Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


EVE / Ainsley Booth & Sadie Haller
EVE / Ainsley Booth & Sadie Haller

                                                                                                                                                   

                                                                                                                                                  

 

 

Biblio VT 

 

 

Series & Trilogias Literarias

 

 

 

 

 

 

Uma Curta história para matar a saudade de Ellie e o primeiro-ministro Gavin.
Vemos como eles se preparam para a noite especial de fim de ano.
E as decisões que tomam em relação a vida deles como um casal.
Deve ser lido depois do Dr. Bad Boy.

 

 

 

 

CAPÍTULO 1

Ellie

É criminoso como meu noivo fica bem de smoking.

Também é criminoso o fato de que tivemos que passar as últimas quatro horas em público, e eu molestá-lo em um baile de ano novo de caridade seria errado.

—Sr. Strong... —Outra pessoa diz suavemente, emergindo da multidão. Outro rosto, outra mão para apertar.

Minhas bochechas doem de sorrir, mas Gavin é natural. Ele para e se inclina, ouvindo com toda a atenção quando o... diretor... de alguma agência lhe diz algo importante.

Costumo ser melhor nestas coisas oficiais, mas nos últimos dias tenho estado distraída. Desde que voltamos de British Columbia, e do nosso primeiro Natal com a família de Gavin.

Com sua mãe, uma mulher que eu adorava desde o meu primeiro projeto de estudos sociais, sobre mulheres canadenses influentes.

E com seu pai, que poderia ser considerado o homem mais doce do planeta e que cozinhou o jantar.

E com Gavin, que me segurou juntinho durante as grandes reuniões de família, que me levou para caminhadas e me mostrou onde ele queria se casar com a chegada do verão, a meio caminho de uma montanha.

Foi um feriado louco, maravilhoso e todo o tempo eu estava ansiosa para contar-lhe um segredo sobre o seu melhor amigo, mas não era o meu segredo para contar.

Um segredo sobre um bebê, e isso é parte da distração, também, porque agora meu relógio biológico está correndo loucamente.

Então, realmente como eu poderia esperar me concentrar em outra apresentação, quando Gavin está usando um smoking, e estamos tão perto da hora dele tirá-lo. E uma vez que ele o tire, a nossa verdadeira celebração do ano novo pode começar.

—Agora, se você nos dá licença...— Ele diz, e soa como um pedido, mas quando ele se volta para mim, eu vejo isso como a dispensa que realmente é. Seu olhar arde no meu enquanto ele olha para mim. —Pronta para ir?

Eu aceno lentamente. Com certeza.

Ele gesticula sutilmente para Lachlan, que desaparece pela porta lateral do salão de baile, então Gavin aperta a mão nas minhas costas e nos viramos.

Alguém começa a levantar-se da mesa agora na nossa frente, e Gavin chama o nome do cara, interrompendo o movimento de se levantar. O cara congela, então senta enquanto a mão de Gavin paira pesadamente em seu ombro.

—Nós não tivemos a oportunidade de conversar hoje à noite. —Meu astuto político diz enquanto continua se movendo. Ele agora está apontando para o cara e sorrindo. —Da próxima vez, com certeza. Ligue para a Beth.

Eu seguro minha língua até que estamos na sala dos casacos e um dos oficiais de segurança pega os nossos.

—O que acontece quando esse cara ligar para Beth? — Eu sussurro.

Gavin pega meu casaco de renda e veludo, e me envolve com ele, puxando-me perto para um beijo rápido. —Ele será enrolado. Eu não falei com ele esta noite por uma razão.

—Você me assusta. —Digo com um leve sorriso. —Ele acha que está tendo acesso a você.

—Que ache isso. — Ele dá de ombros. —O jogo tem de ser jogado às vezes.

—Sinto muito.

—Eu não. Quanto melhor eu jogar, posso começar a fazer o que realmente mudará as coisas para melhor.

Isso me faz irradiar, e ele me dá outro beijo, este no nariz. Eu ouço a câmera clicar e forço-me a não reagir, não com o idiota à nossa frente.

Nós nos tornamos experts nessas demonstrações públicas de afeto. Elas nunca são inapropriadas, e as pessoas gostam delas. Eu realmente luto para ser real, mas também controlada, dando ao nosso país o vislumbre que eles querem de nosso relacionamento, enquanto continua sempre sendo... bem-comportado. E o fato de que as pessoas especulam o tempo todo sobre o quão mal comportados nós provavelmente somos em particular, não ajuda muito.

Como todos os outros, não fazemos exatamente a mesma coisa sob a proteção da noite.

Ou talvez não exatamente a mesma coisa. Eu coro quando eu me lembro de nossa última manhã em Vancouver, quando Gavin me amarrou a sua cama.

—O que você está pensando? —Ele rosna em voz baixa. —Você começou a corar.

—Eu vou te dizer no carro. — Eu balanço contra ele. —Vamos para casa e curtir o ano novo sozinhos.


CAPÍTULO 2

Gavin

 

Ellie não tem ideia de como estou perto de rasgar seu elegante vestido de baile. Levamos 10 minutos para atravessar o lobby do hotel e entrar no carro à nossa espera.

Felizmente, Lachlan está nos levando esta noite, então assim que entrarmos no trânsito, vou beijá-la, um beijo de verdade desta vez, um que cause hematomas. Você é minha. Ela faz um som de submissão que me derrete por dentro. Eu envolvo seus ombros e beijo, descendo pelo seu pescoço. Ela treme enquanto eu pressiono meus dentes no tendão, abaixo.

Dane-se. Ela pode usar gola rolê por alguns dias. Eu sugo a carne em minha boca, puxando forte. Enquanto eu marco a pele dela, minhas mãos deslizam pelo seu vestido até o corpete apertado.

Eu a coloquei nele. Eu sei que é justo. Mas eu ainda trabalho meus dedos até o decote se curvar sobre seus seios, criando uma linha de arrepios. Seu decote é baixo, minha fadinha, mas segura seus seios lindos e pequenos juntos, eu a ajudei a abotoar. Há espaço suficiente lá para eu enganchar o tecido e puxá-lo para baixo.

Não para a despir completamente. Apenas o suficiente para raspar a seda pesada em seus mamilos. O suficiente para deixá-la pensar que eu poderia rasgar o vestido e apresentar aqueles seios redondos e empinados para Lachlan olhar.

Não vou.

Eles são meus e só meus agora, pelo menos até eu acabar meu mandato.

Mas ela se lembra de outro passeio de carro onde Lachlan assistiu pelo espelho retrovisor, e sua respiração ofegante me diz que a memória ainda a estimula.

Bom. Quero-a molhada para mim.

Porque assim que chegarmos em casa, eu estarei dobrando-a sobre o móvel mais próximo e a encherei com o meu gozo.

—Max me ligou antes do jantar começar. — Eu digo a ela.

Ela vira a cabeça, dando-me um olhar confuso. Não a censuro. Meu melhor amigo não costuma aparecer durante as preliminares. Nunca, até esta noite.

Mas ele me disse algo que despertou algo escuro, no fundo da minha mente, e nos meus instintos primitivos mais básicos.

Eu desço a minha cabeça e lambo ao longo de sua clavícula. Mais abaixo, para seus seios convidativos contra a parte superior do vestido sem alças.

Quero os mamilos dela na minha boca. Eu quero chupá-los tão forte que eles carreguem a minha marca, também.

—Max? —Ela pergunta, sua voz grossa.

Eu olho pela janela. Mais um quarteirão e estaremos em casa. Eu levanto meus dedos para o cabelo e cuidadosamente removo um dos grampos segurando seu cabelo em um penteado sofisticado.

—Ele tem algumas notícias surpreendentes. — Eu me inclino e beijo a curva de sua orelha, abaixando minha voz. —Violet está grávida.

—Oh! — Ela gira tão rápido que quase bate sua bochecha contra a minha.

Eu empurro minha cabeça para fora do caminho e rio.

—Eu sei, surpresa?

Os olhos dela são largos.

—Sim.

O carro abranda e Lachlan limpa a garganta.

Ellie pega o grampo da minha mão e a bolsa dela, ocupando-se de guardá-lo.

O carro desliza através dos portões na casa 24 da Rua Sussex, parando na porta da frente. Saio primeiro e vou para o lado de Ellie. Ela pega o meu braço e mantém seu casaco apertado em torno de si mesma enquanto nos apressamos através do frio.

Uma guarda montada nos deixa entrar na casa e eu aceno.

Temos uma conversa para terminar.

Ela aproxima-se da sala de estar. Ela coloca a bolsa para baixo, e eu paro atrás dela, colocando minhas mãos em seus ombros, sinalizando que quero ajudá-la com seu casaco.

Na maioria das vezes, sou um tipo, cerveja e pizza. Mas na véspera de ano novo, há algo mágico sobre trazer minha mulher para casa e ajudá-la a sair de seu casaco, revelando seu vestido de seda que combina com o vermelho dourado de seu cabelo e a cremosidade de sua pele.

Ela é uma deusa, uma princesa, uma fadinha etérea ...de jeans ou de seda azul, ela é perfeita. E eu gosto de mimá-la.

Nós ficamos lá no silêncio enquanto deslizo os grampos de seu cabelo, deixando cair como ondas, como um deslizamento de seda.

—Eu estou feliz por eles. —Digo a ela enquanto beijo seu ombro. Enquanto traço os músculos delicados e os ossos com a minha língua, em seguida, adiciono os meus dentes. Só uma leve pressão. Um gostinho da minha fadinha.

—Isso me faz pensar em fazer bebês com você.

Eu não percebi que ela estava segurando a respiração até que ela a soltou em um ligeiro exalar.

—Oh.

—Estou te apressando?

—Não. —Ela sussurra. —Eu estive pensando a mesma coisa.

Meu coração aperta.

—Desde quando?

—Pouco tempo. Mas...

Só posso imaginar o que ela vai dizer. Mas é muito cedo. Mas temos de esperar pelo casamento. Ela não está errada no último ponto. Não me importo com o primeiro, mas respeitarei os desejos dela.

—Quando você estiver pronta.

—É inteligente esperar até o casamento.

—Eu sei. —Eu suspiro enquanto me aconchego em seu pescoço. Os sacrifícios que fazemos para evitar fofocas e escândalos.

—Mas eu preciso dizer-lhe outra coisa.

—Humm. —Estou ouvindo, mas não de verdade. Estou pensando na conversa safada com que vou encher suas orelhas esta noite. Eu a engravidando. Como ela vai ficar bem...

—Violet disseme que estava grávida.

Agora estou ouvindo. Eu paro de beijar o pescoço dela.

—Quando?

—Ahhh...— Ela dá de ombros saindo do meu alcance e se move através da sala, virando e dando-me um olhar curioso.

Eu curvo uma sobrancelha para cima em um olhar de, eu estou esperando.

—Uma semana. Ou algo assim.

—Você sabe que meu melhor amigo seria pai por mais de uma semana e você não me disse?

—Talvez.

Eu faço um som de desapontamento. Eu não estou realmente desapontado. Tenho certeza que ela tinha uma boa razão. Mas eu gosto da maneira como seu peito sobe e desce enquanto lhe dou um olhar ainda mais severo.

E eu gosto da forma como ela protesta.

—Eu realmente não sei qual é o grande problema. —Ela diz ofegante, afastando-se de mim.

Eu desato o nó da minha gravata, deixando-a pendurada em torno de meu pescoço enquanto eu vagueio para atrás dela.

—Eu não gosto de segredos entre nós, Ellie.

Seus olhos piscam e ela mordisca o lábio inferior. Eu não perco o fato de que suas mãos estão lentamente recolhendo sua saia, erguendo o tecido para cima, para cima, e para cima, então está amontoada em seus pulsos.

—Ellie...

Seu peito sobe e desce enquanto ela me dá um olhar inocente.

—Sim?

—Fadinha.

—Senhor?

Eu retiro o casaco do smoking e penduro na quina de uma cadeira, o meu olhar fixo nela o tempo todo.

—Você não acha que deve haver algumas consequências por guardar as notícias sobre Max de mim?

Lentamente, deliberadamente ela balança a cabeça de um lado para outro.

O meu pulso bate forte e quente nas minhas veias.

—E por que isso?

—Não era o meu segredo para dividir. —Ela sussurra, um sorriso ondulando nos cantos de seus lábios.

—Eu ainda quero espancá-la.

O sorriso quebra em seu rosto.

—Então é melhor você me pegar.

Ela gira ao redor e corre pelo corredor. Eu chego aos pés da escada quando ela está na metade, e eu pulo dois degraus de cada vez. Meus dedos roçam pelo seu quadril no topo das escadas, mas ela chuta seus saltos e eu tenho que pular para desviar enquanto eles caem longe dos meus pés.

—Jogando sujo. —Rosno, desacelerando para uma caminhada enquanto ela foge para o nosso quarto.

Não há para onde escapar.


CAPÍTULO 3

Ellie


Salto para a cama um segundo antes de Gavin espreitar pela porta. Ele me vê, mas não me dá bola.

Em vez disso, ele pega as chaves de seu bolso e destrava o cadeado do baú antigo estilo vintage no final da nossa cama.

Uma peça de mobília tão inocente. Tão cuidadosamente encenada para parecer como algo puramente decorativo.

Meu coração acelera enquanto Gavin levanta a tampa. Ele quer realmente jogar hoje à noite e eu não posso esperar para ver o que ele tem em mente.

Ele remove uma corda de seda preta, a mesma corda que ele me amarrou naquela tarde com Lachlan e atira-a sobre a cama. As algemas de velcro vêm a seguir. Minha buceta aperta com a memória daquele dia.

Eu sei que nunca haverá uma repetição desse desempenho em particular, e eu não iria querer, mas eu gosto de revivê-lo de uma forma privada, sacana, só entre nós dois.

Gavin fecha o baú e gira para me enfrentar.

—Em vez de espancá-la, fadinha, eu acho que o seu castigo deve ser algo... diferente. Espero que você não seja muito apegada a esse vestido. —Ele diz enquanto levanta uma tesoura.

É um vestido bonito, mas eu comprei em liquidação e alguém derramou vinho sobre ele mais cedo. E nada supera a emoção de ser cortada dele. Além disso, eu sempre posso usar o material para fazer algumas almofadas agradáveis ou algo assim. Dou-lhe um olhar inocente.

—Não, não muito apegada, mas talvez você possa cortar na costura para ser um pouco aproveitável?

Gavin ri quando sobe para a cama comigo.

—Isso pode ser arranjado.

Eu fico perfeitamente imóvel quando ele desliza a tesoura para cima na parte de trás do meu vestido, rasgando a seda como uma faca quente na manteiga.

O tecido cai, deixando-me de meias e lingerie.

Há um brilho em seus olhos enquanto ele corta as laterais da minha calcinha, em seguida, joga-a no chão.

—Acho que vamos deixar a cinta-liga e meias por agora. —Ele diz enquanto me puxa com força, rolando-me para um lado, e depois para o outro, para que ele possa jogar o vestido na mesma direção da minha calcinha destruída. Então ele prende uma algema no meu pulso. Ele caminha em torno da cama, anexando algemas aos meus tornozelos, e, finalmente, ao outro pulso.

Ele se inclina e toma meus lábios em um beijo longo, lento, persistente, em seguida, retorna ao pé da cama e pega uma corda.

—Abra as pernas o máximo que puder.

É fascinante vê-lo trabalhar. Havia muito mais acontecendo na última vez que ele me amarrou nesta cama, e eu não prestei muita atenção aos detalhes.

O fim da corda atravessa o anel em minha algema do tornozelo e desliza até que as duas extremidades estejam atadas.

Ele cruza a corda, em seguida, envolve-a uma vez em torno do dossel, puxando a minha perna um pouco mais para a borda antes de se mover para a cabeceira da cama. Ele desliza uma ponta da corda no anel de um punho ao outro e, em seguida, cruza ambas as extremidades ao redor do dossel na cabeceira da cama, puxando meu braço para cima antes de amarrá-lo.

Ele agarra outra corda e repete todo o processo do outro lado, em seguida, atira-me um sorriso feroz.

—Deixe-me saber imediatamente se você sentir qualquer formigamento ou dormência.

Respiro fundo e aceno.

—Sim, senhor.

Adoro isto. Não conseguimos fazer o suficiente, e estou feliz que ele planejou isso para esta noite.

Ele se despe rapidamente e se junta a mim na cama.

—O que aprendemos sobre guardar segredos, fadinha?

—Eu não tenho certeza. Que eles são um bom divertimento?

Ele ri e me beija de novo.

—Estou feliz que eu ouvi de Max. Obrigado. Desta vez.

—Eu sei. —Sussurro contra seus lábios. —Eu teria dito se eu pensasse...

Ele acenou. Não preciso terminar minha frase.

Além disso, temos coisas mais sacanas para fazer. Ele se move para trás, correndo suas mãos para baixo, pelo meu corpo e sobre minhas coxas trêmulas.

—Eu estou em um dilema agora. —Ele diz enquanto roça o meu clitóris com um dedo. —Eu quero devorar esta sua buceta gostosa, mas eu também quero sentir a sua boca em torno do meu pau, e eu não sei o que deve vir em primeiro lugar.

Oh, isso é muito fácil.

—Para um negociador de classe mundial, você está meio que perdendo a solução óbvia. Soixante-Neuf1. — 69, só preciso dar a dica em sua língua oficial.

Ele geme.

—Adoro quando fala francês comigo. Tão sexy. E é a solução perfeita.

Ele rasteja até a cama e escorrega um travesseiro no meu pescoço, em seguida, se estabelece com os joelhos em ambos os lados da minha cabeça.

—Abra. —Ele diz enquanto se inclina sobre mim, um braço segurando-o enquanto ele usa sua outra mão para orientar o seu pau para a minha boca.

Eu rodopio a minha língua em torno da ponta, batendo na gota de pré-sêmen lá, em seguida, levanto a cabeça um pouco mais para tomar mais dele. Eu fecho meus lábios, sugando-o na minha boca enquanto eu deixo minha cabeça afundar de volta para o colchão.

Ele abaixa o peito e então ele está lá. O hálito dele na minha coxa, depois entre as minhas pernas. Seus lábios no meu clitóris, e então ele está chupando e lambendo e ele parece tão bem. Estou tão estendida que não posso pressioná-lo, não importa o quanto eu queira mais. Tudo o que posso fazer é deitar aqui e levar o que ele me dá. É libertador. Eu nem preciso me preocupar em dar prazer a ele, porque ele também está cuidando disso.

Ele mexe seus quadris, a ponta do seu pau deslizando sobre a minha língua. Ele puxa para fora um pouco e eu relaxo meus músculos da garganta, abrindo para ele, pronto para levá-lo mais profundo, por todo o caminho para baixo.

Seus braços estão enganchados sob minhas pernas e ele me fode com os dedos enquanto lambe e suga a minha carne inchada, eriçando meu clitóris, e volta até cada gota de excitação deslizar para fora do meu corpo.

Ele sabe exatamente como me trabalhar. Onde ir suave e quando sacudir a ponta de sua língua em um chicotear mínimo.

É difícil me concentrar no seu pau entrando e saindo da minha garganta quando há um orgasmo caindo sobre mim como um trem de carga descarrilhando, e ele percebe isso também, porque de repente ele gira ao meu redor.

A visão de sua cabeça entre as minhas pernas é uma maneira infalível para me levar ainda mais perto daquele pico sujo e delicioso, e ele sabe disso. O travesseiro ajuda, eu penso um pouco antes de sua boca estar em mim novamente.

Desta vez o beijo é mais lento. Mais língua, e os dedos também, mas menos provocante, mais consumidor. Menos faísca e mais brasas.

Um indulto antes que ele jogue mais combustível no fogo.

Não demora muito.

—Gostaria de te bater hoje à noite. —Ele rosna enquanto morde o interior da minha coxa.

Eu grito. Não por causa da mordida.

—Morda-me mais forte, senhor, eu gosto muito. —Mas pelas palavras.

—Você está pronta para isso, Ellie? Você está pronta para eu entrar em você e fazer uma nova vida?

Bem no fundo, eu começo a apertar, e ele desliza dois dedos em mim, quase rudemente. Ele acaricia meu ponto G e eu grito de novo.

—Diga-me que quer os meus bebês e eu te dou o meu pau.

—Eu... —Não consigo respirar. Eu vou gozar na mão dele a qualquer momento e falar está além de mim.

—Eu vou te pegar tão duro, Fadinha. Basta dizer as palavras. —A voz dele cai, sedosa agora. —É isso que você quer?

—Sim! — Eu posso dizer enquanto o orgasmo rompe através de mim, um trem de carga cheio de necessidade explode através do meu interior.

—Boa menina. —Ele diz como se eu fosse um animal de estimação saindo do clímax antes de se deslocar em uma posição de joelhos entre as minhas pernas abertas.

Eu suspiro por ar e dou-lhe um sorriso fraco.

—Um dia, nosso bebê vai crescer bem aqui. —Ele diz quando se inclina e beija minha barriga. Meu sorriso aumenta.

Ele beija seu caminho pelo meu corpo, parando em meus seios.

—E aqui é onde nosso bebê vai se alimentar.

Minha barriga vibra com a ternura em sua voz.

Ele continua a me apimentar com beijos até chegar à minha boca. Ele paira sobre mim, nossos lábios quase tocando enquanto ele desliza em mim, enchendo-me.

Eu ainda estou sensível com o orgasmo que eu acabei de ter, e eu sei que não vai demorar muito para me dar outro.

Ele empurra mais forte quando percebe que eu estou tão perto, sussurrando que ele vai me encher, e é tudo que eu preciso ouvir. Eu caio novamente e ele segue, surgindo duro em meu corpo e segurando-se profundamente enquanto goza.

Então ele olha para mim, seus olhos brilhantes, mas cheios de luxúria, e ele lambe os lábios.

—Um dia, isso vai ser real, Ellie. E eu não posso esperar.


CAPÍTULO 4

Gavin


Eu acordo na manhã seguinte com o uivo do vento contra a janela e meu celular vibrando na mesa de cabeceira.

É o primeiro dia de um ano novo. Um feriado, não que essas coisas importem quando se trata do meu trabalho.

O itinerário oficial do primeiro-ministro para hoje não tem nada. Assuntos privados, diz.

No entanto, isso não leva em consideração as reuniões privadas que precisam acontecer quase diariamente. Eu agarro meu telefone com uma mão antes de rolar. Eu percorro minhas mensagens enquanto vou para a única pessoa com quem eu quero um compromisso hoje, a minha fadinha.

A luxúria ruge dentro de mim quando me lembro de ontem à noite. Nós não queremos apressar nada, mas o pensamento de sua barriga crescendo com o meu filho torna muito difícil ler os e-mails do meu chefe de pessoal.

Nada urgente. Eu tenho que estar em uma reunião militar ao meio-dia, mas temos cinco horas antes de vestir a roupa.

E Ellie quer ter meus bebês.

Puta merda, eu não tinha previsto como isso seria quente. Mas ela sempre me pegou de surpresa. Eu devia saber mais, antes subestimá-la.

O objeto dos meus pensamentos se mexe nos meus braços.

—Bom dia. —Ela murmura, chegando mais perto. —Por favor me diga que você está apenas verificando seu e-mail e você não precisa sair da cama ainda.

—Sou todo seu até o almoço.

Ela sorri contra o meu peito. Os olhos dela ainda estão fechados.

—Feliz ano novo.

—Este será um bom ano. — Um casamento. Se tivermos sorte, faremos o bebê que nós dois queremos. O começo de uma família. Então, não como eu imaginei a minha vida, como primeiro-ministro, agora que eu tenho ela, me dói fisicamente imaginar a vida de qualquer outra maneira.

—Você vai realizar muitas coisas. —Ela sussurra, pressionando-se contra mim. Ela estica os braços para cima e os envolve em torno de meu pescoço, finalmente piscando os olhos enquanto ela me dá um sorriso solto, feliz. —Você já realizou, e ainda não fez um ano.

—Eu não estava pensando em planos legislativos. —Sussurrei. Eu a virei, então estou por cima. — Eu quis dizer com você, eu e um bebê. Um par de alianças e nossos votos, e todo o circo q a mídia vai armar e que vamos fazer o nosso melhor para ignorar.

—Oh. —Seus olhos se ampliam e seu sorriso fica maior.

—Eu não vou notar nada disso.

—Não?

Ela balança a cabeça lentamente, seu olhar grudado no meu rosto.

—Eu só vou ver você me esperando no altar. E todo o resto vai desaparecer.

—Eu te amo.

—Eu sei. —Ela diz descaradamente. —Eu acho que é porque eu sou fácil.

—Eu gosto disso. — Meu pau engrossa na barriga dela. —Mas não é por isso que eu te amo.

—Realmente? Nem mesmo quando eu deixo você me amarrar e me comer com o seu grande, duro...

Eu a corto com um beijo que mostra o quanto eu gosto disso, mas não, não é por isso que eu a amo.

—E quando eu o deixo brincar com a minha bunda? —Ela suspira quando eu subo acima dela e a viro. Ela mostra essa bunda absolutamente linda, pressionando-a contra mim enquanto estica o seu corpo para fora contra a cama. Sua flexibilidade... gosto muito disso.

Eu bato nela porque nós dois gostamos disso também.

—Não é por isso e você sabe, Fadinha.

Ela geme quando aperto sua carne, minhas palmas coçando para espancá-la de novo e de novo.

—Então por que você me ama, senhor?

Nunca me canso de lhe dizer isto.

—Porque você é tudo para mim. Você se encaixa com meus gostos peculiares. Você une todas as minhas partes diferentes.

Ela tenta rolar debaixo de mim. Ela vira a cabeça e me dá um olhar suave, mesmo quando eu a seguro para baixo.

—Eu também te amo.

Vê? Ela me entende. Eu levanto a minha mão e a mantenho levantada, dando-lhe um aviso que estou prestes a colocar a minha mão na bunda dela.

Ela só morde o lábio e balança os quadris para mim.

Perfeito.

Eu espero até que ela libere seu lábio inferior, Ela morder o seu lábio enquanto eu bato seria terrível, então eu baixo minha palma duramente em uma nádega.

Ela grita, e eu faço de novo. Ela balança para trás, rolando os quadris para cima. Praticamente me implorando para possuí-la assim, então eu faço. Eu primeiro pego o lubrificante da mesa de cabeceira, então eu acaricio através de suas dobras. Ela está escorregadia e pronta para mim, mas o lubrificante não é para a sua buceta apertada.

Não, o lubrificante é porque ela me deixa brincar com sua bunda, enquanto ela tão adoravelmente a expõe.

Eu seguro minha ereção, acariciando-me contra sua buceta por um momento antes de entrar nela. Ela dá um suspiro e eu pressiono lentamente. Ela leva tudo de mim, mas custa alguns empurrões antes de eu estar enterrado nela, até as bolas.

Ela aperta seus músculos em torno de mim enquanto tranquilamente abro a tampa da garrafa de lubrificante.

—Faça isso de novo. — Eu gemo quando ela aperta novamente, uma vibração me puxando que me faz querer afundar nela repetidamente, bombear mais e mais rápido até que eu derrame minha semente dentro dela. Eu me obrigo a ser paciente. —Isso é incrível.

Ela rebola como uma gata, pressionando seus quadris em mim enquanto se empurra para fora da cama novamente, e é isso... Deus. Isso. Sim.

Eu rapidamente espremo o lubrificante entre as nádegas e jogo a garrafa de lado. Meu polegar sabe exatamente onde circular agora para fazê-la gemer. A minha fadinha, a minha mulher safada e linda, adora brincar com o rabo. Eu fecho meus olhos e vou até ela, transando com a buceta dela ao mesmo tempo em que eu provoco sua bunda. Impulso, círculo, impulso, aperto. Ela está ansiosa, apertando ao redor do meu dedo enquanto invado o seu interior.

Ainda não a levei lá. Falamos sobre isso. Nós dois nos esquentamos com a ideia.

Falamos de muitas coisas. Sobre eu a engravidar. Eu sorvo uma respiração longa e lenta enquanto penso sobre a sua buceta engolindo todo o meu gozo ontem à noite.

Deus, isso tinha sido insanamente quente.

Mas eu quero a bunda dela também.

Não me lembro de uma maneira melhor de começar o ano novo. Eu me seguro profundamente dentro dela e uso minha mão livre para afastar suas pernas mais abertas.

—Tudo bem? —Eu pressiono dois dedos contra seu buraco e facilito para ela. Ela já tomou isso antes, mas eu sei que a deixa louca. —Você quer mais?

Ela geme. Ela está tremendo, e eu não sei se ela vai gozar ou me dizer para parar.

Eu flexiono meu pau e ela sussurra meu nome. Eu faço isso de novo e ela grita, então implora por mais.

É o orgasmo, então. Eu a fodo devagar, com meus dedos e meu pau. Ela está cheia e empurrada até o limite, prazer afiando com a dor enquanto seu cérebro se embaralha para processar os sentimentos.

Não há tempo para processamento. Mais sentimentos. Mais prazer. Eu tiro minha mão dela, pronto para testá-la com um terceiro dedo, mas ela vira a cabeça ao redor e me pára com um único e suplicante olhar.

—Faça. —Ela sussurra.

Eu seguro seu olhar enquanto saio de seu calor e posiciono meu pau na sua entrada traseira. Seus olhos vidrados enquanto pressiono nela, uma demanda lenta e constante para o seu corpo me levar.

A vontade de foder com ela, prendê-la embaixo de mim e transar como um animal, é quase esmagadora. Ela está tão apertada, me apertando uma e outra vez enquanto eu me afundo nela. Parece incrível. Não, parece...

—Eu te amo. —Rosno, minha voz áspera. A necessidade básica corroendo a minha capacidade de falar, de pensar. Eu sou homem, ela é mulher, isto é... elementar. Nada mais importa.

—Gavin... —Seus lábios ficam selados depois que ela suspira meu nome. Ela os lambe, molhando enquanto me afundo dentro dela, eu caio para a frente, mantendo minhas mãos de cada lado de sua cabeça.

Ela lambe meu pulso, então vira o rosto para a cama e empurra de volta contra mim.

Foda-se. Não sou forte o suficiente para resistir a essa suave pressão da sua carne, o aperto interior. Eu dirijo para ela, fazendo-a gemer, e eu praguejo sob a minha respiração.

Ela responde com o mais doce sussurro.

—Tão bom. Gavin, sim.

Nova tradição do feriado. Faremos o que a faz dizer “Gavin, sim” naquele tom sem fôlego. Isto, por exemplo. Eu poderia apenas criar um novo feriado nacional apenas para que possamos fazer isso novamente.

—Oh, Oh, Oh...— Seus gritos se intensificam e ela pressiona seus joelhos, tentando me perseguir de volta quando deslizo alguns centímetros para fora dela.

Eu empurro, e ela grita.

Talvez não precisemos de feriado.

Talvez a minha fadinha goste disto.

—Gavin, sim. Deus. Amor. Oh sim. Aí...

Talvez ela goste. Eu deixei a onda de luxúria assumir, deixei meus quadris fazer o que eles queriam enquanto meu peso empurrava-a para baixo antes de eu pressionar novamente. Eu estou na onda agora, fodendo-a implacavelmente na cama enquanto ela se agarra ao travesseiro na frente dela.

Eu beijo a nuca dela. Ela cheira uma mistura de doce e salgado, como uma mulher sonolenta e sexo. Eu a amo tanto, Fadinha, mas é só um pensamento, porque as palavras se foram.

Sou uma máquina agora. Dela. Um propósito: o prazer dela. Eu vou fazê-la gozar e então eu vou me perder.

Fazê-la gritar e então eu posso trovejar minhas próprias palavras guturalmente enquanto derramo minha semente dentro dela.

Espere, espere, o meu cérebro gagueja enquanto as minhas bolas apertam. Ela está tremendo embaixo de mim, sua respiração superficial e rápida. Eu afasto meus joelhos, segurando-me como um tripé enquanto estico a minha mão na frente de seu corpo, serpenteando entre ela e a cama para encontrar seu clitóris.

Ela mói novamente contra o colchão, ela está no limite e grita quando um clímax rasga através dela.

Minha própria libertação vem logo após a dela, como um predador caçando sua presa.

Eu enterro meu rosto na pele macia e doce das costas dela.

Puta merda.


CAPÍTULO 5

Ellie

 


Quando Gavin muda seu peso de mim, eu sinto falta tão profundamente que quase dói. Mas ele retorna em breve, pressionando um pano úmido entre minhas pernas.

Então ele beija meu ombro, minha coluna, todo o caminho até a curva do meu bumbum.

Eu nunca me senti mais adorada ou mais exposta.

—O que acabamos de fazer? —Eu sussurro, minhas bochechas pegando fogo.

—Algo que foi muito divertido. —Ele diz com um riso estrondoso enquanto ele se estica ao meu lado.

Viro o rosto e olho para ele. Com esses olhos brilhantes e aquele lindo sorriso.

—Definitivamente isso.

Mas foi mais do que apenas diversão. Quando penso que estamos tão próximos quanto duas pessoas podem estar, ele encontra uma maneira de se aprofundar na minha alma.

No momento, ele não está preocupado com nada existencial. Ele me puxa para cima dele, envolvendo seus braços em meu corpo nu.

—Devíamos levantar e fazer o café da manhã.

Meu estômago ruge no comando.

Eu deslizo para fora da cama e agarro sua camisa do smoking da cadeira no meu caminho para o banheiro.

Quando eu saio, ele se foi, e eu posso ouvi-lo assobiando lá embaixo. Eu fecho o suficiente de botões para estar coberta no caso de um policial aparecer em casa para assuntos de segurança nacional, então eu sigo o som de um homem muito feliz.

Eu o encontro na cozinha. Ele está esperando a cafeteira terminar de apitar, e ele está lendo e-mails em seu telefone novamente.

Como eu, ele vestiu algo para estar decente, apenas por precaução. Uma calça cinza Meu Deus, acalme-se coração. Meus olhos devoram a curva de sua bunda e o longo e forte trecho de perna até seus pés descalços.

Os músculos em suas costas flexionam quando ele abre um armário e puxa duas canecas com sua mão grande.

A outra ainda está digitando uma resposta em seu telefone.

Eu limpo minha garganta e ele para no meio do caminho, em seguida, se vira.

Ele me dá um sorriso divertido que me diz que eu consegui assustá-lo, embora ele suprimiu a reação.

—Trabalho importante? —Pergunto com um sorriso.

—Não tão importante quanto você. —Ele põe o telefone para baixo e me puxa para perto. Eu me perco no azul brilhante de seus olhos enquanto ele abaixa a cabeça, e seus lábios leves e doces me surpreendem quando ele pressiona contra a minha boca. —Hoje não.

Parte do acordo de amar Gavin significa que alguns dias, a maioria dos dias, essa não é a resposta. Eu estou mais do que bem com isso, mas eu amo que ele sai do seu caminho para me colocar em primeiro lugar quando ele pode.

E ele me coloca em primeiro lugar onde importa. Ele sempre me tem no coração, mesmo que sua mente e corpo precisem estar em outro lugar.

Eu amoleço em seu abraço, saboreando a doçura de seu beijo. Quando finalmente nos separamos, ele põe a testa na minha e só sorri para mim.

Sexo sacana é... incrível. Mas isto? Nada significa mais para mim do que este momento. Seus olhos em mim, suas mãos em meus quadris, e esse sorriso secreto que só nós dois conhecemos.

—Que tal panquecas no café da manhã? —Eu pergunto.

—Você leu a minha mente. — Ele beija a ponta do meu nariz. —Eu vou misturar a massa. Você cuida da frigideira.

Isso porque ele sempre é apressado, ele vira as panquecas antes que elas estejam douradas nas bordas e prontas para serem viradas.

Eu sou paciente.

Não sobre muitas coisas, mas panquecas para o meu homem? Vou certificar-me que estejam perfeitas todas as vezes.

Eu vejo ele colocar tudo em uma tigela, e de repente eu posso ver uma cadeira empurrada contra o balcão. Mãozinhas querendo ajudar. Farinha por toda parte.

Mas há tanta risada, também. Vale a pena a bagunça e o tempo extra que leva.

Seis meses até o nosso casamento.

Seis meses até que possamos começar essa família. Não posso esperar.

 

 

                                                   Ainsley Booth & Sadie Haller         

 

 

 

                          Voltar a serie

 

 

 

 

      

 

 

O melhor da literatura para todos os gostos e idades