem, seguido pelo olhar dos soldados, e caminhou até situar-se debaixo do balcão. -voltei para meu lar -murmurou-,
se é que a isto o pode chamar assim. depois do acontecido na toca das drarañas, Drizzt se perguntou se alguma vez poderia voltar a pensar na casa Dou'Urdem como
seu lar. A matrona Malícia o esperava, e ele não se atreveu a chegar tarde. -Alegra-me verte outra vez em casa -saudou-o Briza quando o viu levitar até a balaustrada.
Drizzt passou com cautela através da arcada e avançou para sua irmã maior, enquanto tentava fazer uma idéia mais concreta do entorno. Sua irmã o tinha denominado
lar, mas Drizzt encontrava tão estranha a casa Dou'Urdem como a Academia no primeiro dia de estudante. Dez anos não era um período comprido nos séculos de vida de
um elfo escuro, mas em seu caso era algo mais que uma década de ausência o que o separava deste lugar. Maia se uniu a eles no grande corredor que conduzia à sala
de espera da capela. -Minhas saudações, príncipe Drizzt -disse, em um tom que o jovem foi incapaz de descobrir se era sarcástico ou não. Inteiramo-nos que as
honras que conseguiste no Melee-Magthere. Seus lucros orgulham à casa Dou'Urdem. -Apesar de suas palavras, esta vez Maia foi incapaz de conter uma gargalhada de
desprezo quando acrescentou-: Alegra-me ver que não acabaste comido por uma draraña. O olhar do Drizzt apagou o sorriso dos lábios de Maia. As duas irmãs intercambiaram
um olhar de preocupação. Sabiam o castigo imposto pela Vierna a seu irmão menor, e também a ameaça da matrona Malícia de convertê-lo em draraña se não respondia
às expectativas postas nele. As duas aproximaram as mãos a seus látegos de cabeças de serpente, atentas à reação do jovem ao que tinham por amalucado e rebelde.
Não eram a matrona Malícia ou as irmãs do Drizzt as que agora obrigavam ao jovem a meditar cada passo que dava. Era consciente de sua posição respeito a sua mãe
e sabia o que devia fazer para apaziguá-la. Não obstante, havia outro membro da família que provocava o desconcerto e a cólera do Drizzt. De todos seus parentes,
só Zaknafein simulava ser o que não era. Enquanto caminhava para a capela, observou atentamente cada um dos corredores laterais, perguntando-se se Zak apareceria
em algum momento. -Quando te unirá à patrulha? -inquiriu Maia. Pergunta-a tirou o Drizzt de seu ensimismamiento. -dentro de dois dias -respondeu Drizzt, ausente,
sem deixar de vigiar os corredores. Chegou à porta da sala de espera sem ter visto o Zak. Possivelmente o professor de armas se encontrava no interior junto a Malícia.
-Estamos à corrente de suas indiscrições -declarou Briza bruscamente em um tom desanimado, no momento em que sujeitava o trinco. O jovem não se surpreendeu ante
o estalo. Começava a prever estas mudanças súbitas na grande sacerdotisa da rainha aranha. -por que não te limitou a desfrutar dos prazeres da cerimônia? -acrescentou
Maia. tivemos sorte de que as damas e a matrona da Academia estivessem tão ocupadas em sua própria satisfação como para não advertir seus movimentos. Teria envergonhado
a toda nossa casa! -Inclusive poderia ter feito que a matrona Malícia perdesse o favor do Lloth -apressou-se a assinalar Briza. "Oxalá tivesse sido assim", pensou
Drizzt.

Imediatamente apartou a idéia de sua mente ao recordar a capacidade da Briza para ler os pensamentos alheios. -Só podemos rogar para que tal desgraça não caia sobre
nós -comentou-lhe Maia a sua irmã com tom severo. Os rumores de guerra são cada vez mais insistentes. -aprendi qual é meu sítio -afirmou Drizzt. Fez uma reverência.
Vos rogo seu perdão, irmãs, e saibam que a verdade do mundo drow aparece cada vez mais clara ante meus inexperientes olhos. Nunca mais farei nada que possa desiludir
à casa Dou'Urdem. Tão contentes se mostraram as irmãs com a declaração que passaram por cima a ambigüidade das palavras do Drizzt. pouco disposto a abusar de sua
sorte, o jovem passou junto a elas e cruzou a porta. Observou com alívio que Zaknafein não estava presente. -Elogiada seja a rainha aranha! -gritou Briza a suas
costas. Drizzt se deteve e se deu meia volta para enfrentar-se ao olhar de sua irmã. -Como deve ser -murmurou, fazendo uma nova reverência. Escondo entre as sombras
e desde uns metros de distância, Zak tinha vigiado cada um dos movimentos do Drizzt, em um intento por valorar os efeitos que uma década na Academia tinham tido
no jovem guerreiro. Advertiu que tinha desaparecido o sorriso que habitualmente iluminava suas feições, e supôs que também devia ter desaparecido a inocência que
tinha mantido a seu aluno como um ser além do resto do Menzoberranzan. Zak se apoiou desconsolado contra a parede de um corredor lateral. Tinha escutado só retalhos
da conversação mantida diante da porta da sala de espera. Sobre tudo tinha escutado com toda claridade a conformidade do Drizzt com os louvores ao Lloth pronunciadas
pela Briza. "O que tenho feito?", perguntou-se o professor de armas. apareceu um segundo para espiar pelo corredor principal, mas a porta da sala de espera estava
fechada. "É certo que quando Miro ao drow... ao guerreiro drow!... que era meu mais apreciado tesouro, envergonho-me de minha covardia -lamentou-se Zak. O que
perdeu Drizzt que possivelmente eu poderia ter salvado?" Desencapou a espada e passou a gema dos dedos pelo aço, afiado como uma navalha. "Teria sido muito melhor
espada de ter provado o sangue do Drizzt Dou'Urdem -pensou-, para negá-lo a este mundo, nosso mundo, o sacrifício de sua inocência, para ao menos liberar o dos
intermináveis torturas da vida." Tocou o chão com a ponta da espada. -Mas sou um covarde -sussurrou. fracassei no único ato que poderia ter dado sentido a minha
miserável existência. Por isso se vê, o segundo filho da casa Dou'Urdem vive, mas Drizzt Dou'Urdem, meu discípulo, morreu faz muito tempo. -Zak voltou a olhar o
sítio onde tinha estado Drizzt e de repente seu rosto se retorceu em uma careta. Entretanto, o impostor vive. Um guerreiro drow! A espada do professor de armas
caiu ao chão enquanto Zak afundava a cabeça nas Palmas de suas mãos, o único escudo que Zaknafein Dou'Urdem tinha encontrado ao longo de toda sua vida. Drizzt dedicou
grande parte do dia seguinte ao descanso. encerrou-se em sua habitação para não ter que encontrar-se com os outros membros da família. Malícia o tinha despachado
sem lhe dirigir a palavra em seu primeiro encontro, mas Drizzt não queria enfrentar-se outra vez com sua mãe. Tampouco tinha muito que lhes dizer a Briza e a Maia,
preocupado porque cedo ou tarde acabassem por captar as verdadeiras conotações de suas respostas blasfemas. E sobre tudo Drizzt não queria ver o Zaknafein, o professor
ao que uma vez tinha considerado como a salvação ante a terrível realidade do entorno, a única luz resplandecente na escuridão que era Menzoberranzan. Esta também,
acreditava Drizzt, tinha sido só uma mentira. Em seu segundo dia na casa, quando Narbondel, o relógio da cidade, tinha começado seu ciclo de luz, abriu-se a porta
da pequena habitação do Drizzt e entrou Briza. -Uma audiência com a matrona Malícia -anunciou, desanimada. Um milhar de pensamentos desfilaram pela mente do Drizzt
enquanto recolhia as botas e seguia à irmã maior pelos corredores que conduziam à capela. Acaso Malícia e outros tinham descoberto a verdade de seus sentimentos
para a maligna deusa? Que novos castigos lhe esperavam? Quase sem dar-se conta dirigiu um olhar de desconfiança às aranhas esculpidas no arco da entrada à capela.
-Teria que te sentir mais a gosto e depravado neste lugar -reprovou-lhe Briza ao ver sua inquietação. É o lugar que encarna as maiores glorifica de nossa gente.
Drizzt baixou o olhar e não respondeu.

Inclusive teve muito cuidado em não pensar em nenhuma das cáusticas respostas que albergava no coração. Seu desconcerto foi ainda major quando entraram na capela,
porque além da presença do Rizzen, Maia e Zaknafein junto ao trono da matrona Malícia, também se encontravam pressentem Dinin e Vierna. -De joelhos -ordenou Malícia.
Toda a família obedeceu a ordem. A mãe matrona se passeou lentamente entre eles, e todos olharam ao chão em um gesto de reverência, ou possivelmente unicamente de
sentido comum, enquanto passava a grande dama. Malícia se deteve quando chegou junto ao Drizzt. -Desconcerta-te a presença do Dinin e Vierna -disse. Drizzt a olhou.
Ainda não compreende a sutileza dos métodos para nossa sobrevivência? -Acreditava que meus irmãos tinham que permanecer na Academia -desculpou-se Drizzt. -Isso
não nos daria nenhuma vantagem -replicou Malícia. -Acaso ter a uma grande sacerdotisa e a um professor na Academia não dá poder à casa? - atreveu-se a perguntar
Drizzt. -Efetivamente -respondeu Malícia-, mas divide o poder. ouviste os rumores que falam de uma guerra? -escutei algumas insinuações a respeito -disse Drizzt,
com o olhar posto na Vierna-, embora nada mais concreto. -Insinuações? -bufou Malícia, zangada porque seu filho não entendia a gravidade da situação. É muito
mais do que ouvem a maioria das casas antes de que caia a espada! -Deu meia volta e se dirigiu a todo o grupo. Os rumores são certos. -Quem? -inquiriu Briza.
Que casa conspira contra a casa Dou'Urdem? -Nenhuma inferior à nossa -respondeu Dinin, embora a pergunta não ia dirigida a ele e tampouco tinha autorização para
falar. -Como sabe? -perguntou a mãe matrona, que deixou acontecer a indiscrição. Malícia compreendia o valor do Dinin e sabia que seus contribua à discussão podiam
ser importantes. -Somos a casa novena da cidade -raciocinou Dinin-, mas entre nós há quatro grandes sacerdotisas, duas delas antigas professoras do Arach-Tinilith.
-Olhou ao Zak. Também temos dois velhos professores do Melee-Magthere, e ao Drizzt, que mereceu as mais altas qualificações da escola de guerreiros. Nossos soldados
rondam os quatrocentos, todos eles peritos e aguerridos no combate. Muito poucas casas podem dizer o mesmo. -Vê o grão -pediu-lhe Briza, impaciente. -Somos a
casa novena -respondeu Dinin, com uma gargalhada. Mas muito poucas das que há por cima nosso podem nos derrotar... -E nenhuma das inferiores -acabou a matrona
Malícia por ele. Tem bom julgamento, filho maior. cheguei às mesmas conclusões. -Uma das grandes casa teme à casa Dou'Urdem -interveio Vierna. Precisa nos
eliminar para proteger sua própria posição. -É o que acredito -afirmou Malícia. Uma prática pouco habitual, porque as guerras entre famílias são iniciadas pelas
casas inferiores que procuram elevar sua posição dentro da hierarquia da cidade. -Então devemos ter muito cuidado -opinou Briza. Drizzt escutava muito atento a
conversação, tentando descobrir seu sentido. Seu olhar não se separava do Zaknafein, que permanecia impassível. O que pensaria o rude professor de armas de tudo
isto?, perguntou-se o jovem. Entusiasmava-o o começo de uma nova guerra? Esperava com ânsias poder matar a mais elfos escuros? Zak não dava nenhuma amostra de seus
pensamentos. Seguia ajoelhado em silêncio e, a julgar pelas aparências, nem sequer seguia a conversação. -Não pode ser Baenre -disse Briza, em um tom que parecia
procurar a confirmação de outros. Não é possível que representemos uma ameaça para eles. -Oxalá tenha razão -replicou Malícia muito séria ao recordar com toda
claridade sua visita à casa regente. O mais provável é que seja uma das casas débeis por cima da nossa, preocupada com a insegurança de sua posição. Ainda não
pude conseguir uma informação precisa contra nenhuma em particular, assim devemos estar preparados para o pior. Esta é a razão pela que ordenei a volta da Vierna
e Dinin. -Se descobrirmos quem som nossos inimigos... -interveio Drizzt de repente. Todas as olhadas se centraram nele. Já era bastante grave que o filho maior
falasse sem autorização, mas que o segundo filho, recém saído da Academia, fizesse o mesmo podia considerar-se como uma blasfêmia. Disposta a escutar todas as opiniões,
a matrona Malícia passou por cima a falta. -Continua -ordenou.

-Se descobrirmos qual é a casa que intriga contra nós -prosseguiu Drizzt-, não poderíamos denunciá-los? -Com que fim? -protestou Briza. O fato de conspirar
não é um crime em si mesmo. Tem que haver uma concreção material. -E se utilizarmos a disuasión? -insistiu Drizzt, sem fazer caso dos olhares incrédulos de todos
os pressente, exceto Zak. Se formos os mais fortes, então deixemos que se rendam sem necessidade de uma guerra. Que a casa Dou'Urdem assuma a fila que se merece
e que desapareça o motivo de conflito com a casa mais débil. Malícia sujeitou ao Drizzt pelo peito de sua capa e o levantou no ar como se fosse um boneco. -Por
esta vez perdoarei suas estupidezes! -grunhiu. Abriu a mão e o deixou cair ao chão enquanto seus irmãos o observavam com autêntico desprezo. Uma vez mais, a expressão
do Zak era distinta da dos outros presentes na sala de espera da capela. O professor de armas aproximou uma mão à boca para dissimular um sorriso. Possivelmente
ainda ficava algo do Drizzt Dou'Urdem que tinha conhecido. Possivelmente a Academia não tinha podido destruir o espírito do jovem guerreiro. Malícia se voltou para
o resto da família, com um olhar iluminado pelo fogo da fúria, a ambição e a cobiça. -Este não é o momento de ter medo! -gritou, assinalando com um de seus magros
dedos posto à altura do rosto. Este é o momento de sonhar! Somos a casa Dou'Urdem, Daermon N'a'shezbaernon, com um poder além da compreensão das grandes casa.
Somos a arma secreta desta guerra. Temos todas as vantagens! "Casa novena? -acrescentou com uma gargalhada. dentro de muito pouco só haverá sete casas diante
de nós! -O que tem que a patrulha? -quis saber Briza. Deixaremos que o segundo filho vá sozinho, exposto ao perigo? -A patrulha é o primeiro passo de nossa
vantagem -explicou a ardilosa matrona. Drizzt cumprirá com o serviço, e incluídos em seu grupo haverá ao menos um representante de quatro das casas que estão
por cima de nós. -Qualquer deles poderia atacá-lo -opinou Briza. -Não -tranqüilizou-a Malícia. Nossos inimigos na guerra em florações não tirarão o chapéu
com tanta claridade; ainda não. O assassino teria que derrotar a dois Dou'Urdem para conseguir seu propósito. -Dois? -perguntou Vierna. -Uma vez mais, Lloth nos
dispensou seu favor -explicou Malícia. Dinin dirigirá a patrulha do Drizzt. -Então Drizzt e eu poderíamos nos converter nos assassinos deste conflito -exclamou
Dinin, com o rosto aceso pelo entusiasmo. Estas palavras apagaram o sorriso da mãe matrona. -Não atacará sem meu consentimento -advertiu-lhe em um tom tão gelado
que Dinin compreendeu claramente as conseqüências se o desobedecia-, como tem feito no passado. Drizzt não passou por cima a referência ao Nalfein, o irmão assassinado.
Sua mãe sabia! Malícia não tinha feito nada para castigar ao filho assassino. Agora tocou ao Drizzt levar uma mão ao rosto para esconder uma expressão de horror
que só teria servido para lhe criar mais problemas. -Irá ali a aprender -acrescentou Malícia-, para proteger a seu irmão, da mesma maneira que Drizzt protegerá
a ti. Não podemos perder a vantagem por conseguir uma só morte. -Um sorriso maligno apareceu em seu ebúrneo rosto. Mas se lhes inteiram de quem é seu inimigo...
-Se surgir a oportunidade adequada... -concluiu Briza, que tinha adivinhado os malignos pensamentos da mãe, com um sorriso cruel. Malícia dirigiu à filha maior
um sorriso de felicitação. Briza podia ser uma magnífica sucessora de sua posição na casa! Também Dinin exibiu um sorriso lascivo. Nada agradava mais ao filho maior
da casa Dou'Urdem que a possibilidade de cometer um assassinato. -chegou o momento de ficar em marcha -disse Malícia. Recordem que o olhar do inimigo está posta
em nós. Vigiam cada um de nossos movimentos e só esperam o momento de atacar. como sempre, Zak foi o primeiro em sair da capela, esta vez com mais viveza no passo.
Não era a perspectiva de liberar outra batalha a que guiava seus movimentos, embora o agradava a idéia de poder matar a mais sacerdotisas do Lloth. A esperança tinha
revivido no peito do professor de armas ao ver as amostras de ingenuidade do Drizzt, sua interpretação errônea da sociedade drow. Drizzt observou a saída do Zak,
convencido de que a elasticidade no passo refletia suas ânsias de morte. O jovem não sabia se seguir ao professor de armas e enfrentar-se a ele de uma vez por todas
ou deixar

passar a ocasião e apagar o de sua mente como tinha feito com a maioria das crueldades que o rodeavam neste mundo. A matrona Malícia tomou a decisão por ele quando
se interpôs em seu caminho e o reteve na capela. -Só te direi isto -manifestou assim que saíram outros. escutaste a missão que pus em seus ombros. Não tolerarei
mais fracassos! Drizzt se encolheu ante o poder da voz. -Protege a seu irmão -advertiu-lhe-, ou entregarei ao Lloth para que te castigue como cria conveniente.
Drizzt compreendeu as implicações e, embora não era necessário, a matrona sentiu prazer em soletrar-lhe Não desfrutará de sua vida de draraña. Um raio percorreu
as negras águas da superfície do lago subterrâneo, e calcinou as cabeças dos trolls aquáticos. Os ruídos do combate ressonavam na caverna. Drizzt tinha a um dos
monstros -chamado-los pellejudos-apanhado em uma pequena península e lhe impedia que pudesse retornar à água. Normalmente, um só drow enfrentado mão a emano a
um troll aquático não tinha nenhuma vantagem, mas como tinham podido aprender outros integrantes da patrulha nas últimas semanas, Drizzt não tinha nada de normal.
O pellejudo avançou, sem dar-se conta do perigo. Um velocísimo golpe das cimitarras do Drizzt cortou os braços da criatura, e o jovem se adiantou para rematá-la,
conhecedor dos poderes regenerativos dos trolls. Então outro pellejudo saiu da água, detrás dele. Drizzt tinha esperado a manobra e não deu nenhum sinal de ter visto
o segundo troll. Manteve a concentração em seu adversário e continuou descarregando golpes contra o inerme tronco do pellejudo. No momento em que o monstro a suas
costas se dispunha a lhe cravar as garras, Drizzt se deixou cair de joelhos. -Agora! -gritou. A pantera oculta, escondida nas sombras na base da península, não
vacilou. Em um primeiro salto ficou em posição, e com o segundo voou pelo ar, aterrissou sobre o despreparado pellejudo e lhe arrancou a vida sem lhe dar tempo de
responder ao ataque. Drizzt acabou de rematar a seu troll e se voltou para admirar o trabalho da pantera. Estendeu uma mão, e o enorme felino esfregou o focinho
contra a palma. "Que bem chegamos a nos conhecer!", pensou o jovem. ouviu-se o trovão de outro raio, este o bastante perto para cegar ao Drizzt durante uns segundos.
-Guenhwyvar! -gritou Masoj Hun'ett, autor do disparo. Volta aqui! A pantera roçou a perna do Drizzt enquanto obedecia a ordem. Quando recuperou a visão, Drizzt
partiu na direção oposta para não presenciar a reprimenda que Guenhwyvar sempre recebia cada vez que o felino e ele trabalhavam juntos. Masoj observou as costas
do jovem que se afastava e desejou poder descarregar um terceiro raio entre os omoplatas de Dou'Urdem. Entretanto, o mago da casa Hun'ett era consciente da ameaçadora
presença do Dinin Dou'Urdem, que de um extremo vigiava a cena com muita atenção. -Aprende de uma boa vez quem é seu amo! -reprovou- Masoj ao Guenhwyvar. Muito
freqüentemente, a pantera abandonava ao mago para unir-se ao combate com o Drizzt. Masoj sabia que o felino se adaptava melhor aos movimentos do guerreiro, mas também
sabia quão vulnerável era um mago enquanto praticava sua arte. Desejava ter ao Guenhwyvar a seu lado para que o protegesse dos inimigos e também dos "amigos". -Desaparece!
-ordenou ao tempo que lançava o talismã ao chão. Na distância, Drizzt se enfrentou a outro pellejudo e o matou em questão de minutos. Masoj sacudiu a cabeça, admirado
pela exibição de esgrima. Cada dia, Drizzt era mais forte. -Não demore muito em dar a ordem para que o mate, matrona SiNafay-sussurrou Masoj. O jovem mago não
sabia até quando poderia estar em condições de realizar o trabalho. Masoj se perguntou se já não seria muito tarde. Drizzt se protegeu os olhos enquanto acendia
uma tocha destinada a queimar ao troll morto. Só o fogo impedia que os pellejudos pudessem regenerar-se, inclusive nas tumbas. O jovem drow advertiu que os outros
combates também tinham acabado e viu as chamas das tochas a todo o comprido da ribeira do lago. perguntou-se quantos dos doze elfos que formavam o grupo seguiam
com vida e pensou se em realidade tinha alguma importância. Havia muitos mais dispostos a substitui-los.

Drizzt sabia que o único companheiro importante -Guenhwyvar- encontrava-se seguro no plano astral. Escutou o eco da voz do Dinin que ordenava aos escravos goblins
e outros procurar o tesouro dos trolls e recuperar todo aquilo em poder dos pellejudos que pudesse ser de utilidade. Quando o fogo consumiu o corpo do troll, Drizzt
apagou a tocha inundando-a na negra água e depois esperou a que os olhos se habituassem uma vez mais à escuridão. -Outro dia -murmurou muito brandamente-, outro
inimigo derrotado. Desfrutava com a excitação de formar parte da patrulha, da emoção do risco e do fato de utilizar suas armas para acabar com autênticos monstros.
De todos os modos, nem sequer ali podia escapar da apatia que invadia sua vida, da resignação que marcava cada passo. Porque, embora nas batalhas que liberava diariamente
contra os horrores da Antípoda Escura matava por necessidade, Drizzt não tinha esquecido o encontro na capela da casa Dou'Urdem. Não demoraria para chegar o momento
no que suas cimitarras seriam utilizadas para acabar com as vidas de outros elfos escuros. Zaknafein contemplou Menzoberranzan do balcão de seus aposentos como fazia
cada noite quando a patrulha do Drizzt saía da cidade. O professor de armas vivia dividido entre seu desejo de escapar da casa Dou'Urdem para combater junto ao jovem,
e a esperança de que a patrulha retornasse com a notícia de que Drizzt tinha morrido. Conseguiria alguma vez encontrar a resposta ao dilema do jovem Dou'Urdem? Zak
sabia que não podia sair da casa, pois a matrona Malícia o vigiava de perto. Pressentia a angústia do professor pelo Drizzt e não estava de acordo. Ela e Zak tinham
sido amantes em mais de uma ocasião, mas era a única coisa que compartilhavam. Zak recordou as brigas que tinha tido com Malícia respeito a Vierna, outra de suas
filhas, fazia séculos. Vierna era uma fêmea, com o destino selado do momento de nascer, e Zak não tinha podido evitar sua submissão ao culto da rainha aranha. Acaso
Malícia acreditava capaz de influir nas ações de um filho varão? Ao parecer era assim, embora Zak não tinha muito claro se os temores tinham justificação; ele mesmo
era incapaz de valorar sua influência no Drizzt. Olhou o panorama do Menzoberranzan, e esperou em silêncio a volta da patrulha, confiando em ver o Drizzt são e salvo,
mas também com o desejo íntimo de que as garras e as presas de algum monstro houvessem resolvido de uma vez para sempre o dilema.

18

O quarto traseiro

-Saudações, Sem Rosto -disse a grande sacerdotisa enquanto entrava nas habitações privadas do Alton no Sorcere. -O mesmo digo, dama Vierna -replicou Alton, que
com muita dificuldade conseguiu impedir que o medo aparecesse em sua voz. A presença da Vierna Dou'Urdem em seus aposentos e neste momento não podia ser algo casual.
A que devo a honra da visita de uma professora do Arach-Tinilith? -Já não sou uma professora da Academia -informou-lhe Vierna. retornei a minha casa. Alton fez
uma pausa para considerar a novidade. Estava à corrente de que Dinin Dou'Urdem também tinha renunciado à Academia. -A matrona Malícia reuniu outra vez à família
-acrescentou Vierna. Correm rumores de guerra. Sem dúvida, terão-os escutado. -Só são rumores -gaguejou Alton, ao entrever a razão da visita da Vierna. A casa
Dou'Urdem tinha utilizado ao Sem Rosto em seu complô anterior, em seu intento de assassinar ao Alton! Agora, com os rumores de guerra que se escutavam por todo Menzoberranzan,
a matrona Malícia pretendia reorganizar sua rede de espiões e assassinos. -Sabe o que dizem? -perguntou-lhe Vierna, imperiosa. -ouvi algumas costure -sussurrou
Alton, muito atento a não provocar a ira da poderosa dama. Nada com a importância suficiente para informar a sua casa. Reconheço que nem sequer pensava em que
a casa Dou'Urdem pudesse estar envolta até agora mesmo, quando me hão isso dito. Alton só podia confiar em que Vierna não tivesse um feitiço detector preparado de
mentiras. -Escutem os rumores com mais atenção, Sem Rosto -disse Vierna, ao parecer satisfeita com a explicação. Meu irmão e eu deixamos a Academia; portanto,
são os olhos e os ouvidos da casa Dou'Urdem neste lugar. -Mas... -balbuciou Alton, que se interrompeu ao ver que a grande sacerdotisa levantava uma mão para fazê-lo
calar. -Sabemos que fracassamos em nosso último transação. -Vierna acompanhou suas palavras com uma reverência, um gesto que quase nunca se tinha com um homem
e muito menos por parte de uma sacerdotisa do Lloth. A matrona Malícia lhes apresenta seus mais humildes desculpa porque o ungüento que lhes enviou em pagamento
do assassinato do Alton DeVir não lhes devolveu as feições. Alton quase sofreu um sufoco ao escutar estas palavras; agora compreendia por que um mensageiro desconhecido
lhe tinha entregue um frasco de ungüento fazia coisa de uns trinta anos atrás. A figura embuçada tinha sido um agente da casa Dou'Urdem encarregado de pagar ao Sem
Rosto o assassinato do Alton. Certamente, Alton nem sequer tinha provado o ungüento. Com a sorte que tinha, provavelmente lhe teria restituído as feições do Alton
DeVir. -Esta vez o pagamento não fracassará -prosseguiu Vierna, embora Alton, muito apanhado pela ironia da situação, apenas se a escutava. A casa Dou'Urdem
possui a vara de um mago mas não o mago capaz de utilizá-la. Pertenceu ao Nalfein, meu irmão, que morreu na vitória sobre os DeVir. Alton desejou poder matá-la naquele
mesmo momento; não obstante, controlou-se porque sua estupidez não podia chegar a tanto. -Se podem descobrir qual é a casa que intriga contra a casa Dou'Urdem -prometeu
Vierna-, a vara será sua. Todo um tesouro por um ato tão modesto. -Farei tudo o que esteja a meu alcance -respondeu Alton, estupefato pela incrível oferta. -É
o único que lhes pede a matrona Malícia -afirmou Vierna.

E abandonou os aposentos do mago, convencida de que a casa Dou'Urdem acabava de assegurá-los serviços de um espião capaz na Academia. -Dinin e Vierna Dou'Urdem
renunciaram a seus cargos -disse Alton, entusiasmado, quando a pequena mãe matrona foi a vê-lo aquela mesma noite. -É uma informação que já conhecia -replicou
SiNafay Hun'ett. Observou desdenhosa o quarto desordenado e as paredes sujadas de fuligem, e depois se sentou em um tamborete junto a uma mesa pequena. -Há algo
mais -acrescentou Alton a toda pressa, pouco disposto a irritar ao SiNafay com notícias velhas. Hoje tive uma visita inesperada, a grande sacerdotisa Vierna.
-Suspeita de nós? -grunhiu a matrona SiNafay. -Não, não! -assegurou Alton. Justamente o contrário. A casa Dou'Urdem quer me empregar como espião, da mesma
maneira que uma vez empregou ao Sem Rosto para me assassinar a mim. SiNafay fez uma pausa, desconcertada, e então soltou uma gargalhada que lhe sacudiu todo o corpo.
-Ah! -exclamou. As voltas que dá a vida! -ouvi comentar que Dinin e Vierna foram enviados à Academia só para vigiar a educação do irmão menor -acrescentou
Alton. -Uma excelente coberta -respondeu SiNafay. Vierna e Dinin foram enviados como espiões da ambiciosa matrona Malícia. Felicito-a por sua astúcia. -Agora
suspeitam que haverá problemas -afirmou Alton, sentando-se à mesa no lado oposto à mãe matrona. -Assim é -assentiu SiNafay. Masoj e Drizzt estão na mesma patrulha,
mas a casa Dou'Urdem também conseguiu colocar ao Dinin no grupo. -Então, Masoj está em perigo -raciocinou Alton. -Não -respondeu SiNafay. A casa Dou'Urdem
não sabe que a casa Hun'ett conspira contra ela. Em caso contrário não teriam vindo a verte em busca de informação. A matrona Malícia conhece sua identidade. Uma
expressão de terror apareceu no rosto do Alton. -Não sua verdadeira identidade -tranqüilizou-o SiNafay com uma gargalhada. Sabe que o Sem Rosto é Gelroos Hun'ett,
e não teria recorrido a um Hun'ett se suspeitasse de nossa casa. -Então esta é nossa oportunidade para semear o caos na casa Dou'Urdem! -gritou Alton. Se sugerir
que está implicada alguma outra casa, inclusive a Baenre, nossa posição se fortalecerá. -O mago soltou uma risita ao pensar nas possibilidades. Malícia me recompensará
com uma varinha de grande poder. Uma arma que voltarei contra ela no momento adequado! -A matrona Malícia! -corrigiu-o SiNafay, bruscamente. Embora ela e Malícia
não demorariam para enfrentar-se em uma guerra, SiNafay não podia permitir que um varão se mostrasse desrespeitoso com uma mãe matrona. Vê-te capaz de realizar
semelhante engano? -Quando a dama Vierna retorne... -DeVir, é um imbecil. Uma informação tão valiosa não poderá negociá-la com uma sacerdotisa menor. Terá que
te enfrentar com a muito mesmo matrona Malícia, uma inimizade formidável. Se descobrir suas mentiras, sabe o que fará com seu corpo? -Estou disposto a correr o
risco -afirmou Alton apoiando os braços sobre a mesa, depois de tragar o nó que lhe tinha feito na garganta. -E o que passará com a casa Hun'ett quando tirar o
chapéu a grande mentira? -perguntou SiNafay. Qual será nossa vantagem quando a matrona Malícia conheça a verdadeira identidade do Sem Rosto? -Compreendo-o -respondeu
Alton, desiludido embora incapaz de rebater a lógica do SiNafay. Então o que vamos fazer? O que vou fazer? A matrona SiNafay permaneceu em silêncio enquanto considerava
os próximos passos. -Renunciará a seu posto -respondeu por fim. Voltará para a casa Hun'ett e estará sob meu amparo. -Mas se o faço, a matrona Malícia também
terá motivos para suspeitar da casa Hun'ett -protestou Alton. -Possivelmente -replicou SiNafay-, mas é a opção mais segura. irei ver a matrona Malícia e me mostrarei
zangada. Direi-lhe que não envolva à casa Hun'ett em seus problemas. Se tinha a intenção de converter em espião a um membro de minha família, então teria que ter
solicitado minha permissão, embora esta vez não o teria dado. SiNafay sorriu ao imaginar como seria o encontro. -Meu aborrecimento, meu medo, bastarão para implicar
a uma casa mais importante na ameaça contra a casa Dou'Urdem, inclusive a possibilidade de uma aliança com alguma outra casa -adicionou a matrona,

obviamente agradada pelos benefícios acrescentados. A matrona Malícia terá muito em que pensar e muitos motivos de preocupação. Alton nem sequer escutou os últimos
comentários do SiNafay. As palavras a respeito de conceder sua permissão "esta vez" lhe tinham provocado uma profunda inquietação. -Tinha-o pedido antes? -atreveu-se
a perguntar, embora em um murmúrio quase inaudível. -A que te refere? -inquiriu SiNafay, sem entender suas palavras. -A matrona Malícia foi ver lhes? -continuou
Alton, que a pesar do medo precisava saber a resposta. Faz trinta anos..., a matrona SiNafay deu sua permissão para que Gelroos Hun'ett se convertesse em um agente,
em um assassino, para completar a eliminação da casa DeVir? Um amplo sorriso apareceu no rosto do SiNafay, mas se esfumou um instante depois enquanto arrojava a
mesa ao outro lado da habitação, sujeitava ao Alton pelo peito de sua túnica, e o aproximava bruscamente até que sua cara quase tocou a da matrona. -Jamais confunda
os sentimentos pessoais com a política! -aconselhou-lhe a diminuta mas forte matrona, em um tom de ameaça inconfundível. E nunca mais volte a me formular essa
pergunta! Jogou no mago ao chão como se fosse um boneco, sem separar dele seu fulgurante olhar. Alton tinha sabido desde o começo que só era um peão nas intrigas
entre a casa Hun'ett e a casa Dou'Urdem, um vínculo necessário para que a matrona SiNafay pudesse executar seus sinistros planos. de vez em quando, a dívida pendente
que tinha Alton com a casa Dou'Urdam-lhe fazia esquecer o pouco que contava neste conflito. Enfrentado agora com o poder do SiNafay, compreendeu que tinha ultrapassado
os limites de sua posição. Ao fundo do horta de cogumelos, na parede sul da caverna que albergava ao Menzoberranzan, havia uma pequena cova fortemente protegida.
detrás das portas de ferro havia uma só habitação, utilizada exclusivamente para as reuniões das oito mães matronas que governavam a cidade. A fumaça de um centenar
de velas perfumadas enchia a atmosfera, obedecendo a um desejo rápido das mães matronas. depois de quase meio século de estudar pergaminhos à luz das velas do Sorcere,
Alton não tinha problemas para suportar a intensidade da iluminação, mas em troca o inquietava encontrar-se neste quarto. sentou-se em uma pequena cadeira comum
destinada aos convidados do conselho, em um extremo da mesa com forma de aranha. Entre as oito patas peludas da mesa apareciam os tronos das oito mães matronas regentes,
todos adornados com grande profusão de jóias que resplandeciam com a luz das velas. As matronas entraram no quarto andando pomposo e dirigiram olhares de desprezo
ao varão presente. SiNafay, junto ao Alton, pôs uma mão sobre o joelho do mago e lhe fez uma piscada de fôlego. A matrona da casa Hun'ett não se teria atrevido a
solicitar uma reunião do conselho regente de não estar convencida da importância de sua notícias. As mães matronas regentes consideravam os cargos como algo honorário
e não eram partidárias de reunir-se exceto em tempos de crise. À cabeceira da mesa aranha se sentou a matrona Baenre, a figura mais capitalista de todo Menzoberranzan,
uma mulher muito anciã de olhar malicioso e uma boca pouco acostumada a sorrir. -Já estamos reunidas, SiNafay -anunciou Baenre assim que as demais acabaram de
acomodar-se em seus tronos. Qual é a razão para convocar ao conselho? -Discutir um castigo -respondeu SiNafay. -Um castigo? -exclamou a matrona Baenre, desconcertada.
Os últimos anos tinham sido muito tranqüilos na cidade drow, sem nenhum incidente do conflito entre as casas Teken'duis e Freth. A primeira matrona não tinha conhecimento
de que se cometeram atos que pudessem merecer um castigo, ao menos nenhum tão flagrante para motivar a intervenção do conselho. -Quem é o indivíduo merecedor do
castigo? -Não é um indivíduo -explicou a matrona SiNafay. Olhou a seus pares e viu o interesse refletido em seus rostos. É uma casa -afirmou, cortante-, Daermon
N'a'shezbaernon, a casa Dou'Urdem. Tal como tinha esperado SiNafay se ouviu um coro de exclamações. -A casa Dou'Urdem? -perguntou a matrona Baenre, surpreendida
de que alguém se atrevesse a implicar à matrona Malícia. Por isso sabia, Malícia gozava da consideração da rainha aranha, e a casa Dou'Urdem tinha colocado a dois
dos seus como professores na Academia. -De que crime te atreve a acusar à casa Dou'Urdem? -quis saber uma das outras matronas. -Acaso falas impulsionada pelo
medo, SiNafay? -inquiriu a matrona Baenre. Várias das matronas regentes se mostraram preocupadas com a casa Dou'Urdem. Era bem sabido que a matrona Malícia ambicionava
ter um posto no conselho regente, e, à vista do crescente poderio de sua casa, parecia destinada a consegui-lo.

-Tenho uma causa justa -insistiu SiNafay. -As demais parecem duvidar de suas palavras -replicou a matrona Baenre. É necessário que explique os motivos da solicitude,
e depressa se valorar sua reputação. SiNafay sabia que havia em jogo algo mais que a reputação: no Menzoberranzan, uma falsa acusação era um crime equiparável ao
assassinato. -Todas recordamos a queda da casa DeVir -começou SiNafay. Sete das aqui reunidas nos sentávamos junto à matrona Ginafae DeVir. -A casa DeVir já
não existe -recordou-lhe a matrona Baenre. -Por culpa da casa Dou'Urdem -afirmou SiNafay, com toda claridade. Esta vez as exclamações foram de cólera. -Como
te atreve a dizer semelhante coisa? -acusou-a uma voz. -Trinta anos! -disse outra. Já ninguém se lembra daquele fato! A matrona Baenre as fez calar antes de
que o clamor desse passo às ações violentas, algo que ocorria com uma certa freqüência na câmara do conselho. -SiNafay -disse, com uma careta quase zombadora-,
ninguém pode fazer esta acusação. Ninguém pode fazer estas afirmações quando aconteceram tantos anos. Já conhece as regras. Se a casa Dou'Urdem cometeu aquele ato,
como você diz, merece nossas felicitações, não nosso castigo, porque o realizou à perfeição. A casa DeVir não existe! Alton se moveu inquieto, apanhado entre a cólera
e o desespero. Em troca, SiNafay não parecia preocupada no mais mínimo; esta era precisamente a situação que tinha imaginado e desejado. -Ah, mas é que existe!
-replicou, enquanto ficava de pé e arrancava o capuz que cobria a cabeça do Alton. Nesta pessoa! -Gelroos? -perguntou a matrona Baenre, que não via a relação.
-Não é Gelroos -informou-lhe SiNafay. Gelroos Hun'ett morreu a mesma noite do ataque à casa DeVir. Este varão, Alton DeVir, assumiu a identidade do Gelroos e
sua posição na Academia para livrar-se de qualquer ataque da casa Dou'Urdem. Baenre sussurrou umas instruções à matrona que tinha a sua direita e depois esperou
a que ela pusesse em prática um feitiço. A primeira matrona indicou com um gesto ao SiNafay que voltasse para seu trono e a seguir se voltou para o Alton. -Dava
seu nome -ordenou-lhe. -Meu nome é Alton DeVir -respondeu o mago com uma confiança renovada pela recuperação de sua identidade, que tinha oculto durante tanto
tempo. Sou filho da matrona Ginafae e era estudante no Sorcere a noite em que minha casa foi atacada pelos Dou'Urdem. Baenre olhou à matrona da direita assim que
Alton completou a resposta. -É verdade -declarou a matrona. Os sussurros se multiplicaram ao redor da mesa aranha, e seu tom era mais que nada divertido. -Esta
é a razão pela que solicitei uma reunião do conselho -apressou-se a explicar SiNafay. -Muito bem, SiNafay -disse a matrona Baenre. E minhas felicitações para
ti, Alton DeVir, por seus recursos e capacidade para sobreviver. Para ser um varão, demonstraste muita coragem e sabedoria. Sem dúvida os dois sabem que o conselho
não pode impor um castigo a uma casa por um pouco cometido faz tanto tempo. O que ganharíamos com isso? A matrona Malícia Dou'Urdem conta com o favor da rainha aranha,
e sua casa promete muito. Devem nos dar uma razão muito mais capitalista se pretenderem algum castigo contra a casa Dou'Urdem. -Não pretendo tal coisa -respondeu
SiNafay no ato. Este assunto, ocorrido trinta anos atrás, já não é da incumbência do conselho. É muito certo que a casa Dou'Urdem promete muito, companheiras matronas,
com quatro grandes sacerdotisas e um grupo de magníficos guerreiros, entre eles o segundo filho, Drizzt, que foi o primeiro de sua classe. SiNafay tinha mencionado
ao Drizzt com toda intenção, consciente de que o nome tocaria a ferida da matrona Baenre. Seu filho, Berg'inyon, do que se sentia tão orgulhosa, tinha sido durante
nove anos o eterno segundo do jovem Dou'Urdem. -Então por que nos incomodaste? -inquiriu a matrona Baenre, com uma insinuação de cólera na voz. -Para pedir que
fechem os olhos -sussurrou SiNafay. Alton é agora um Hun'ett, que goza de meu amparo. Reclama vingança pelo ato cometido contra sua família, e, como membro supervivente
da família atacada, tem direito de acusação. -A casa Hun'ett o respaldará? -quis saber a matrona Baenre, tão curiosa como divertida. -Certamente! -exclamou SiNafay-
A casa Hun'ett assume o compromisso! -Vingança? -perguntou outra das matronas, com um tom risonho. Ou é medo? Por isso pude escutar, a matrona da casa Hun'ett
pretende utilizar a esta desgraçada criatura da

família DeVir para benefício próprio. A casa Dou'Urdem tem grandes ambicões, e a matrona Malícia quer ocupar um posto no conselho regente. Possivelmente é uma ameaça
para a casa Hun'ett? -trate-se de vingança ou prudência, minha petição..., a petição do Alton DeVir, deve considerar-se legítima -respondeu SiNafay-, para benefício
de todos. -Um sorriso maligno apareceu em seu rosto e olhou de frente à primeira matrona. Possivelmente para benefício de nossos filhos na busca do reconhecimento.
-Muito certo -disse a matrona Baenre, com uma gargalhada que soou como uma tosse. A guerra entre o Hun'ett e Dou'Urdem poderia ser em benefício de todos mas, a
julgamento do Baenre, não como acreditava SiNafay. Malícia era uma matrona poderosa, e sua família se merecia ter uma fila por cima do nono. Se por fim tinha lugar
a guerra, Malícia provavelmente conseguiria seu posto no conselho, substituindo ao SiNafay. A matrona Baenre olhou às demais, e adivinhou por suas expressões de
esperança que compartilhavam seus pensamentos. Que os Hun'ett e os Dou'Urdem brigassem entre eles: o resultado dava igual porque se acabaria a ameaça da matrona
Malícia. Possivelmente, desejou Baenre, aquele jovem Dou'Urdem morreria nos combates e seu filho ocuparia a posição que se merecia. Então a primeira matrona pronunciou
as palavras que SiNafay desejava escutar, a permissão tácita do conselho regente do Menzoberranzan. -O assunto está resolvido, irmãs -declarou a matrona Baenre
com o assentimento geral. É uma boa coisa que nos tenhamos reunido hoje.

19

Promessas de glória

-encontraste o rastro? -sussurrou Drizzt, assim que chegou ao lado da grande pantera. Aplaudiu ao Guenhwyvar no flanco e soube pela relaxação dos músculos do felino
que não havia nenhum perigo perto. -Então, foram-se -acrescentou o jovem, com o olhar posto no comprido corredor deserto que tinha diante. "Miúdos malignos",
chamou-os meu irmão quando encontramos os rastros junto ao lago. Malvados e estúpidos. -Embainhando a cimitarra, ficou em cuclillas junto à pantera e lhe apoiou
um braço no lombo. Entretanto, são o bastante preparados para evitar a nossa patrulha. O felino o olhou como se pudesse compreender cada uma de suas palavras,
e Drizzt esfregou sua mão com força contra a cabeça do Guenhwyvar, seu melhor amiga. Drizzt recordava com toda claridade seu entusiasmo quando, um dia de na semana
anterior, Dinin tinha anunciado -para grande aborrecimento do Masoj Hun'ett- que Guenhwyvar acompanharia ao jovem à frente da patrulha. "A pantera é minha!", tinha-lhe
recordado Masoj ao Dinin. "E você me pertence!", tinha respondido Dinin, o chefe da patrulha, sem dar lugar a mais discussões. Cada vez que a magia da estatueta
o permitia, Masoj chamava o Guenhwyvar do plano astral e ordenava à pantera que se unisse ao Drizzt, coisa que além de aumentar a segurança do jovem lhe permitia
gozar da companhia da magnífica besta. Drizzt sabia pelas manchas de calor na parede que tinha transbordado os limites da rota que devia vigiar, e que agora se encontrava
bastante longe da patrulha. Confiando em que ele e Guenhwyvar podiam cuidar de si mesmos, e com outros muito atrás, decidiu descansar e desfrutar da espera. Estes
minutos de solidão lhe davam o tempo que necessitava para refletir sobre suas emoções em conflito. Guenhwyvar, que parecia estar sempre de acordo, resultava o público
perfeito quando pensava em voz alta. -Começo a me perguntar o valor de tudo isto -sussurrou-lhe ao felino. Não ponho em dúvida a utilidade destas missões (esta
mesma semana, derrotamos a uma dúzia de monstros que poderiam ter provocado grandes danos na cidade), mas para que? Olhou os grandes olhos da pantera e encontrou
solidariedade no olhar. O jovem compreendeu que de algum jeito Guenhwyvar entendia seu dilema. -Possivelmente ainda não sei quem sou -murmurou Drizzt-, ou o que
é minha gente. Cada vez que encontro uma pista para a verdade, conduz a um caminho que não me atrevo a seguir, a conclusões que não posso aceitar. -Você é um drow
-respondeu alguém detrás do casal. Drizzt se voltou bruscamente e descobriu ao Dinin, que, a uns passos de distância, olhava-o com grande preocupação. -Os pequenos
conseguiram situar-se fora de nosso alcance-disse Drizzt, em um intento de desviar a atenção de seu irmão. -Ainda não compreendeste o que significa ser um drow?
-perguntou Dinin. Ainda não chegaste a entender o curso de nossa história e as promessas de nosso futuro? -Sei de nossa historia o que nos ensinaram na Academia-respondeu
Drizzt. Foram as primeiras lições que recebemos. Em troca, sei pouco ou nada do futuro e queria saber mais costure do lugar onde vivemos. -Conhece nossos inimigos
-animou-o Dinin. -Sei que são inumeráveis -repôs Drizzt com um sonoro suspiro. Enchem os rincões da Antípoda Escura, sempre atentos a que baixemos o guarda.
Não o faremos, e nossos inimigos cairão ante nossas armas.

-Ah, mas os verdadeiros inimigos não vivem nas escuras cavernas de nosso mundo - assinalou Dinin com um sorriso matreiro. O seu é um mundo estranho e maligno.
Drizzt compreendeu a quem se referia seu irmão embora suspeitava que lhe ocultava alguma coisa. -Os elfos da superfície -sussurrou Drizzt, e o nome estimulou em
seu interior um amontoado de emoções encontradas. Desde que tinha uso de razão, tinham-lhe falado da maldade de suas primos, de como tinham obrigado aos drows a
refugiar-se nas vísceras do mundo. Ocupado nas tarefas de cada dia, Drizzt não tinha tido tempo para pensar muito neles; mas cada vez que os recordava, o fazia para
utilizar seu nome como uma letanía contra todo aquilo que odiava na vida. Se Drizzt podia culpar aos elfos da superfície -tal como pareciam fazer todos outros drows-
pelas injustiças da escuridão drow, então lhe resultava mais fácil ter esperanças no futuro de sua gente. Do ponto de vista da razão, Drizzt tinha que descartar
as lendas heróicas da guerra entre os elfos como outra da interminável série de patranhas que lhe tinham ensinado, mas no mais íntimo se aferrava desesperadamente
a aquelas histórias. Olhou ao Dinin. -Os elfos da superfície -repetiu o jovem-, sejam o que sejam. Dinin festejou com uma gargalhada o implacável sarcasmo do
irmão menor. converteu-se em algo habitual. -São tal como lhe ensinaram -assegurou ao Drizzt. Não têm nenhum mérito e som mais vis do que podemos chegar a imaginar;
os verdugos de nosso povo, que nos expulsaram da superfície faz milhares de anos, que nos forçaram... -Conheço os relatos -interrompeu-o Drizzt, alarmado pelo
volume cada vez mais alto da voz do irmão. O jovem jogou uma olhada por cima do ombro. Se tivermos acabado nosso percurso, vamos reunimos com outros que nos esperam
mais perto da cidade. Este lugar é muito perigoso e pouco apropriado para conversar. ficou de pé e empreendeu o caminho de volta escoltada pelo Guenhwyvar. -Não
tanto como o lugar ao que muito em breve te conduzirei -replicou Dinin com o mesmo sorriso matreiro. Drizzt se deteve e o olhou, intrigado. -Penso que deveria
sabê-lo -brincou Dinin. fomos selecionados por ser a melhor de todas as patrulhas, e você tiveste muito que ver nisso. -Escolhidos para que? -dentro de uma
quinzena, sairemos do Menzoberranzan -explicou Dinin. Nossa viagem será muito comprido e nos levará a muitos quilômetros da cidade. -Quanto durará? -Duas semanas,
possivelmente três -respondeu Dinin-, mas valerá a pena. Nós, meu jovem irmão, seremos os que executaremos parte da vingança contra nossos mais odiados inimigos,
os que atiraremos um golpe glorioso em nome da rainha aranha. Drizzt pensou que tinha entendido corretamente embora a idéia lhe parecia muito atrevida para ser
certa. -Os elfos! -exclamou Dinin, radiante. Escolheram-nos para uma incursão na superfície! Drizzt não se mostrou tão entusiasmado como o irmão, pouco seguro
das implicações da missão. Por fim teria a oportunidade de ver os elfos da superfície e de enfrentar-se à verdade que desejava descobrir. Não obstante, algo muito
mais real para o Drizzt -as desilusões que tinha sofrido ao longo dos anos-moderava seu entusiasmo e lhe recordava que, embora a realidade dos elfos podia servir
de desculpa ao mundo escuro de sua gente, também podia lhe arrebatar um pouco mais importante. Não sabia qual seria o resultado. -A superfície -murmurou Alton.
Minha irmã esteve ali, em uma incursão. Uma experiência maravilhosa, conforme disse. -Olhou ao Masoj, sem saber muito bem como interpretar a expressão afligida
por jovem Hun'ett. Agora sua patrulha fará a viagem. Invejo-te. -Eu não vou -declarou Masoj. -por que? -exclamou Alton. Esta é uma ocasião única. Menzoberranzan...
para grande aborrecimento do Lloth, estou seguro... não tem feito nenhuma só incursão na superfície há duas décadas. Possivelmente transcorram outros vinte anos
antes da próxima, e para naquele tempo você não estará nas patrulhas. Masoj olhou através da pequena janela da habitação do Alton na casa Hun'ett, e observou o panorama.
-Além disso -continuou Alton em voz baixa-, lá encima, tão longe de olhadas curiosas, possivelmente tenha a oportunidade de acabar com dois Dou'Urdem. por que
não pode ir?

-esqueceste a disposição adotada com seu voto favorável?-perguntou Masoj, que se voltou para enfrentar-se ao Alton com ire acusador. Faz vinte anos os professores
do Sorcere decidiram que nenhum mago podia aproximar-se da superfície! -Tem razão -reconheceu Alton, ao recordar a reunião. Os anos passados no Sorcere lhe pareciam
muito longínquos apesar de que só levava umas poucas semanas na casa Hun'ett. Chegamos à conclusão de que a magia drow podia ter um comportamento diferente...,
inesperado, a céu aberto -explicou. Naquela incursão realizada faz vinte anos... -Conheço a história -grunhiu Masoj, e acabou a frase pelo Alton-: A bola de
fogo lançada por um mago superou suas dimensões normais e matou a vários drows. Os professores o qualificaram de efeitos secundários perigosos, embora acredite que
o mago aproveitou para liquidar a alguns de seus inimigos com a desculpa de um acidente. -Sim -assentiu Alton. É o que disseram os rumores. De todos os modos,
ante a falta de provas... -interrompeu-se ao ver que as palavras não consolavam ao Masoj. Ocorreu faz muito tempo -disse, em um intento de lhe dar um motivo
de esperança. Não pode apresentar um recurso? -Não vale a pena -respondeu Masoj. As coisas no Menzoberranzan se movem com muita lentidão. Inclusive duvido
que os professores tenham começado a investigar aquele episódio. -Uma verdadeira lástima -opinou Alton. Teria sido uma oportunidade magnífica. -Basta já! -reprovou-lhe
Masoj. A matrona SiNafay não me ordenou matar ao Drizzt Dou'Urdem ou ao irmão. Já lhe advertiram que guarde seus desejos pessoais para ti mesmo. Quando a matrona
dê a ordem, não fracassarei. As oportunidades podem criar-se. -Falas como se já soubesse como morrerá Drizzt Dou'Urdem -disse Alton. Um sorriso apareceu no rosto
do Masoj enquanto colocava uma mão no bolso de sua túnica e tirava uma figurinha de ônix, seu escravo mágico, que o parvo do Drizzt apreciava de todo coração. -claro
que sim -respondeu, arrojando a estatueta do Guenhwyvar ao ar para depois agarrá-la e mostrar-lhe ao DeVir. Sei. Os membros do grupo escolhido não demoraram para
compreender que não se tratava de uma missão ordinária. Durante a semana seguinte, não saíram a percorrer os túneis do Menzoberranzan. Em troca permaneceram encerrados,
dia e noite, em um dos barracos do Melee-Magthere. Virtualmente durante quase todas as horas que estavam acordados, os incursores rodeavam uma mesa oval na sala
de conferências, escutando os detalhes dos planos para a próxima aventura, e, uma e outra vez, o professor Hatch'net, o professor de história, repetia as histórias
referentes à maldade dos elfos. Drizzt as escutava atentamente, e se obrigava a si mesmo a deixar-se levar pelo efeito hipnótico das afirmações do Hatch'net. As
histórias deviam ser autênticas porque, se não o eram, ele já não teria nenhum ponto de referência para preservar seus princípios. Dinin se ocupava dos preparativos
táticos. Ensinava-lhes mapas dos largos túneis que o grupo percorreria e explicava cada detalhe até que todos aprenderam de cor a rota que seguiriam. Estas classes
também incitavam a atenção dos guerreiros -exceto a do Drizzt- e tinham que fazer grandes esforços para não estalar em uma ovação. À medida que a semana de preparativos
chegava a seu fim, Drizzt observou que um dos membros da patrulha não tinha assistido a nenhuma das classes. Ao princípio pensou que Masoj estudava seu encargo na
incursão com os professores do Sorcere. Entretanto, ao ver que se esgotava o tempo e os planos de batalha eram suficientemente conhecidos por todos, compreendeu
que Masoj não formaria parte da expedição. -Onde está nosso mago? -atreveu-se a perguntar ao final de uma das classes. Dinin, aborrecido pela interrupção, olhou
furioso a seu irmão. -Masoj não virá conosco -respondeu, consciente de que outros poderiam agora compartilhar a preocupação do Drizzt, coisa muito pouco apropriada
nestes momentos críticos. -Sorcere dispôs que nenhum mago saia à superfície -explicou o professor Hatch'net. Masoj Hun'ett esperará sua volta na cidade. Certamente
é uma grande perda para todos vós, porque Masoj demonstrou sua valia em numerosas ocasiões. De todos os modos, não têm motivos para lhes preocupar: uma sacerdotisa
do Arach-Tinilith irá com vós. -E o que há...? -começou a dizer Drizzt por cima do murmúrio de aprovação dos companheiros. Dinin interrompeu ao jovem porque tinha
adivinhado qual era sua pergunta. -O felino pertence ao Masoj -declarou, cortante. A besta não vem. -Eu poderia falar com o Masoj -ofereceu Drizzt. O severo
olhar do Dinin respondeu ao oferecimento sem necessidade de palavras. -Nossas táticas serão diferentes na superfície -explicou a todo o grupo, sossegando os comentários.
A superfície é um mundo de distâncias sem nenhuma relação com os rincões e curvas de nossos túneis. Uma vez divisado o inimigo, nossa tarefa será rodeá-lo, cortar
as distâncias. -

Olhou diretamente a seu irmão. Não nos faz falta um explorador, e, neste tipo de combate, um felino belicoso pode ser mais um transtorno que uma ajuda. Drizzt
se teve que conformar com a resposta. Discutir não teria servido de nada, mesmo que tivesse podido convencer ao Masoj de que o deixasse levar a pantera, coisa que
sabia impossível. forçou-se a controlar seus desejos e emprestou atenção às palavras do Dinin. Este ia ser o maior desafio da vida do Drizzt, e o maior perigo. Durante
os dois últimos dias, quando não faziam outra coisa que pensar no plano de batalha, Drizzt descobriu que cada vez estava mais inquieto. O nervosismo o fazia suar
as Palmas, e seu olhar permanecia atenta a tudo. Apesar da desilusão por não poder levar ao Guenhwyvar, Drizzt não negava a excitação que sentia. Esta era a aventura
que sempre tinha desejado, a possibilidade de conseguir a resposta às perguntas sobre as crenças de sua gente. Lá, na imensidão daquele mundo alheio, viviam os elfos
da superfície, o pesadelo invisível que se converteu no inimigo comum e, em conseqüência, o vínculo que unia aos drows. Drizzt descobriria a glória da batalha, conseguiria
a vingança contra os inimigos mais odiados por sua raça. até agora, Drizzt tinha combatido por necessidade, nos ginásios ou contra os monstros estúpidos que se aventuravam
muito perto de seu lar. O jovem sabia que este encontro seria diferente. Esta vez suas estocadas e cutiladas teriam a força de emoções mais profundas, estariam guiadas
pela honra de sua gente, pelo valor coletivo e a decisão de golpear a seus opressores. Não podia acreditar outra coisa. A noite anterior à partida, Drizzt se deitou
no camastro e realizou alguns exercícios com as cimitarras. -Esta vez -sussurrou aos aços enquanto se maravilhava dos intrincados movimentos incluso a tão pouca
velocidade. Esta vez seu tinido será um canto à justiça! Colocou as cimitarras no chão junto a seu leito e ficou de flanco disposto a dormir. -Esta vez -murmurou
uma vez mais quase sem mover os lábios e com um brilho de decisão nos olhos. Seus proclama eram certas ou só uma manifestação de esperança? Drizzt tinha descartado
a pergunta a primeira vez que a formulou porque já não podia expor-se mais duvida. Tinha deixado de pensar na possibilidade de uma nova desilusão. Não era próprio
do coração de um guerreiro drow. Ao Dinin, em troca, que observava ao Drizzt das sombras do portal, soou-lhe como se o irmão menor tentasse convencer-se da verdade
de suas próprias palavras.

20

Aquele mundo estranho

Os quatorze membros da patrulha ficaram em marcha através do labirinto de túneis e cavernas enormes que de repente se abriam ante eles. Sem fazer ruído graças a
suas botas mágicas e quase invisíveis envoltos em seus piwafwis, comunicavam-se exclusivamente pelo código mudo. Durante grande parte do caminho, o pendente do chão
apenas se se notava, embora algumas vezes o grupo teve que subir pelas chaminés, conscientes de que cada passo e cada cabo os aproximavam do objetivo. Cruzaram os
limites dos territórios pertencentes aos monstros e a outras raças, mas os odiados anões e inclusive os duergars se mantiveram ocultos com sã prudência. A ninguém
na Antípoda Escura lhe ocorreria interceptar a um grupo de incursores drows. A finais da primeira semana, todos os drows podiam notar as diferenças no entorno. A
um habitante da superfície esta profundidade lhe teria parecido intolerável, mas os elfos escuros se habituaram à opressão constante de milhões de toneladas de rochas
por cima das cabeças. Cada vez que chegavam a uma curva esperavam encontrar que o teto de pedra já não existia e que se achavam a céu aberto. A brisa lhe roçava
o corpo. Não se tratava dos ventos quentes e sulfurosos provenientes do magma das profundidades da terra mas sim de um ar úmido, perfumado com um centenar de aromas
desconhecidos para os drows. Na superfície reinava a primavera -embora os elfos escuros, com seu mundo sem estações, não sabiam o que era-, e o ar soprava carregado
com os perfumes dos pimpolhos e das lâminas novas das árvores. Dominado pelo efeito embriagador daqueles aromas, Drizzt se via obrigado a recordar-se a si mesmo
uma
vez e outra que o lugar do destino era maligno e perigoso. Possivelmente, pensou, os aromas eram uma ceva diabólica, uma armadilha para apanhar a uma criatura inocente
e lhe arrebatar a vida. A sacerdotisa do Arach-Tinilith que acompanhava à patrulha começou a caminhar muito perto de uma das paredes do túnel. Cada vez que encontrava
uma greta apoiava a cara contra a pedra. -Esta servirá -anunciou ao cabo de um momento. Lançou um feitiço de visão e olhou pela segunda vez através da greta que
tinha o largo de um dedo. -Como vamos passar por ali? -perguntou-lhe um dos membros da patrulha a outro mediante o código mudo. Dinin captou os gestos e acabou
a conversação com um olhar de aborrecimento. -Na superfície é de dia -afirmou a sacerdotisa. Teremos que esperar aqui. -Durante quanto tempo? -quis saber Dinin,
consciente de que sua tropa tinha os nervos a flor de pele ante a proximidade do objetivo. -Não sei -respondeu a sacerdotisa. Suponho que a metade de um ciclo
do Narbondel. Descarreguemos as mochilas e aproveitemos para descansar enquanto possamos. Dinin teria preferido seguir, só para manter à patrulha ocupada, mas não
se atreveu a opinar contra a sacerdotisa. De todos os modos, a espera não resultou muito larga porque, ao cabo de um par de horas, a sacerdotisa voltou a espiar
pela greta e anunciou que tinha chegado o momento oportuno. -Você primeiro -disse Dinin ao Drizzt. O jovem olhou com incredulidade ao irmão maior, sem entender
como podia passar por aquela greta tão estreita. -Vêem -chamou-o a sacerdotisa, que agora sustentava uma esfera com muitos buracos. Passa por diante de mim e
continua caminhando.

Enquanto Drizzt obedecia a instrução, a sacerdotisa deu uma ordem à esfera e a sustentou por cima da cabeça do jovem. Uns flocos negros, mais negros que a pele de
ébano do Drizzt, orvalharam-no e notou uma sacudida tremenda ao longo de sua coluna vertebral. Outros mostraram expressões de assombro ao ver que o corpo do Drizzt
se fazia tão magro como um cabelo e se transformava em uma imagem bidimensional, em uma sombra do que era. Drizzt não alcançava a compreender o que ocorria, mas
de repente a greta lhe pareceu muito mais larga. deslizou-se em seu interior, descobriu que tinha capacidade de movimento com apenas pensar no gesto, e flutuou ao
longo das voltas, revoltas e curvas do estreito canal como uma sombra sobre a rugosa superfície da pedra. Depois se encontrou no interior de uma cova alargada com
uma única saída no extremo mais afastado. Não tinha saído a lua, mas assim e todo a escuridão da noite na superfície lhe pareceu extraordinariamente clara. Drizzt
se sentiu atraído para a boca da cova que comunicava com o mundo exterior. Seus companheiros cruzaram a greta um após o outro e em último término apareceu a sacerdotisa.
Drizzt foi o primeiro em notar a mesma sacudida anterior quando seu corpo recuperou as dimensões normais. Ao cabo de uns minutos, todos estavam muito ocupados em
revisar as armas. -Ficarei aqui -informou- a sacerdotisa ao Dinin. Boa caça. A rainha aranha vos olhe. Dinin advertiu uma vez mais a suas tropas dos perigos na
superfície, e a seguir se aproximou da saída da cova, um pequeno buraco na cornija de uma montanha. -Pela rainha aranha! -gritou Dinin, que inspirou profundamente
e saiu a céu aberto, seguido por sua patrulha. Sob as estrelas! Enquanto outros pareciam nervosos ante a presença daquelas luzes, Drizzt não podia apartar o olhar
da cúpula negra perfurada por inumeráveis pontos de luz que piscavam os olhos. Banhado pela luz das estrelas, sentiu como lhe enchia o coração e nem sequer ouviu
o alegre canto que cavalgava no vento noturno, porque era o complemento natural ao glorioso espetáculo. Dinin escutou o canto, e ele sim tinha a experiência necessária
para saber que era uma das estranhas letanías dos elfos da superfície. ficou em cuclillas, observou o horizonte e divisou a luz de uma fogueira solitária no fundo
do vale arborizado. Ordenou a seus soldados que o seguissem e começou o descida. Drizzt podia ver a ansiedade nos rostos dos companheiros, que contrastava com a
inexplicável serenidade que sentia. Imediatamente suspeitou que havia algo errôneo em tudo isto. Em seu coração, Drizzt sabia do momento em que tinha saído da cova
que este não era o mundo perverso descrito com tanta minuciosidad pelos professores da Academia. Parecia-lhe estranho não ter um teto de pedra por cima de sua cabeça,
mas não o inquietava. Se as estrelas, que tão profundamente o comoviam, eram um aviso do que podia trazer o dia seguinte, como havia dito o professor Hatch'net,
então a manhã não podia ser tão terrível. Só o desconcerto moderava a sensação de liberdade que experimentava Drizzt: ou era vítima de uma miragem, ou os companheiros,
incluído seu irmão, tinham uma visão completamente distinta do entorno. A dúvida resultou outra pesada carga sobre os ombros do jovem; estas sensações tão gratificantes
eram uma amostra de debilidade ou o que de verdade sentia no coração? -São parecidos com os cogumelos que crescem no Menzoberranzan -assegurou Dinin à patrulha
ao ver que avançavam com desconfiança entre as árvores de um bosquecillo. Mas não são sentinelas nem perigosos. De todos os modos, os jovens elfos escuros torciam
o gesto e esgrimiam as armas cada vez que um esquilo saltava de um ramo a outra ou um pássaro invisível trilava ao longe. Acostumados do nascimento ao silêncio de
seu mundo, os mil e um sons de um bosque na primavera não podiam menos que preocupá-los. Além disso, na Antípoda Escura tudo ser vivo podia, e certamente o tentaria,
atacar a qualquer que invadisse sua guarida. Até o canto dos grilos soava ameaçador para os alertas ouvidos dos drows. O curso do Dinin era certeiro, e muito em
breve a canção dos elfos afogou qualquer outro som e a luz da fogueira se fez visível entre os ramos. Os elfos da superfície eram a raça mais alerta de todas, e
um humano -ou inclusive um sigiloso halfling- tinha muito poucas probabilidades de surpreendê-los. Mas os incursores de esta noite eram drows, muito mais preparados
para atuar com sigilo que o melhor dos ladrões da superfície. Pisada-las não faziam nenhum ruído, nem sequer ao pisar nas lâminas secas, e as armaduras, ajustadas
perfeitamente aos contornos dos esbeltos corpos, acomodavam-se aos movimentos sem nenhum chiado. Inadvertidos, rodearam o perímetro do pequeno claro, onde um grupo
de elfos cantavam e dançavam. Boquiaberto ante o prazer que lhe produzia aquele espetáculo, Drizzt não emprestou atenção às ordens que seu irmão transmitiu em código
mudo. Vários meninos, que só se distinguiam de outros

pelo tamanho de seus corpos, dançavam no corro, e se mostravam tão alegres e livres como os majores. Todos pareciam seres inocentes, cheios de vida e felicidade,
e obviamente ligados por uma amizade e um carinho inimagináveis no Menzoberranzan. Não tinham nada que ver com os personagens das histórias que o professor Hatch'net
lhes tinha contado, relatos povoados de seres vis e odiosos. Drizzt pressentiu que os guerreiros se moviam, desdobrando-se para obter a máxima vantagem, mas não
apartou o olhar daquele formoso espetáculo. Dinin o tocou em um ombro e lhe assinalou a pequena mola de suspensão sujeita ao cinturão; depois se deslizou entre as
sombras para situar-se em posição a um lado do claro. O jovem queria deter seu irmão e a outros, queria fazê-los esperar e que contemplassem aos elfos da superfície
aos que tanto se apressavam a qualificar de inimigos. Drizzt descobriu que não podia mover os pés e que a língua era um peso morto na boca ressecada. Olhou ao Dinin
e só pôde confiar em que seu irmão interpretasse os ofegos como uma amostra de entusiasmo pela batalha. Então os agudos ouvidos do Drizzt escutaram o zumbido de
uma dúzia de molas de suspensão. A canção dos elfos se interrompeu quando vários dos membros do grupo caíram ao chão. -Não! -gritou Drizzt, desesperado, impulsionado
por uma raiva tão intensa como inexplicável. Sua negativa soou como outro grito de guerra mais para os membros da patrulha, e, antes de que os elfos da superfície
tivessem tempo para reagir, Dinin e outros já lhes tinham jogado em cima. Também Drizzt penetrou no claro iluminado pelo fogo, com as armas preparadas, embora não
sabia qual ia ser seu próximo movimento. Só desejava deter a batalha, pôr ponto final a terrível cena. Muito confiados na segurança do bosque que era seu lar, os
elfos nem sequer foram armados. Os guerreiros drows os atacaram sem piedade, repartindo cutiladas a destro e sinistro, e com tanta sanha que continuavam cravando
suas espadas quando a vítima já tinha morrido. Uma aterrorizada mulher conseguiu escapar do cerco mortal, e foi dar diante mesmo do Drizzt, que baixou suas cimitarras
ao tempo que procurava a forma de ajudá-la. Então a mulher se ergueu quase nas pontas dos pés pela força de uma espada que a atravessou de lado a lado pelas costas.
Drizzt observou imobilizado pelo horror como o guerreiro drow empunhava a espada com as duas mãos e a fazia girar no interior da ferida. A elfa olhou fixamente ao
Drizzt nos instantes finais de sua vida, implorando sua piedade. Sua voz soou como um gemido pelo sangue que brotou a fervuras da boca. Com uma expressão exultante,
o guerreiro drow arrancou a espada do corpo sem vida e descarregou um segundo golpe que decapitou à mulher. -Vingança! -gritou o drow, com os olhos iluminados
por uma luz demoníaca que assombrou ao Drizzt. O guerreiro cravou sua espada uma vez mais no corpo inerte e a seguir correu em busca de uma nova vítima. Tão somente
um momento mais tarde, outro elfo, esta vez uma menina, escapou da massacre e correu para onde estava Drizzt, sem deixar de gritar a mesma palavra uma e outra vez.
O vocábulo pertencia ao idioma dos elfos da superfície, uma língua incompreensível para o Drizzt, mas quando olhou seu branco rosto, talher de lágrimas, compreendeu
o significado da palavra. A moça só tinha olhos para o corpo mutilado a seus pés; a angústia pesava inclusive mais que seu próprio destino. O vocábulo unicamente
podia significar "mãe". Rabia, horror, angústia e uma dúzia mais de emoções sacudiram ao Drizzt naquele momento terrível. Queria ver-se livre destes sentimentos,
deixar-se arrastar pela fúria assassina dos companheiros e aceitar a cruel realidade, para assim livrar do perseguição de sua própria consciência. A moça elfa chegou
junto ao Drizzt mas nem sequer advertiu sua presença, atenta só à mãe morta. Drizzt levantou sua cimitarra disposto a descarregar o golpe mortal contra a desprotegida
nuca, incapaz de distinguir entre a piedade e o assassinato. -Sim, irmão! -vociferou Dinin. Sua voz dominou os uivos, ofegos e exclamações dos companheiros, e
soou aos ouvidos do Drizzt como uma acusação. O jovem olhou ao Dinin e o viu talher de sangue de pés a cabeça em meio de um montão de elfos mortos. -Agora conhece
a glória de ser um drow! -acrescentou Dinin, levantando um punho em sinal de vitória. Hoje apaziguaremos à rainha aranha! Drizzt respondeu com o mesmo gesto,
soltou um grunhido e se apartou um passo para descarregar o golpe. Quase o fez. Com a mente obnubilada pela confusão, Drizzt Dou'Urdem esteve a ponto de ser igual
a todos outros. Quase arrebatou a vida dos olhos da formosa menina.

No último momento, ela o olhou, e seus olhos resplandeceram como um espelho escuro no coração do Drizzt. Naquele reflexo, na imagem investida da fúria que guiava
a mão, Drizzt Dou'Urdem se encontrou a si mesmo. Descarregou a cimitarra em um poderoso arco com um olho posto no Dinin enquanto a lâmina passava por cima da menina.
Com o mesmo movimento, Drizzt empregou a outra emano para agarrar à moça pelo peito da túnica e tombá-la de barriga para baixo no chão. A elfa gritou, aterrorizada
mas ilesa, e Drizzt viu que Dinin o saudava com o punho em alto antes de voltar-se de costas. Drizzt teve que trabalhar depressa; a espantosa batalha estava a ponto
de concluir. Moveu as cimitarras sobre as costas da moça acurrucada para lhe destroçar a túnica embora sem chegar a tocar a delicada pele. Depois utilizou o sangue
do corpo decapitado para completar o engano; pensou que à mãe teria agradado saber que seu sacrifício tinha servido para salvar a vida da filha. -Não te mova -sussurrou
ao ouvido da moça. Drizzt sabia que não entendia sua língua, mas ao menos tentou imprimir um tom de consolo a sua voz. Só podia confiar em que o engano não fosse
descoberto quando um momento mais tarde Dinin e outros se reunissem com ele. -Bem feito! -exclamou Dinin, tão entusiasmado que lhe tremia todo o corpo, quando
chegou junto a seu irmão. acabamos com toda esta carniça e nenhum só de nós resultou ferido! As matronas do Menzoberranzan estarão orgulhosas embora não tenhamos
conseguido bota de cano longo desta turma de miseráveis! -Olhou os corpos aos pés do Drizzt e aplaudiu o ombro de seu irmão- . Acaso acreditavam que podiam escapar?
-rugiu Dinin. Drizzt fez um esforço supremo para conter o asco, mas Dinin estava tão entusiasmado com o banho de sangue que dificilmente se teria dado conta. -Não
contavam contigo! -acrescentou Dinin. Dois mortos para o Drizzt! -Um! -protestou o guerreiro que tinha matado à mulher. Drizzt apertou os punhos de suas cimitarras
e se armou de valor. Se o drow descobria o engano, Drizzt lutaria por salvar a vida da moça elfa. Mataria aos companheiros, inclusive a seu irmão, para salvar à
menina de olhos resplandecentes. Lutaria até que o matassem. Assim ao menos não teria que presenciar como a assassinavam. Por fortuna, o problema não chegou a expor-se.
-Drizzt matou à menina -explicou- o guerreiro ao Dinin-, mas a mulher é minha. Atravessei-a com minha espada antes de que seu irmão tivesse sequer tempo de levantar
suas cimitarras. Foi um ato instintivo, um golpe inconsciente contra o mal que o rodeava. Drizzt não se deu conta do que tinha feito até ao cabo de um momento, quando
viu o presunçoso drow tendido de costas, com as mãos no rosto, gemendo de dor. Só então Drizzt advertiu a ardência na mão e viu os nódulos e o punho da cimitarra
manchados com sangue. -A que vem isto? -perguntou Dinin. Drizzt pensou depressa e nem sequer respondeu à pergunta. Olhou além do Dinin, à figura que se retorcia
no chão, e derrubou toda sua raiva em um insulto que outros podiam aceitar e respeitar. -Se alguma vez voltar a me roubar uma vítima -ameaçou-o, com um tom de
sinceridade quase autêntico-, substituirei a cabeça decapitada com a tua! Drizzt viu que, apesar de seus esforços por não mover-se, a menina elfa tinha começado
a estremecer-se pelos soluços, e decidiu não abusar da sorte. -Venha, vamos -grunhiu. Deixemos este lugar. O fedor da superfície é como bílis na boca! afastou-se
com passo enérgico, e outros, renda-se, recolheram ao companheiro cansado e o seguiram. -Por fim -sussurrou Dinin enquanto observava a marcha de seu irmão. Por
fim aprendeste o que significa ser um guerreiro drow! Em sua cegueira, Dinin jamais compreenderia a ironia de suas palavras. -Ainda fica uma coisa por fazer antes
de retornar a casa-explicou a sacerdotisa ao grupo quando chegaram à boca da cova. Só ela sabia qual era o segundo objetivo desta incursão. As matronas do Menzoberranzan
querem que sejamos testemunhas do mais tremendo horror do mundo exterior, para que possamos advertir a nossa gente. "Nossa gente?", repetiu para si Drizzt, sarcástico.
Por isso tinha podido ver, os incursores já conheciam qual era o horror do mundo exterior: eles mesmos! -Ali! -gritou Dinin, assinalando para o horizonte pelo
este. A linha de luz virtualmente imperceptível marcou o contorno das distantes montanhas. Um habitante da superfície não teria podido vê-la, mas os elfos escuros
a viam com toda claridade, e todos, incluído Drizzt, retrocederam involuntariamente.

-É formoso -atreveu-se a comentar Drizzt depois de contemplar o espetáculo durante uns segundos. Dinin lhe dirigiu um olhar geada, mas não tanto como a da sacerdotisa.
-lhes tire as capas, a equipe e as armaduras -ordenou a sacerdotisa. Depressa. Deixem tudo no interior da cova para que a luz não os afete. -Assim que cumpriram
a ordem, acrescentou com tom severo-: Observem. O céu mostrou um tom violáceo e depois rosa, e os elfos escuros entreabriram as pálpebras, incômodos. Drizzt queria
negar a evidência da mesma maneira que tinha rechaçado as palavras do professor de história referentes aos habitantes da superfície. Então ocorreu: o sol apareceu
por cima das montanhas orientais. O mundo exterior despertou a seu calor, à energia que dava a vida. Seus raios atacaram os olhos dos elfos escuros com a fúria do
fogo, atormentando-os com seu poder. -Olhem! -gritou a sacerdotisa. Contemplem o alcance do horror! um após o outro, os guerreiros correram a refugiar-se nas
sombras da cova, incapazes de suportar o terrível espetáculo, até que só Drizzt permaneceu junto à sacerdotisa exposto à luz do dia. Certamente, a luz o disparava
flechas com a mesma intensidade que a outros, mas ao mesmo tempo o reconfortava. O jovem aceitava o sofrimento, expor-se sem reparos para que o fogo lhe limpasse
a alma. -Vêem -disse a sacerdotisa finalmente, sem compreender o motivo de suas ações. Já o vimos. Agora podemos retornar a nosso lar. -Lar? -perguntou Drizzt,
em voz baixa. -Menzoberranzan! -gritou a sacerdotisa, convencida de que o varão tinha perdido o julgamento- . Vêem, antes de que o fogo do inferno consuma nossa
pele até os ossos. Deixemos que nossas primos da superfície sofram com as chamas, um castigo justo para seus malignos corações! Drizzt soltou uma gargalhada amarga.
Um castigo justo? Desejava poder arrancar do céu mil sóis como este e colocá-los em cada capela do Menzoberranzan, para que brilhassem até o final dos tempos. Então
já não pôde suportar mais o castigo da luz. Entrou na cova quase cego. Vestiu a armadura e recolheu a equipe. A sacerdotisa tinha a esfera preparada, e Drizzt foi
o primeiro em atravessar a pequena greta. Quando todo o grupo se reuniu outra vez no túnel ao outro lado, o jovem ocupou sua posição diante da patrulha e a guiou
no descida pelos atalhos cada vez mais escuros, de retorno à escuridão de sua existência.

21

Agradar à deusa

-agradastes à deusa? -perguntou a matrona Malícia, em um tom no que dominava a ameaça. A seu lado, as outras mulheres da casa Dou'Urdem, Briza, Vierna e Maia,
olhavam impassíveis, sem demonstrar seu ciúmes. -Não perdemos nem a um só drow -replicou Dinin, com voz carregada de maldade. Foi um açougue delicioso! -Uma
expressão de entusiasmo insalubre apareceu em seu rosto enquanto narrava aos pressente o sangrento episódio. Esquartejamo-los a todos. -E você o que? -interrompeu-o
a mãe matrona, mais preocupada com os benefícios para o prestígio da família que pelo êxito da incursão. -Cinco -respondeu Dinin, orgulhoso. Matei a cinco, todas
elas mulheres! O sorriso da matrona estremeceu de deleite ao Dinin. Então Malícia franziu o sobrecenho enquanto voltava o olhar para o Drizzt. -E ele? -perguntou,
convencida de que a resposta não seria agradável. Malícia não duvidava das habilidades do filho menor com as armas, mas tinha começado a suspeitar que Drizzt era
muito parecido ao Zaknafein no terreno das emoções, coisa que lhe subtraía méritos para este tipo de operações. O sorriso do Dinin a desconcertou. Dinin se aproximou
do Drizzt e rodeou com o braço os ombros de seu irmão. -Drizzt só matou a um -disse Dinin-, mas nada menos que a uma menina elfa. -Só um? -grunhiu Malícia.
Das sombras junto ao trono, Zaknafein escutava angustiado. Desejava com toda a alma poder fechar os ouvidos às palavras do primeiro filho Dou'Urdem que lhe queimavam
como um ferro incandescente. De todas as maldades que Zak tinha conhecido no Menzoberranzan, esta era sem dúvida a que mais lhe doía. Drizzt tinha matado a uma menina.
-Teria que ter visto como o fez! -acrescentou Dinin. Fez-a migalhas; descarregou toda a fúria do Lloth naquele corpo palpitante! A rainha aranha valorará aquela
morte por cima de todas as demais! -Só um -repetiu a matrona Malícia sem suavizar o gesto. -Poderiam ter sido dois -informou-lhe Dinin. Shar Nadal da casa
Maevret lhe arrebatou uma, outra fêmea. -Então Lloth favorecerá à casa Maevret -assinalou Briza. -Não -replicou Dinin. Drizzt castigou ao Shar Nadal por suas
ações, e o filho da casa Maevret não respondeu ao desafio. A lembrança feriu o Drizzt. Tinha desejado que Shar Nadal se lançasse contra ele para poder descarregar
a fúria contida em seu corpo, e agora lhe remoía a consciência. -Bem feito, meus filhos -exclamou Malícia, por fim satisfeita do comportamento de ambos na incursão.
depois deste êxito a reina aranha olhará agradada à casa Dou'Urdem. Ela nos guiará à vitória contra a casa desconhecida que pretende nos destruir. Zaknafein abandonou
a sala de audiências com o olhar baixo, esfregando com uma mão o pomo de sua espada em um gesto nervoso. Zak recordou a ocasião em que tinha enganado ao Drizzt com
a bomba de luz e o tinha tido a sua mercê. Aquele tinha sido o momento propício para liberar ao inocente jovem

de seu terrível destino. Poderia ter matado ao Drizzt em um ato de misericórdia e havê-lo liberado do pesadelo da vida no Menzoberranzan. Zak se deteve no comprido
corredor e se voltou para olhar para a porta da sala no instante em que apareciam Drizzt e Dinin. O jovem dirigiu ao professor de armas um olhar acusador e depois,
com um gesto altivo, desapareceu por um dos corredores laterais. "Assim finalmente chegamos a isto -pensou Zaknafein, ferido pelo olhar de seu antigo discípulo.
O jovem guerreiro da casa Dou'Urdem, imbuído do ódio que encarna nossa raça, aprendeu a me desprezar pelo que sou." Zak recordou uma vez mais aquela ocasião na sala
de ginástica, quando durante uma fração de segundo a vida do Drizzt tinha dependido da ponta de uma espada. Certamente teria sido um ato de piedade matar ao Drizzt
então. Com o coração ainda doído pelo olhar do jovem drow, Zak não tinha muito claro se matar ao jovem teria sido um ato piedoso com a vítima ou consigo mesmo. -nos
deixe -ordenou a matrona SiNafay enquanto entrava no pequeno quarto iluminado com a luz de uma vela. Por um momento Alton se sentiu molesto com a petição. depois
de tudo, este era seu quarto pessoal. Mas com muita prudência, recordou-se a si mesmo que SiNafay era a mãe matrona da família, ama e senhora da casa Hun'ett. Dissimulou
o instante de vacilação com uma série de torpes reverencia e palavras de desculpa, e saiu do quarto. Masoj espiou a sua mãe que aguardava a partida do Alton. Pelo
tom agitado do SiNafay, o jovem mago tinha adivinhado a importância da visita. Tinha dado motivos ao aborrecimento de sua mãe? Ou, melhor dizendo, fazia Alton alguma
coisa indevida? Quando SiNafay se voltou para ele, com uma expressão de prazer maligno, Masoj compreendeu que o nervosismo da matrona se devia ao entusiasmo. -A
casa Dou'Urdem falhou! -exclamou SiNafay. perdeu o favor da rainha aranha! -Como? -perguntou Masoj, assombrado. Estava à corrente de que Dinin e Drizzt tinham
retornado vitoriosos da superfície, que o êxito da incursão tinha merecido os elogios de toda a cidade. -Desconheço os detalhes -respondeu a matrona SiNafay, um
pouco mais serena. Um deles, possivelmente um dos filhos, fez algo que desgostou ao Lloth. A notícia me transmitiu isso uma das donzelas da rainha aranha. Tem
que ser verdade! -A matrona Malícia atuará para corrigir a situação -manifestou Masoj. De quanto tempo dispomos? -O desgosto do Lloth não será revelado à matrona
Malícia -disse SiNafay. Ao menos, não muito logo. A rainha aranha sabe tudo. Sabe que planejamos atacar a casa Dou'Urdem, e unicamente uma desgraçada casualidade
poderia avisar à matrona Malícia de sua situação se desesperada antes de que sua casa resulte destruída. "Não devemos perder tempo -acrescentou a matrona SiNafay.
No prazo de dez ciclos do Narbondel devemos atirar o primeiro golpe! A batalha começará quase imediatamente depois, antes de que a casa Dou'Urdem possa relacionar
sua perda com nossas atividades. -Qual será a perda repentina? -quis saber Masoj, embora acreditava conhecer a resposta. -Drizzt Dou'Urdem -respondeu SiNafay,
agradada-, o filho favorito. Mata-o. As palavras da mãe foram como uma doce melodia para os ouvidos do Masoj. Se arrellanó na cadeira e cruzou as mãos detrás da
nuca enquanto considerava a ordem. -Não me falta -advertiu-lhe SiNafay. -Não fracassarei -afirmou Masoj. Apesar de sua juventude, Drizzt é um rival formidável.
Além disso, o irmão maior quase sempre está com ele. -O mago olhou à matrona com expressão ofegante. Posso matar também ao irmão? -Vê com muita cautela, meu
filho -replicou SiNafay. Drizzt Dou'Urdem é nosso objetivo principal. Concentra todos seus esforços em conseguir que mora. -Como você ordene -disse Masoj, com
uma reverência. Ao SiNafay agradava ver como o filho aceitava suas decisões sem as discutir. dirigiu-se para a porta; confiava na capacidade do Masoj para cometer
o crime. -Se Dinin Dou'Urdem se entremete -acrescentou a matrona, disposta a premiar ao Masoj por sua obediência-, pode matá-lo. A expressão do Masoj descobriu
suas ânsias por cometer o segundo assassinato. -Não tolerarei nenhum fracasso! -advertiu-lhe SiNafay, esta vez com um tom de ameaça que desinflou um tanto os ânimos
do mago. Drizzt Dou'Urdem tem que morrer antes de dez dias!

Masoj se forçou em apartar ao Dinin de seus pensamentos. Drizzt deve morrer, repetiu uma e outra vez como uma letanía, muito depois da marcha de sua mãe. Já sabia
como cometeria o assassinato. Agora só podia confiar em que a oportunidade não demorasse para chegar. A terrível lembrança da incursão à superfície perseguiu o Drizzt,
acossou-o, enquanto percorria os corredores do Daermon N'a'shezbaernon. Tinha abandonado a toda pressa a sala de audiências no instante em que a matrona Malícia
o tinha despedido, e se tinha liberado do irmão à primeira oportunidade porque desejava poder estar a sós. As imagens se mantinham: o horror nos olhos da menina
elfa quando se ajoelhou junto ao cadáver da mãe. A expressão aterrorizada da mulher no último suspiro enquanto Shar Nadal retorcia a espada na ferida. Os elfos da
superfície estavam ali nos pensamentos do Drizzt: não podia expulsá-los. Caminhavam junto ao Drizzt em sua vagabundagem, tão reais como quando a patrulha do jovem
os tinha atacado em meio da festa. Drizzt se perguntou se alguma vez voltaria a estar sozinho. Com o olhar baixo, consumido pela sensação de perda, Drizzt não emprestava
atenção ao caminho. Deu um salto atrás, surpreso, quando ao dobrar em um dos corredores se chocou contra algo. encontrou-se cara a cara com o Zaknafein. -voltaste
para casa -disse o professor de armas, distraído, e seu inexpressivo rosto não refletia o tumulto de emoções que lhe queimava o peito. Drizzt se perguntou se também
ele poderia dissimular o sofrimento. -Por um dia -respondeu, indiferente, embora ardia de cólera contra Zaknafein. Agora que Drizzt tinha presenciado a crueldade
dos drows, as façanhas do Zak lhe pareciam ainda mais repugnantes. Minha patrulha volta para os túneis com a primeira luz do Narbondel. -Tão logo? -perguntou
Zak, surpreso. -Chamaram-nos -replicou Drizzt. Deu um passo para afastar-se, e Zak o sujeitou pelo braço. -Serviço geral? -quis saber Zak. -Não -respondeu
Drizzt. Há atividade nos túneis orientais. -Por isso chamam os heróis -comentou Zak, zombador. Drizzt demorou uns segundos em responder. Havia sarcasmo na voz
do Zak? Possivelmente sentia ciúmes porque Drizzt e Dinin podiam sair a lutar enquanto Zak tinha que permanecer na casa Dou'Urdem para cumprir com seu trabalho de
professor de armas. Tantas eram suas ânsias de sangue que não podia tolerar que outros combatessem em seu lugar? Acaso Zak não os tinha treinado ao Dinin e a ele?
Não tinha convertido a centenares de guerreiros em armas viventes, em assassinos? -Quanto tempo estará fora? -perguntou Zak, interessado pelas atividades do Drizzt.
-Uma semana como máximo -repôs o jovem. -E depois? -De novo em casa. -Não está mau -afirmou Zak. Alegrará-me verte outra vez entre as paredes da casa Dou'Urdem.
Drizzt pôs em dúvida a sinceridade das palavras de seu antigo professor. Então, em um movimento inesperado, Zak o aplaudiu em um ombro com a intenção de provar os
reflexos do jovem. Mais surpreso que assustado, Drizzt aceitou o contato sem oferecer nenhuma resposta. -Possivelmente no ginásio? -perguntou Zak. Você e eu,
como nos velhos tempos. "Impossível!", desejou poder gritar o jovem. Nunca mais voltaria a ser como nnaquele tempo. naquele tempo. De todos os modos, Drizzt se guardou
a opinião e assentiu. -Com muito prazer -aceitou, enquanto se perguntava se se sentiria agradado derrotando ao Zak. Drizzt conhecia agora a realidade que o rodeava
e sabia que não podia fazer nada por trocá-la. Entretanto, possivelmente podia introduzir uma mudança em sua vida privada. Talvez se matava ao Zaknafein, seu maior
desengano, poderia afastar-se da maldade de seu entorno. -O mesmo digo -respondeu Zak, com um tom de amizade que ocultava suas verdadeiras intenções. As mesmas
do Drizzt. -Então, até a semana que vem -disse Drizzt. E se afastou, incapaz de permanecer por mais tempo com o drow que tinha sido seu melhor e mais querido amigo,
e que, como bem sabia agora, era tão cruel e matreiro como o resto de sua raça. -Por favor, matrona -implorou Alton-, é meu direito. Rogo-lhes isso!

-Espera um pouco mais, DeVir -respondeu SiNafay com um tom de piedade, um sentimento pouco habitual e quase nunca manifestado. -esperei... -Já quase é a hora
-replicou SiNafay, esta vez com um deixe de ameaça. Além disso, tentaste-o antes. A careta grotesca do Alton provocou o sorriso do SiNafay. -Sim -acrescentou.
Estou inteirada do fracasso de seu intento por acabar com a vida do Drizzt Dou'Urdem. Desde não ser pela aparição do Masoj, o jovem guerreiro te teria matado. -Tive
a ocasião de destrui-lo! -exclamou Alton. -Possivelmente teria ganho -concedeu SiNafay, sem vontades de discutir-, mas só te teria servido para te revelar como
um impostor assassino, e a ira de todo Menzoberranzan teria cansado sobre sua cabeça. -Não me importa. -Te teria importado, pode me acreditar! -afirmou a matrona
SiNafay. Teria perdido a oportunidade de reclamar uma vingança mais importante. Confia em mim, Alton DeVir. Sua vitória, nossa vitória, está ao alcance da mão.
-Masoj matará ao Drizzt, e possivelmente também ao Dinin -protestou Alton. -Há outros Dou'Urdem que podem morrer pela mão do Alton DeVir -prometeu-lhe a matrona
SiNafay. Grandes sacerdotisas. Alton não encontrava consolo para a desilusão de não poder matar ao Drizzt. por cima de todo o resto desejava matar ao jovem. Tinha-o
envergonhado o dia em que o tinha convidado a ir a seus aposentos no Sorcere. O guerreiro Dou'Urdem teria que ter resultado morto rápida e discretamente. Alton queria
reparar seu engano. Mas não podia passar por cima a promessa do SiNafay. A possibilidade de matar a uma ou duas grandes sacerdotisas tinha seus atrativos. A suavidade
dos almofadões de sua cama, tão diferente do resto do mundo pétreo do Menzoberranzan, não aliviou a dor do Drizzt. Tinha aparecido outro espectro ainda mais terrível
que as imagens do açougue na superfície: o espectro do Zaknafein. Dinin e Vierna lhe tinham revelado a verdade sobre o professor de armas, da intervenção do Zak
na queda da casa DeVir, E de como Zak desfrutava com o assassinato de outros drows; elfos escuros que não lhe tinham feito nenhum mal nem mereciam sua fúria. Era
evidente que também Zaknafein participava deste jogo cruel da vida dos drows que tinha como única meta agradar à rainha aranha. -Meus atos na superfície a terão
agradado? -murmurou Drizzt em voz alta, e o sarcasmo de suas palavras o consolou um pouco. O consolo do Drizzt por ter salvado a vida da menina elfa parecia um
ato menor frente ao terrível castigo que a patrulha tinha infligido a sua gente. A matrona Malícia, sua mãe, tinha desfrutado muitíssimo com o relato da matança.
Drizzt recordou o horror da menina ao ver sua mãe morta e se perguntou se ele, ou qualquer outro elfo escuro, haveriam-se sentido tão comovidos ante o mesmo espetáculo.
"Dificilmente", pensou. Drizzt não sentia nenhum carinho para sua mãe, e a maioria dos drows teriam estado muito mais interessados em valorar a repercussão da morte
de sua própria mãe em sua posição social que em chorar a perda. Teria chorado Malícia a morte do Drizzt ou Dinin durante a incursão? Uma vez mais Drizzt conhecia
a resposta. A Malícia só interessava o resultado da missão na medida que afetava a seu próprio poder. Sua alegria ante o fato de que os filhos tinham agradado à
rainha aranha o tinha deixado bem claro. Que favores dispensaria Lloth à casa Dou'Urdem se chegava ou seja a verdade das ações do Drizzt? O jovem não tinha maneira
de saber até que ponto o resultado da incursão podia ter interesse para a rainha aranha. Não sabia quase nada sobre o Lloth nem desejava sabê-lo. Era possível que
seu comportamento na superfície tivesse provocado a cólera divina, ou que o fizessem seus atuais pensamentos? Drizzt se estremeceu ao pensar nos castigos que podiam
cair sobre ele, mas já tinha decidido quais seriam seus próximos passos. Retornaria à casa Dou'Urdem dentro de uma semana, e iria ao ginásio para reunir-se com seu
velho professor. dentro de uma semana mataria ao Zaknafein. Ensimismado nas emoções de uma perigosa e sentida decisão, Zaknafein apenas se escutava o raspar da pedra
enquanto tirava fio à espada.

A arma tinha que estar perfeita, sem rebarbas nem melladuras. Esta tarefa devia ser executada sem malícia nem cólera. Um golpe limpo, e Zak se livraria dos fantasmas
de seus próprios fracassos, e poderia voltar a encerrar-se no refúgio de suas habitações privadas, seu mundo secreto. Um golpe limpo, e teria feito aquilo que teria
que ter feito uma década antes. -Se tivesse tido então o valor -lamentou-se. Quanto dor lhe teria evitado ao Drizzt? Quanto terá sofrido na Academia para estar
tão trocado? As palavras soaram ocas na habitação vazia. Não eram mais que palavras, absolutamente inúteis agora que tinha perdido ao Drizzt para sempre. Agora seu
filho era um guerreiro drow, com todas as conotações malignas que acompanhavam a este título. Não havia outra escolha se Zaknafein desejava dar algum sentido a sua
miserável existência. Esta vez não conteria o golpe. Tinha que matar ao Drizzt.

22

Anões, malignos anões

Entre as voltas e revoltas do labirinto de túneis da Antípoda Escura, sempre em silêncio, moviam-se os svirfneblis, os pequenos das profundidades. Nem bons nem maus,
e desconjurado neste mundo perverso, os pequenos das profundidades sobreviviam e prosperavam. Guerreiros arrogantes, hábeis na fabricação de armas e armaduras, e
mais
peritos no manejo da pedra que os malignos anões cinzas, os svirfneblis viviam dedicados à extração de gemas e metais preciosos apesar dos perigos que os aguardavam
em cada rincão. Quando no Blingdenstone, o setor de túneis e cavernas que formavam a cidade dos pequenos das profundidades, receberam a notícia de que tinham descoberto
uma rica nervura de gemas a uns trinta quilômetros ao este, Belwar Dissengulp, capataz de mineiros, teve que fazer valer seus méritos para conseguir o privilégio
de dirigir a expedição mineira. Belwar e seus companheiros sabiam que a distância até a nova jazida os aproximaria perigosamente ao Menzoberranzan, e que inclusive
chegar até ali significava uma semana de viagem através dos territórios de outro centenar de inimigos. Mas o medo não era obstáculo para a avaliação que sentiam
os svirfneblis pelas gemas, e o perigo era algo habitual na Antípoda Escura. Belwar e os quarenta mineiros chegaram a seu ponto do destino sem muitas dificuldades.
tratava-se de uma caverna pequena assinalada com a marca do tesouro dos pequenos e, tal como haviam dito os exploradores, a jazida era riquíssima. O capataz controlou
seu entusiasmo; não podia esquecer que vinte mil elfos escuros, os mais odiados e terríveis inimigos dos svirfneblis, viviam a não mais de oito quilômetros deste
lugar. A primeira tarefa foi construir túneis de emergência de um metro de altura que permitiam o passo dos pequenos mas não o de alguém maior. Ao longo destes túneis
colocaram barreiras de pedra destinadas a desviar os raios mágicos ou diminuir os efeitos das bolas de fogo. Então, quando por fim começaram as tarefas de mineração,
Belwar dedicou a uma terceira parte dos pequenos à vigilância, e ele mesmo se passeava pela zona de trabalho com uma mão sempre posta na esmeralda mágica pendurada
de um colar ao redor do pescoço. -Três patrulhas completas -comentou- Drizzt ao Dinin quando chegaram a campo "aberto" no lado leste do Menzoberranzan. Umas
poucas estalagmites marcavam este setor da cidade que agora se via povoado por dúzias de guerreiros. -Não se pode menosprezar aos pequenos -replicou Dinin. São
malignos e poderosos... -Tão malignos como os elfos da superfície? -interrompeu-o o jovem, que dissimulou o sarcasmo com um falso entusiasmo. -Quase -respondeu
Dinin, muito sério, sem advertir a dobro intenção da pergunta. Dinin assinalou para um lado, onde um contingente de mulheres drows partia em direção ao grupo.
Noviças - acrescentou-, acompanhadas por uma grande sacerdotisa. É a confirmação de que os rumores de atividade no setor oriental são certos. Um estremecimento,
provocado pela excitação prévia à batalha, sacudiu ao Drizzt, embora esta vez moderado por um temor que não era físico nem provocado pelos pequenos. Assustava-o
a
possibilidade de que esta batalha resultasse uma repetição da tragédia na superfície. Apartou os negros pensamentos e se recordou a si mesmo que esta vez, a diferença
do acontecido no mundo exterior, invadiam seu território. Os pequenos tinham cruzado os limites do reino drow. Se eram

tão malignos como diziam Dinin e outros, Menzoberranzan não tinha mais escolha que responder com todas suas forças. A patrulha do Drizzt, a mais famosa entre os
guerreiros, partiria à frente, e Drizzt, como sempre, seria o explorador avançado. Não o entusiasmava muito a missão e, quando ficaram em marcha, pensou na possibilidade
de desviar ao grupo em outra direção, ou adiantar-se para entrar em contato com os pequenos antes de que aparecessem outros e lhes advertir do perigo. Drizzt compreendeu
que isto era uma tolice. Não podia desviar a maquinaria do Menzoberranzan do curso eleito como tampouco podia fazer nada para atrasar a cincuentena de guerreiros
drows, excitados e impaciente, que o seguiam. Uma vez mais estava metido em um aperto e ao bordo do desespero. Naquele momento se aproximou Masoj Hun'ett, e todo
lhe pareceu melhor. -Guenhwyvar! -gritou o mago, e a grande pantera se apresentou no ato. Masoj deixou ao felino junto ao Drizzt e se encaminhou para seu lugar
na coluna. Guenhwyvar deu amostras de uma grande alegria ao ver o Drizzt, um sentimento que o jovem manifestou a sua vez com um sorriso de orelha a orelha. Entre
umas coisas e outras não tinha visto o Guenhwyvar em mais de um mês. A pantera se esfregou com tanta força contra o magro corpo do drow que esteve a ponto de fazê-lo
cair. Drizzt respondeu ao afeto do animal com uma forte palmada no lombo e depois lhe acariciou as orelhas. de repente os dois se voltaram, conscientes de que alguém
os observava com profundo desgosto, e viram o Masoj com os braços cruzados sobre o peito e o sobrecenho franzido. "Não utilizarei à besta para matar ao Drizzt -decidiu
o mago para seus adentros. Quero ter o prazer de matá-lo eu mesmo." Drizzt se perguntou se o ciúmes poderiam ser a causa daquela expressão. Tinha ciúmes do Drizzt
e da pantera, ou de tudo em geral? Masoj não tinha podido acompanhá-los à superfície, e tinha tido que limitar-se a ser um espectador mais da volta triunfal da patrulha.
Drizzt se separou do Guenhwyvar, sensível à dor do mago. logo que Masoj desapareceu da vista e ocupou seu lugar na coluna, Drizzt fincou um joelho em terra e abraçou
à pantera. Drizzt se alegrou mais que nunca de ter a companhia do Guenhwyvar quando passaram além dos túneis que formavam parte do percurso habitual das patrulhas.
Segundo um dito do Menzoberranzan "não há ninguém mais solo que o guia de uma patrulha drow", e Drizzt tinha tido ocasião de comprová-lo durante os últimos meses.
deteve-se o final de um amplo corredor e permaneceu absolutamente imóvel, com todos os sentidos atentos aos caminhos que tinha diante. Sabia que mais de quarenta
drows se aproximavam de sua posição, equipados para o combate e nervosos. Entretanto, Drizzt não detectava nenhum som nem movimento nas sombras espectrais da pedra
fria. O jovem olhou à pantera, que esperava paciente a seu lado, e reatou a marcha. Podia perceber o calor da patrulha a suas costas. Esta sensação intangível era
a única coisa que impedia ao Drizzt pensar que Guenhwyvar e ele estavam sozinhos. Quase ao final do dia, Drizzt ouviu os primeiros sinais do inimigo. Ao aproximar-se
de uma intercessão no túnel, quase pego à parede, percebeu uma vibração sutil na pedra. A vibração se repetiu uma vez mais e depois outra, e Drizzt compreendeu que
a origem era o martilleo rítmico de um pico ou uma maça. Do interior da mochila tirou uma placa aquecida magicamente, uma pequena prancha metálica quadrada, que
cabia na palma da mão. Um lado do objeto estava revestido com uma grossa parte de couro, mas o outro resplandecia no espectro infravermelho. Drizzt dirigiu a luz
da placa para o túnel a suas costas, e uns segundos mais tarde Dinin se reuniu com ele. -Martelo -transmitiu Drizzt no código mudo, assinalando a parede. Dinin
apoiou uma orelha contra a pedra e assentiu. -Cinqüenta metros? -perguntou Dinin com os dedos. -menos de cem -confirmou Drizzt. Com uma placa idêntica a do jovem,
Dinin transmitiu o sinal de preparados à patrulha, e depois avançou junto ao Drizzt e Guenhwyvar em direção à fonte do som. Ao cabo de um instante, quando chegaram
à intercessão, Drizzt teve a oportunidade de ver pela primeira vez aos svirfneblis. A uma distância de seis metros se encontravam dois sentinelas, de uma altura
próxima ao metro, calvos, e com a pele muito parecida com a pedra tanto na textura como nas radiações de calor. Os olhos dos pequenos brilhavam no espectro infravermelho.
Um olhar a aqueles olhos recordou aos irmãos que os pequenos das profundidades podiam ver na escuridão igual aos drows, e portanto se ocultaram prudentemente detrás
de um montão de rochas. Dinin transmitiu o sinal de perigo ao seguinte drow na coluna, que a passou ao seguinte até que todos estiveram advertidos. Depois se agachou
e espiou por uma esquina da base do

montículo. O túnel continuava até uns dez metros além dos guardas e descrevia uma pequena curva para acabar no que devia ser uma caverna maior. Dinin não alcançava
a ver aquela parte, mas o resplendor que emanava dela, produto do calor do trabalho e dos corpos, iluminava o corredor. Uma vez mais Dinin fez um sinal a seus soldados,
e logo se voltou para o Drizzt. -Espera aqui com a besta -ordenou-lhe, e retrocedeu velozmente em busca de outros chefes para riscar os planos de ataque. Masoj,
desde seu posto na coluna, observou os movimentos do Dinin e se perguntou se por azar tinha surto a oportunidade de matar ao Drizzt. Se a patrulha era descoberta
com o Drizzt solo na dianteira, havia alguma forma de poder disparar um raio contra o jovem Dou'Urdem sem ser surpreso? O mago não teve tempo de responder a sua
pergunta porque naquele preciso momento apareceram vários drows. Ao cabo de uns minutos, Dinin retornou do fundo da coluna e se dirigiu para onde estava seu irmão.
-A cova tem muitas saídas -transmitiu-lhe Dinin assim que chegou junto ao Drizzt. As outras patrulhas se dirigem agora para elas para rodear aos pequenos. -Não
poderíamos parlamentar com eles? -perguntaram as mãos do Drizzt, quase em um ato inconsciente. O jovem reconheceu o significado da expressão do Dinin, mas agora
já não podia tornar-se atrás. Conseguir que partam sem brigar? Dinin sujeitou ao Drizzt pelo peito do piwafwi e o aproximou de seu rosto, retorcido pela fúria.
-Por esta vez esquecerei o que há dito -sussurrou, para depois soltá-lo com um tranco, dando por concluída a discussão. Você começará a briga -acrescentou Dinin.
Quando receber o sinal, obscurece o corredor e deixa atrás aos guardas. Tem que acabar com o chefe anão. Ele é a chave do poder que têm com a pedra. Drizzt não sabia
a que poder se referia Dinin, mas as instruções pareciam bastante singelas, embora um tanto suicidas. -te leve a besta se é que te quer acompanhar -prosseguiu
Dinin. A patrulha se reunirá contigo em questão de segundos. Outros grupos chegarão pelas outras entradas. Guenhwyvar tocou ao Drizzt com o focinho, disposta a
segui-lo na batalha. O jovem se consolou com a atitude da pantera, quando Dinin partiu e o deixou outra vez só no fronte. Uns segundos mais tarde recebeu a ordem
de atacar. Drizzt sacudiu a cabeça assombrado ao ver o sinal. Os guerreiros drows tinham chegado a suas posições com uma rapidez pasmosa! Espiou aos sentinelas que
permaneciam em seus postos, completamente alheios ao perigo que se abatia sobre eles. Drizzt empunhou suas cimitarras, tocou a cabeça do Guenhwyvar para desejar-se
sorte, e depois utilizou a magia inata de sua raça para lançar um globo de escuridão no corredor. Os chiados de alarme ressonaram nos túneis enquanto Drizzt se mergulhava
de cabeça entre os dois guardas. ficou de pé ao outro lado do globo mágico, a um par de passos da caverna. Viu uma dúzia de pequenos que corriam de um lado para
outro,
desesperado-se na preparação de suas defesas. Muito poucos emprestaram atenção ao Drizzt porque os ruídos da batalha se escutavam em todos os corredores laterais.
Um pequeno descarregou um golpe com seu pesado pico contra o ombro do Drizzt. O jovem parou o golpe com uma de suas cimitarras e se surpreendeu ante a força dos
braços
do pequeno. De todos os modos, Drizzt teria podido matar a seu atacante com a outra cimitarra, mas as dúvidas e as lembranças o impediram. Optou por livrar do pequeno
de um chute no estômago que o fez voar pelos ares. Belwar Dissengulp, que era o objetivo do Drizzt, observou a facilidade com que o jovem drow se desembaraçou de
um de seus melhores guerreiros e compreendeu que tinha chegado o momento de empregar a magia mais poderosa. Agarrou a gema pendurada de seu pescoço e a jogou nos
pés do drow. Drizzt se separou de um salto, alerta às emanações da magia. Ouviu o avanço dos companheiros, que tinham acabado com os guardas e corriam em sua ajuda,
mas concentrou sua atenção nas linhas de calor no chão de pedra. As linhas cinzas se elevavam e retorciam como se a pedra estivesse a ponto de cobrar vida. Outros
guerreiros drows passaram junto ao Drizzt e atacaram ao chefe anão e a suas hostes. O jovem não os seguiu, ao intuir que aquilo que se movia na pedra era muito mais
perigoso e podia ter uma influência decisiva no resultado da batalha. de repente, um humanoide de pedra de cinco metros de altura e duas de largura se elevou do
chão diante do jovem. -Um elementar! -gritou alguém de um extremo. Drizzt viu que se tratava do Masoj, acompanhado pelo Guenhwyvar: o mago passava a toda pressa
as folhas de um livro de feitiços, ao parecer em busca de um duomer para lutar contra este terrível monstro. Para seu desespero, o mago murmurou um par de palavras
e desapareceu.

Drizzt plantou os pés com firmeza e estudou ao monstro, preparado para saltar a um lado. Percebia o poder do gigante, a energia da terra encarnada em seus braços
e pernas. Um punho enorme percorreu um amplo arco, passou a um par de centímetros por cima da cabeça do Drizzt, que se agachou a tempo, e se estrelou contra a parede
da caverna, da que se desprendeu uma chuva de pó. "Não permita que te pilhe!", respirou-se Drizzt em um sussurro que soou como uma exclamação de incredulidade. Enquanto
o elementar jogava para trás o braço, Drizzt o golpeou com a cimitarra. Viu que saltava uma lasca de pedra quase diminuta, mas o monstro mostrou uma expressão de
dor: ao parecer podia lhe fazer danifico com suas cimitarras encantadas. Ainda no mesmo lugar de antes, o invisível Masoj mantinha preparado seu próximo feitiço.
por agora preferia contemplar o espetáculo e esperar a que os combatentes se esgotassem. Possivelmente o elementar acabasse com o Drizzt para sempre. Resignado,
Masoj encolheu os invisíveis ombros e decidiu deixar que a magia dos pequenos fizesse o trabalho sujo por ele. O monstro lançou outro golpe, e um terceiro, e Drizzt
se mergulhou entre as pernas como pilares com a intenção de situar-se detrás de seu oponente. O elementar reagiu depressa e descarregou um pisão que a ponto esteve
de esmagar ao ágil drow. O golpe contra o estou acostumado a abriu uma rede de gretas em vários metros à redonda. Drizzt se levantou com a velocidade do raio e descarregou
suas cimitarras contra as costas do elementar, para depois apartar-se de um salto no momento em que o monstro se voltava para ele com outro murro formidável. Os
ruídos da batalha se afastaram. Os pequenos -os que ainda viviam- tinham escapado, e os drows os perseguiam. Não havia ninguém para ajudar ao Drizzt em seu enfrentamento
com o elementar. O monstro deu outro pisão, e o estrondo do golpe quase tombou ao Drizzt. Depois se deixou cair sobre o jovem, utilizando o peso do corpo como uma
arma. Se Drizzt não tivesse estado atento, ou se seus reflexos não tivessem sido perfeitos, sem dúvida o elementar teria conseguido seu propósito. O guerreiro evitou
por milímetros a queda da mole e só recebeu um golpe sem nenhuma importância. O pó se elevou ao produzir o terrível impacto; as paredes e o teto da caverna se gretaram,
e caíram lascas e flocos sobre o chão. Assombrado ante tal demonstração de potência, Drizzt observou como o monstro ficava de pé. Estava sozinho contra aquela coisa,
ou ao menos isso acreditava. Uma súbita tormenta de fúria raivosa envolveu a cabeça do elementar, e umas garras lhe abriram sulcos no rosto. -Guenhwyvar! -gritaram
Drizzt e Masoj ao uníssono. O primeiro, entusiasmado pela ajuda inesperada, e o segundo, furioso. O mago não queria que Drizzt sobrevivesse ao duelo, e não se atrevia
a lançar nenhum de seus projéteis mágicos contra Drizzt ou o elementar, com sua preciosa Guenhwyvar pelo meio. -Faz algo, mago! -gritou Drizzt, que ao reconhecer
a voz compreendeu que Masoj ainda se encontrava por ali. O monstro uivou de dor. E seu bramido soou como uma avalanche de pedras. Quando Drizzt se dispunha a ajudar
à pantera, o elementar se moveu com uma rapidez incrível para lançar-se de cabeça contra o chão. -Não! -rogou Drizzt, ao compreender que Guenhwyvar resultaria
esmagada. O felino e o elementar, em lugar de se chocar contra a pedra, afundaram-se no chão. As avermelhadas chamas dos fogos fátuos marcavam as silhuetas dos pequenos,
mostrando o caminho às flechas e as espadas dos drows. A sua vez, os svirfneblis se defendiam com outras armas mágicas que em sua maioria não eram mais que iluda
ópticas. -por aqui! -gritou um dos drows, convencido de que tinha descoberto a entrada de um novo túnel, até que se deu de bruces contra a pedra. Apesar de que
a magia dos pequenos conseguia desconcertar ao inimigo, a preocupação do Belwar Dissengulp ia em aumento. O elementar -sua magia mais poderosa e sua única esperança
de salvação- demorava muito em liquidar a um solitário guerreiro drow na caverna principal. O capataz precisava ter a seu lado ao monstro quando começasse o combate
principal. Ordenou a suas forças que adotassem uma formação defensiva sem frestas e confiou em que pudessem resistir. Então os drows, eliminados os truques dos pequenos,
lhes jogaram em cima, e a fúria dissipou o medo do Belwar. Lançou um golpe com seu pesado pico, e sorriu com ferocidade quando a arma se afundou na carne de seu
rival. O frenesi da batalha deu ao traste com os planos riscados. Nada era mais importante que alcançar ao inimigo, sentir que os picos ou as espadas atravessavam
os corpos. Os pequenos das profundidades odiavam aos drows com toda sua alma, e em toda a Antípoda Escura não havia para os elfos escuros nenhuma raça mais desprezível
que a dos svirfneblis.

Drizzt correu para o lugar onde tinham desaparecido o monstro e a pantera, mas só viu a pedra nua. -Masoj! -chamou, ansioso por obter alguma explicação do ocorrido
de alguém mais versado nas artes mágicas. antes de que o mago pudesse responder, o estou acostumado a estalou detrás do Drizzt. O jovem deu meia volta, com as armas
em alto, e se encontrou frente ao elementar. Então Drizzt observou desconsolado como a névoa rota que era a grande pantera, sua companheira mais querida, caía dos
ombros da coisa e se rompia ao aproximar-se do chão. Drizzt esquivou outro golpe, embora seu olhar não se separava da nuvem de pó e névoa que se dissipava. Já não
existia Guenhwyvar? Tinha perdido para sempre a sua única amiga? Uma luz desconhecida apareceu nos olhos lilás do Drizzt, uma fúria primitiva que estremeceu seu
corpo. Olhou ao elementar, sem indício já de medo. -Matarei-te -prometeu, e se lançou ao ataque. O monstro pareceu desconcertado, embora certamente não podia compreender
as palavras do Drizzt. Moveu uma das mãos para esmagar de um tapa a seu estúpido oponente. Drizzt nem sequer levantou as cimitarras, consciente de que era impossível
desviar o golpe. Em troca esperou a que a mão estivesse a ponto de tocá-lo, para dar um salto para diante e situar-se junto à mole de pedra. A rapidez do movimento
surpreendeu ao elementar, e a chuva de golpes que descarregou o jovem deixou boquiaberto ao Masoj. O mago jamais tinha visto nada semelhante em uma batalha. A graça
e a fluidez dos ataques tiravam o fôlego. Drizzt lançou suas cutiladas por todo o corpo do monstro e afundou as pontas de suas cimitarras nos pontos débeis, dos
que arrancou partes de pele de pedra. O elementar soltou uma vez mais seu terrível bramido e girou sobre si mesmo, impaciente por apanhar ao Drizzt e esmagar o de
uma vez por todas. Mas a cega fúria do espadachim tinha incrementado sua destreza, e o monstro dava tapas ao ar ou contra seu próprio corpo sem conseguir alcançar
à presa. -É impossível -murmurou Masoj quando recuperou o fôlego. Podia o jovem Dou'Urdem vencer a um elementar? O mago olhou a seu redor. Havia uns quantos drows
e muitos pequenos, mortos ou moribundos, mas a luta trocava constantemente de cenário e se afastava à medida que os svirfneblis chegavam aos pequenos túneis de saída
e os drows, obcecados no empenho de acabar com eles, seguiam-nos. Guenhwyvar tinha desaparecido. Na caverna só ficavam Masoj, o elementar e Drizzt. O mago invisível
sorriu: era a hora de atacar. Drizzt tinha conseguido dominar ao monstro e se dispunha a rematá-lo, quando apareceu o raio, uma brutal descarrega de energia que
cegou ao jovem drow e o lançou pelos ares contra a parede do fundo da caverna. Drizzt observou que os cabelos lhe punham de ponta e lhe tremiam as mãos, mas não
tinha nenhuma sensação -não sentia dor nem escutava ruído algum, nem sequer o da respiração- e lhe pareceu que se encontrava em um estado de animação suspensa.
O ataque dissipou o véu de invisibilidade do Masoj, e o mago apareceu à vista, rendo-se com maldade. O monstro, convertido em uma massa relatório, afundou-se lentamente
na segurança do chão de pedra. -Está morto? -perguntou- o mago ao Drizzt, com uma voz que soou aos ouvidos do jovem como um trovão. O jovem não respondeu porque
não sabia a resposta à pergunta. Escutou ao Masoj que dizia "Muito fácil", e suspeitou que o mago se referia a ele e não ao elementar. Então Drizzt notou um formigamento
nos músculos do corpo, e seus pulmões funcionaram outra vez. Respirou agitado; depois recuperou o controle do corpo e compreendeu que sobreviveria. Masoj jogou uma
olhada para ver se retornava alguém da patrulha e não viu ninguém. -Bem -murmurou enquanto observava a recuperação do Drizzt. O mago não ocultou sua alegria ao
ver que Drizzt se livrou de uma morte indolor. Tinha preparado um feitiço que converteria o assassinato do jovem em algo espantoso. Uma mão -uma gigantesca mão
de pedra- brotou do chão e sujeitou ao Masoj por uma perna para depois afundá-lo na pedra. O rosto do mago se retorceu em um grito silencioso. Seu inimigo lhe salvou
a vida. O jovem recolheu uma de suas cimitarras e descarregou um golpe no braço do elementar. A arma cortou o membro, e o monstro apareceu a cabeça entre o Masoj
e Drizzt para uivar de fúria ao tempo que afundava ainda mais a seu cativo. Drizzt empunhou a cimitarra com as duas mãos e esta vez lançou seu golpe contra a cabeça.
A lâmina fendeu o crânio em duas metades, e nesta ocasião o monstro não se refugiou no plano terráqueo: estava morto. -me tire daqui! -gritou Masoj.

Drizzt o olhou incrédulo, sem entender como o mago podia estar vivo com o meio corpo enterrado na pedra. -Como? -exclamou Drizzt. Você... -interrompeu-se, incapaz
de falar com causa do assombro. -Só quero que me tire daqui! Drizzt começou a dar voltas, sem saber como sair do atoleiro. -Os elementares viajam entre os planos
-explicou-lhe Masoj, consciente de que devia acalmar ao Drizzt se pretendia ver-se livre. Também sabia que o bate-papo serviria para afastar as suspeitas do jovem
referentes ao destinatário do raio. O chão que atravessa um elementar terrestre se converte em uma porta de comunicação entre o plano da terra e o nosso, o plano
material. A pedra se abriu quando o monstro me arrastou, mas é bastante incômoda. -Fez um gesto de dor quando a pedra lhe apertou um dos pés. A porta começa a
fechar-se! -Então possivelmente Guenhwyvar... -começou a raciocinar Drizzt. Agarrou a estatueta do bolso do Masoj e a examinou atentamente em busca de alguma falha
em seu desenho perfeito. -devolva-me isso exigiu Masoj, molesto e furioso. Sem dissimular seu desgosto, Drizzt devolveu o talismã ao Masoj, quem lhe jogou uma olhada
e o guardou no bolso. -Guenhwyvar sofreu algum dano? -perguntou Drizzt. -Não é teu assunto -replicou Masoj, cortante. Também lhe preocupava o destino da pantera,
mas nesse momento constituía um problema secundário. A porta se fecha! vá procurar às sacerdotisas! antes de que Drizzt pudesse dar um passo, deslizou-se um tabique
de pedras a suas costas, e o punho de aço do Belwar Dissengulp o deixou inconsciente de um golpe na nuca.

23

De um só golpe

-Os pequenos o levaram -informou- Masoj ao Dinin quando o chefe da patrulha retornou à caverna. O mago levantou os braços por cima de sua cabeça para permitir que
a grande sacerdotisa e seus ajudantes vissem exatamente qual era a situação. -Aonde? -perguntou Dinin. por que não lhe mataram? -Tiraram-no por uma porta secreta
-respondeu o mago-, que está em algum lugar da parede detrás de ti. Suspeito que também me teriam feito prisioneiro de não ter sido por isso... -Masoj lançou
um significativo olhar à pedra, que o retinha pela cintura. Os pequenos me teriam matado com não ter sido por sua chegada. -Tem muita sorte, mago -comentou a grande
sacerdotisa. Precisamente hoje memorizei um feitiço que te liberará da pedra. Murmurou umas instruções a seus ajudantes, que agarraram os cantis e moringas e começaram
a orvalhar com água a pedra ao redor do Masoj. A sacerdotisa se aproximou da parede e preparou as orações. -Alguns escaparam -disse-lhe Dinin. A grande sacerdotisa
compreendeu a petição. Recitou as palavras de um feitiço detector e estudou a parede. -Aqui-indicou. Dinin e outro varão correram ao lugar famoso e quase imediatamente
descobriram o contorno quase imperceptível de uma porta secreta. Enquanto a grande sacerdotisa começava a recitar as orações, uma das ajudantes jogou no Masoj o
extremo de uma soga. -te agarre bem forte -recomendou-lhe-, e agüenta a respiração. -Espera... -começou a dizer Masoj, mas a pedra se transformou em barro e
o mago se afundou no ato. Dois ajudantes atiraram da soga e o tiraram do fangal rendo-se a gargalhadas do ridículo aspecto do mago. -Bonito feitiço -comentou Masoj,
cuspindo barro. -É muito útil -respondeu a grande sacerdotisa. Sobre tudo quando lutamos contra os pequenos e seus truques com a pedra. Aprendi-o como amparo contra
os elementares terrestres. -Jogou uma olhada a uma parte de pedra junto a seus pés que correspondia a um olho e ao nariz da criatura. Embora, por isso se vê,
neste caso não teria sido necessário. -Eu o destruí-mentiu Masoj. -Vá -exclamou a grande sacerdotisa, pouco convencida. Pelo corte na pedra sabia que se utilizou
uma espada. De todos os modos abandonou o tema quando o chiado de uma pedra contra outra lhe fez voltar a atenção à parede. -Um labirinto -gemeu o guerreiro que
se achava junto ao Dinin, quando viu o túnel. Como vamos encontrar os? Dinin se deteve pensar um momento. Então se voltou para o Masoj porque lhe tinha ocorrido
uma idéia e necessitava a ajuda do mago. -Têm a meu irmão -disse. Onde está sua pantera? -por ali -respondeu Masoj, que tinha adivinhado o plano do Dinin e
não queria colaborar no resgate do Drizzt. -Chama-a -ordenou Dinin. O felino pode cheirar ao Drizzt.

-Não posso... quero dizer... -gaguejou Masoj. -Agora, mago! -gritou Dinin. A menos que prefira que relatório ao conselho regente da fuga de alguns pequenos por
sua negativa a colaborar em sua perseguição! Masoj arrojou a estatueta ao chão e chamou o Guenhwyvar, sem saber o que ocorreria a seguir. Teria conseguido o elementar
terrestre destruir ao Guenhwyvar? Apareceu a névoa, e em uns segundos se materializou a esbelta figura da pantera. -Adiante -exortou-a Dinin, assinalando o túnel.
-vá procurar ao Drizzt! -ordenou-lhe o mago à besta. Guenhwyvar procurou o rastro do jovem por um momento e depois se perdeu pelo pequeno túnel seguida pela patrulha
drow. -Onde...? -murmurou Drizzt quando por fim recuperou o conhecimento. Advertiu que estava sentado e viu que tinha as mãos ligadas diante dele. Uma mão pequena
mas muito forte o sujeitou pelos cabelos da nuca e jogou a cabeça para trás sem contemplações. -Silêncio! -sussurrou Belwar com voz áspera. Drizzt se surpreendeu
de que a criatura pudesse falar seu idioma. O pequeno soltou ao jovem e foi reunir se com os outros svirfneblis. Pela pouca altura da cova e os nervosos movimentos
dos pequenos, Drizzt deduziu que o grupo escapava dos seus. Os pequenos começaram a discutir em voz desce em seu próprio idioma, que Drizzt desconhecia. Um deles
lhe
perguntou algo ao pequeno que lhe tinha ordenado calar, ao parecer seu chefe, em um tom violento. Outro mostrou seu acordo com um grunhido e olhou furioso para o
drow.
O chefe aplaudiu ao outro pequeno nas costas e lhe assinalou uma das duas saídas da cova. A outros indicou as posições defensivas. A seguir se aproximou do Drizzt.
-Você virá conosco ao Blingdenstone -comunicou-lhe com um pouco de dificuldade no domínio do idioma drow. -E depois? -inquiriu Drizzt. -O rei decidirá -respondeu
Belwar. Se não me causar problemas, direi-lhe que te deixe ir. Drizzt soltou uma gargalhada cínica. -Prometo-te -acrescentou Belwar- que se o rei ordena sua
morte me encarregarei de que seja de um só golpe. -Pensa que acredito em suas palavras? -perguntou Drizzt, depois de soltar outra gargalhada. Me torture agora
e te divirta enquanto possa. É o que fazem com seus prisioneiros! Belwar esteve a ponto de esbofeteá-lo, mas se controlou a tempo. -Os svirfneblis não torturam!
-declarou em um tom mais alto do desejado. Os torturadores são os elfos escuros! -Deu meia volta disposto a partir enquanto reiterava sua promessa-: De um só
golpe. Drizzt descobriu que acreditava na sinceridade refletida na voz do pequeno, e teve que aceitar a promessa como um ato misericordioso. O pequeno não teria
tido
a mesma sorte no caso de cair prisioneiro da patrulha do Dinin. Belwar se afastou, mas Drizzt, intrigado, precisava conhecer algo mais desta curiosa criatura. -Como
é que falas minha língua? -quis saber. -Os pequenos não são estúpidos -replicou Belwar, sem saber muito bem quais eram as intenções do Drizzt. -Nem tampouco os
drows -apressou-se a dizer o jovem. Entretanto, nunca tive ocasião de escutar o idioma dos svirfneblis em minha cidade. -Uma vez houve um drow no Blingdenstone
-explicou-lhe Belwar, agora quase compartilhando a curiosidade do jovem. -Algum escravo -deduziu Drizzt. -Um hóspede! -afirmou Belwar. Os svirfneblis não
têm escravos! Uma vez mais Drizzt encontrou que não podia negar a sinceridade na voz do Belwar. -Como te chama? -perguntou. -Pensa que sou imbecil? -replicou
o pequeno, renda-se. Quer saber meu nome para empregar seu poder em algum de seus sujos truques de magia negra! -Não -protestou Drizzt. -Teria que te matar por
pensar que sou um estúpido -grunhiu Belwar e levantou seu pesado pico em um gesto de ameaça. Drizzt se moveu, inquieto, sem saber qual seria o próximo passado do
pequeno.

-Minha oferta segue em pé -acrescentou Belwar, baixando o pico. Se me acompanhar sem resistência lhe direi ao rei que te deixe ir. -O pequeno não acreditava que
isto pudesse passar, como tampouco acreditava Drizzt; assim que o svirfneblin, com um gesto resignado, ofereceu-lhe a outra alternativa. Se não ser assim, matarei-te
de um só golpe. Uma comoção em um dos túneis chamou a atenção do pequeno. -Belwar! -gritou um dos pequenos, que entrou na cova a toda pressa. O chefe se voltou para
o Drizzt para ver se o drow tinha escutado seu nome. Drizzt teve a prudência de olhar em outra direção e fazer ver que não o tinha escutado. Agora sabia o nome do
chefe que lhe tinha devotado misericórdia. O pequeno o tinha chamado Belwar, um nome que Drizzt jamais esqueceria. O estrépito do combate nos túneis se escutou com
toda claridade no interior da cova, e ao ponto apareceram vários pequenos. Por sua agitação, Drizzt deduziu que a patrulha drow não podia estar muito longe. Belwar
começou a dar ordens para organizar a fuga pelo outro túnel. Drizzt se perguntou o que aconteceria ele. Certamente, Belwar não podia escapar da patrulha drow com
o lastro de um prisioneiro. de repente o chefe dos pequenos deixou de falar e de mover-se. Sua imobilidade foi muito repentina. As sacerdotisas drows tinham precedido
seu avanço com feitiços paralizantes. Belwar e outro pequeno se encontravam retidos pelo duomer, e o resto do grupo, ao vê-lo, lançaram-se em disparada para a outra
saída. Os guerreiros drows, encabeçados pelo Guenhwyvar, entraram na cova. A alegria que sentiu Drizzt ao ver que a pantera não tinha sofrido nenhum dano desapareceu
ante o espetáculo da matança. Dinin e suas tropas carregaram contra os pequenos com sua selvageria habitual. Em questão de segundos -uns segundos de horror que ao
Drizzt pareceram horas- Belwar e o outro pequeno apanhado pelo feitiço das sacerdotisas eram os únicos anões vivos. Uns poucos svirfneblis tinham conseguido chegar
ao túnel, mas não tinham salvação porque os drows lhes pisavam nos talões. Masoj foi o último em entrar na cova, ainda talher de barro de pés a cabeça. Não se separou
da boca do túnel e nem sequer olhou para onde estava Drizzt, exceto para comprovar que sua pantera se mantinha vigilante junto ao segundo filho da casa Dou'Urdem.
-Uma vez mais tiveste muita sorte -comentou Dinin enquanto cortava as ligaduras das mãos do Drizzt. Ao olhar o açougue a seu redor, Drizzt não compartilhou a opinião
do irmão maior. Dinin lhe devolveu as cimitarras e depois se voltou para o guerreiro que vigiava aos dois anões paralisados. -Acaba com eles -ordenou Dinin. Um
sorriso cruel apareceu no rosto do drow ao tempo que tirava uma adaga de fio serrado. Manteve-o diante do pequeno burlando-se da criatura indefesa. -Podem vê-lo?
-perguntou a grande sacerdotisa. -Isto é o divertido do feitiço -respondeu a grande sacerdotisa. O svirfneblin sabe o que vai passar. Inclusive neste momento
não deixa de lutar para escapar do feitiço. -Façamo-los prisioneiros! -exclamou Drizzt, levado por um impulso. Dinin e outros se voltaram para o jovem. O drow
com a adaga franziu o sobrecenho com um gesto de fúria e também desiludido. -Para a casa Dou'Urdem? -perguntou- Drizzt ao Dinin com um tom esperançado. Poderíamos
utilizar... -Os svirfneblis não servem como escravos -interrompeu-o Dinin. -Assim é -afirmou a grande sacerdotisa, que se aproximou do guerreiro e lhe fez um
gesto com a cabeça. O drow voltou a sorrir e descarregou o golpe. Agora solo ficava Belwar. O guerreiro esgrimiu sua adaga manchada de sangue e se situou diante
do chefe anão. -A ele não! -gritou Drizzt, incapaz de suportar nem um segundo mais aquela terrível situação. Não o matem! Drizzt desejava poder lhes explicar
que Belwar não podia lhes fazer nenhum dano, e que matar ao pequeno indefeso seria um ato covarde e vil. Entretanto, tinha muito claro que era inútil esperar misericórdia
de sua gente. Esta vez a cólera substituiu à curiosidade na expressão do Dinin ante a atitude do segundo filho. -Se o matarem, então não haverá nenhum pequeno para
que relatório aos seus do poder de nossa gente -raciocinou Drizzt, disposto a apelar a qualquer desculpa. Teríamos que enviar o de volta, enviá-lo para que lhes
avise da loucura que é penetrar nos domínios dos drows.

Dinin olhou a grande sacerdotisa em busca de conselho. -Não está mal raciocinado -respondeu ela. Dinin não estava muito seguro dos motivos de seu irmão. Sem apartar
o olhar do Drizzt, dirigiu-se ao guerreiro. -Então lhe corte as mãos ao pequeno -ordenou. Drizzt nem sequer pestanejou, consciente de que, se o fazia, Dinin não
vacilaria em assassinar ao Belwar. O guerreiro guardou a adaga na capa e desembainhou a espada. -Espera -disse Dinin, sempre atento aos movimentos do Drizzt. Primeiro
retira o feitiço. Quero escutar seus gritos. Vários drows se aproximaram e puseram as pontas de suas espadas no pescoço do Belwar enquanto a grande sacerdotisa desfazia
o feitiço. Belwar permaneceu imóvel. O guerreiro encarregado da amputação sujeitou a espada com as duas mãos, e Belwar, o valente Belwar, estendeu os braços sem
fazer nenhum outro gesto. Drizzt desviou o olhar e esperou, temeroso, o alarido do pequeno. Belwar observou a reação do Drizzt. Era compaixão? O guerreiro drow baixou
a espada. Belwar não apartou o olhar do rosto do Drizzt enquanto a espada cerceava as bonecas, e a dor subiu por seus braços como uma língua de fogo. O pequeno não
gritou. Não deu ao Dinin a satisfação de presenciar seu sofrimento. O líder anão olhou ao Drizzt por última vez enquanto dois guerreiros drows o tiravam da caverna,
e advertiu a terrível angustia e a súplica de perdão ocultas no aparentemente inexpressivo rosto do jovem. Belwar ainda não tinha saído quando os elfos escuros encarregados
de perseguir os pequenos retornaram pelo outro túnel. -Não pudemos apanhá-los naqueles túneis tão estreitos -comunicou um deles. -Maldita seja! -exclamou Dinin.
Uma coisa era enviar de retorno ao Blingdenstone a um pequeno sem mãos e outra muito distinta permitir a fuga de pequenos sãs e aptos para o combate. Terá que capturá-los!
-Guenhwyvar pode alcançá-los -afirmou Masoj, e chamou à pantera, atento aos gestos do Drizzt. Ao jovem lhe deu um tombo o coração ao ver como o mago aplaudia a
sua companheira. -Vêem aqui, pequena -disse Masoj. Tem que sair de caça! O mago desfrutou com o sofrimento do Drizzt, consciente de que o jovem estava contra
utilizar ao Guenhwyvar nestas táticas. -Mas não se foram? -objetou Drizzt voltando-se para o Dinin, com tom vizinho no desespero. -Nestes momentos correm com
todas suas forças de volta ao Blingdenstone -respondeu Dinin, mais acalmado. Está em nós impedi-lo. -Crie que voltarão? A azeda expressão do Dinin refletiu o
absurda que lhe parecia a pergunta. -Você voltaria? -Então cumprimos nossa missão -afirmou Drizzt, que procurava em vão evitar a caçada do Guenhwyvar. -ganhamos
a batalha-reconheceu Dinin-, embora as baixas foram numerosas. Acredito que nos merecemos um pouco de diversão com a ajuda da besta do mago. -Temos que nos divertir
-coincidiu Masoj, burlando-se do Drizzt. É hora de começar. Em marcha, Guenhwyvar. Insígnia nos a que velocidade correm os pequenos assustados! Ao cabo de uns poucos
minutos, o animal retornou à cova, com um pequeno morto entre as fauces. -Volta! -ordenou-lhe Masoj enquanto a pantera deixava o cadáver a seus pés. Traz mais!
Drizzt sentiu uma opressão no peito ao escutar o ruído surdo do cadáver contra o chão. Olhou os olhos do Guenhwyvar e descobriu uma tristeza tão profunda como a
sua. A pantera era uma jaqueta, tão digna a sua maneira como o era Drizzt. Para o maligno Masoj, em troca, não era mais que um brinquedo, um instrumento para satisfazer
seus cruéis prazeres, para matar sem outra razão que a sede de sangue de seu amo. Em mãos do mago, Guenhwyvar só era uma besta assassina. A pantera se deteve na
entrada do pequeno túnel e olhou ao jovem como se queria pedir desculpas. -Vete! -gritou Masoj. Propinó um chute na garupa da besta, de uma vez que olhava ao Drizzt
com rancor. Tinha perdido a oportunidade de matar ao jovem Dou'Urdem, e teria que ir com pés de chumbo na hora de

explicar o fracasso a sua desumana mãe. Masoj decidiu que se preocuparia mais tarde do assunto. Ao menos por agora tinha a ocasião de desfrutar com o sofrimento
do Drizzt. Dinin e outros não advertiram o duelo entre o Masoj e Drizzt. Só estavam interessados na volta da pantera e entretinham a espera com comentários referentes
ao terror dos pequenos quando se encontrassem ante a besta. Dominava-os o humor macabro do momento, o pervertido senso de humor drow que os impulsionava a rir quando
se impunham as lágrimas.

QUINTA PARTE

Zaknafein

Zaknafein Dou'Urdem: mentor, professor, amigo. Eu, na cega agonia de minhas próprias frustrações, em mais de uma ocasião cheguei a lhe negar qualquer destes méritos.
Pedi-lhe mais do que podia dar? Esperava a perfeição em uma alma atormentada? Fixei umas normas que não podia alcançar, ou que eram impossíveis à vista das circunstâncias?
Poderia ter sido como ele, poderia ter vivido envolto na rede de uma cólera inútil, submetido ao ataque diário da perversidade encarnada pelo Menzoberranzan e a
maldade de minha própria família, sem poder encontrar jamais a maneira de me evadir. Parece lógico dizer que aprendemos dos enganos de nossos maiores. Isto, acredito,
foi minha salvação. Sem o exemplo do Zaknafein, eu tampouco teria encontrado a forma de escapar, ao menos não com vida. É o caminho que escolhi melhor que a vida
que conheceu Zaknafein? Penso que sim embora às vezes, sumido no desespero, tenho saudades aquele outro caminho. Teria sido mais fácil. Entretanto, a verdade não
é nada ante o autoengaño, e os princípios não têm valor se o idealista for incapaz de viver de acordo com suas próprias normas. Então este é o melhor caminho. Vivo
com muitos pesares, por minha gente, por mim mesmo, mas sobre tudo por aquele professor de armas, agora perdido para sempre, que me ensinou como -e para que- utilizar
a espada. Não há dor maior que este. Nem a punhalada de uma adaga serrada nem o fogo do fôlego de um dragão: nada queima no coração como a tristeza de ter perdido
algo ou a alguém, antes de ter conhecido seu valor. Freqüentemente elevo minha taça em um brinde inútil, uma desculpa destinada a uns ouvidos que não podem escutar:
Ao Zak, que inspirou minha coragem.
DRIZZT DOU'URDEM

24

Conhecer seus inimigos

-Oito drows mortos, entre eles uma sacerdotisa -informou Briza à matrona Malícia no balcão da casa Dou'Urdem. Briza tinha retornado à casa com as primeiras notícias
da batalha, enquanto suas irmãs permaneciam na praça central do Menzoberranzan entre a multidão, à espera de mais informações. Mas mataram a quase cinqüenta anões.
Uma vitória definitiva! -O que sabe de seus irmãos? -perguntou Malícia. Qual foi o comportamento da casa Dou'Urdem neste combate? -Como na incursão contra os
elfos da superfície, Dinin matou a cinco -respondeu Briza. Dizem que guiou o ataque principal com extraordinária valentia. A matrona Malícia se mostrou radiante
com as novas, embora suspeitava que Briza, que a observava com um sorriso lambido, ocultava-lhe algo muito mais importante. -E o que tem que o Drizzt? -inquiriu
com brutalidade. Quantos svirfneblis caíram a seus pés? -Nenhum -respondeu Briza, sem renunciar ao sorriso. De todos os modos o grande triunfo corresponde
a ele -apressou-se a acrescentar ao ver o gesto de fúria no rosto de sua mãe, que não parecia muito contente com a notícia. Drizzt matou a um elementar terrestre
-exclamou Briza-, sem ajuda de ninguém, exceto a intervenção menor de um mago! A grande sacerdotisa da patrulha declarou que correspondia a ele adjudicá-la vitória!
A matrona Malícia soltou uma exclamação de assombro e se voltou. O filho menor sempre tinha sido um enigma para ela. Sua habilidade com as armas não tinha comparação,
mas carecia da atitude e o respeito adequados. E agora isto: um elementar terrestre! Malícia tinha visto uma vez a um daqueles monstros enfrentar-se a toda uma partida
de drows, e matar a uma dúzia de guerreiros veteranos para depois seguir seu caminho como se tal coisa. Não obstante, seu filho, sempre tão desconcertante, tinha
derrotado a um sem ajuda! -Lloth nos concederá hoje seu favor -comentou Briza, sem entender do todo a reação de sua mãe. Ao escutar o comentário de sua filha,
Malícia teve uma idéia. -vá procurar a suas irmãs -ordenou. Reuniremo-nos na capela. Se a casa Dou'Urdem conseguiu a vitória nos túneis, possivelmente a reina
aranha queira nos dar alguma informação. -Vierna e Maia esperam as notícias na praça -explicou-lhe Briza, ao pensar que sua mãe se referia à batalha. Como muito
podem demorar uma hora em retornar com toda a informação. -Não me importa o mais mínimo a batalha contra os pequenos! -gritou Malícia, zangada. Já me há dito tudo
o que precisava saber; o resto não tem importância. Devemos tirar benefício dos atos heróicos de seus irmãos. -Para descobrir a nossos inimigos! -exclamou Briza,
ao compreender o plano de sua mãe. -Exatamente -respondeu Malícia. Para saber qual é a casa que intriga contra a casa Dou'Urdem. Se a reinar aranha de verdade
nos concede seu favor pela vitória de hoje, possivelmente nos benza com o conhecimento que necessitamos para derrotar a nossos inimigos. Pouco depois, as quatro
grandes sacerdotisas da casa Dou'Urdem se reuniram ao redor do ídolo aranha na sala de espera da capela. Ante elas, em um bol do ônix mais negro, ardia o incenso
sagrado -com seu aroma adocicado a flores putrefatas- que era o preferido das yochlol, as donzelas do Lloth. Chama-a mostrou uma sucessão de cores, do laranja
ao vermelho brilhante passando pelo verde. Depois tomou forma e escutou os rogos das quatro sacerdotisas e a urgência na voz da matrona Malícia. O extremo da chama
deixou dê mover-se e se arredondou, para assumir a forma de uma cabeça calva,

e a seguir se estirou para cima, sem deixar de crescer. Por fim, chama-a desapareceu e foi substituída pela imagem da yochlol, uma pilha de cera semiderretida dotada
de olhos grotescos e uma boca alargada. Quem me chamou?, perguntou a pequena figura por meio da telepatia. Os pensamentos da yochlol, muito capitalistas para quão
pequena era, ressonaram nas mentes das drows. -fui eu, donzela -respondeu Malícia em voz alta para que suas filhas a escutassem. A matrona inclinou a cabeça.
Sou Malícia, fiel servente da rainha aranha. A yochlol desapareceu em uma nuvem de fumaça, e no bol de ônix só ficaram as brasas do incenso. Um segundo depois,
a donzela reapareceu, a tamanho natural, diante de Malícia. Briza, Vierna e Maia contiveram o fôlego quando a criatura colocou dois tentáculos esverdeados sobre
os ombros da mãe. A matrona aceitou o contato dos tentáculos sem mover-se, confiada em suas razões para chamar a yochlol. me explique a razão para que venha a me
incomodar, transmitiu-lhe a criatura. Para formular uma pergunta muito singela, respondeu Malícia em silêncio, porque não faziam falta palavras para comunicar-se
com uma donzela. E você conhece a resposta. Tanto te interessa saber a resposta?, perguntou a sua vez a yochlol. Corre um grande risco. É muito urgente para mim
conhecer a resposta, respondeu a matrona Malícia. As três filhas a olhavam com curiosidade. Escutavam os pensamentos da donzela mas só podiam adivinhar as frases
da mãe. Se a resposta for tão importante, e é conhecida pelas donzelas, e portanto pela rainha aranha, não crie que Lloth lhe teria feito isso saber se esta era
sua vontade? Possivelmente antes deste dia, a rainha aranha não me julgou digna de sabê-la, disse Malícia. As coisas trocaram. A donzela fez uma pausa e voltou os
olhos para o interior da cabeça como se estivesse em comunicação com algum plano distante. -Saúde, matrona Malícia Dou'Urdem -disse a yochlol, em voz alta depois
de uns instantes de tensão. A voz da criatura era tranqüila e muito suave, e contradizia seu grotesco aspecto. -Minhas saudações para ti, e para sua senhora, reina-a
aranha! -repôs Malícia. Sorriu com severidade a suas filhas sem voltar-se para olhar à criatura que tinha a suas costas. Ao parecer, Malícia tinha acertado na hipótese
de que gozava do favor do Lloth. -Daermon N'a'shezbaernon agradou ao Lloth -acrescentou a donzela. Os varões de sua casa saíram vitoriosos na batalha de hoje,
inclusive por cima das fêmeas que os acompanhavam. Devo aceitar a chamada da matrona Malícia Dou'Urdem. A yochlol apartou os tentáculos dos ombros de Malícia, e
permaneceu imóvel, à espera de suas ordens. -Alegra-me agradar à rainha aranha! -manifestou Malícia, preocupada com a fórmula adequada para fazer sua pergunta.
Como já hei dito, só procuro a resposta a uma pergunta singela. -Faz-a -animou-a a donzela. Pelo tom de brincadeira, Malícia e suas filhas compreenderam que o
monstro já sabia qual seria a pergunta. -Dizem os rumores que minha casa está ameaçada -disse Malícia. -Rumores? A yochlol soltou uma gargalhada que soou como
o chiado de uma serra. -Confio em minhas fontes -replicou Malícia, à defensiva. Não te teria chamado se não acreditasse na ameaça. -Continua -ordenou a donzela,
divertida com as dúvidas da matrona. São algo mais que rumores, matrona Malícia Dou'Urdem. Outra casa planeja a guerra contra ti. A inesperada exclamação de surpresa
de Maia fez que a mãe e as irmãs a olhassem com desprezo. -me diga o nome da casa -rogou Malícia. Se for verdade que Daermon N'a'shezbaernon agradou hoje à rainha
aranha, então rogo ao Lloth que nos diga o nome de nossos inimigos para que possamos destrui-los. -E se a outra casa também agradou à rainha aranha? -murmurou
a donzela. Crie que Lloth deve trai-los em seu benefício? -Nossos inimigos têm todas as vantagens -protestou Malícia. Conhecem a casa Dou'Urdem. Sem dúvida
nos vigiam continuamente, e podem elaborar seus planos. Só pedimos ao Lloth que nos dê o mesmo conhecimento que a nossos inimigos. nos diga seu nome e permite que
nos encarreguemos de demonstrar qual é a casa que merece a vitória.

-E o que passará se seu inimigos som mais poderosos? -pergunto a donzela. Chamará a matrona Malícia Dou'Urdem ao Lloth para que intervenha e salve sua miserável
casa? -Não! -gritou Malícia. Utilizaremos os poderes que Lloth nos concedeu para lutar contra nossos inimigos. Inclusive se nossos inimigos são poderosos, Lloth
pode estar segura de que sofrerão um terrível castigo por seu ataque contra a casa Dou'Urdem. Uma vez mais a donzela olhou para seu interior, em busca do vínculo
com seu plano de origem, um lugar muito mais escuro que Menzoberranzan. Malícia apertou com força a mão da Briza, situada a sua direita, e a da Vierna, à esquerda.
Elas a sua vez fizeram o mesmo com Maia para fechar o círculo. -A rainha aranha está agradada, matrona Malícia Dou'Urdem -respondeu por fim a donzela. Confia
em que possivelmente ela favorecerá à casa Dou'Urdem mais que a seus inimigos quando começar a batalha. Malícia fez uma careta ante a ambigüidade da resposta, e
aceitou desgostada o fato de que Lloth jamais fazia promessas, em nenhum caso. -O que tem que minha pergunta? -atreveu-se a insistir Malícia. Do motivo de minha
súplica? Um relâmpago iluminou de repente a sala de espera da capela, e as quatro sacerdotisas perderam a visão durante uns segundos. Quando recuperaram a vista,
viram a yochlol, reduzida de tamanho, que as observava furiosa das chamas do bol de ônix. -A rainha aranha não dá respostas a coisas já sabidas! -proclamou a donzela,
com uma voz tão potente que aturdiu às drows. O fogo estalou em outro relâmpago, e a yochlol desapareceu enquanto o bol voava feito pedacinhos. A matrona Malícia
agarrou uma das partes de ônix e o jogou contra a parede. -Já sabidas? -chiou furiosa. Sabidas por quem? Quem de minha família me oculta este segredo? -Possivelmente
a que sabe não sabe que sabe -opinou Briza, em um intento por acalmar a sua mãe- . Ou possivelmente acabe de conseguir a informação, e ela não teve tempo de pô-la
em seu conhecimento. -Ela? -grunhiu a matrona Malícia. A que "ela" te refere, Briza? Estamos todas aqui. É que alguma de minhas filhas é tão estúpida como para
não dar-se conta de uma ameaça tão óbvia contra nossa família? -Não, matrona! -gritaram ao uníssono Vierna e Maia, aterrorizadas ante a ira de Malícia, que ameaçava
perder o controle. -Jamais vi o menor indício! -afirmou Vierna. -Nem eu! -acrescentou Maia. permaneci a seu lado durante muitas semanas, e vi quão mesmo você,
matrona! -Insinúas que passei por cima algo? -perguntou Malícia, com os nódulos brancos de apertar os punhos. -Não, matrona! -gritou Briza, o bastante forte
para fazer-se ouvir sobre o tumulto e desviar a atenção da mãe para ela. Então não ela a não ser ele -acrescentou Briza. Algum de seus filhos pode ter a resposta,
ou possivelmente Zaknafein ou Rizzen. -Sim -afirmou Vierna. Não são mais que varões, muito estúpidos para compreender a importância dos detalhes menores. -Drizzt
e Dinin estiveram fora da casa -prosseguiu Briza-, fora da cidade. Em sua patrulha há filhos de todas as casas mais poderosas, de todas as que se atreveriam a
nos ameaçar. A cólera resplandeceu nos olhos de Malícia, mas pouco a pouco se apaziguou ao aceitar o raciocínio das filhas. -Tragam aqui quando retornarem ao Menzoberranzan
-ordenou a Vierna e a Maia. Você -disse a Briza- te encarregue de procurar o Rizzen e ao Zaknafein. Toda a família deve estar presente para que possamos averiguar
o que precisamos saber. -Os primos e os soldados também? -perguntou Briza. Possivelmente algum deles sabe a resposta. -vou chamar os? -ofereceu-se Vierna,
entusiasmada com a excitação do momento. -Não -respondeu Malícia-, não é necessário que venham os soldados ou os primos. Não acredito que tenham nada que ver.
A donzela nos teria dado a resposta se nenhum da família direta soubesse. É uma vergonha formular uma pergunta cuja resposta se supõe que sei, cuja resposta conhece
alguém de meu círculo familiar. A matrona apertou os dentes, furiosa. -Detesto que me envergonhem! -exclamou. Drizzt e Dinin retornaram à casa um pouco mais tarde,
cansados e satisfeitos com o final da aventura. Apenas se tinham cruzado a entrada e dado a volta pelo amplo corredor que levava a suas habitações quando se encontraram
com o Zaknafein, que vinha em sentido contrário.

-Assim que o herói tornou -comentou Zak, olhando diretamente ao Drizzt, que não passou por cima o sarcasmo na voz de seu velho professor. -cumprimos nossa missão
com grande êxito -interveio Dinin, bastante molesto pelo fato de ser excluído da saudação do Zak. Dirigi o... -Estou informado de todos os detalhes -assegurou-lhe
Zak. A cidade não fala de outra coisa. Agora vete, filho maior. Tenho assuntos pendentes com seu irmão. -Irei quando me agradar! -exclamou Dinin. -Quero falar
com o Drizzt a sós -disse Zak, muito sério. Vete! Dinin jogou mão a sua espada, em um gesto muito pouco prudente. antes de que pudesse tirá-la nem um centímetro
da vagem, Zak o esbofeteou duas vezes com uma mão enquanto que na outra sustentava uma adaga, aparecido como por arte de magia, contra a garganta do filho maior.
Drizzt ficou atônito ante o espetáculo, convencido de que Zak era muito capaz de matar ao Dinin. -Vete -ordenou-lhe Zak-, se quer salvar a vida. Dinin levantou
as mãos bem alto e retrocedeu sem dar as costas a seu oponente. -A matrona Malícia se inteirará do que tem feito -advertiu-lhe ao professor de armas. -Eu mesmo
me encarregarei de dizer-lhe respondeu Zak, com uma gargalhada. Crie que ela se preocupará com ti, estúpido? No que à matrona Malícia respeita, os varões da família
determinam sua própria hierarquia. Vete, filho maior. Retorna quando tiver a coragem para me desafiar. -Vêem comigo, irmão -disse Dinin ao Drizzt. -Temos assuntos
pendentes -recordou- Zak ao Drizzt. O jovem os olhou aos dois, uma e outra vez, surpreso por seu evidente desejo de matar-se entre eles. -Ficarei -anunciou.
É verdade que tenho assuntos por resolver com o professor de armas. -Como quer, herói -disse Dinin, depreciativo. voltou-se sobre os talões e se afastou, furioso.
-Tem-te feito com um inimigo -comentou Drizzt. -Tenho muitos -afirmou Zak, renda-se-, e terei muitos mais antes de que chegue minha hora. Não tem importância.
Em troca você terá que ir com muito cuidado. despertaste o ciúmes de seu irmão, de seu irmão maior. -Dinin não dissimula o ódio que te tem -opinou Drizzt. -Mas
não ganharia nada com minha morte -replicou Zak. Não represento uma ameaça para o Dinin, em troca você... Deixou a frase em suspense. -por que ia ameaçar o?
-protestou Drizzt. Dinin não tem nada que eu deseje. -Tem o poder -manifestou Zak. Agora é o filho maior, mas não sempre foi assim. -Assassinou ao Nalfein,
o irmão que não conheci. -Sabia? -exclamou Zak. Possivelmente Dinin suspeita que outro segundo filho siga o mesmo caminho que ele para converter-se em filho
maior da casa Dou'Urdem. -Já está bem -grunhiu Drizzt, farto da estupidez do sistema de ascensão. "Que bem o conhece, Zaknafein -pensou. A quantos assassinaste
para alcançar sua posição?" -Um elementar terrestre -disse Zak, que acompanhou suas palavras com um assobio. derrotaste a um inimigo muito poderoso. -Felicitou
ao jovem com uma reverência zombadora. Qual será a próxima vítima de nosso herói? Um demônio, possivelmente? Um semideus? Sem dúvida não haverá nada... -Jamais
te escutei dizer tantas sandices -interrompeu-o Drizzt. Agora tinha chegado o momento de mostrar-se sarcástico. É que acaso meus atos inspiram o ciúmes de alguém
mais além de meu irmão? -Ciúmes! -gritou Zak. Te limpe primeiro os mucos, estúpido insolente! matei a uma dúzia de elementares terrestres! Também demônios! Não
superestime suas façanhas nem sua capacidade. Não é mais que um guerreiro em uma raça de guerreiros. Esquecê-lo poderia ser fatal. Acabou a frase com um gesto quase
provocador, e Drizzt se perguntou até que ponto seria real o suposto duelo de "prática" no ginásio. -Sei muito bem do que sou capaz -respondeu Drizzt- e quais
são minhas limitações. aprendi a sobreviver. -Como eu -replicou Zak-, ao longo de muitos séculos. -O ginásio nos aguarda -acrescentou Drizzt, muito tranqüilo.
-Sua mãe nos espera -corrigiu-o Zak. Citou a todos na capela. Não tema: teremos tempo de sobra para nosso encontro.

Drizzt passou junto ao Zak sem dizer nada mais, convencido de que as espadas se encarregariam de fechar a conversação. O que tinha sido do Zaknafein de antigamente?
Era este o mesmo professor que o tinha treinado nos anos anteriores à Academia? Drizzt estava confundido. Via o Zak sob outro prisma pelas coisas que tinha escutado
sobre suas façanhas, ou havia outra coisa, um rechaço por parte do professor de armas desde que ele tinha retornado da Academia? O som do látego devolveu ao Drizzt
à realidade. -Sou o patrão! -ouviu que gritava Rizzen. -Que mais dá! -replicou uma voz feminina, a voz da Briza. Drizzt se aproximou até a esquina da seguinte
intercessão e espiou. Rizzen e Briza se encontravam frente a frente. O varão estava desarmado, enquanto que a sacerdotisa empunhava seu látego com cabeças de serpente.
-Patrão! -burlou-se Briza. Um título que não vale nada! Não é mais que um varão que disposta sua semente à matrona. -Sou pai de quatro -exclamou Rizzen, indignado.
-Três! -corrigiu-o Briza, que fez estalar o látego para dar mais ênfase a sua afirmação- . Vierna é filha do Zaknafein, não tua! Nalfein está morto, assim só
ficam dois. Alguém é fêmea e em conseqüência está por cima de ti. Unicamente Dinin tem uma fila inferior ao teu! Drizzt se apoiou contra a parede e olhou para o
corredor deserto que tinha deixado atrás. Sempre tinha suspeitado que Rizzen não era seu verdadeiro pai. O varão jamais lhe tinha feito conta; nunca o havia renhido,
nem gabado, nem devotado conselho ou ajuda. Entretanto, escutar como o proclamava Briza... e ver que Rizzen não o negava! Rizzen demorou uns segundos em responder
aos hirientes comentários da Briza. -A matrona Malícia está inteirada de suas pretensões? -perguntou-lhe, com um tom acusador- . Sabe que sua filha maior procura
seu título? -Todas as filhas maiores procuram o título de mãe matrona -respondeu Briza, renda-se. A matrona Malícia seria uma estúpida se acreditasse outra coisa.
Asseguro-te que ela não o é, nem eu tampouco Conseguirei o título quando ela seja velha e débil. Sabe e aceita o fato. -Admite que a assassinará? -Se não ser eu,
será Vierna. E, se não ser Vierna, então Maia. É a ordem das coisas, estúpido varão. É a palavra do Lloth. A cólera brotou no peito do Drizzt quando escutou as maldades
de sua irmã, mas permaneceu em silêncio. -Você não esperará a que passem os anos para lhe arrebatar o poder a sua mãe -burlou-se Rizzen-, quando uma adaga pode
acelerar os trâmites. Você sonha possuindo o trono da casa! A voz do Rizzen se transformou em um alarido quando o látego mordeu suas carnes uma e outra vez. Drizzt
teria desejado intervir, abandonar seu esconderijo e separá-los, mas, certamente, não podia. Briza atuava tal como lhe tinham ensinado; seguia as palavras da rainha
aranha ao reafirmar seu domínio sobre o Rizzen. De todos os modos, não o mataria. E se Briza se deixava levar pela fúria? E se finalmente matava ao Rizzen? No vazio
que começava a crescer em seu coração, Drizzt se perguntou se em realidade podia lhe importar. -Deixaste-o escapar! -rugiu a matrona SiNafay. Aprenderá que não
admito o fracasso! -Não, matrona! -protestou Masoj. Alcancei-o totalmente com um raio. Nem sequer suspeitou que ele era o branco! Não pude acabar o trabalho
porque o monstro me apanhou com a porta de seu próprio plano! SiNafay se mordeu o lábio inferior, obrigada a aceitar a explicação de seu filho. Era consciente de
que lhe tinha encomendado uma missão muito difícil. Drizzt era um inimigo capitalista, e conseguir matá-lo sem deixar pistas não seria singelo. -Apanharei-o -prometeu
Masoj, com uma expressão decidida. Tenho a arma preparada. Drizzt morrerá antes de que passe o décimo ciclo, como você ordenou. -por que devo te conceder uma
segunda oportunidade? -perguntou SiNafay. por que devo supor que não fracassará no novo intento? -Porque quero vê-lo morto! -gritou Masoj. Inclusive mais
que você, matrona. Quero matar ao Drizzt Dou'Urdem! E, quando estiver morto, arrancarei-lhe o coração e o exibirei como um troféu! -Concedido -disse SiNafay, que
não podia opor-se à obsessão de seu filho. Vê em sua busca, Masoj Hun'ett. Por sua vida, descarga o primeiro golpe contra a casa Dou'Urdem e arbusto a seu segundo
filho. Masoj fez uma reverência, com uma expressão muito séria, e saiu da habitação. -Escutaste-o tudo? -perguntou SiNafay valendo do código mudo assim que se
fechou a porta.

Sabia que Masoj podia estar ao outro lado com a orelha na porta e não queria que se inteirasse desta conversação. -Sim -respondeu Alton por gestos ao tempo que
saía de detrás de uma cortina. -Está de acordo com minha decisão? -inquiriram as mãos do SiNafay. Alton não soube o que responder. Não tinha outra opção que render-se
à decisão da mãe matrona. Entretanto, não considerava acertado conceder uma segunda oportunidade ao Masoj. Seu silêncio se prolongou. -Não está de acordo -afirmou
a matrona SiNafay, com um gesto brusco. -Por favor, mãe matrona -apressou-se a dizer Alton. Não quisesse... -Está perdoado -tranqüilizou-o SiNafay. Não estou
muito convencida de ter feito bem em deixar que Masoj o tente outra vez. Há tantas coisas que poderiam sair mau! -Então por que? -atreveu-se a perguntar Alton.
me negaram a segunda oportunidade, apesar de que desejo a morte do Drizzt Dou'Urdem com mais força que ninguém. SiNafay lhe dirigiu um olhar de desprezo que dissipou
o valor do Alton. -Dúvidas de meu bom julgamento? -perguntou. -Não! -exclamou Alton em voz alta. cobriu-se a boca com uma mão e caiu de joelhos, aterrorizado.
Nunca, matrona -transmitiu por gestos. É que não compreendo o problema com tanta claridade como você. Perdoem minha ignorância. A risada do SiNafay soou como
o vaiar de um centenar de víboras furiosas. -Ocuparemo-nos juntos de resolver este problema -disse. Não penso fazer restrições, e você também terá sua segunda
oportunidade. -Mas... -protestou Alton. -Masoj irá em busca do Drizzt, mas esta vez não estará sozinho -explicou SiNafay. Você o seguirá, Alton DeVir. te ocupe
de protegê-lo e acaba com a missão. Vai nisso a vida. Alton mostrou sua alegria ao saber que por fim teria a oportunidade de vingar-se. A advertência do SiNafay
o trazia sem cuidado. -Podem dá-lo por morto -afirmou. -Pensa! -ordenou Malícia com voz rouca, o rosto perto, o fôlego quente sobre a cara do Drizzt. Você
sabe algo! Drizzt se separou da impressionante figura e olhou nervoso ao resto da família. Dinin, que acabava de passar pela mesma experiência fazia uns momentos,
ajoelhou-se e se sujeitou o queixo com uma mão. Tentava encontrar uma resposta antes de que a matrona Malícia aumentasse a pressão do interrogatório. Não passava
por cima a impaciência da Briza por empunhar o látego, e a visão contribuía muito pouco a melhorar sua memória. Malícia descarregou uma bofetada contra o rosto do
Drizzt e deu um passo atrás. -Um de vós conhece a identidade de nossos inimigos -disse furiosa a seus filhos. Nos túneis, enquanto estavam com a patrulha, um
de vós viu alguma coisa, uma pista. -Possivelmente a vimos, mas não sabemos o que pode ser -manifestou Drizzt. -Silêncio! -chiou Malícia, com o rosto brilhante
de fúria. Poderá falar quando souber a resposta a minha pergunta! Só então! -voltou-se para a Briza. Ajuda ao Dinin para que refresque a memória! Dinin pôs
a cabeça entre os braços apoiados no chão, e arqueou as costas disposta a aceitar a tortura. Fazer o contrário só teria servido para enfurecer ainda mais a Malícia.
Drizzt fechou os olhos e fez memória dos fatos ocorridos durante as numerosas missões feitas pela patrulha. sacudiu-se involuntariamente quando ouviu o estalo do
látego e os gemidos de seu irmão. -Masoj -sussurrou Drizzt, quase sem dar-se conta. Olhou a sua mãe, que levantou uma mão para deter a tortura, para grande desgosto
da Briza. -Masoj Hun'ett -repetiu Drizzt, um pouco mais forte. Na luta contra os pequenos, tentou me matar. Toda a família, em especial Malícia e Dinin, inclinaram-se
para o jovem, atentos a cada uma de suas palavras. -Enquanto combatia contra o elementar -explicou Drizzt, que recalcou a última palavra como um insulto destinado
ao Zaknafein. Dirigiu um olhar ao professor e acrescentou-: Masoj Hun'ett me atacou com um raio. -Possivelmente disparou contra o monstro -opinou Vierna. Masoj
insistiu em que foi ele quem matou ao elementar, embora a soma sacerdotisa negou sua reclamação.

-Masoj esperou -objetou Drizzt. Não interveio até que comecei a ter vantagem sobre o monstro. Então descarregou sua magia contra mim e o elementar. Penso que
esperava nos destruir aos dois. -A casa Hun'ett -sussurrou Malícia. -A quinta casa -assinalou Briza-, governada pela matrona SiNafay. -Assim que eles são nossos
inimigos -disse Malícia. -Possivelmente não -interveio Dinin, que se arrependeu no ato de ter aberto a boca. Opor-se à teoria só era provocar novos castigos.
À matrona Malícia não gostou de ver como vacilava sem atrever-se a manifestar suas razões. -te explique! -ordenou. -Masoj Hun'ett se zangou muito quando o excluíram
da incursão à superfície -disse Dinin. Deixamo-lo na cidade, só para que presenciasse nossa volta triunfal. -O filho maior olhou diretamente a seu irmão. Masoj
sempre teve ciúmes do Drizzt e de suas vitórias. Há muitos que têm ciúmes do Drizzt e desejam sua morte. Drizzt se moveu incômodo em seu assento, consciente de que
as últimas palavras constituíam uma ameaça. Espiou ao Zaknafein e tomou nota do sorriso lambido do professor de armas. -Está bem seguro do que há dito? -perguntou-
Malícia ao Drizzt, tirando o de seus pensamentos. -Também está a questão da pantera -interrompeu Dinin. É uma besta mágica do Masoj Hun'ett, embora prefira estar
perto do Drizzt e não de seu amo. -Guenhwyvar me acompanha na vanguarda -protestou Drizzt-, de acordo com suas próprias ordens. -Ao Masoj não gosta -replicou
Dinin. "Possivelmente porque você decidiu que a pantera me acompanhasse", pensou o jovem, que se cuidou muito de dizer nada. Tinha começado a ver conspirações nas
coincidências? Ou é que em seu mundo não havia outra coisa que traições e lutas pelo poder? -Está seguro do que há dito? -insistiu Malícia. -Masoj Hun'ett tentou
me matar -afirmou Drizzt. Desconheço suas razões mas é verdade que me atacou. -Então já está -declarou Briza. A casa Hun'ett, um rival muito poderoso, certamente.
-Devemos averiguar todo o possível sobre eles -disse Malícia. Enviem aos exploradores! Necessito saber de quantos soldados dispõem, o número de magos e, sobre
tudo, de sacerdotisas. -Se estivermos em um engano -apontou Dinin. Se a casa Hun'ett não é a que conspira... -Não estamos equivocados! -gritou-lhe Malícia.
-A yochlol disse que um de nós conhecia a identidade de nossos inimigos -atravessou Vierna. Quão único temos é o intento do Masoj contra Drizzt. -A menos que
você nos oculte algo -disse a matrona Malícia ao Dinin, com um tom tão frio e malévolo que o filho maior empalideceu. Dinin sacudiu a cabeça vigorosamente e a agachou,
sem ter mais que acrescentar à conversação. -Prepara a comunhão -ordenou- Malícia a Briza. Devemos averiguar a posição da matrona SiNafay com a rainha aranha.
Drizzt observou incrédulo o desenvolvimento frenético dos preparativos; cada ordem da matrona Malícia correspondia a um plano de defesa perfeitamente estudado. Mas
não era a preparação para a guerra de sua família o motivo do assombro, porque não esperava outra coisa deles: era o brilho de entusiasmo nos olhares de todos.

25

Os professores de armas

-Insolente! -grunhiu a yochlol. Ardia o fogo no braseiro, e a criatura se erguia uma vez mais detrás de Malícia, com seus terríveis tentáculos colocados sobre
os ombros da mãe matrona. Como te atreve a me chamar outra vez? Malícia e suas filhas mantiveram as cabeças papa, a ponto de deixar-se levar pelo pânico. Sabiam
que a poderosa criatura não brincava. Esta vez a donzela estava enfurecida de verdade. -A casa Dou'Urdem agradou à rainha aranha -respondeu a donzela a seus pensamentos
não manifestados-, mas aquele ato não conseguiu dissipar o desagrado que sua família produziu ao Lloth em recente passado. Não cria que tudo foi perdoado, matrona
Malícia Dou'Urdem! Que pequena e vulnerável se sentia agora a matrona Malícia! Seu poder não era nada comparado com a cólera de uma das faxineiras pessoais do Lloth.
-Desgosto? -atreveu-se a sussurrar. O que tem feito minha família para desgostar à rainha aranha? A que te refere? A risada da donzela lançou uma corrente de
chamas e aranhas, mas as grandes sacerdotisas não se moveram. Aceitaram o calor e as picadas das aranhas como parte de sua penitência. -Hei-lhe isso dito antes,
matrona Malícia Dou'Urdem -acrescentou a criatura com um tom de desprezo-, e lhe repetirei isso por última vez. A rainha aranha não responde às perguntas cujas
respostas já são conhecidas! Com um estalo de energia que jogou no chão às quatro mulheres da casa Dou'Urdem, a donzela se esfumou. Briza foi primeira em recuperar-se.
Correu até o braseiro e prudentemente apagou as chamas para fechar a porta de acesso ao plano onde vivia a yochlol. -Quem? -chiou Malícia, que voltou a ser a mesma
capitalista matrona de antes. Quem de minha família se atreveu a provocar a ira do Lloth? Então voltou a encolher-se quando compreendeu as implicações do aviso
da donzela. A casa Dou'Urdem estava a ponto de iniciar a guerra contra uma família muito mais forte. Sem o favor do Lloth, a casa Dou'Urdem se enfrentava à destruição.
-Devemos encontrar ao pecador -comunicou Malícia às filhas, segura de que nenhuma delas tinha nada que ver com este assunto. Todas eram grandes sacerdotisas. Se
alguma tivesse cometido uma falta contra a rainha aranha, a donzela a teria castigado no ato. Tinha poder suficiente para arrasar à casa Dou'Urdem. Briza empunhou
o látego de cabeças de serpente disposta a cumprir a ordem de sua mãe. -Eu me encarregarei de conseguir a informação. -Não! -disse a matrona Malícia. Não devemos
descobrir nossas intenções. O culpado, já seja um soldado ou um membro da casa Dou'Urdem, está preparado para suportar a dor. Não podemos confiar em que a tortura
consiga a confissão; não quando conhece as conseqüências de suas ações. Primeiro devemos descobrir a causa do desgosto do Lloth e depois castigar ao criminoso. Necessitamos
o respaldo da rainha aranha em nossos combates! -Então como vamos descobrir quem é? -perguntou a filha maior, enquanto voltava a enganchar o látego a seu cinturão.
-Vierna e Maia: parte -ordenou Malícia. Não digam nem façam nada que possa revelar nosso propósito. As duas irmãs fizeram um gesto de assentimento e partiram.
Não lhes agradava o papel secundário que lhes atribuía, mas não podiam fazer nada para evitá-lo.

-Primeiro olharemos -respondeu- Malícia a Briza, uma vez sozinhas. Tentaremos descobrir quem é o culpado de longe. -O bol mágico! -exclamou Briza. Saiu da
sala de espera para entrar na capela. No altar central encontrou o maravilhoso objeto, um grande bol de ouro decorado com pérolas negras. Com mãos trementes, Briza
agarrou o bol e o colocou em outro altar mais baixo e depois procurou no mais sagrado de suas muitas gavetas, onde guardavam a mais importante posse da casa Dou'Urdem:
um grande cálice de ônix. Malícia se reuniu com a Briza na capela, agarrou o cálice e caminho até a entrada, onde havia uma fonte. A matrona inundou a taça no líquido
pegajoso, a água sacrílega de sua religião, enquanto recitava uma oração: Spiderae aught icor vêem. Acabada esta parte do rito, Malícia voltou até o altar e derrubou
a água sacrílega no bol dourado. Ela e Briza se sentaram a olhar. Drizzt entrou no ginásio do Zaknafein pela primeira vez em mais de uma década e teve a sensação
de que tinha voltado para lar. Tinha passado os melhores anos de sua jovem vida neste lugar, virtualmente sem sair. Apesar das muitas desilusões que tinha sofrido
após -e que sem dúvida teria também no futuro-, Drizzt jamais esqueceria aquela fugaz faísca de inocência, aquela alegria, que tinha conhecido quando era um estudante
no ginásio do Zaknafein. O professor de armas entrou na sala e se aproximou de seu antigo aluno. Drizzt não viu nada amistoso na expressão do Zak. Um gesto azedo
tinha substituído ao sorriso de antes. Acaso era uma amostra de ódio para tudo e todos os que o rodeavam, e em particular Drizzt?, perguntou-se o jovem. Ou Zaknafein
sempre tinha tido esta expressão? A nostalgia lhe tinha feito imaginar coisas inexistentes naqueles anos de treinamento? Era este monstro frio e cruel que tinha
diante o mesmo professor que lhe tinha feito sonhar com a amizade? -O que é o que trocou, Zaknafein? -perguntou Drizzt, em voz alta. Você, minhas lembranças,
ou minhas percepções? Zak não pareceu dar-se por informado da pergunta do Drizzt. -Ah, o jovem herói tornou -disse-, o guerreiro cujas façanhas desmentem seus
anos. -por que te burla? -protestou Drizzt. -que matou aos oseogarfios -acrescentou Zak, com as espadas empunhadas, e Drizzt respondeu desenvainando as cimitarras,
suas armas favoritas, quão mesmas tinha utilizado para matar a tantos inimigos. que matou ao elementar terrestre -mofou-se Zak. Lançou um ataque de meço, um golpe
singelo com uma só espada. Drizzt o desviou sem sequer pensar na parada. de repente ardeu a cólera nos olhos do Zak, como se o primeiro contato dos aços tivesse
desfeito todas as ligaduras emocionais que o continham. -que matou à menina dos elfos da superfície! -gritou como uma acusação. Então chegou o segundo ataque,
mais poderoso v malintencionado, um arco descendente contra a cabeça do Drizzt-que a esquartejou para satisfazer sua sede de sangue! Uma cimitarra saiu ao encontro
da espada e a desviou sem conseqüências. -Assassino! -acusou-o Zak. Agradaram-lhe os gritos da menina moribunda? Esta vez atacou com um molinete. As espadas
subiam e baixavam lançando estocadas desde todos os ângulos. Drizzt, furioso pela hipocrisia das acusações, respondeu da mesma maneira, e também gritou por ter o
prazer de escutar a cólera refletida em sua voz. Um espectador teria sido incapaz de apreciar um momento de pausa nos sucessivos ataques. Jamais a Antípoda Escura
tinha presenciado uma luta como esta em que dois professores da esgrima se atacavam como poseídos pelos demônios. Saltavam faíscas das lâminas de adamantita, e as
gotas de sangue salpicavam aos opositores, embora nenhum dos dois sentia dor nem sabia se tinha ferido ao outro. Drizzt carregou com um dobro golpe lateral que obrigou
ao Zak a separar as espadas. Zak seguiu o movimento sem perder um instante; deu uma volta completa, e golpeou as cimitarras do Drizzt com a força suficiente para
fazer cair ao jovem guerreiro, quem rodou várias vezes sobre si mesmo e depois se levantou para rechaçar a carga de seu rival. Então lhe ocorreu uma idéia. Levantou
as cimitarras muito alto, muito, e Zak o fez retroceder. Drizzt sabia qual seria o próximo passo e o provocou. Zak lhe fez manter em alto suas cimitarras com uma
série de manobras combinadas. A seguir passou ao movimento que tinha derrotado a seu aluno no passado, o duplo golpe baixo, convencido de que no melhor dos casos
Drizzt só poderia igualar o combate.

Drizzt executou a parada de cruz investida, como era obrigado, e Zak se preparou, atento a que repetisse o mesmo engano de antigamente. -Assassino de meninos! -gritou
para provocá-lo. Não sabia que Drizzt tinha encontrado a solução. Com toda a raiva de que era capaz, e com todas as desilusões de sua curta vida postas no pé, Drizzt
olhou ao Zak. Contemplou o sorriso presumido e sua expressão assassina. Entre os punhos, entre os olhos, Drizzt descarregou o chute pondo até sua última gota de
força no golpe. O ruído dos ossos esmagados do nariz do Zak soou como uma bomba. Lhe puseram os olhos em branco e o sangue cobriu as enxutas bochechas. O professor
de armas era consciente de que se desabava e que aquele demônio lhe jogaria em cima como um raio, disposto a aproveitar uma vantagem que não podia superar. -E o
que me diz de ti, Zaknafein Dou'Urdem? -perguntou Drizzt, e a voz do jovem soou muito longínqua nos ouvidos do Zak. Estou informado das façanhas do professor
de armas da casa Dou'Urdem! Do muito que desfruta com o assassinato! A voz soou mais próxima à medida que Drizzt se dispunha a rematar o ataque. -Estou informado
da facilidade que tem Zaknafein para o crime! -gritou Drizzt. O assassino de sacerdotisas e drows! Tanto você gosta de matar? O jovem acabou a pergunta com os
golpes de suas cimitarras, golpes destinados a matar ao Zak, a matar aos demônios que ambos levavam em seu interior. Mas Zaknafein se recuperou, animado pelo ódio
contra Drizzt e contra si mesmo. No último momento, levantou as espadas e parou o ataque com um golpe dobro que separou as armas do rival. Depois descarregou um
chute, não muito forte devido a sua posição de convexo mas que deu totalmente na virilha do jovem. Drizzt conteve o fôlego e se apartou; aproveitou a demora do Zaknafein
-que se levantou, cambaleante- para recuperar-se. -Tanto você gosta de matar? -repetiu. -me gostar de? -exclamou o professor de armas. -Produz-te prazer?
-Satisfação! -corrigiu-o Zak. Eu Mato. Sim, eu Mato. -Você ensina a outros a matar! -A matar drows! -rugiu Zak, uma vez mais com as armas preparadas, embora
agora esperava que Drizzt fizesse o primeiro movimento. As palavras do Zak sumiram ao Drizzt na confusão. Quem era este drow que tinha diante? -Crie que sua mãe
me teria deixado viver se não obedecia seus malignos intuitos? - perguntou Zak. Drizzt o olhou sem compreender. -Odeia-me -acrescentou Zak, mais tranqüilo porque
começava a entender o desconcerto do Drizzt. Despreza-me pelo que sei. Drizzt inclinou a cabeça para um lado. -É que não pode ver a maldade que te rodeia? -gritou-lhe
Zak. É que te consumou, igual à todos outros, neste frenesi assassino que chamamos vida? -O frenesi que domina a ti -replicou Drizzt, sem muita convicção. Se
tinha entendido bem as palavras do Zak, se seu velho professor intervinha no jogo impulsionado pelo ódio à perversão de sua raça, então Drizzt só podia culpar o
de ser um covarde. -Não me domina nenhum frenesi-afirmou Zak. Vivo o melhor que posso. Sobrevivo em um mundo que não é o meu, que não existe em meu coração.
-A dor em suas palavras, a forma de agachar a cabeça ao admitir seu desamparo, não foi nenhuma novidade para o Drizzt. Mato, Mato aos drows, para servir à matrona
Malícia, para aplacar a ira, a frustração que aninha no fundo de minha alma. Quando escuto os gritos dos meninos... O olhar do Zaknafein se cravou no Drizzt, e de
repente o professor de armas se lançou ao ataque com a força de um vendaval. Drizzt tentou levantar suas cimitarras, mas Zak lhe arrancou uma com um golpe que a
fez voar ao outro lado da sala e apartou a outra. Cortou a distância até que teve ao Drizzt sujeito contra a parede. A ponta da espada do Zak fez brotar uma gota
de sangue da garganta do jovem. -A menina vive! -ofegou Drizzt. Juro-o! Não matei à menina elfa! Zak se relaxou um pouco sem apartar a espada. -Dinin disse...
-Dinin foi vítima de um engano -apressou-se a acrescentar o guerreiro. Enganei-o. Tombei à menina, com o único propósito de salvá-la, e manchei seus vestidos
com o sangue da mãe assassinada para ocultar minha covardia.

Zak se separou de um salto, embargado pela emoção. -Aquele dia não matei a nenhum elfo -afirmou Drizzt. Só tinha vontades de matar a meus companheiros. -Agora
já sabemos -disse Briza, com o olhar posto no bol mágico, enquanto espiava o final do duelo entre o Drizzt e Zaknafein, e escutava cada uma de suas palavras.
Foi Drizzt o que provocou a ira da rainha aranha. -As duas suspeitávamos que tinha sido ele -comentou Malícia-, embora tínhamos a esperança de encontrar outro
responsável. -Tanto como prometia! -lamentou-se Briza. Oxalá tivesse aprendido qual era o sítio que lhe correspondia, os valores! Possivelmente... -Sente piedade?
-exclamou a matrona Malícia. Acaso pretende zangar ainda mais à rainha aranha? -Não, matrona -respondeu Briza. Só pensava em que Drizzt poderia nos haver
sido útil no futuro, da mesma maneira que você utilizaste ao Zaknafein durante todos estes anos. Zaknafein se faz maior. -Estamos a ponto de liberar uma guerra,
minha filha -recordou-lhe Malícia. Devemos apaziguar ao Lloth. Seu irmão se procurou a desgraça. Só ele decidiu suas ações. -Decidiu mau. As palavras golpearam
ao Zaknafein com mais força que a bota do Drizzt. O professor de armas arrojou suas espadas ao outro extremo do ginásio e correu para o Drizzt. Estreitou-o entre
seus braços com tal força que ao jovem drow lhe custou alguns minutos compreender a situação. -sobreviveste! -exclamou Zak, com a voz afogada pelo pranto. sobreviveste
à Academia onde morrem todos! Drizzt devolveu o abraço, vacilante, porque não sabia até que ponto era sincera a emoção do professor. -meu filho! Drizzt quase se
deprimiu, sobressaltado pelo reconhecimento do que sempre tinha suspeitado, e inclusive mais pelo fato de não ser o único na Antípoda Escura que se opunha à maldade
dos drows. Não estava sozinho. -por que? -perguntou Drizzt, apartando ao Zak até a distância dos braços. por que te ficaste? -Aonde tivesse podido ir? -replicou
Zak, assombrado. Ninguém, nem sequer um professor de armas drow, poderia sobreviver muito tempo fora das cavernas da Antípoda Escura. Há muitos monstros, muitas
raças que procuram o sangue dos elfos escuros. -Sem dúvida há outras opções. -A superfície? -disse Zak. Me enfrentar a aquele doloroso inferno durante o resto
de minha vida? Não, meu filho, estou apanhado, ao igual a você. Drizzt tinha temido esta afirmação, tinha temido não encontrar no recém achado pai a resposta ao
dilema de sua vida. Possivelmente não havia respostas. -Não irão tão mal as coisas no Menzoberranzan -consolou-o Zaknafein. É forte, e a matrona Malícia encontrará
o uso adequado para seus talentos, embora não coincida com os desejos em seu coração. -Terei que viver a vida de um assassino, igual a você? -perguntou Drizzt,
que não pôde evitar um tom de desprezo. -O que outro caminho temos? -respondeu Zak, com o olhar posto no chão. -Não matarei a nenhum drow -declarou Drizzt, terminante.
-Fará-o -assegurou-lhe Zak, que voltou a olhar o rosto do filho. No Menzoberranzan, não tem mais opção que matar ou morrer. Esta vez tocou ao Drizzt desviar
o olhar, mas não pôde fechar sua mente às palavras do Zak. -Não há outro caminho -acrescentou o professor de armas, brandamente. Assim é nosso mundo. Assim é
nossa vida. tiveste a fortuna de evitá-lo até agora. Entretanto, verá que a sorte não é eterna. Sujeitou o queixo do Drizzt com uma mão e forçou a seu filho a que
o olhasse. -Oxalá pudesse ser de outra maneira -disse Zak, sincero-, mas não é uma vida tão má. Jamais lamentei matar elfos escuros. Percebo suas mortes como
um meio de salvar os desta existência perversa. -Fez uma pausa e adicionou sorridente-: Se tanto amam a sua rainha aranha, então que vão reunir se com ela!

"Exceto os meninos -acrescentou, outra vez sério. Freqüentemente escutei os gritos dos meninos, embora nunca, juro-lhe isso, causei-lhes nenhum dano. Sempre quis
saber se eles também nascem malignos, ou se for o peso de nosso mundo escuro o que os leva a aceitar a baixeza de nossas normas. -As normas da maldita Lloth -assinalou
Drizzt. Os dois permaneceram em silencio durante um bom momento, cada um ensimismado nas realidades de seus dilemas pessoais. Zak foi o primeiro em falar, porque
fazia muitos anos que se resignou a esta vida. -Lloth -disse com uma gargalhada. É uma rainha degenerada. Sacrificaria tudo o que sou em troca da oportunidade
de ver sua feia cara! -Estou a ponto de acreditar que é muito capaz -sussurrou Drizzt, sorridente. -Certamente que sim -exclamou Zak, que se separou de um salto,
enquanto ria de todo coração. E você também! Drizzt lançou sua cimitarra ao ar e a deixou que desse um par de voltas sobre si mesmo antes de agarrá-la outra vez
pelo punho. -É muito certo! -gritou. Mas já não estaria sozinho!

26

Pescador na Antípoda Escura

Drizzt se passeou solitário pelo labirinto do Menzoberranzan, até além dos grupos de estalagmites e por debaixo das grandes lança de pedra que penduravam do teto
da caverna. A matrona Malícia tinha ordenado com toda claridade que toda a família devia permanecer na casa como precaução ante um possível intento de assassinato
por parte da casa Hun'ett, mas Drizzt tinha vivido muitas emoções durante o dia para obedecer. Precisava pensar e, à vista de que seus pensamentos podiam ser considerados
como uma blasfêmia em uma casa cheia de sacerdotisas presas de nervos, tinha optado por dar um passeio. Estas eram as horas de calma na cidade. A luz do Narbondel
só era uma magra franja na base, e a maioria dos drows dormiam tranqüilamente em suas casas de pedra. logo que atravessou a grade de adamantita da casa Dou'Urdem,
Drizzt compreendeu a sensatez da ordem da matrona Malícia. O silêncio da cidade lhe parecia igual ao de uma besta à espreita, preparada para lançar-se sobre ele
desde qualquer dos muitos rincões que havia em seu caminho. Decidiu que não encontraria aqui a paz necessária para refletir com calma nos sucessos do dia, nas manifestações
do Zaknafein. portanto, rompeu com todas as regras -um comportamento habitual nos drows-, e dirigiu seus passos para os subúrbios da cidade, em busca dos túneis
que conhecia tão bem depois de tantas semanas de serviços com a patrulha. Uma hora mais tarde, ainda continuava seu passo, abstraído em seus pensamentos, e sem sentir-se
ameaçado porque não tinha ultrapassado os limites da zona vigiada pelas patrulhas. Entrou em um corredor elevado, de uns três metros de largura, com as paredes em
ruínas e atravessado por muitos salientes. Teve a impressão de que o corredor tinha sido muito mais largo em outros tempos. Não se alcançava a ver o teto, mas Drizzt
tinha passado por aí uma dúzia de vezes e não se preocupou com o lugar. Pensou no futuro, nos momentos que compartilharia com seu pai, agora que não os separava
nenhum secreto. Juntos seriam imbatíveis, um casal de professores de armas, unidos pelo aço e as emoções. A casa Hun'ett tinha idéia de com quem ia enfrentar se?
O sorriso desapareceu de seu rosto assim que pensou no que significava: Zak e ele, juntos, enfrentados aos soldados da casa Hun'ett, matando a sua própria gente.
Drizzt se apoiou na parede aturdido ao compreender em carne própria a frustração que tinha suportado seu pai durante muitos séculos. Ele não queria ser como Zaknafein,
que vivia só para matar, protegido por sua própria violência, mas o que outras opções lhe ofereciam? Abandonar a cidade? Zak não tinha podido lhe dar uma resposta
quando lhe perguntou por que não se partiu. -Aonde iria? -sussurrou Drizzt como um eco às palavras do Zak. Seu pai havia dito que estavam apanhados, e pensou que
possivelmente tinha razão. -Aonde iria? -repetiu. Viajaria pela Antípoda Escura, onde nos odeiam e aonde um drow solitário seria o branco de qualquer que encontrasse
em meu caminho? Ou à superfície, onde a bola de fogo no céu me queimaria os olhos? Possivelmente isto seria uma bênção. Ao menos não veria a chegada da morte quando
os elfos da superfície se lançassem sobre mim. A lógica do raciocínio apanhou ao Drizzt da mesma maneira que tinha apanhado ao Zak. Aonde podia ir um elfo escuro?
Em nenhum lugar de todos os reino aceitariam a um elfo de pele escura. Então a única escolha era matar? Matar drows? Drizzt se esfregou contra a parede em um ato
inconsciente, pois sua mente só pensava no futuro. Demorou um momento em compreender que suas costas estava em contato com algo que não era pedra.

Tentou apartar-se, outra vez alerta ante o perigo. Quando saltou, seus pés se separaram do chão, mas ao cair voltou a ficar na posição original. Frenético, sem dar-se
tempo a considerar a situação, levou-se as mãos à nuca. Seus dedos se engancharam ao cordão transparente que o sujeitava. Naquele momento descobriu que tinha atuado
como um estúpido e que não havia maneira de liberar as mãos do linha do pescador da Antípoda Escura, o pescador cavernícola. -Idiota! -reprovou-se a si mesmo ao
sentir que o subiam. Teria que ter pensado nesta possibilidade ao arriscar-se a sós pelas cavernas. Mas não tinha perdão o ter atuado a emano poda. Olhou as cimitarras,
inúteis nas vagens. O pescador cavernícola recolheu o linha e foi subindo-o, pego ao muro, para sua faminta boca. Masoj Hun'ett observou agradado a marcha do Drizzt.
acabava-se o tempo, e a matrona SiNafay não lhe perdoaria se fracassava outra vez na missão de matar ao segundo filho da casa Dou'Urdem. Agora a paciência do Masoj
tinha dado seus frutos. Drizzt tinha abandonado a cidade a sós! Não havia testemunhas à vista. Ao final resultaria muito fácil. O mago se apressou a tirar a estatueta
de ônix de sua bolsa e a jogou no chão. -Guenhwyvar! -chamou sem atrever-se a levantar muito a voz, ao tempo que olhava em direção à casa mais próxima para assegurar-se
de que não o espiavam. Apareceu a fumaça escura e um momento mais tarde se converteu na pantera mágica. Masoj se esfregou as mãos, convencido de que era um gênio
por ter planejado um final tão retorcido e irônico para acabar com os heroísmos do Drizzt Dou'Urdem. -Tenho um trabalho para ti -disse-lhe ao felino-, algo que
você não gostará. Guenhwyvar se estirou no chão e bocejou como se as palavras do mago não fossem nenhuma novidade. -Seu companheiro na vanguarda da patrulha -explicou-lhe
enquanto assinalava o túnel- partiu-se sozinho. É muito perigoso. A pantera se sentou, de repente muito interessada. -Drizzt não teria que ter cometido semelhante
imprudência -acrescentou Masoj. Poderiam matá-lo. O tom maligno da voz informou à pantera de suas intenções antes de que chegasse a pronunciar as palavras. -Vá
buscá-lo, Guenhwyvar-sussurrou Masoj. Busca o na escuridão e mata-o. O mago estudou a reação da pantera, comprovou o horror que lhe produzia a missão. Guenhwyvar
permaneceu rígida, tão imóvel como a estatueta utilizada para chamá-la. -Vê -ordenou Masoj. Não pode te negar a cumprir as ordens de seu amo! Eu sou seu amo,
besta ignorante! Parece esquecer este fato com muita freqüência! Guenhwyvar resistiu durante um bom momento, um ato heróico em si mesmo, mas os impulsos mágicos,
a força das ordens do amo, puderam mais que os sentimentos que a grande pantera pudesse ter. Pouco a pouco, levada pelos instintos primitivos de jaqueta, Guenhwyvar
deixou atrás as estátuas mágicas que vigiavam a entrada do túnel e pôs-se a correr assim que encontrou o rastro do Drizzt. Alton DeVir voltou a esconder-se detrás
de uma estalagmite, desiludido com as táticas do Masoj. O mago deixaria que a pantera fizesse o trabalho por ele. Alton não teria ocasião de presenciar a morte do
Drizzt Dou'Urdem! O Sem Rosto jogou com a poderosa varinha que lhe tinha dado a matrona SiNafay antes de sair a perseguir o Masoj. Ao parecer, o objeto não seria
utilizado no assassinato do Drizzt. De todos os modos, consolou-se pensando que teria muitas oportunidades para empregá-lo contra outros membros da casa Dou'Urdem.
Drizzt lutou durante a primeira metade da ascensão. Lançou chutes e girou sobre si mesmo para enganchar os ombros nos salientes de pedra, em um esforço inútil para
evitar que o pescador cavernícola o içasse até sua posição. Entretanto, era uma resistência instintiva porque sabia que não podia impedi-lo. A meio caminho, com
um ombro ensangüentado e o outro cheio de cardeais, e a uns dez metros de altura, Drizzt se resignou a seu destino. Se em realidade havia uma oportunidade para livrar
do linha do caranguejo gigante, encontraria-a no último instante da ascensão. por agora não podia fazer outra coisa que esperar.

Possivelmente a morte não era uma alternativa tão malote em comparação com a vida que lhe esperava entre os drows, apanhado na maldade de sua raça. Inclusive Zaknafein,
tão forte, poderoso e sábio, não tinha podido resignar-se a sua existência no Menzoberranzan. Então como podia acreditar que ele teria outra saída? Ao advertir que
trocava o ângulo de ascensão e podia ver o bordo do último saliente, Drizzt deixou de compadecer-se de si mesmo e voltou a dominá-lo seu espírito guerreiro. O pescador
cavernícola poderia vencê-lo, mas estava disposto a fazê-lo sofrer por sua comida. Alcançava para ouvir o tamborilar das oito patas do monstro. Drizzt tinha tido
ocasião de ver um pescador cavernícola, embora a criatura se escapou antes de que ele e o resto da patrulha pudessem lhe dar caça. Tinha imaginado então, ao igual
a agora, a capacidade combativa do monstro. Duas de suas patas acabavam em umas pinzas enormes com as que sujeitava à presa e a introduzia na boca. O guerreiro girou
uma vez mais para ficar de cara ao escarpado e assim poder ver a criatura logo que tivesse a cabeça por cima do bordo. O tamborilar das patas se confundiu com os
batimentos do coração de seu coração. Um segundo mais tarde chegou ao bordo. Drizzt se encontrou a apenas meio metro das patas dianteiras e das grandes mandíbulas.
As pinzas se aproximaram para sujeitá-lo antes de que pudesse pôr pé na cornija. Nem sequer teria a ocasião de descarregar um par de chutes contra os olhos da criatura.
Fechou os olhos, crédulo em que a morte seria preferível à vida no Menzoberranzan. Um rugido o arrancou de seus pensamentos. Depois de uma desesperada carreira de
saltos de cornija em cornija, Guenhwyvar tinha chegado à vista do pescador cavernícola e do Drizzt antes de que o monstro acabasse de içar ao drow. Este era um momento
de vida ou morte tanto para a pantera como para o Drizzt. Guenhwyvar tinha vindo até aqui por uma ordem direta do Masoj, sem pensar em sua missão e levada só por
seus instintos de acordo com a magia que a dominava. O animal nunca tinha podido opor-se às ordens de seu amo, à premissa que governava sua existência... até agora.
A cena que tinha lugar ante a pantera, com o Drizzt a só um passo da morte, deu ao Guenhwyvar uma força desconhecida e não prevista pelo criador da estatueta mágica.
Aquele instante de terror proporcionou um novo sentido à vida do animal mais à frente do alcance da magia. Quando Drizzt abriu os olhos, a batalha estava em seu
apogeu Guenhwyvar saltou sobre o pescador cavernícola e a ponto esteve de seguir de comprimento, porque as seis patas restantes do monstro permaneciam sujeitas à
pedra pelo mesmo líquido pegajoso que formava o filamento que aprisionava ao Drizzt. Sem desanimar-se, o felino arranhou e mordeu com sanha feroz o carapaça do caranguejo
para abrir uma brecha. A criatura contra-atacou com seus pinzas; moveu-as para trás com grande velocidade, e uma delas mordeu uma das patas do Guenhwyvar. Drizzt
ficou pendurado no ar. O monstro tinha assuntos mais urgentes que atender. A pinça cortou a carne da pantera, mas o sangue do felino não era o único líquido escuro
que manchava o carapaça do pescador cavernícola. As poderosas garras do Guenhwyvar tinham arrancado uma parte da quebrasse óssea, e seus dentes se afundaram nas
vísceras da criatura. Enquanto o sangue do pescador cavernícola se derramava sobre a pedra, suas patas começaram a escorregar. Ao ver que o mucilagem debaixo das
patas do caranguejo se dissolvia com o contato do sangue, Drizzt compreendeu o que ocorreria se o líquido alcançava o filamento. Tinha que estar preparado para o
momento em que surgisse a oportunidade de ajudar ao Guenhwyvar. O pescador caiu de lado ao tempo que se sacudia de cima à pantera, e Drizzt se viu arrojado de bruces
contra a parede. O sangue alcançou ao fim o filamento, e Drizzt pôde liberar uma mão quase imediatamente. Por sua parte, Guenhwyvar estava outra vez em posição de
ataque e procurava a maneira de lançar-se entre as pinzas do monstro. Com a mão livre, Drizzt empunhou uma das cimitarras e lanço uma estocada que se afundou no
flanco do pescador cavernícola. O monstro se voltou e, graças à sacudida e ao sangue, Drizzt se viu totalmente livre do filamento. Com grande agilidade o drow conseguiu
sujeitar-se a um saliente e deter a queda, embora perdeu a cimitarra. Mas o ataque do Drizzt tinha aberto as defesas do monstro, e Guenhwyvar não vacilou. lançou-se
sobre a criatura, e seus dentes se afundaram no mesmo lugar de antes. Esta vez alcançou os órgãos vitais enquanto com as garras mantinha apartadas as pinzas. Quando
Drizzt chegou ao nível da cornija, o pescador cavernícola agonizava. O jovem subiu o último metro e correu a reunir-se com seu amiga. Guenhwyvar retrocedeu pouco
a pouco, com as orelhas pegas ao crânio e os dentes descobertos.

Por um momento, Drizzt pensou que a dor da ferida cegava ao felino, mas compreendeu que não podia ser. Só tinha recebido um corte em uma pata e não era muito profundo.
Tinha-a visto suportar lesões muito mais graves. A pantera continuou sua retirada sem deixar de grunhir, impulsionada pela ordem do Masoj, que voltava a impor-se
depois do momento de terror. Guenhwyvar tentava opor-se aos impulsos, queria ver o jovem como um amigo e não uma presa, mas a ordem... -O que acontece, amiga minha?
-perguntou Drizzt brandamente, ao tempo que ele também fazia um esforço por não desenvainar a outra cimitarra. Fincou um joelho em terra. Não me reconhece? combatemos
juntos um sem-fim de vezes. Guenhwyvar se escondeu, bem apoiada em suas patas traseiras, e Drizzt compreendeu que se dispunha a saltar. Mesmo assim, não empunhou
a arma nem fez nada por ameaçar ao felino. Tinha que confiar no Guenhwyvar, acreditar que a pantera era seu amiga. A que podia atribuir esta estranha reação? por
que tinha aparecido em um momento tão inesperado? Drizzt encontrou as respostas ao recordar as advertências da matrona Malícia para que ninguém saísse da casa Dou'Urdem.
-Masoj te enviou para que me mate! -afirmou, com grande decisão. Seu tom desconcertou ao felino, que afrouxou um pouco os músculos. Em troca me salvaste, Guenhwyvar.
Não cumpriste a ordem. O grunhido da pantera soou a protesto. -Poderia ter deixado que o pescador cavernícola me destroçasse -continuou Drizzt-, mas não o fez.
Salvou-me a vida até a risco de perder a tua! Luta contra o impulso, Guenhwyvar! Recorda que sou seu amigo, muito melhor companheiro que o maligno Masoj Hun'ett!
A pantera retrocedeu outro passo, apanhada em um dilema que ainda não havia resolvido. Drizzt observou como o felino levantava as orelhas e soube que estava a ponto
de convencê-la. -Masoj proclama ser seu dono -acrescentou, seguro de que o felino era capaz de entender o significado de suas palavras. Eu proclamo ser seu amigo.
Sou seu amigo, Guenhwyvar, e não brigarei contra ti. -levantou-se e abriu os braços para oferecer o peito nu às fauces da besta. Embora me custe a vida! Guenhwyvar
não atacou. As emoções a retinham com mais força que qualquer feitiço, as mesmas emoções que a tinham levado a atuar quando viu o Drizzt sujeito pelas pinzas do
pescador cavernícola. de repente a pantera voou pelos ares, chocou-se contra o peito do Drizzt, e o fez cair de costas. Depois começou a lhe lamber o rosto e empurrá-lo
com as patas como se se tratasse de um gatinho. Os dois amigos haviam tornado a ganhar. Tinham derrotado a dois temíveis inimigos. Mas ao cabo de uns minutos Drizzt
se tomou uma pausa para refletir sobre os acontecimentos, e compreendeu que uma das vitórias só era parcial. Guenhwyvar era seu em espírito, mas ainda era propriedade
de alguém indigno de tê-la, alguém que a escravizava a uma vida que Drizzt não podia tolerar. A confusão que tinha guiado os passos do Drizzt Dou'Urdem fora do Menzoberranzan
já não existia. Pela primeira vez em sua vida, via com toda claridade o caminho que devia seguir, o caminho para a liberdade. Recordou as advertências do Zaknafein,
e as alternativas que tinha analisado sem chegar a nenhuma conclusão. Aonde podia ir um elfo escuro? -É pior viver apanhado em uma mentira -sussurrou distraído.
A pantera inclinou a cabeça ao pressentir que as palavras do Drizzt eram muito importantes. O jovem devolveu o olhar da pantera com uma expressão muito séria. -me
leve a seu amo -pediu-, a seu falso amo.

27

Sonhos tranqüilos

Zaknafein se tendeu no leito e dormiu imediatamente, para desfrutar da primeira noite de autêntico descanso. Os sonhos apareceram em sua mente, mas esta vez não
eram pesadelos a não ser sonhos que gratificavam seu repouso. Por fim se livrou do segredo, da mentira que tinha dominado toda sua vida adulta. Drizzt tinha sobrevivido!
Inclusive a tão temida Academia do Menzoberranzan não tinha podido quebrantar o espírito indomável do jovem e seu moral! Zaknafein Dou'Urdem já não estava sozinho.
As imagens de seus sonhos mostravam as mesmas magníficas possibilidades que tinham acompanhado ao Drizzt ao sair da cidade. Lutariam cotovelo a cotovelo, imbatíveis,
os duas contra a perversidade encarnada no Menzoberranzan. Uma dor aguda em um pé arrancou ao Zak de seus sonhos. Abriu os olhos e viu a Briza, no extremo de sua
cama, com o látego de cabeças de serpente na mão. Em um movimento reflito, Zak procurou as espadas. Tinham desaparecido. Então viu que Vierna, junto à parede, tinha
uma. A outra a sustentava Maia, no lado oposto. Como tinham entrado com tanto sigilo?, perguntou-se Zak. Sem dúvida tinham empregado o silêncio mágico, embora não
deixava de surpreendê-lo que não tivesse advertido a intrusão a tempo. Nunca o tinham pilhado despreparado, nem sequer dormido. Mas tampouco antes tinha dormido
tão profundamente, com tanta paz. Possivelmente no Menzoberranzan a placidez do sonho era um luxo perigoso. -A matrona Malícia quer verte -anunciou Briza. -Não
estou corretamente vestido -respondeu Zak, despreocupado. Por favor, meu cinturão e minhas armas. -Não há favor que valha! -exclamou Briza, que pareceu dirigir-se
mais a suas irmãs que ao Zak. Não as necessitará. Zak pensou o contrário. -te levante e vamos -ordenou Briza, e elevou o látego. -Eu em seu lugar me asseguraria
primeiro das intenções da matrona Malícia antes de atuar com tanto descaramento -advertiu-lhe Zak. Ao recordar o poder do varão ao que agora ameaçava, Briza baixou
o látego. Zak abandonou o leito, enquanto esquadrinhava a Maia e a Vierna em busca de alguma pista dos motivos para a imprevista chamada de Malícia. Quando ele saiu
da habitação, rodearam-no, mas mantendo-se a uma distância prudente para não ser surpreendidas por algum truque do professor de armas. -Tem que ser algo muito grave
-comentou Zak sem elevar a voz, para que só Briza pudesse escutá-lo. A grande sacerdotisa o olhou por cima do ombro e lhe dirigiu um sorriso perverso que não limpou
suas suspeitas. Tampouco o fez a matrona Malícia, que os aguardava impaciente sentada em seu trono. -Matrona -saudou-a Zak com uma reverência ao tempo que atirava
das abas de sua camisa de dormir para chamar a atenção sobre seu pouco apropriado vestuário. Queria lhe mostrar a Malícia sua irritação pelo fato de que o tivessem
tirado da cama a uma hora tão inoportuna. A matrona não respondeu à saudação. tornou-se para trás no trono e com uma mão acariciou seu afiada queixo sem apartar
o olhar do Zaknafein.

-Drizzt se foi -grunhiu Malícia. A notícia foi para o Zak como um cubo de água fria. ergueu-se, e o sorriso de brincadeira desapareceu de seu rosto. -deixou a
casa desobedecendo minhas ordens -acrescentou Malícia. Zak se relaxou ao escutar este comentário. Por um momento tinha pensado que ela e as filhas o tinham expulso
ou matado. -Um jovem fogoso -opinou Zak. Não demorará muito em retornar. -Fogoso -repetiu Malícia, com um tom de crítica. -Voltará -disse o professor de
armas. Não há razão para alarmar-se, nem de adotar medidas extremas. Olhou a Briza, embora sabia muito bem que a mãe matrona não o tinha chamado só para pô-lo
à corrente das travessuras do Drizzt. -O segundo filho desobedeceu à mãe matrona -afirmou Briza, em uma interrupção ensaiada. -Fogoso -repetiu Zak, que tentou
não rir. Uma falta menor. -Ao parecer, é muito dado às cometer -assinalou Malícia. Como outro varão fogoso da casa Dou'Urdem. Zak fez uma reverência ao interpretar
suas palavras como um completo. Malícia já tinha decidido o castigo, se é que pensava castigá-lo. portanto, seus comentários e ações neste julgamento -se em realidade
o era- não tinham muita importância. -O moço desgostou à rainha aranha! -gritou Malícia, muito zangada e farta dos sarcasmos do Zak. Nem sequer você foste
tão tolo! Uma expressão sombria apareceu no rosto do Zak. As conseqüências desta reunião podiam chegar a ser muito graves. Possivelmente estava em jogo a vida do
Drizzt. -Mas você já sabia -continuou Malícia, um pouco mais tranqüila, satisfeita de ver o Zak preocupado e à defensiva. Por fim tinha descoberto seu ponto débil
e o aproveitava. -Só por deixar a casa? -protestou Zak. É uma falta menor. Lloth não se desgostaria por algo de tão pouca importância. -Não dissimule, Zaknafein.
Você sabe muito bem que a menina elfa vive! Zak ficou sem fôlego. Malícia sabia! Maldita seja, Lloth sabia! -Estamos a ponto de ir à guerra -acrescentou Malícia-,
e não gozamos do favor do Lloth. É imprescindível recuperar o apoio da deusa. -Olhou diretamente aos olhos do Zak. Já conhece nosso costume e sabe que não há
outra maneira de consegui-lo. Zak assentiu, apanhado. Qualquer manifestação em contra só serviria para piorar a situação do Drizzt, se é que ainda existia algo pior.
-O segundo filho deve ser castigado -disse Briza. "Outra interrupção preparada", pensou Zak. perguntou-se quantas vezes Malícia e Briza teriam ensaiado este encontro.
-Devo ser eu o encarregado do castigo? -perguntou Zak. Nego-me a açoitar ao moço. Não é meu trabalho. -Seu castigo não é coisa de sua incumbência -respondeu
Malícia. -Então por que me tirastes que a cama? -quis saber Zak, em um intento de distanciar do problema do Drizzt e ajudá-lo na medida do possível. -Acreditei
que você gostaria de sabê-lo -respondeu Malícia. Drizzt e você lhes têm feito muito amigos no ginásio. Pai e filho. "Viu-o!", pensou Zak. Malícia, e possivelmente
também a bruxa da Briza, tinham espiado todo o encontro! Abatido, Zak agachou a cabeça ao compreender que involuntariamente tinha colaborado na perdição de seu filho.
-A menina elfa vive -declarou Malícia, que pronunciou cada palavra com muita claridade-, e portanto um jovem drow deve morrer. -Não! -A negativa escapou dos
lábios do Zak, incontenible. É muito jovem. Não podia saber... -Sabia muito bem o que fazia -gritou Malícia. Não se arrepende de suas ações! É igual a você,
Zaknafein! Muito! -Então pode aprender -alegou Zak. Eu não fui uma carga para ti, Mali..., matrona Malícia. Beneficiaste-te que minha presença. Drizzt é tão
capaz como eu. Poderia nos ser muito útil. -Quererá dizer perigoso -corrigiu-o a matrona Malícia. Você e ele juntos? Não é uma idéia muito tentadora.

-Sua morte ajudará à casa Hun'ett -opinou Zak, disposto a aproveitar qualquer desculpa para convencer à matrona. -A rainha aranha reclama sua morte -replicou
Malícia, decidida. Devemos apaziguá-la se pretendermos que Daermon N'a'shezbaernon saia graciosa na guerra contra a casa Hun'ett. -Suplico-lhe isso, não mate
ao moço. -Sente compaixão? -murmurou Malícia. Não é muito próprio de um guerreiro drow. perdeste o espírito de luta? -Sou velho, Malícia. -Matrona Malícia!
-protestou Briza, mas Zak lhe dirigiu um olhar tão frio que a sacerdotisa baixou o látego de cabeças de serpente sem atrever-se a utilizá-lo. -E me farei ainda
mais velho se matas ao Drizzt. -Não é tal meu desejo -manifestou Malícia, embora Zak não se deixo enganar pela mentira. Não lhe importava Drizzt nem nenhuma outra
coisa exceto recuperar o favor da rainha aranha. Entretanto, não vejo outra alternativa -acrescentou a matrona. Drizzt provocou o aborrecimento do Lloth, e
deve ser apaziguada antes de que comece a guerra. Zak começou a vislumbrar as intenções de Malícia. O tema da reunião não tinha nada que ver com o Drizzt. -Tome
a mim em lugar do moço -ofereceu Zak. O sorriso cruel de Malícia desmentiu sua fingida surpresa. Isto era o que tinha desejado desde o começo. -É um guerreiro
de grande valia -afirmou a matrona. Seus méritos, como você mesmo há dito, não podem desprezar-se. te sacrificar apaziguaria à rainha aranha, mas quem poderia
ocupar o vazio criado por seu desaparecimento? -Drizzt poderia ocupar meu lugar -assegurou Zak, convencido de que o jovem seria capaz de encontrar a maneira de
fugir de tudo isto, de evitar as intrigas da matrona Malícia. -Está seguro? -Nestes momentos me iguala -manifestou Zak-, e melhorará ainda mais com o passo dos
anos. Conseguirá metas com as que eu não me atreveria nem a sonhar. -Então está disposto a fazê-lo? -insistiu Malícia, que babava de prazer. -Já me conhece -respondeu
Zak. -O mesmo parvo de sempre -disse Malícia. -Para seu desconsolo -continuou Zak, impertérrito-, sabe que o moço faria o mesmo por mim. -É jovem -replicou
Malícia, displicente. Já lhe ensinarei. -Tal como me ensinou ? -burlou-se Zak. O sorriso vitorioso de Malícia se converteu em uma careta de ódio enquanto dava
rédea solta a sua fúria. -Se fizer alguma coisa para perturbar a cerimônia do sacrifício ao Lloth, se, ao final de sua vida, escolhe me provocar uma vez mais, encarregarei
a Briza que sacrifique ao Drizzt -ameaçou-o Malícia. Ela e seus brinquedos de tortura se ocuparão de entregar ao Drizzt à rainha aranha. -Ofereci-me voluntariamente,
Malícia -disse Zak. Te divirta agora que pode. Ao final, Zaknafein terá alcançado a paz enquanto que você, matrona Malícia Dou'Urdem, viverão unicamente para
a guerra. Estremecida de fúria porque umas poucas palavras lhe tinham arrebatado o momento de triunfo, Malícia permaneceu em silencio por um instante. -Tirem o
daqui! -sussurrou por fim. Zak não ofereceu resistência enquanto Vierna e Maia o atavam ao altar com forma de aranha da capela. Concentrou sua atenção na Vierna,
atento à compaixão que por instantes aparecia no olhar da sacerdotisa. Possivelmente ela também poderia ter sido como ele, mas as esperanças tinham sido esmagadas
muitos anos atrás pela prédica incessante da rainha aranha. -Está triste -disse-lhe Zak. Vierna se ergueu e ajustou tanto um dos nós que Zak deixou escapar uma
exclamação de dor. -É uma lástima -respondeu Vierna, com toda a frieza de que foi capaz. Me teria gostado de ter a ocasião de lhes ver os duas na batalha. Mas
a casa Dou'Urdem tem que fazer um grande sacrifício para reparar o dano cometido pelo Drizzt. -Pode estar segura de que a casa Hun'ett não teria compartilhado seu
entusiasmo -acrescentou Zak, com uma piscada. Não chore..., minha filha. -te leve suas mentiras à tumba! -gritou Vierna, que lhe cruzou o rosto de uma bofetada.
-Nega-o se for o que desejas, Vierna -repôs Zak.

Vierna e Maia se separaram do altar. Vierna fez um esforço por manter a expressão de ódio e Maia reprimiu uma risita no momento em que a matrona Malícia e Briza
entraram na capela. A mãe matrona vestia a túnica de cerimônias, negra e tecida como uma telaraña, que se atia a seu corpo e flutuava ao mesmo tempo, e Briza carregava
com um cofre sagrado. Atento só a seus próprios desejos, Zak não lhes emprestou atenção enquanto as sacerdotisas iniciavam o ritual com uma letanía à rainha aranha,
em que imploravam seu perdão. -as destrua a todas -sussurrou o professor de armas. Faz alguma coisa mais que sobreviver, meu filho, como sobreviveu seu pai.
Vive! Sei fiel aos ditados de seu coração! As chamas rugiram nos braseiros, iluminando toda a capela. Zak notou o calor, e compreendeu que tinham entrado em comunicação
com o plano escuro. -Aceita a este... -escutou que rezava Malícia, mas fechou os ouvidos às palavras da mãe matrona e se concentrou nas ultima preces de sua vida.
A adaga com forma de aranha se abateu sobre seu peito. Malícia empunhava a arma com suas ossudas mãos, e a pátina de suor que cobria a pele refletia a luz laranja
do fogo com um brilho misterioso. Misterioso como a transição da vida à morte.

28

Legítimo proprietário

Quanto tempo tinha passado? Uma hora? Dois? Masoj se passeava acima e abaixo pelo espaço entre as duas estalagmites, a uns poucos passos da boca do túnel pelo que
se partiu primeiro Drizzt e depois a pantera. -Guenhwyvar já teria que estar de volta -grunhiu o mago, a ponto de esgotar a paciência. Ao cabo de um momento uma
expressão de alívio iluminou seu rosto ao ver que a grande cabeça negra da pantera aparecia por detrás de uma das estátuas que vigiavam a entrada. O focinho do animal
aparecia talher de sangue fresca. -Tem-no feito? -perguntou Masoj, que com muita dificuldade pôde conter um grito de alegria. Drizzt Dou'Urdem está morto? -Lamento
te desiludir -respondeu Drizzt, agradado ao ver como o medo substituía ao entusiasmo no maligno rosto do mago. -O que significa isto, Guenhwyvar? -gritou Masoj.
Tem que obedecer! Mata-o agora mesmo! Guenhwyvar olhou ao Masoj como se não entendesse a ordem, e se tornou aos pés do Drizzt. -Admite que atentaste contra minha
vida? -interrogou-o Drizzt. Masoj calculou a distância que o separava do adversário: uns três metros. Possivelmente tivesse tempo para lançar um feitiço. Mas Masoj
sabia que Drizzt era capaz de mover-se com uma velocidade surpreendente, e não queria arriscar um ataque se podia encontrar outro meio para sair bem sacado deste
apuro. Drizzt ainda não havia desenvainado as armas, embora suas mãos descansavam nos pomos das cimitarras. -Tenho entendido -acrescentou Drizzt, muito tranqüilo-
que a casa Hun'ett e a casa Dou'Urdem se preparam para a guerra. -Como sabe? -exclamou Masoj sem pensar nas conseqüências, muito surpreso pela revelação para supor
que Drizzt tentava lhe surrupiar a verdade. -Sei muitas coisas mas não me interessam -replicou Drizzt. A casa Hun'ett deseja ir à guerra contra minha família,
por razões que desconheço. -Para vingar à casa DeVir -soou a resposta desde outra direção. Alton saiu de seu esconderijo detrás de uma estalagmite e olhou ao guerreiro.
Masoj recuperou o sorriso. A situação voltava a estar equilibrada. -À casa Hun'ett não lhe interessa no mais mínimo a casa DeVir -afirmou Drizzt, ao parecer sem
preocupar-se da presença de um segundo inimigo. aprendi o suficiente sobre o comportamento de nossa raça para saber que o destino de uma casa não é assunto de
outra. -Mas a mim sim que me interessa! -gritou Alton, que arrancou o véu do capuz para mostrar seu rosto, desfigurado pelo ácido. Sou Alton DeVir, o único supervivente
da casa DeVir. A casa Dou'Urdem pagará pelo crime cometido contra minha família, e o primeiro será você! -Nem sequer tinha nascido quando ocorreu a batalha -protestou
o jovem. -Que mais dá! -respondeu Alton. Você é um Dou'Urdem, um membro dessa turma de asquerosos assassinos. É o único que importa. Masoj tirou de um bolso
a estatueta de ônix e a jogou no chão. -Guenhwyvar! -ordenou. Vete! A pantera olhou ao Drizzt, que moveu a cabeça para lhe indicar que aceitasse a ordem. -Vete!
-gritou Masoj uma vez mais. Sou seu amo! Não pode me desobedecer! -Não é o dono da pantera -disse Drizzt muito tranqüilo. -Então quem é seu dono? -replicou
Masoj. Você? -Guenhwyvar-declarou Drizzt. Só Guenhwyvar. Acreditava que um mago tinha o conhecimento necessário para entender adequadamente a magia que o rodeia.

Com um grunhido que soou como uma risada zombadora, Guenhwyvar se aproximou de um salto à estatueta e se esfumou na névoa. O felino viajou pelo túnel mágico para
seu lar no plano astral. Em todas as ocasiões anteriores, Guenhwyvar tinha realizado este trajeto com verdadeiras ânsias por afastar-se da maldade de seu amo drow.
Em troca agora vacilava a cada passo e olhava por cima do ombro em direção ao ponto escuro que era Menzoberranzan. -Qual é sua oferta? -perguntou Drizzt. -Não
está em posição de negociar -respondeu Alton com uma gargalhada, e empunhou a varinha que lhe tinha dado a matrona SiNafay. -Espera -interrompeu-o Masoj. Possivelmente
Drizzt nos possa ser útil em nossa guerra contra a casa Dou'Urdem. -voltou-se para o guerreiro. Está disposto a trair a sua família? -Não -respondeu Drizzt.
Já lhe hei isso dito. Não me importa nada a guerra. Que a casa Hun'ett e a casa Dou'Urdem se matem entre elas! Minhas preocupações são de tipo pessoal. -Tem que
oferecer alguma coisa em troca de seu benefício -explicou-lhe Masoj. Se não ser assim, como pode negociar? -Tenho algo que oferecer em troca -manifestou Drizzt,
imperturbável-: suas vidas. Masoj e Alton intercambiaram um olhar e riram, embora havia um fundo de nervosismo em suas gargalhadas. -me entregue a estatueta, Masoj
-acrescentou Drizzt. Guenhwyvar nunca te pertenceu e jamais voltará a te servir. Masoj deixou de rir. -Em troca -prosseguiu Drizzt antes de que o mago pudesse
responder-, abandonarei a casa Dou'Urdem e não tomarei parte na batalha. -Os mortos não brigam -sentenciou Alton. -Acompanhará-me outro Dou'Urdem -informou-lhe
Drizzt. Um professor de armas. Sem dúvida a casa Hun'ett obterá um grande proveito da ausência do Zaknafein além da minha. -Silêncio! -chiou Masoj. A pantera
é minha! Não preciso fazer entendimentos com um miserável Dou'Urdem! Está morto, idiota, e o professor de armas da casa Dou'Urdem te seguirá à tumba! -Guenhwyvar
é livre! -sustentou Drizzt. As cimitarras apareceram em suas mãos. Jamais tinha lutado de verdade contra um mago, e menos com dois, embora recordava a dor aguda
de suas descargas mágicas. Masoj já preparava um feitiço, mas lhe preocupava mais Alton, que fora de seu alcance o apontava com a varinha. antes de que Drizzt pudesse
decidir seu próximo passo, a situação trocou de uma maneira inesperada. Uma nuvem de fumaça envolveu ao Masoj, que caiu de costas sem poder concluir o feitiço Guenhwyvar
tinha retornado. Alton estava fora do alcance do Drizzt, e o jovem não tinha nenhuma possibilidade de chegar até o mago antes de que a vara disparasse um de seus
mortíferos raios. Mas a distância não era insalvable para a pantera, que se apoiou sobre as patas traseiras e de um magnífico salto voou pelos ares em busca da presa.
DeVir desviou a varinha para fazer frente à nova ameaça e descarregou um raio que deu totalmente no peito da pantera. Entretanto, fazia falta algo mais que esta
descarrega para deter o soberbo animal. Aturdida mas em plena capacidade para o combate, Guenhwyvar chocou contra o feiticeiro Sem Rosto e juntos rodaram detrás
da estalagmite. O raio também atordoou por uns segundos ao Drizzt, que em que pese a tudo perseguiu o Masoj enquanto rogava para que Guenhwyvar seguisse viva. Rodeou
a base de uma estalagmite e se encontrou a bocajarro com o Masoj ocupado em preparar outro feitiço. Sem deter-se, Drizzt apontou suas cimitarras e avançou para ele.
Primeiro suas armas e depois ele mesmo passaram através de seu inimigo..., da imagem do rival. Drizzt chocou contra a pedra e se separou de um salto para esquivar
o ataque mágico que se produziria a seguir. Esta vez, Masoj, a uns dez metros de distância da imagem projetada, queria assegurar-se de que não falharia. Disparou
uma salva de projéteis mágicos que voaram diretamente para o corpo do guerreiro. Drizzt se sacudiu como um boneco quando os projéteis fizeram branco nele. Com um
tremendo esforço de vontade, Drizzt se esqueceu da dor e recuperou o equilíbrio. Sabia onde estava o verdadeiro Masoj e não pensava lhe dar a oportunidade de enganá-lo
pela segunda vez. Masoj, armado com uma adaga, observou o avanço do jovem guerreiro. Drizzt não compreendia a situação. por que o mago não preparava outro feitiço?
A queda havia reabierto a ferida do ombro, e os projéteis mágicos lhe tinham provocado lesões em um flanco e uma perna. Mesmo assim, ferida-las não eram graves,
e Masoj não podia confiar em derrotá-lo em um combate corpo a corpo. O mago permaneceu imóvel, despreocupado, com a adaga na mão e um sorriso maligno no rosto.

Por sua parte, Alton, tendido de barriga para baixo no chão de pedra, sentia o calor de seu próprio sangue que emanava entre os buracos fundidos que eram seus olhos.
A pantera continuava encarapitada sobre a base da estalagmite, ainda aturdida pela descarga do raio. Alton se ergueu com grande esforço e levantou a varinha para
lançar um segundo raio, mas o objeto mágico estava quebrado em dois. Frenético, Alton recuperou a outra parte e a sustentou em alto, incapaz de acreditar que estivesse
rota. Guenhwyvar se dispunha a saltar sobre ele, mas o drow não lhe emprestou atenção. Os extremos resplandecentes da varinha e o poder que se acumulava no objeto
o tinham cativado. -Não pode ser -sussurrou Alton. Guenhwyvar saltou no mesmo momento em que estalou a varinha rota. Uma bola de fogo rugiu na noite do Menzoberranzan.
Partes de rocha voaram pelos ares para ir chocar contra o teto e a parede oriental da caverna. A onda expansiva derrubou ao Masoj e ao Drizzt. -Agora Guenhwyvar
não é de ninguém -proclamou Masoj com ironia arrojando a estatueta ao chão. -Tampouco fica nenhum DeVir para reclamar vingança contra a casa Dou'Urdem -replicou
Drizzt, dominado por uma cólera que o ajudava a mitigar a pena. Masoj se converteu no foco de sua ira, e a risada zombadora do mago impulsionou ao Drizzt a lançar-se
contra ele com toda sua fúria. No instante em que Drizzt estava a ponto de alcançá-lo, Masoj estalou os dedos e desapareceu. -Invisível! -rugiu Drizzt, descarregando
inutilmente suas cutiladas no ar. Seus esforços o serenaram um pouco, e compreendeu que já não tinha diante ao Masoj. O mago o tinha feito ficar como um parvo! Drizzt
se escondeu e escutou atentamente. Havia um som, algo assim como um canto que provinha das alturas, na parede da caverna. Os instintos do guerreiro lhe indicaram
que devia mergulhar-se para um lado, mas agora que entendia melhor as táticas do mago compreendeu que Masoj esperava o movimento. Drizzt insinuou lançar-se para
a esquerda e ouviu as palavras finais do feitiço Quando o raio passou junto a ele sem tocá-lo, correu diretamente para diante crédulo em que recuperaria a visão
a tempo para atacar ao mago. -Maldito seja! -gritou Masoj, furioso pelo engano que lhe tinha feito desperdiçar o disparo. A fúria se converteu em terror ao ver
como Drizzt corria com a agilidade de um felino pelo chão da caverna e evitava as pilhas de escombros e as bases das estalagmites sem diminuir a velocidade. Masoj
procurou nos bolsos os componentes de seu próximo feitiço. Tinha que atuar depressa. encontrava-se em uma estreita cornija a seis metros do chão, mas Drizzt avançava
a uma velocidade de vertigem. Drizzt nem se dava conta das dificuldades do terreno. Em outro momento, a parede da caverna lhe teria parecido impossível de escalar,
mas agora lhe dava igual. Tinha perdido ao Guenhwyvar. A pantera já não existia. Aquele maligno feiticeiro encarapitado na cornija, aquela encarnação demoníaca,
era o responsável. Drizzt deu um salto, viu que tinha uma mão livre -em algum momento devia ter deixado cair uma das cimitarras- e conseguiu sujeitar-se a uma
greta. Para qualquer outro drow não teria sido suficiente, mas a mente do Drizzt não fez caso do protesto de seus músculos. Só lhe faltavam três metros para chegar
ao objetivo. Outra descarga de projéteis mágicos disparou flechas a cabeça do Drizzt. -Quantos feitiços ficam, mago? -gritou desafiante sem emprestar atenção à
dor. Masoj se tornou para trás quando Drizzt o olhou, quando a luz ardente daqueles olhos lilás se posou sobre ele como um pronunciamento do destino. Tinha tido
ocasião de ver o Drizzt em combate em numerosas ocasiões, e a imagem do jovem guerreiro o tinha acossado enquanto preparava o assassinato. Mas Masoj não tinha visto
nunca ao Drizzt enfurecido. De havê-lo feito, jamais teria aceito a missão de matar ao Drizzt. Se o tivesse visto, houvesse-lhe dito à matrona SiNafay que procurasse
a algum outro. Que feitiço podia empregar? Que feitiço podia deter o monstro que era Drizzt Dou'Urdem? Uma mão, resplandecente com o calor da cólera, sujeitou-se
ao bordo da cornija. Masoj a esmagou com o salto da bota. Os dedos estavam quebrados -o mago sabia que os dedos estavam quebrados- e entretanto Drizzt apareceu
de repente ante seus olhos para lhe atravessar o peito com a cimitarra. -Os dedos estão quebrados! -protestou o mago com o último fôlego. Drizzt olhou a mão e
pela primeira vez notou a dor dos ossos quebrados. -Possivelmente -respondeu, distraído-, mas sanarão.

Coxeando, Drizzt procurou a outra cimitarra e avançou com muitas precauções para o montículo de escombros. Dominó o medo que o embargava e se obrigou a olhar as
conseqüências da explosão. A parte posterior do montículo resplandecia com o calor residual, convertida em um farol para a cidade. Partes do corpo do Alton DeVir
jaziam dispersadas pelo fundo junto aos farrapos de tecido fumegantes. -encontraste a paz, Sem Rosto? -sussurrou Drizzt com o último resto de cólera. Recordou
o ataque de que tinha sido objeto por parte do Alton quando estava na Academia. O professor Sem Rosto e Masoj o tinham justificado como parte da preparação de um
guerreiro. Quanto tempo alimentaste seu ódio? -perguntou o jovem aos restos abrasados. Mas Alton DeVir já não era assunto dele. Observou com atenção entre os
escombros, à busca de alguma pista da sorte do Guenhwyvar, sem saber muito bem quais podiam ser as conseqüências para um ser mágico. Não havia nenhum sinal da pantera,
nem o mais pequeno indício de que tivesse estado ali em algum momento. Drizzt se disse a si mesmo que não podia conceber esperanças, embora a ansiedade dos movimentos
desmentia a serenidade do semblante. Rodeou a toda pressa o montículo e depois procurou entre as outras estalagmites, onde se encontravam Masoj e ele no momento
da explosão da varinha. Quase imediatamente descobriu a estatueta de ônix. Recolheu-a com muito cuidado. Notou-a morna como se também tivesse sofrido os efeitos
do estalo, e advertiu que a magia tinha perdido força. Drizzt desejava chamar à pantera mas não se atreveu, consciente de que a viagem entre os planos diminuía as
forças do Guenhwyvar. Se a pantera tinha resultado ferida o melhor era lhe dar algum tempo para recuperar-se. -Ai, Guenhwyvar -gemeu-, amiga minha, meu valente
amiga. Guardou a estatueta no bolso. Só ficava rogar que Guenhwyvar estivesse viva.

29

Sozinho

Drizzt voltou atrás sobre seus passos ao redor da estalagmite, até onde se encontrava o corpo do Masoj Hun'ett. Não tinha tido mais opção que a de matar a seu adversário;
o próprio Masoj tinha marcado a pauta do combate. Este fato não aliviou a culpa do Drizzt quando se viu diante do cadáver. Tinha matado a um drow, tinha arrebatado
a vida a um membro de sua raça. encontrava-se apanhado, como o tinha estado Zaknafein durante tantos anos, em uma interminável espiral de violência? -Nunca mais
-jurou Drizzt diante do cadáver. Nunca mais voltarei a matar a um elfo escuro. voltou-se, aborrecido, e logo que viu os silenciosos e sinistros edifícios da imensa
cidade drow compreendeu que não poderia sobreviver muito tempo no Menzoberranzan se pensava cumprir a promessa. Um milhar de possibilidades desfilaram pela mente
do Drizzt enquanto caminhava pelas ruas do Menzoberranzan. Fez um esforço e voltou a emprestar atenção a seu entorno. Narbondel resplandecia totalmente iluminado;
começava o dia drow, e reinava a atividade em todos os rincões da cidade. No mundo da superfície, as horas do dia resultavam as mais seguras, porque a luz afastava
aos assassinos. Na escuridão eterna do Menzoberranzan, o dia dos elfos escuros era mais perigoso que a noite. Drizzt escolheu o caminho com muita precaução e se
manteve bem longe do cerco de cogumelos gigantes das casas nobres, onde se encontrava a casa Hun'ett. Ninguém saiu a detê-lo, e chegou à segurança da casa Dou'Urdem
ao cabo de uns minutos. Cruzou a grade sem pronunciar palavra e passou entre os soldados, atônitos por sua presença, e separou de um empurrão aos guardas apostados
debaixo do balcão. Reinava um silêncio estranho. Drizzt tinha esperado encontrar a todo mundo levantado e atarefado com os preparativos da batalha. Se despreocupó
da sinistra quietude, e dirigiu seus passos para o ginásio e as habitações do Zaknafein. Drizzt fez uma pausa diante da porta de pedra do ginásio, com a mão apertada
no trinco. O que diria a seu pai? Que partissem juntos pelos perigosos caminhos da Antípoda Escura, lutando quando fosse necessário e com a única meta de escapar
à culpa de sua existência de acordo com as normas dos drows? Ao Drizzt tinha entusiasmado a idéia mas agora, quando se dispunha a abrir a porta, não estava muito
seguro de poder convencer ao Zak. O professor de armas tinha tido a oportunidade de partir em qualquer momento de sua dilatada vida, e, não obstante, quando lhe
tinha perguntado suas razões para ficar, Zak tinha empalidecido. Acaso não tinham mais saída que viver apanhados nas redes da matrona Malícia e suas filhas? Drizzt
deixou de lado todas estas dúvidas; não tinha sentido discutir consigo mesmo quando Zak o esperava ao outro lado da porta. No ginásio reinava o mesmo silêncio que
no resto da casa. Muita quietude. Não viu o Zak, e no ato advertiu que faltava algo mais que a presença física de seu pai. Era como se o professor de armas não tivesse
estado jamais naquela sala. Drizzt compreendeu que acontecia algo muito grave e correu para a porta que comunicava com as habitações privadas do Zak. Abriu sem incomodar-se
em chamar e não se surpreendeu ao ver a cama vazia. -Malícia decidiu enviá-lo em minha busca -sussurrou Drizzt. Maldita seja, coloquei-o em problemas! voltou-se
disposto a abandonar o aposento, mas algo lhe chamou a atenção. Acabava de ver o cinturão do Zak. Em nenhum caso o professor de armas teria deixado sua habitação
sem levar suas armas, nem sequer para ocupar-se de algum assunto da segurança da casa Dou'Urdem. "Suas espadas são as melhores companheiras -tinha-lhe repetido
mil vezes. Nunca te delas separe."

-A casa Hun'ett? -murmurou Drizzt, e se perguntou se a casa rival não teria atacado a casa durante a noite enquanto ele se enfrentava ao Masoj e ao Alton. De todos
os modos, não havia nenhum sinal do suposto ataque. Sem dúvida os soldados lhe teriam informado de qualquer combate. Drizzt recolheu o cinturão e o inspecionou.
Não havia manchas de sangue e a fivela não tinha sido forçada. Zak se tinha tirado o cinturão por própria vontade. Além disso estava a bolsa do professor de armas,
também intacta. -Então o que? -exclamou Drizzt em voz alta. Deixou o cinturão junto à cama, pendurou-se a bolsa do pescoço, e se voltou, sem saber o que fazer
a seguir. Compreendeu que era necessário reunir-se com o resto da família. Possivelmente então poderia esclarecer o mistério do desaparecimento do professor de armas.
A preocupação foi em aumento à medida que percorria o comprido corredor até a hall da capela. Teria sofrido Zak algum machuco à mãos da matrona Malícia ou das filhas?
por que motivo? A idéia lhe pareceu pouco sensata mas não por isso menos inquietante, como se um sexto sentido queria acautelá-lo do perigo. Não encontrou a ninguém
no corredor. As portas da hall se abriram automaticamente sem lhe dar tempo a chamar. Em primeiro término viu a mãe matrona, sentada muito bojuda em seu trono ao
fundo da sala, com um sorriso lambido no rosto. A inquietação do Drizzt não diminuiu ao entrar na hall. Não faltava ninguém da família: Briza, Vierna e Maia junto
à matrona; Rizzen e Dinin junto à parede esquerda, sem chamar a atenção. Estavam todos... exceto Zak. A matrona Malícia observou a seu filho com muita atenção e
tomou nota das muitas feridas. -Ordenei-te que não saísse da casa -disse-lhe severo mas sem lhe reprovar a desobediência. Aonde foste? -Onde está Zaknafein?
-replicou Drizzt. -Responde à pergunta da mãe matrona! -gritou Briza, com uma mão no punho de seu látego. Drizzt lhe dirigiu um olhar, e a sacerdotisa deu um
passo atrás, ao ver nos olhos do irmão a mesma ameaça que tinha percebido no Zaknafein umas horas antes. -Ordenei-te que não saísse da casa -repetiu Malícia, sem
perder a calma. por que desobedeceste? -Tinha assuntos que atender -respondeu Drizzt-, assuntos urgentes. Não queria te incomodar com minhas preocupações. -Está
a ponto de estalar a guerra, meu filho -explicou a matrona Malícia. É muito perigoso mover-se solo pela cidade. A casa Dou'Urdem não pode permitir o luxo de te
perder. -Nenhum outro podia atendê-los -disse Drizzt. -Resolveste-os? -Sim. -Então confio em que não voltará a me desobedecer. Malícia não levantou a voz, mas
Drizzt compreendeu no ato a severidade da ameaça detrás das palavras de sua mãe. -É hora de nos ocupar de outros temas -acrescentou Malícia. -Onde está Zaknafein?
-perguntou, sem retroceder em seu empenho de averiguar o que tinha passado com o professor de armas. Briza murmurou uma maldição e empunhou o látego disposta a
castigar a insolência. A matrona Malícia tendeu uma mão em sua direção para contê-la. A brutalidade não era apropriada nestes momentos. Precisavam atuar com tato,
ter ao Drizzt controlado nesta situação de crise. Já teriam oportunidade de castigar ao jovem depois de derrotar à casa Hun'ett. -Não se preocupe pelo professor
de armas -recomendou-lhe Malícia. Nestes momentos trabalha pelo bem da casa Dou'Urdem, em uma missão confidencial. Drizzt não acreditou nenhuma só das palavras
da matrona. Zak jamais se teria ido sem as armas. A verdade pugnava por entrar na consciência do jovem, que se negava a admiti-la. -Nossa única preocupação é a
casa Hun'ett -manifestou Malícia a todos os pressente. Os primeiros ataques da guerra podem produzir-se hoje mesmo. -Os ataques já começaram -interrompeu-a
Drizzt. Todas as olhadas convergiram nele e nas feridas. Drizzt desejava continuar a discussão até averiguar o que tinha passado com o Zak, mas desistiu ao pensar
que só serviria para lhe criar mais problemas, não só a ele mas também também a seu pai, se é que ainda vivia. Possivelmente agora poderia conseguir alguma pista.
-tiveste que brigar? -perguntou Malícia. -Conhece sem Rosto? -replicou Drizzt.

-É um professor da Academia -interveio Dinin-, no Sorcere. tivemos entendimentos com ele muito freqüentemente. -Foi-nos muito útil no passado -afirmou Malícia.
Agora está com o inimigo. É um Hun'ett, Gelroos Hun'ett. -Não -disse Drizzt. Possivelmente se chamava assim, mas seu nome é... era Alton DeVir. -A conexão!
-exclamou Dinin, ao descobrir a desculpa da casa Hun'ett para a guerra. Gelroos tinha que matar ao Alton a noite da queda da casa DeVir! -É óbvio que Alton DeVir
resultou ser o mais forte -murmurou Malícia, que agora tinha muito clara toda a trama. A matrona SiNafay tomou sob seu amparo e o utilizou para seus próprios
planos -explicou a sua família. Olhou ao Drizzt. brigaste com ele? -Está morto -respondeu Drizzt. A matrona Malícia soltou uma gargalhada de deleite. -Um mago
menos -comentou Briza, guardando o látego. -Dois -corrigiu-a Drizzt, sem vangloriar-se. Não se sentia orgulhoso de suas ações. Masoj Hun'ett também está morto.
-meu filho! -gritou a matrona Malícia. Deste-nos uma grande vantagem nesta guerra! - Olhou aos pressente e os contagiou com seu entusiasmo, exceto ao Drizzt.
Possivelmente a casa Hun'ett dita não nos atacar, conscientes da desvantagem. Não deixaremos que nos escapem! Destruiremo-los hoje mesmo e nos converteremos na casa
oitava do Menzoberranzan! Morte aos inimigos do Daermon N'a'shezbaernon! "Devemos atuar imediatamente -acrescentou a matrona, que se esfregou as mãos de entusiasmo.
Não podemos esperar a que ataquem. Temos que assumir a ofensiva. Alton DeVir já não existe, de modo que a razão que justificava esta guerra desapareceu. Sem dúvida
o conselho regente está informado das intenções da casa Hun'ett, e, com os dois magos mortos e perdida a vantagem da surpresa, a matrona SiNafay se apressará a deter
a batalha. Em um gesto inconsciente, Drizzt colocou a mão na bolsa do Zak enquanto outros se uniam a Malícia na discussão dos planos de ataque. -Onde está Zak?
-perguntou quase a gritos para fazer-se ouvir por outros. O tumulto cessou com a mesma rapidez com que tinha começado e reinou o silêncio. -Não é teu assunto,
meu filho -respondeu Malícia, sem perder a calma ante a insistência do jovem. Agora é o professor de armas da casa Dou'Urdem. Lloth perdoou sua insolência. Não
pesa nenhuma acusação contra ti. Sua carreira pode começar outra vez. A glória está a seu alcance! As palavras de Malícia feriram o Drizzt como o fio de uma espada,
e decidiu que não podia ocultar seus pensamentos nem um segundo mais. -Assassinaste-o! -afirmou. -Você é seu assassino! -replicou Malícia, com uma expressão
de fúria incontenible. A rainha aranha reclamou o castigo por seu sacrilégio! de repente Drizzt não soube o que dizer. -Mas está vivo -acrescentou Malícia, um
pouco mais tranqüila-, igual à menina elfa. Dinin não foi o único dos pressente que soltou uma exclamação de surpresa. -Sim, estamos inteirados do engano -disse
Malícia, depreciativa. Não se pode enganar à rainha aranha. Exigiu uma penitência. -foste capaz de sacrificar ao Zaknafein? -sussurrou Drizzt, quase sem poder
falar da fúria. Matou-o para satisfazer a essa maldita deusa? -Eu em seu lugar me cuidaria muito de amaldiçoar à rainha Lloth -advertiu-lhe Malícia. Te esqueça
do Zaknafein. Não é teu assunto. Pensa em seu próprio futuro, meu filho. Espera-te a glória, uma posição de honra. Naquele momento, e por última vez, Drizzt fez
caso a Malícia e pensou em si mesmo, na proposta que lhe oferecia uma vida dedicada à guerra e à matança de drows. -Não tem outra opção -adicionou Malícia, advertida
de sua luta interior. Ofereço-te a vida. Em troca, tem que obedecer minhas ordens, tal como fez Zaknafein. -Vá maneira de cumprir sua palavra -exclamou Drizzt,
sarcástico. -Fiz-o! -protestou Malícia. Zaknafein foi ao altar por sua própria vontade, para te salvar! As palavras da matrona feriram o Drizzt só por um momento.
Não aceitaria a culpa pela morte do Zaknafein! Tinha seguido o único caminho que considerava correto: na superfície, ante os elfos, e aqui, na cidade maligna. -Minha
oferta é sincera -manifestou Malícia. Faço-a diante de toda a família. Os dois sairemos beneficiados deste acordo... professor de armas? Um sorriso iluminou o
rosto do Drizzt quando olhou aos olhos desumanos da mãe matrona, um sorriso que Malícia interpretou como um assentimento. -Professor de armas? -disse Drizzt.
Não acredito. Uma vez mais a matrona mau interpretou suas palavras. -Vi-te combater -declarou Malícia. Dois magos! Subestima-te.

Drizzt quase soltou a gargalhada ante a ironia daquelas palavras. A matrona acreditava que cometeria o mesmo engano do Zaknafein, que cairia na armadilha como o
velho professor de armas, para não sair nunca mais. -É você a que me subestima, Malícia -manifestou Drizzt, com um tom de ameaça. -Matrona! -recordou-lhe Briza,
que não acrescentou nada mais ao ver que ninguém o fazia caso. -Quer que sirva a seus sinistros intuitos -prosseguiu Drizzt, consciente mas não preocupado pelo
fato de que todos os pressente preparavam feitiços ou tinham as mãos nos punhos das armas, à espera do momento oportuno para matar ao blasfemo. Os dedos do Drizzt
apertaram uma pequena esfera, e o contato acrescentou força a sua coragem, embora teria atuado igual de não havê-lo tido. -São uma mentira, como nossa gente...,
não, sua gente é uma mentira! -Sua pele é tão escura como a minha -recordou-lhe Malícia. Você é um drow, embora nunca aprendeste o que significa! -OH, sim sei
o que significa. -Então atua como tal e aceita as regras! -exigiu Malícia. -Suas regras? -replicou Drizzt. Mas se suas regras também são uma mentira, de uma
falsidade tão grande como essa asquerosa aranha a que tem por deusa! -Blasfemo insolente! -chiou Briza, que levantou o látego disposta a acabar com seu irmão.
Drizzt atacou primeiro. Tirou o objeto, uma pequena esfera de cerâmica, da bolsa do Zaknafein. -Um deus autêntico lhes amaldiçoa! -gritou ao tempo que estrelava
a esfera contra o chão. Fechou os olhos antes de que o duomer produtor de luz encerrado no globo fizesse explosão e deixasse cegos por uns minutos ao resto da família.
E também amaldiçoa à rainha aranha! A matrona Malícia se tornou para trás e arrastou o enorme trono na queda. Gritos de agonia e fúria se escutaram desde todos
os rincões da sala quando a luz perfurou os olhos dos drows. Por fim Briza conseguiu lançar um feitiço para rebater os efeitos do duomer, e a escuridão voltou a
reinar no recinto -Apanhem! -ordenou Malícia, bastante aturdida pelo golpe que se deu na cabeça contra o chão de pedra. Quero-o morto! Outros ainda não se recuperaram
e, quando o fizeram, o jovem já tinha saído da casa. Transportada pelos silenciosos ventos do plano astral chegou a chamada. O espírito que era a pantera se ergueu,
sem fazer caso dos dores, e tomou nota da voz, uma voz conhecida e reconfortante. Então o felino pôs-se a correr com todo o coração e todas as forças para responder
à chamada de seu novo amo. Ao cabo de uns minutos, Drizzt saiu de um pequeno túnel acompanhado pelo Guenhwyvar, e cruzou o pátio da Academia para jogar um último
olhar ao Menzoberranzan. -Que lugar é este ao que chamo meu lar? -perguntou-lhe à pantera. Esta é minha gente, por nascimento e herança, mas não tenho nada que
ver com eles. Estão perdidos para sempre. "Quantos mais haverá como eu? -acrescentou Drizzt. Almas condenadas como Zaknafein, pobre Zak. Faço isto por ele, Guenhwyvar.
Parto-me, porque ele não pôde. Sua vida foi minha grande lição: um pergaminho escuro marcado pelo duro preço imposto pelas maldades da matrona Malícia. "Adeus, Zak!
-gritou, desafiante. Pai, confia, como faço eu, em que quando nos encontrarmos outra vez, na outra vida, não será no inferno destinado a nossa raça. Drizzt fez
um gesto à pantera e voltaram para túnel, a entrada a Antípoda Escura. Ao observar a graça dos movimentos do felino, Drizzt agradeceu uma vez mais a fortuna de ter
encontrado a uma companheira tão leal, a uma amiga de verdade. O futuro não seria fácil para nenhum dos duas além das fronteiras do Menzoberranzan. encontrariam-se
sozinhos e desprotegidos, embora certamente muito melhor, pensou Drizzt, que imersos na maldade dos drows. Drizzt penetrou no túnel detrás do Guenhwyvar disposto a confrontar seu novo destino.

 

 

                                                    R. A. Salvatore         

 

 

 

                          Voltar a serie

 

 

 

 

                                                  

O melhor da literatura para todos os gostos e idades