Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


SPARK / Aleatha Roming
SPARK / Aleatha Roming

                                                                                                                                                   

                                                                                                                                                  

 

 

Biblio VT 

 

 

Series & Trilogias Literarias

 

 

 

 

 

 

As lições da vida me ensinaram bem.
Sonhos e finais felizes são simplesmente ilusões que nossa mente cria para suavizar os golpes da vida. Não sou mais uma garotinha que acredita em contos de fadas ou na existência de cavaleiros em cavalos brancos.
Embora eu nunca tivesse a intenção de retornar a Chicago ou vê-lo novamente, a decisão estava fora do meu controle. Agora estou aqui, e não posso ou não vou permitir que a faísca em seus penetrantes olhos azuis reacenda meu coração do jeito que seu olhar predatório incendeia meu corpo.
Patrick Kelly é meu passado - uma fascinação juvenil.
Não somos mais crianças.

Patrick ~
Posso ter começado como nada, mas isso é história.
Hoje faço parte da realeza — um duque, um senhor ou talvez um cavaleiro — ungido pelo escalão superior da dinastia Sparrow. Os turistas que entram de olhos arregalados em Chicago não têm ideia do que existe sob a superfície enquanto olham para o lago cintilante e os edifícios brilhantes.
Nada é o que parece.
Os Sparrows controlam tudo — ninguém entra em nosso reino sem nosso conhecimento ou nos pega de surpresa.
Ninguém até ela.
Agora que ela está aqui, há muito em jogo para ceder à faísca que vê-la reacende dentro de mim. Certamente, se fosse permitido queimar, as chamas consumiriam ambos os nossos mundos, deixando apenas cinzas.

Da autora best-seller do New York Times, Aleatha Romig, chega um novo dark romance, Spark, ambientado no mesmo mundo perigoso de Secrets e Twisted. Você não precisa ler a trilogia Web of Sin ou Tangled Web para se envolver nesta nova e intrigante saga, Web of Desire.

 

SPARK é o primeiro livro da trilogia WEB OF DESIRE que continua em FLAME e termina em ASHES.

 

 

 

 

Prólogo

Maddie

Vinte anos atrás

Seja invisível.

Era meu lema, meu mantra e minha vida.

Com o queixo abaixado, os olhos para cima e as mãos enfiadas no bolso do moletom enorme, encostei-me na parede de tijolos, observando o mundo ao meu redor. Era difícil não se destacar no calor de Chicago com as roupas que eu usava. Outras pessoas usavam roupas apropriadas para a estação, como shorts e tops.

Meu moletom cobria uma camiseta — as duas camisetas que eu possuía. Seria bom tirar o moletom, mas eu não tinha onde guardar meus pertences. As botas de caminhada gastas em meus pés também não funcionavam para a estação, mas meu sortimento de sandálias era inexistente. O mesmo acontecia com meus jeans compridos. Eu poderia cortá-los, mas isso não me faria nenhum bem quando o inverno chegasse.

Olhando para cima, espiei as folhas verdes penduradas nos bordos gigantes. Logo o tempo delas acabaria. Elas mudariam suas cores e cairiam. Essa era a minha medição de tempo, estações e horas de luz. Os dias eram mais longos e as noites mais quentes no verão. Logo começariam a encurtar e esfriar. Esse seria meu segundo inverno morando na rua, e o primeiro havia me ensinado bem.

Tentei ficar menor enquanto a calçada ao meu redor fervilhava com pessoas de todas as idades passando correndo. Crianças gordinhas seguravam com força as mãos das mães, reclamando das injustiças da vida. Homens uniformizados realizavam seu trabalho. Eles não eram policiais ou militares, mas entregadores, encanadores e carpinteiros vestindo camisetas com seus nomes. Os donos das lojas varriam a rua do lado de fora de seus negócios como se pudessem limpar a sujeira.

Era mais um dia no paraíso e eu fazia parte da multidão.

Não a multidão que morava nos apartamentos decadentes ou mesmo aqueles que tinham o luxo de evitar esta área da cidade. Eu fazia parte da sociedade sem rosto que permanecia nas sombras.

Como o ar quente e úmido do final do verão se recusava a se mover, ficou claro que Chicago havia esquecido seu apelido. Por um momento, tirei o capuz do moletom da cabeça e estiquei o pescoço para o céu azul, na esperança de algum alívio.

Cantadas e assobios vieram de dois garotos altos que passavam, me lembrando de fazer o que eu fiz, cobrir meu cabelo crescente e deslizar de volta para onde eu estava fora de perigo, onde eu não seria vista. Não era apenas segurança que eu buscava — também era invisibilidade.

A segurança era uma vadia esquiva, mas também uma grande professora.

Ela envolvia você em cobertores quentes e colocava em uma cama macia.

Ela contava histórias de princesas, príncipes e cavaleiros em cavalos brancos.

Ela enchia sua mente de sonhos e sua barriga de comida.

Ela o abraçava com força e expulsava os monstros de debaixo da sua cama e então, quando você estava satisfeita, ela a deixava sozinha, com frio, chorando e abandonada.

Ela me ensinou que nada durava.

Recuando contra o prédio, mantive meu foco nas caixas de produtos frescos do lado de fora da loja da esquina do outro lado da rua. Havia maçãs, bananas e tomates. O caminhão os entregou por volta do nascer do sol, como acontecia todos os dias.

Era a melhor parte dessa época do ano, frutas frescas, suculentas, direto de alguma fazenda. Era assim que imaginava na minha cabeça, como algo saído de um livro infantil, uma fazenda com colinas verdes e um pomar com árvores repletas de maçãs. De manhã, a luz do sol rompia a névoa matinal, expondo um céu azul vibrante.

Meu estômago roncou.

Eu estava vigiando a loja por mais de uma hora. O proprietário era um velho rabugento que falava energicamente com seus clientes enquanto evitava gente como eu. Acho que ele e sua esposa trabalhavam muito. Os dois estavam lá todos os dias, exceto aos domingos. Neste dia, a loja era fechada com grades cobrindo as vitrines. A rotina do casal era sempre a mesma. Um trabalhava dentro da loja enquanto o outro ficava de olho na calçada. Nesta época do ano, ele passaria o dia com uma vassoura na mão. No inverno, seria uma pá.

Havia outras opções para preencher meu estômago vazio, cozinhas de sopa e similares. Eu odiava suas falas, suas perguntas e suas tentativas fingidas de ajudar. Como uma falha múltipla do sistema de adoção, eu perdi tempo suficiente ouvindo seus tons açucarados que não faziam nada mais do que revestir seu julgamento piedoso com doçura.

Ficar sem família e casa não me fazia menos do que eles. Eu não queria sua pena ou esmolas. Cada encontro fortalecia minha determinação: um dia eu não apenas sobreviveria, mas venceria.

Hoje não era esse dia.

No entanto, eu não estava procurando esmolas; estava olhando para uma oportunidade na forma de produtos nas caixas. Se uma maçã caísse no concreto, o dono a jogaria fora.

Por que não realocá-la então?

Meu olhar se manteve focado na fruta vermelha polida. Eu não sabia por que, mas havia algo nas maçãs que eu não conseguia me livrar.

Como se avisados por Deus, os raios do sol brilharam, refletindo em suas cascas de rubi brilhante e chamando por mim, mesmo do outro lado da rua.

Uma hora se passou e depois outra.

Depois de um tempo, o estômago faminto sucumbe ao seu estado, esquecendo-se de resmungar e rosnar.

O sol estava alto quando uma mulher com uma criança pequena perguntou algo ao dono. Assentindo, ele levou os clientes pagantes para dentro. Era a pausa que eu estava esperando, minha chance de conseguir meu próprio café da manhã-barra-almoço.

Meu olhar disparou de um lado para o outro enquanto eu corria pela rua, entrando e saindo de carros estacionados e caminhões de entrega.

Uma maçã me alimentaria.

Uma caberia no bolso do meu moletom sem ser notada.

Uma poderia desaparecer facilmente.

Meus passos pararam perto da caixa. A fome rugiu de volta à vida, revirando meu estômago. Saliva se formou quando imaginei meus dentes perfurando a casca externa vermelha firme enquanto o suco da maçã cobria minha língua.

Uma.

Uma segunda.

Peguei mais uma.

“Ei, sua ladra!”

Quando a terceira maçã caiu no concreto, meus pés começaram a se mover.

Desviei das pessoas, virando em um beco e depois em outro. A transpiração pingava sob o casaco pesado enquanto eu continuava a correr.

A batida pesada de passos soava cada vez mais distante. Embora eu estivesse respirando pesadamente, minha juventude e agilidade me deram velocidade e distância. O grito e a perseguição não vieram do dono da loja ou de sua esposa, mas de um policial. Eu estive muito focada na minha recompensa para perceber que ele estava perto. Um policial de ronda, ele estava na parte inferior do totem da polícia. Felizmente, sua barriga de cerveja reduziu sua habilidade atlética.

Virando a esquina, quase colidi com outro policial, um policial mais jovem, falando em seu ombro. A perseguição começou novamente.

Este era mais difícil de despistar; no entanto, a fome era um forte motivador.

Não era apenas a perda das maçãs que ocorreria se eu fosse pega.

O encarceramento se seguiria, e pior ainda, a reentrada no sistema de adoção.

Se eu desse ouvidos aos conselheiros, eles diriam que também significava um teto sobre minha cabeça e três refeições por dia. Suponho que isso depende dos pais adotivos. No entanto, em minha experiência, as negativas superavam as positivas.

Com meu pulso acelerado, corri para um beco diferente. O fedor de lixo transbordando das lixeiras era meu amigo, esperançosamente afastando meu perseguidor. Abaixando-me atrás de um grande recipiente de metal, inclinei-me para frente, recuperando o fôlego.

“Ei,” tentei gritar quando uma mão cobriu minha boca e meu braço foi puxado para trás. Minha mente correu com possibilidades. Quem quer que me pegou não era um policial, mas não importava o quanto eu lutasse, não conseguia me soltar. Meu capuz escorregou da minha cabeça.

“Shh.” O aviso veio com um sopro quente em meu ouvido.

Embora minhas botas tentassem ficar firmes, fui puxada para trás até que escorregamos por uma abertura na parede de tijolos, levando a um espaço escuro.

“Não fale,” a voz do menino sussurrou. “Acene se você vai ficar quieta.”

Minha cabeça balançou quando o som de passos ecoou além da lixeira, aquela bloqueando a abertura. Lentamente, a mão do meu captor me soltou e me virei para ver o espaço ao meu redor. Meus olhos se ajustaram à falta de luz quando o lugar apareceu. O espaço não era grande, embora o teto fosse alto o suficiente para ficarmos em pé. Continuei a absorvê-lo, sabendo que, com um saco de dormir velho e pilhas de jornais velhos ao longo da parede oposta, obviamente era aqui que essa pessoa dormia.

Com ansiedade, meu olhar encontrou o do meu agressor.

O medo que vinha crescendo dentro de mim foi substituído por algo que eu não sentia desde que minha vida implodiu. Havia algo nos olhos desse garoto alto que me deu a estranha sensação de segurança.

“O que você quer?” Eu perguntei, dolorosamente ciente de que ele era homem e eu era mulher.

“Eu só estava tentando ajudar você,” ele disse com um sorriso. “Foi uma má jogada o porco pedir reforços. Inferno, foram apenas algumas maçãs. Ou você roubou algo mais valioso?”

Quase me esqueci das maçãs. Meus punhos chegaram aos meus quadris. “Certo, eu tenho o Diamante Hope escondido sob minha camiseta.”

“Droga, eu estava esperando por comida.”

“É por isso que você me puxou aqui, para pegar minhas maçãs?” Perguntei.

Balançando a cabeça, ele gesticulou em direção à abertura. “Quero dizer, você pode ir se quiser. Boa sorte.”

“Espere.” Eu me virei completamente no pequeno espaço. Quando nossos olhares se encontraram novamente, notei suas bochechas sujas e como elas deixavam seus olhos azuis e cabelos loiros mais proeminentes. “Diga-me por que você me puxou aqui.”

Ele encolheu os ombros largos, mas magros. “Eu vi você por aí, e bem, como eu disse, o policial era mau. Eu queria te ajudar.”

“Primeiro, não preciso da sua ajuda ou de ninguém.”

Sem uma palavra, ele gesticulou novamente em direção à porta.

Este quarto improvisado não era o Hilton nem mesmo um Motel 6, mas não era ruim quando me acostumei com o fedor da lixeira. “Se eu ficar, o que você vai fazer? O que você quer?”

Recuando para o saco de dormir sujo, o menino se sentou, cruzou as pernas e olhou para mim. Foi um movimento simples que sem palavras me disse que ele não era uma ameaça, pelo menos não agora.

Ele inclinou a cabeça. “Eu não te salvei por uma recompensa. Mas agora que você está aqui.” Ele acenou com a cabeça em direção ao meu moletom. “Eu realmente gostaria de uma daquelas maçãs.”

Um sorriso apareceu no meu rosto enquanto eu olhava para baixo para ver como as maçãs estavam obviamente dentro do bolso da frente. Alcançando o bolso, tirei uma com cada mão. Elas não variavam muito, mas uma era maior. Eu levantei a maior e estendi em sua direção. “Obrigada por me salvar.”

Ele pegou a maçã e deu um sorriso amigável. “Obrigado pela comida.”

Balancei a cabeça em direção a sua cama arrumada. “Você se importa se eu sentar também?”

“De jeito nenhum.” Ele deslizou para o lado.

Um zumbido escapou dos meus lábios enquanto eu mordia a maçã. Era tão firme e suculenta quanto eu previ. Quando me virei, ele ainda estava olhando para mim. Enxugando minha mão na calça jeans, levantei-a para o menino. “Oi, eu sou Maddie.”

Ele pegou e nós apertamos. “Eu sou Patrick, bem-vinda à minha casa.”

Novamente encarei o espaço. “Eu gosto do que você fez com ele.”

O rosa atingiu suas bochechas quando ele deu outra mordida. “Não é muito, mas é principalmente seco. E a lixeira mantém outras pessoas afastadas. Não os camundongos e ratos, mas é para isso que aquilo serve.” Ele apontou.

No canto, havia um pedaço de compensado sujo.

“Você tem tudo que precisa.”

“Que tal um amigo?” Ele perguntou.

Não há como descrever o sentimento de segurança, e eu sabia que não iria durar, mas com esse menino me senti segura e, pela primeira vez em dois anos, em seu espaço, me senti em casa.


Patrick

Nos Dias de Hoje


Uma golpista.

Uma vigarista.

Uma fingida.

Uma ladra.

Eu poderia identificar uma do outro lado da sala. Esqueça isso. Eu poderia identificar uma a milhares de quilômetros de distância com nada mais do que uma foto ou postagem nas redes sociais. Essa habilidade me manteve vivo desde muito jovem. A vida foi uma ótima professora e eu aprendi bem minhas lições.

Com tempo e tenacidade, venci o que muitos não puderam ou não conseguiram. Entre o GI bill e a ajuda de um amigo, tive mais do que lições de vida. Eu também tive uma educação. Os diplomas em administração e finanças complementaram o acúmulo de minhas experiências. Juntos, isso me permitiu ser excelente em muitas coisas. Meus interesses e habilidades eram vastos; no entanto, foi observar, analisar e compreender as pessoas que continuei me aprimorando. Essa simples ferramenta de observação me manteve no topo do meu jogo.

Na minha vida, no meu mundo, a consequência da perda era a morte.

Atualmente, meus olhos estavam voltados para uma mulher primorosamente bonita. Havia inúmeras razões pelas quais ela chamava minha atenção ou a de qualquer homem de sangue vermelho. Claro, esses motivos estavam na minha mente. No entanto, minha atração estava focado em mais do que sua aparência.

Mesmo à distância, eu sabia que ela não era exatamente o que parecia ser.

Enquanto o alarme disparava, eu não conseguia desviar o olhar.

Trabalhar como eu fazia com meus associados e aqueles que trabalhavam comigo não seria possível se eu não fosse capaz de ler expressões e antecipar reações. Se uma pessoa estava sendo genuína, cada reação variava em algum grau. Não importava se a pessoa era homem ou mulher, rica ou pobre, educada ou não, ou mesmo inteligente ou não.

Não, educação não significa inteligência. As ruas estavam cheias de pessoas com inteligência — malandros — que podem não ter visto uma sala de aula desde muito jovens.

A aparência significava pouco. A beleza, na maioria das vezes, era simplesmente um verniz. Alguns dos corações mais sombrios e frios que encontrei estavam cobertos pelos pacotes mais bonitos.

Eu acho que poderia me qualificar nesse aspecto.

Embora eu fosse uma criança magrela e faminta, isso fazia parte do meu passado.

Embora tenha me levado em uma longa estrada tortuosa, o destino foi gentil.

Uma decisão desesperada me colocou no lugar certo com o grupo certo de caras. Esses caras agora eram homens e, juntos, governávamos esta cidade. Alguns se referiam ao que fazíamos como clandestinidade ou crime organizado. Em alguns aspectos, estavam certos.

Éramos incrivelmente organizados.

E lidamos com muitas atividades que alguns considerariam crimes.

Pode-se ignorar a existência deste mundo ou florescer dentro de seu reino. Para o bem ou para o mal, eu era uma peça do quebra-cabeça de Chicago, parte do Grupo Sparrow.

O nome de Sterling Sparrow estava nos prédios, era respeitado na alta sociedade e sussurrado nos becos escuros. No entanto, o ditado era verdadeiro: nenhum homem é uma ilha. O sucesso do nível do Grupo Sparrow não era alcançado sozinho. Era necessária uma equipe confiável.

Foram necessários homens capazes de encarar a morte de frente, lavar o sangue de nossas mãos e voltar para buscar mais, ao mesmo tempo que pareciam refinados. Manter nossa aparência de lobo em pele de cordeiro era parte de nosso sucesso.

Havia outros nomes além de Sterling Sparrow que evocavam o devido respeito, nomes que estiveram com Sparrow desde a noite fatídica em que adquiriu o que fora de seu pai e, mais recentemente, a tarde em que a cidade se uniu sob um nome.

Um daqueles nomes que conquistaram respeito era o meu.

Patrick Kelly.

O garoto magrelo que eu fui cresceu e se tornou um homem capaz de mais do que ele jamais imaginou.

Ao longo dos anos, eu deixei meu início menos que humilde. Eu cuidei do meu corpo e da minha mente, desenvolvendo ambos, refinando ambos, até que estivessem perfeitos.

Aprendi que para ser verdadeiramente intimidante, era preciso mais do que uma aparência externa. Eu tinha isso, sendo chamado de assustador mais de uma vez. O que era mais assustador era uma pessoa com a barba feita e o cabelo aparado, em um caro terno de grife e mocassins italianos que era capaz do impensável. Era a ilusão de civilidade que dava a homens como eu e aqueles com quem trabalhava e chamava de amigos a vantagem.

As pessoas fugiam do bicho-papão.

Eu era o homem para quem eles corriam.

Em alguns casos, funcionava bem.

Em outros, era um erro mortal.

Quanto mais bonito o rosto, mais fácil era enganar.

Não sou mais um lutador lutando para viver nas ruas, hoje faço parte da elite, a realeza de Chicago. Se Sparrow fosse um verdadeiro monarca, eu suponho que Reid, Mason e eu seríamos considerados duques ou lordes, aqueles homens nomeados por capricho do rei para ficar ao lado e atrás dele, arriscar corpo e alma por seu sucesso, porque ao fazê-lo, nós também garantimos o nosso.

Nós três provamos repetidamente que merecíamos nossa ascensão. Hoje, o menino que antes dormia em sarjetas e sob passagens subterrâneas vive em um castelo de vidro no alto do horizonte de Chicago. Hoje, junto com alguns escolhidos, governo as mesmas ruas onde uma vez busquei comida e abrigo.

Embora Chicago seja nosso reino, o alcance do nome Sparrow se estendeu além dos limites da cidade. Nossos exércitos marcharam por todo o país e além. Sparrow não estava sozinho em seu nível de sucesso. Outras cidades e outras famílias detinham o poder. No entanto, a cada dia trabalhávamos para expandir a cúpula Sparrow, fazendo isso tão tranquilo quanto possível e destronando se necessário.

Cada um era ou a flecha ou o alvo.

O Grupo Sparrow era a flecha.

Meu olhar se concentrou novamente na beleza extraordinária do outro lado da sala — meu alvo — para a descoberta desta noite. Um fantasma do passado, ela fez meus mundos colidirem. Meu passado e presente estavam agora aqui.

Vê-la trouxe vida onde antes havia morte. Como uma faísca perdida pousando na vegetação rasteira de uma floresta, estar na presença dela acendeu meu corpo em chamas. Minha reação visceral a ela me pegou de surpresa. Minha frequência cardíaca aumentou e meus sentidos ficaram em alerta máximo.

Não era simplesmente sua beleza.

Diariamente, estava na presença de mulheres bonitas, inteligentes e fortes. Respeitava a força delas tanto quanto a dos homens. Essas mulheres não fizeram meu coração disparar ou prender minha respiração. Os pequenos cabelos do meu pescoço não se levantaram nem meu pau acordou de sua longa hibernação.

Assim que fiquei em sua presença, fiquei encantado e um tanto perplexo por ser capaz de tal reação visceral. Não era como se eu tivesse vivido a vida de um monge. Eu não tinha. No entanto, isso era diferente. Ela era diferente.

Eu não estava perto o suficiente para cheirar seu perfume ou sentir sua respiração suave em minha pele. No entanto, pela maneira como meu corpo estava reagindo, eu poderia estar.

Eu já estive.

Isso foi antes.

O tempo era uma cadela impiedosa, não parando para nenhum homem ou mulher.

Nunca pensei que a veria novamente — que era mesmo possível — e ainda com tudo dentro de mim, eu sabia que era ela quando a vi pela primeira vez. Depois de todos esses anos, ela estava de volta à minha cidade como se nunca tivesse partido.

Com sua morte nunca confirmada, ao longo do tempo, eu a procurava periodicamente. Cada busca infrutífera era mais uma confirmação de sua morte.

Isso foi até agora, até esta noite.

Entrei nesta sala de conferências com a intenção de supervisionar o torneio de pôquer em questão. Era um torneio de um milhão de dólares. Esse tipo de dinheiro não mudava de mãos sem o conhecimento de Sparrow. O destino me trouxe para o Club Regal esta noite, para esta sala.

O prêmio do torneio era grande e as apostas feitas até agora eram impressionantes. Milhões de dólares chegaram à nossa cidade e eu estava aqui para lembrar que os impostos eram devidos. Não que os jogadores por si só me entregassem dinheiro. O torneio em si passaria uma porcentagem para Sparrow. Era assim que funcionava.

Imagine minha surpresa ao vê-la novamente depois de todo esse tempo.

Com minha missão em mãos momentaneamente esquecida, fiquei pasmo enquanto anos de memórias inundaram minha mente junto com uma miríade de emoções.

Alegria.

Raiva.

Descrença.

Incerteza.

Choque.

Madeline estava viva.

Ela nunca morreu.

À medida que a descrença desaparecia, tive um pensamento conflitante.

Embora eu sempre a amei, agora eu a odiava.

Partes da minha mente esqueceram a mulher que eu conhecia, colocaram-na de lado. Isso foi antes. Na fração de segundo em que a vi, meu corpo se lembrou de tudo o que ela tinha sido, que nós tínhamos sido. Muitos de nós não conseguiram sair das ruas. Alguns morreram tentando. Outros morreram sem tentar — desistindo ou cedendo.

Poucos passaram a viver no luxo.

Embora eu não tivesse certeza sobre como ela vivia, pela aparência de nosso entorno atual e a pilha de fichas de pôquer de $ 1000 à sua frente, ela não sofria por sua próxima refeição. Ninguém poderia fazer as apostas monetárias que eu assisti ela fazer — ganhar ou perder — sem alguma estabilidade financeira. Os jogos de apostas altas que ocorreriam neste andar, deste clube privado, não poderiam ser financiados com boa aparência ou crédito.

Depois de todos esses anos, Madeline havia retornado, não como a mendiga que eu conhecia, mas como um membro da elite por seus próprios méritos.

Enquanto eu continuava a observá-la de longe, não pude deixar de me maravilhar com sua calma exterior. Ela era um verdadeiro showman quando se tratava desta arena. Na última hora, eu assisti enquanto ela ganhava milhares de dólares, fazia dezenas de milhares e perdia igualmente em grandes potes. Seus olhos verdes escuros, os mesmos que assombraram meus sonhos ao longo dos anos, permaneceram firmes.

No entanto, Madeline tinha seus tiques.

Eu duvidava que os outros jogadores os vissem.

Os outros estavam ocupados demais calculando suas próprias estratégias de sucesso, ou talvez, hipnotizados por sua bela embalagem. Pode ser a maneira como seu cabelo negro como um corvo caía em cascata sobre seus ombros esguios ou seu pescoço sensual se esticava.

Minha mente tentou processar a adolescente que conheci, comparando-a com a mulher agora diante de mim. Sim, Madeline não tinha mais dezoito anos. Se minha matemática simples estivesse correta, ela tinha trinta e cinco anos — a mesma idade que eu — e ainda mais bonita do que eu me lembrava.

Uma diferença notável agora era a quantidade de maquiagem que ela usava. Era demais para o meu gosto. Ver isso não me fez virar as costas. Pelo contrário, acendeu um desejo profundo dentro de mim de despojá-la de cada camada até que eu tivesse conhecimento da verdadeira beleza por baixo.

Tomando um gole do bourbon restante dentro do meu copo, permiti que minha mente fantasiasse sobre remover mais do que a maquiagem. O primeiro seria seu vestido prata sem alças com um decote que mergulhava entre os seios redondos. Cada vez que ela contemplava seu próximo movimento, os mesmos seios empurravam contra o tecido enquanto sua respiração se aprofundava.

Sim, eu percebi.

Embora a pressão contra os globos redondos fosse sexy como o inferno, também era muito regulada, muito previsível. Até mesmo a maneira como ela puxava o lábio brilhantemente pintado de vermelho era praticada e aperfeiçoada.

A sugestão de um sorriso veio aos meus lábios.

Sim, Madeline, eu vejo a verdadeira você.

Uma vez trapaceira, sempre trapaceira.

Parecia que agora, em vez de tirar vantagem da ingenuidade dos turistas furtando bolsos ou roubando maçãs nas ruas lotadas de Chicago, Madeline passara a roubar o dinheiro das pessoas à vista de todos. Uma pontada de orgulho tomou conta de mim ao observar seu progresso. Não havia dúvida de que seus alvos atuais tinham mais a perder.

Quem sou eu para julgar?

Meu pulso acelerou quando Madeline abaixou suas cartas, sorrindo para o crupiê e os outros jogadores. O homem atrás dela ajudou-a com a cadeira enquanto ela se levantava. Eu sabia pelo seu uniforme que ele não estava com ela. Ele trabalhava para o clube. Seu trabalho era supervisionar suas fichas até que ela voltasse. Ela sussurrou algo para ele, entregando-lhe uma de suas fichas de pôquer — uma gorjeta de $ 1000.

Ele respondeu com um aceno de cabeça.

Havia exibicionismo em cada movimento desses grandes apostadores.

Bebendo o resto do bourbon, entreguei o copo de cristal a uma garçonete atenciosa.

“Sr. Kelly, posso pegar outro para você?”

Eu mal notei a garota diante de mim. Minha atenção estava voltada para apenas uma mulher enquanto meu pulso batia em ritmo triplo com antecipação. Já fazia muito tempo.

“Senhor?”

Eu me virei para a jovem de cabelos roxos com a bandeja. “Não, obrigado.”

Meus sentimentos finais não foram falados em voz alta. Eles estavam esperando pelo público apropriado. Depois de todo esse tempo, estou indo falar com minha esposa.


Madeline

 

Levantando-me, examinei a sala, tentando afastar a sensação de que estava sendo observada. Eu não quis dizer simplesmente como todos os outros jogadores de pôquer na sala. Claro que estávamos sendo vigiados. Um clube com este nível de jogo tinha segurança. Haviam pessoas observando os jogadores e os crupiês. Era um grande negócio e se corresse o boato de que o Club Regal permitia trapaça, os jogadores iriam para outro lugar e levariam seu dinheiro com eles.

Cada uma das sete mesas foi preenchida com seis jogadores e um crupiê. Haviam alguns outros clientes na sala, sem dúvida a elite de Chicago. Ninguém mais conseguiria chegar a este andar, muito menos passar pela porta. A maioria dos não jogadores parecia preocupada. Esta era a primeira noite do torneio e havia muitas mesas e jogadores para serem interessantes para os observadores.

Amanhã à noite, o torneio seria reduzido a cinco mesas e trinta participantes. Na tarde de sábado, as cinco mesas seriam reduzidas a três. No sábado à noite, restaria uma mesa e seis jogadores. Era por isso que eu estava aqui, para estar entre os seis jogadores de elite, os seis competindo pelo prêmio de um milhão de dólares.

“Srta. Miller, seu lugar estará esperando”, disse o cavalheiro que observava nossa mesa.

Entreguei a ele uma das minhas fichas. “Obrigada. Isso é pelo seu trabalho. Volto já.”

Olhando para a ficha em sua mão, seu sorriso se alargou quando ele me deu um aceno de cabeça.

A jovem que morou nessas ruas jamais compreenderia uma gorjeta de US $ 1.000. Essa garota se foi.

Uma gorjeta de $ 1000 garantiria que minhas fichas permaneceriam intocadas até que eu voltasse.

Embora eu nunca tivesse vindo ao Club Regal antes, já estive em muitos estabelecimentos semelhantes. Não havia como negar o ambiente ao meu redor. A atmosfera gotejava com riqueza. Na minha experiência, muitos clubes semelhantes perderam o charme dos velhos tempos, dando lugar a uma aparência e atmosfera mais modernas. Em comparação com aqui, os outros eram estéreis.

O Club Regal era famoso pelas comodidades do andar principal: uma churrascaria exclusiva, o Bar Regal e o Regal Cigar Room. Nada além do melhor era preparado para os membros. Aqueles membros de elite do Club Regal, sem dúvida, acreditavam estar acima dos outros nesta cidade; no entanto, mesmo com esse status, nem todos os membros chegaram ao nível superior e a esta sala. A sala de conferências que abrigava o torneio de pôquer era agraciada com estrelas de cinema e realeza, além de chefões.

Este era um estabelecimento onde o dinheiro antigo falava e o dinheiro novo também era ouvido.

Eram necessárias conexões e / ou reputação para estar aqui.

Minha reputação era minha entrada.

Eu joguei nos circuitos, trabalhando meu caminho até os torneios de pôquer de elite. Ao longo dos anos, sentei-me à mesa de alguns dos melhores jogadores do mundo. Reis e xeiques desistiram com meus blefes. Claro, eles não sabiam disso.

Uma garota não blefava e contava.

Enquanto caminhava entre as mesas espaçadas e meus saltos altos mergulhavam no carpete felpudo, me peguei admirando os ricos painéis escuros, molduras personalizadas e pesadas luminárias ornamentadas. Se algum deles ainda estivesse vivo, não ficaria surpresa em ver Al Capone ou John Dillinger em uma das mesas.

Eu apostaria minha vida que eles agraciariam esta sala e estabelecimento ao mesmo tempo com sua presença.

E apostar foi o que fiz.

Ganhar essas apostas era meu ganha-pão, meu pagamento de dívidas.

A cada passo, eu vasculhava a sala em busca de rostos familiares nas várias mesas. Não era incomum que caminhos se cruzassem. Derek Daniels e Lindsey Bolton foram dois que reconheci. Se a vaidade fosse uma ameaça, eu ficaria preocupada.

Não era e eu também não.

Do outro lado da sala, tive um vislumbre de Julius Dunn. O homem adorava sua foto na capa das revistas. Ele não dava a mínima se fosse Forbes ou o The Sun. Ele acreditava que qualquer publicidade era boa publicidade. A maioria dos artigos falava de suas festas e façanhas sexuais. Se eu me lembrasse com precisão, ele estava com a sexta esposa ou talvez esperando pela sétima.

Meu pescoço se endireitou ao ver Marion Elliott. Com quase o dobro da minha idade, ele fazia parte do circuito de elite desde antes de eu encontrar minha vocação. Seu dinheiro vinha do petróleo e, como um poço sem fundo, ele sempre vinha para um torneio com um suprimento ilimitado de capital. O destino foi generoso, impedindo-nos de entrar em confronto direto. Se eu fosse ganhar o jackpot, isso teria que mudar. De qualquer pessoa na sala, ele era minha maior preocupação.

Eu balancei a cabeça para um cavalheiro perto da saída, e ele retribuiu meu aceno com o seu enquanto abria a porta para a minha passagem. Ambos os lados da entrada eram protegidos, permitindo apenas a clientela apropriada dentro. Mesmo chegando a este andar, não garantia a entrada no salão dos grandes apostadores.

Apesar de minha reputação e sucesso, sempre houve uma pequena pontada de medo irracional de que, quando eu voltasse, minha inclusão fosse bloqueada — o mundo me veria como a mendiga malandrinha que eu já fui nas sombras desta cidade.

Com a mesma rapidez, afastei o pensamento. Endireitando meu pescoço e ombros, eu lembrei a mim mesma, assim como ao mundo, que aquela garota se foi.

Eu percorri um longo caminho desde então.

Chicago foi um círculo completo para mim, onde nasci, vivi, perdi, sobrevivi e onde minha vida tomou um desvio inesperado.

Dizer que eu escapei não seria totalmente correto. No entanto, cada conquista e cada vitória me trouxe mais perto desse sonho. Pisando no grande patamar, respirei fundo o ar mais fresco. Passo a passo, caminhei através do labirinto de corredores menos lotados no caminho para o meu destino. Era óbvio que poucas mulheres chegavam a este andar; o banheiro feminino era menos acessível.

Comecei a pensar nas cartas. Talvez tenha sido voltar para Chicago que me tirou do jogo. Eu não deveria ter perdido a última mão e sabia disso. A cidade e seus pontos turísticos, antes familiares, estavam me afetando de uma forma que eu não poderia descrever.

Minha mente estava na última mão — um valete de ouros distante de um straight flush. O último aumento teria sido um risco não calculado. Terei mais mãos para jogar e mais oportunidades.

Minha falta de foco foi um erro de iniciante, que raramente cometi.

Não o vi até que fosse tarde demais, até que virei a última curva para o corredor isolado que continha meu destino.

Uma grande mão envolveu minha garganta enquanto meus ombros batiam contra a parede. Lutei para respirar enquanto era levantada até que apenas os dedos dos meus sapatos de salto alto tocassem o chão. O fedor de licor, sem dúvida caro, prefaciou suas palavras enquanto seus olhos escuros e maléficos encaravam os meus e sua voz rouca grunhiu.

“Você perdeu trinta mil.”

Este não era um ataque aleatório. Eu estava bem ciente do meu agressor.

Incapaz de falar, pisquei minha resposta quando a umidade encheu meus olhos. Lutando para respirar, levantei minhas mãos para a dele no meu pescoço.

Mitchell Leonardo estava correto; Eu estava pra baixo. Embora a maioria das minhas perdas tenha sido deliberada, eu também tinha planos para corrigir a situação. Nada disso importava neste momento. Meu primeiro objetivo estava literalmente à mão.

Eu precisava de ar — oxigênio para meus pulmões, sangue e órgãos.

Com as finais a dois dias, agora era a hora de criar uma fachada, embalar os outros jogadores com uma falsa sensação de segurança. Mitchell deveria saber que eu não perderia mais do que o permitido. Eu não podia. Havia muita coisa em jogo no meu sucesso.

“Vadia, você sabe o que vai acontecer com nós dois”, ele resmungou com os lábios perto da minha orelha, “se você não ganhar.”

Minhas unhas recém-pintadas arranharam seu aperto em meu pescoço enquanto manchas escuras dançavam em minha visão. De repente, seus dedos se soltaram. O sopro do ar foi como um maçarico disparando fogo nos meus pulmões. Inclinei-me para frente ofegando, meus joelhos fracos.

“Levante-se agora ou você não vai voltar lá.”

Com o ar fresco trazendo vida de volta ao meu corpo e mente, fiz o que Mitchell disse e endireitei minha postura. Nossos olhos se encontraram novamente. Em vez de olhar para ele com medo como ele provavelmente esperava, fogo e ódio irradiavam do meu olhar. Meu tom baixou conforme minha inflexão ficava mais forte com cada palavra. “Seu filho da puta, se você me tocar de novo, você é um homem morto e não vai ser capaz de andar.”

“Você perde o dinheiro do chefe, e não serei eu aquele que estará abaixo de um metro e meio.”

“Estou trabalhando para o longo prazo, seu idiota.” Endireitei meus ombros enquanto continuei meu olhar em suas órbitas escuras. “Eu sei que você não conseguiu esse emprego de babá por causa de seu cérebro, então deixe-me desenhar para você. As pessoas lá dentro são muito mais espertas do que gente como você. Eles ouviram falar da minha reputação. Estão me testando. Eu sei o que diabos estou fazendo.”

Os lábios de Mitchell se estreitaram, formando uma linha reta.

“Os jogos finais são em dois dias”, continuei. “Perder agora aumentará as chances de os outros jogadores me subestimarem. Também estou ciente de quanto preciso ganhar para garantir meu assento em cada rodada.” Separava minhas palavras enquanto minha determinação aumentava. “Não tenho dúvidas de que não só chegarei à rodada final, mas também ganharei o jackpot no sábado e, quando o fizer, a primeira coisa que direi a Andros é o que você acabou de fazer. Intocável. Isso soa familiar?” Um sorriso ameaçador veio aos meus lábios enquanto minha cabeça inclinava timidamente. “Ou melhor ainda, vou pedir-lhe um favor. Veja, ele é muito generoso quando eu lhe trago os ganhos. Ele vai me dar o desejo do meu coração de boa vontade.”

“Tenha cuidado.”

“Vá fazer uma ligação. Diga adeus à sua infeliz esposa — meu favor a tornará viúva.” Forcei uma risada enquanto o olhava de cima a baixo. “Inferno, ela provavelmente vai me agradecer.”

Mitchell se eriçou ao dar um passo para trás. “Fazendo meu trabalho, Srta. Miller. Observando você. Vigiando o dinheiro do chefe.”

“Babá glorificada. Um trabalho de tão alto nível. Sua mãe deve estar orgulhosa.” Quando Mitchell não respondeu, continuei. “Você está me observando, então, porra, observe.” Eu apontei sua direção, enfatizando minhas palavras. “Você colocou suas mãos sobre mim pela última vez. Faça de novo e não vou esperar por Andros. Eu mesma vou te matar.”

Com minha última palavra, dei um passo para o lado e, com uma virada, desapareci no banheiro feminino. Quando a porta foi fechada com sucesso, soltei um longo suspiro. Fechando meus olhos, desabei contra a parede fria de azulejos.

Mitchell estava certo sobre as expectativas de Andros.

O fracasso não era uma opção. As apostas eram muito altas.

Respirando fundo, me aproximei do espelho. Arrastando meus dedos sobre meu pescoço, levantei meu queixo e inspecionei a pele agora sensível.

“Animal estúpido,” eu murmurei enquanto abria minha bolsa e removia um pequeno compacto. Algumas pinceladas de corretivo em pó e as marcas vermelhas criadas pela tentativa de intimidação de Mitchell foram disfarçadas. A experiência me disse que a ternura não seria tão facilmente escondida. Eu me destacava em muitas coisas. A vida era uma professora brutal. Esconder hematomas era brincadeira de criança, uma educação primária. Se a vida fosse uma universidade, teria PhD depois do meu nome.

Inclinando-me para frente, corri outro dedo sobre minha bochecha esquerda. A cor sob as camadas de corretivo e base foi de verde a amarelo claro. Em outras palavras, aquele hematoma abaixo estava quase todo curado. Essa beleza não veio de Mitchell, mas do próprio Andros, um lembrete de quem estava no comando, quem guardava meus segredos e quem tomava decisões. Depois de tantos anos fora de Chicago, cometi o erro de responder com honestidade quando ele me informou sobre este trabalho.

Eu não queria estar aqui.

Eu iria para qualquer outro lugar.

Meu dedo contornou minha bochecha machucada.

Eu abaixei minha voz. “Fodidos. Estou ganhando meu tempo. Não vai demorar muito até que eu pegue o que é meu e vou embora.”

Meu sentimento não era o desejo de uma criança por uma nova vida, como os contos de fadas e as mentiras que me contaram antes de minha família ser tirada de mim. Eu sabia que não existia um cavaleiro em um cavalo branco e esperar pelo Príncipe Encantado era uma perda de tempo.

A única pessoa que me salvaria seria eu.

Um dia eu faria.

Endireitei meus ombros e encarei meus próprios olhos.

Hoje não era o dia. Não era um risco que valia a pena correr.

Minhas prioridades estavam gravadas em pedra.

Algumas coisas valiam uma sentença de prisão perpétua. Eu tinha isso. Mesmo assim, mantive a esperança de uma eventual liberdade condicional. Forçando um sorriso no espelho, disse a mim mesma que isso viria com um comportamento bom ou muito ruim. Liberdade conquistada ou liberdade roubada. Eu não me importava.

Andros possuía meus segredos, mas felizmente, não meu coração. Nos últimos cinco anos ou mais, meu corpo também esteve fora de seu alcance. O chefão da Ivanov bratva — a irmandade russa — e eu, tínhamos chegado a um entendimento mútuo.

Meu estômago se revirou.

Apesar desse acordo, eu ainda era dele, tornando-me intocável para os outros na bratva. Ao mesmo tempo, ele era livre para fazer o que desejasse com outras mulheres. Sinceramente, eu acreditava que ele ficou entediado comigo, mas se recusou a abrir mão do que obteve. O novo arranjo era o melhor até então. No entanto, como em todas as negociações de acordos, tudo pode mudar em uma moeda. Com Andros e Ivanov bratva, uma moeda era um exemplo sem valor.

Um quilo de cocaína.

Uma remessa de metanfetamina, heroína ou o mais novo favorito das ruas, oxicodona.

Um pagamento de um milhão de dólares.

Uma remessa ilegal de armas.

O mundo Ivanov estava localizado na fronteira com o Canadá, dentro da cidade de Detroit. As possibilidades eram infinitas. As rotas de navegação dentro e fora do país eram a porta de entrada para a riqueza e o poder.

Levantando meu queixo no espelho, soltei um suspiro e encarei meu próprio olhar verde.

Esta noite eu iria me concentrar na próxima hora de pôquer e então poderia descansar.

Abrindo a porta para o corredor, meus pés pararam enquanto eu engasgava.

A visão diante de mim, que eu tinha visto pela última vez em meus sonhos.

Eu me aproximei. Sob meu toque estava um coração batendo, seu calor irradiando como chamas de uma fogueira.

Merda.

Este não era um sonho ou um fantasma.


Patrick

 

Seus olhos verdes se arregalaram e seus passos vacilaram quando sua mão delicada veio ao meu peito. O toque entrou em combustão instantaneamente, passando de faíscas a chamas. Madeline também deve ter sentido, pois com a mesma rapidez, ela puxou a mão.

Meu tom baixou. “Sra. Kelly, já faz um tempo. Bem-vinda de volta a Chicago.”

O queixo de Madeline se ergueu. “Este não é meu nome. Talvez você tenha me confundido com outra pessoa.”

Sua reação visceral não correspondeu à sua resposta verbal. Madeline era uma jogadora, mas quando me viu, sua máscara se quebrou. Apesar de sua tentativa de parecer indiferente, seu corpo a estava denunciando. Sua respiração acelerada, lábios entreabertos e narinas dilatadas, eram apenas algumas das dicas.

Deus, ela era deslumbrante.

Não havia dúvida em minha mente.

Pode ter se passado dezessete anos desde a última vez que coloquei os olhos sobre ela, mas eu conhecia a única mulher a levar meu nome e meu coração.

Eu não estava errado.

Meu corpo sabia tanto quanto minha mente.

Um pequeno sorriso veio aos meus lábios quando eu a olhava, examinando desde seu cabelo preto brilhante até seus sapatos de salto alto. Não mais uma criança, Madeline Kelly era tudo que eu lembrava e muito mais. Parada como a rainha que sempre pensei que ela fosse, seus ombros estavam para trás e o pescoço reto. O aroma sedutor de seu perfume flutuava ao seu redor em uma nuvem sutil. Como o campo depois de uma chuva, trouxe-me imagens de flores perto de uma cabana. Seu vestido era luxuoso, possivelmente um designer original, e a maneira como acentuava seus seios me fez querer arrancá-lo de suas curvas. Os sapatos em seus pés eram, sem dúvida, de alta qualidade. Diamantes pingavam de suas orelhas e ela estava usando mais maquiagem do que eu preferia. No entanto, sob o embrulho caro, ela era definitivamente a mulher de que me lembrava.

Ela era minha esposa.

À medida que o silêncio crescente aumentava ao nosso redor, a necessidade de reconfirmar que essa mulher era de carne e osso e não uma aparição criada em minha mente estava se intensificando a cada minuto. Minha mão coçou para alcançá-la. Se seu toque de um milissegundo me abalou como aconteceu, ter mais seria minha ruína.

Estar aqui com ela era surreal, um sonho ou talvez um pesadelo.

Era hora de descobrir qual.

“Se você me dá licença,” ela disse, quebrando o silêncio enquanto seus olhos percorriam o comprimento do corredor.

Incapaz de me conter, peguei a mão dela.

Como havia acontecido um momento antes, a conexão foi instantânea — como uma descarga elétrica, energizou meu coração morto. Pela expressão em seus olhos, eu sabia que Madeline sentia isso também. Eles estavam olhando para mim, rodopiando de emoção. Meu dedo foi para o pulso dela. Com um toque, senti seu pulso. Semelhante ao que trovejava em minhas veias, o dela também estava batendo rápido demais.

Eu a puxei para frente, para o corredor vazio. “Não se preocupe, Madeline, não seremos perturbados se isso for sua preocupação.” Dei de ombros. “Seu amigo está preocupado.”

Ela puxou a mão, provavelmente ciente de que nossa conexão era um de seus atos. Sua profissão a deixava desconfiada, sem vontade de mostrar as cartas.

Quanto ao amigo dela — o grande homem — cheguei a este corredor tarde demais para intervir. E embora eu não tivesse certeza de tudo o que aconteceu, meu instinto me disse que ele poderia ser um problema. Uma palavra rápida para um amigo, e o homem grande que estava conversando com Madeline estava agora no andar térreo enquanto suas referências para entrada estavam sendo questionadas. Dependendo de suas respostas, a reentrada neste andar ou talvez no clube seja recusada.

“Meu amigo?” Ela perguntou. “Minha preocupação?” Sua cabeça balançou enquanto seus longos cabelos balançavam como um véu preto sobre seus ombros nus e suas costas. “Ele não é um amigo e a minha preocupação é o torneio de poker. Você vai ter que me desculpar agora. Tenho mais mãos para jogar.”

“Você está enganada. Eu não tenho que fazer nada, especialmente tirar você da minha vista. Você é aquela que voltou para Chicago. Você não achou que seria apropriado alertar seu marido?”

“Eu não sou casada.”

“Mas você é, Maddie. Você é casada comigo.”

Um sorriso enfeitou seus lábios pintados, mas não chegou aos olhos esmeralda. Embora a expressão geralmente exibisse prazer, nela eu vi tristeza. “Maddie”, disse ela melancolicamente. “Ninguém me chama assim, não mais.”

“Minha garota Maddie, nosso casamento nunca foi dissolvido. Nunca nos divorciamos. Quaisquer outros casamentos que possam ter ocorrido desde então seriam considerados poligamia e, muito provavelmente, me darão motivo para matar.”

Seus olhos se arregalaram com meu comentário final antes dela responder: “Não houve nenhum outro. Não há necessidade de assassinato.”

Eu não tinha certeza sobre assassinato. Não havia sido descartado. No entanto, concentrei-me em sua primeira frase enquanto sentia minhas bochechas subirem. “Nenhum outro ... apenas um.”

Ela soltou um suspiro exagerado. “Sim. Mas nós dois sabemos que não era real. Você sabe disso. Eu sei. Dezesseis anos confirmam isso.”

“Dezessete, Maddie,” eu corrigi. “Dezessete. Foi um dia frio de inverno, assim como hoje.” Tentei lembrar. “Inferno, era janeiro. Assinamos a licença e prometemos para sempre diante de um juiz. O real é um qualificador subjetivo. Legal, não. Nosso casamento foi tão legal como se tivéssemos dito as palavras em uma igreja. Perdemos de comemorar nosso aniversário por algumas semanas.”

“Seja o que for”, respondeu ela. “Não importa. Não posso pensar em nada disso. Eu preciso voltar para o torneio.”

Meu pescoço se endireitou. “E eu preciso de respostas.”

“Você as merece”, disse ela. “Você faz. Mas, honestamente, não tenho nenhuma que seja suficiente.” Ela novamente ergueu sua pequena mão no meu peito. “Você foi um bom homem, Patrick Kelly. Meu nome agora é Miller. A garota com quem você se casou nunca existiu.”

Eu me casei com Madeline Tate. Ela pode ter deixado de existir, mas obviamente ainda estava viva.

Olhando para sua mão, peguei seu dedo anelar vazio. Cobrindo sua mão com a minha, fiquei maravilhado, mesmo que apenas por um momento, com a realidade de sua presença. “Você sente isso?” Eu perguntei.

Seu queixo se ergueu até que nossos olhares se encontraram. Além do embrulho caro, vi a mulher com quem me casei. Ela foi enterrada por anos de algo que eu não consegui identificar, mas no brilho de seus olhos verdes, eu a vi.

“Sentir o quê?” Ela perguntou.

“Meu coração.”

Ela tentou puxar a mão, mas eu não a soltei.

“Patrick, eu estou...”

“Não,” meu tom baixou enquanto eu balancei minha cabeça e me inclinei mais perto. “Você o quebrou no dia em que desapareceu. Quebrou-o em um milhão de pedaços. Agora você está de volta dos mortos. Eu não dou a mínima para nada que aconteceu nos últimos dezessete anos. Ter você aqui agora...“ Minha mente e corpo estavam em desacordo por tê-la por perto. “Isso me faz ...” Não terminei a frase.

“O que?” Ela perguntou. “Isso te faz o quê?

“Não sei. Eu quero te matar ou te foder. Suponho que o júri ainda não tenha decidido.”

Madeline soltou uma pequena risada fingida. “Você sempre foi brutalmente honesto.”

“Eu sou honesto. Minha esposa está bem aqui e minhas intenções não são claras. Não sei o que aconteceu e por que você fugiu. Eu procurei e procurei. Ninguém tinha respostas. A única suposição que eu poderia fazer era que você estava morta. E ainda assim, aqui está você.”

“E logo irei embora de novo”, disse ela.

“Para onde?”

“Para onde é o meu lugar.”

Ela recuperou a mão que eu mantive cativa. “Tenho de voltar ao torneio. Se não o fizer, não irei me qualificar para amanhã.”

Dei um passo para trás. “Hoje à noite, depois do torneio, nos veremos novamente. Isso não é um pedido.”

“Seria melhor...”

“Você mesma disse que me deve.”

Seu rosto se inclinou. “Talvez eu deva saber suas intenções. Você está planejando me matar ou me foder?”

Como eu disse, o júri estava decidido. Eu nunca quis tanto os dois em toda a minha vida. Em vez de responder, perguntei: “Onde você está hospedada?”

“Você não respondeu minha pergunta.” Quando não respondi, Madeline abriu sua bolsa e me entregou um cartão-chave. “Palmer House.”

O cartão branco tinha o emblema do hotel, mas nada mais. “Número do quarto?” Eu perguntei.

“Encontre-me e então podemos decidir o que a noite trará.”


Madeline

 

Assim que a mão final terminou, recebi os ganhos e fiz um inventário das minhas fichas. No final do jogo, perdi quase dez mil. E apesar da minha mente estar toda confusa, menos dez significava que eu recuperei $ 20.000 desde que vi Patrick. Deve ser o suficiente para garantir meu retorno para jogar amanhã à noite.

Os crupiês estavam fazendo sua contagem final de vitórias e derrotas. A sala inteira esperava com a respiração suspensa que os nomes dos que avançaram fossem anunciados.

Quarenta e dois jogadores começaram a jogar no início da noite.

Doze jogadores seriam eliminados.

Não poderia ser eu.

Pelas minhas estimativas, tive uma recuperação saudável, trazendo minhas reservas para perto de quarenta mil. Eu não tinha certeza das outras tabelas e tentei propositalmente ficar no meio do ranking. Muito alto ou muito baixo traria mais atenção. Esse nunca foi meu objetivo.

Eu acreditava que, uma vez que tudo estivesse dito e feito, eu terminaria entre os décimo oitavo e o vigésimo segundo lugares. Claro, um erro de cálculo poderia me colocar um pouco mais baixo. Lutei contra o ataque de nervos, me convencendo de que estava mais confiante, que tinha feito o avanço dos trinta. A verdade é que eu estava tão confiante quanto poderia estar desde que avistei Patrick — desde aquele encontro, não tinha certeza de quase tudo.

Me qualificar não era uma opção. Eu tinha que estar lá.

“Senhoras e senhores,” o locutor falou enquanto a sala se aquietava, “embora seja incomum, recebemos a notícia de um buy-in para a continuação do torneio. O Sr. Hillman, o Sr. Antonio Hillman, não pôde comparecer esta noite. Sua contribuição garantiu seu assento para amanhã. Com ele na trigésima posição, iremos agora anunciar os outros vinte e nove jogadores em ordem crescente.”

A sala ao meu redor se encheu de suspiros de descrença enquanto olhávamos um para o outro, balançando a cabeça e franzindo os lábios. Embora fosse verdade que todos nós tínhamos comprado nossa entrada no torneio, não era para a segunda rodada.

Hillman.

Eu não tinha certeza de por que o nome era familiar.

Eu o reconhecia, mas por algum motivo não pensei que fosse do pôquer.

Então por que isso soava familiar?

Meu pescoço se endireitou e minha pele formigou enquanto esperava ouvir meu nome.

O locutor começou com a melhor classificação: Marion Elliott. A sala explodiu em aplausos. Enquanto eu desempenhava o papel, batendo palmas e sorrindo, meu estômago vazio se revirou, agitando a bile que vem sem comer. Se eu ganhasse o jackpot, precisaria enfrentá-lo. A perspectiva me apavorou como nenhum outro jogador.

Eu não poderia me permitir pensar dessa maneira.

Foder com a cabeça das pessoas antes que a primeira carta fosse distribuída era o sinal de um verdadeiro campeão.

Dois, três e quatro, os nomes continuaram a ser anunciados. Enquanto todos esperávamos, fiz contato visual com Mitchell. Minha babá-guarda-costas irritante estava parada ao longo da parede oposta com um copo de uísque na mão e meu casaco de inverno pendurado em seu braço. Eu não tinha certeza de onde ele estava, mas pelo menos estava de volta.

“Dezenove: Madeline Miller.”

Soltei um suspiro e olhei para Mitchell, que assentiu.

Antonio Hillman foi anunciado no número trinta. Ele comprou o seu caminho para o fundo da classificação. Eu vasculhei a sala me perguntando quem metaforicamente pagou o preço por sua entrada.

Quem foi cortado por causa de seu buy-in?

A sala estava começando a ficar vazia. Se eu quisesse uma reação visível de um ou mais jogadores, estava observando a torcida errada. Os jogadores de pôquer neste nível sabiam como esconder seus verdadeiros sentimentos.

Colocando o recibo das minhas fichas na bolsa, comecei a me levantar. Quando o fiz, Mitchell veio em minha direção e me ajudou com minha cadeira. “Vou acompanhá-la ao seu quarto de hotel. Depois, preciso trabalhar para o chefe. Existem algumas coisas que ele quer que eu verifique.” Assim que me levantei, Mitchell me ofereceu meu casaco e acrescentou: “Você é sortuda pra caralho de ter se qualificado.”

Minha cabeça balançou. “Obrigada, Mitchell, pelo seu voto de confiança.” Minhas sobrancelhas se ergueram. “E para sua informação, não foi sorte. A palavra é habilidade.” Inclinei minha cabeça. “Onde você esteve?”

“Não é da sua conta.”

Juntos, descemos as grandes escadas.

Meus passos vacilaram quando vi Marion Elliott parado na parte inferior da escada, sua mão no corrimão e um sorriso em seu rosto enrugado. O calor encheu minhas bochechas. Certamente ele não estava esperando por mim.

“Srta. Miller”, ele disse, seu sotaque texano cobrindo a saudação com melaço doce.

Os olhos escuros de Mitchell vieram em minha direção, mas minha atenção foi para o homem que acabara de se dirigir a mim. “Sr. Elliott.”

Ele me ofereceu a mão para dar o último passo. “Por favor, me chame de Marion.” Ele se curvou galantemente na cintura e beijou levemente os nós dos dedos da minha mão em suas mãos.

Recuperando minha mão, balancei a cabeça. “Marion, é muito bom finalmente conhecê-lo. Sou Madeline.”

“Minha querida, claro que sei quem você é. Fiquei exultante ao ver seu nome na escalação.”

“Você me lisonjeia”, eu disse. “Honestamente, estou surpresa que você me conheça.”

Mitchell, respectivamente, deu alguns passos para longe, permitindo que Marion e eu conversássemos por um momento.

“Você é muito conhecida”, respondeu Marion. “Linda, misteriosa e letal.”

Minha cabeça se inclinou. “Uma descrição interessante.”

Marion gesticulou em direção ao bar. “Eu esperava poder seduzi-la para tomar uma bebida comigo esta noite.”

“Sinto muito. É tarde e minha posição não está tão segura quanto a sua. Preciso descansar antes de amanhã.”

“Amanhã à noite, então?”

“Agradeço o convite.”

“E espero vê-la do outro lado da mesa no sábado à noite. Isso completará meu fim de semana.”

Forcei um sorriso. “O tempo vai dizer.”

“Srta. Miller?” Mitchell chamou. “Acredito que nosso táxi está esperando.”

“Eu poderia lhe oferecer meu motorista...”

Levantei minha mão, interrompendo sua oferta. “Obrigada. Amanhã.”

Outra reverência galante antes de sua resposta: “Até amanhã.”

Fomos até a frente do clube e Mitchell se aproximou de um táxi que estava esperando.

Apesar do grande dossel sobre a entrada, o vento frio do inverno soprava ao nosso redor. Enquanto subíamos no táxi, ele despenteava meu cabelo, fazendo mechas escuras esvoaçarem ao redor do meu rosto. Quando a porta do táxi se fechou, meu corpo inteiro tremia enquanto eu alisava meu cabelo com as mãos agora enluvadas.

Eu odiava o frio. Não era que Detroit — onde eu morava — fosse uma meca da brisa tropical e do sol. Era mais sobre saber o que era sentir frio, muito frio. Já senti e não gostei de nada disso.

A oferta da bebida de Marion e, em seguida, seu motorista, me fizeram contemplar o táxi movendo-se pelas ruas. Houve momentos em que Mitchell era mais do que minha babá — ele também era meu motorista. Nunca me disseram por que em alguns locais usávamos transporte público e em outros não. Não era meu trabalho questionar. Isso foi algo que me disseram o suficiente para recitar a frase em meu sono.

Meu trabalho era fazer o que acabei de fazer.

Ganhar.

Com Mitchell e eu no banco de trás, continuamos a viajar pelo tráfego da madrugada de Chicago. Ao nosso redor, as luzes da rua projetavam círculos de iluminação na calçada enquanto a neve e o granizo brilhavam no ar. Olhando para cima, edifícios altos assomavam sobre nós; ainda mais alto, os nomes eram iluminados no topo.

Se eu fingisse não conhecer a Chicago do meu passado, possivelmente poderia ver a cidade por sua beleza. Menor que Nova York e maior que Detroit, Chicago tinha o charme do meio-oeste e também um toque da elite da Costa Leste. No entanto, ver dessa forma e esquecer meu passado não era possível, não depois do encontro desta noite. Agora, enquanto olhava pela janela do táxi, meu olhar foi além dos círculos de luz e pelos becos escuros demais para ver.

Em minha mente, eu vi o que de outra forma era invisível. Vi o mundo que visitantes e até residentes com casas aconchegantes e barrigas cheias optavam por não ver. Era um mundo de moradias improvisadas, calor vindo das chamas em um barril e barrigas famintas. Nesta época do ano, a maioria faria o possível para encontrar um telhado e uma cama longe do solo frio e duro. Quando as missões e abrigos atingiam a capacidade máxima, os edifícios abandonados e as estações de trem subterrâneas não mais fazendo parte do “L” eram locais de encontro plausíveis para os invisíveis.

Foi onde Patrick e eu nos conhecemos.

Agora que o avanço no torneio estava garantido, minha mente foi para onde estava tentando se estabelecer a noite toda. Foi para Patrick.


Madeline

 

Hollywood e os romances glamourizavam a vida que Patrick e eu compartilhamos de uma forma que ela não merecia. Não foi romântico ou aventureiro. Foi difícil e perigoso. No entanto, não importa que memória me ocorresse a respeito de Patrick Kelly, eu achava impossível não gostar do garoto que conhecia. Juntos, sobrevivemos. Batemos carteiras e procuramos dinheiro e comida.

Havia caminhos mais fáceis que estavam disponíveis para nós, vendendo drogas ou talvez nós mesmos, mas mesmo em nosso mundo sombrio e desesperador, enquanto juntos, mantínhamos uma aparência de honra.

Abri minha bolsa. Balancei minha cabeça e silenciosamente me repreendi por dar a ele o cartão-chave. Um homem de honra era como eu sempre quis me lembrar dele. A garota que ele amava era como eu queria ser lembrada.

A visita dele ao meu quarto mudaria isso?

Ele iria visitar?

As perguntas continuavam sem respostas.

Por que concordei em voltar para Chicago?

De todos os lugares da cidade, como ele me encontrou?

“Não estou vendo meu cartão-chave”, disse em voz alta para Mitchell. Foi a primeira vez que conversamos desde que entramos no táxi.

“O que?”

“Acho que perdi. Provavelmente caiu em uma das vezes que abri minha bolsa.”

“Contanto que você tenha o recibo de suas fichas, não dou a mínima para o cartão-chave”, disse Mitchell. “Não há números no cartão para que alguém possa associá-lo ao seu quarto. Vamos parar na recepção e pedir a alguém que faça um novo para você.”

O táxi parou em frente ao Palmer House.

Quando a porta foi aberta, uma nova rajada de vento frio se infiltrou em nossa bolha quente e meu corpo estremeceu novamente. Enquanto Mitchell pagava a corrida, peguei a mão do carregador e, com meus saltos altos no concreto molhado, me levantei. Esfregando minhas mãos enluvadas, esperei até Mitchell se juntar a mim para que pudéssemos entrar no saguão juntos.

“Posso cuidar da chave,” eu me ofereci.

“Ordens do chefe. Vou com você.”

Minha sombra. Talvez eu pudesse adicionar isso à minha lista de descrições.

Babá.

Às vezes, motorista.

Sombra.

Não fazia sentido discutir com Mitchell. Não valia a pena. Eu guardaria meu argumento para qualquer pedido que ele fizesse para entrar em meu quarto. Meus nervos ficaram tensos com o desconhecido.

Patrick estaria esperando por mim?

Mesmo com a menor possibilidade disso, eu não podia permitir a entrada de minha sombra.

“Olá”, eu disse, falando com o senhor mais velho atrás da mesa VIP. “Parece que perdi meu cartão-chave.”

“Sim, Srta. Miller. Posso ver sua identidade?”

Quando não respondi, ele continuou: “Protocolo, senhora. Não queremos conceder a mais ninguém a entrada no seu quarto.”

Suprimi um sorriso e os pequenos pelos do meu braço se eriçaram com seu comentário. Embora não tivesse cem por cento de certeza, achava que outra pessoa no meu quarto era exatamente o que eu queria.

“Deixe-me pegar para você”, disse.

Abri a bolsa e recuperei minha identificação. Ao entregá-la em sua direção, olhei para a licença e, pela primeira vez em muitos anos, pensei em meu nome. Madeline Miller.

A pessoa em que me tornei tinha a trilha de papel apropriada — licença, passaporte e até mesmo uma certidão de nascimento. Nada disso era real. Na verdade, era incrível o que era possível com as conexões certas. No entanto, a verdade permanecia: Madeline Miller não era uma pessoa real. Ela não nasceu em uma cidade pequena, filha de mãe que fica em casa e pai operário. Ela não perdeu os pais em um acidente de carro nem desconhecia a profissão do pai. Ela nunca teve uma casa com uma cerca de piquete.

Era uma ótima biografia: a mulher que se tornou grande no mundo do pôquer pelo seus movimentos iniciais.

Balancei minha cabeça.

Patrick estava certo. Legalmente, minha identificação deveria dizer Madeline Kelly. Nosso casamento que realmente não existia, nunca foi legalmente dissolvido ou encerrado. A única prova de que nosso casamento ocorreu era um velho pedaço de papel, se é que ainda existia.

O tribunal ainda teria uma cópia?

Nosso casamento teria parecido mais real se eu tivesse mudado minha identificação naquela época?

“Aqui está, Srta. Miller”, disse o cavalheiro enquanto me entregava o novo cartão-chave e minha identificação. “Tenha uma boa noite.”

Mitchell deu um passo à frente, seu tom geralmente áspero soando quase cavalheiresco. “Presumo que o serviço de quarto ainda esteja disponível.”

“Sim, senhor. Até a meia noite.”

Quando nos afastamos, perguntei: “Você está planejando um jantar no seu quarto?”

Ele estendeu a mão e apertou o botão de subir perto dos elevadores. “Você está. Não uma festa, mas você não vai sair do quarto até de manhã. Ordens do chefe.”

Meus lábios se juntaram enquanto uma enxurrada de respostas veio à mente.

No entanto, conforme mais pessoas se juntavam a nós dentro dos limites do elevador, eu as mantive todas para mim. Não foi até que estávamos andando pelo corredor silencioso para o meu quarto que eu roubei um olhar para o homem grande ao meu lado, sabendo que precisava impedi-lo de entrar no meu quarto, mesmo que seu único objetivo fosse ter certeza de que estava liberado.

Adicione guarda-costas à lista.

Fora do meu quarto, parei. “Escute, Mitchell, estou cansada. Tenho mais dois dias deste torneio e então partiremos daqui. Meus planos para a noite incluem um banho e dormir. Você não precisa mais ser minha babá. Tenha certeza de que não há nenhum lugar onde eu queira estar nesta noite fria de Chicago. Passear por este hotel ou pela cidade ventosa em temperaturas abaixo de zero não está na minha agenda.”

“O chefe me disse para me certificar de fazê-la comer.”

Por que a preocupação de Andros me fazia sentir mais um animal de estimação treinado do que uma pessoa? Não se esqueça de alimentar o gato.

Balancei minha cabeça com a comparação humilhante. “Tudo bem, vou adicionar comer à minha lista de coisas para fazer.”

“Ele não quer que você esqueça. Posso trazer algo do restaurante e você não precisará ligar para o serviço de quarto.”

Eu não tinha certeza do que tinha acontecido ou causado a mudança de antes, mas o comportamento de Mitchell havia melhorado repentinamente. Talvez tivesse a ver com o motivo dele ter desaparecido parte da noite. Ou talvez, Mitchell foi estúpido o suficiente para dizer a Andros como ele tentou me intimidar. Talvez sua mudança de atitude se deva à maneira como respondi, não a Andros. Eu não tinha certeza. Era outra coisa sobre a qual eu não tinha certeza.

Uma coisa que eu sabia era que a qualidade menos irritante de Mitchell era sua falta de inteligência. Sim, ele era um bruto e, às vezes, eu o queria um metro e meio abaixo, mas ele também era crédulo. Se denunciasse seu comportamento a Andros, não havia garantia de que sua substituição não seria pior.

Nesta vida, sempre se paga o mal com o bem.

“Obrigada. Estou bem com serviço de quarto”, respondi. “Vá para a cama ou faça o que você ainda precisa fazer para Andros. Sei que vocês dois têm meu telefone monitorado. Não vou sair do quarto.”

“O chefe es ...” Ele não terminou. “Ele está preocupado com esta cidade. Não faça nada estúpido.”

Forcei uma risada fingida. “Nós dois sabemos que é tarde demais para isso, Mitchell.”

Afastando o peso das decisões estúpidas ao longo da minha vida, inseri o cartão-chave. Antecipação era um sentimento estranho, esperança e entusiasmo reunidos em um. Raramente senti isso, mas agora sentia.

Antes de entrar no quarto, voltei-me para Mitchell — em qualquer papel que ele estivesse desempenhando. “Estou pronta para a noite. Seu trabalho está finalizado até de manhã.”

Ele acenou com a cabeça e começou a se afastar.

Prendi a respiração, entrei e examinei o quarto do hotel.

As cortinas estavam fechadas, as luzes acesas e a cama arrumada com a costumeira hortelã verde no travesseiro. Eu olhei para o banheiro — vazio. Lentamente, abri as portas do armário. Exceto pelas minhas roupas, também estava vazio.

Lágrimas arderam meus olhos quando desabei na beira da cama, coloquei minha bolsa na mesa de cabeceira e me atrapalhei com os grandes botões do meu casaco. A decepção era uma emoção que reconheci.

O que eu esperava, que Patrick estaria esperando com vinho e rosas?

De pé, tirei as gotas de neve derretida do meu casaco e o coloquei em um cabide, devolvendo-o ao armário. Chutando meus saltos altos, eu mexi meus dedos do pé no carpete. Um puxão no zíper lateral do meu vestido e o material prateado se amontoou em volta dos meus pés.

Saindo do vestido, peguei o robe.

Enquanto a decepção inesperada com a ausência de Patrick mordiscava minha consciência, deslizei meus braços no pano macio e fui até as janelas altas. Alcançando as cortinas, puxei uma de lado, enquanto olhava para o horizonte de Chicago brilhando através da geada.

Apesar dos grossos painéis térmicos, um calafrio percorreu meu corpo, esfriando minha circulação e deixando minha pele arrepiada. Evitando a melancólica queda de temperatura, instintivamente enrolei o robe firmemente em volta de mim e amarrei a faixa.

Perdida em meus próprios pensamentos, o bip da fechadura da porta e sons de mecanismos se desengatando me pegaram desprevenida.

Girando em direção à porta, minha respiração ficou presa.

Sem hesitar, a porta se abriu para dentro.


MADELINE

 


“Ai meu Deus”, murmurei, sem saber se era um apelo ou uma rendição.

Patrick.

Peguei as lapelas do robe que acabei de prender e puxei para fechá-las, de repente ciente de que por baixo do pano macio eu usava apenas calcinha. O vestido não permitia sutiã.

Ao vê-lo, pensamentos e sentimentos fermentaram dentro de mim. Cada um trouxe vida de volta para minha mente e corpo. Era como se a energia que ele produzia despertasse no ar uma corrente elétrica capaz de ressuscitar a pessoa que um dia fui.

Apesar de como respondi a ele no Club Regal, desde o momento em que abri a porta do banheiro, eu sabia exatamente quem ele era. “Pat...”, comecei.

Com uma torção do pescoço, o olhar azul intenso de Patrick passou por cima de seu ombro largo. Sem dizer uma palavra, ele silenciou tudo o que eu estava prestes a dizer. A porta atrás dele agora estava fechada.

Tentei engolir enquanto minha boca secava, observando enquanto Patrick girava a fechadura e prendia a corrente. Meu pulso batia forte em minhas veias temperado com emoções incertas girando dentro da mesma circulação. Estávamos trancados neste quarto juntos, sozinhos como não estivemos há muito tempo.

Nunca tive medo de Patrick. No entanto, havia algo diferente sobre ele agora em relação ao menino que eu me lembrava. Este homem, o que estava em meu quarto, emanava poder. Não era de nada que ele disse ou fez. Irradiava de sua presença, uma confiança que não era fabricada, mas inata. De certa forma, enquanto eu estava lá, meio que esperava ver o mundo ao redor dele borrar a partir da aura.

Devo ter medo?

Meus pensamentos estavam tendo dificuldade para se concentrar em qualquer coisa além do fato de que ele estava aqui. Eu estava aqui. Nós estávamos juntos.

A última vez que ouvi falar dele, ele partiu para o serviço militar — exército, eu achava.

Não era que ele simplesmente se alistou; Disseram-me que ele tinha ido para a guerra, não nas batalhas que travamos quando crianças, mas na guerra real da qual as pessoas nunca voltavam. Depois dessa notícia, nunca tentei confirmar seu paradeiro.

Talvez eu estivesse com medo de que ele não tivesse voltado.

Nada disso importava mais.

Não havia mais necessidade de confirmação.

Patrick Kelly estava aqui — no meu quarto de hotel — em toda a sua glória viril.

Minha pele se contraiu enquanto eu lutava contra o impulso infantil de puxar meu lábio. Era um hábito que eu havia parado há muito tempo, o simples gesto revelava mais do que eu queria mostrar.

Insegurança.

Incerteza.

Vergonha pelas decisões tomadas.

Preocupação.

Meus pensamentos eram muitos para articular.

Eu me concentrei não no que pensava ou sentia, mas no que via.

Oh, como ele mudou.

O homem que Patrick havia se tornado ocupava a entrada do quarto do hotel.

Seus ombros largos, cintura fina e pernas longas, criavam uma montanha intransponível em meu caminho. Com a luz brilhando de cima, eu podia vê-lo ainda melhor do que no corredor escuro do clube. Meu olhar varreu de seu cabelo loiro — mais curto do que quando éramos jovens, seus olhos azuis claros e maçãs do rosto salientes, para sua mandíbula esculpida e definida e pescoço grosso.

A pontada dolorosa em meu peito transmitiu o que meus olhos e mente não podiam compreender. Eu respirei fundo e com meu pulso batendo duplamente, forcei meus passos para frente.

Um e depois outro.

Patrick não se moveu, falou ou mesmo piscou.

Uma estátua em um terno de grife, ele poderia ter sido um manequim Brooks Brothers na forma como seu paletó caía perfeitamente de seu corpo. A camisa branca por baixo era engomada e clara, desaparecendo sob a calça e o cinto preto.

Eu parei a centímetros de seu peito, incapaz de me aproximar. Agora, descalça, eu era uns bons dez centímetros mais baixa do que ele.

Ele sempre foi tão alto?

A imobilidade encheu o quarto do hotel com um silêncio ensurdecedor.

Até mesmo o zumbido do aquecedor desapareceu enquanto seu olhar se movia da minha cabeça aos pés. A cada segundo que passava, minha pele esquentava, me lembrando que sob o robe eu estava quase nua, me preparando para o meu banho iminente. Enquanto continuamos nossa batalha silenciosa de vontades, meus mamilos se contraíram e meu núcleo se apertou.

Não era o medo que a proximidade de Patrick incutia.

Era outra coisa, algo que eu tinha esquecido.

Fazia tanto tempo que não tinha uma reação física espontânea a um homem que meu corpo e minha mente estavam tendo dificuldade em processar. Alguém poderia pensar que essa reação carnal não era incomum quando confrontado com uma bela montanha de um homem. Mas foi enquanto refletia sobre esse pensamento que percebi que nenhum de nós havia falado. “Patrick, você me encontrou.”

“Oh, Madeline, encontrar você não era a questão. A dúvida persistente: eu queria?” Sua cabeça inclinada, seu belo rosto tenso enquanto as veias em seu pescoço se flexionavam. “Não tenho a resposta para isso ainda.”

O rico perfume de sua colônia picante se estabelecendo no ar encheu meus pulmões, criando uma mistura mágica. Como no corredor do clube, estávamos novamente perto. Bastaria um pequeno passo para eu sentir a firmeza de seu peito contra o meu. Olhei para cima. Sem pensar, permiti que minha mão fizesse o que ela queria fazer no clube.

Eu coloquei minha palma contra sua bochecha barbuda. O formigamento reacendeu a conexão que eu sentia antes. Como eletricidade, a conexão formigou minha palma. Olhando em seus olhos azuis, eu disse: “Deus, Patrick, nunca pensei que o veria de novo ou que você gostaria de me ver. Tem sido uma vida inteira.”

Essa declaração foi mais precisa do que eu poderia admitir — a vida que compartilhamos e a que não compartilhamos. Metade da vida de uma pessoa era toda a vida de outra.

Seria fácil derreter nele, lembrar o que um dia tivemos.

Minha mão desceu de sua bochecha até o peito. Ele se aproximou, um passo e depois outro. Nossos pés se moveram em uníssono até que minhas costas colidiram com a parede. Todo o tempo, nossos olhares nunca se separaram. Eu me encontrei hipnotizada pelo ciclone de emoções girando dentro de suas orbes azuis.

Sem falar, ele alcançou minha cintura e me puxou em sua direção.

Não imaginei mais a firmeza de seu peito contra meus seios. Estava lá, sólido como uma estátua e emitindo calor.

“Eu encontrei você, Maddie, agora o que vou fazer com você?”

Havia um tom desconhecido em sua voz que me deixou nervosa.

Matar ou foder.

“Nada,” eu disse, fazendo o meu melhor para soar confiante. “Estou aqui para o torneio. Depois disso, vou embora.”

A cabeça de Patrick balançou quando seu dedo passou pelo lado do meu rosto e desceu pelo pescoço. Foi a sombra de um toque, como se ele estivesse se contendo. Esse pensamento me fez querer que ele me soltasse.

“Acho que é mais”, disse ele. “Acho que depois de todo esse tempo, você veio à minha cidade para foder comigo.” Um sorriso forçado surgiu em seus lábios. “E agora que estamos aqui, não tenho problema com isso. Na verdade, agora eu também quero.”

Minha mente estava um borrão quando a proximidade de seu corpo e o endurecimento de sua ereção confirmaram a precisão de suas intenções. Sim, eu estava excitada. Não, eu não estava preparada para mais. Não estive com um homem em mais de cinco anos. A ideia me assustou mais do que me excitou. Minha cabeça balançou. “Não, Patrick. Não é por isso que estou aqui.”

Ele deu um pequeno passo para trás. “Você está dizendo que não quer foder?”

Meu pescoço se endireitou. “Estou dizendo... isso não é uma opção...”

“Acredito que você está enganada. Foder minha esposa de novo é uma opção, uma que não tinha há muito tempo, mas agora tenho.” Seu dedo novamente veio para minha bochecha, pescoço e desceu para minha clavícula enquanto ele olhava para o V do meu robe. “Você sempre foi bonita demais.” Ele ergueu meu queixo. “Era uma desvantagem quando éramos jovens. Agora presumo que faça parte do seu arsenal.” Antes que pudesse responder, ele acrescentou: “Muita maquiagem, mas ainda impressionante.”

Baixei meu queixo para obstruir sua visão. “Venha se sentar. Nos podemos conversar.” Quando ele não se moveu, coloquei mais pressão contra seu peito e olhei em suas orbes azuis. “Você foi muitas coisas, Patrick Kelly, mas nunca me forçou...” As palavras criaram uma bolha na minha garganta que tentei engolir. Eu não queria pensar em sexo não consensual.

“Sério, Maddie? Você não veio para Chicago depois de todo esse tempo para foder com a minha cabeça? Porque ver você fez isso, e estar perto de você me dá vontade de puxar o cinto deste robe e lembrar como é me perder dentro de você. Você fodeu com meus pensamentos. É justo que eu tenha a minha vez.”

Meu pescoço enrijeceu. “Quero que você saia.”

“Quero foder minha esposa. Ou ambos temos o que queremos ou nenhum de nós terá.”

Meus olhos se fecharam lentamente enquanto soltei um suspiro. Não era isso que eu queria ou imaginava. Para ser honesta, não tinha certeza do que queria. Parecia bastante claro que o reencontro com o qual ousei sonhar ao longo dos anos não aconteceria.

Eu deveria saber melhor. Afinal, nunca fui o tipo de garota de finais felizes.

Finais e sonhos felizes eram simplesmente ilusões que nossas mentes criavam para suavizar os golpes da vida, um universo alternativo que existia apenas no reino do faz de conta. Talvez por um momento, enquanto me deleitava no rico aroma de sua colônia, ousei pensar nisso, mas isso foi simplesmente outro erro que minha mente cometeu quando se tratava desse homem.

Esperanças e sonhos eram pensamentos e ilusões de meninas. Não era eu. Não tinha certeza de que alguma vez tivesse sido.

Meus ombros se endireitaram quando peguei sua mão. “Vamos conversar. Diga-me por que você está realmente aqui.”

Suas feições endureceram quando ele se afastou do meu toque. “Acho que você deve responder a essa pergunta primeiro.”


PATRICK

 

Nos segundos seguintes, a expressão de Madeline esfriou. A genuinidade de seu olhar esmaeceu em suas orbes verdes como brasas resfriadas que não tinham mais acesso da chama. O que quer que ela estivesse pensando um momento atrás, estava desaparecendo atrás de uma máscara bem treinada.

Seu queixo se ergueu em desafio. “Eu já disse que estou aqui para o torneio de pôquer. Não sei por que você veio aqui, mas se for por qualquer outro motivo, deve ir.”

“Você assumiu o risco ao me convidar para seu quarto. Agora estou aqui. Não é isso que você faz, aposta?"

“Você acha que eu apostei em você?”

Tirei o cartão-chave do bolso. “Você me deu a chave.”

“Sim. Foi um erro”, ela disse com um encolher de ombros. “Talvez eu quisesse ver o garoto que conhecia mais uma vez.”

Madeline passou por mim, a maciez do robe vibrando contra minha mão enquanto ela caminhava em direção a um sofá perto das janelas. Alcançando-a, peguei sua mão e a girei de volta até que estivéssemos cara a cara. Como ela estava momentos atrás, seu corpo macio e flexível contra mim, a batida de seu coração martelando contra meu peito. Meu tom baixou enquanto eu olhava para sua beleza. “O menino se foi e a menina também. É hora de sermos os adultos que antes pensávamos que éramos.”

Seu queixo se ergueu. “Você está certo, Patrick. Nossa infância rosada é coisa do passado.”

“Não vou embora até ter respostas.” Liberando sua mão, eu me afastei. Foi então que vi o vestido que ela usava caído sobre o tapete. Eu o peguei, percebendo a maciez do material. Eu trouxe isso ao meu nariz. Por um momento meus olhos se fecharam.

O material manteve seu perfume persistente coberto por uma fragrância doce e perfumada. Porra, o cheiro sozinho trouxe meu pau à vida. “Eu senti falta...” não terminei. Havia muitas opções.

“Isso não é...” Madeline parou de falar e girou no lugar como se estivesse tentando se orientar.

Eu vi outros fazerem movimentos semelhantes quando encurralados. No entanto, observar a linda mulher diante de mim não me deu a sensação de um animal preso; em vez disso, era como se ela estivesse à deriva e precisando de uma âncora.

Se depois de todo esse tempo, minha esposa era um navio perdido no mar, eu tinha que admitir, mesmo que apenas para mim, estava feliz por ela ter voltado para o meu porto. Joguei o vestido na cama e estendi a mão para ela novamente. Ela parou, seu olhar verde sobre mim. “Maddie.”

Suas pálpebras tremeram momentaneamente. “Eu senti falta desse nome. Senti falta de ouvir isso de você.”

Minhas mãos foram para suas bochechas. “De tudo.”

“De tudo?”

“Senti falta de tudo sobre você. Nunca me permiti fazer isso, mas agora, aqui, porra, é como uma avalanche de memórias — a maneira como você dormia, sorria, cheirava e seu gosto.”

Foi uma porra de puxão que eu não pude controlar — uma corrente inquebrável de vinte toneladas nos unindo. As engrenagens giravam lentamente, elo por elo. Com o som de sua respiração em meus ouvidos, inclinei-me mais perto e levei meus lábios aos dela.

Eu esperava que Madeline resistisse se afastando, ou talvez me desse um tapa e me dissesse para parar.

Não apenas esperava... eu precisava que ela fizesse isso, fosse a única a parar o que eu não podia.

No entanto, conforme nosso beijo se aprofundou, seus seios pressionaram com mais força contra mim, seus gemidos suaves encheram meus ouvidos e minha língua invadiu o doce calor de seus lábios, sabia sem dúvida que seu retorno nos arruinaria. Meu corpo e minha mente estavam em rota de colisão para nossa destruição mútua. Se eu não parasse, nunca o faria.

Baixei meu toque, contornando seu braço, até que meus dedos encontraram os dela, entrelaçando-se como antes. Eu a segurei. Como o garoto guiando a garota pelos becos escuros, queria levá-la para longe daqui, para um lugar onde pudéssemos nos reconectar.

Interrompendo nosso beijo, levantei sua mão na minha. Era sua mão esquerda. O quarto dedo estava nu, como há dezessete anos. Um anel era uma despesa que prometemos um dia. Eu trouxe os nós dos dedos aos meus lábios e depois de deixar um beijo, olhei para cima. “Quer você admita ou não, ainda somos casados e, sem dúvida, você está fodendo comigo.”

“Você ainda quer me matar?”

“Não tanto quanto quero te foder.”

Sua respiração se aprofundou e as narinas dilataram quando a faísca que eu lembrava brilhou em seu olhar. “Eu não quero isso há muito tempo, tinha esquecido como era.”

“E agora?”

“Patrick, não posso te dizer... quase nada. Posso dizer que faz uma eternidade que não me sinto segura com um homem. Eu me sinto assim com você mesmo depois de todos esses anos.”

Um desejo indescritível como eu não conseguia lembrar se infiltrou dentro de mim. Minhas mãos ansiavam por percorrer sua pele macia. Meus braços doíam para segurá-la. Meu pau endurecido ficou dolorido. Meu olhar ferveu no dela. “Não se engane, Maddie. Você não está segura comigo. Quero respostas de você, mas foda-se. Se eu não controlar isso, não acho que posso parar.”

“Você quer parar?”

Inferno, não.

“Eu não vim aqui para isso.”

“Então você veio me matar?” Pelo brilho em seus olhos e pelo movimento de seus lábios, ela sabia que não era o caso.

“Vim para obter respostas.” Minha respiração parou quando Maddie alcançou a bainha de seu robe.

“Eu tenho uma resposta que posso mostrar a você. É tudo o que tenho.”

Eu não conseguia desviar o olhar.

Ela enfiou a mão sob o comprimento do robe e baixou um par de calcinhas prateadas até que caíram no chão e ela se afastou.

“Você parece estar perdendo suas roupas no chão. Seu vestido e agora...” Minhas palavras pararam quando ela puxou o cinto e abriu o robe. Centímetro por centímetro, observei sua beleza natural, suas curvas, incluindo a redondeza de seus seios, mais cheios do que eram quando éramos jovens. Meu olhar baixou para a planura de seu abdômen e a mecha aparada de cabelo escuro, mais cacheado do que os de sua cabeça. Eu mal conseguia respirar quando ela acrescentou o robe à coleção do chão e se afastou.

Sua bunda era redonda e perfeita, e em sua bochecha esquerda havia uma pequena tatuagem.

Ela esticou o pescoço para mim. “Você é a única pessoa neste mundo que sabe o significado dessa tatuagem.”

Dei um passo mais perto e, ao fazê-lo, ela se abaixou para recuperar o robe.

“Não se atreva, porra.”

“Patrick. Eu acabei de...”

“Não.” Peguei sua cintura e puxei sua bunda em minha direção enquanto olhava para a pequena maçã vermelha tatuada na pele de sua bunda.

Nosso primeiro encontro voltou em uma onda de emoção.

A maçã.

Os policiais.

A caçada.

Corri a ponta do meu dedo sobre a obra de arte.

Porra, macia como a bunda de um bebê.

Um suspiro encheu o quarto quando um arrepio ganhou vida sobre sua pele.

Madeline não era um bebê. Ela era toda mulher, nua ao meu alcance.

Sem pensar, minha mão voltou, a palma esticada, e eu a balancei para frente, pousando minha palma em sua bunda. Minha mão formigou quando sua bunda ficou vermelha, a pele combinando com a maçã.

“Porra, Patrick.” Inclinando-se para frente, suas mãos pousaram no vidro da janela quando ela soltou um grito.

“Isto é para mim. Você se marcou para mim. Agora é minha vez.”

Madeline suspirou. “Ninguém mais sabe o que significa.”

“Isso significa que você é minha.” Eu olhei para suas mãos delicadas espalmadas no vidro. “Não solte essa janela, porra.”

Seu rosto se voltou para o vidro. “E se alguém ver?”

“Estamos há vinte andares no ar.” Eu escovei seus longos cabelos para o lado. Alcançando seus quadris, puxei sua bunda contra minha ereção endurecida. Inclinando-me sobre suas costas, sussurrei ameaçadoramente em seu ouvido, exalando propositalmente ar quente na pele sensível de seu pescoço. “Eu gostaria que todo o mundo pudesse ver, ver você, nos ver, ver aquela maldita maçã e ver que você é minha.”

“E-eu...”

“Você pode sentir o quão duro estou?” Não fiquei tão duro assim para nenhuma mulher desde ela. Foi outra das coisas que tentei esquecer. Moer sua bunda sobre minha calça era positivamente doloroso. Se não entrasse nela logo, poderia reagir mais como um adolescente do que como o homem que sou. “Eu não vim aqui para te foder, mas vou.”

“Tem sido um longo ...” Sua voz falhou. “Estou com medo.”

Com uma mão ainda segurando seu quadril, soltei meu cinto, abaixei o zíper e me libertei da cueca boxer. Meu pau pesado saltou para fora. Pegando-o, corri meu aperto para cima e para baixo. A cada golpe eu ficava impossivelmente mais duro, passando de ereto para aço.

“Diga-me não,” eu disse, passando minha mão novamente sobre sua bunda.

“Não sei.”

Abaixando meu toque, encontrei minha casa, o único lugar que eu queria ficar. “Abra suas pernas, Maddie girl. Se você não estiver molhada, vou me virar e ir embora. Se estiver, vou reclamar o que é meu.”


MADELINE

 

“...SE você estiver, vou reclamar o que é meu.”

Cada palavra me atingiu profundamente enquanto seu hálito quente enviava arrepios na minha espinha. Meus pés se separaram, fazendo o que ele disse. Era o momento da verdade, um momento em que, apesar do meu desejo reacendido, temi falhar.

Molhada.

Eu não estive molhada desde que me lembrava.

Os géis trabalharam para tornar o sexo menos doloroso.

Orgasmos aconteciam ou não.

A excitação espontânea não era algo que eu pudesse controlar.

E, no entanto, ter as mãos de Patrick em mim despertou algo que era estimulante e vagamente familiar. Eu me mexi enquanto suas mãos continuavam a vagar pela minha pele. Forte e poderosa, mas terno — era uma combinação magistral que nunca conheci com ninguém além de Patrick.

Agora era mais.

“Eu não...” Minha frase se desvaneceu na nuvem de luxúria e desejo. Foram tantas as sensações que comecei a ansiar.

Poderia ser?

Talvez.

sim.

Com meus seios pesados e meus mamilos duros, fiquei excitada. O calor de seu toque borbulhou dentro de mim, me fazendo querer o que eu não queria por tanto tempo. A necessidade não era apenas física. Eu queria isso, que ele me levasse. Era mais. Era emocionante. Eu queria me lembrar de como era estar com alguém em quem confiava, alguém que eu amava.

Mesmo que fosse no passado.

Meu pescoço esticou para o lado, permitindo-me ter um vislumbre do homem bonito atrás de mim. Seus olhos estavam arregalados, olhando para minha bunda e a maçã que eu tinha tingido uma vida atrás. Do meu ângulo, vi seu pescoço tenso, camisa branca e paletó. Meu olhar foi para meus pés descalços. De cada lado havia um grande mocassim preto.

Oh meu Deus.

Ele ia me foder. Eu estava nua e ele ainda estava totalmente vestido.

Não sei o que tornou isso tão quente, mas era.

Meu núcleo apertou quando o toque de Patrick mudou para minha entrada.

“Gah...” Suspirei quando um e dois de seus longos dedos deslizaram dentro de mim.

“Você está molhada, Maddie girl. Seu corpo quer isso. Diga-me para parar.”

Sua mão criou um ritmo enquanto seus dedos se curvavam.

Desavergonhadamente, meus joelhos dobraram enquanto me movia com ele. Foi quando seu polegar encontrou meu clitóris que eu congelei. Como o choque de eletricidade do nosso primeiro toque, ele já me tinha no limite.

“Diga-me,” Patrick gemeu perto da minha orelha.

Como um congestionamento muito grande para processar e incapaz de me mover, por um momento minha resposta ficou presa na minha garganta. Seus dedos se moveram novamente, comandando minha atenção e enchendo minha circulação com endorfinas e admiração.

Eu estava molhada.

Estava excitada.

Queria isso mais do que quis qualquer homem desde ele. Libertando-me, as palavras saíram como um tiro rápido. “Não pare. Oh, por favor, não pare.”

Como se não estivesse me ouvindo, seus dedos desapareceram. E de repente, éramos um.

Minhas costas arquearam quando um grito saiu da minha garganta, ecoando ao nosso redor.

Oh Deus. Era bom, mas muito mais do que eu lembrava.

“Foda-se, sim”, sua profunda aprovação de barítono tomou conta de mim.

A velocidade de Patrick diminuiu enquanto continuava sua reivindicação. Meu núcleo cicatrizado lutou contra o estiramento. Mordi meu lábio enquanto desejava sua entrada. Aos poucos, ele fez o que eu pensei ser impossível, indo cada vez mais fundo até que se acalmou.

“Dizem que construímos coisas em nossa mente”, disse ele enquanto seu hálito quente contornava meu pescoço e clavícula, trazendo arrepios em minha pele exposta. “...que nossas memórias exageram a realidade. Isso não é verdade. Estar aqui agora, com você, dentro de você... é melhor do que eu me lembrava. Maddie, é a porra do céu.”

Meus seios levantaram enquanto eu ofegava respirações aquecidas, cobrindo o vidro com névoa. A única clareza era onde meus dedos espalmados flexionavam na janela escorregadia. Eu levantei meu rosto para o vidro. Dentro da condensação, pude ver o reflexo do homem bonito atrás de mim. Eu encontrei minha voz. “Não pare. Lembre-me de como é estar com meu marido.”

Seu aperto em meus quadris se intensificou enquanto ele empurrava mais rápido, criando sensações em cascata do meu núcleo aos dedos dos pés. Era um ciclone de sentimentos, crescendo mais e mais até que cada nervo, até meu couro cabeludo, formigava. O quarto se encheu de ruídos e sons de prazer enquanto meus nervos ficavam tensos. Eu estava em um penhasco, vinte andares no ar.

Os carros e as luzes piscavam abaixo.

Não era como se eu me lembrasse do sexo com Patrick. Era mais.

Ele não era mais um garoto de dezessete ou dezoito anos. Patrick era um homem.

Implacavelmente, ele pegou, batendo em mim, com seus dedos fortes agarrando e machucando com seu aperto possessivo.

Eu não aguentaria mais.

Meus dedos se curvaram e eu pulei no ar. De jeito nenhum. Não foi um salto, mas uma queda. “Patrick”, gritei quando os fogos de artifício explodiram e me inclinei contra o vento, cavalgando a corrente em uma queda livre até o chão.

Quando nossa conexão foi cortada, meus músculos perderam a batalha. No entanto, antes de eu atingir o chão, os braços fortes de Patrick me levantaram, embalando-me em seu peito. Depois de um beijo no meu cabelo, ele se virou e me deitou na cama.

“Só para constar, isso não é estar com seu marido. Isso é ser fodida, ser reclamada.”

Levantei meus ombros e cabeça enquanto colocava meu peso em meus cotovelos. As pontas dos meus lábios se moveram para cima enquanto meu olhar permanecia fixo nele, seu terno ainda no lugar com apenas a calça desabotoada exibindo seu grande e brilhante pênis ainda ereto.

O pensamento sobre a falta de preservativo ia e vinha. A gravidez não era um problema e eu sabia que estava limpa. No momento, enquanto ele caminhava em minha direção, havia questões mais urgentes.

“Você pode me lembrar?” Eu perguntei.

“Não”, disse ele enquanto tirava os sapatos, tirava o paletó, a camisa, as calças e, finalmente, a cueca boxer.

O striptease me distraiu momentaneamente. “Você não pode me lembrar como era?”

Seu grande corpo fez com que o colchão afundasse enquanto ele se sentava ao meu lado em toda a sua glória nua. “Não, Madeline.” Ele afastou uma mecha rebelde do meu cabelo do meu rosto. “Não vou fazer amor como um homem casado. Eu nem sei o que diabos isso significa. Nunca tive a chance de cair nessa rotina.” Seu dedo percorreu minha clavícula e desceu até a depressão entre meus seios.

Eu me assustei quando seus lábios desceram em um mamilo e seus dedos beliscaram o outro. Um choque de relâmpago passou por mim. Lambidas e mordidas alternadas de um lado para o outro.

Quando ele olhou para cima, havia um sorriso em seu rosto. “Eu sou um homem casado. Não se esqueça disso. Sou casado com você. Eu não tinha planejado passar esta noite fodendo.”

“Nem eu,” disse com um sorriso cansado enquanto seu toque percorria minha pele.

“Mas agora que tenho você aqui, não posso parar. Amanhã, quando você andar, sentar ou mesmo ficar parada, porra, quero que você me sinta, saiba que estou onde pertenço. Quero que você pense em tudo que fiz para você. De todas as maneiras que você gozou até que não pudesse mais. Sra. Kelly, quero que admita que pertence a mim.”

Suas palavras me atraíram e entristeceram. Esta noite era um erro. Para sempre era impossível. “Patrick, eu não posso...”

O dedo de Patrick veio aos meus lábios. “Não, Maddie. Não essa noite. Eu vejo isso. Conheço você.”

Minha cabeça balançou. “Vê o que? Você não me conhece. Não mais.”

“Sei que algo te deixou triste. Eu vi em seus olhos. Havia nuvens. Afaste-as.”

“Mas...”

“Chega de falar,” ele interrompeu. “Eu preciso de respostas. Quero respostas. Você me deve respostas, mas não esta noite. Esta noite eu vou transar com minha esposa — valendo dezessete anos.”

Meus olhos se arregalaram.

Puta merda.

Se ele estivesse falando sério, amanhã eu não só não me moveria sem me lembrar dele, como também não me moveria. Ponto.

Patrick alcançou meus tornozelos e moveu cada perna, deixando meus joelhos dobrados e os pés separados.

Um calafrio caiu sobre mim enquanto eu tentava impedi-lo. Era muito, muita exposição. Isso ia contra a minha necessidade de ficar invisível. Balancei minha cabeça. “Eu não posso...”

Meu protesto desapareceu e minha cabeça caiu para trás quando os lábios e a língua que estavam em meu seio encontraram meu núcleo. “Oh ...” Como se repentinamente fraca, meus cotovelos cederam e eu caí de costas nos travesseiros macios.

Língua.

Dentes.

Lambida.

Beliscão.

Chupada.

Levando meu punho à boca, eu mordi, tentando sem sucesso abafar os sons que eu era incapaz de parar. Não importava o que fizesse ou dissesse — não que tivesse consciência do que tudo isso implicava.

Meus quadris contradisseram.

Meus dedos se entrelaçaram em seu cabelo loiro.

Minhas coxas apertaram em torno de sua cabeça.

Ele não parou até que eu estivesse novamente em uma queda livre descontrolada.

Quando achei que não aguentaria mais, Patrick subiu no meu corpo. Seu calor sólido pairou sobre mim quando ele disse: “Eu disse a você, senti falta do seu gosto. Ninguém tem gosto como o seu. Você é a porra de uma maçã suculenta para uma alma faminta.”

Ele era um homem tão bom.

Eu não o merecia. Nunca mereci.

Por uma noite, eu queria lembrar.

Estendi a mão e segurei suas bochechas, trazendo seus lábios aos meus, saboreando minha essência enquanto nos tornávamos um. Mais lento no início, movemos em sincronia. Era como andar de bicicleta — aquela que você amava quando criança, que se perdeu e agora foi encontrada. Nos braços de Patrick com a nuca no queixo irritando minha pele e seus elogios ecoando em meus ouvidos, eu era mais.

Mais do que uma buceta para ser fodida.

Mais do que uma mulher pagando uma dívida com tudo o que tinha para dar.

Eu era mais.

Era um senso incomum de autoestima, que eu tinha dificuldade em compreender. Não depois de tudo.

Patrick parou, levantando o rosto do meu ombro. “Afaste-as, Maddie. Empurre todos os pensamentos que estão levando você para longe de mim e isso para longe de você. Olhe para mim. Aqui. Agora. Isto. Isso é tudo que você tem permissão para pensar.”

“Como você sabe?” Eu era uma jogadora profissional, no pôquer e na vida. Não mostrar minhas emoções era a chave do meu sucesso. “Como você sabe?”

“Porque você é minha esposa. Eu conheço você. A maneira como seu corpo se move. Está gravado na minha memória.” Seu polegar tocou minha bochecha e enxugou uma lágrima. “Eu não quero fazer você chorar.”

Minha cabeça balançou. “Você não está.”

Alcançando meus quadris, Patrick nos rolou até que eu fosse a única por cima. “Foda-me, Maddie. Afinal, é por isso que você veio para Chicago. Faça.”

Inclinando-me para frente, minhas mãos repousaram sobre seus ombros largos enquanto meu cabelo comprido caía em cascata ao nosso redor. Encarei seu olhar azul. “Não é por isso que estou aqui.”

“Essas nuvens? Elas não podem te pegar se você estiver se movendo.” Ele segurou seus quadris, movendo seu pau dentro de mim.

Se ao menos fosse tão fácil escapar.

“Você me quer por cima?” Perguntei.

“Quero ver minha esposa gozar enquanto ela monta em mim. Faça.”

Eu respirei fundo. Já tinha feito isso antes, mas, honestamente, já fazia muito tempo. Desde que eu conseguia me lembrar, meu lugar era assumir e aceitar, conceder de boa vontade. Não havia oportunidade nem mesmo para a aparência de controle. No entanto, era isso que Patrick estava oferecendo.

Posicionando meus joelhos, eu me levantei, sentindo a incrível sensação enquanto seu eixo rígido provocava meu núcleo. Lentamente, eu me abaixei. Meus lábios se separaram enquanto minhas unhas pintadas se agarraram firmemente aos seus ombros. Eu poderia fazer isso. Eu poderia.

Mais abaixo, sua plenitude me estendeu. Movendo-me para cima, estiquei minhas pernas. Flexionando-as, voltei para baixo. Cada mudança de posição aumentava minha confiança. Para cima e para baixo. As sensações se intensificavam e diminuíam dependendo da minha postura. Era prazeroso, estimulante e cansativo.

Minha respiração ficou mais superficial conforme minha velocidade aumentava. As mãos de Patrick novamente vieram para meus quadris, ajudando e coordenando enquanto os músculos das minhas coxas gritavam de exaustão.

“Venha aqui.”

Sua voz profunda penetrou na névoa induzida pelo sexo que se instalou em minha mente. Eu estava tão perto do limite. Com o prazer dominando meus pensamentos, as nuvens passaram. Eu parei, tentando entender o que ele disse. “Aqui? Onde?” Eu perguntei.

Suas mãos fortes me levantaram, me puxando para frente.

“O que?”

“Você está quase lá. Eu vou assumir. “

Ai meu Deus.

Meu estômago se revirou. Ele não queria que eu montasse em seu pau, mas em seu rosto. “Patrick... eu...”

Ele puxou cada joelho para o lado de seu rosto enquanto eu estendia a mão para o topo da cabeceira da cama.

Não consegui descrever o que aconteceu a seguir. Não havia palavras.

Meus dentes caíram na cabeceira de madeira enquanto eu gozava, mais e mais, minhas entranhas apertando em um tom doloroso enquanto meus joelhos apertavam sua cabeça e minha essência fluía sobre sua língua. Quando acabou, eu não tinha mais nada.

Como uma flor murcha, desabei na cama.

“Amanha a gente conversa.”

Foi a última coisa que ouvi antes de me afastar.


MADELINE

 

A batida infiltrou-se em meus sonhos.

Rápida.

Recorrente.

Rasgando o véu do sono.

Revelando a realidade.

“O que?” Eu perguntei baixinho para ser ouvido.

“Madeline, abra a maldita porta.”

Foda-se.

A voz zangada de Mitchell fez meus olhos se abrirem enquanto eu tentava entender o que estava ao meu redor. Eu empurrei para sentar, meu corpo nu movendo-se sobre os lençóis macios. Enquanto eu me reajustava no quarto escuro, eu gemi.

Droga, cada músculo doía enquanto minhas pernas se endireitavam. Até meus seios estavam sensíveis sob o peso das cobertas. Um sorriso veio aos meus lábios, lembrando a proclamação de Patrick. ‘Amanhã, quando você andar, sentar ou mesmo ficar parada, porra, quero que você me sinta, saiba que estou onde pertenço. Quero que você pense em tudo que eu fiz para você. De todas as maneiras que você gozou até que não pudesse mais. Sra. Kelly, quero que admita que pertence a mim.’

Eu não admiti, não verbalmente. Nunca faria isso. Eu poderia admitir, pelo menos para mim mesma, que conforme me movia, estava me lembrando dele e do que tinha feito.

Minha cabeça virou de um lado para o outro.

Quando finalmente adormecemos na noite anterior, as cortinas estavam abertas e as luzes ainda acesas. Agora, enquanto eu olhava ao redor, o quarto apareceu, além dos lençóis emaranhados ao meu redor, como se tivesse sido preparado para dormir, cortinas fechadas e luzes apagadas.

Havia outra diferença marcante entre quando adormeci e agora.

Corri minha palma sobre os lençóis. A cama ao meu lado estava fria e vazia.

“Maldição, abra a porra da porta ou vou pegar uma chave e alguém do hotel.”

Eu não tive tempo para pensar sobre a partida de Patrick enquanto o aviso de Mitchell reverberava pela sala.

“Não, espere,” chamei ele enquanto forcei minhas pernas doloridas a se moverem e me libertar dos lençóis. “Mitchell, estou aqui. Dê-me um maldito minuto.”

Depois de me libertar do emaranhado de lençóis, joguei as cobertas sobre a cama. Em seguida, fui até a janela e abri a cortina. A ação trouxe luz para o quarto, fazendo-me olhar para o céu azul além da janela incrustada de gelo.

Meu pé tocou em algo macio. Olhando para baixo, sorri, encontrando meu robe onde ele havia caído perto da janela. Quando me abaixei para pegá-lo, algo chamou minha atenção.

Merda.

Abrir as cortinas fez mais do que iluminar. Mostrou uma impressão cristalizada no vidro, havia várias impressões de mãos e possivelmente impressões de testa confirmando minhas memórias de sua criação. Balançando a cabeça, fechei a cortina e procurei uma lâmpada, girando o interruptor. Definitivamente não era tão revelador.

A janela precisava ser limpa. Não seria preciso ser um gênio para descobrir como as impressões das mãos aconteceram na janela. Não que Mitchell fosse nem perto de um gênio, mas ele era um homem.

“Só um minuto,” disse novamente enquanto corria ao redor, pegando minhas roupas descartadas, meu vestido que em algum momento tinha caído da cama e minha calcinha. Vestindo a calcinha, coloquei-a no lugar, enrolei o robe do chão mais apertado em torno de mim e prendi o cinto. Respirando fundo, caminhei até a porta.

Antes de abri-la, eu rapidamente olhei ao redor do quarto. Como a reconexão da noite anterior não se limitou à cama, o quarto estava um pouco desarrumado. Ligando o interruptor, eu olhei para o banheiro vazio. Uma verificação rápida do meu reflexo me fez sorrir. Meu cabelo estava uma bagunça e a maior parte da minha maquiagem tinha sumido, e meus lábios ainda estavam rosados. Eu levantei meus dedos para eles. Macio. Sim, machucado por beijar era uma boa maneira de estar. Depois de correr meus dedos pelo meu cabelo, voltei para a entrada.

Minha busca rápida foi a última missão para confirmar que eu estava definitivamente sozinha.

Embora tenha me causado uma pontada de tristeza, com Mitchell do lado de fora era melhor.

Olhando para trás, para a porta, percebi a corrente desengatada. Isso fazia sentido, já que Patrick saiu em algum momento durante a noite.

“Madeline, agora,” o rosnado de Mitchell veio de trás da porta.

Fechando a trava da corrente, abri a porta o máximo possível. “O que?” Eu perguntei, parecendo tão exasperada quanto me sentia.

“Já passa das dez da manhã. O chefe está furioso e você está fodida.”

Eu estava, mas não como ele estava dizendo.

Meu pescoço se endireitou. “Por que? O torneio não continua até esta noite.”

O olhar de Mitchell foi para a corrente e de volta para mim. Suas palavras saíram de entre os dentes cerrados. “Abra a maldita porta. Esta não é uma conversa pública.”

O bom senso me disse para não permitir que um homem irritado com problemas de raiva entrasse em meu quarto. No entanto, quando se tratava de Andros e, portanto, de Mitchell, o bom senso não se aplicava. Mitchell estava aqui por causa do chefe, por causa de Andros, e eu sabia por experiência própria que discutir não seria um bom presságio. Com um aceno de cabeça, fechei a porta e abri a trava.

Assim que a maçaneta girou do meu lado, Mitchell empurrou a porta. Saí do caminho a tempo dela ricochetear na parede interna.

Sem dizer uma palavra, ele entrou, examinando o quarto, andando perto das janelas e voltando, e olhando para a cama onde, apesar da minha tentativa, as cobertas estavam em todos os tipos de desordem. Ele passou por mim, olhando para o banheiro.

O que ele estava pensando?

Ele sabia que havia um homem aqui ontem à noite?

Sua busca só aumentou meu pulso já rápido. “O que você está fazendo? Por que você está no meu quarto?”

“Onde diabos está o seu telefone?”

“O que? Meu telefone?”

“Não estou vendo ele conectado.” Ele apontou para o carregador na mesa de cabeceira. “Seu GPS foi desligado e você não atendeu nenhuma chamada.”

Porra. Não é de admirar que Andros esteja irritado.

Olhando em volta, tentei me lembrar. Eu estava com minha bolsa no torneio. Meu telefone estava na minha bolsa. “Ah Merda. Esqueci de ligá-lo ontem à noite. Está na minha bolsa.” Corri para o lado da cama onde deixei minha bolsa na noite anterior, antes da chegada de Patrick. Eu tinha certeza de que tinha colocado na mesa de cabeceira. Corri minha mão sobre a superfície brilhante. “Eu juro que estava aqui.”

Os tendões ganharam vida no pescoço grosso de Mitchell enquanto ele olhava em silêncio. “Onde está sua bolsa?”

“Um... Deixe-me pensar,” eu murmurei enquanto meus olhos examinavam rapidamente o quarto.

Minha mente tentou se lembrar do que eu tinha feito, mas havia apenas um pensamento.

Patrick.

Não era só meu telefone que minha bolsa continha.

Merda, eu me senti tonta. Dentro da minha bolsa estava o recibo das fichas no valor de quarenta mil.

Patrick sabia disso?

Ele assistiu no clube?

Meu estômago se revirou com o meu reconhecimento.

O Patrick que eu conhecia, a versão mais jovem, era um batedor de carteiras especialista. Ele poderia levantar a carteira de um homem, tirar uma nota ou cinco e devolvê-la antes que a vítima tivesse consciência. Era melhor do que roubar tudo. Na maioria das vezes, as vítimas nunca percebiam que foram o alvo. Os turistas estavam muito concentrados nos pontos turísticos. A perda de uma nota de vinte dólares poderia ser atribuída ao esquecimento. Isso não era tudo. Poderíamos entrar em uma loja e eu compraria uma barra de chocolate, mas quando saíamos, ele comia biscoitos ou cookies e uma garrafa de refrigerante. Com a atenção do dono da loja em mim, ele ou ela nunca saberia o que aconteceu.

Eu não queria ter os pensamentos que estava tendo, mas não consegui encontrar uma alternativa.

Patrick tinha mudado para roubos maiores?

Alguma coisa na noite passada foi real?

“A porra do seu telefone”, repetiu Mitchell. “Você não atendeu ontem à noite ou esta manhã, e agora o GPS está morto. Encontre-o agora.”

Levantei-me e caminhei pelo quarto, levantando o vestido que joguei no sofá e correndo para o banheiro. O balcão estava cheio de cosméticos, mas nenhum telefone. Voltei para a sala, minhas mãos começando a tremer. “E-eu... o toque estava desligado no torneio. Acho que esqueci de ligá-lo novamente.”

“Esqueceu? Você sabia que o chefe ligaria.”

Eu sabia. “Esqueci.”

Com os lábios se estreitando em um sorriso de escárnio ameaçador, Mitchell se aproximou. “Eu não acho que ele vai considerar isso uma desculpa aceitável. Não preciso dizer a você que ele está puto pra caralho. Quando você contar a ele que a bolsa sumiu...” Ele não terminou. Não precisava.

Dei um passo para trás. “Não sumiu. Só preciso localizá-la.”

Os olhos de Mitchell se arregalaram — ele acabou de conectar os pontos. “A porra do recibo?”

Engoli. “O recibo está com o meu telefone na bolsa. Lembro-me de ver quando estávamos no táxi.” Olhei para seus olhos escuros. “Lembra? Você disse algo sobre isso.”

Balançando a cabeça, ele soltou um longo suspiro. “Porra, você realmente estragou tudo.”

“Não. Não.” Meu volume aumentou quando comecei a andar. O tremor não estava mais isolado em minhas mãos. Meu corpo estava pronto para entrar em tremores intensos. “Ouça. Simplesmente pare. Tem que estar aqui.” Eu rezei para que estivesse. “Adormeci. Era tarde...” Não havia alternativas que eu pudesse imaginar. Andros já estava com raiva por eu ter ignorado suas ligações e as batidas de Mitchell. Isso não seria nada comparado com sua ira por perder o recibo no valor de quarenta mil e não me qualificar.

Ele perderia o controle — ou pior.

“Por favor, Mitchell”, eu disse, “dê-me um tempo.” Comecei a jogar os travesseiros, orando pelo que acreditava não estar presente.

Merda.

Eu baixei minha guarda.

Com um suspiro, me virei e encarei o olhar de Mitchell, lutando contra as lágrimas que se acumulavam em meus olhos.

Eu não era uma chorona. Não era muitas coisas, ou pelo menos, aprendi a não ser.

As consequências da noite passada seriam muito maiores do que músculos doloridos.

Patrick me acusou de vir à cidade para foder com ele. Na realidade, ele me rastreou para fazer o mesmo.

Literal e agora figurativamente.

'Eu quero te matar ou te foder.'

Meus joelhos cederam com a náusea crescente quando afundei na beirada da cama. Parecia que ele tinha feito as duas coisas. Porque perder o dinheiro de Andros seria minha morte.

Uma lágrima escapou da minha pálpebra inferior e rastreou minha bochecha.

Com minha cabeça inclinada para frente, vi os sapatos de Mitchell quando ele se aproximou. Engolindo as lágrimas, olhei para cima e levantei minha mão com a palma para frente. “Por favor, Mitchell, pare. Eu estava dormindo.” Olhei para o robe. “Quero dizer, olhe para mim. Você me acordou. Estava exausta ontem à noite. Eu te falei isso. Estou desorientada. A bolsa está aqui. Vi ela no táxi e no balcão da frente ontem à noite, lembra?”

Ele assentiu.

“OK. Dê-me um minuto. Vou encontrar e estarei pronta para o torneio de hoje à noite.”

A indecisão apareceu em seus olhos quando ele enfiou a mão no bolso, tirando o telefone. Sem dizer uma palavra, ele fez uma ligação.

Eu passei meus braços em volta da minha barriga, sabendo quem estaria do outro lado. A bile continuou a se agitar no meu estômago, me lembrando que eu nunca liguei para o serviço de quarto.

Era disso que eu precisava, comida.

Certo, porque comida me salvaria de Andros.

“Sim, senhor”, disse Mitchell em seu telefone enquanto continuava a olhar na minha direção. “Ela está aqui. Parece que estava dormindo.” Pausa. “Não, eu não penso assim.” Seus ombros se encolheram. “Não sei.” Ele olhou para mim. “Você saiu do quarto desde que eu te deixei aqui?”

Minha cabeça balançou. Era uma pergunta que eu poderia responder honestamente. “Não. Eu não fiz.”

“Sim senhor.” Mitchell entregou seu telefone na minha direção com um olhar de advertência. “Ele quer falar com você.”


PATRICK

 

Três pares de olhos viraram em minha direção quando a porta de metal se abriu e eu entrei em dois.

Dois era como nos referíamos ao andar de nosso complexo no alto do horizonte de Chicago que continha a sede do Grupo Sparrow. Na verdade, era o nonagésimo quarto andar de um dos edifícios mais altos de Chicago, o andar que só era acessível à elite da organização. Era onde os líderes do grupo faziam tudo, o que fazemos agora, administrar Chicago.

No subsolo e na superfície.

Nada acontecia sem nossa aprovação.

Neste andar, com nossa riqueza de tecnologia, éramos capazes de monitorar as ruas de nossa cidade de uma forma que grupos do passado nunca imaginaram. Isso não significa que não tínhamos olhos e ouvidos no chão, tínhamos. A tecnologia era a nossa forma de confirmar que tudo o que os olhos e ouvidos nos diziam era exato.

Um par de olhos olhando na minha direção pertencia ao chefão, o chefe do submundo de Chicago, um CEO da Fortune 500 e um dos meus amigos mais próximos, Sterling Sparrow. Os outros dois conjuntos pertenciam aos outros dois homens, também meus amigos íntimos com quem Sparrow e eu tivemos a honra de servir nosso país, antes de concentrar nossos talentos nos 380 mil quilômetros quadrados conhecidos como Chicago: Reid Murray e Mason Pierce.

Respirando fundo, eu corri a mão sobre meu cabelo úmido e recém-lavado.

“Noite agitada?” Perguntou Sparrow.

“Mais agitada do que planejei”, respondi.

Fiquei com Maddie até tarde da noite, na verdade, de manhã cedo. Deixá-la exigiu mais força de vontade do que eu temia poder reunir. Ela estava linda pra caralho deitada ali, seu cabelo comprido despenteado, a maquiagem manchada ou retirada, seus lábios machucados e inchados e a melhor parte: seu corpo macio, quente e nu enrolado contra mim, como ficava há muito tempo em um velho saco de dormir. Droga, até mesmo pensar nisso fazia meu pau estremecer.

Eram quase quatro da manhã quando voltei para cá e para o meu apartamento um andar acima de nós. Pelo que eu sabia, alguns desses homens podiam estar de pé e trabalhando exatamente onde estávamos agora. No entanto, aparecer no meio da noite desgrenhado e fresco do melhor sexo da minha vida não parecia uma escolha sábia — não se eu não quisesse mil perguntas ou revelar o segredo que eu não sabia que tinha retido ao longo dos anos até que vi Madeline.

Depois de um banho rápido, caí na cama apenas para acordar cerca de trinta minutos atrás com uma mensagem de uma hora atrás de Reid perguntando por que eu não estava aqui. Em vez de responder, tomei banho novamente, peguei uma caneca de café quente e caminhei para o dois, nossa sede.

Tomando um gole de café fumegante, olhei para a tela acima, o foco da atenção de todos. “Perdi algo?”

“Você estava lá. Estamos esperando que você nos informe”, disse Mason.

Sentei na cadeira vazia e olhei para cima. O que estava diante de nós parecia ser uma vista aérea, semelhante aos mapas do Google, mas com precisão em tempo real. Reid descobriu como acessar não apenas câmeras de rua e feeds de segurança privada, mas também feeds de satélite. O que tornava isso ainda mais impressionante, não que não fosse, era que com a ajuda de Mason, eles descobriram como controlar o foco, ampliando e reduzindo, novamente em tempo real. Eu não era ruim em toda essa coisa de tecnologia, nem Sparrow. No entanto, nenhum de nós se gabava de saber mais do que nossos geeks de tecnologia residentes.

A falta de sono não era incomum em nosso mundo. Quando havia incêndios — literais e metafóricos — precisando de nossa atenção, podíamos passar dias com apenas pequenas sonecas. A diferença para mim era que a noite passada não foi um incêndio normal. Era um tipo diferente de fogo, fervendo em minha alma. Tudo o que aconteceu ontem à noite deixou minha mente girando e meu corpo acelerado.

Balancei minha cabeça. “A neve de alguns dias atrás ainda cobre os telhados. Ajude um homem. O que estou vendo?”

“Onde você estava ontem à noite, Patrick?” Perguntou Sparrow.

Embora eu pudesse ter inferido mais de sua pergunta, seu tom não sugeria um problema.

“Club Regal”, respondi. “A primeira rodada de seu grande torneio de pôquer foi ontem à noite. Tudo começou com quarenta e dois jogadores, cada um pagando uma alta taxa de entrada. Agora baixou para trinta.” Foi quando respondi que percebi que era o que estávamos vendo, tanto os telhados do Club Regal quanto os prédios vizinhos.

“Os rumores estão voando em todos os níveis da cidade”, disse Reid. “Diga-nos se é verdade.”

Rumores?

Eu não esperava isso.

Quem viu eu e Madeline conversando?

Fui flagrado entrando em seu quarto de hotel ou saindo?

Levantei meu café, dei alguns passos enquanto determinava a melhor estratégia para minha confissão, para dizer aos meus três melhores amigos que eu havia deixado uma pequena, mas significativa, parte de minha biografia. Não era algo que eu estava preparado para admitir. No entanto, eles mereciam saber. As frases se formavam na minha cabeça. A propósito, quando eu tinha dezoito anos, antes de conhecer todos vocês, casei-me com essa garota. Poucos meses depois, ela desapareceu. A palavra na rua era que ela morreu, vítima de violência aleatória. Acontece diariamente. Quando não encontrei nenhuma pista, desisti. Entrei para o exército para fugir das memórias. Mas, ei, não se preocupe. Ontem à noite eu a vi novamente. E como nunca nos divorciamos, ela ainda é minha esposa.

Então a voz profunda de Reid penetrou minha névoa.

“...disse que comprou. Ele saiu da cidade depois que seu pai e McFadden foram mortos. Por que ele voltaria?”

Soltei um longo suspiro.

Eles não estavam falando sobre Maddie. Os rumores que eles mencionaram eram sobre Antonio Hillman, um homem com ligações próximas ao agora extinto grupo de McFadden, o grupo que co-governava Chicago desde antes de qualquer um de nós nascer, aquele cujo líder agora estava cumprindo pena por inimagináveis crimes contra crianças.

Eu me concentrei no que tinha ouvido. “No final da noite”, eu disse, “antes de anunciar as colocações para a segunda rodada, o clube fez o anúncio sobre Hillman.”

“E você não achou que era importante?” Perguntou Mason.

Meu pescoço se endireitou. “Sim. Era. Isto é.” Eu respirei fundo. “Antonio não estava lá. Eu verifiquei todo o clube. Não vi ninguém que fazia parte da comitiva dele ou de seu pai. De acordo com o anúncio, o jovem Hillman deve chegar ao Club Regal esta noite.”

“Ele é um filho da puta arrogante”, disse Reid.

Sparrow se levantou. “Eu não gosto disso. O movimento é descarado pra caralho. O filho do lavador de dinheiro do consigliere preso de McFadden, que não era visto por aqui desde o julgamento de seu pai, voltou para Chicago e não passou pelo radar. Ele volta pagando setenta e cinco mil para entrar em um torneio de pôquer. Por que?”

“Ele não foi condenado por lavagem de dinheiro”, disse Reid.

“Porque ele nunca foi investigado”, acrescentei. “Os federais se concentraram em Rubio e Wendell.”

“O que, como já dissemos, deixa outros jogadores do time do McFadden que ainda não conhecemos, aqueles que desapareceram, como Antonio.” Sparrow respirou fundo e levou as duas mãos ao topo da cabeça. Seus bíceps flexionaram sob as mangas de sua camiseta cinza, como faziam quando ele estava se concentrando. “Há algo mais acontecendo.” Sparrow se virou para mim. “Conte-nos tudo sobre o Club Regal na noite passada. Tudo. Estou muito feliz por termos um homem na cena. Um dos melhores.” Ele estendeu a mão para uma cadeira, girou-a e sentou-se escarranchado nas costas. “Havia algo que parecia incomum? Qualquer coisa ou alguém que se destacou — chamou sua atenção?”

Merda.

Sim, mas eu não estava pronto para dizer, não até que soubesse mais.

Comecei a relatar minhas memórias honestas da noite, dos clientes, da segurança e do torneio em si. Durante essas lembranças, convenientemente excluí a menção a Madeline; no entanto, mencionei o grande jogador Marion Elliott. Houve um zumbido constante de sussurros em sua presença. Eu fiz algumas pesquisas e ele mereceu o título. Ele tinha uma das listas mais longas de vitórias em torneios e, portanto, um dos maiores ganhos ao longo da vida. Sua idade era um fator contribuinte óbvio.

“Eu o vi”, disse eu, “e o observei jogar. Ele merece sua reputação, mas também é velho.”

Reid estava digitando em outro teclado. Em uma tela diferente, a foto de Marion Elliott apareceu. “É ele?”

“Sim”, respondi, “mas essa imagem é antiga ou foi editada com photoshop. Na noite passada, ele parecia dez anos mais velho, pelo menos.”

“Diz aqui”, Reid começou a ler, “Marion Elliott, nascido em Houston, Texas.” Ele acenou com a cabeça enquanto continuava a ler. “Bem, de acordo com isso, ele é trinta anos mais velho do que nós.”

Claro, não tínhamos todos a mesma data de nascimento. No entanto, todos entrando para o exército aos dezoito anos e recebendo treinamento básico, éramos próximos em idade. Nós quatro trocamos olhares enquanto contemplávamos a descoberta de Reid.

“Quantos anos tem McFadden agora?” Perguntei.

“Início dos setenta anos”, disse Sparrow. “Meu pai seria um ano mais velho.” Ele respirou fundo. “Não sei. Não há nenhuma conexão conhecida com esse Elliott e o Grupo McFadden.”

“Nenhuma apareceu até agora”, disse Mason.

“Sim, não significa que não exista”, eu disse. “E sabemos que há uma conexão entre Hillman e McFadden.”

“Porque aqui? Porque agora?” Reid perguntou.

“Porque, desde que esmagamos McFadden, todo vigarista pensa que Chicago está pronta para ser escolhida”, disse Sparrow com um tom mais do que exasperado. “É exaustivo pra caralho.”

“Você provou que todos eles estavam errados quando assumiu o comando do Grupo Sparrow e depois esmagou McFadden”, eu disse. “Você vai continuar a provar que eles estão errados agora. Acho que tem a ver com o próprio McFadden. Ele estava diversificado pra caralho e seu julgamento recebeu muita imprensa. Agora ele está apelando das acusações de tráfico e está em todos os meios de comunicação. É como um anúncio para pessoas próximas e distantes: venha para Chicago e ocupe o lugar de Rubio McFadden no topo da cidade. Esses idiotas não conhecem você ou o que Sparrow é capaz de realizar. Foda-se, o que conquistamos.”

Eu não estava bajulando porque perdi o foco na noite passada. Acreditava em cada maldita palavra que estava dizendo.

“Eles não conhecem o Grupo Sparrow”, respondeu Sparrow. “Precisamos estar cem por cento. Não gosto do que estou sentindo. Não posso colocar meu dedo sobre isso, mas caramba, é...”

“Instinto,” disse Mason. “Eu confio em qualquer um de nossos instintos mais do que em toda a porra de tecnologia nesta sala.” Mason se virou para mim. “Como Elliott respondeu quando o anúncio foi feito sobre o buy-in de Hillman?”

Elliott não era quem tinha minha atenção.

“A sala inteira estava puta da vida”, eu disse. “Suspiros e murmúrios e essas merdas. Fiquei surpreso que o Club Regal permitiu isso no segundo dia. Pareceu uma merda para mim.”

“Ele pareceu surpreso?” Perguntou Mason.

Balancei minha cabeça. “Um dos melhores jogadores de poker do mundo não demonstra emoção.”

Enquanto meus amigos assentiam, minha mente foi para um jogador de pôquer que finalmente o fez. Quando cheguei ao seu quarto de hotel, não tinha certeza de que poderíamos ser honestos um com o outro, Madeline e eu. Mas fomos, pelo menos fisicamente fomos — brutos, primitivos e reais.

O ritmo de Sparrow parou. Ele virou 180 e olhou na minha direção. Seus olhos castanhos estavam bem abertos. “O que você acabou de dizer?”

“Não demonstra emoção?” Porra, eu estava tendo problemas para acompanhar.

“Não”, disse Mason, seus olhos se arregalando também. “Sobre o Club Regal.”

Sparrow acenou com a cabeça. “Sim, exatamente. Pode ser uma merda, mas o clube permitiu o buy-in de Hillman.”

Enquanto Reid e eu trocávamos olhares, por um momento, fiquei satisfeito por não ser a única pessoa que não seguiu essa linha de pensamento.

O sorriso de Sparrow cresceu. “Todos nós sabemos qual de nós é o melhor jogador de xadrez.” Seu olhar escuro foi para Mason, que balançou a cabeça.

Os dois discutiam sua supremacia desde que eu conseguia me lembrar.

“Eu apostaria meu dinheiro em Patrick em uma mesa de pôquer”, continuou Sparrow. “As cartas nada mais são do que matemática e memória. Porra, ninguém nesta sala é melhor do que você.” Ele estava olhando diretamente para mim.

Quando ele terminou de falar, meu sangue esfriou até ficar perto dos meus pés. Raramente me sentia tonto, mas agora me sentia. Eu poderia cortar a garganta de um homem e vê-lo sangrar. Isso era diferente. Peguei a cadeira. “Você quer que eu compre o torneio do Club Regal? Agora? E jogar esta noite?”

“Foda-se, sim”, respondeu Sparrow. “Hillman entrou por setenta e cinco. Faça um telefonema, ou melhor, uma visita. Não há como o clube negar um pedido de Sparrow. Não se eles quiserem continuar no negócio. Hillman está quieto há um tempo, mas, droga, acho que seu buy-in foi pago com dinheiro sujo de McFadden. Aquele maldito velho pode apodrecer na prisão pelo resto da vida, mas não vai se deitar e me deixar governar. Seu ódio é muito forte. Ele quer vingança. E isso poderia incluir Araneae. Não vamos permitir. Isso precisa acabar.”

Araneae era sua esposa. É sua esposa.

“Eles classificaram Hillman no final da jogada desta noite, número trinta,” eu disse.

Sparrow acenou com a cabeça. “Setenta e cinco mil o colocaram no fundo do poço. Descubra o que cem Gs e uma redução de 25% nos impostos deste torneio farão.”

Meus olhos se arregalaram. É uma quantidade absurda de dinheiro. “E você espera que eu continue neste torneio e chegue até amanhã?”

O sorriso que crescia no rosto de Sparrow alcançou seus olhos. “Não, eu não espero isso.”

Exalei.

“Espero que você ganhe a porra toda.”


MADELINE

 

Desejando que minha mão não tremesse, peguei o telefone de Mitchell. Uma inspiração e uma expiração. Fechei os olhos, imaginando o rosto do homem do outro lado da linha. A imagem não era reconfortante. Andros era o líder de Ivanov bratva por um motivo. Ele era quase dez anos mais velho que eu, alto e largo, com uma voz de comando que podia intimidar os capos mais durões. Ele também tinha um olhar que poderia causar arrepios na espinha. Um olhar frio e morto como o de um tubarão. Andros sentia a presa da mesma forma que o tubarão cheirava sangue. Era uma habilidade fantástica que sem dúvida o ajudava em sua posição.

Eu estive obedientemente por perto enquanto ele ordenava crimes horrendos contra homens e mulheres, sabendo que ele sentia um prazer perverso em saber de seu sofrimento. Eu tinha sido sua liberação de prazer e raiva. Eu assisti enquanto ele se regozijava com as vitórias e se enfurecia com as derrotas. Não importava a circunstância, nada trazia vida aos seus olhos escuros.

Com uma última respiração profunda, coloquei o telefone no ouvido. “Olá, Andros.”

Por um momento, pensei que talvez tivesse esperado muito tempo para falar e que a linha estava muda.

Por apenas um momento.

“Minha querida, estou preocupado.”

Para o ouvido destreinado, o chefão do underground de Detroit poderia soar cavalheiresco ou até mesmo jovial. Essa mesma pessoa poderia interpretar erroneamente seu timbre de barítono de seda líquida como sinceridade e suas palavras como preocupação.

Eu não era destreinada.

Anos de servidão me ensinaram lições difíceis.

Andros Ivanov não era cavalheiresco, cortês, sincero ou preocupado.

Sim, ele poderia imitar essas qualidades.

Se eu fosse um homem em sua bratva que tivesse ignorado suas ligações — se não esperasse que ele não soubesse sobre as fichas — minha saudação sem dúvida teria sido mais dura. Se estivéssemos juntos na mesma sala, eu tinha certeza de que também seria.

Fiz uma pequena oração de agradecimento para que nenhuma dessas circunstâncias fosse diferente.

“Sinto muito”, disse eu, “não queria preocupá-lo. Espero que você saiba disso. Isso não foi intencional.”

“Espero. É uma escolha de palavra tão interessante — ter esperança é sentir expectativa. Veja, minha querida, foi o que ouvi ontem à noite ao ouvir de Mitchell que você havia retornado em segurança ao seu quarto, recuperado a maior parte de minhas perdas e garantido um lugar nas mesas desta noite. Tive esperança. Minha esperança era discutir isso com você pessoalmente.”

“Todas essas coisas aconteceram. E quando voltei para o quarto, estava mais exausta do que imaginava. O toque estava desligado no torneio e esqueci de ligá-lo. Eu não estava evitando sua ligação. Adormeci profundamente.”

“Quantas?” Ele perguntou.

“Quantas ... o quê?”

“Diga-me quantas vezes eu liguei e quantas vezes você não atendeu.”

Minha cabeça balançou enquanto meus olhos examinavam novamente o quarto. Talvez se eu abrisse as cortinas pudesse ver melhor o quarto e encontrar minha bolsa, mas se eu abrisse as cortinas ... Meu olhar foi para Mitchell.

Ele sabia a resposta à pergunta de Andros?

Não importa. Mitchell não estava aqui para ser meu salvador.

“Esse é o problema, Andros”, respondi. “Com tudo na noite passada, estou tendo problemas esta manhã para localizar meu telefone. Assim que o fizer, prometo que ligarei. Não sairei daqui até que esteja totalmente carregado. Mitchell pode verificar isso.”

“Lembre-se do número. Será significativo no futuro.”

Como uma pedra caindo no meu estômago, minha experiência me disse que qualquer que fosse seu plano, não seria bom. Minha esperança estava vencendo. O dinheiro era a maior distração de Andros.

“Mitchell me contou sobre o buy-in”, disse ele. “Altamente incomum.”

“É,” eu concordei, grata por ele ter mudado para outro tópico. “Nunca tinha ouvido falar disso até agora. O nome do homem...” Eu não conseguia me lembrar, “...Não me lembro.” Minha mente estava em duas coisas: garantir meu lugar e Patrick. “Eu sinto muito.”

“Hillman. Antonio Hillman.”

“Sim.”

“O que mais você não me disse?”

Meus olhos se fecharam momentaneamente. Havia muita coisa que eu não tinha contado a ele, não contaria. Ver Patrick era meu segredo, assim como ser casada com ele. Depois do torneio, Mitchell e eu viajaríamos de volta para Detroit e a vida seria retomada. Essa reconexão com Patrick não mudaria e não poderia mudar isso. Não havia necessidade de transformá-lo em nada mais do que realmente era. E se eu mencionasse sua visita ontem à noite, eu me abriria para um interrogatório sobre a bolsa.

“Madeline, querida. Você realmente acredita que a hesitação é do seu interesse?”

“Eu estava tentando lembrar o que não disse. Ainda estou confusa com o despertar abrupto de Mitchell.”

“Continue.”

De pé, fui até a mesa. Com o telefone preso entre a orelha e o ombro, escrevi uma nota enquanto falava. “Reconheci alguns jogadores do torneio. Não reconheço o nome do homem que comprou.”

Empurrei o bilhete para Mitchell.


Ele sabe sobre minha bolsa desaparecida?


Mitchell balançou a cabeça.

“Devo conhecê-lo?” Eu perguntei, continuando minha conversa com Andros enquanto escrevia novamente.

Empurrei o bilhete na direção de Mitchell.


Por favor, me dê tempo. Por favor, posso consertar isso.


“Não sei por que você faria isso”, disse Andros. “Hillman não apareceu até recentemente e você sabe que não permito ninguém perto de você, a menos que tenham minha total confiança.”

“Então você o conhece?” Eu perguntei, tentando manter a conversa longe do meu telefone ou bolsa e definitivamente longe de admitir que eu permiti que alguém entrasse no meu quarto, e eu ser roubada em $ 40.000. “E você não confia nele?”

“Eu não disse isso. Não faça suposições no que me diz respeito. Achei que você tinha aprendido isso.”

Idiota. Sim, aprendi.

Meu olhar foi para Mitchell e inclinei minha cabeça em um apelo silencioso.

“Não estou presumindo”, respondi a Andros. “Estou me perguntando, devo me preocupar com o jogo dele? Você acha que ele vai tentar algo desonesto?” Cobri o microfone do telefone. “Por favor?” Sussurrei para Mitchell.

“Você me deve,” Mitchell rosnou. “E você não tem muito tempo. Eu negarei saber.”

Minha cabeça estava balançando. Eu não tinha certeza do que devia. Fosse o que fosse, valeria a pena me poupar um pouco da ira de Andros.

“Desonesto”, repetiu Andros. “Estou mais certo disso, tão certo quanto estou de sua habilidade de vencer, não importa o que aconteça. Ainda estou esperando que você me diga o que não disse. Apresse-se agora. Sou um homem ocupado.”

Pelo menos eu sabia que não era sobre a bolsa. Restava Patrick e eu... “Sinto muito. O que eu não disse a você?”

“Um homem tocou no que é meu e você não acha que eu deveria saber?”

“Tocou?” Meu pulso começou a acelerar quando meus joelhos cederam. Com a retomada do tremor, pousei novamente na beira da cama.

“Madeline.” Seu tom se aprofundou enquanto ele emitia seu comando. “Fique longe de Marion Elliott.”

Marion Elliott.

Exalei com alívio.

“A atenção dele não é simplesmente porque você é linda”, continuou Andros. “Ele conhece sua reputação e habilidade. Ele quer encantá-la e deixá-la nervosa.”

“Eu prometo, posso me cuidar com Marion Elliott. Não estou encantada. Se eu tivesse estado, nosso encontro teria sido mais memorável. Ele simplesmente me pediu para tomar um drinque com ele, e eu recusei.”

“Ele beijou você.”

Meu pescoço se endireitou com sua mudança contínua de tom. Ele pode estar chateado por eu não ter atendido suas ligações, mas ele estava mais chateado com as gentilezas de Marion Elliott.

“Minha mão,” eu disse suavemente. “Ele beijou minha mão.”

“Eu não compartilho o que é meu a menos que seja para meu benefício.”

Eu não era dele.

Não era a querida dele ou propriedade para ser compartilhada.

Minha servidão era uma dívida que jamais poderia pagar. Isso não significava que eu fosse propriedade a ser reivindicada.

Era o mantra que dizia a mim mesma quando as linhas na realidade começavam a se confundir.

Eu respirei fundo. “Andros, acabei de acordar. Você está ocupado. Terei meu telefone carregado em breve e verei quantas vezes você ligou. Esta noite, depois do torneio, vou ligar o toque e dizer pessoalmente que avancei para a rodada da tarde de amanhã, que estou entre os dezoito primeiros e que me mantive afastada de Marion Elliott. Posso ir agora?”

“Devolva o telefone para Mitchell. Espero ver a localização do seu telefone em breve.”

“Adeus,” eu disse, entregando o telefone para Mitchell. Quando o fiz, meus lábios formularam meu apelo silencioso.

“Chefe”, disse ele ao telefone. “Sim eu fiz. Deixe-me entrar no corredor.”

Assim que a porta se fechou e trancou, soltei um suspiro exagerado e caí na cama. Só porque eu evitei dizer a Andros a verdade sobre minha bolsa e seu status desaparecido, não negava o fato de que ela havia sumido.

Olhando para o teto, levantei as mãos para minhas têmporas e empurrei em um esforço para parar o latejar recente.

A ação não localizou minha bolsa, o recibo ou o telefone, mas me ajudou a pensar. Outra coisa que ajudaria era o café da manhã. Com a visita de Patrick, eu nunca liguei para jantar.

Ao me mover, meu primeiro destino foi uma ida ao banheiro. Depois de cuidar do negócio, joguei água nas minhas bochechas, removendo os restos da maquiagem da noite anterior. Ao fazer isso, testei minha bochecha, descobrindo que não estava mais sensível e a cor quase normal. Meu pescoço também estava sem hematomas.

Havia outras partes do meu corpo que estavam sensíveis. Os pensamentos dessas dores trouxeram um sorriso aos meus lábios. Sim, Patrick, lembro de você. E com a mesma rapidez os pensamentos de exaltação desapareceram.

Maldito seja.

De volta ao quarto, chamei o serviço de quarto. Assim que meu café da manhã foi pedido, voltei para a janela. Abrindo as cortinas, olhei para a cidade abaixo, percebendo como o sol da manhã havia aquecido o painel. Os cristais de gelo de antes se foram, tornando as evidências das atividades da noite anterior menos óbvias. Se eu não os tivesse visto antes, poderiam facilmente passar despercebidos.

Minha cabeça se inclinou enquanto tentava encontrá-las.

Desta vez, meu sentimento veio em uma forma audível quando disse para o quarto, “Maldito seja, Patrick. Como você pode?”

Virei de volta para a cama, me perguntando que evidência adicional de nossa noite poderia ser encontrada. Jogando os cobertores para trás, lembrei-me de nossa noite. Não conseguia me lembrar da última vez que adormeci nos braços de um homem.

“Maldito seja,” eu novamente proclamei em voz alta. “Maldito seja qualquer jogo que você pensa que está jogando. Maldito seja por azedar a memória do único homem em quem confiei.”

Eu não tinha certeza de como faria isso, mas precisava encontrá-lo ou contatá-lo, e tinha que ser logo.

A perda do recibo me excluiria do torneio?

Eu não tinha certeza. Nunca tive esse problema antes.

Isso não poderia acontecer.


MADELINE

 

“Eu não sei mais o que fazer”, disse a Mitchell. “Nada na minha bolsa é tão valioso quanto o recibo. Todo o resto pode ser substituído.”

Sua cabeça balançou enquanto caminhávamos lado a lado no banco de trás de outro táxi a caminho do Club Regal. “É melhor você rezar para que eles tenham uma cópia.”

Eu estava.

Estava orando com um vigor que não fazia há anos.

“Esta não pode ser a primeira vez que algo assim acontece.” Era a primeira vez que acontecia comigo. Meu olhar saiu da janela para a rua e a calçada. Apesar das temperaturas mais baixas, as pessoas com casacos, chapéus, luvas e botas grossas estavam correndo. As missões não esperavam pelo tempo. Com a cabeça baixa para o vento, eles seguiam em frente. Isso me lembrou das pessoas em Detroit. Essas pessoas eram resistentes quando se tratava de clima frio.

“Você mostrou sua identidade na recepção”, disse Mitchell.

“Eu sei.”

“Você disse que não saiu do quarto.”

“Eu não fiz.”

Seu tom baixou. “Escute, não contei a Andros porque minha bunda também está em jogo, mas Deus me ajude, não vou cair nessa. Você está mentindo sobre algo. Não tem como sua bolsa inteira desaparecer, magicamente desaparecer durante a noite.” Ele parou por um momento como se estivesse revendo a noite. “Eu sei que você estava com ela quando chegamos ao seu quarto. Você abriu a porta. Suponho que você precisará de uma terceira chave.”

“Eu vou,” disse, minha mente girando com mais pensamentos. Minhas têmporas continuavam a latejar e o café da manhã que comi cerca de uma hora atrás estava fazendo piruetas no meu estômago. O recibo era o item mais importante, mas agora minha mente estava em outras coisas.

Meu telefone poderia revelar a Patrick o mundo de Ivanov bratva. Eu não queria me preocupar com ele, não depois que ele fez isso comigo. No entanto, uma ligação para a pessoa errada poderia inserir Patrick em um mundo que ele não sabia que existia. “Eu sei que não faz sentido.”

“Você procurou de novo?” Ele perguntou.

“Eu fiz.”

Eu não tinha. Meu instinto me disse que eu tinha sido roubada. Meu corpo obviamente me desviou, mas meu instinto raramente estava errado.

“Você deu uma gorjeta à pessoa que entregou o jantar para você?” Ele perguntou.

Suas perguntas não paravam. Eu gostava mais dele quando estava em silêncio. “Eu não jantei.”

O pescoço de Mitchell se endireitou.

“Adormeci”, expliquei novamente, mantendo a minha história. “Não comi até esta manhã e dei uma gorjeta no recibo, não em dinheiro.” Deitei minha cabeça no assento e fechei os olhos, esperando que Mitchell entendesse o recado e deixasse essa conversa descansar. Não havia nada que iríamos resolver neste táxi.

O táxi parou em frente ao Club Regal. Depois que Mitchell pagou a corrida e saímos do carro, enterrei minhas mãos enluvadas nos bolsos do casaco e olhei para o prédio. A arquitetura de calcário era ornamentada e o toldo vermelho rico. Mesmo que ninguém soubesse que este era um clube privado, seria óbvio que os clientes dentro dele tinham muito dinheiro.

O porteiro deve ter nos reconhecido da noite passada, pois ele simplesmente balançou a cabeça e abriu a porta pesada. Ao contrário da noite anterior, quando chegamos depois do anoitecer, entrar agora pela rua ensolarada fazia o clube — os painéis e carpetes — parecerem assustadoramente mais escuros do que antes.

Era como entrar em uma caverna bem mobiliada, isolada do mundo.

“Srta. Miller”, uma mulher chamou quando veio em minha direção. Ela era mais velha com cabelo loiro curto e um ar majestoso. Seu vestido preto e escarpins eram simples, mas elegantes, assim como seu único colar de pérolas. Embora não tivéssemos nos conhecido antes, eu tinha certeza de que ela trabalhava para o clube.

“Sim.”

Acenando para Mitchell, ela ofereceu a mão para mim. “Olá, sou Veronica. Eu trabalho aqui, especificamente com eventos como o seu torneio. Não tive a chance de falar com você ontem à noite e me apresentar. Queria dizer que nós aqui do Club Regal ficamos satisfeitos por você ter concordado em se juntar a nós neste torneio.” Sua voz baixou. “E se eu posso confessar, estou torcendo por você. Nunca coroamos uma campeã feminina.”

Sorri. “Obrigada. Eu ficaria honrada em ser a primeira.”

“No entanto,” ela disse, olhando para seu relógio de pulso. “Você está adiantada para as atividades desta noite.”

“Estou. Gostaria de saber se poderíamos ter uma palavra em particular.”

“Sim, claro. Meu escritório é por aqui.” Ela gesticulou para longe do restaurante, bar e porta da frente. “Podemos falar lá. Espero que não haja nenhum problema.”

Eu me virei para Mitchell. “Eu vou te encontrar quando terminarmos.”

Seu pomo de Adão balançou. “Senhora, dadas as circunstâncias...”

“Obrigada, Mitchell,” eu interrompi com desdém, então me virei e comecei a andar na direção que Verônica me levava.

Não fui muito longe quando sua grande mão agarrou meu braço. Inclinando-se para perto, ele sussurrou: “É melhor você fazer o que falou. Seja franca, se foder comigo, eu não vou cair sozinho.”

Verônica parou e se virou em nossa direção. “Está tudo bem?”

Meu olhar passou do olhar fixo de Mitchell para sua mão ainda no meu braço. Minha voz foi abafada. “Eu disse a você o que aconteceria se me tocasse novamente.”

Lentamente, seu aperto foi liberado. “Srta. Miller.”

Respirei fundo e sorri para Verônica. “Tudo está bem. Meu associado vai esperar aqui.”

“O Bar Regal está aberto”, disse ela. “Você é bem-vindo para esperar lá.”

“Obrigado Senhora.”

O esplendor do clube desapareceu quando entramos em um corredor trancado com portas de cada lado. “Isso é...”

Estéril.

Simples.

Bastante contrastante.

Eu não tinha certeza de como descrever.

“Esta é a nossa área segura, nos bastidores”, respondeu ela. “Espero que não vá arruinar a fachada.”

“Não, eu gosto disso. Parece menos pretensioso.”

Com um cartão-chave do bolso, Verônica abriu a porta do que eu presumi ser seu escritório. Girando um botão, ela gesticulou para que eu entrasse em seu espaço. A sala não era grande, mas era mais aconchegante do que eu esperava. Uma grande mesa em forma de L estava de frente a duas paredes no canto. Havia um sofá de couro ao longo de outra parede, estantes de livros, uma pequena mesa e duas cadeiras. Havia uma porta separada entreaberta. À primeira vista, presumi que fosse seu banheiro privativo.

“Posso pegar seu casaco, Srta. Miller?”

“Madeline, por favor.”

“Madeline.”

Tirando minhas luvas, coloquei-as nos bolsos do casaco e desabotoei os botões grandes. Minhas botas eram de salto alto e meu cabelo estava preso em um rabo de cavalo baixo. Por baixo do casaco, eu estava vestindo uma calça casual com um suéter. Minha maquiagem era mínima. Não estava vestida para o torneio.

Com um rápido escaneamento da minha aparência, ela perguntou: “Você está planejando ficar até esta noite?”

“Não. Posso?” Fiz um gesto para a mesa.

Eu gostei que ela não tivesse cadeiras em frente à sua mesa. Esta mulher era confiante o suficiente em sua posição para renunciar a ter os móveis arrumados para um jogo de poder.

“Sim, claro”, disse ela. Depois de pendurar meu casaco em um cabideiro, ela se sentou do outro lado da mesa. “Agora, o que a trouxe aqui esta tarde?”

“Verônica, eu vim hoje pessoalmente porque estou em uma situação altamente incomum.”

Com um escárnio, ela balançou a cabeça. “Quando se trata deste torneio em particular, não estou mais chocada. Tudo sobre isso tem sido incomum e parece estar ficando mais irregular a cada minuto.”

Cruzando minhas mãos no colo, me inclinei para trás. Se essa mulher fosse confiar em mim sobre qualquer coisa, isso aumentaria minhas chances de permanecer no torneio. “Não diga? O que é estranho?”

“Eu realmente não deveria mencionar isso.”

“Não acho que seja trapaça entender o torneio. E...”, iluminei meu sorriso, “...você disse que está torcendo por mim.”

Seus lábios se estreitaram enquanto linhas de contemplação apareciam em sua testa. “O buy-in. Não fui consultada. Não que seja minha decisão, não é. É do Sr. Beckman. No entanto, é altamente incomum e expressei essa opinião. Eu disse ao Sr. Beckman que isso abriu um precedente. Ele me garantiu que tudo ficaria bem. Uma vez e pronto.” Ela exalou novamente enquanto seus lábios formaram uma linha reta.

“Você está dizendo que estava certa? Alguém mais quer comprar?”

“Altamente incomum.”

Minha mente estava agitada. “Suponho que se alguém não se qualificasse, talvez desse uma chance a isso.”

“Oh, meu Deus”, ela disse, “você está certa. Não foi isso que aconteceu, mas isso é uma bagunça. Eu acho que precisa ser declarado em termos inequívocos que nenhum outro buy-in será possível após a rodada desta noite. O Sr. Beckman discorda. Ele disse que fazer isso colocaria o foco nos dois cavalheiros.”

Sentei-me mais ereta. “Dois?”

“Bem, suponho que você descobrirá esta noite de qualquer maneira. Você ouviu o anúncio sobre o Sr. Hillman.”

Concordei.

“O outro buy-in é um membro do clube. Se permitimos o Sr. Hillman, que não é mais membro, seria impossível recusar o Sr. Kelly.”

Meus olhos piscaram enquanto eu tentava processar. “Desculpe? Sr. Kelly?” Certamente não era meu Sr. Kelly. Ele não faria isso, entraria em um torneio onde eu estava jogando, onde precisava vencer.

“Patrick Kelly”, disse Verônica. “Você não o conheceria.”

Dei de ombros, com medo de falar e revelar que o conhecia. Ele é a razão de eu estar aqui, a razão de minha bolsa sumir. Ele roubou minha bolsa e agora roubou a vaga de um jogador.

Ele poderia tentar usar minhas fichas?

“O que isso fará com a escalação? Será que chegará alguém que espera jogar e vai descobrir que não o fará?” Não estava prestando atenção a todas as colocações e então me lembrei que Antonio Hillman foi anunciado como o número trinta. “Essa adição do Sr. Kelly removerá o Sr. Hillman do jogo?”

“É uma bagunça. Não podemos fazer isso. Aceitamos sua adesão.”

Eu me sentei mais ereto. “E você aceitou a taxa de inscrição de cada jogador.”

“Eu sei. Eu sei. Desde a visita do Sr. Kelly ao Sr. Beckman, tenho esperado que alguém desista voluntariamente. Sei que não está certo, mas tornaria as coisas mais fáceis.”

“Ele veio aqui... pessoalmente? Quando?” O resto de sua declaração foi registrada. “Desistir?”

“Sim, não foi há muito tempo. Acredito que ele saiu pouco antes de sua chegada.”

Minha pele esquentou.

Porra.

Se eu disser a ela que não tenho o recibo das minhas fichas, ela pode dizer que fui desqualificada. Isso ajudaria em sua situação e abriria uma vaga para Patrick.

Não havia como deixar isso acontecer.

Ela acenou com a mão. “Peço desculpas. Você não veio aqui para me ouvir reclamar.” Sua expressão se transformou em uma de alarme. “Por favor, esqueça o que eu disse. Foi errado da minha parte, as reflexões de uma velha senhora. Eu nunca quis insinuar que o Club Regal negaria o Sr. Kelly. Eu não gostaria que isso vazasse. Não é o que quis dizer.” Suas palavras vieram mais rápido. “Estou simplesmente exasperada com todo o precedente. Espero que entenda.”

Por que ela estava nervosa de repente?

Não havia como ela saber que tive qualquer associação com o Sr. Kelly.

“Srta... quero dizer Madeline,” ela disse, inclinando-se para frente, “esqueça que tivemos essa conversa. Vamos nos reagrupar. Agora, sobre o que você queria falar comigo?”

“Eu só estava me perguntando se o clube tem registro de nossos ganhos até agora. Fiquei curiosa se você reteve essa informação ou apenas temos nossos próprios recibos.”

“As fichas foram contadas, coletadas e marcadas de acordo. Apesar de tudo o que aconteceu, quando você entrar no salão esta noite, seu recibo é apenas o seu bilhete de entrada. Os crupiês confirmarão que seu recibo corresponde aos seus registros e, depois que os jogadores forem atribuídos aleatoriamente às mesas individuais, você receberá suas fichas, as mesmas que tinha na noite anterior. Você sabe como os jogadores são supersticiosos? Tentamos levar em conta todas as circunstâncias.”

“E se alguém perder o recibo?”

“Madeline, isso está longe de ser seu primeiro torneio. Você sabe que isso colocaria o clube em uma situação difícil.”

Eu sorri. “Parece que é onde o clube está neste momento com o Sr. Hillman e agora o Sr. Kelly.”

“Espero que você não esteja dizendo que seu recibo está sumido.”

“Se eu estivesse dizendo isso, espero que o Club Regal seja tão complacente comigo quanto tem sido com o Sr. Hillman e o Sr. Kelly. Afinal, queremos que uma mulher vença, e odiaria seu descontentamento em relação às recentes situações que se repetem.”

Não, eu não estava acima de usar sua confissão como alavanca.

“Muito bem,” Verônica disse enquanto se levantava. “Se você se juntar ao seu associado no bar por alguns minutos, posso ver o que pode ser feito.”

Minha cabeça inclinou enquanto eu sorria. “Agradeço sua ajuda. Obrigada.”


PATRICK

 

Depois de garantir meu buy-in para o torneio, quando estava saindo do Club Regal, olhei para o bar quase vazio. Eu tinha lugares para ir e trabalhar que precisavam de cuidados, sem mencionar um torneio para jogar mais tarde esta noite, mas ao ver o homem que estava com Madeline, fui atraído para o Bar Regal. Aparentemente, ontem à noite, após um pouco de questionamento, o membro da equipe que eu pedi para atrasar este senhor permitiu sua reentrada no segundo andar e no torneio. Não tive tempo de acompanhar, a não ser para saber seu nome: Mitchell Leonardo.

Eu saberia mais. Agora tinha a oportunidade de fazer isso pessoalmente.

Erguendo-me e endireitando os ombros, cruzei a soleira. O interior era sofisticado. O Bar Regal era subdividido em espaços diferentes. O primeiro continha um bar longo e brilhante cercado por banquetas. Com uma parede de janelas altas, o sol da tarde brilhava sobre as poucas mesas perto do bar, iluminando o espelho e as fileiras de garrafas de bebidas de alta qualidade. A maioria dos bancos estava desocupado. Os espaços mais distantes tinham outras mesas, bem como arranjos de assentos casuais feitos de sofás de pelúcia, cadeiras e grandes mesas redondas de centro. No centro de todas os espaços havia um piano de cauda, onde música ao vivo era tocada de quinta a sábado à noite.

O estado quase árido dos espaços não duraria. O dia não era o principal horário de funcionamento do Club Regal. Os membros que trabalhavam nas proximidades do clube geralmente frequentavam o restaurante na hora do almoço. No entanto, Bar Regal acelerava no final do dia. Pode não ter sido assim há décadas. Eu, pelo menos, estava feliz que o almoço com dois martinis não estivesse mais na moda.

A razão de eu ter entrado — o homem que chamou minha atenção — estava sentado no bar de costas para mim quando entrei. Com a cabeça baixa olhando para o telefone, ele parecia estar tomando vodca pura ou um refrigerante transparente. Conforme me aproximei, as bolhas subindo pelo interior do copo revelaram que o que quer que estivesse dentro era gaseificado, descartando vodca.

Sentando em uma banqueta próxima, examinei o rosto do Sr. Leonardo no grande espelho sobre o bar. Por sua aparência, eu arriscaria adivinhar que ele estava entre os quarenta e cinquenta anos, tinha visto sua parte do ar livre e tinha a pele envelhecida para provar isso. Embora eu não o classificasse como acima do peso, mesmo em seu terno, poderia dizer que ele tinha alguns quilos a mais na cintura do que eu. Seu traje estava acima do padrão para este clube. Embora seu terno não fosse personalizado, também não era da prateleira de alguma loja grande.

Quem quer que fosse Mitchell Leonardo, ele tinha acesso às finanças.

A bartender veio em minha direção com um sorriso. “Sr. Kelly, o que você quer?”

Apesar dela estar usando um crachá, não precisei ler. Tina trabalhava no Club Regal há pelo menos cinco anos. Os clubes privados valorizavam os funcionários que entendem as nuances do trabalho. Não era como se tivesse sido escrito o que dizer e o que não dizer, mas estava mais do que implícito. Quando esse funcionário valioso era encontrado, ele ou ela era bem pago para permanecer no cargo.

“Tina, eu gostaria de água.”

“Com gelo?” Ela perguntou com um sorriso.

“Sim, isso seria bom.”

O Sr. Leonardo ergueu o queixo enquanto observava Tina se afastar. “Ela é jeitosa.”

Sua observação me deixou inquieto, mas se fosse uma abertura para uma conversa, eu pegaria. “Hmm.”

A realidade era que Tina não era meu tipo.

Os pensamentos de Madeline infiltraram-se no meu pensamento.

Para alguém que tentei por anos remover de meus pensamentos — tentei esquecer — depois de apenas uma noite, menos de vinte e quatro horas, eu estava de repente consumido, viciado. Sua beleza, pele macia, aroma doce e a melodia de sua voz ricochetearam em meus pensamentos desde que a vi na mesa de pôquer na noite passada. Agora, desde que estive com ela, era difícil me concentrar em qualquer outra coisa.

No entanto, meu trabalho exigia isso.

Concentrei-me no homem à minha esquerda, tomando cuidado para não deixar transparecer que sabia muito sobre ele. “Acho que te vi ontem à noite.” Nós dois mantivemos a etiqueta tácita de olhar para frente, nosso único contato visual sendo dentro do reflexo do espelho. “Você é novo em Chicago?” Eu perguntei.

Embora saber que o Sr. Leonardo estava de alguma forma associado a Madeline tenha estimulado minha decisão de entrar no bar, meu instinto me disse que havia mais nele. Algo parecia errado. Minha lealdade a Sparrow não me permitia ir embora.

“De passagem”, disse ele.

“Acredito que você estava assistindo o torneio na noite passada. Você é um jogador de cartas?”

“Nah. Minha paixão são os cavalos.”

“As cartas são mais fáceis de prever”, eu disse. “Há muitas variáveis com corridas de cavalos.”

O grande homem encolheu os ombros enquanto erguia o copo. “Não se você fizer sua lição de casa.”

“Aqui está”, disse Tina com um sorriso enquanto colocava o copo de água diante de mim. “Posso pegar mais alguma coisa?”

“Não, obrigado. Eu preciso ir logo.” Voltei a falar com o homem. “Se você não é um jogador, o que o traz ao torneio?”

“Isso e aquilo. Estou torcendo por um dos jogadores.”

“Um amigo?” Perguntei.

“Sim.”

Pela maneira como Madeline falou com ele no corredor na noite passada, eu não os teria categorizado como amigos.

“Então, tudo o que você está fazendo é comparecer ao torneio e depois irá embora?” Empurrei.

Leonardo virou na minha direção. “Desculpe. Por que quer saber?” Seus olhos tinham círculos escuros abaixo, dando-lhe a aparência de estar cansado ou angustiado.

“Como membro deste clube, gosto de acompanhar quem vai e vem. Como residente desta cidade, faço o mesmo. Faz parte do que eu faço. Contanto que você esteja aqui apenas para o torneio, devemos estar bem.”

“Este bate-papo acabou.” Seu rosto se inclinou para cima enquanto seu olhar foi para a porta. “Meu amigo está aqui. Acredito que nós iremos.”

Quando me virei para seguir seu olhar, minha respiração ficou presa em meu peito.

Nossos olhos se encontraram.

Eu já tinha ouvido falar sobre visão de túnel antes, já vi ser retratada em filmes. As margens ficavam difusas e borradas, tudo o que podia ser visto era a única pessoa no centro. Eu já tinha ouvido falar disso. Nunca antes me lembrava de ter experimentado isso, não até este momento.

Uma deusa envolta em um longo casaco de lã, Madeline era deslumbrante.

Não havia dúvida de que ela era a mulher mais linda que já vi. Já era quase vinte anos atrás, e estava mais ainda hoje. O rosa encheu suas bochechas enquanto sua postura se endireitou. Afastando o olhar de mim, ela se concentrou em Leonardo.

A perda de seu olhar foi como o choque de uma ducha gelada, esfriando minha pele como se a luz do sol tivesse sido apagada.

“Mitchell,” ela disse, seu tom indiferente. “Estou quase pronta. Se Verônica voltar, diga a ela que estou indisposta no momento e voltarei.”

Minha informação estava correta. Mitchell era Mitchell Leonardo.

Fiz um lembrete mental para aprender mais.

Madeline não esperou pela resposta de Mitchell antes de voltar para o foyer e desaparecer além das paredes.

“Malditas mulheres,” Leonardo murmurou.

Seu tom fez com que os pequenos cabelos do meu pescoço se eriçassem. “Algum problema?”

“Melhor não ser.”

Enfiei a mão no bolso e tirei um clipe de dinheiro. Puxando uma nota de dez dólares do clipe, coloquei-a sobre o balcão perto da minha água. Não, a água não custou dez dólares. Na realidade, era grátis. “Obrigado, Tina,” eu disse com um aceno de cabeça. “Verei você esta noite.”

“Obrigada,” ela disse, pegando o copo e sua gorjeta. “Não serei eu. Estarei em casa com a família.”

“Sortuda.” Com isso, saí do bar. À minha direita estavam as portas que davam para a rua. Era a direção que deveria seguir. Eu não fiz.

O banheiro feminino não ficava tão longe no primeiro andar como era no segundo. E, ao contrário do andar de cima, não era tão isolado. Meu olhar foi para um lado e para o outro enquanto me aproximava de onde acreditava que Madeline tinha ido. A cada passo, meu coração batia mais rápido com a antecipação do futuro combinada com as memórias da noite passada.

Minha necessidade era palpável, roendo meus nervos até que meus dedos coçavam para tocá-la, meus lábios doíam para beijá-la e meus braços flexionavam para abraçá-la.

Meu desejo era vê-la sozinha, mesmo que apenas por um momento. Enquanto meu corpo tinha seus próprios objetivos, minha mente queria algo mais simples, mas ao mesmo tempo mais difícil de realizar. Aproveitaria para tentar explicar que de repente estava no torneio. Embora não pudesse divulgar o verdadeiro motivo — que eu fazia parte de Sparrow e estávamos preocupados com o reaparecimento de Antonio Hillman — eu poderia pelo menos avisá-la de minha presença iminente.

Felizmente, devido à hora do dia, como todo o clube, os corredores estavam quase vazios. Eles estavam completamente vazios no caminho para o banheiro feminino. Não passei por uma alma. Na porta, hesitei. Eu poderia esperar do lado de fora como fiz na noite anterior. No entanto, se eu fizesse e falássemos no corredor, sempre havia a chance de Mitchell vir procurá-la.

Aproveitando a chance de que Madeline estivesse sozinha e a única ocupante do banheiro feminino, lentamente empurrei a porta e olhei para dentro.

Ela não me notou a princípio. Com o comprimento de seu casaco cobrindo seu corpo, suas mãos agarravam a borda da bancada. Sem me olhar no espelho, acreditei que seus olhos estavam fechados enquanto sua cabeça se inclinava para baixo. Seu longo rabo de cavalo escuro e sedoso descia em cascata por suas costas.

Uma rápida olhada sob as baias me disse o que eu queria saber.

Nós estávamos sozinhos.

Virando-me para a porta do corredor, girei a fechadura, garantindo que não seríamos perturbados. Quando o mecanismo clicou, o queixo de Madeline se ergueu e seu olhar veio em minha direção através do reflexo. Imediatamente ela se virou para mim.

Não sei o que esperava ver, mas não foi o que vi.

Mágoa, raiva e talvez até ódio irradiavam de seus olhos verdes enquanto Madeline olhava em minha direção.

Minha mente tentou rimar ou raciocinar com sua emoção deslocada. Enquanto eu contemplava a causa, ela colocou as mãos nos quadris.

“Seu filho da puta. Você tem coragem de me seguir até aqui.”


MADELINE

 

Enquanto os olhos azuis de Patrick rodavam com incerteza, eu permaneci mais ereta. Embora minhas emoções ameaçassem minha fachada, minha voz saiu determinada e silenciosa. “Diga algo.”

Patrick ficou em silêncio, me observando, examinando-me desde meu cabelo amarrado para trás até minhas botas de salto alto. A cada segundo que passava, sua cabeça balançava. Finalmente, ele se aproximou, passo a passo, seus mocassins batendo no chão de ladrilhos.

Vestido novamente com um terno caro, com uma camisa branca impecável, hoje ele também estava de gravata. Na cor prata, era semelhante ao vestido que usei na noite anterior. Espiando por baixo dos punhos do paletó, os botões de punho de ônix preto cintilavam sob as fortes luzes do banheiro. Quanto mais perto ele chegava, mais o aroma de sua colônia picante enchia meus sentidos enquanto o azul celeste de seus olhos se concentrava em mim.

Foda-se ele.

Ontem à noite, ouvi meus desejos. Eu deixei meu corpo tomar decisões. Hoje minha cabeça estava no controle. Hoje eu tinha mais em jogo.

“Madeline, me desculpe por ter deixado você. Eu precisei...”

Minha palma balançou para frente.

Patrick recuou quando minha mão colidiu com sua bochecha e o som de um tapa ecoou nas paredes.

Antes que pudesse recuperá-lo, meu pulso foi preso. “Que diabos, Madeline?”

“Eu deveria saber,” eu disse, liberando seu aperto de mim. “Deveria saber que você não foi ao meu quarto ontem à noite por mim.” Dei um passo para trás e lentamente girei.

“O que você está falando?”

Comecei a falar assim que nossos olhos se encontraram novamente. “Estou apenas curiosa, você já trocou minhas fichas? Quarenta mil será uma boa adição ao seu jogo esta noite.”

“Você sabe que vou jogar?” Ele perguntou. “Como sabe disso? Eu só...” Seu rosto bonito se inclinou. “O que você estava dizendo sobre suas fichas?”

“Como se você não soubesse.” Eu respirei fundo. “Saia da minha frente, Patrick. Você estava certo de que nunca nos divorciamos. Retificaremos isso o mais rápido possível. Não sei por que isso nunca foi feito”, eu disse. “Talvez no fundo da minha mente eu quisesse ter a ilusão de que ainda havia um homem no mundo que se importava comigo, mesmo que tenha sido há muito tempo. Talvez eu quisesse a memória de alguém confiável e honrado.” Fiquei mais ereta. “Suponho que devo agradecê-lo pela verificação da realidade.”

Ele se aproximou, alcançando meus braços. Mesmo através do casaco e do suéter, apertou ainda mais quando nossos olhos permaneceram fixos. Seu tom profundo reverberou. “Eu não tenho ideia de por que você está tão chateada. Não sei absolutamente nada sobre suas fichas. Como diabos eu iria? E, Madeline, você está certa; não sou um bom homem. Nunca afirmei ser. Não quando estávamos roubando comida e batendo carteiras e com certeza não agora. Eu faço coisas que nunca gostaria que você soubesse. Eu sou, no entanto, confiável e honrado para aqueles de quem cuido.”

Olhei de um lado para o outro em suas mãos grandes segurando um dos braços. Queria contar a ele o que havia dito a Mitchell. Eu queria dizer para não me tocar. Querer dizer e fazer não eram a mesma coisa.

Empurrei as palavras para longe. Em vez disso, olhei de volta para seus olhos azuis e repeti o que ele disse. “Pessoas de quem você gosta... eu já fui uma dessas? Quero dizer, entendo que não sou agora. Eu não mereço ser. Mas me diga, eu era?”

Seu aperto ficou mais forte quando ele me puxou para mais perto, minhas botas tremendo sobre o azulejo até que nossos corpos ficaram nivelados.

Provavelmente era o longo casaco de inverno, mas, droga, a temperatura estava subindo.

Concentrei-me na coisa mais importante: este homem me roubou. Levantei meu queixo. “Eu era?” Perguntei de novo.

“Você precisa perguntar?”

“Eu pensei...”

Minha frase desapareceu, engolida quando seus lábios tomaram os meus.

Como na noite anterior, a conexão foi instantânea. Com apenas um beijo, como uma faísca em minha alma seca, Patrick acendeu uma chama dentro de mim. Em meros segundos, ele pegou minhas palavras, meus pensamentos e minha respiração...

Eu ansiava por me inclinar para ele, para dar.

Não.

Não.

Já era tarde demais para isso.

Junto com minha bolsa, Patrick havia levado minha confiança.

Eu me afastei, quebrando seu aperto. Meu pescoço se esticou enquanto trabalhava para recriar a máscara que usava durante os jogos, a que usava com Andros e outros na Ivanov bratva, a da indiferença. “Eu não sei o que você sabe sobre mim, o que sou hoje,” esclareci. “Não sei como ou por que me tornei seu alvo, mas deixe-me dizer que não vai acontecer de novo. Vou ganhar hoje à noite, amanhã à tarde e sábado à noite. Os ganhos e o jackpot serão meus. Vou fazer isso porque não tenho outra opção.”

“Maddie, sinto muito. Não posso falar muito. Eu não posso fazer nada disso fazer sentido ou explicar os porquês. Apenas acredite que há mais coisas acontecendo aqui do que imagina. Quando o torneio terminar, você não será a campeã.”

“Você o comprou. É isso que você não pode dizer?”

“Você sabia disso. Isso é o que você disse”, Patrick respondeu. “Além disso, minha presença no torneio não teria sido segredo por muito tempo. Esta noite você teria me visto. Quando nossos caminhos se cruzaram esta tarde, eu a segui para avisá-la e explicar.”

“Explicar o quê, Patrick? Explicar que você quer me impedir de fazer o que faço, o que faço para viver e sobreviver. Por quê? Você me odeia por não ter voltado anos atrás? Isso é vingança?”

“Odiar você? Eu deveria, porra.”

Engolindo, balancei a cabeça.

“Deveria, mas eu não faço. Este torneio não é sobre você. Meu Deus, se fosse, seria seu maior apoiador. Você entrou no meio de algo maior que você e eu. É...” Ele respirou fundo. “Como disse, é mais.” Seus olhos se arregalaram. “Você acabou de dizer que isso é o que você faz para sobreviver. Maddie, se precisar de dinheiro, posso ajudá-la. O jackpot é diferente. É...” Suas narinas dilataram quando ele exalou. “Não importa o que aconteça, você não será a campeã. Isso não vai acontecer. No entanto, se precisa de dinheiro, eu o darei a você, sem compromisso.”

Eu bufei. “Não existe tal coisa. Sei disso muito bem. Além disso, por que eu acreditaria em você depois do que fez?”

Patrick deu um passo para trás. “Você está chateada porque eu saí esta manhã sem te acordar?” Ele não me deixou responder antes de continuar. “Eu queria ficar. Eu queria. Deus, deixar sua cama e seu quarto de hotel foi uma das coisas mais difíceis que já fiz em toda a minha vida.”

Minha cabeça balançou.

“Não sei por que você não acredita em mim”, ele continuou. “Eu queria ficar. Quero ficar. Quero ter você ao meu lado todas as noites malditas e acordar com você todas as manhãs.”

“Você não é um bom mentiroso. Nunca foi.”

“Porque,” ele disse, sua voz ficando mais alta, “Eu não estou mentindo, porra. Você sabe exatamente com quantas mulheres eu me comprometi, uma que inclui para sempre? Você sabe?”

“E você roubou desta longa lista de mulheres?”

Sua testa franziu. “Não é uma lista longa, e o que diabos eu roubaria? A única coisa que quero de você é você.”

Exalei enquanto andava para as baias e voltava. “Parece que a única coisa que você deseja não está disponível.”

“Você disse que não havia outra pessoa.”

“Eu disse que nunca mais me casei... de novo”, acrescentei. “Eu disse muitas coisas. Nada disso importa. Nada vai importar se eu não fizer o que vim aqui fazer.” Meus olhos se estreitaram. “Você vai trapacear, Patrick? É assim que você sabe que vai ganhar?”

“Não, Maddie. Vou ganhar porque foi isso que fui incumbido de fazer. E repito, não tem nada a ver com você ou com a maioria dos outros no torneio. Está além de todo o nosso controle.”

Minha cabeça balançou. “Oh infernos, não. Muitas coisas estão fora do meu controle. Eu lutei para voltar e isso...” Fiz um gesto ao redor, “...este torneio está sob meu controle. E vou fazer isso. Já cuidei das fichas, então se seu objetivo era me fazer desistir, ele falhou. Essa tentativa falhou, assim como seu plano de vencer falhará. Eu irei avançar. Estarei sentada à mesa no sábado à noite. Se você estiver lá, manda ver, Sr. Kelly. Você foi avisado — eu vencerei.”

“Por que você continua falando sobre suas fichas?”

A porta bateu nas dobradiças. “Srta. Miller, Madeline”, a voz de Verônica veio do outro lado.

“Só um minuto.” Exalei enquanto abaixava minha voz. “Podemos, por favor, evitar essa situação desconfortável? Deixe-me sair e dar uma desculpa para a porta trancada. Espere alguns minutos e então você pode sair.”

“Maddie, eu não sei absolutamente nada sobre suas fichas.”

Eu acenei minha mão. “Adeus. Não venha me ver de novo. O homem de que me lembrava se foi. É hora de viver na realidade. Eu não o conheço, Sr. Kelly. Não sei se já fiz.” Levantei um dedo, silenciosamente pedindo sua concordância.

Com tristeza em sua expressão, ele acenou com a cabeça e caminhou até onde a porta esconderia sua presença.

Respirei fundo e abri a porta. “Verônica, desculpe. Eu precisava de um momento.”

Juntas, Veronica e eu caminhamos pelo corredor em direção ao foyer. Antes de chegarmos ao arco, ela me entregou um novo recibo. “Aqui, isso vai combinar com o que você recebeu na noite passada. Decidimos aumentar uma das mesas para sete jogadores. É um número aceitável. Ninguém que chegar esta noite será eliminado. No entanto, como declarado, apenas dezoito irão avançar na jogada desta noite.”

Eu olhei para o recibo em minhas mãos. “Obrigada, Verônica. Não vou mencionar o que discutimos. Pode acreditar em mim.”

“Ainda estou torcendo por você.”

Soltei um longo suspiro e me virei. Mitchell estava esperando no saguão, o casaco pendurado no braço. Assim que entramos no táxi, eu simplesmente disse: “O recibo não é problema. As fichas estão garantidas e posso pegar outra chave na recepção.”

“Será que o telefone caiu da sua bolsa no táxi ontem à noite?”

Virei-me para Mitchell quando um sorriso apareceu em meu rosto. “Você está realmente me ajudando?”

“Não, estou me ajudando. São quase três da tarde. Você e eu passamos o dia tentando rastreá-lo. Pelo menos está morto. Não pode ser rastreado. É um tiro arriscado, mas o chefe pode acreditar nisso.”

“Obrigada, Mitchell.”

Permanecemos em silêncio até entrarmos no hotel. Felizmente, a mulher na recepção não era a mesma pessoa da noite anterior. Assim que chegamos ao meu quarto, inseri a nova chave. Quando a porta apitou, nem tentei impedir a entrada de Mitchell. Ele estava um passo atrás de mim.

Nós dois paramos com a visão diante de nós. Meus olhos se arregalaram em descrença.

Porra.


PATRICK

 

“Beckman irritou-se um pouco, mas ele sabia que estava entre uma pedra e um lugar duro”, disse, conversando com Sparrow, Reid e Mason.

Sparrow acenou com a cabeça. “O que sabemos sobre Hillman?”

“Ele está hospedado no Four Seasons. Suíte executiva com vista para o lago, três suítes”, disse Reid.

“Ele não veio sozinho”, avaliou Sparrow. “Quero Sparrows em todos os lugares. Porra, coloque-os no andar do hotel, se puder. Quero saber o que ele está fazendo a cada minuto. Você pode grampear o quarto dele?”

“Eu posso,” me ofereci. “Tenho uma equipe esperando exatamente por isso. A questão é que você sabe que os homens dele farão a varredura. Eles vão tirar todas as câmeras ou dispositivos de gravação. A instalação será nossa recepção a eles na cidade. A remoção será o foda-se deles em resposta.”

Os olhos escuros de Sparrow piscaram e se fecharam. “Era muito mais fácil quando ninguém sabia. O pai de Hillman nunca teria procurado algumas das merdas de alta tecnologia que temos hoje.”

“É por isso que ele está apodrecendo na prisão junto com McFadden”, disse Reid. “Patrick está certo. Meu conselho é fazer com que as equipes voem baixo, tanto no clube quanto no hotel.”

“O clube?” Perguntei. “Estarei lá.”

“Concentrando-se nas cartas, espero”, respondeu Sparrow. “Você não pode fazer tudo. Mason vai ser sua sombra. Você trabalha para vencer, e Mason vai cuidar de Hillman e Elliott.”

Soltei um longo suspiro. “Comigo no torneio, são trinta e um em vez de trinta. Não é grande coisa, mas...”

“Isso significa que treze serão eliminados em vez de doze,” Reid se ofereceu.

“Também fará diferença nas cartas”, eu disse. “Com sete jogadores contra seis, as cartas serão menos. As chances de conseguir o que você precisa são reduzidas. Há uma chance melhor de cair nas mãos de outra pessoa.”

“Vou dizer a Beckman para colocá-lo em uma mesa de seis”, disse Sparrow.

“Ele vai,” eu respondi. “Já cuidei disso quando discutimos o buy-in. Meu palpite é que Elliott e Hillman também estarão em mesas de seis.” Eu não poderia dizer que era com Madeline que estava preocupado. A maioria dos torneios tinha seis pessoas. Ela estava acostumada com isso.

Ter sete jogadores complicaria sua vitória?

Talvez fosse melhor para ela ser eliminada esta noite. Tê-la fora do torneio seria melhor para minha concentração, mas se fosse eliminada, ela poderia deixar a cidade. Eu também não queria isso.

A voz profunda de Reid me trouxe de volta ao assunto em questão, “...vigiando a segurança no Four Seasons. Vou bater no corredor de seus quartos. Todos os três quartos estão próximos um do outro. Também descobri que Elliott está hospedado no Waldorf Astoria.”

“Não muito longe do Four Seasons”, disse Sparrow.

“Sim, pensei nisso”, disse Reid. “Pode ser uma coincidência.”

“Ou pode não ser”, eu disse.

“O Waldorf é velho”, Reid continuou. “A segurança deles não está à altura do preço. É de fácil acesso. Você sabe que não há muitos lugares nesta cidade que eu não possa ver.”

“Infelizmente, um desses lugares é o Club Regal”, disse Mason.

“Sim,” Reid concordou. “Os clubes privados pela cidade são escuros. Eles trabalham para mantê-los assim. Posso ver quem entra e sai da rua ou do beco, mas é só isso. Manter as atividades de seus membros ocultas torna as pessoas mais livres com seu dinheiro e inibições. Se os membros souberem com certeza que o que acontece dentro dessas paredes permanece dentro delas, é mais provável que apadrinhem.”

“Você está observando algum outro hotel?” Eu perguntei, curioso sobre o Palmer House. “Se este for o dinheiro de McFadden, poderia haver mais.” Eu não queria que ele me visse entrar ou sair, mas havia uma imagem maior do que Madeline. Ela poderia vir primeiro para mim, mas Chicago vinha primeiro para Sparrow.

“Temos Sparrows voando baixo em torno de todos os hotéis de luxo”, disse Sparrow. “Eles estão mantendo os olhos abertos. A grande final do torneio é amanhã à noite. Esta noite é para observar e descobrir quem está em nossa cidade.”

Nós quatro passamos as horas seguintes revisando os relatórios que haviam sido coletados dos capos. Houve um aumento da atividade nos estaleiros. Pode não ser nada ou pode estar relacionado. Pode não estar relacionado e ainda ser a ponta de um iceberg. Algumas das gangues perto de South Side relataram aumento de atividade.

Hillman havia chegado. Ele e sua comitiva voaram para um aeroporto particular a oeste da cidade.

“Ele não está tentando ficar sob o radar”, disse Mason. “Eu não gosto disso.”

“Parece estranho”, acrescentei. “Os homens de McFadden haviam aperfeiçoado a arte de governar por trás do véu.”

“Eles precisavam lidar com a posição de McFadden”, disse Sparrow, agora andando de um lado para o outro.

Rubio McFadden estava envolvido no governo. O véu de sigilo era essencial.

“E quanto a Elliott?” Perguntou Sparrow.

“Ele chegou em um jato particular também,” Reid confirmou. “No entanto, é o seu modus operandi. Muito dinheiro do petróleo com todos os luxos que vêm com ele.”

Governar e administrar o mundo Sparrow era um ato de malabarismo. Sempre foi — todos os dias, todas as horas. Às vezes, havia apenas três bolas; outras vezes, eram dez. Agora parecia quinze. Presumi que fosse minha nova obsessão por Madeline, mas algo sobre isso parecia diferente.

Muitas bolas.

Mãos insuficientes.

Isso era ridículo porque nos últimos seis meses ou mais, tínhamos mais mãos do que durante as aquisições. Tínhamos Mason de volta ao lugar a que pertencia. Mesmo assim, não consegui me livrar da sensação.

Reid olhou para o relógio, onde uma mensagem tinha acabado de aparecer. Olhando para cima, ele perguntou: “Patrick, você está preocupado com o torneio?”

“Eu preferiria assistir.”

“Você consegue isso, cara”, disse Sparrow.

“Essa mensagem era de Lorna”, disse Reid. “Ela tem o jantar pronto. Vou comer, depois voltar aqui, infiltrar e gravar as diferentes câmeras de segurança do hotel. Eu também vou ficar de olho no Club Regal de fora.” Ele olhou na minha direção. “Você é bem-vindo para se juntar a nós para o jantar. Sempre há muito.”

Embora nós quatro nos encontrássemos com frequência no apartamento de Sparrow e Araneae, com Lorna, a esposa de Reid, e Laurel, a esposa de Mason, para o café da manhã, o jantar era mais espalhado. Dava a cada pessoa um pouco de liberdade. “Nah, vou limpar tudo e jantar no Club Regal. Acho que preciso tornar minha presença conhecida.” Eu me virei para Mason. “Você quer vir comigo?”

“Vou comer aqui com Laurel. Ela se foi nas últimas noites. Algo está acontecendo com sua pesquisa, deixando-a cautelosamente animada. Inferno, eu não pensei que fosse possível, mas ela está dormindo menos do que eu. Acordo e ela está no escritório lendo e executando equações. Eu me considero muito inteligente, mas, droga, não tenho a menor ideia.” Ele zombou. “Estou feliz que ela esteja animada. Quero ouvir o que está acontecendo.”

Concordei. “Eu odeio que você tenha que deixá-la para tomar conta de mim no clube.”

“Não vou tomar conta. Sou apenas seu par extra de olhos.”

Eu provavelmente precisava disso, mas não pelo motivo que todos pensavam.

Ele deu um tapinha no meu ombro. “Eu vou me limpar também, estarei no Club Regal antes que eles designem os assentos. Você observa as cartas e mantém seus ganhos. Vou ficar de olho na sala.”

“Ok,” sorri. “Limpar pode não ser uma má ideia.” Eu olhei para sua calça jeans, camiseta e braços coloridos. Nem todos sentem necessidade de usar terno todos os dias. Meu olhar foi para seu cabelo mais longo do que o nosso. Seu cabelo caía além do queixo, muito diferente dos cortes de cabelo que tínhamos feito no exército. Enquanto o corte raspado ficou comigo, não aconteceu com Mason. “Que tal um corte de cabelo?”

Mason riu. “Vejo você no clube.” Ele parou. “Quero uma lista de todos os trinta e um jogadores, suas fotos e biografias mais recentes. Assim saberei quem são todos.”

Balancei a cabeça, olhando para Reid. “Eu posso puxá-la para que você possa chegar a Lorna.”

“Posso fazer isso. Isso levará apenas alguns segundos.”

Claro que sim.

Eu me levantei, esticando meus braços sobre a cabeça. O paletó de antes tinha sumido e as mangas estavam enroladas na minha camisa. Não que eu não fosse casual. É que não fazia isso com frequência.

Sparrow e eu caminhamos em direção à porta de aço. Ele colocou a mão no sensor. Um momento depois, estávamos esperando o elevador.

“Há mais alguma coisa?” Perguntou Sparrow.

“O que?”

“Eu não posso colocar meu dedo sobre isso. Deveria ter atribuído a participação no torneio a outra pessoa?”

Meu estômago se revirou. Eu não mentia para esses homens. Arriscaria minha vida por qualquer um deles. Nós conhecíamos os segredos mais sombrios um do outro. Talvez fosse isso. Talvez para mim, Madeline não fosse um segredo sombrio, mas leve. Um raio de sol que, me lembrava de como era ter alguém especial, alguém como esses outros homens tinham encontrado. Expor ela agora iria escurecer aquela memória de uma forma que eu não estava preparado para fazer.

Ainda não.

“Nah,” eu disse enquanto entrávamos no elevador. Apertei A para o andar com os apartamentos, enquanto Sparrow acertou P. “Só estou pensando em tudo isso. O movimento descarado de Hillman me incomoda. Não consigo decidir se Elliott é um problema ou não. E então existem os outros jogadores no torneio. Estou preocupado que haja mais coisas que não estou vendo.”

O elevador parou no A.

Sparrow estendeu a mão para manter a porta aberta. “Você tem razão.”

Eu olhei para meu amigo e chefe. “Eu tenho? Sobre o que?”

“Vou pedir a Reid para verificar os antecedentes dos outros jogadores no torneio. Talvez estejamos muito focados em Hillman para ver o que está bem na nossa frente.”

Merda.

Isso não era exatamente o que eu queria.

Não disse isso. Em vez disso, balancei a cabeça. “Não se preocupe. Eu vou ganhar esta noite.”

“Não estou”, disse Sparrow com um sorriso, ao soltar o braço e desaparecer atrás da porta que se fechava.


MADELINE

 

Eu não podia acreditar nos meus olhos. A cama estava feita, o quarto arrumado. Essas eram coisas que eu esperava. Não foi isso que chamou minha atenção. Em cima da mesinha de cabeceira estava minha bolsa. Ao lado dela estava meu telefone, conectado ao carregador. Eu me desviei da visão para Mitchell. Seus olhos estavam igualmente arregalados.

“Vá”, disse ele, apontando para a bolsa, “verifique o conteúdo.”

A porta do banheiro, aquela pela qual passamos sem pensar, se abriu.

Soltei o mais ínfimo dos suspiros enquanto meu pescoço se endireitava.

Na porta estava um homem que eu conhecia muito bem. Sua presença diminuía a de Mitchell. Não era necessariamente presença física. Era óbvio que este homem estava em melhor forma, seus músculos mais definidos, mas ele era um ou dois centímetros mais baixo. No entanto, sua altura não diminuía seu poder onipotente que emanava dele quando Mitchell e eu demos um passo para trás.

“Andros.”

“Chefe.”

Nossas saudações vieram simultaneamente.

Ignorando, Mitchell, Andros voltou sua atenção para mim.

A camisa preta de botão que ele usava estava desabotoada na gola com as mangas arregaçadas até perto dos cotovelos e enfiadas na cintura de sua calça preta que cobria suas longas pernas. A cada passo à frente, seus olhos escuros sondavam meu olhar em busca de respostas que eu não poderia dar.

Ele chegou mais perto e mais perto até que estendeu a mão, segurando minha bochecha.

Minha vacilada foi involuntária, quase passando despercebida.

Quase.

Seu rosto se inclinou enquanto seu polegar corria suavemente sobre minha bochecha, inspecionando sua última marcação. “Mitchell, deixe-nos.”

Queria enviar a Mitchell um apelo silencioso para que ficasse.

Quão louco era eu o querer perto quando na realidade eu também o odiava?

Mesmo assim, não consegui desviar meu olhar de Andros. Fazer isso seria considerado uma refutação. Isso não ocorria em relação a Andros sem consequências. Eu poderia agradecer a Andros por minhas lições sobre como permanecer calma e indiferente. Eu as aprendi bem e elas me ajudavam no pôquer, assim como na vida cotidiana. A menor contração ou mudança de expressão pode ser facilmente mal interpretada. Discordar verbalmente seria ainda pior.

A porta do corredor abriu e fechou, apenas os ruídos audíveis me dando informações enquanto eu continuava olhando sem piscar para Andros Ivanov.

“Minha querida, o que você fez para ter medo de mim?”

Minha cabeça balançou. “Eu não estou com medo. Estou surpresa.” Era uma mentira descarada e nós dois sabíamos disso.

“Ah,” ele disse com um sorriso enquanto se inclinava mais perto e seus lábios tocavam minha outra bochecha. A combinação de café, uísque e colônia irresistível encheu meus sentidos. A mistura era um catalisador que aumentava o medo que borbulhava em meu estômago.

Exalando, dei um passo para trás e alcancei os botões do meu casaco. Meu tom era forçado de leveza. “O que o traz a Chicago?”

“Há negócios em andamento, mas nenhum tão significativo quanto você.”

Depois de removê-lo, coloquei meu casaco nas costas de uma das cadeiras. Quando o fiz, minha bolsa e telefone do outro lado do quarto chamaram minha atenção novamente. “É o...?” Eu balancei a cabeça em direção à mesinha de cabeceira. “...pensei que tinha perdido.”

“E ainda assim você não me contou.”

Casualmente, passei pela montanha de um homem e despreocupadamente abri a bolsa. Meu corpo inteiro relaxou enquanto eu trabalhava para abafar meu suspiro de alívio. Tudo estava como eu tinha visto pela última vez. O recibo, minha identificação, meus cartões de crédito e até mesmo o dinheiro estavam no lugar. A única coisa que faltava era o telefone, e ele não estava faltando, mas estava ao lado dela.

Soltei um suspiro e me virei para Andros. “Estava envergonhada. Eu disse que estava procurando por isso. Adormeci ontem à noite, nem mesmo percebendo que estava faltando, ou assim pensei. Onde...?”

“Estava aqui quando eu entrei. A bolsa estava na cama.”

“E você abriu?”

“Para verificar o seu telefone. Afinal, ele precisava ser carregado.”

“Sim,” eu disse com um aceno de cabeça. “Claro. Obrigada.”

“Diga-me, Madeline, você tem segredos dentro da bolsa ou talvez do telefone que você não quer que eu saiba?”

“Não, Andros. Como eu poderia ter segredos de você?”

“Isso é o que eu também me pergunto.”

Fiz um gesto ao redor do quarto do hotel. “Eu não tenho nada para oferecer a você, exceto água. Posso ligar para o serviço de quarto. Vinho? Algo mais forte?”

“Tão complacente.” Seu sorriso cresceu. “Você aprendeu bem o seu lugar. Não é mesmo?”

A condescendência em sua declaração aumentou meu desconforto. Era parte de seu jogo de poder. Felizmente, aprendi a jogar.

Erguendo meu queixo, encontrei seu olhar. “Sim, Andros. Você é um professor maravilhoso.” Quando o silêncio cresceu, perguntei: “Posso perguntar como...?”

“Nossa concentração está aqui com seu trabalho em mãos,” ele interrompeu.

“Sim, claro. Você vai ficar?” Olhei em volta. “Aqui?” Nossos olhares se encontraram novamente. “Comigo? Você veio para o torneio?”

“Eu não poderia ficar longe de você.”

Não tinha ideia do que estava acontecendo ou por que ele estava aqui, mas apostaria nisso tendo menos a ver com o desejo de estar perto de mim e mais com outra coisa — algo maior.

Não foi isso que Patrick disse?

Como Patrick poderia saber sobre Andros Ivanov?

Patrick.

Oh meu Deus!

A compreensão torceu uma faca em meu peito. Patrick não pegou minha bolsa. Eu pensei o pior dele — eu o acusei. Não admira que ele tenha ficado perplexo. Eu não conseguia pensar nisso agora.

Olhei de volta para Andros. “Então você vai ficar?”

“Aqui, não.” Ele olhou em volta com ar de superioridade.

“Há pessoas aqui — no torneio — que você deseja ver?” Eu não deveria perguntar, mas a curiosidade era difícil de ignorar. “Hillman ou Elliott?”

O queixo de Andros se ergueu. “Eu pensei que você não estava encantada. Isso não era verdade?”

Balancei minha cabeça. “Eu não estou.”

“Ainda assim, você menciona o nome dele. Diga-me, como posso confiar em você quando mentiu para mim sobre o telefone e a bolsa? Você disse que adormeceu e quando acordou achou que tinha esquecido em algum lugar. E quando eu entro, está aqui.”

“Não estava. Eu chequei.”

“Como isso iria desaparecer e reaparecer?”

“Não sei. Mitchell e eu pensamos que estava sumida. Ele me levou de volta ao clube para ver se estava lá. Chamamos a empresa de táxi.”

“Então Mitchell está envolvido em sua fraude?”

“Não, não é fraude,” corrigi. “Pedi a ele que me desse tempo. Eu não queria desapontá-lo.” Eu fui até a bolsa. Abrindo-a, retirei o recibo. “Estava com medo de que isso tivesse sumido. Sabia que você ficaria com raiva.”

“Remova seu suéter.”

Meus passos vacilaram para trás quando coloquei o recibo de volta na bolsa. “Desculpe?”

Seu queixo se ergueu, mas sua expressão era granítica e imutável. “Minhas ordens não requerem explicações nem contemplação.”

Eu levantei meus dedos para a fileira de botões que iam do decote à bainha. “Eu simplesmente não entendo.” Lágrimas picaram atrás dos meus olhos. O pavor que senti com sua chegada inesperada voltou à vida quando fiz o que ele alertou contra. Eu contemplei.

Quais eram seus planos?

Enquanto meus dedos começaram a se soltar, meus olhos se fecharam e considerei minhas opções. Não havia nenhuma. Eu não poderia escapar do quarto de hotel e definitivamente não de Chicago. Não importaria se eu pudesse. Eu não faria isso e Andros sabia disso.

Puxando o comprimento da cintura da minha calça, expus meu sutiã.

Eu estava expondo mais?

Havia sinais visíveis da minha união com Patrick na noite passada?

Não pude pensar nessa possibilidade enquanto removia o suéter e o colocava sobre a cama.

“Amável.” O elogio de Andros transbordava de uma doçura sacarina e artificial. “Gire.”

Uma inspiração. Eu engoli e obedeci.

Quando fiz um círculo completo, ele falou novamente. “Tsk. Isso não vai dar certo. Tire o sutiã também.”

“Andros... por favor. Eu não sei o que você quer.”

Em dois passos ele estava na minha frente, olhando para baixo. “Mas você sabe. Eu te disse.”

Meus dedos se atrapalharam com os fechos nas minhas costas. Desabotoei os fechos e comecei a puxar as alças dos ombros e dos braços. Uma vez que estava livre, Andros o pegou da minha mão e inspecionou a renda. Eu queria perguntar o que ele estava fazendo e por que estava fazendo isso.

Eu não fiz.

“Você é uma mulher linda, Madeline. Não admira que Marion Elliott esteja interessado.”

Sabendo melhor do que me cobrir, mantive meus braços ao lado do corpo. “Eu não estou. Não estou interessado em Marion Elliott. Por favor acredite em mim.”

“O que aconteceu com a sua bolsa?”

Minha pele estava agora arrepiada quando o timbre de Andros desacelerou. Era um precursor sinistro que aprendi a prestar atenção. “Não sei. Juro. Procurei por ela esta manhã quando Mitchell me acordou. Eu não consegui encontrar. Não havia outra explicação além de que eu tinha perdido na noite passada. Fomos ao clube. Falei com a Veronica. Você pode perguntar a ela. Eu estava lá. Estava preocupada com o recebimento das fichas e meu lugar no torneio se a bolsa não pudesse ser encontrada. Ela me forneceu um novo recibo. Está no bolso do meu casaco. Eu posso mostrar para você.” Minhas frases vinham cada vez mais rápidas à medida que cada uma deixava meus lábios.

Eu me virei para a mesinha de cabeceira. “Talvez...” procurei por qualquer possibilidade. “Talvez a empregada tenha encontrado quando limpou o quarto.” Meus olhos se arregalaram. “Sim, isso faz sentido. Pensei ter procurado minuciosamente, mas talvez não o fiz. Talvez tenha caído. Sim, embaixo da cama. Eu estava muito chateada para verificar tão detalhadamente quanto deveria. Está aqui. Isso é tudo que importa.”

Andros se aproximou, seu olhar novamente focado no meu. As pontas de seus dedos contornaram minha bochecha, enviando calafrios pela minha espinha. Os calafrios correram como minúsculos insetos evitando uma ameaça conhecida. Seu toque continuou a se mover, pelo meu pescoço e ombro. De repente, seus dedos se entrelaçaram no comprimento do meu rabo de cavalo e puxaram minha cabeça para trás. O teto desapareceu quando seu rosto se materializou a centímetros do meu. “Isso é tudo o que importa?”

“Não”, consegui responder. “Lamento não ter encontrado a bolsa.” Lágrimas agora escapavam dos meus olhos. “Andros, por favor. Eu tenho o torneio.”

“É verdade.” Sua mão livre foi novamente para minha bochecha. “Talvez não faça um lembrete tão visível de quem você pertence.”

“Eu não preciso de um lembrete. Tenho estado aqui como você disse e com Mitchell. Que conheço.” As palavras reviraram meu estômago quando outro nome veio à mente, um que tentava esquecer sem sucesso. Era o nome de um homem que não precisava mostrar sua força de maneiras como essa.

“Diga-me.”

“Você. Andros. É você.”

Ele soltou meu rabo de cavalo, dando alívio imediato ao meu couro cabeludo.

“Vire-se, Madeline. Eu quero suas mãos na cama.”

O alívio evaporou quando obedeci, minha mente com uma mistura do que estava por vir. Meus seios estavam expostos, mas eu ainda estava de calça e botas. Ele não me instruiu a removê-los. Isso não era sexo.

Ou talvez?

Minha respiração parou e o sangue gelou quando ouvi Andros soltar o cinto.

“Dói em mim precisar fazer isso.”

Minha cabeça caiu para frente enquanto me preparava para o que estava por vir.

“Sua calça.”

Endireitando-me, meus dedos tremeram quando abri o cinto fino e o botão e abaixei o zíper. Antes delas caírem, eu olhei para cima. “Andros, por favor.” Foi então que percebi que seu cinto estava em suas mãos, totalmente removido das alças, mas sua calça ainda estava fechada.

Por mais louco que parecesse, houve um alívio instantâneo saber que isso não seria sexo.

Teria sido?

Sexo era consensual. O que quer que Andros planejasse, era sobre poder. O estupro também tinha a ver com poder.

Virei-me e coloquei minhas mãos de volta na cama, permitindo que a calça caísse no tapete, revelando minha calcinha enquanto eu orava por uma chicotada.

Quem faz isso?

Quem eu me tornei?

Um era suportável.

“Seis”, sua frase de uma palavra causou arrepios na minha espinha.

“Seis?”

“O número de chamadas perdidas.”

O conhecimento aumentou meu medo.

Seis.

Posso aguentar isso?

Eu tinha, mas não antes de uma aparição pública.

Prendi a respiração, meus músculos ficando tensos, mesmo sabendo que a tensão tornaria tudo pior.

Meus olhos se fecharam e o lábio desapareceu entre os dentes enquanto me preparava para o ataque. Eu não imploraria mais. Não demonstraria a emoção que ele buscava. O poder de Andros não era inato; as pessoas davam a ele submetendo-se às suas demandas. Eu dei a ele tudo que pude. Não sobrou nada. Eu me preparei.

O silêncio prevaleceu. Até que foi cortado pelo apito de uma fração de segundo. Meu corpo ficou tenso.

O couro pousou na cama perto da minha mão.

“Levante-se, Madeline.”

Com todo o meu corpo tremendo, eu me levantei. Desta vez, ele segurou meu queixo enquanto seu polegar enxugava as lágrimas de ambas as bochechas. “Eu acredito em você.”

“Oh...” soltei a respiração que estava prendendo.

Sua mão pousou no meu ombro. “Hoje à noite... você vai responder.”

Não foi uma pergunta; no entanto, respondi: “Sim, Andros, vou responder.”

Seu toque desapareceu. “Vista-se.”

Assentindo, peguei meu sutiã. Enquanto eu me atrapalhava novamente com meus dedos trêmulos, Andros bateu em meu ombro, me virando e prendendo as travas. “Obrigada,” eu sussurrei.

“Sua honestidade mereceu sua prorrogação.”

Eu puxei minha calça e comecei a abotoar o suéter.

“E Mitchell, por seu papel?” Ele perguntou.

“Você está me perguntando?”

“Sim, meu querido. Se a culpa não é sua, onde ela está?”

“Não com ele.” Eu não pude acreditar em minhas palavras. Menos de vinte e quatro horas atrás, eu mesma ameacei matá-lo e agora o estava defendendo. “Eu antes dele,” disse, fingindo uma força que sabia que estava perdida. “Pedi a ele tempo para encontrar para evitar decepcionar você. A culpa é minha.”

Coloquei o suéter de volta na calça e apertei o cinto. “Obrigada por acreditar em mim.”

“Eu tenho um trabalho para você. Diga-me que não vai me decepcionar, de novo não.”

“Não, claro, Andros. Eu farei o que você quiser.”

“Muito bem. Mandarei entregar comida. Tome um banho e se prepare para o torneio.”

Andros foi até meu armário e abriu as portas. Ao fazer isso, a luz dentro dele brilhou na prateleira. Ele cantarolava alto enquanto sua grande mão roçava os vestidos dentro, todos muito caros e comprados com seu dinheiro. Pegando um comprido de seda preta com as etiquetas ainda presas, ele o removeu do armário.

“Isso vai servir.”

Eu só usei-o uma vez. Era uma das modas mais procuradas dos últimos tempos. Peguei o cabide, lendo a etiqueta: Sinful Threads. Eu não disse uma palavra enquanto corria minha mão sobre a seda luxuosa.

“E seu cabelo, prenda-o. E as joias de esmeralda...” Ele ergueu meu queixo. “Sim, vai combinar com seus olhos.”

Meus nervos estavam à flor da pele enquanto tentava suprimir minha apreensão. “O que você quer que eu faça?”

“Quem, minha querida. Novas informações vieram à tona. A questão não é o quê, mas quem.” A ponta do dedo dele veio aos meus lábios. “Eu quero que você seja você. Este será o seu favor para mim. Isso funcionará em meu benefício.” Novamente ele acariciou minha bochecha. “Ele não será capaz de tirar os olhos de você.”


PATRICK

 

Assim que entrei no Club Regal, pela primeira vez desde que vi Madeline ontem à noite, minha mente não estava nela, mas no trabalho em questão. Eu concordava com Sparrows — havia algo crescendo que precisava ser reprimido.

Dito isso, eu não estava feliz em passar minha noite contando cartas e calculando as probabilidades. Isso não seria tudo o que eu faria. Eu também observaria meus oponentes. A forma como o torneio funcionava era o avanço advindo de ganhos, não brutos, mas líquidos durante a noite. A pilha inicial era subtraída no final do jogo.

Eu poderia ganhar todos os potes em minha mesa designada e ainda assim não me qualificar. Os ganhos acumulados tinham de ser substanciais para se classificar em uma das dezoito primeiras posições da noite.

A cada noite recomeçava.

Sim, eu começaria com uma pilha substancial de fichas, como todos os outros. O que importava era a diferença no final da noite. Eu não tinha certeza da quantidade de ganhos que Madeline havia acumulado na primeira noite. Quando um número suficiente de jogadores termina no vermelho, mesmo uma pequena margem de lucro pode ser suficiente.

Isso era o que eu estava procurando esta noite — o suficiente.

Disse a mim mesmo que o jogo desta noite era apenas o primeiro passo. Eu precisava vencer o suficiente para chegar aos dezoito primeiros lugares e, sendo egoísta ou não, eu não estava preocupado. Minha preocupação estava focada em outro lugar.

Hillman especialmente.

Seria interessante ver como Antonio reagiria à minha presença, não apenas como uma figura de supervisão, mas como um concorrente. Eu não me importava com como ele ou qualquer outra pessoa se sentia. Não estava aqui para fazer amigos.

Isso não era totalmente verdade. Eu me preocupava com Madeline, e pelo nosso breve encontro no início desta tarde, eu sabia que ela não estava feliz.

O que não consegui entender foram seus comentários sobre suas fichas.

Eu tinha muitas coisas a encarar. Isso não significava que eu não aprenderia mais esta noite. Se não descobrisse minhas respostas aqui no clube, eu com certeza descobriria hoje à noite em seu quarto de hotel. Eu ainda tinha a chave dela e planejava usá-la.

Nós dois precisávamos conversar e eu precisava de respostas.

Depois de deixar meu casaco na chapelaria, ajustei meu paletó e gravata e entrei no Bar Regal. Perto do centro dos espaços conectados, um homem em um smoking fazia cócegas nas teclas do piano de cauda enchendo o ar com melodias. A música era sutil, mas ao mesmo tempo animada, o pano de fundo perfeito enquanto as festividades da noite aceleravam. Nem todos os presentes estavam aqui para o torneio. Não, o Bar Regal, bem como a sala de charutos e o restaurante estavam lotados. Afinal, era sexta à noite.

“Sr. Kelly”, uma voz de mulher veio atrás de mim.

Virando-me, sorri quando um dos gerentes esforçados do Club Regal veio em minha direção. “Srta. Standish. É bom ver você.”

Ela se inclinou e beijou minha bochecha. Educadamente retribuí o gesto. Embora ela fosse uma mulher mais velha do que eu, ela era atraente com seu cabelo loiro curto e maçãs do rosto excepcionalmente altas. Ela também era vital para o funcionamento deste clube.

“Sr. Kelly, por favor, me chame de Verônica.”

“Verônica,” eu repeti, não oferecendo a ela a mesma informalidade. Como parte do regime superior de Sparrow, a formalidade tinha seu lugar.

A expressão dela ficou séria. “Quero que saiba que não tenho nenhuma má vontade quanto à sua entrada no torneio.”

“Isso é bom de ouvir.” Eu não tinha certeza de por que ela faria. Afinal, Hillman teve a oportunidade. Em vez de dizer isso, acrescentei: “Sei que é incomum.”

Ela forçou um sorriso. “Criar esta situação foi obra nossa, não sua. Abrimos a porta. Só espero que não tenha uma repercussão negativa no Club Regal quando for a hora de fazer lances em torneios futuros. Tenho certeza de que o Sr. Sparrow não ficaria feliz se não conseguirmos atrair os grandes apostadores.”

“Verônica, ficarei feliz em informá-lo de sua preocupação. Já que minha entrada no torneio foi ideia dele, tenho certeza que ele não se importará que você questione suas decisões.”

“Não,” ela respondeu rapidamente. “Isso não é...” Sua mão veio para a minha manga. “Eu respeito as decisões do Sr. Sparrow, assim como o Sr. Beckman. Não estou preocupada com sua entrada.”

Com a de Hillman?

Por quê?

Olhei por cima da cabeça dela e ao redor, me perguntando se estávamos sendo ouvidos. “Se você tem algo a me dizer, algo que você acredita que o Sr. Sparrow deveria saber, fique à vontade.” Eu me inclinei mais perto. “Talvez um local mais privado seja recomendado.”

Ela balançou a cabeça enquanto seus lábios franziam. “Eu não tenho mais nada a dizer. Como está, eu falei demais. Confio em você, no Sr. Sparrow, e em seus associados para consertar as coisas, para manter as coisas como estão. Tem sido boas desde...”

“Veronica”, disse Ethan Beckman com entusiasmo exagerado ao se juntar a nós dois. “Sr. Kelly, bem-vindo.” Por apenas um microssegundo, ele lançou a Verônica um olhar silencioso antes de gesticular gratuitamente ao redor do bar. “Por favor, Sr. Kelly, relaxe antes do torneio. Jante, beba ou o que você quiser, fica por conta da casa. Nada além do melhor para ajudar a acalmar os nervos. Esperamos que você aproveite seu torneio esta noite.”

“Obrigado,” eu disse. “Meus nervos estão bem. Entretanto, em se tratando de hospitalidade, a Srta. Standish tinha acabado de me oferecer o mesmo.”

“Ela fez?” Ele perguntou, olhando entre nós dois.

Um garçom passou com um prato de camarões fumegantes. “Sim”, continuei, “ela estava me contando sobre o camarão scampi.” Eu abaixei minha voz. “Estou morrendo de vontade de saber o ingrediente secreto, mas parece que ela não vai me dizer. Terei que experimentar e ver se consigo descobrir por mim mesmo.”

“Sim, você deve,” Verônica disse com um aceno de cabeça.

A cabeça de Beckman balançou. “Muito bem. Eu não queria interromper vocês dois.”

“Não, de jeito nenhum”, respondi. “Como eu disse, estou ansioso para comer algo antes que a verdadeira diversão comece.”

Beckman gesticulou novamente em direção ao bar, onde havia alguns lugares vazios. “Você é bem-vindo para se sentar no bar, ou se preferir, Sr. Kelly, terei o maior prazer em lhe garantir uma mesa na churrascaria.”

“O bar está adequado”, eu disse.

Ele caminhou comigo até um banquinho vazio e acenou para o barman. “Queremos te fazer feliz.”

“Obrigado, Beckman. Estou confiante de que você vai.”

Não era minha felicidade que ele estava preocupado. Era de Sparrow.

Respirando fundo, me sentei em um banquinho não muito longe de onde eu estava hoje.

“Sr. Kelly”, disse o barman, um jovem. “O que podemos fazer por você esta noite?”

Antes que eu pudesse responder, meu interesse foi desviado para uma mesa alta na sala ao lado, perto do piano. Não foi a mesa ou mesmo o piano que exigiu minha atenção. Foi a presença da mulher mais bonita que conheci ou irei conhecer. Em sua mão estava uma taça de vinho branco. O vestido desta noite era preto, elegante e brilhante como seu cabelo. A forma como o vestido abraçava suas curvas era vagamente familiar. Não era o vestido, mas a pessoa por baixo que me encantava.

Eu segurei aquelas curvas na noite passada. Simplesmente pensar nisso fez minha circulação redirecionar.

Não era a hora nem o lugar.

No entanto, eu não conseguia desviar o olhar. Como uma modelo em uma passarela, ela tinha minha atenção completa. Seu cabelo escuro como um corvo não estava solto como na noite anterior, mas empilhado no topo de sua cabeça com cachos perto de suas bochechas. Em torno de seu pescoço estava um grande colar, o suporte feito de um metal escuro e as pedras esmeraldas brilhantes. Complementava seu vestido e exibia seus olhos verdes vibrantes.

Ampliando meu foco, notei o homem ao seu lado. Eu o reconheci do jogo de ontem à noite.

Por que Madeline estava bebendo com Marion Elliott?

“Sr. Kelly?”, o barman repetiu, “posso pegar uma bebida para você?”

“Blanton's, puro.”

“Muito bem. Você gostaria de mais alguma coisa?”

A beleza de cabelos negros ao lado do piano. Eu não disse isso. “Ouvi coisas maravilhosas sobre o seu camarão scampi. Eu gostaria de uma salada primeiro com o molho da casa.”

Depois de fazer meu pedido, descobri que minha atenção foi atraída de volta para Madeline e sua companhia, Marion Elliott. Enquanto minha mente se enchia de mais perguntas, tive uma compreensão total. Marion Elliott estava no radar do Sparrow. Madeline estar com Elliott a colocaria no mesmo radar. Era um lugar que eu não queria que ela estivesse.

Madeline era uma jogadora, uma jogadora de pôquer. O que quer que estivesse acontecendo não a envolvia. Não poderia.

Utilizando o reflexo do grande espelho atrás do bar, procurei pelo espaço por Mitchell Leonardo. Eu não tive a oportunidade de pesquisá-lo, não com os outros no andar 2. No entanto, meu instinto me disse que ele estava presente para cuidar de Madeline. Embora eu também tivesse a sensação de que ela não era uma de suas maiores fãs, ele parecia ter um trabalho com ela.

Onde ele estava e por que não estava parado enquanto Madeline se fazia de simpática para um dos maiores apostadores do mundo do pôquer?

Uma confusão veio da entrada, chamando a atenção de todos.

O filho da puta não estava tentando se esconder.

Enviei uma mensagem para Mason.


HILLMAN CHEGOU.


MADELINE

 

Meu olhar passou das cinco cartas em minha mão para os outros cinco jogadores. Havia apenas um jogador da minha mesa de ontem à noite, Sr. Daniels. Eu fiz minha pesquisa e o achei pessoalmente tão chato quanto seu perfil online. Eu também não o considerava uma grande ameaça.

Os outros quatro jogadores eram novos para mim, pessoalmente. Eu sabia de cor seus perfis online. Porém, era pessoalmente que me dava a vantagem. Em nosso curto tempo de jogo, eu estava decifrando os jeitos de meus oponentes mais novos. Garcia, um empresário local, tomava um gole de rum e coca toda vez que não tinha certeza. Uma mão boa e seu copo permanecia intocado. O Sr. Robertson, que havia viajado da Inglaterra, onde possuía fábricas no valor de bilhões, era mais sutil. Ele tinha um ligeiro balanço para a esquerda quando as cartas caíam da maneira que ele queria, ao contrário de sua total imobilidade quando isso não acontecia. Restava o Dr. Bolton, um médico da Costa Oeste. Alguns poderiam considerá-lo um maníaco, um jogador que faz muitos lances e apostas hiperagressivas. Eu não tinha decidido se ele era um bom jogador ou simplesmente um jogador de coração.

O importante era que a pilha de fichas diante de mim estava crescendo.

Eu mudei minha estratégia na noite passada. Durante nossas bebidas, Marion Elliott mencionou como outras pessoas estavam falando sobre a senhorita com uma reputação maior do que merecia. Isso não me incomodava. Deixe todos eles me subestimarem. No entanto, se eu fosse jogar com os meninos grandes no sábado à noite, precisava da pilha alta, os ativos que vinham com os fundos acumulados.

Manter o status quo pode ter me permitido passar pela primeira classificatória, pode até fazer na de hoje. No entanto, se eu continuasse com essa estratégia e continuasse a avançar, na rodada final não teria o poder de aposta para ganhar. Nem é preciso dizer que cada um dos seis jogadores finais entraria em jogo com uma grande pilha de fichas.

As bebidas do pré-torneio renderam outras informações interessantes. Marion encerrou o jogo da noite anterior com mais de duzentos mil, mais de 150 a mais do que eu. Ele não mencionou isso como uma forma de se vangloriar, mas de forma mais casual, como se estivesse surpreso que os pequenos ganhos daquela noite o tivessem levado ao primeiro lugar.

Ele, brincando, acusou a mim e a outros de fazer jogos lentos. Enquanto eu ria disso, era exatamente o que estava fazendo. Não estou mais.

A aposta atual veio para mim. A aposta tinha sido de cinco mil e assim era a primeira aposta. Eu poderia pagar cinco mil. Ainda tínhamos nossos cinco cartões originais; ainda havia um empate por vir.

Marion Elliott não acumulou duzentos mil com apostas minúsculas de $ 5.000. Era hora de melhorar meu jogo.

Abrindo um sorriso, movi meu olhar ao redor da mesa.

A mão que recebi era fraca, mas como com qualquer outra, havia potencial:

7, 8, 8, J, Q

As probabilidades me diriam para manter o par de oitos. Poderia ser o suficiente. Talvez com uma troca de três cartas eu pudesse conseguir outro par ou talvez um terceiro oito. A jogada mais arriscada era desistir do sete e do oito e torcer para uma sequência. Eu precisaria de um nove e um dez.

Eu empurrei cinco fichas para o crupiê e acenei para o Dr. Bolton, que havia feito a primeira aposta. “Eu pago seus cinco.” Movi mais dez fichas. “E aumento dez para você.”

“Quinze mil antes da troca de cartas?” Sr. Robertson perguntou com desdém. “Uma saudação para a senhorita.” Ele despejou dez mil no pote. “Eu pago.”

Era uma observação depreciativa, insinuando que eu estava jogando de forma selvagem ou imprudente. Sem dúvida, ele acreditava que isso me tiraria do jogo. Pelo contrário, sorri, esperando fazer o mesmo com ele.

Os próximos dois jogadores desistiram.

Veio o Sr. Garcia. “Eu te vejo na troca de cartas.”

Agora era a hora da verdade. “Cartas?” O crupiê perguntou.

Tirar apenas duas daria a ilusão de um trio. No entanto, eu não estava aqui para blefar e chegar à mesa final. Tirei o 7, o J e o Q, colocando-os voltados para baixo, e disse: “Três.”

O aceno de cabeça do Sr. Robertson não passou despercebido.

Não revelei as novas cartas enquanto a troca circulava pela mesa. O Sr. Robertson pegou duas. Era o Sr. Garcia quem chamava minha atenção.

“Estou bem.” Ele ficaria com suas cinco cartas distribuídas.

Porra.

Em que ele estava sentado?

Colocando as três cartas adicionais em minha mão, comecei a abri-las.

8 e 8, as cartas que retive.

9

Merda.

Essa teria sido a primeira para a sequencia.

9

Eu permaneci calma. Dois pares eram uma boa mão. Normalmente, era. No entanto, normalmente um jogador pede pelo menos uma carta. O Sr. Garcia não pediu.

A carta final.

8

Tinha um full house.

“Srta. Miller, acredito que como a última a aumentar, a aposta é com você”, disse o crupiê.

Olhei para o Sr. Robertson, que acabara de baixar seu copo de rum com coca. Ele não era minha preocupação. Sorrindo em direção à mesa, coloquei as fichas apropriadas. “Aposto dez.” Isso daria mais dez mil. Com minha aposta atual, o pote estava em $ 110 mil.

O Sr. Robertson foi o primeiro a se retirar. “Vou esperar por outra mão”, disse ele, colocando as cartas viradas para baixo na mesa. “Eu desisto.”

“Sr. Garcia”, encorajou o crupiê.

Lentamente, ele empurrou mais dez mil para o centro da mesa. “Eu não sou um homem egoísta, Srta. Miller, apenas um curioso. Eu cobrirei seus dez.”

Isso significava que eu tinha que mostrar minhas cartas. A negociação e as apostas foram feitas.

“É uma pena que você não pressionou por mais,” eu disse com um sorriso enquanto mostrava meu full house. “Oito sobre nove.”

“Bem feito.” Um por um, ele revelou suas cartas. Um valete, e outro. Um rei e outro. A mesa respirou coletivamente enquanto esperávamos. Mais um de qualquer um e eu estaria derrotada.

Sua última carta era um ás.

Recolhendo meu pote, eu balancei a cabeça. “Um kicker.”

“Você nunca sabe”, disse ele com um encolher de ombros.

Eu deveria estar considerando o que estava acontecendo nas outras mesas. Eu deveria ter me perguntado por que Andros mudou de ideia sobre Elliott. E por que ele queria que eu o encontrasse para bebidas antes do torneio. Eu deveria ter me perguntado sobre Patrick. Deus sabe que o vi entrar. Eu até o vi momentaneamente no Bar Regal antes do torneio. No entanto, com o Sr. Garcia olhando para mim através do feltro, concentrei-me no que sabia.

Concentrei-me nas cartas.

Mais uma vez, cheguei ao fim da noite. Meus ganhos foram consideravelmente maiores do que na noite anterior. Quando o crupiê me entregou meu novo recibo, li os ganhos: $ 510.000. Eu poderia sair esta noite com mais da metade do jackpot. Ou poderia continuar a aumentar meus ganhos e sair com eles mais o jackpot.

Não que eu fosse embora com nada disso. Pertenceria a Andros.

Meu olhar pegou o de Mitchell enquanto ele estava no mesmo lugar que esteve na noite anterior. Eu balancei a cabeça quase imperceptivelmente, mas o suficiente para ele ver. Eu examinei o perímetro — as pessoas assistindo, não aquela parte do torneio. Para minha surpresa, Andros não estava lá. Eu não o via desde que ele saiu do meu quarto de hotel depois de proferir minha sentença, indulto e instruções.

Ele havia divulgado que estava hospedado na Palmer House, na suíte executiva. Ele me disse para não esperar vê-lo novamente esta noite ao mesmo tempo, para não ficar surpresa se eu o visse. Eu lhe disse que quando ele ligasse, eu atenderia e entregaria um relatório completo.

“Amanhã à tarde, o campo estará definido para dezoito”, a casa anunciou enquanto a sala ficava mortalmente silenciosa. Desta vez, eles começaram no final da lista. “Número dezoito...”

Quanto à nossa mesa, eu estava confiante de que estava logo atrás do Sr. Garcia ou logo à frente. À distância, nossas pilhas pareciam em pares. Dependeria do que cada um de nós trouxe para a mesa.

Os números continuaram.

“Número dez, Sr. Patrick Kelly.”

Respirei fundo. Ele se qualificou. Eu não tinha certeza se a notícia me deixava feliz ou triste.

“Número nove, Sr. Adam Garcia.”

Balancei a cabeça para meu companheiro de mesa. Éramos os únicos em nossa mesa a avançar.

“Parabéns”, sussurrou o Sr. Robertson.

“Número oito, Srta. Madeline Miller.”

Meus pulmões se encheram de ar com a confirmação.

Mais números.

“Número quatro, Sr. Antonio Hillman.”

Estiquei o pescoço para ver esse homem, aquele que Andros havia mencionado. Eu não poderia, não completamente. A visão estava obstruída. No entanto, uma mesa à minha direita o estava parabenizando.

Três.

Dois.

“Número um, Sr. Marion Elliott.”

Seu nome trouxe um sorriso aos meus lábios. Eu não estava feliz por ele. Estava grata.

Oitavo não me levaria ao jogo final. Apenas os seis primeiros conseguiriam. Felizmente para mim, todos nós começamos no marco zero, nosso único elemento diferente, o estoque de dinheiro disponível. O meu cresceu consideravelmente e como todos os outros, tinha mais uma rodada para subir pelo menos duas posições.

Mitchell apareceu com meu casaco. “Srta. Miller...”

Antes que ele pudesse terminar, Marion estava ao meu lado. “Madeline, devemos comemorar.”

O olhar azul a algumas mesas de distância me fez hesitar, mas apenas por um momento. Quando voltei minha atenção para Marion, levantei minha mão para a dele e disse: “Precisamos.”


PATRICK

 

O sangue subiu ao meu rosto, aquecendo minha pele, enquanto eu observava Madeline colocar sua mão na de Elliott.

“Sr. Kelly”, disse o crupiê, interrompendo meus pensamentos, “aqui está o seu recibo. Parabéns, senhor, pelos seus ganhos.”

“Obrigado,” eu murmurei enquanto Madeline se levantava e movia sua mão para o braço dobrado de Elliott. Nesta sala de homens, ela era um farol de luz. O colar em volta de sua garganta brilhava como as joias da coroa da rainha em uma caixa de vidro em exibição.

Uma grande mão pousou no meu ombro. Eu me virei para ver Mason parado ao meu lado. Um homem alto, ele poderia parecer ameaçador quando necessário. Esta noite ele fez o que disse e se limpou, parecendo quase refinado. Seu cabelo comprido estava preso em um rabo de cavalo curto na nuca. O terno que ele usava era personalizado, tão bonito quanto o meu ou melhor. As pontas de suas botas de cowboy me fizeram sorrir. Só porque não eram mocassins italianos não significava que ele não tivesse gasto uma fortuna com elas. Isso significava que, quando se tratava de Mason, conformar-se não era o seu jeito.

“Você viu alguma coisa?” Perguntei.

“Sim. Dinâmica interessante. Tenho algumas teorias.”

A sala ao nosso redor estava começando a ficar vazia. Madeline e Elliott não estavam mais presentes, como a maioria dos jogadores. Uma exceção era Antonio Hillman e sua comitiva. Eles foram alguns dos poucos remanescentes. Levantei-me para colocar meu paletó de volta, aquele que tirei durante o jogo. Enquanto estava ombro a ombro com Mason, fechei um botão. Olhando para cima, peguei o olhar do homem que fomos enviados para assistir.

“É uma pena que os padrões do clube tenham caído”, disse Hillman, olhando em nossa direção. “Houve um tempo em que isso nunca teria sido aceito. Se você me perguntar, eles precisam de um exterminador para livrar o lugar dos pássaros. Animais imundos.”

Seria muito fácil morder sua isca. O refinamento era uma arma contra a qual homens como Hillman eram incapazes de lutar ou de fazê-lo.

“Hillman,” eu disse, ficando de sete a dez centímetros mais alto do que ele. “O único padrão que questiono é a sua presença. Eu acho que você deveria estar preocupado com a ótica, voltando para a cena do crime e tudo.”

Ele zombou. “Não parece detê-lo. Além disso, estou aqui para o torneio. Não há nada de ilegal nisso. Não tenho outros objetivos.”

“Um homem tão simples”, disse Mason. “Suponho que vários objetivos estariam acima do seu nível de habilidade.”

“Os rumores são verdadeiros”, disse Hillman, olhando Mason de cima a baixo. “É você mesmo.”

“Eu sou eu”, disse Mason.

“Você sabe o que não é verdade?” Hillman perguntou.

Não respondemos.

“O velho ditado que diz que você não pode matar o que já está morto.”

Ele estava novamente nos provocando, ameaçando Mason.

“Experimente,” disse Mason, com uma calma mortal.

Hillman voltou-se para seus quatro capangas. “Isso é chato. Se a memória não me falha, há um clube não muito longe que meu pai frequentava. Oferecia uma grande variedade de prazeres, todos os sabores, loira, morena e ruiva.” Todos os seus homens riram. Hillman se voltou para mim. “Certamente o Sr. Bonzinho não livrou a cidade de toda a sua diversão.”

“Ele redefiniu os limites. A diversão deve ser consentida e ser maior de idade.” Eu concordei. “Quebre essas regras e saberemos. Você está em nossa cidade.”

“Aproveite a ilusão.” Com isso, ele se virou, seus homens seguindo um de cada lado e dois atrás. Formação clássica.

E ele nos chamou de pássaros.

Tirei meu telefone do bolso. “Eles estão indo para o McIver's.”

“No topo do prédio acima do restaurante italiano”, disse Mason em confirmação enquanto eu enviava a Reid uma mensagem de texto sabendo que ele teria o lugar coberto com Sparrows.

“Odeio aquele lugar,” sussurrei depois que minha mensagem foi enviada e coloquei meu telefone no bolso.

“Sim, depois do que você disse que aconteceu com Araneae lá, estou surpreso que Sparrow não o incendiou.”

A esposa do chefe foi envenenada lá antes de se tornar sua esposa. Na verdade, na época, ela era... bem, era difícil definir.

“É esse o problema”, eu disse, “Ao contrário daqueles idiotas, Sparrow vê o quadro maior. A cidade deve funcionar. Ele não está tentando impedir isso. Ele apenas garante que isso seja feito em seus termos. Além disso, as partes culpadas nesse incidente foram identificadas e tratadas em conformidade. Não há necessidade de queimar a cesta inteira por causa de algumas maçãs podres.”

Maçã.

A tatuagem de maçã vermelha perfeita veio à mente.

“Sr. Kelly, Sr. Pierce, devemos trancar a sala.”

Mason e eu assentimos enquanto saíamos para o patamar quase vazio.

“Você se saiu bem esta noite”, disse Mason. “Dez melhores. Eu estava assistindo a todas as cinco mesas. As apostas estavam ficando cada vez mais altas. Há muito dinheiro naquela sala.”

“Você acha que é disso que se trata, o dinheiro? Você acha que o torneio é tudo o que está acontecendo, que é o panorama geral, ou você acha que é um estratagema?”

“Eu acho que tem mais. É uma parte, mas não a imagem completa. Mesmo que seja um estratagema”, disse Mason, “é uma peça do quebra-cabeça.”

Seu comentário me lembrou do que Veronica Standish havia dito. Tive a sensação de que ela estava tentando me dizer algo. “Acho que quero rastrear Veronica Standish.”

“Por que?”

Dei de ombros. “Instinto, cara.”

“OK.” Ele olhou ao redor. Com exceção de alguns funcionários do Club Regal que passavam, estávamos agora sozinhos no corredor do segundo andar. “Hillman é um asno e um showman. Ele era maníaco em seus jogos. Grandes apostas. Grandes vitórias e derrotas, tudo com talento.”

“Ele quer que nós o vigiemos.”

“O que levanta a questão, por quê?” Mason disse. “A maneira como ele está comandando os holofotes parece que, em vez de liderar, ele é uma distração para outra pessoa.”

“Elliott?”

“Até agora não encontramos nada que indique que ele é mais ou menos do que parece, um velho estereotipado do petróleo do Texas. Fiquei surpreso ao vê-lo sem um chapéu de dez litros. Não estou dizendo que nossa pesquisa fez parecer que ele é um menino do coro. Ele já existe há muito tempo. Ele está mergulhado até o pescoço em negócios sujos e imundícies, tudo em nome da busca pelo sonho americano.”

“Funcionou bem para nós”, eu disse. “Não sou de julgar.”

“Ele é um monte de merda com emissões e direitos de perfuração. Ele untou as mãos de muitos políticos e tem o dinheiro para mostrar isso.”

“McFadden?” Eu perguntei.

Antes de cair em desgraça, Rubio McFadden era senador. Primeiro um senador estadual e depois ele foi para o Senado dos Estados Unidos. Sua ambição era a Casa Branca. Mesmo sendo de Illinois, isso não significa que não tenha influenciado votos que poderiam ter beneficiado Marion Elliott.

“Eu poderia enviar essa teoria para Reid”, disse Mason, olhando para o relógio, “e ficar aqui com você.”

“Não há necessidade. Hillman se foi. Aposto que Reid já o rastreou nas câmeras de trânsito. Talvez o de McIver fosse outra distração. Reid saberá para onde Hillman vai e enviará os Sparrows apropriados. Isso deixa Elliott.” Que foi visto pela última vez com minha esposa. “Vou ficar por aqui e ver o que acontece. Vou procurar a Srta. Standish e cuidar de Elliott. Você pode ir para casa.”

“Meu trabalho é aqui com você.”

“Eu não preciso de uma babá. Está tarde.” O torneio encerrou o jogo às onze horas. “Vá para casa. Em vez de entregar a missão a Reid, você pode verificar qualquer conexão McFadden-Elliott e, quando estiver satisfeito, engatinhar na cama com sua esposa. Amanhã é outro dia.”

Estávamos agora caminhando em direção à escada.

“Você barganha muito bem.”

Na verdade. Eu planejava dormir com minha esposa também. Eu não disse isso.

“Se você descobrir mais alguma coisa, não importa o quão tarde, envie uma mensagem”, disse Mason.

“Vou fazer.” Esperei enquanto ele pegava seu casaco externo da chapelaria. Depois que ele saiu, me virei para o Bar Regal. “Onde você está, Sra. Kelly?”


MADELINE

 

Era quase uma da manhã quando Mitchell me levou ao meu quarto de hotel. Como na noite anterior, as cortinas estavam fechadas, as luzes acesas e minha cama estava arrumada com uma bala de menta verde no travesseiro. Ao contrário da noite anterior, a primeira coisa que fiz esta noite foi conectar meu telefone no carregador e verificar se o toque estava ligado. Eu estava pronta para receber minha ligação de Andros.

A experiência era uma educadora rigorosa. E embora eu não estivesse evitando cometer erros, raramente os repetia. Se a vida no mundo de Andros era minha professora, eu era sua pupila estrela.

A verdade é que eu tinha coisas para contar a ele. Embora não tivesse dúvidas de que Mitchell já havia relatado meu avanço no torneio, queria dar a ele os detalhes. Eu estava orgulhosa de meus ganhos até agora.

Passar do décimo nono para o oitavo lugar no ranking era um feito exemplar. O mundo pode chamar o que eu jogo — como jogar pôquer — mas não era. Era um trabalho que exigia habilidade em muitos níveis. Não apenas havia avançado no ranking, como elevei meus ganhos de $ 40.000, a quantia que Andros me deu para começar a jogar menos a perda da minha primeira noite, para $ 510.000, multiplicando seu investimento por mais de dez.

Eu não estava apenas orgulhosa de minhas realizações na mesa de pôquer; tinha informações para compartilhar com Andros sobre Marion Elliott. Não havia nada de bombástico ou surpreendente. Marion era um velho prático que ficava radiante quando falava de seu assunto favorito, ele mesmo.

Abrindo o zíper lateral do vestido de seda preta, eu o deixei deslizar do meu corpo revelando apenas a tira de renda por baixo. A forma como o material sedoso se agarrava à minha pele e o decote mergulhava entre meus seios, qualquer roupa de baixo adicional teria sido impossível de usar. Depois de pendurar o vestido de volta no armário, entrei no banheiro.

O colar de esmeraldas pendurado pesadamente em volta do meu pescoço, estava fora do lugar sem mais roupas. Desprendendo-o, levei-o para o pequeno cofre e adicionei-o aos outros tesouros. Depois da noite passada, decidi adicionar o recibo das fichas desta noite também.

De volta ao banheiro, parei na frente do espelho, me virei e estiquei o pescoço. A visão da pequena maçã na minha bunda me fez sorrir.

Era engraçado como eu tinha a tatuagem há mais de quinze anos e nunca ela me trouxe o prazer que trouxe na noite passada. Eu não quis dizer gratificação sexual. Quis dizer felicidade genuína. Se eu fechasse os olhos, me lembraria da expressão de Patrick quando ele se aproximou e passou a mão pela pele.

Surpresa.

Admiração.

Incredulidade.

Prazer.

Reconhecimento.

Tudo girou em seus olhos azuis.

Era uma experiência que eu nunca esperei compartilhar. Agora que eu tinha, sabia que Patrick era o único homem, a única pessoa, que veria a fruta vermelha pelo que realmente significava.

Embora eu gostaria de ter a chance de falar com ele mais uma vez, estava feliz que no início da tarde eu disse a ele para ficar longe. Eu disse isso porque pensei que ele tinha me roubado. Não era mais o caso, mas meu raciocínio atual era mais terrível. Eu não poderia me arriscar a uma visita com Andros por perto. Mitchell era ingênuo. Andros não.

Patrick não entenderia a ira de um homem como Andros. Eu estava errada ao presumir que ele tinha me roubado. Patrick era um bom homem, um homem de moral. Ele não deveria ser exposto a um mundo como a Ivanov bratva. Ele merecia coisa melhor.

Meu rosto estava recém-lavado e meu cabelo penteado e amarrado em um rabo de cavalo baixo quando vesti minha camisola. Algodão com enfeites de renda, era o tipo de traje de dormir que eu normalmente usava. Eu o escolhi pelo conforto, não pela aparência. Com meu status intocável entre os homens Ivanov e meu acordo de cinco anos com Andros, a noite significava sono, não sexo.

Permitindo que a exaustão do dia me lavasse, apaguei a última luz e escalei entre os lençóis frios. O sono veio rapidamente.

Acordei assustada com o toque do meu telefone. O quarto escuro ao meu redor permanecia inalterado, mas minhas mãos tremiam como se eu estivesse sonhando ou talvez tendo um pesadelo. O telefone tocou novamente. Eu não conseguia lembrar o que estava sonhando.

A tela do meu telefone dizia 1h32 da manhã. Uma coisa era certa: eu não dormi muito. “Olá.”

“Minha querida, sua voz é um som bem-vindo”, disse Andros.

Havia barulho vindo de trás de sua voz, outras vozes que eu não conseguia distinguir.

Ele estava em um clube?

Não, não ouvi música, apenas vozes.

“Você está ocupado?” Perguntei.

“Fui eu quem te chamei. Mitchell me disse que você avançou.”

Eu me levantei na cama, sentando contra a cabeceira com um sorriso. “Eu fiz. Fiz mais do que avançar. Meus ganhos aumentaram substancialmente.”

“Meus ganhos,” ele corrigiu.

“Sim, seus.” Tentei recuperar meu entusiasmo anterior. “É uma coisa boa. Quanto mais vou para a rodada final, maiores são as chances de ganhar. Seu investimento original foi multiplicado por mais de doze.”

“Hmm.”

Sua indiferença me pegou desprevenida. “Isso é mais de $ 500.000.”

“Eu nunca tive problemas com matemática. A quantia é irrelevante, visto que você pode perdê-la amanhã.”

“Eu poderia. Não vou. Joguei bem, Andros. Eu pensei...”

“Você pensou”, ele interrompeu, “que merece elogios por fazer seu trabalho. Isso é como elogiar um cachorro por sentar ou pegar uma bola. As tarefas não são tão difíceis. Não estou insatisfeito com seu jogo. Fale-me sobre Marion Elliott.”

Jogo.

Não estava jogando.

Suspirei. “Bebi uma taça de vinho com ele antes do torneio e descobri que ele terminou a primeira noite com $ 200.000.”

“A primeira noite?”

“Sim.”

“Impressionante. E em sua primeira noite você não cobriu os custos.”

Engoli o caroço crescendo na minha garganta. “Sim, é verdade. Fazia parte da minha estratégia. Esta noite eu consegui mais de $ 500.000.”

“E Elliott?”

“Ele não disse especificamente. Ele terminou a noite novamente em primeiro lugar. Pelo que pude deduzir, sua pilha era alta. Pode ser igual ao jackpot.”

“Vocês se falaram depois do torneio?”

“Sim, aceitei o convite dele para comemorar, como você me disse para fazer.” Acrescentei a última parte para lembrá-lo de que era obra dele.

“E você comemorou?”

“No Bar Regal. Tenho certeza de que Mitchell relatou isso também.”

“Hmm. Então, amanhã à noite você vai me trazer mais do que o jackpot de um milhão de dólares, milhões adicionais ou mais em ganhos.”

Meu batimento cardíaco bateu em meus ouvidos enquanto o vinho que tinha consumido se infiltrava em meu estômago. “Vou fazer o meu melhor.”

“Eu sei que você vai. Você fará o seu melhor porque nós dois sabemos que não gosto de ficar desapontado.”

“Andros.” As vozes atrás dele estavam ficando mais altas. “Eu deveria dormir.”

“Elliott mencionou algum dos outros jogadores? Ouvi dizer que houve outro buy-in.”

Patrick.

“Quando falei com Veronica esta tarde, ontem”, corrigi, “a mulher do Club Regal, ela me contou sobre o segundo buy-in.”

“Antes de nos vermos?”

“Sim, eu não pensei em mencionar isso com toda a conversa sobre a bolsa.”

“Minha querida, espero que você pense.”

Talvez eu pudesse, se você não fosse um idiota. “Eu sinto muito. De qualquer forma, estou te dizendo agora. Ela me disse que não era a favor de nenhum dos dois. O primeiro abriu um precedente, tornando a rejeição do segundo impossível.”

“Interessante. E qual foi a opinião de Elliott?”

Balancei minha cabeça. “Ele não falou muito sobre isso. Seu assunto favorito era ele mesmo.”

A risada de Andros veio pelo telefone. “É bom que você aprendeu a ser uma boa ouvinte.”

“Foi tudo muito mundano,” eu disse, ignorando seus contínuos comentários depreciativos. “Óleo. Pipelines. Perfuração offshore. Ele me convidou para ir ao Texas, oferecendo um tour pelos campos de petróleo.” Mencionei a última parte de propósito. Embora fosse verdade, acho que queria que Andros soubesse que Marion Elliott me tratou melhor do que ele me tratava. “Ele foi muito cordial.”

“Não preciso perguntar sua resposta ao convite dele para a perfuração.”

ECA. Claro, ele pensaria que era sexual. “Você não quer, mas eu recusei respeitosamente.”

“Você deu a ele o seu número?”

“Não. Consegui mudar de assunto.”

“Duvido que ele se dê ao trabalho de rastreá-la. Porém, mesmo que ele consiga, não saia do seu quarto”, alertou. “E mantenha o telefone carregado. Gosto da capacidade de controlar meus pertences. Atualmente, seu GPS tem você onde pertence.”

A bile borbulhou na minha garganta.

Seus pertences.

“Madeline, reconheça que você ouviu e entendeu.”

“Eu ouvi, Andros. Estou cansada. Estava dormindo quando você ligou. Não tenho intenção de sair do quarto.”

“Há trabalho em mãos que requer minha concentração total. É melhor se você não for uma distração.”

Balancei minha cabeça novamente. “Eu não serei. Boa noite.” Quando pronunciei a última sílaba, o som dos mecanismos de travamento ecoou na minha porta.

Minha respiração ficou presa na minha garganta. “Isso é você?”

“Sou eu dizendo boa noite, minha querida. Fique onde está.” A ligação caiu.

A porta se abriu, parando com o engate da fechadura.

Minha pele esfriou enquanto esperava.

Devo gritar?

Devo ligar para a recepção?

“Madeline, abra a porta.”


PATRICK

 

“Tire a TRAVA”, exigi em um grunhido abafado, “ou vou cortá-la.”

“Patrick...” Madeline implorou, seu olhar de olhos verdes vindo da pequena abertura, “vá embora.”

“Ele está aí?”

A cabeça dela balançou. “O que? Ele? Quem? Não há ninguém aqui além de mim.”

“Então abra a maldita porta.”

Sem outra palavra, seus olhos se fecharam e a cabeça se inclinou para frente quando a porta se fechou.

A cada segundo que passava no corredor vazio, minha pressão arterial aumentava.

Ela apenas me trancou do lado de fora?

Eu estava pronto para inserir a chave novamente e, desta vez, chutar a maldita porta, libertando-a da trava, quando a porta estalou e abriu para dentro. Lá estava ela — a calma para meu pulso acelerado. De pé em uma camisola de algodão curta, seu cabelo preso em um rabo de cavalo baixo e seu rosto sem maquiagem, estava a minha Maddie. Sem o exibicionismo — a maneira como ela aparecia no torneio — removeu os anos até que eu pude nos imaginar mais uma vez na missão, dois recém-casados de 18 anos que pensavam que eram adultos.

Simplificando, ela tirou meu fôlego.

Entrei no quarto escuro. Quando a porta se fechava, brevemente a luz do corredor iluminou a entrada. Ela estava perto o suficiente para tocar em uma camisola que ia acima dos joelhos, com os braços, pernas e pés descalços. Sua tez brilhava, absolutamente deslumbrante.

Porra. Era mais sexy do que uma lingerie porque era real.

Lutei contra a vontade de sorrir.

Primeiro, o mais importante — eu tinha um assunto em mãos que precisava de confirmação.

“Ele voltou aqui com você?” Perguntei. “Você pediu para ele te encontrar aqui depois que Mitchell trouxe você de volta?”

No espaço escuro, sua sombra se moveu até que ela girou um botão, trazendo uma suave iluminação dourada para a entrada e o quarto. Olhando para mim, a cabeça de Madeline inclinou-se e os olhos se estreitaram. “Que diabos, Patrick? Você está me questionando?”

Meu olhar percorreu a parte do quarto que eu podia ver. “Sim. Apenas me diga se ele está aqui.”

“Apenas dizer a você. Para o inferno com você. Eu não te devo uma explicação para nada.” Seu pescoço se endireitou. “Mas você com certeza deve. De quem diabos você está falando? Ele quem?”

Passei por ela, observando a extensão do quarto vazio e a cama pouco bagunçada. Não havia sinais do que ocorrera na noite anterior. As cobertas quase não foram movidas e apenas um travesseiro apresentava o sinal de entalhe. Sem dizer uma palavra, voltei para a entrada e abri a porta do banheiro. Ela ricocheteou na parede quando entrei. Meus sapatos batiam no azulejo enquanto eu examinava cada canto. Com um bufo, afastei a cortina do chuveiro.

Vazio.

Resolutamente, meus passos me levaram de volta à entrada.

Madeline me encontrou de frente. “Que porra é essa, Patrick? O que é isso com o ato de machão? Quem você está procurando?”

“Elliott,” eu disse, sem saber por que ela não saberia, visto que eles passaram boa parte da noite no Bar Regal juntos. “Onde ele está?”

Seu queixo se ergueu. “Se você quer saber, eu o tenho amarrado no armário. E em outras notícias, você é um idiota.”

Meu olhar disparou para o armário fechado enquanto tentava entender suas palavras. “Você o que?”

Ela apontou para a porta do corredor. “Saia.”

Implacável, alcancei a maçaneta da porta do armário.

“Se você abrir isso”, ela proclamou, “nunca mais quero ver você de novo.”

Afastando-me, me virei para ela. “Ele não está aqui?”

“Não ele não está. Eu não sei onde ele está. Mas mesmo se estivesse aqui, não é da sua conta. Eu odeio ser a única a continuar contando isso para você, mas não sou da sua conta.”

Inalando, dei um passo para trás, girei lentamente e recuperei o fôlego enquanto corria a palma da mão sobre a fragilidade do meu cabelo curto. Eu tentei ficar distante, mas observá-la com Elliott tinha me afetado. Eu nem tinha me lembrado de procurar a Srta. Standish. Madeline pode dizer que ela não era da minha conta, mas durante todo o caminho até aqui, a imagem dela com Elliott consumiu meus pensamentos.

Quando nossos olhares se encontraram novamente, encarei suas orbes verdes. “Madeline, eu não entendo, por que Marion Elliott?”

“Caramba, você é um homem.” Ela deu um tapa nas laterais das coxas. “Não tem nada a ver com atração.”

“Eu vi você — observei você. Estava sorrindo.” Queria que fosse eu, não ele. Eu não poderia dizer isso. Mesmo na minha cabeça, parecia patético pra caralho.

A cabeça dela balançou. “Como disse, não devo uma explicação a você.” Ela suspirou e se sentou na beira da cama. “Vou te dizer a verdade. Meu tempo com ele não era nada mais do que pesquisa. Tenho que conhecer meus oponentes. Ele conseguiu o primeiro lugar dois dias seguidos. Claro, já ouvi falar dele. Ele me pediu para tomar uma bebida na noite passada. Eu recusei. Esta noite, pensei, ok, o que posso aprender?”

“Poker? Aquele espetáculo desta noite foi sobre pôquer?”

“Espetáculo?”

“Provavelmente não para mais ninguém.”

“Como quer que queira chamar. A resposta é s-i-m.” Ela prolongou a palavra enquanto me encarava. “Pesquisa. Para sua informação, Marion Elliott não é meu tipo.”

“Ele é rico.”

Seu rosto girou de volta em minha direção. “Muito obrigada, Patrick. Você está dizendo que sou uma garimpeira? Sou uma golpista e agora uma garimpeira. Há mais algum insulto que você gostaria de lançar antes de eu chutar sua bunda para fora do meu quarto de hotel?”

“Isso não é... eu não quis dizer isso. Algumas mulheres acham o dinheiro atraente.”

“Os homens também. Ouça, sei como éramos pobres quando jovens, mas cheguei à conclusão de que dinheiro não compra felicidade.” Ela ergueu a mão quando comecei a falar. “Revolucionário, eu sei. Provavelmente sou a primeira pessoa na história da humanidade a perceber isso.”

Zombei. “Então eu sou o segundo.” Peguei a mão dela. “Lamento ter assumido... isso não apaga o fato de que eu queria dar uma surra nele — derrubá-lo ali mesmo no Bar Regal.”

Ela forçou uma risada. “Não funciona assim.” Embora eu tentasse falar, ela continuou: “Sim, há um pedaço de papel em algum lugar que diz que duas pessoas, uma que não sou mais eu, se casaram. Um pedaço de papel, só isso. Não tenho nenhuma reclamação sobre você e você não tem sobre mim.”

Eu tinha.

Eu tinha aquele papel.

Ainda tinha ele.

E apesar de mudar seu nome, ela ainda era Madeline Tate, que se casou para se tornar Madeline Kelly.

Em vez de discutir, estendi a mão e corri meu dedo sobre sua bochecha quente enquanto olhava em seus olhos. “Você estava deslumbrante no torneio, a porra de uma condessa entre os camponeses.”

“Camponeses? Você não estava prestando atenção às apostas deles.”

“Estava,” eu disse com um sorriso. “No entanto, as apostas não estavam onde eu queria minha atenção, ou devo dizer em quem?” Eu segurei seu queixo e puxei seu rosto em direção ao meu. “Eles são todos camponeses comparados a você. Não só você é incrivelmente linda, foi incrível esta noite. Verifiquei a classificação e os ganhos antes de deixar o clube. Droga, você transformou $ 40.000 em quinhentos. Isso é muito impressionante.”

Seu sorriso floresceu. “Obrigada. Isso é bom de ouvir.”

“Se aquele idiota não te disse o quão espetacular você foi, tenho outro motivo para derrotá-lo.”

“Marion?” Ela encolheu os ombros. “Ele disse algo, mas soa melhor vindo de você.” Recuando, ela pegou minha mão. “Eu não deveria ter deixado você entrar. Você não deveria estar aqui. Alguém viu você entrar?”

“Se está preocupada com Leonardo, esperei até que ele fosse embora.”

“Leonardo?” Madeline perguntou. “Oh, Mitchell. O que você quer dizer com fosse embora? Deste corredor?”

“Do hotel.”

“Ele saiu do hotel?” Sua sobrancelha franziu. “Não importa. Você ainda precisa ir.” Seus pés descalços percorreram o tapete quando ela foi até a porta e a abriu. Dando um passo à frente, ela olhou para uma direção e depois para a outra. Olhando por cima do ombro, ela disse: “A barra está limpa. Você pode ir agora.”

Peguei sua mão e puxei-a de volta para o quarto. “A barra está limpa? Temos quinze anos de novo?”

“Patrick, estou falando sério. Você precisa sair.”

Eu a puxei para mais perto. “Diga-me que você quer que eu vá embora.”

Maddie acenou com a cabeça. “Eu quero.”

Dei um passo para trás. “Vou embora, mas você deve saber que agora que tenho a confirmação de que está viva e incrível, não vou desistir de voltar e manter quem é minha.”

“Eu não sou...”

“Pedaço de papel”, eu disse.

“O que você diz não é possível.”

“E a noite passada?”

Sua mão veio ao meu peito, seus dedos espalmados sobre minha camisa engomada. “A noite passada foi ...” O rosa floresceu como rosas em suas bochechas. “Sempre me lembrarei dela.”

Minhas mãos contornaram seus braços nus. “Mais uma noite, Maddie girl. Diga-me que você não quer isso?”

“Eu não posso.”

Meu sorriso cresceu. “Bom porque é apenas o começo do que eu quero.” Tirei meu paletó dos ombros e o joguei em uma cadeira.

“Não,” ela disse. “Você entendeu apenas parte do que eu quis dizer. Eu não posso significa que eu não quero que você fique porque eu quero. Eu também não posso. Você tem que ir. Se Mitchell encontrar você aqui, não vou ser capaz de explicar.”

“Leonardo vem ao seu quarto no meio da noite?”

Ela balançou a cabeça. “Não mas...”

“A quem ele se reporta?” A pergunta acabou de me ocorrer. Não fazia sentido que ela se importasse tanto com a opinião dele.

“O que? Não?” Ela exalou. “Não é isso. Tenho uma reputação. Sim, bebi com Marion, mas não foi um espetáculo. Não fui para o hotel dele ou ele para o meu. Sou uma mulher em uma arena dominada por homens. Se for divulgado que você está aqui, todo homem pensaria que poderia dormir comigo. Eu não posso deixar isso acontecer.”

“Se vazasse, poderíamos contar a verdade a todos. Sou seu marido.”

Sua cabeça balançou mais rápido. “Isso também não pode vazar, por você e por mim.”

“Eu não vou embora ainda. Nós precisamos conversar.” Quando sua expressão preocupada permaneceu, acrescentei: “Ninguém me viu e ninguém vai me ver.”

Madeline exalou. “Como você pode ter certeza?”

“Eu tenho.” Incapaz de manter distância, agarrei sua cintura por baixo da camisola simples. A nuvem de ar que a rodeava continha um leve aroma de sabonete e pasta de dente. Espalhando meus dedos, puxei-a para mais perto até que seu calor viesse ao meu peito e suas pequenas mãos nos meus ombros. Minhas palmas contornaram seus lados, subindo para a protuberância de seus seios e descendo para a curvatura de seus quadris.

“Pa-trick.”

A maneira como ela alongou meu nome foi Viagra para meu pau.

Eu queria conversar, precisávamos. No entanto, com ela contra mim, havia uma questão mais urgente, que havia crescido e se desenvolvido em tempo recorde por tê-la em minhas mãos. “Eu quero você, Maddie girl.”

Ela olhou para cima. “Esse nome é tão juvenil.”

“Podemos ter cem anos e ainda vou te ver como minha Maddie girl. Eu vou te beijar.”

Mais sexy do que o ronronar do calor através dos dutos, seu suave zumbido reverberou pelo ar, trazendo calor a tudo que alcançava. Eu segurei seu rosto, trazendo seus lábios aos meus, provando o que eu tinha apenas inalado.

Faíscas acenderam.

Fogo e hortelã.

Juntos, nos aproximamos, tanto recebendo quanto dando. Seus braços envolveram meu pescoço enquanto meu aperto aumentava. Nossas línguas dançaram em sincronia, mergulhando, enquanto nossos lábios se machucavam sem desculpas, e o quarto se enchia com as canções de prazer.

Alcançando a bainha de sua camisola, levantei-a.

Madeline me parou. “Isso não é conversa. Não sei quando teremos outra chance de conversar. Você disse que queria conversar.”

“Vou fazer amor com minha esposa primeiro e, depois, quando estivermos ambos satisfeitos, conversaremos.”

Seus olhos se arregalaram. “Isso não soou como uma pergunta.”

Desta vez, eu levantei a camisola.

Seu corpo agora estava coberto apenas por um ligeiro triângulo de renda preta. Enquanto meu olhar se movia para cima, observei seus seios redondos, aréolas escurecidas e mamilos rígidos. Meu assobio encheu o ar. Quando nossos olhos finalmente se encontraram, os dela eram de um verde derretido, girando com o que eu esperava que fosse desejo.

“Não foi uma pergunta”, disse eu, pegando a mão dela, “mas isso não significa que você não pode dizer não.”

“Não.”

Nós dois paramos enquanto eu repetia a palavra de uma sílaba. “Não.”

“Não, eu não quero dizer isso. Quero você também.”

De uma só vez, eu a levantei do chão. Carregando-a para onde as colchas estavam dobradas, eu a abaixei para o lençol. Pegando o laço em seu cabelo, gentilmente puxei para fora, soltando seus longos cachos de ébano. “Você é tão linda.”

“Você me faz sentir assim.”

“É a maneira como você deve se sentir todos os dias.”

Seu sorriso melancólico torceu uma faca que eu não entendia e não conseguia identificar. “Maddie, fale comigo.”

A cabeça dela balançou. “Ainda não. Faça o que você disse que ia fazer.”

Fazer amor com minha esposa.

Meu sorriso cresceu quando soltei minhas abotoaduras, colocando-as no bolso da calça, desabotoando minha camisa, removendo-a dos ombros e jogando-a no chão. Seguido por meus sapatos, cinto e calça. Embora minha cueca boxer ainda estivesse no lugar, minha ereção estava ficando dolorida e, pressionando contra a seda, era difícil não perceber.

“Você se tornou um homem bonito,” Madeline disse, seus olhos arregalados enquanto ela me observava.

“Você sempre foi a mulher mais bonita, mesmo quando ainda era uma menina.” Peguei o cós de sua minúscula desculpa para calcinha. Ela se mexeu, permitindo-me deslizá-la por suas coxas, panturrilhas e sobre as unhas pintadas até que se juntassem às nossas outras roupas espalhadas pelo carpete.

“Oh...” ela choramingou quando minha língua encontrou seu núcleo.

Ela era a porra de uma maçã saborosa que eu queria comer, lamber e lamber, beliscar e beliscar até que o suco revestisse minha língua e queixo. Seus quadris resistiram e os dedos se espalharam sobre meu cabelo enquanto seus sons de prazer ficavam mais altos. Foi enquanto eu chupava seu clitóris que o terremoto dentro dela começou.

Empurrando minha boxer para baixo, eu escalei seu corpo sensual, as curvas de seus quadris, a superfície plana de seu abdômen e a suavidade de seus seios, enquanto suas pernas se espalhavam mais, permitindo-me o acesso. Com minha ereção equilibrada em sua entrada, parei.

“Maddie, abra seus olhos. Veja-me.” Foi um vislumbre do céu que me encontrou quando suas pálpebras se abriram. “Ninguém mais pode ouvir você dizer isso. Você pode negar até o dia em que eu morrer, mas só desta vez, deixe-me ouvir você dizer seu nome.”

Ela se mexeu embaixo de mim. “Por favor, estou tão pronta.”

“Quem... me diga... quem está pronta?”


MADELINE

 

Eu estava perdida, flutuando em um mar azul, enquanto olhava para a sinceridade nos olhos de Patrick.

À deriva em um mundo de muito tempo atrás, em uma época em que duas almas perdidas, encarnadas nos corpos de dois ladrões mesquinhos, encontraram a honestidade que vem com o amor adolescente. Sem as restrições e responsabilidades da idade, o amor que compartilhamos era tudo de que precisávamos. Comida, abrigo e até mesmo segurança empalideciam em comparação. Nosso afeto mútuo nos envolvia em um casulo quente à noite e aquecia nossos dias de desejo. Juntos éramos imparáveis até...

Meus olhos se fecharam enquanto sua imagem ficava turva.

“Deixe-me ver.”

Engolindo a emoção de nossa destruição, fiz o que ele disse e abri novamente os olhos. Desta vez, o polegar de Patrick enxugou uma lágrima que eu não sabia que tinha caído.

“Afaste-as”, disse ele.

Foi o que ele disse na noite anterior. Eu não queria afastar os pensamentos. Queria voltar no tempo, construir uma máquina do tempo e permanecer naquela era de inocência perdida.

Os lábios de Patrick salpicaram minhas bochechas com beijos. “Eu não vou empurrar você. Diga quando quiser.”

Apalpando suas bochechas eriçadas, empurrei sua cabeça até que pudesse ver todo o seu rosto bonito. Sobrancelha protuberante, olhos azuis acetinados com cílios longos demais para serem de um homem, maçãs do rosto salientes e uma mandíbula definida e cinzelada apareceu diante de mim. “Eu não posso. Sei que não é exatamente o que você quer ouvir, mas admito que gosto de ouvir de você, mesmo que pareça infantil.”

O sorriso de Patrick se curvou. “Minha Maddie.”

Concordei.

Não era o que ele queria ouvir, mas funcionou. Minhas costas arquearam e gritei como da última vez, nossas duas almas perdidas se tornaram uma. Embora meu núcleo lutasse contra a invasão, minha mente queria mais. Eu mexi e levantei meus quadris para acomodá-lo.

Fazia muito tempo que eu não fazia amor, provavelmente dezessete anos. Nos últimos cinco anos, qualquer tipo de sexo tinha sido inexistente — até a noite passada. E agora, duas noites seguidas, meus músculos protestaram quando juntos encontramos nosso ritmo.

Isso não era apressado ou errático.

Lento e meticulosamente, Patrick se movia. Era assim que era fazer amor.

Beijos, elogios e carícias me emocionavam.

Patrick adorava tudo sobre mim enquanto encorajava minha escalada. Mais alto e mais alto. Não mais tensa pela falta de uso, mas pela onda de desejo, cada nervo e músculo dentro de mim estava à beira da explosão. Agarrando seus ombros largos, agarrei-me a ele, pois vez após vez, ele fazia meu mundo implodir.

Quando achava que não seria possível voltar lá novamente, ele dava um jeito. Era como sempre fora, aquele que persistia e prevalecia. Aquele que se recusou a permitir que nós dois nos perdêssemos nas ruas. Patrick ainda era a mesma pessoa, me empurrando — não, me encorajando.

Não foi só eu quem encontrou a liberação. Seu pescoço se esticou e o ar se encheu com seu rugido gutural, mas ainda não tínhamos terminado. Começamos a dança novamente.

Talvez nós dois soubéssemos que esta era a última vez. Como andar em uma montanha-russa que excita e emociona, nenhum de nós estava pronto para descer.

Eu não me permitiria pensar nas consequências se nosso reencontro fosse descoberto.

A montanha russa seria fechada, possivelmente o parque inteiro. Andros não jogava limpo nem compartilhava. Eu não conseguia pensar nisso. Em vez disso, escolhi tirar o que pudesse de Patrick, dando em troca, e espero que as memórias durassem o resto da minha vida.

A tela do meu telefone dizia depois das três e meia da manhã, quando Patrick me deixou para entrar no banheiro apenas para voltar com uma toalha quente. Havia algo na ternura com que ele cuidava de mim que trouxe o nó de volta à minha garganta. “Não me lembro de você ter feito isso antes?” Eu disse, procurando minhas memórias. “Parece estranhamente íntimo.”

Um pensamento tão peculiar depois de todo o prazer que proporcionamos um ao outro, e ainda assim era verdade. Tê-lo me limpando suavemente era pessoal e privado de uma forma que o sexo não era.

O sorriso de Patrick se espalhou por seu rosto. “Mesmo na missão, tínhamos que sair de nosso quarto e ir para o corredor buscar água corrente.”

O pequeno quarto do qual ele estava falando apareceu na minha memória. Menor do que este quarto de hotel, com banheiro compartilhado, era o mais próximo de uma casa de verdade que compartilhamos. Tivemos permissão para nos mudar depois que pudemos provar nosso casamento.

Antes disso, haviam sido edifícios abandonados, passagens subterrâneas, tendas e, claro, seu quarto esculpido escondido atrás de uma parede.

Levando a toalha de volta ao banheiro, Patrick voltou para a cama. “Sei que é tarde. Eu deveria deixar você dormir. Mas, Maddie girl, preciso de respostas e acredito que tenho um plano.”

“Fique mais um pouco”, consenti, não querendo perder o que estávamos compartilhando.

Patrick pode ter perguntas, mas eu sabia que não poderia dizer a ele o que merecia ouvir. No entanto, sua conversa sobre um plano me intrigou.

A cama afundou quando Patrick colocou seu corpo nu ao lado do meu, sua cabeça no travesseiro, suas longas pernas esticadas sob as cobertas. Eu levantei minha cabeça em seu ombro forte e descuidadamente corri as pontas dos meus dedos sobre seu peito e abdômen definidos. Era difícil para minha mente compreender a maneira como ele amadureceu e o homem que se tornou. “Patrick, fico triste em pensar que você está sozinho. Você deve encontrar alguém.”

Seu braço em volta do meu ombro apertou. “Eu fiz.”

Levantei minha cabeça. “Isso não é real. Logo irei embora.”

“Tenho um plano que vai funcionar.”

“Você tem?” Eu perguntei com um sorriso. “É típico de você pensar que pode consertar coisas que não podem ser consertadas.”

Ele se aproximou de mim e tirou uma mecha de cabelo rebelde do meu rosto. “Eu disse que verifiquei os resultados antes de deixar o clube.”

“Sim.”

“Quinhentos e dez mil dólares é muito dinheiro.”

“Eu suponho.” Termos como “muito” e “um pouco” eram subjetivos demais para serem discutidos.

“Pegue.”

“O que?” Eu perguntei, tentando entender o que ele estava dizendo. “Eu não posso pegá-lo. Preciso fazer minhas apostas. Preciso disso para avançar na próxima rodada e vencer a final.”

Seus olhos se fecharam enquanto ele balançava a cabeça. “Estou sendo o mais honesto que posso. Não posso dizer muito...” Ele inalou. “Você não vai ganhar. Você não pode. Mas se você me ouvir agora, pode sair com meio milhão de dólares.”

Eu me afastei de seu aperto e com um bufo, caí de volta no travesseiro vizinho. Alcançando os lençóis e cobertores, puxei-os sobre meus seios. “Você não acha que eu posso fazer isso.”

Patrick me seguiu, o calor de seu peito pairando sobre mim enquanto ele olhava nos meus olhos. “Não foi isso que eu disse. Sei que você pode. Também sei que não vai acontecer. Maddie, você está aqui para jogar um torneio. Há mais coisas acontecendo. O torneio nada mais é do que o campo de batalha. Eu não quero que você seja uma vítima. Não vou deixar isso acontecer. Se este torneio for longe demais, você pode ficar sem nada.”

Engoli em seco, pensando no decreto de Andros. “Isso não pode acontecer.”

“Então saque”, disse ele, como se fosse assim tão fácil. “Pegue o dinheiro e então você pode ficar aqui em Chicago.”

“Se isso fosse possível, o que não é, me diga o que aconteceria a seguir. Diga-me onde você vê eu me encaixando neste plano.”

“Vou te dar um apartamento ou melhor ainda, uma casa.” Seu tom se iluminou. “Lembra quando costumávamos falar sobre subúrbios e um quintal?”

Meus lábios franziram. “Você vai me pegar... vai abastecer esta casa mítica com um quintal e uma cerca de estacas. Nesse ponto, o que serei? Talvez sua amante, a mulher que você mantém escondida?”

Ele passou o dedo pela minha bochecha. “Não, Madeline. Você será o que você é, minha esposa, e tudo que eu quero esconder de você é a crueldade que ocorre nesta cidade. Posso mantê-la segura.”

“Segurança é uma ilusão, Patrick.”

“Eu não posso te dizer como, mas posso fazer isso. Sei que posso.”

Sua sinceridade me fez zombar. Afastando sua mão, joguei as cobertas para trás e fiquei de pé, nua e honesta diante dele. Isso não poderia continuar. “É tarde,” eu disse. “Preciso dormir porque não tenho escolha. Eu devo vencer. Também não posso dizer mais, nem direi, mas a consequência de eu não ganhar é muito monumental para que seja uma possibilidade.” Olhando em volta do chão, encontrei minha camisola. Depois de puxá-la pela cabeça, sorri. “Obrigada.”

“Por que diabos você está me agradecendo?” Ele também se levantou e começou a recolher suas roupas. “Eu ofereci uma solução, mas você parece que não vai aceitar.”

“Estou agradecendo por esta noite e pela noite passada. Não posso aceitar sua oferta, mas saiba que não vou te esquecer.” Eu nunca fiz.

Sua boxer estava no lugar e sua calça estava puxada para cima, mas seu peito largo estava nu. “Ainda não conversamos. Eu mereço pelo menos uma resposta.”

Puxei a tira de renda pelas minhas pernas e coloquei de volta no lugar antes de alisar a camisola. Olhando para cima, nossos olhares se encontraram. “Não tenho certeza se posso dar.” Meu queixo se ergueu. “Mas vá em frente, pergunte.”

Ele alcançou meus braços. “O que aconteceu? Por que você desapareceu?”

Fechei meus olhos. As memórias iam e vinham em um turbilhão de caos.

Medo.

Angústia.

Terror.

Até alegria.

Foi tudo há muito tempo.

O olhar morto de Andros veio à mente.

Fiz um trato com o diabo e, nas mesmas circunstâncias, faria de novo.

Quando meus olhos se abriram, Patrick estava olhando para mim. “Eu tinha dezoito anos. As coisas acontecem quando você tem dezoito anos.”

Seu pescoço se endireitou. “Que tipo de coisas?”

“Coisas que vão além do nosso controle. Tudo o que importa agora é que nós dois...” Forcei um sorriso, “...conseguimos chegar do outro lado.” Não era tudo o que importava, mas era tudo que eu diria.

Ficando na ponta dos pés, dei-lhe um beijo casto. “Isso vale para você também. Suas roupas...” Peguei seu paletó, sentindo a luxuosa mistura de lã e entreguei a ele, “...são caras. Eu observei você. Você está apostando centenas de milhares de dólares no torneio. Pense em onde estávamos. Não deveria haver nenhuma tristeza. Na verdade, devemos nos parabenizar. Conseguimos.”

“Lembra do que você disse sobre dinheiro e felicidade?” Ele perguntou enquanto colocava o paletó sobre os ombros largos.

Os dois não se relacionam.

Concordei.

“Eu trocaria tudo para te abraçar todas as noites.”

Eu sorri. “Você é muito gentil. Às vezes, o que queremos não está apenas fora de alcance, está muito longe.” Dei uma olhada rápida nas janelas e, enquanto as cortinas estavam fechadas, lembrei-me da época do ano, grata por ser janeiro e o sol ainda estar abaixo do horizonte. “Por favor vá. Eu preciso dormir.”

Depois de abotoar o paletó, Patrick tirou o telefone do bolso e sua expressão fez uma careta.

“Está tudo bem?”

“Parece que perdi algumas coisas.” Ele colocou o telefone de volta no bolso. “Madeline, eu não posso deixar você ir. Diga que vai ficar... pelo menos até domingo.”

“Não sei. Não cabe a mim.”

“Seu motorista, ou o que quer que seja, determina sua programação? Ou é outra pessoa?”

Não podia contar a ele sobre Andros.

Essa informação seria sua sentença de morte.

Havia poder que cercava Patrick. No entanto, era calmo e forte, exigente, mas complacente. Ele era uma sequoia gigante, forte e majestosa, curvada ao vento, mas não quebrada. Andros era um tornado devastador ou um incêndio florestal, capaz de destruir o que havia permanecido ileso por milhares de anos.

Eu não deixaria seus caminhos se cruzarem. Patrick não entenderia a brutalidade do Ivanov bratva.

Prefiro morrer de coração partido, de novo, do que causar algum dano real ao meu primeiro amor.

“Tchau, Patrick. Por favor, fique seguro.” Porque você com certeza não precisa ser puxado para o meu mundo — você não sobreviveria.

Ele estendeu a mão para a maçaneta. “Isso é mais difícil do que quando você estava dormindo.”

Balancei a cabeça enquanto as lágrimas vieram aos meus olhos. “Espere, deixe-me verificar o corredor.” Passei por ele e olhei para o corredor. Aparentemente, depois das quatro da manhã de sábado, o corredor ainda estava vazio.

“A barra está limpa?” Ele perguntou.

Balancei a cabeça, engolindo minha tristeza. Isso soou como uma frase adolescente. “Adeus. Eu imploro que você não admita me conhecer no torneio, não mais do que simplesmente como uma oponente.”

Ele beijou o topo da minha cabeça. “Vou fingir se é isso que você quer, mas saiba que estou pensando em como é estar dentro de você e em como você geme enquanto estou chupando você.”

“Patrick.”

“Isso não é tudo.”

“É mesmo,” eu disse. “Você precisa ir.”

“Você também pode fingir, mas me diga o que pensará quando me vir?”

Que você é o único homem que amei. Eu não disse isso. “Vou concentrar-me nas cartas porque tenho de vencer. Por favor... adeus.”

Patrick também olhou para as duas direções antes de deslizar para o corredor. Envolvendo meus braços em volta de mim mesma, desabei contra a porta, segurando as lágrimas. Trêmula, peguei a trava e tranquei a porta. Desliguei a luz e caí na cama macia, rodeada por seu perfume.

Olhando para o teto, repreendi-me por concordar com este torneio, por permitir que Andros me intimidasse a comparecer. Até agora, evitei Chicago com sucesso. Dei desculpas, nunca divulgando o verdadeiro motivo.

Agora que estava aqui, percebi que evitava a cidade porque não queria saber o destino de Patrick. Não queria saber que ele havia morrido ou talvez até se casado de novo.

“Sinto muito, Patrick.”

Lágrimas caíram no travesseiro quando eu finalmente cedi ao sono.


PATRICK

 

Não havia como evitar os outros Sparrows. Pela ladainha de mensagens de texto, eles tinham notícias, e eu passei as últimas duas horas inacessível. Depois de estacionar o carro em nossa garagem particular, entrei no elevador. Até minha presença na garagem dispararia alarmes. Se Sparrow, Reid e Mason estivessem no segundo, agora sabiam onde eu estava.

Inalando, endireitei meu paletó pela centésima vez. Antes mesmo que eu pudesse apertar o botão, o elevador chegou. Assim que entrei, a luz para dois estava acesa. Isso significava que eles mandaram para mim e pré-programaram para parar em dois.

Porra.

Este era um desempenho de comando inevitável. Não era único e não tinha necessariamente uma conotação negativa. Era o que fazíamos um ao outro quando a presença do outro era desejada ou necessária. Do centro de comando, o elevador pode ser redirecionado. Tinha sido. Eu respirei fundo quando o elevador começou a mover mais de noventa andares para o céu.

Eu me decidi. Eu contaria a eles sobre Madeline.

Eu poderia.

Voltaria ao início e contaria a eles o que aconteceu dezessete anos atrás... esqueça isso, vinte anos atrás, o dia em que a puxei para o quarto da parede, quando ela se ofereceu para dividir sua fartura de maçãs comigo. Quando saí de toda a porra do mundo louco, no meio do caos e da sobrevivência, uma garota fingindo ser um garoto fez minha vida de repente valer a pena.

Eu diria a eles a verdade.

Não tinha escondido a informação. Não havia razão para divulgá-la.

Ela desapareceu.

No mundo em que vivíamos, o desaparecimento geralmente resultava em morte.

Dezessete anos se passaram sem uma palavra até quinta-feira à noite.

Sim.

Eu me endireitei enquanto subia. Estava decidido. Isso era o que diria a eles e eles entenderiam. Presumi que não seria uma conversa fácil, mas já tínhamos tido isso antes. A memória de uma discussão mais recente voltou para mim. Aconteceu depois que Mason ligou para nosso número secreto seguro. Houve choque, descrença e confusão, mas sobrevivemos, mais fortes como uma equipe.

Engoli. Isso ficaria bem.

Eu explicaria que, desde quinta-feira à noite, minha atenção foi desviada, não por alguma conspiração subversiva para tomar Chicago, mas pela distração mais antiga do homem. Como Adão foi distraído por Eva, Madeline era meu fruto proibido.

Maçã.

Espere. Não.

Eva causou a queda do homem com uma mordida de maçã.

Mau exemplo.

Eu precisava pensar em uma ilustração melhor.

Bathsheba?

Eu não tinha certeza de por que os exemplos bíblicos eram os que vinham à minha mente.

O elevador parou. Meu tempo acabou.

As portas se abriram para o corredor de concreto do dois. Com outra respiração profunda, coloquei minha palma sobre o sensor. A porta de metal imediatamente se moveu para o lado. Nosso centro de comando estava na minha frente, cheio de atividade. Algumas das telas sobre nossas cabeças estavam se movendo de uma vista para a outra, trazendo a cidade de Chicago, quase toda adormecida, em bits e pedaços diante de nossos olhos.

Entrei na sala quando a porta se fechou atrás de mim, olhando para as telas grandes onde Reid estava trabalhando. Eu reconheci cada um dos dezoito rostos. Um era meu. Três estavam sentados na mesma mesa que eu durante o torneio. Os outros quatorze incluíam Antonio Hillman, Marion Elliott e Madeline Kelly. Não, o nome ao lado de sua foto dizia Madeline Miller.

De onde eu estava, podia ver o rosto de Mason, mas não o que ele estava fazendo, e então Sparrow estava deitado de costas, os pés plantados no chão e a coluna reta em cima de um banco de peso. Não era incomum para um de nós bombear ferro ou correr em uma das esteiras enquanto trabalhávamos e fazíamos um brainstorming. O que era incomum era alguém estar segurando uma barra com pesos do tamanho dos da barra de Sparrow sem um parceiro.

A longa barra curvou-se com o peso enquanto pairava sobre seu peito.

Tirando o paletó, corri para ficar perto da cabeça de Sparrow. “Que tal um parceiro?” Eu perguntei enquanto contava os discos pretos. Duas placas de 45 quilos estavam em cada extremidade.

Isso não era um bom sinal.

Isso significava que ele estava frustrado ou com raiva. Eu estive com esses homens por muito tempo para não saber o que diziam.

Os bíceps de Sparrow tremeram, os músculos tremendo abaixo da manga da camiseta quando ele baixou o peso e, depois de reajustar o aperto, empurrou mais alto, travando os cotovelos. Sua contagem era audível enquanto eu lutava contra a necessidade de olhar de volta para a foto de Madeline. Eu não pude.

Esperei.

“8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1.”

Peguei a barra e levantei-a até o berço acima da cabeça de Sparrow. Quando nossos olhos se encontraram, perguntei: “O que eu perdi?”

Sentando-se, Sparrow enxugou a transpiração da testa com a barra da camiseta e depois de pegar uma garrafa d'água que estava perto de seus pés e dar um longo gole, ele exalou. “Onde você esteve?”

“Estava verificando uma pista.” Olhei para as telas. Todas as entradas e saídas de hotéis sofisticados giravam no feed. Eu não poderia mentir. Havia uma chance de eu ter sido visto, “...No Palmer House.”

Sparrow acenou com a cabeça. De pé, ele deu um tapinha no meu ombro. “Bom trabalho no torneio.” Seu sorriso cresceu. “A melhor notícia do dia todo, e tem sido uma merda, mas a ideia de você transformar cem mil em trezentos mais algum trocado em algumas horas foi o ponto positivo.”

Tentei sorrir. “Ok, eu ganhei. Vou continuar ganhando. Diga-me o que tem sido uma merda?”

Mason ergueu a cabeça do outro lado dos bancos de computadores. “Hillman foi ao McIver's.”

“Isso é bom. Não é? É o que esperávamos.”

“É e não é. Ele não ficou muito tempo”, disse Mason, “e nem sua comitiva. Acho que foi uma distração. Eles esperavam que nós parássemos de assistir. Nós não paramos. Cada pessoa pegou um veículo separado, aqueles que estavam esperando estacionados perto do McIver's.”

“O que?” Eu disse. “Eles tinham veículos esperando no McIver's? O estacionamento de lá é uma merda.”

“O que significa,” interrompeu Sparrow, “alguém permitiu. Eu odeio esse clube. Quero que você...” Ele estava falando com Mason, “...vá lá de manhã bem cedo e procure saber quem autorizou o estacionamento ou mesmo de quem eram os veículos.”

“Posso fazer isso,” eu me ofereci.

Seus olhos escuros vieram em minha direção. “Você tem um torneio para vencer. Quero que você durma.”

“Não. Eles me conhecem...” eu odiava mencionar que Mason havia partido, mas às vezes até ele precisava do lembrete, “...eles estão acostumados comigo,” eu reformulei.

“Meu pedido parecia estar em debate para mais alguém?” Sparrow perguntou desnecessariamente alto.

Quando ninguém respondeu, olhei de volta para as telas. “Você tem razão. Preciso dormir um pouco. Primeiro, você sabe para onde Hillman e seus homens foram?”

“Demorou um pouco. Eles deram a volta na cidade, parando em vários dos hotéis e pegando alguns passageiros”, disse Reid.

“Um,” acrescentou Mason, “apanhou um homem no Palmer. Ele parecia familiar. Acho que ele estava no Club Regal ontem à noite.”

Meu intestino torceu. “Você tem uma foto?”

“Sim, me dê um instante.”

“Se alguém da McIver's tivesse nos avisado...” Reid começou.

“...queriam manter a porra das portas abertas”, reformulou Sparrow.

“...poderíamos ter colocado rastreadores nos carros.”

“Ok,” eu disse, “nós não tínhamos rastreadores, mas cara, Reid, você os encontrou. Eu sei que você fez. Para onde eles foram?”

“Casa abandonada em Jefferson Park,” Reid respondeu. “Tenho trabalhado em câmeras de trânsito. O problema é que o bairro onde eles estavam é tão ruim que nem mesmo as câmeras funcionam. As crianças acham divertido atirar nelas assim que uma nova é colocada.” Ele continuou digitando. “Estou trabalhando há horas. Honestamente, é um ótimo local para evitar vigilância.”

“Como se eles soubessem,” eu disse.

“Hillman faria”, disse Reid. “No entanto, não achamos que tenha sido apenas Hillman e seus homens. As imagens do feed estão granuladas e a iluminação é péssima. De qualquer forma, além das pessoas que os homens de Hillman pegaram, havia mais, cerca de outros quatro carros. Aparentemente, houve uma festa para a qual não fomos convidados.”

Ele tirou uma foto da rua. Era como ele disse, escuro e granulado. Carros podiam ser vistos estacionados ao longo do meio-fio, carros mais legais do que você normalmente veria em uma área como aquela.

“Que tal placas de carro?” Perguntei.

“Empresas de aluguel”, Reid continuou. “Mason tem tentado acessar os acordos, mas estamos muito no limite.”

“Desculpe,” eu murmurei.

“Sua pista valeu a pena?” Perguntou Sparrow.

Não. Ela disse que está saindo da cidade e não quer me dizer para onde vai.

“Não, na verdade. Eu deveria ter ficado aqui.”

“Você precisa seguir seu instinto”, disse Mason. “Pode nem sempre estar certo, mas raramente está errado. Você está aqui agora. Eu poderia ter ajuda com os contratos de aluguel para poder voltar a executar o software de reconhecimento facial em algumas de nossas melhores fotos.”

“Tenho feito verificações de antecedentes de seus oponentes”, disse Reid.

“E eu tenho me encontrado com um dos capos,” Sparrow ofereceu. “Os relatórios estão chegando, mas está tudo disperso. Houve algumas explosões com algumas gangues diferentes. É uma merda que não deveria ser um problema. Eu entenderia se fosse verão, mas, porra, está uns dez graus lá fora. Por que causar problemas agora?”

Nas noites de verão, quando as temperaturas eram sufocantes, não era incomum ter um aumento da violência e da atividade das gangues. Não era um fenômeno limitado a Chicago. Mesmo cidades menores como Gary, Detroit, Indianápolis, Cleveland e St. Louis percebiam isso.

Puxei uma das cadeiras e a girei, sentando-me nas costas enquanto enrolava as mangas da camisa até os cotovelos.

“Sem abotoaduras?” Perguntou Mason.

“Sim, estão no meu bolso. Eu estava me preparando para dormir antes que o elevador me trouxesse para todos os seus rostos brilhantes.” Entrei no programa que eles já haviam configurado com as placas e locadoras de veículos e comecei a pesquisar a trilha do dinheiro.

“Aqui está o homem pego na Palmer House”, disse Reid.

Eu olhei para a tela.

Merda.

“Ele estava no torneio”, disse Mason. “Sei que o vi.”

Meu estômago se revirou. “O nome dele é Mitchell Leonardo.”

“Como você sabe disso?” Perguntou Mason.

“Ele esteve no torneio”, eu disse. “Ele me deu uma sensação estranha.”

“Você sabe mais?” Perguntou Sparrow.

Minha cabeça balançou. “Eu gostaria de ter feito isso. Tudo o que sei é que ele está aqui para o torneio, assistindo, não jogando.”

“Se ele está aqui para o torneio, por que foi à festa na casa de Hillman esta noite?” Perguntou Mason.

Reid começou a digitar. “Ajuda pra caralho quando eu tenho um nome.”

“Então isto”, começou Sparrow, “ninguém que está participando do torneio de pôquer do Club Regal não é um jogador?”

“Não, eu disse.” Ele mencionou que preferia os cavalos. Sentei-me perto dele no bar, tentando fazer uma leitura sobre ele. Ele me disse que está apenas de passagem.”

Sparrow acenou com a cabeça. “Para um torneio de pôquer? Eu concordo, parece estranho.”

“Pode não estar tão longe”, disse Mason. Ele apontou para a tela. “Vê a mulher?”

Meu estômago embrulhou. Se alguma coisa em que Mitchell Leonardo estivesse envolvido implicasse Madeline, eu o visitaria antes da próxima rodada.

Os homens estavam conversando, “...veja aqui”, disse Reid. “Posso encontrar várias instâncias dele saindo ou chegando na Palmer House com a Srta. Miller. Eles estão sempre em um táxi.”

“O que sabemos sobre ela?” Perguntou Sparrow.

“Você acha que devemos nos preocupar com ela quando Hillman está dando festas em alguns dos piores lugares da cidade?” Perguntei.

“Você não quer?” Perguntou Mason. “Eles estão conectados.”

Exalando, inclinei-me para a frente no encosto do banco e retomei minha pesquisa de carros alugados. “Claro, todo mundo é suspeito.”

“O passado dela é muito chato”, disse Reid. “A Wikipedia tem uma pequena biografia fofa. Filha de pais comuns, cidade comum, pais falecidos, nunca se casou, blá, blá.”

“Então por que ela precisa de um valentão?” Perguntou Mason.

“E quanto a Hillman? Ele voltou da festa na casa?” Perguntei.

“Sim, ele e toda a sua comitiva,” Reid respondeu. “Eles estão todos de volta ao Four Seasons. Eu os vi entrar na suíte de Hillman.”

“O valentão voltou para o Palmer House?” Perguntei.

“Ainda não”, disse Mason.

Sparrow começou a andar. “Nós precisamos dormir, porra. Elliott está de volta ao hotel?”

“Sim”, disse Reid, “ele voltou desde que deixou o clube.”

“Estou ficando em branco,” eu disse. “Os carros foram alugados por três SAs diferentes de cinco locadoras diferentes.”

“Sim, eu esperava que você encontrasse algo diferente”, disse Mason.

“Os cartões de crédito vão para as mesmas SAs.”

“Deixe-me adivinhar”, disse Sparrow, “todas do mesmo estado.”

“Delaware”, eu disse, sabendo que abrir uma empresa de fachada em Delaware era uma das mais fáceis, tão fácil quanto uma conta de e-mail, e poderia ser feito em um dia.

“Patrick, vá dormir um pouco”, disse Sparrow. “Este não é um debate. Você e Mason chegaram ao mesmo beco sem saída. Acho que podemos presumir com segurança que quem alugou esses carros não quer ser identificado.”

“Hillman está desfilando pelos melhores clubes privados de Chicago. Ele não está se escondendo.”

“Verifique a reserva dele no Four Seasons,” eu disse. “Está em seu nome. É reservado com seu próprio cartão de crédito? Quem sabe, isso poderia voltar para o dinheiro de McFadden. Todos nós sabemos que há uma tonelada de merda lá fora que os federais não foram capazes de encontrar. McFadden o escondeu.”

“Patrick, estou falando sério”, disse Sparrow. “Você não pode contar cartas e vencer Hillman sem dormir um pouco. Ele não vai deixar minha cidade com milhões no bolso para financiar algum tipo de golpe. A que horas começa amanhã a primeira ronda?” Ele zombou. “Hoje?”

“Meio-dia,” eu disse enquanto me levantava. “Primeiro, preciso mencionar algo.”

A sala inteira parou, todos os olhos se voltaram para mim.

“Você está doente?” Reid perguntou.

“Não.”

“Isso afetará amanhã?” Perguntou Sparrow. “Fará alguma diferença com os homens de Hillman e McFadden voltando para a cidade? Porque precisamos estar focados na navalha. Outra merda pode esperar.”

“Não acredito que vá”, respondi.

“Então vá para a cama”, proclamou Sparrow.

Assentindo, comecei a caminhar em direção à porta de aço. Antes de alcançá-la, me virei. “Amanhã é a grande noite do clube. Acho que todos devemos dormir um pouco. Os capos nos notificarão se as coisas ficarem fora de controle.”

“Ele está certo”, disse Sparrow. “Vocês dois,” ele falou para Mason e Reid, “deixem os programas rodarem. Durmam um pouco. Nem todos vamos ganhar um torneio de pôquer amanhã, mas podemos ser necessários.”


PATRICK

 

Três horas de sono não eram muito, mas teriam que ser o suficiente. No momento em que tomei banho, me vesti e caminhei até a cozinha da cobertura, o lugar estava cheio.

“Bom dia”, disse Araneae, a esposa de Sparrow, com um sorriso por cima da caneca de café.

“Minha agenda está errada?” Perguntei. “O que todo mundo está fazendo acordado em uma manhã fria de sábado? Inferno, eu dormiria se pudesse.”

A esposa de Reid, Lorna, que estava em frente ao fogão virando bacon e enchendo a cozinha com um aroma incrível, riu. “Patrick, quando foi a última vez que você dormiu?”

“Provavelmente”, disse Reid, “antes deles pegarem nossos traseiros no treinamento básico.”

Um pequeno sorriso veio aos meus lábios, imaginando aquela vez — antes de eu entrar para o serviço, antes de Maddie desaparecer. A imagem de nós dois aninhados sob um cobertor grosso trouxe calor ao meu rosto. Quando eu saí disso, todos os olhos estavam em mim. “Acho que você está certo. Eu só estava pensando em como seria bom.”

“Pegue um pouco de café”, disse Sparrow, “e explique o torneio. Estou pensando em me juntar a você na rodada final.”

“Não”, veio a chamada retumbante de Mason, Reid e eu.

“Por que? O que está acontecendo?” Araneae perguntou enquanto se sentava ao lado de Sparrow.

“Nada,” disse Sparrow, enquanto sorria para ela.

“Sim, eu não acredito em você”, disse ela. E então ela se virou para mim. “Vamos, Patrick, você deve fazer o que eu digo. O que está acontecendo e por que Sterling não pode estar lá?”

Sparrow uma vez me disse isso — para ouvi-la — e, embora ela estivesse dizendo isso em tom de brincadeira, era algo de que ela gostava de me lembrar. “Estou jogando cartas”, respondi honestamente.

“Cartas?” Todas as três mulheres ecoaram.

“Pôquer”, esclareceu Mason. “É um torneio com um jackpot de um milhão de dólares além de ganhos substanciais. Patrick chegou às semifinais. Esta noite é a final.”

“Isso é legal?” Araneae perguntou.

“E se você não ganhar nas semifinais?” Laurel, esposa de Mason, perguntou.

“Sim”, Sparrow respondeu à esposa e, voltando-se para Laurel, disse: “Isso não vai acontecer.”

“Poker parece divertido”, disse Lorna. “Acho que precisamos de uma festa de pôquer em uma dessas noites frias, em vez de vocês quatro trabalhando lá embaixo.”

“E teremos vinho”, acrescentou Araneae.

“E petiscos,” Lorna respondeu enquanto colocava um prato de bacon na mesa.

Laurel se levantou e trouxe uma tigela de frutas.

Lorna tirou do forno uma tigela grande de ovos mexidos e colocou no centro. Em pouco tempo, estávamos todos festejando com a refeição matinal enquanto eu explicava o funcionamento do torneio do Club Regal. “Dezoito jogadores começarão a primeira rodada de hoje. Dependendo da aposta, dezoito podem não completá-la.”

“Por que?” Laurel perguntou.

“Você já jogou pôquer?” Mason perguntou a ela com um sorriso. “Quero dizer, eu ficaria feliz em te ensinar.”

O rosa encheu suas bochechas. “Por que estou pensando no strip poker?”

“Porque era isso que eu estava pensando”, disse ele.

“Posso te ensinar”, Araneae se voluntariou com um sorriso malicioso. “E então você ainda pode jogar strip poker, mas será você quem terá a vista.”

Sparrow pigarreou.

Sua esposa riu. “Claro, vou aceitar você. Você também perderá, mas a visão de Laurel é mais...”

“Mais o que?” Perguntou Sparrow.

A refeição de todos foi momentaneamente esquecida enquanto esperávamos, nos perguntando como Araneae iria facilitar seu caminho para fora deste canto de conversa.

A cabeça de Araneae se inclinou. “Mais colorida. A minha, porém, será a melhor.”

A cozinha se encheu de risadas. Era um universo alternativo dentro das casas de nosso castelo de vidro, uma estranha realidade onde nossa família, embora não por sangue, poderia viver e amar, apesar dos perigos que espreitam dentro de nossa cidade. Era reconfortante e triste. Por apenas um momento, meus pensamentos foram para Madeline. Eu poderia deixá-la segura, assim como aqueles homens fizeram com suas mulheres.

Afastei o pensamento. Não era a maneira como um homem como eu vivia, e com as constantes negações de Maddie, isso não aconteceria. Eu precisava me concentrar no que poderia fazer.

“Como estava dizendo,” comecei depois de outro gole de café. “O all-in não era uma opção nas duas primeiras rodadas. É agora. É a melhor maneira de eliminar adversários.”

“Arriscado”, disse Sparrow.

“Não deve ser feito em um blefe. Normalmente não”, disse.

“Então, se todos os dezoito jogadores terminarem a rodada com fichas, quem avança?” Laurel perguntou, parecendo genuinamente curiosa.

“Os seis jogadores que mais acumularam durante a rodada.”

“Não os ganhos gerais?” Lorna perguntou.

“Não, essas são as regras da casa. O raciocínio é que no geral não seria justo. Os quarenta e dois maiores buy-ins entraram no torneio. O dinheiro foi irregular desde o início. Entrar com mais capital é vantagem suficiente sem adicionar isso aos ganhos diários.”

“Agora, estou começando a rodada com cerca de US $ 300.000. Arrisco-me a adivinhar que a pessoa que ocupa o primeiro lugar tem mais de um milhão.” Minha suposição foi baseada nos $ 500.000 de Madeline em oitavo lugar. “O dinheiro com o qual você começa a jogar é deduzido para avaliar sua colocação. Os seis primeiros avançam.”

A cabeça de Laurel estava tremendo. “Quanto mais dinheiro você começar, melhores parecerão suas chances.”

Eu concordei. “É verdade, mas, novamente, a opção de all-in pode inverter os ganhos muito rapidamente.”

“É muito dinheiro”, disse Araneae.

Laurel continuou suas perguntas. “E se você ganhar tudo — o torneio inteiro...”

“Quando”, interrompeu Sparrow.

“Quando você ganhar tudo”, Laurel disse com um sorriso, “você só ganha o jackpot ou fica com suas fichas também?”

“O vencedor fica com os dois.” Eu pensei sobre isso por um segundo. É um torneio inteligente de ser disputado dessa maneira. Se os jogadores não conseguissem manter seus ganhos, seriam mais frívolos com suas apostas. “Mesmo que o jogador não ganhe o jackpot, se nunca perder um all-in, essa pessoa pode sair do torneio com uma boa quantia em dinheiro.”

Meu telefone vibrou no meu bolso.

“Desculpe.” Tirei meu telefone do bolso e li a mensagem de texto. “É de Beckman,” eu disse para o benefício dos outros homens.


“PRECISO FALAR COM VOCÊ IMEDIATAMENTE. AGORA É UMA BOA HORA?”


Eu fiquei de pé. “Ele quer conversar.”

“Você não vai desistir do torneio, não importa a pressão que ele esteja sofrendo”, disse Sparrow. “Minha cidade. Se ele planeja manter aquele clube aberto...”

Balancei a cabeça enquanto entrava na grande sala de estar. Não era longe da cozinha, mas longe o suficiente para manter minha conversa longe das mulheres. E quando fiz uma pausa, parecia que a conversa deles havia recomeçado.

Semelhante a todos os nossos apartamentos individuais, este andar da cobertura de Sparrow e Araneae tinha janelas do chão ao teto. Olhei para o lago e a cidade lá fora. Mesmo nesta manhã fria, o sol estava nascendo, rompendo a geada e a névoa matinais.

Minha cidade.

A proclamação de Sparrow ecoou em meus ouvidos. Era dele e nossa. Tínhamos trabalhado para protegê-la e permitir que Hillman, um dos membros da velha guarda de McFadden, entrasse aqui e se exibisse, lançar insultos e sair com milhões de dólares não seria — não poderia — ser permitido.

Batendo no ícone perto do nome de Ethan Beckman, esperei a ligação ser conectada. “Beckman?” Perguntei depois que ele respondeu.

“Sr. Kelly, há muito sangue. E-eu não... ela está morta.”

Voltando-me para o arco da cozinha, peguei os três pares de olhos olhando em minha direção. Reid, Mason e Sparrow não estavam mais na cozinha, mas sim ombro a ombro, olhando para mim em antecipação.

Meus joelhos ficaram fracos enquanto a sala ao meu redor girava.

Madeline?

Morta?

Como Beckman saberia me ligar?

Por que eu a deixei?

Meu pulso disparou enquanto as perguntas lutavam pela supremacia. “Espere. Como você soube que deveria me ligar?”

“E-eu achei que você poderia mandar uma mensagem para o Sr. Sparrow. Eu não sabia mais o que fazer.”

“Para o Sr. Sparrow?” Olhei para o outro lado da sala enquanto minha mente tentava entender o que Beckman estava dizendo. “Sim eu posso. Diga-me o que você quer que eu retransmita.”

Sua voz falhou enquanto ele falava mais rápido. “O fato é que ela sempre está aqui cedo, especialmente quando há um evento.”

“Espere. Quem está sempre aí cedo?”

“Veronica Standish.”

Exalando, encostei-me nas costas de um dos muitos sofás. “Veronica Standish.”

“Sim, senhor. Você estava falando com ela ontem à noite. Ela está quase sempre aqui...”

“Sim, eu sei quem ela é.”

“Ela não mora longe do Club Regal”, disse Beckman.

“Srta. Standish”, eu disse mais uma vez para confirmação.

“Sim senhor. Quando ela não atendeu o telefone, presumi que havia dormido demais. Há muitas coisas que precisam ser feitas antes do torneio ao meio-dia. Devo admitir, fiquei com raiva por ela não estar aqui. Tínhamos uma série de desentendimentos sobre esse torneio.”

“Como você sabe que ela está morta?”

“Depois de alguns telefonemas, decidi ir pessoalmente para a casa dela. É horrível. Eu nunca vi...”

“Acalme-se. Você a encontrou?” Minha cabeça estava tremendo. “Você chamou a polícia?”

“Ainda não. Estou aqui... não sabia o que fazer. Eu... por favor; Achei que o Sr. Sparrow gostaria de saber. É por isso que liguei para você primeiro.”

“Sr. Beckman, respire fundo. Deixe-me informar o Sr. Sparrow.” Não esperei por uma resposta antes de apertar o botão mudo do telefone. Em seguida, contei o que acabara de ouvir, falando baixinho para não alarmar as mulheres.

“Diga a ele para esperar por nossa equipe forense”, disse Sparrow. “Assim que eles chegarem, ele deve ir ao clube e continuar como um dia normal. Nem uma palavra para mais ninguém.”

Concordei.

“Diga a ele,” continuou Sparrow, “que ele será recompensado por sua lealdade por ligar para você primeiro. Depois que nosso pessoal der uma olhada na cena, a polícia pode ser notificada anonimamente.”

Ativei o som do telefone. “Fique onde está.”

“Aqui?” Ele perguntou. “Não, senhor, eu não posso... quero dizer, e se alguém assumir...”

“Pare, Ethan,” eu disse calmamente. “Você fez a coisa certa ao me ligar primeiro. O Sr. Sparrow está satisfeito com sua ordem de ações. Fique parado até que nossa equipe chegue. Diga-me que não foi você e você não será implicado.”

“Não foi, Sr. Kelly, eu juro. Oh Deus. O sangue.”

“Não toque em nada. Tudo o que você já tocou, conte para nossa equipe. Depois que eles chegarem, volte para o clube e aja como se fosse um dia normal.”

“E-eu... não sei se posso.”

“Não decepcione o senhor Sparrow, Beckman. Você consegue fazer isso. Precisamos conhecer os detalhes e descobrir quem fez isso. Estou saindo imediatamente. A equipe estará aí em breve.” Olhei para Reid, que estava enviando o que eu acreditava ser a mensagem para o capo encarregado desses trabalhos. Ele ergueu os olhos do telefone e acenou com a cabeça. “Sim, eles foram notificados. Eu te encontro de volta no clube. Diga-me que você pode fazer isso.”

“E-eu...”

“Diga-me que podemos contar com você,” disse novamente.

“Sim... sim, eu posso ficar. Você pode contar comigo. E quanto à polícia?” Ele perguntou.

“Assim que nossa equipe descobrir tudo o que puderem, a polícia receberá uma ligação anônima. Não ligue para mais ninguém.”

“Sim, senhor. Fiquei chateado com ela, mas nunca quis...”

“Claro que não. Fique parado até que a equipe chegue.”

Eu desconectei a linha.

“Por que?” Perguntou Sparrow. “Veronica Standish era de muita utilidade...” Ele deu uma volta completa enquanto seus dedos passavam por seu cabelo. “Conte-me tudo o que ele disse.”

Balancei a cabeça e me virei para Reid para confirmar o que dissemos silenciosamente. “A equipe está a caminho?”

“Sim. Marcelo respondeu. Eles são bons.”

“Tudo bem. Você pode confirmar que fui a primeira ligação de Beckman e a última até que isso seja resolvido?”

“Vou com você”, disse Sparrow. “Você pode me informar no caminho.”

Minha mandíbula cerrou. “Chefe, é sua decisão. Eu preferiria que você não fizesse, pelo menos não ainda.”

“Vou com Patrick,” Mason se ofereceu. “Eu estava indo de qualquer maneira.”

Reid entrou na conversa. “Se Hillman está trabalhando pelo que sobrou da equipe de McFadden, eles podem estar tentando expulsá-lo, chefe. Isso vale para o torneio também.”

As narinas de Sparrow dilataram-se quando ele exalou. “Como ela foi morta?”

Dei a todos uma breve sinopse da chamada. “Beckman disse que ela não apareceu no clube. Ela não mora longe. Ele pensou que ela havia dormido demais e foi para a casa dela.”

“Como ele entrou?” Perguntou Mason.

Minha cabeça balançou. Eu deveria ter perguntado. “Ele não disse. Vamos descobrir no clube. Ele ficou mencionando sangue. A equipe de Marcelo vai nos contar mais. Acalmei Beckman o suficiente, espero. Ele disse que ficaria e esperaria pelo time, depois me encontraria no clube.”

A cabeça de Sparrow tremia. “Eu não gosto de nada disso.” Ele olhou para Mason e para mim. “Parem em dois. Quero vocês dois preparados para qualquer coisa.”

Nós concordamos.

“Vou ficar aqui agora”, disse Sparrow, embora fosse óbvio que não era o que ele queria. “Eu não tenho certeza sobre mais tarde. Agora, vocês dois vão manter a mim e Reid atualizados. Estou colocando os apartamentos em confinamento.”

“Reid e eu estamos em movimento,” Sparrow continuou. “Não importa o risco, estaremos onde formos necessários. Precisamos assumir que a morte dela foi outra flecha disparada contra nós. Meu instinto está me dizendo que a morte de Veronica não está apenas ligada ao torneio, mas que provavelmente está ligada a Hillman. Reid”, Sparrow olhou para ele. “Nós sabemos que Hillman e seus homens voltaram para o hotel depois de sua pequena festa em casa. Temos certeza de que eles ficaram?”

“Vou descer para o dois e ver o que posso encontrar”, respondeu Reid.

“Confinamento?” Perguntei em confirmação.

“Sim”, disse Sparrow. “Nosso trabalho está lá fora. Todos nós vamos tomar precauções, mas esta é a nossa cidade.” Ele inclinou a cabeça em direção à cozinha. “Com elas, não vou arriscar.”

Todos nós concordamos.

“Ok, vamos,” eu disse. Enquanto falava, Araneae entrou na sala.

“Desculpa por interromper. Acabei de ligar para Garrett”, disse ela, dando um beijo em Sparrow. “Eu sei que é sábado, mas Laurel e eu estamos indo para a fundação por um tempo. Ela quer verificar uma coisa e tenho alguns papéis...”

Mason, Reid e eu trocamos olhares enquanto a velocidade de nossa caminhada em direção ao elevador aumentava.

“Laurel e Lorna?” Perguntei quando chegamos à porta que disfarçava o elevador.

“Estou ligando para Lorna agora”, disse Reid.

Mason pegou o telefone. “Sim, enviando uma mensagem. Eu não estava esperando o anúncio de Sparrow.”

Nós três zombamos quando entramos no elevador. Apertei o botão para dois.

Isso não era de forma alguma um assunto para rir. No entanto, não era segredo como a esposa de Sparrow se sentia a respeito de confinamentos, mesmo em uma fria manhã de sábado. Não que ela fizesse uma cena na nossa frente, mas todos nós sabíamos que, quando Araneae tivesse a chance, ela transmitiria sua opinião ao marido em termos inequívocos. Não importava o risco no mundo, Sparrow receberia uma bronca, provavelmente proferida em alto e bom som.


MADELINE

 

Com meu telefone na mão, andei por todo o comprimento do meu quarto de hotel da porta à janela e voltei. Já tinha feito isso tantas vezes que o carpete estava marcado pela reentrância dos meus saltos altos. Minha bandeja do café da manhã ainda estava sobre a mesa e a garrafa de café estava vazia. A hora na tela do meu telefone marcava 10h20. A próxima rodada do torneio começaria em menos de duas horas com ou sem mim.

Apertando o botão do alto-falante, tentei o celular de Mitchell provavelmente pela vigésima quinta vez. Do meu lado, ouvi três toques antes de ir para o correio de voz. Três. Cada vez era o mesmo, nunca variando. Desliguei, não deixando outra mensagem.

“Onde você está?” Perguntei em voz alta, embora ninguém pudesse ouvir.

Mais uma tentativa.

Não me preocupei em colocar no viva-voz.

Além do zumbido do aquecedor, o quarto estava silencioso.

Três toques. 'Deixe um recado.'

Eu desliguei.

Gah.

Até o correio de voz de Mitchell era irritante. Ele não poderia dizer olá ou você telefonou...?

Eu me ocupei o máximo que pude em um quarto de hotel para manter minha mente longe do torneio iminente e da ausência de Mitchell. Entrando no banheiro, fiz outra verificação do meu cabelo e maquiagem.

Como não recebi instruções específicas sobre vestimenta de Andros, eu tinha feito — como fazia na maioria dos dias — cuidando da minha aparência por conta própria. Meu cabelo estava solto, enrolado em ondas caindo em cascata pelas minhas costas. O vestido que usava era longo e verde esmeralda com um decote profundo e uma fenda na lateral.

O plano o tempo todo era que eu usasse este em particular no último dia. Sim, eu era uma mulher na arena masculina, mas não estava disposta a me distrair. Se meus oponentes estavam mais interessados em meu decote do que em minhas cartas, a culpa era deles.

Passei um pouco de perfume entre o volume dos meus seios. Ao fazer isso, minha mente foi para um dos meus possíveis oponentes. As palavras de Patrick voltaram para mim, torcendo meu estômago e levando uma onda de calor ao meu núcleo.

‘...sei que estarei pensando em como é estar dentro de você e em como geme quando estou chupando você.’

Eu fiz beicinho e passei outra camada de gloss sobre a mancha vermelha. Depois que terminei, sussurrei: “Sinto muito, Patrick. Tenho que vencer.”

Trouxe a tela do meu telefone de volta à vida.

Merda!

Já eram quase dez e meia.

Eu parei de andar na janela. Espiando pelo grande painel, avaliei o tráfego abaixo. Tarde da noite, tínhamos voltado para o Palmer House em menos de quinze minutos. Não era tarde da noite. Apesar da neve e do frio, a cidade, os andares abaixo, estavam vivos com pessoas indo e vindo daqui para lá. Embrulhados da cabeça aos pés, estavam ao longo da calçada enquanto veículos de todos os tamanhos e cores enchiam as ruas.

Isso estava ficando ridiculamente perto da má forma. Eu não deveria aparecer no Club Regal quando o jogo estava prestes a começar.

Apertei a discagem e liguei para o telefone de Mitchell novamente.

Três toques.

“Deixe...”

Desligando, joguei meu telefone na cama.

Isso não pode estar acontecendo. Eu não tinha chegado tão longe para não jogar.

E então isso me atingiu como uma tonelada de tijolos.

Oh meu Deus. Como fui tão estúpida?

“Maldito seja, Patrick”, falei para ninguém. “Eu não vou desistir. Não vou sacar. Isso não está acontecendo.”

Eu estava paranoica ou Patrick poderia de alguma forma ser responsável pelo atraso de Mitchell?

Como tudo desde que voltei para Chicago, eu não tinha certeza de nada.

Isso não era totalmente verdade. Sabia de duas coisas: precisava chegar ao Club Regal e precisava chegar logo.

Abri meu registro de chamadas. Se eu tivesse o número de Patrick, ligaria para ele e diria o que pensava. No entanto, não importava o motivo, Mitchell era a pessoa desaparecida. Eu não queria me importar, mas de uma forma pequena me importei. Não era típico dele e fiquei preocupada.

À medida que minha frustração crescia, tive uma pontada de simpatia por Andros na outra noite, quando não atendi meu telefone.

De volta ao meu registro de chamadas.

Parei no número de telefone de Andros. Na verdade, não era um número. Parecia bloqueado, mas eu sabia que, pelo meu telefone, era a chamada que chegaria a ele.

Se eu estivesse em Detroit, ligar para Andros só era permitido em caso de emergência. As regras podem não se aplicar aqui, fora da cidade, e de novo, podem. Não havia como presumir quando se tratava de Andros Ivanov. À medida que cada minuto passava, eu estava convencida de que a situação estava ficando muito próxima do status de emergência.

Quando eu estava prestes a fazer a ligação, meu telefone tocou, vibrando na minha mão e deixando meus nervos já em frangalhos no limite.

Era Mitchell ou Andros?

Respirando fundo, li a tela.


NÚMERO DESCONHECIDO

DALLAS, TX


Era Marion? Quem mais poderia ser?

Como ele conseguiu meu número?

Eu sabia que não tinha dado a ele. Então, novamente, Andros me instruiu a distraí-lo. Esperava que isso incluísse no telefone. O segundo toque ecoou nas paredes.

“Olá,” eu disse, fazendo o meu melhor para parecer calma.

“Madeline, onde você está?”

Soltei um suspiro exagerado. Era Marion. “Ainda estou no meu quarto de hotel. Meu motorista não chegou.”

“Não, isso não vai funcionar. A maioria dos participantes já está aqui. Embora eu deva dizer que algo está acontecendo. Eu esperava evitar os outros e passar nosso tempo juntos.”

“Parece que estou presa. Não consigo localizá-lo.”

“Onde você disse que está hospedada? No Palmer House?”

Eu disse a ele?

Poderia ter. “Sim, no Palmer House.”

“Meu motorista estará aí em vinte minutos. Vou dizer a ele para quebrar todas as leis, mas é claro, para não ser pego.”

“Eu realmente não deveria,” disse. “Tenho certeza de que Mitchell está simplesmente preso no trânsito.”

“Se ele chegar antes do Justin, me liga e está tudo bem. Esperei anos para desafiá-la na rodada final de um torneio. Seu nome na lista foi o que me atraiu para este torneio. Não vou permitir que um motorista atrasado interfira em meus planos.”

Ele entrou por minha causa?

Isso era algo que exigia mais reflexão. Agora não era a hora. Eu estava desesperada, mais desesperada do que queria parecer. “Marion, sério, vou pedir ao porteiro que chame um táxi.”

“Absurdo. Justin já está a caminho”, respondeu Marion. “Uma mulher tão bonita quanto você não deveria chegar em um táxi sujo, mas com estilo. Espere por uma limusine Mercedes preta. Peço desculpas por ser bastante pequena. A que tenho em casa não cabe no meu avião. Você sabe como é?”

Minha cabeça balançou. Eu não sabia como era. Andros tinha dinheiro e gostava de seus brinquedos caros, mas, recentemente, raramente estava com ele para passear. Na maioria dos casos, isso me servia bem. “Obrigada, Marion. Estou muito agradecida.”

“Você vai jantar comigo então, entre as rodadas.”

“Eu não...”

“Será a sua maneira de dizer obrigado”, disse ele.

Os cabelos da minha nuca se eriçaram. Já sentia que o havia enganado demais. “Suponho que isso dependerá se nós dois avançarmos.”

“Eu não tenho dúvidas. Cuidado com Justin. Vejo você em breve.”

“Marion?” Perguntei.

“Sim.”

“Como você conseguiu meu número?”

“Eu não posso te contar todos os meus segredos,” ele disse com um sorriso malicioso em seu tom.

“Obrigada de novo,” disse enquanto desconectava a ligação.

Vestindo meu casaco de inverno, coloquei meu cabelo comprido para fora da gola e peguei minha bolsa. Uma última olhada no espelho. “O que quer que você tenha feito, Sr. Kelly, não funcionou. Eu chegarei a tempo.”

No momento em que desci no elevador e atravessei o saguão até a porta da frente, meu tempo de espera foi de apenas alguns minutos. Mais uma vez, tentei o número de Mitchell. Três toques.

“Srta. Miller”, o porteiro disse, chamando minha atenção para ele.

“Sim.”

“Senhorita, sua carona está esperando.”

Espera? Não se passaram vinte minutos.

“Obrigada,” eu suspirei, grata por logo estar em trânsito.

O carro para o qual o porteiro me levou tinha janelas escuras. Também era muito maior do que eu esperava, o que me fez pensar como caberia no avião de Marion.

Que tipo de avião ele tinha?

“Srta. Miller?” Perguntou um homem com uniforme de motorista.

“Sim, você é Justin?”

Ele sorriu docemente. “Eu sou, senhorita.” Ele alcançou a maçaneta da porta e abriu a porta traseira. “Sr. Elliott queria que eu garantisse a ele que você chegará a tempo. Acho que devemos ficar bem.”

“Sim”, disse. “Você chegou mais cedo do que eu esperava.”

“Ele me disse para me apressar.”

Eu sorri enquanto pegava sua mão. “Obrigada.” Eu me abaixei, entrando na limusine. Meus sapatos estavam dentro e a porta fechada. Quando me virei para me sentar, o homem na poltrona mais distante com cabelos e olhos escuros apareceu. Minha inspiração rápida abafou meu suspiro.

“Minha querida, precisamos conversar,” seu timbre era sedoso, mas eu sabia que era suave o suficiente para cobrir os espinhos.

“Andros”, respondi.


PATRICK

 

O torneio estava marcado para começar em menos de uma hora e mesmo com tudo acontecendo, eu estava esperando a chegada de Madeline. A última vez que estive no clube, ela não estava lá. Eu não sabia por que não trocamos números de telefone, mas agora gostaria que tivéssemos. Além de mim, os outros dezesseis jogadores estavam presentes e representados. Na superfície do Club Regal, tudo parecia normal.

Sob a superfície e nos bastidores, Ethan Beckman estava pronto para desmoronar. Ele conseguiu se recompor o suficiente para sair de seu escritório e entrar em contato com seus funcionários, dizendo-lhes que não tinha sido capaz de contatar Verônica e que precisava de todos eles para preencher onde fosse necessário.

Agora ele estava comigo, de volta ao escritório. “Nossa equipe”, eu disse a ele, “concordou com o que você disse. Havia muito sangue. O respingo e a formação de poças indicam que ela foi morta com um tiro na nuca à queima-roupa. Devido à coagulação do sangue, temperatura corporal e estágio de rigor mortis, eles estimam que ela foi morta seis a dez horas antes. É um grande intervalo. Sem mexer no corpo mais do que já fizeram, não é uma ciência exata. O legista poderá fazer mais.”

“Com a estimativa que eles forneceram, podemos presumir que a hora da morte foi entre dez horas da noite passada e duas horas desta manhã. A que horas ela saiu daqui ontem à noite?”

Eu não podia acreditar que não a tinha procurado como planejado. Se tivesse, saberia a resposta para essa pergunta.

A cabeça de Beckman balançou. “Não tenho certeza. O torneio não terminou antes das onze. Ela estava aqui então.”

“Depois disso?” Perguntei.

“Sinto muito”, disse ele, exasperado. “Eu deveria saber, mas este torneio me deu nos nervos. Saí assim que pude.” Ele olhou para cima. “Foi depois que os jogadores eliminados receberam o pagamento pelas fichas restantes. Seu pessoal sabe de mais alguma coisa?”

“Encontraram um cartucho de 9 mm”, eu disse, “o que significa uma merda. É um dos cartuchos de pistola mais populares do mundo. A equipe deixou para a polícia. Eles podem conseguir mais informações a partir dele.”

Beckman apoiou os cotovelos na mesa e apoiou a cabeça nas mãos. “Veronica trabalhava para mim e para o Club Regal por quase vinte anos.” Seu queixo se ergueu até que seus olhos injetados de sangue encontraram os meus. “Tivemos nossos desentendimentos ao longo desse tempo, mas morta? Quem faria isso?”

Minha cabeça balançou. “Você sabe quem anda armado no clube?”

“Não. Temos uma política de não pergunte, não diga. Não está escrito. A lei de Illinois exige uma licença de porte oculto. Tem sido nossa política que, se o estado permite, quem somos nós para impedir?”

“E você acredita que todo mundo que anda armado tem a licença?”

Ele ficou em pé. “Não sou estúpido, Sr. Kelly. Sei que não é verdade; no entanto, é a política do clube.” Seus olhos se arregalaram. “Você acha que quem fez isso com Verônica pode estar aqui agora? Estamos em perigo?”

“Temos Sparrows protegendo o clube e principalmente o torneio. A quantia de dinheiro nesse torneio é excessiva.”

“Não está lá.” Ele inclinou a cabeça em direção a um cofre no chão atrás de sua mesa. “Está aqui. Tudo o que há no salão do torneio são fichas no lugar de dinheiro. Elas não valem nada fora deste clube.”

“Quero que um dos meus homens fique no seu escritório até que o torneio termine e o dinheiro seja distribuído.”

“Isso é muito incomum”, disse ele.

“Estas são circunstâncias incomuns. Afinal, não é todo dia que um de seus funcionários respeitados é assassinado.” Sentei-me em uma cadeira em frente a sua mesa. Inclinando-me para trás, cruzei um tornozelo sobre o joelho. “Você disse que discutiram recentemente. Diga-me sobre o que vocês discutiram.”

“Não é importante agora.”

“Nesse ponto, tudo é importante. Deixe-me decidir.”

Beckman respirou fundo. “Veronica não ficou feliz com os buy-ins tardios neste torneio.”

Lembrei-me de nossa última conversa em que a Srta. Standish expressou sua desaprovação dos buy-ins. Eu rapidamente acabei com suas reclamações, dizendo que ficaria feliz em dizer a Sparrow que ela estava questionando suas decisões. Seu rosto tinha ficado pálido e ela respondeu rapidamente “...Eu respeito as decisões do Sr. Sparrow assim como o Sr. Beckman. Não estou preocupada com sua entrada.”

“Qual era a preocupação dela?” Perguntei.

“Ela temia que permitir o buy-in do Sr. Hillman criasse um precedente.”

“Levando a mais, como eu?” Adicionei.

“Sim, mas Sr. Kelly, não estou dizendo que ela não o queria no torneio. Isso não é... Sr. Sparrow... é claro que ambos estávamos dispostos a satisfazê-los.”

“Diga-me por que você estava disposto a satisfazer Antonio Hillman.”

Beckman se sentou mais ereto. “Ele foi membro deste clube por muitos anos com boa reputação, assim como foi seu pai...”

“Não é a palavra operativa foi?”

“Ele pediu”, disse Beckman finalmente.

A verdade é que não pedi. Eu simplesmente o informei que, como ele havia permitido um buy-in, o Sr. Sparrow tinha uma oferta. Suponho que ele poderia ter recusado, mas muito poucos recusavam uma oferta do Sparrow. “Acredito que você não está me contando a história toda.”

“Sr. Kelly, não quero problemas.”

“A Srta. Standish transmitiu seu descontentamento a mais alguém?” Perguntei.

“Não que eu saiba.”

Hillman poderia ter descoberto que ela não apoiava sua adesão e levado para o lado pessoal?

“Sr. Kelly, eu só quero que este torneio termine e Veronica entre pela porta como ela fazia quase todos os dias.”

“Fale-me sobre o pedido do Sr. Hillman.”

“Não foi nada.” Beckman se levantou e caminhou um pouco atrás de sua mesa. “E-eu...” Ele se virou para mim. “Foi há muito tempo.”

“O que foi há muito tempo?”

“Foi antes do Sr. Sparrow... sabe, antes do senador McFadden ser preso.”

“Vá em frente,” eu solicitei.

“O pai de Antonio me ajudou a sair de uma situação difícil. Inferno, quase me esqueci disso.”

“Isso não parece algo que você esqueceria.”

“Quando o Sr. Antonio Hillman ligou, ele me lembrou. Permitir que ele participasse do torneio era um favor em retribuição ao favor de seu pai. Você sabe, quid pro quo?”

“Por que este torneio em particular? O Club Regal organiza muitos torneios de pôquer.”

Beckman balançou a cabeça enquanto ele mais uma vez caiu em sua cadeira. “Sr. Kelly, não sei. Como disse, ele me pediu para retribuir o favor de seu pai.”

“É isso que vai acontecer”, comecei. “Primeiro, você permitirá o aumento da segurança do Sparrow agora e hoje à noite.”

Ele assentiu.

“Em segundo lugar, você permitirá que um homem fique aqui perto do cofre.”

A palidez de sua pele se acentuou ainda mais. “É um cofre. Ele pode se proteger. Além disso, apenas Veronica e eu... só eu sei a combinação.”

Plantei meus pés firmemente no chão, inclinei-me para frente e perguntei: “Srta. Standish e você? Ninguém mais?”

“Não, um de nós sempre esteve aqui.”

Olhei em direção ao cofre. “Você já abriu hoje?”

“Bem... não... eu... com tudo o que aconteceu...”

Nós dois olhamos novamente para o cofre. Preto e com cerca de um metro de altura, parecia pesado, e de uma reunião anterior, eu sabia que estava aparafusado ao chão de concreto. Com a porta fechada, parecia intocado.

“Faça isso”, eu disse. “Abra. Odeio pensar que a Srta. Standish perdeu a vida por causa do dinheiro, mas se o objetivo do assassino era acessar o que está no cofre, precisamos verificar se o dinheiro está presente.”

Visivelmente abalado, Beckman se levantou, virou-se e agachou ao lado do cofre, bloqueando o teclado de minha visão.

Cinco bipes precederam o som da porta se abrindo. Eu fiquei de pé.

“Oh meu Deus...” ele lamentou. “Sumiu.”

Agora tínhamos um motivo.

“Quanto estava lá?”

Quando ele se virou, seus olhos estavam vidrados. “Com buy-ins, taxas de entrada e as fichas compradas...” Levantando-se rapidamente, ele passou por mim. “Eu vou passar mal.”

A ânsia de vômito do banheiro anexo confirmou sua previsão.

Comecei meu texto para Sparrow, Reid e Mason. Como Mason estava no clube, ele não saberia o que eu acabei de saber.


“SRTA. STANDISH CONHECIA A COMBINAÇÃO DO COFRE DO CLUBE. BECKMAN ACABOU DE CONFIRMAR QUE O DINHEIRO DO TORNEIO SUMIU.”


Apertei enviar quando Beckman voltou com um pouco mais de cor nas bochechas do que antes. “Quanto?” Perguntei de novo.

“Veronica estava com a papelada. Os jogadores eliminados foram reembolsados por suas fichas. O que estava aqui era dos jogadores restantes.”

Meu volume aumentou. “Quanto?”

“Não sei ao certo. Acho que mais de quinze milhões.”

“Quem sabia que ela sabia a combinação?”

“Provavelmente a maioria dos funcionários”, disse ele.

Meu telefone vibrou. A mensagem era de Sparrow.


“QUANTO?”


Respondi com a quantia que me disseram. E então olhei para cima. “Sr. Beckman, você não pode dizer a ninguém que sumiu o dinheiro. Ninguém.”

“Mas... mas como? O Club Regal ficará arruinado.” Ele retomou seu ritmo. “Vai vazar que não fomos capazes de retribuir... em todo o mundo, seremos condenados ao ostracismo. Ninguém virá aqui depois disso. Nossa reputação será destruída.”

Eu estava ouvindo o que Beckman estava dizendo, mas minha impressão era diferente. Isso não refletiria apenas negativamente no Club Regal. Isso refletiria mal no Grupo Sparrow. Estávamos aqui para manter a segurança. Esse dinheiro foi roubado bem debaixo de nossos narizes. Essa informação seria outra adaga para os homens de McFadden ou qualquer outra armadura usar contra nós. Se não pudemos proteger este torneio, será assumido que também não podemos proteger nossa cidade.

“Sr. Beckman, olhe para mim”, exigi.

Ele o fez lentamente.

“O cofre mantém um registro de quando é aberto e quem o abriu?”

“Não... era... era só nós dois... Tínhamos apenas uma combinação.” Sua cabeça balançou. “Oh meu Deus.” Seus olhos encontraram os meus. “Por que ela e não eu?”

“Essa é uma boa pergunta,” eu disse. “Feche o cofre e tranque-o. Ainda vou colocar um homem aqui para manter a guarda. Forneceremos a ilusão de normalidade a todos nos bastidores. Não repita esta informação. Não diga uma palavra sobre o dinheiro ou o cofre ou que a Srta. Standish conhecia a combinação. Não fale sobre isso com ninguém.” Enfatizei a palavra. “Você entendeu?”

“Não? Não entendo. O que vai acontecer no final do torneio?”

Meu telefone vibrou. A mensagem era de Sparrow.


“ISTO NÃO PODE VAZAR. COBRIREMOS A PERDA.”


Olhei para cima. “Descubra a quantia exata que foi tirada. Dê essa informação ao Sr. Pierce. O Sr. Sparrow garantirá que este não seja o desastre que poderia ser. Não diga a ninguém, Sr. Beckman. Se vazar, você vai se arrepender.”

Enviei outro texto para a equipe.


“VERIFIQUE TODAS AS IDAS E VINDAS DO CLUB REGAL DA ÚLTIMA NOITE ATÉ ESTA MANHÃ. PRECISAMOS SABER QUANDO A SRTA. STANDISH SAIU DO CLUBE E SE ELA VOLTOU. TAMBÉM, VOCÊ PODE ACESSAR CÂMERAS DE SEU EDIFÍCIO OU DA RUA? QUEM ENTROU E SAIU DE SEU EDIFÍCIO OU DE SEU APARTAMENTO? PRECISAMOS DE RESPOSTAS.”


Antes de obter uma resposta, enviei mais uma.


“TAMBÉM PRECISAMOS SABER ONDE BECKMAN ESTAVA NA NOITE PASSADA. ELE DISSE QUE SAIU DEPOIS DO PAGAMENTO DO TORNEIO. REGISTROS DE TELEFONE. CÂMERAS DE TRÁFEGO. QUALQUER COISA QUE VOCÊ POSSA ENCONTRAR.”


Beckman ainda não me disse que favor Wendell Hillman fez por ele anos atrás. Sua pergunta sobre por que ela e não ele poderia ter sido feita para nos afastar ou ele pode ter me enviado involuntariamente na direção certa. Independentemente disso, não confiava que ele não estivesse mais envolvido.

Outra mensagem chegou até mim. Esta era de Sparrow, mas não fazia mais parte do texto do grupo.


“FAÇA TUDO NO JOGO FINAL. GANHE TUDO.”


MADELINE

 

O sorriso estava estampado em meus lábios quando Marion encontrou seu carro perto do meio-fio, pronto para me escoltar para dentro do Club Regal. Andros disse para não mencionar sua presença a Marion. Eu não conseguia compreender o que estava acontecendo.

Por que Andros Ivanov estava na limusine de Marion?

“Você conseguiu”, ele disse enquanto me ajudava no banco de trás. “Bom trabalho, Justin,” ele disse com uma inclinação de cabeça para o motorista.

“Obrigado, Sr. Elliott.”

Não notei o ar frio na calçada ou mesmo o calor quando entramos na entrada do clube. Havia muito para compreender.

“Madeline?”

Olhei para o rosto enrugado de Marion, a forma como pequenas linhas se formavam nas laterais de seus olhos enquanto ele sorria. Minha cabeça se inclinou. Seus olhos eram azuis. Eu não os tinha notado antes. Eles não eram iguais aos azuis de Patrick. Os de Marion eram pálidos em comparação.

“Mocinha, você está bem?” Ele perguntou.

“Sinto muito. Acredito que estou nervosa.”

“Claro que você está. Seu motorista deve ser demitido. Esse tratamento a uma bela mulher é inaceitável, principalmente antes do torneio. Diga-me o serviço que você contratou e eu mesmo farei com que o homem seja demitido.”

Minha cabeça balançou. “Marion, prefiro não pensar nisso.” Prefiro não pensar que Andros ordenou que Mitchell deixasse Chicago, despreocupado com o fato de que no processo ele me deixou abandonada. Quando perguntei por que ele mandou Mitchell embora, Andros disse que não era da minha conta.

Nada é minha preocupação, exceto vencer, vencer tudo.

Quando perguntei por que não havia sido informada e fiquei encalhada, ele me dispensou como se eu fosse uma criança chata buscando sua atenção.

A verdade é que eu não queria sua atenção. Queria voltar para Detroit e desaparecer na floresta onde estive. Embora Andros não tivesse usado as palavras exatas, eu havia percebido anos atrás que não era nada mais do que um brinquedo para ele, uma boneca a ser removida da prateleira, espanada e dada uma nova camada de tinta antes de me mostrar para seus amigos e inimigos. “Olha o que minha boneca pode fazer. Observe-a ganhar as mãos do pôquer. Observe enquanto ela faz o que eu mando.”

“Madeline, deixe-me ajudá-la com seu casaco”, disse Marion. “Temos um pouco de tempo antes do torneio. Talvez uma taça de vinho ajude a acalmar seus nervos?”

Desabotoei os grandes botões da frente do meu casaco de inverno. Quando Marion estendeu a mão para me ajudar a removê-lo, ele soltou um silvo baixo.

“Esse vestido”, disse ele.

O sorriso voltou. Eu tinha um trabalho a fazer e precisava fazer o que Andros havia dito e manter o foco. “Este?” Perguntei timidamente. “Espero que goste.”

“Você está deslumbrante. Como serei capaz de me concentrar nas cartas?”

“Talvez esse seja o meu plano.”

Marion riu. “Os rumores estão corretos.”

“Rumores?” Perguntei.

“Como eu disse antes, linda, misteriosa e letal.”

Coloquei minha mão em sua manga enquanto ele me levava para o Bar Regal.

Quando a garçonete se aproximou, Marion pediu nossas bebidas. “Um copo de chardonnay para a senhorita e Glen Marnoch puro para mim.”

“Sério,” protestei. “Água é tudo.”

Marion piscou em sua direção. “Traga ambos à senhorita.”

“Sim, senhor. Agora mesmo.”

“Marion, devo protestar. Ficar bêbada antes do torneio afetaria minha concentração.”

“Talvez, esse seja o meu plano. Se você pode deixar a mim e a todos os outros jogadores bêbados de luxúria naquele vestido verde que combina com seus olhos esmeralda, eu posso retribuir o favor.”

Depois que a garçonete entregou nossas bebidas, Marion ergueu o copo. “Um brinde.”

Eu levantei a taça de vinho na mesma moeda. “A que devemos brindar?”

“Para cada um de nossos sucessos.” Nossos copos tilintaram.

“E não se esqueça”, disse ele após um gole de seu uísque, “temos uma mesa reservada para o jantar.”

“Eu gostaria de reservar um lugar perto de você na mesa de pôquer nas finais desta noite,” eu disse com um sorriso.

“Não tenho certeza se isso é feito dessa forma, mas acredito que nós dois nos encontraremos lá.”

Eu me inclinei mais perto. “Tenho um segredo.”

“Oh? Mocinha, diga.”

“Vou ganhar tudo.”

Compartilhar meu segredo me rendeu uma gargalhada.

Quando eu estava prestes a tomar outro gole, um homem que reconheci do torneio se aproximou de nossa mesa. “Srta. Miller, Sr. Elliott, eu queria me apresentar. Sou Ethan Beckman. Eu supervisionarei as rodadas do torneio de hoje.”

“Onde está a Srta. Standish?” Marion perguntou.

A expressão do Sr. Beckman mudou por apenas um microssegundo. “Eu não a vi ainda hoje e bem, o jogo deve continuar.” Ele se virou para mim. “Falando nisso, Srta. Miller, estou aliviado que você tenha chegado.”

“Sim. Sinto muito”, disse. “Eu geralmente não gosto de chegar assim tão perto.”

Ele sorriu. “Está tudo bem agora que você está aqui.” Ele se virou para o Sr. Elliott e de volta para mim. “Se vocês dois se juntarem a nós, é hora de começar o primeiro turno de hoje.” Ele olhou para nossas bebidas. “Deixe-as. Temos muitas lá em cima.”

Assim que o Sr. Beckman se afastou, Marion sussurrou. “Estou em desvantagem.”

“E por que isto?”

“Você ainda está usando este vestido magnífico e só tomou um gole de seu vinho. Podemos corrigir isso no jantar.”

Com minha mão novamente em seu braço, subimos as grandes escadas. Quando nos aproximamos do topo, um conjunto diferente de olhos azuis encontrou os meus. Ao contrário de Marion, este conjunto enviou uma faísca à minha pele, me aquecendo por dentro e por fora. Seria tão fácil lembrar como era ver aqueles olhos todos os dias.

“Sr. Kelly”, disse Marion. “Boa sorte hoje.”

Patrick ofereceu sua mão e os dois se cumprimentaram.

“Você conheceu nossa linda concorrente, Srta. Miller?”

O olhar de Patrick encontrou o meu quando ele novamente ofereceu sua mão.

Minha respiração parou. Essa foi a mesma mão que percorreu minha pele na noite passada, os mesmos dedos que me trouxeram prazer e seguraram firmemente meus quadris. Eu estendi a mão.

“Srta. Miller.”

“Sr. Kelly.”

Eu duvidava que Marion notou como minha mão permaneceu na de Patrick ou observou a conversa não dita, mas pelo jeito que meu coração disparou e minha mão formigou com a nossa conexão, eu estava ciente de tudo sobre o encontro e muito mais. Olhei para Patrick de cima a baixo, desde o brilho em seus olhos até a forma como seu terno se ajustava em seus ombros e peito largo. Lembrei-me de como era deitar em seu abraço, correr meus dedos sobre as reentrâncias de seu abdômen.

Eu disse a mim mesma que era simplesmente o retorno de uma paixão da infância e que estar em sua presença a trouxe de volta com uma vingança. Era a mentira que repetia, sabendo que nunca poderia ser mais. Não seria possível.

O calor subiu pelo meu pescoço, sem dúvida trazendo rosa à minha pele enquanto me lembrava do que ele disse que estaria pensando quando me visse. Sim, Patrick, eu também estava pensando a mesma coisa.

Eu recuperei minha mão.

“Senhora e senhores”, disse o Sr. Beckman sobre nossos murmúrios. “Por favor, entre. Estamos prontos para começar a seleção de assentos.”

“Boa sorte, senhores,” eu disse enquanto me afastava, entrando no corredor sozinha.

Eu precisava de uma pausa.

Era hora de me concentrar.

Dezoito de nós paramos enquanto os nomes eram sorteados, um por um ocupando as cadeiras nas três mesas restantes. Uma galeria de cadeiras adicionais foi montada onde outras mesas estavam. Nossos observadores não precisariam mais ficar de pé. O torneio era mais do que um jogo para nós que estávamos jogando. Estávamos agora em exibição, o entretenimento para os membros do clube.

“Srta. Madeline Miller”, disse o locutor.

Sorrindo, caminhei em direção à mesa do meio. Marion já estava sentado na primeira mesa, junto com o Sr. Garcia e outros quatro jogadores.

“Sr. Antonio Hillman.”

Balancei a cabeça para o homem que se sentou à minha esquerda. Ao fazer isso, notei Patrick, ainda de pé. Parecia que algo sobre esse posicionamento chamou a atenção de Patrick.

“É um prazer conhecê-la, Srta. Miller”, disse Hillman com um sorriso.

Minha cabeça se inclinou. “A gente se conhece?” Ele parecia vagamente familiar.

“Apenas caminhos cruzados.”

Eu cantarolei.

“Na noite passada você estava sentada em uma mesa perto de mim,” ele esclareceu.

“Sim”, eu disse. “Tenho certeza que é isso. Boa sorte, Sr. Hillman.”

“Por favor, Antonio.”

“Então me chame de Madeline.”

Quando olhei em volta, todos os jogadores estavam sentados. Patrick estava na última mesa com seus outros cinco oponentes. Na verdade, nesta fase, todos os jogadores eram adversários. Tínhamos até às quatro horas para ganhar o suficiente para garantir um lugar na mesa final.

“Começaremos?” Nosso crupiê perguntou.


PATRICK

 

Eu estava na porra do inferno, preso como um artista no palco, incapaz de fazer o que eu fazia — investigar e ajudar. E pela forma como Mason estava enviando mensagens de texto em seu telefone, sabia que algo mais estava acontecendo, mais do que Veronica Standish e os quinze milhões desaparecidos. E isso era muito. Além disso, Hillman estava sentado ao lado de Madeline. Não conseguia ver como estavam as mãos deles no pôquer ou as atualizações no meu telefone. Tudo o que podia ver eram as cartas.


“VÁ COM TUDO. GANHE TUDO.”


Sem pressão.

“Sr. Kelly”, disse nosso crupiê, “a aposta é para você. A chamada é quinze.”

Eu estava cansado das apostas escassas. Três de meus oponentes tiveram ganhos inferiores aos da última rodada. Os outros dois aumentaram. Como a colocação se baseava nos ganhos por rodada, não nos ganhos acumulados, eu não sabia exatamente o que enfrentaria. Sabia que estava em décimo e precisava subir para os seis primeiros.

Minhas cartas eram uma merda — A, J, J, 6, 4. Ainda tínhamos a chamada e era hora de resolver o problema por conta própria. “Eu pago seus $ 15.000 e aumento outros vinte e cinco.”

Murmúrios vinham de meus oponentes, bem como de algumas pessoas que assistiam.

O que eles sabiam?

Eles não podiam ver minhas cartas.

“Isso é quarenta para você...” o crupiê disse enquanto contornava a mesa.

Com uma desistência, o jogo continuou com cinco jogadores.

Meus oponentes pegaram uma carta qualquer até o máximo de três.

“Sr. Kelly?”

Entregando o 6 e o 4, virados para baixo, coletei mais duas cartas. Eu não era um grande fã de segurar um kicker, mas era difícil com uma mão como a que eu segurava jogar fora um ás.

Revelei o canto da primeira carta.

10

Merda.

“Sr. Kelly, é sua aposta.”

Não falei enquanto revelava o canto da segunda carta.

Ás.

Olhei para a expectativa de meus oponentes. Contando cinco pilhas, empurrei-os para frente. “Cinquenta.”

“A aposta é de $ 50.000”, repetiu o crupiê.

Meu primeiro oponente desistiu. O segundo demorou antes de jogar as cartas. Foi o terceiro, Sr. Julius Dunn, que continuou jogando. Pela pesquisa de Reid e Mason, soube que Dunn era pouco mais que um playboy, o tipo de riquinho com o bronzeado perpétuo — mesmo em Chicago em janeiro — e o sorriso mais branco que o branco.

“Que diabos”, disse Dunn enquanto empurrava $ 50.000 em fichas para a frente. “E eu aumento dez para você.”

O último oponente desistiu.

Acrescentei mais dez ao pote.

Era responsabilidade da última pessoa que apostou ou aumentou mostrar suas cartas. Isso significa que com seu aumento de $ 10.000, o Sr. Dunn se colocou no centro das atenções, um lugar que eu decidi que ele gostava.

“Sr. Dunn”, disse o crupiê.

O sorriso de um milhão de dólares do Sr. Dunn cresceu. “Dois pares.”

Concordei.

Ele virou dois valetes.

Eu não precisei responder. Nem precisei mostrar minhas cartas, não se não estivesse reivindicando a vitória. No entanto, isso era mais. Eu precisava mostrar ao mundo que não blefava. Virei meu par de valetes. “Vá em frente”, eu disse.

Com o aparecimento do meu par de valetes, a potência do sorriso do Sr. Dunn esmaeceu um pouco.

“Seu outro par, Sr. Dunn?” O crupiê perguntou.

Ele virou as três cartas restantes — 8, 8, A. “Apenas para o caso de você planejar replicar meu par de oitos também”, disse ele.

“Eu não estava.” Virei meu par de ases.

A multidão suspirou.

Com um aceno de cabeça, remexi no pote. Em uma mão, acumulei mais de $ 200.000.

Sim, era assim que deveria funcionar.

Enquanto o crupiê embaralhava nosso baralho, a multidão novamente deu um suspiro. Olhei para cima a tempo de assistir enquanto Madeline puxava uma grande pilha de fichas em sua direção.

Saque.

Foi meu primeiro pensamento, e então me lembrei da mensagem de Sparrow. A retirada de Madeline custaria ao Grupo Sparrow. Ele gostaria que ela perdesse tudo.

Não importa o que estava acontecendo, eu não queria isso.

Mais mãos vieram e foram. Eu ganhei e perdi. Olhando para o meu relógio, vi que tínhamos menos de meia hora de jogo restante. Minha mesa estava reduzida a quatro jogadores. Perdemos dois por atrito normal. Eles apostaram tudo o que podiam e perderam.

Essa possibilidade era o motivo pelo qual isso era chamado de jogo.

Enquanto as vitórias se moviam ao redor da mesa, as pilhas altas pertenciam a mim e ao Sr. Dunn.

Finalmente, a chamada veio do locutor. “Senhora e senhores, esta mão conclui o jogo desta sessão.”

Olhei em volta, me perguntando onde Beckman estava, mas não consegui localizá-lo.

O crupiê ergueu as mãos. Ele estava embaralhando. Isso significava que nossa mesa estava pronta.

Esperei impacientemente enquanto nossas fichas eram contadas e os valores verificados. Dois jogadores haviam saído antes sem nada. Pela aparência das pilhas, mais dois da minha mesa não fariam a próxima rodada. Cada um parecia ter menos de $ 50.000. Esses eram pagamentos que não seriam obstáculos para Sparrow. Em circunstâncias normais, seria uma fração dos impostos pagos.

Essas não eram circunstâncias normais.

Meu olhar encontrou o de Mason. Sem dizer nada, perguntei se o dinheiro havia sido devolvido ao cofre. Seria necessário porque os jogadores que não avançavam sacariam dinheiro.

Ele assentiu.

“Sr. Kelly”, disse o crupiê, entregando-me meu recibo.

Eu li o total. Não foi um choque. Eu estava acompanhando.


$ 2.600.000


Sem os jogadores que já haviam se afastado de sua mesa, o resto de nós permaneceu sentados enquanto a sala ficava mortalmente silenciosa. O homem que anunciou o fim do jogo recolheu os totais.

Eu comecei a rodada com $ 350.000. Isso significava que ganhei $ 2.250.000. É melhor que seja o suficiente.

“Começaremos com nossa sexta adição à rodada final.”

A sala respirou coletivamente.

“Sr. Nicholas Garcia.”

A sala se encheu de aplausos.

“Sr. Julius Dunn.”

Mais aplausos.

“Srta. Madeline Miller.”

Meus olhos se fecharam enquanto a multidão aplaudia. Droga, isso seria mais fácil se ela pudesse apenas sacar.

“Sr. Antonio Hillman.”

Meu olhar foi para o de Mason. Seu olhar estava voltado para Hillman e, se eu fosse adivinhar, ele não estava feliz.

“Sr. Patrick Kelly.”

Balancei a cabeça enquanto recebia aplausos.

O nome final era esperado, mas, novamente, nada era certo.

“Sr. Marion Elliott.”

Os aplausos deram lugar a vozes, todos falando.

“Senhoras e senhores”, disse o locutor, agora falando para toda a sala, “vamos retomar o jogo às sete horas em ponto. Assim que as portas se fecharem, elas não serão reabertas até que o jogo seja concluído.”

Pegando meu recibo, coloquei-o no bolso interno do paletó enquanto me levantava. Enquanto procurava por Madeline, Mason apareceu ao meu lado.

“Venha comigo. É um show de merda.”


MADELINE

 

Um homem alto e de aparência intimidante, com um rabo de cavalo curto perto do pescoço, correu para o lado de Patrick depois que os finalistas foram anunciados. Havia algo sobre o homem que me deixava nervosa, preocupada que Patrick estivesse de alguma forma em perigo.

“Parabéns,” Antonio disse enquanto começava a se levantar. “Posso te pagar uma bebida?”

“A senhora está comigo.”

Não precisei me virar. Reconheci o sotaque arrastado.

Eu forcei um sorriso. “Não é um grande clube. Tenho certeza que nos veremos”, eu disse a Antonio. “Marion e eu temos planos para o jantar.”

Antonio acenou com a cabeça. Levantando-se, ele ofereceu a mão a Marion. “É bom ter o seu apoio.”

“Gosto de ajudar quando posso”, disse Marion enquanto eles se cumprimentavam.

Meu olhar foi de um para o outro. Tive a sensação de estar de volta a Detroit enquanto Andros conduzia uma reunião secreta na minha presença. Acordos eram feitos. Favores concedidos. Mãos apertadas. Ativos eram adquiridos, mas tudo acontecia em um plano alternativo, fora do óbvio.

Quando Antonio foi embora, perguntei: “Então você o conhece?”

“Nós já nos encontramos.” Seus olhos brilharam. “Vamos descer e jantar. Ganhar sempre me deixa com fome.”

“Onde vocês se conheceram?”

Estávamos agora caminhando em direção à escada. Enquanto fazíamos isso, procurei por Patrick, mas ele estava fora de vista, não fora da mente.

“É muito chato”, disse Marion. “Conte-me sobre suas vitórias. Do oitavo ao quarto lugar é impressionante.”

“Obrigada. Não se desvalorize. Manter o primeiro não é tarefa fácil.” Olhei pelo corredor em direção aos banheiros onde vi Patrick pela primeira vez. Foi apenas alguns dias antes, mas parecia muito mais tempo.

Na realidade, foi — uma vida inteira.

Alguns dias atrás, não foi a primeira vez que o vi. Isso foi há quase vinte anos. Eu me acalmei. “Marion, se você me der licença por um momento. Ficarei feliz em encontrá-lo lá embaixo.”

“Vou esperar aqui mesmo”, disse ele. “Eles vão segurar nossa mesa.”

Com um aceno de cabeça, me virei em direção ao corredor. Por ser um sábado, havia mais salas em uso do que na quinta-feira. Eu diminuí ao som de vozes. A porta estava fechada, mas havia uma discussão acalorada acontecendo lá dentro. Não, não era uma discussão. Parecia que alguém estava sendo questionado. A curiosidade desacelerou meus passos, mas não reconheci as vozes.

Eles estavam dizendo algo sobre uma mulher. Eu ouvi o nome Veronica.

Veronica Standish?

Ela não estava no torneio.

O que estava acontecendo?

Durante nossa viagem, Andros me garantiu que, enquanto eu fizesse meu trabalho, um carro me pegaria após o torneio. Meu quarto estava sendo embalado e iríamos voltar para Detroit. Embora eu gostaria de ver Patrick mais uma vez, não veria.

Uma vez dentro do banheiro, retirei meu telefone e enviei uma mensagem de texto para Andros.


“ACHEI QUE VOCÊ GOSTARIA DE SABER. AVANÇEI PARA O QUARTO LUGAR.”


Cliquei em enviar.

Não demorou muito até meu telefone vibrar. Era Andros.


“EU FUI INFORMADO. SEU TRABALHO NÃO ESTÁ COMPLETO.”


Como ele sabia sem o relato de Mitchell?

Quem estava assistindo?

Eu li seu texto novamente. Sabia que meu trabalho não estava completo, mesmo sem seus lembretes constantes. O que eu descobri sobre Andros é que ele era fã de quid pro quo. Quando eu ganhasse o torneio, ele me permitiria o que eu mais desejava. Se não ganhasse, ele me negaria.

O pensamento puxou meu peito quando respondi.


“EU SEI. NÃO TE DESAPONTAREI.”


Meu dedo pairou sobre o botão enviar. Eu gostaria de saber que era verdade. O que era verdade é que eu faria o possível para não decepcioná-lo. Andros não gostaria de ouvir isso. Ele gostava de decisão.

Cliquei em enviar.

Enquanto caminhava de volta para as escadas, a porta onde eu tinha ouvido vozes se abriu e o homem que vi com Patrick saiu. Ele era ainda mais alto de perto. Seu rosto era bonito, mas havia algo mais sobre ele que me fez estremecer. Sem nem mesmo acenar na minha direção, ele caminhou mais longe no corredor, longe da sala de pôquer e das escadas.

Patrick estava lá dentro?

Eu não reconheci sua voz, mas não pude resistir a verificar.

Esperei até que o homem alto virasse o corredor e fui até a porta. Inclinando meu ouvido mais perto, escutei. Não havia nenhum barulho lá dentro. Minha pulsação disparou quando alcancei a maçaneta. Ela não se mexia. A porta estava trancada. “Patrick?” Sussurrei no batente da porta.

Silêncio.

O estresse deste torneio, ver Patrick e a chegada de Andros estavam oficialmente me deixando paranoica. Olhei para o meu telefone. Eu tinha uma mensagem não lida.

Era de Andros.


“ESTOU CONTANDO COM ISSO. TERMINE SEU TRABALHO SE PRETENDE VOLTAR.”


Se eu planejava voltar?

A ideia de não voltar era dolorosa demais para ser considerada.

Eu conhecia o cenário muito bem. Era o poder de Andros e ele não hesitaria em exercê-lo sobre mim. Não precisei responder. Ele sabia minha resposta. Eu iria ganhar e acompanhá-lo de volta a Detroit.

Balançando a cabeça, coloquei meu telefone de volta na minha bolsa.

Marion estava esperando onde ele disse que estaria no topo da escada. Quando peguei seu braço e descemos as escadas, na multidão abaixo, vi o mesmo homem do corredor.

“Deve haver outras escadas,” eu disse.

“Não que eu tenha visto. Por que?” Marion perguntou.

“Está vendo aquele homem alto de terno cinza claro?” Eu inclinei minha cabeça para o andar principal. “Ele estava aqui em cima e saiu com pressa na outra direção.”

“Interessante”, disse Marion.

A anfitriã nos sentou a uma mesa perto da grande lareira. As cadeiras eram grandes no estilo Queen Anne e revestidas de couro vermelho. Semelhante a outras partes do Club Regal, as paredes eram cobertas por ricos painéis de cerejeira, grandes tapeçarias e peças de arte penduradas em longos fios presos ao teto acima. Até o teto era ornamentado, branco com detalhes em cerejeira.

“Isso é adorável,” eu disse, percebendo Antonio Hillman sentado com três outros homens em uma mesa do outro lado da sala. “Como você disse que conheceu o Sr. Hillman?”

“Há muito tempo atrás. Ele não era mais que um adolescente. Era seu pai que eu conhecia. Seu pai me ajudou com alguns problemas que eu estava tendo com minhas empresas. Sempre fico feliz em retribuir um favor.”

Havia algo em seu tom que deixou meus nervos à flor da pele. Eu estava certa sobre a breve conversa que ouvi. O que Marion estava dizendo era o quid pro quo de Andros do outro lado. Decidi mudar de assunto. “Obrigada novamente por enviar o carro. Seu motorista foi bom.”

Marion pousou o copo d'água e olhou em volta. “Isso é bom de ouvir. Veja, Justin não é meu motorista regular. Infelizmente, pouco antes desta viagem, meu motorista adoeceu e não pôde me acompanhar. Como você pode imaginar, foi um desastre.”

Não tinha certeza se isso era um desastre. Eu poderia listar desastres reais.

Quando não respondi, Marion continuou. “Liguei para o Sr. Beckman, o homem que falou conosco antes...”

Concordei.

“Ele se ofereceu para encontrar um motorista confiável. Muito mais confiável do que o seu, eu diria.”

“Sim.”

Marion sabia que Andros estava em seu carro?

Ou sua presença foi coordenada pelo motorista designado pelo Sr. Beckman?

“Estou muito grata por você tê-lo enviado.” Eu olhei em seus olhos. “Quem foi que você disse que deu meu número de telefone? Sou grata a ele e a você.”

“Então não vou compartilhar”, disse Marion. “Prefiro guardar a sua gratidão para mim mesmo.”


PATRICK

 

O mundo enlouqueceu. Enquanto eu estava lá em cima jogando pôquer, houve uma explosão nas docas. Um contêiner de remessa que havia sido entregue um dia antes explodiu. O contêiner deveria estar carregado com materiais de construção para uma rede de lojas. A polícia estava no local e duas pessoas ficaram feridas.

A polícia também respondeu à ligação anônima e descobriu o corpo de Verônica. Durante o torneio, um detetive fez uma visita preliminar ao Club Regal e falou com Ethan Beckman. De acordo com o capo estacionado no escritório de Beckman, a reunião foi curta e Beckman demonstrou a quantidade adequada de choque. O detetive deixou seu cartão e prometeu voltar para falar com os demais funcionários em um dia menos movimentado.

Reid havia seguido Mitchell Leonardo. Não havia sinal dele voltando para o Palmer House e ele não apareceu hoje no Club Regal. A última vez que ele foi visto foi quando estava sendo pego para a festa na casa. Isso foi antes de Reid conseguir isolar outro carro que estava na festa na casa e rastreá-lo até um local perto da residência de Verônica.

O momento se ajustou às informações de nossa perícia. O carro parou e o homem que Reid acreditava ser Leonardo saiu a alguns quarteirões de sua casa às 13h52.

Durante a noite e de manhã cedo, a neve que caía aumentou. Isso não ajudava na granulação das imagens das câmeras de trânsito ou do satélite. Também não ajudou no reconhecimento. Casacos e chapéus de inverno não diferem muito. Pelo que Reid poderia dizer, o carro continuou dirigindo pela vizinhança até cerca de quinze minutos depois; parou e pegou um homem que poderia ser Leonardo a quatrocentos metros de distância.

Estávamos fazendo algumas suposições com base na falta de tráfego de pedestres às duas da manhã.

Não havia sinal daquele carro chegando perto do clube. Portanto, se Leonardo de fato matou Verônica, ele não voltou para esvaziar o cofre. Isso não significa que ele não poderia ter ligado ou enviado uma mensagem de texto com a combinação para um cúmplice.

O problema era que o Club Regal permanecia aberto na noite de sexta-feira até as três horas da manhã de sábado. Embora ninguém tenha entrado no clube após o fechamento, havia mais do que ele poderia acompanhar durante o horário de funcionamento. Alguns funcionários não saíram até quase quatro horas da manhã

Mason e outro capo estavam questionando alguns dos funcionários que estavam no clube mais tarde naquela noite, quando eles voltaram para o trabalho hoje. Embora normalmente fizéssemos esse tipo de coisa no primeiro nível de nossa torre, hoje estávamos transformando o Club Regal em nosso centro de comando temporário. Até o momento, ninguém tinha informações que se destacassem.

Durante a primeira rodada do jogo, Sparrow havia chegado. Ele disse que estava totalmente protegido e que seu lugar era aqui, não preso na torre. Se alguma merda fosse acontecer, era seu lugar como rei da cidade estar envolvido. Ele não obteve seu poder se escondendo atrás dos outros.

Embora eu acreditasse nele, suspeitei que ele também estava evitando uma certa loira que compartilhava seu sobrenome, pelo menos até que o confinamento pudesse ser cancelado.

Sparrow havia confiscado o escritório de Beckman enquanto o isolava em um dos outros escritórios com um capo parado do lado de fora da porta. Isso explica por que Beckman não foi o único a fechar a primeira rodada. Sparrow disse que não se sentiu confortável com a aparência desgastada de Beckman quando chegou. 'Desequilibrado' foi o termo que ele usou. A última vez que vi Beckman ele explodiu. Ter o Sr. Sparrow olhando para você pode deixar qualquer um desequilibrado. Adicione ver sua funcionária com um buraco na cabeça, e acho que ele merecia um pouco de folga.

A única pessoa que ainda estava na torre, além das mulheres, era Reid. Era a tecnologia. Ele poderia fazer muito mais em dois do que se estivesse aqui.

“Quanto dinheiro você conseguiu colocar em suas mãos?” Perguntei, olhando para o cofre.

“Doze milhões”, disse Sparrow, “mas os jogadores que sacaram levaram mais de duzentos mil. Se eu tivesse mais tempo, poderia conseguir o resto. Mostrei os recibos lá de cima. Este 11.8 não o cobrirá. Você precisa vencer tudo.”

Minha mente foi para Madeline. Se ela saísse agora, teria mais do que o suficiente para viver por um tempo. Quando Sparrow me mostrou os recibos, olhei para o total dela. Ela estava com cerca de dois milhões. Se eu pudesse falar com ela.

A porta se abriu. Mason entrou e se sentou na cadeira ao meu lado com um suspiro. “Os funcionários com quem falamos não viram nada fora do comum. Todos eles confirmam que viram a Srta. Standish depois do torneio, mas ninguém se lembra depois disso.

“E o Beckman?” Perguntou Sparrow.

“Ele me contou por que permitiu a entrada de Hillman”, eu disse, sendo minha primeira chance de falar desde o início do torneio hoje.

Sparrow recostou-se na cadeira de Beckman. “Continue.”

“Ele disse que o pai de Hillman fez um favor para ele anos atrás. Quando o jovem Hillman ligou, ele lembrou Beckman disso.”

Sparrow zombou. “Tenho certeza que sim.”

A imagem de Reid estava em um laptop que Sparrow trouxe de nosso centro de comando. Era como se ele estivesse na mesma sala e a conexão era segura. “Estou tentando acessar os registros telefônicos de Leonardo para ver se ele ligou para alguém depois da morte da Srta. Standish. O problema é que não estou encontrando um telefone registrado para ele.”

“E quanto à Srta. Miller?” Perguntou Mason.

“O que tem ela?” Eu respondi.

“Eles estiveram juntos”, disse Mason. “Lembre-se, chegaram e deixaram o clube juntos. Determinamos que os dois estavam hospedados no Palmer House...”

“Em quartos separados,” eu disse.

O olhar escuro de Sparrow se estreitou. “Você soube disso quando estava checando uma pista lá.”

Não era uma pergunta, mas respondi. “Nós conversamos sobre isso antes. Leonardo era seu motorista. Lembro que a palavra capanga foi usada.”

“De qualquer forma,” continuou Mason, “eles não teriam se chamado? Você não pode verificar os registros do telefone dela para encontrar o de Leonardo?”

Reid acenou com a cabeça.

Lutei contra a vontade de andar ou me mover. Não gostei da ideia deles pesquisando Madeline. Se Leonardo estava trabalhando para ou com Hillman, meu palpite era que de alguma forma ele foi designado para Madeline como uma participante do torneio. Era como quando eu era o motorista de Araneae. Ela não sabia nada sobre o Grupo Sparrow. Madeline estava na mesma situação.

“Aqui está algo interessante”, disse Reid através da tela do computador.

Todos nós nos viramos e olhamos para o laptop. “O que?” Perguntou Sparrow.

“Patrick, você sempre diz para seguir o dinheiro. Lembra-se de quando disse como as despesas de Hillman estavam sendo canalizadas por meio de uma empresa de fachada?” Ele não esperou que respondêssemos. “Leonardo e Miller também.”

Os cabelos da minha nuca se arrepiaram. “A mesma?”

“Não, mas malditamente perto. Os endereços são caixas postais em Delaware. Não consegui encontrar um telefone registrado para ela também. Fui às reservas de hotel deles. Você estava certo, quartos separados. De qualquer forma, nada leva a nenhum deles.”

“Que tal um registro de trabalho de Leonardo?” Perguntei. “Para qual empresa de veículo ele trabalha?”

“Não é uma empresa de veículo”, disse Reid. “Ele trabalha para uma construtora em Detroit.”

“E ele é o segundo motorista que não dirige”, disse Mason.

“O que?”

“Sim, no vídeo de fora do clube, a Srta. Miller chegou com Leonardo ao seu lado em um táxi. Ela saiu da mesma maneira.”

“Exceto hoje”, Reid se ofereceu. “A limusine tinha placa do Texas e está registrada na Elliott, Inc.”

“Foda-se”, disse Sparrow. “Elliott, Inc. Nós verificamos isso outro dia. Sei que aquele cara estava beijando McFadden. Lembro-me de uma grande conta alguns anos atrás. Estava nos meios de comunicação sobre os lobistas e todo o dinheiro indo para...” Ele parou e pegou o telefone. Um momento depois, ele acenou com a cabeça, olhando para a tela. “Sim, é por isso que me lembro. Marion Elliott queria suspender as sanções sobre a perfuração offshore. Em troca, ele fechou um acordo para construir uma fábrica em McKinley Park. Trouxe não apenas empregos na construção, mas, depois de construída, empregou quinhentos operários e setenta e cinco ou mais na administração com salários mais altos. McFadden o usou como plataforma.”

“Qual construtora ganhou a licitação?” Perguntei.

“Dê-me um minuto”, disse Reid.

Todos nós esperamos.

“Ivanov Construction”, disse Reid, “em Dearborn, Michigan.”

“Onde você disse que Leonardo trabalha?” Sparrow disse.

“Além de dirigir,” Reid respondeu, “Construção Ivanov.”

Meus olhos encontraram os de Sparrow.

“Maldita Detroit”, dissemos nós dois juntos.

“Me atualizem, caras”, disse Mason.

Às vezes, era fácil esquecer que Mason estava fora do nosso circuito por um tempo. Provavelmente foi porque ele se adaptou tão bem que era fácil esquecer que ele tinha partido. “Ivanov, Andros Ivanov”, eu disse.

“Ele fez barulho alguns anos atrás”, disse Sparrow. “Foi uma das poucas vezes que McFadden e eu trabalhamos juntos. Cortando aquela merda antes que pudesse crescer.”

“Então, se Hillman e seus capangas estiveram na festa na casa com Leonardo...”, comecei.

“E Leonardo está conectado a Ivanov ...” Mason continuou.

“Hillman não entraria aqui todo barulhento e desagradável se não tivesse algum poder por trás dele”, disse Sparrow. “Eu sei que Elliott costumava lidar com McFadden. Ele não fez uma oferta do meu jeito.”

“Talvez outra pessoa tenha chegado a ele primeiro”, disse Reid. “E alguém pegou Hillman. Se estivermos certos, Ivanov pode estar atraindo o pessoal de McFadden, aqueles que não pegamos.”

“Espere um minuto”, disse eu, “como Madeline se encaixa nesta equação?”

“Madeline?” Sparrow disse, seu olhar escuro se estreitando novamente.

Minha cabeça balançou. “Srta. Miller.”

“Talvez ela tenha descoberto que Leonardo é sujo. Ele poderia ter pedido um trabalho com ela para estar aqui”, Mason ofereceu.

Era o que eu estava pensando.

“Ou ela está conectada,” ele continuou. “Quero dizer, o que realmente sabemos sobre ela?”

“Como isso tudo se conecta a este torneio?” Perguntei.

“Este torneio é um pretexto para trazer todos os jogadores aqui de uma vez, verificar a cidade, procurar vulnerabilidades”, disse Sparrow. “Se eu estivesse pensando em conquistar outra cidade, é o que eu faria. Pequenos trabalhos, caos e perturbações...”

“Como no estaleiro hoje”, disse Reid.

“E eu chegaria o mais perto possível do chefão”, continuou Sparrow. “Se for esse o caso, veja o que fizemos. Estamos jogando com as mãos deles.”

“Então o torneio não importa,” eu disse.

“Alguém roubou o dinheiro do Club Regal — quinze milhões. O torneio é importante”, disse Sparrow.

“Andros Ivanov ficou em silêncio pelo rádio nas últimas vinte e quatro horas”, disse Reid. “Ele gosta das coisas brilhantes — carros, aviões e mulheres. Normalmente ele está se exibindo nas redes sociais ou os jornalecos estão postando sua foto.”

“Se ele está na minha cidade, quero saber”, disse Sterling. Ele se virou para mim. “Ganhe tudo, tanto quanto você puder. Garanta que não vou financiar um golpe contra Sparrow.”

“Preciso esclarecer uma coisa,” eu disse, me levantando.

“Ganhe o prêmio e o prêmio máximo e depois me conte”, disse Sparrow. “Eu confio em você com minha vida. Esta é uma razão pela qual eu não deveria?”

Não era. Eu tinha jurado lealdade a Sparrow e ao Grupo. Isso não estava mudando. Balancei minha cabeça. “Não.”

“Vamos enviar Sparrows e descobrir se estamos no caminho certo. Se estivermos, Detroit estará em uma guerra. As vítimas não serão na minha cidade”, disse Sparrow.


MADELINE

 

Assim que Marion e eu subimos as escadas em direção à sala de pôquer, a emoção era palpável. O Club Regal estava quase lotado. O torneio atraiu amantes do pôquer de toda a cidade e além. Os presentes olhavam e sussurravam enquanto passávamos. Era uma sensação estranha ser examinado tão de perto por estranhos. Estava pronta para vencer e voltar para casa. Estava pronta para voltar a ser invisível.

“Srta. Miller”, uma mulher disse, pegando meu braço.

“Sim?”

“Eu acredito em você. Tenho $ 50.000 em você pela vitória.”

Meus olhos se arregalaram. “Não sabia que o clube estava fazendo apostas paralelas.”

“Não, não o clube. Você está saindo em seis para um em Las Vegas.”

“Oh, eu não sabia.”

Seis para um. Isso significava que para cada dólar apostado, a vitória seria de seis. Uma aposta de $ 50.000 renderia $ 300.000.

Seu sorriso cresceu. “Faça isso pelas mulheres. Todas nós contamos com você.”

“Eu farei o meu melhor.”

“Madeline,” Marion encorajou enquanto me dava uma fuga.

Com um aceno de cabeça para a outra mulher, ele e eu continuamos nossa subida para o segundo andar.

“Você sabia disso?” Perguntei a Marion em um sussurro encenado.

“Sim, também estou apostando dinheiro no torneio.”

“Você aposta em um torneio em que participa?”

“Eu gosto de jogar. Gosto especialmente se eu puder vencer.” Ele se aproximou. “Eu aposto em mim mesmo. Se eu não fosse um concorrente, apostaria meu dinheiro em você. Minhas chances não são tão lucrativas.”

Claro que não.

Estávamos agora no topo da escada. As borboletas que às vezes sentia revoando no estômago antes de uma rodada final agora eram do tamanho de morcegos. “Marion, se você me dá licença? Preciso de um momento antes do jogo começar.”

Ele pegou minha mão. “Obrigado por jantar e passar um tempo comigo, Madeline. Foi um verdadeiro prazer conhecer a mulher por trás do mito.”

Minhas bochechas se ergueram quando um sorriso se formou. “Apenas um mito. Você é uma lenda.”

“Gostaria de vê-la novamente, depois do torneio”, disse ele, ainda segurando minha mão.

“Não sei o que o futuro trará”, respondi honestamente. O que quer que isso implicasse, como sempre, ficava a critério de Andros. “Tenho responsabilidades que não me permitem ficar aqui ou fazer uma viagem não planejada para Dallas tão cedo.”

“Eu queria perguntar”, disse ele, “antes de nos tornarmos concorrentes novamente. Acredito que tenho capital para vencer e não gostaria que isso influenciasse sua decisão no futuro.”

Minha cabeça se inclinou. “Estou feliz que você mencionou isso. Do contrário, não saberia se você se sentiria da mesma maneira depois que eu ganhasse.”

As linhas se formaram ao redor de seus olhos enquanto ele ria. “O tempo vai dizer. Vejo você do outro lado da mesa.”

“Sim.”

“E ainda posso esperar pelo futuro”, acrescentou.

Com minha bolsa na mão, caminhei através da multidão em direção aos banheiros. Se eu esperava por mais um encontro privado com Patrick, não seria. Até o banheiro feminino tinha ocupantes. Enquanto eu lavava as mãos, uma nova mulher entrou.

“Srta. Miller?”

“Sim,” eu disse, secando minhas mãos e esperando que não fosse outra pessoa me dizendo que apostou em mim. Como se a pressão de Andros não fosse suficiente.

A mulher enfiou a mão na bolsa e me entregou um pedaço de papel dobrado. “Pediram-me para entregar isto a você.”

Peguei e li o texto: Sra. Miller.

Eu abri o papel.


Não temos muito tempo. Por favor me veja. Vá pelo corredor, mais longe da sala de pôquer. A terceira porta à esquerda. Devo falar com você antes de começar.

Patrick


Dobrei o papel e dei uma última olhada no espelho. Meu instinto me disse para não fazer isso, mas meu coração não me deixaria perder esta última chance.

Afastando-me da multidão, segui as instruções de Patrick e contei as portas.

Uma.

Duas.

Três.

O clube ficava muito mais silencioso quanto mais me afastava das pessoas. Estava tão quieto que fiquei estranhamente ciente das batidas de meu próprio coração enquanto minha circulação batia em meus ouvidos. Os morcegos em meu estômago davam cambalhotas e acrobacias aéreas quando alcancei a maçaneta. A sala estava escura. Foi o cheiro de sua colônia que reconheci antes que sua presença viesse a tona. Mãos grandes alcançaram meus braços.

“Você está deslumbrante esta noite, Maddie.”

Eu me inclinei na direção dele; seu calor me encheu enquanto estávamos com meus seios contra seu peito sólido. Havia tantas coisas que eu queria dizer. O mais importante estava na ponta da minha língua, mas não me mexia. Não poderia. Esse conhecimento mudaria seu mundo para sempre. Eu não estava mais disposta a aceitar essa responsabilidade agora do que antes.

“Estou feliz que você enviou a nota,” eu disse. “Vou embora imediatamente após o torneio. Queria me despedir.”

Seu toque se moveu para cima até que suas mãos estivessem em minhas bochechas, levantando meu rosto suavemente em direção ao dele até que nossos lábios se encontrassem. A faísca que senti com seu toque na quinta-feira era agora um fogo fervente, chamas que devo deixar sem vigilância enquanto se transformam em brasas. No entanto, quanto mais tempo ficamos com o aprofundamento do nosso beijo, o oposto estava acontecendo. Um inferno estava se formando.

“Ouça-me”, disse Patrick quando finalmente nos afastamos. “Saque. Eu vi o livro-razão. Você tem dois milhões. Isso é o dobro do jackpot. Saque o dinheiro e então”, ele enfiou a mão no bolso e tirou um cartão-chave,” vá para o Hilton. Eu tenho a suíte executiva reservada em seu nome. Saia deste torneio agora. Eu gostaria de poder dizer mais. Só posso dizer que é perigoso aqui.”

Eu segurei o cartão em minhas mãos enquanto contemplava suas instruções.

“Perigo,” eu disse, olhando para cima, “é subjetivo, eu aprendi. Às vezes, o lugar mais seguro é no meio do fogo.”

Sua cabeça balançou. “Eu tenho que ganhar o torneio, Maddie. Tenho. Eu nunca entregaria um jogo, mas sim por você.”

Dei um passo para trás. “Mais uma vez, obrigada pelo voto de confiança. Eu não pediria a você ou a qualquer outra pessoa para entregar o torneio. Eu vou vencer. Estou bem pra caralho.”

“Você está mais do que bem”, disse ele. “Isso... o que está acontecendo é grande. Há mais coisas em jogo do que pôquer.”

“Eu sei disso, Patrick. Estou bem ciente do perigo — como você disse — de não vencer.”

“Por que Leonardo não trouxe você hoje?” Ele perguntou.

“O que?” Fiquei intrigado com a mudança de assunto. “Por que você perguntaria isso?”

“Estou curioso.”

“Não acredito que seja grande coisa. Ele foi chamado para fora da cidade. Marion veio em meu socorro. Foi por isso que eu estava atrasada.”

“Onde você o encontrou? Como você o contratou?”

Minha cabeça balançou, como se eu pudesse dizer que não tenho nada a dizer sobre meus motoristas ou qualquer outra pessoa. Eles são todos escolhidos para mim. Em vez disso, respondi: “Driver dot com. Que diferença faz?”

“Tenho razões para acreditar que Leonardo está conectado a algumas pessoas perigosas, pessoas que poderiam estar planejando... coisas que você não precisa saber.”

Eu sabia que Mitchell estava ligado a pessoas perigosas. Eu vivia com o mais perigoso. No entanto, o que quer que ele estivesse ou não planejando, não seria discutido comigo. Eu tinha certeza de que ele diria que não era da minha conta. Minha preocupação era vencer.

Como Patrick saberia alguma coisa sobre a conexão de Mitchell?

Devolvi o cartão-chave para Patrick. “O que eu sei é que precisamos chegar ao torneio. É hora de começar a jogar.”

Ele pegou minhas mãos, empurrando o cartão de volta na minha direção. “Pegue o cartão-chave e os dois milhões, e vou pegar mais, o que você precisar. Eu quero ganhar o torneio sabendo que você está segura.”

“Então me veja vencer. Neste momento, é o meu melhor caminho para a segurança.”

Na penumbra, observei enquanto seus olhos se fechavam e abriam. Era uma resignação. Eu não mudaria de posição. Não podia. Ele precisava aceitar isso.

“Posso te beijar mais uma vez?” Ele perguntou.

Minhas mãos foram para seus ombros enquanto eu levantei meu queixo, trazendo nossos lábios para perto. Sob meu toque, ele parecia mais amplo e mais duro. “Nosso beijo de despedida, Patrick.”

Nossos lábios se encontraram, alimentando as chamas do desejo. Eu poderia tentar ignorá-las, recusar-me a dar-lhes mais combustível, mas isso era impossível. O incêndio estava fora de controle. Eu tinha ouvido uma vez que os incêndios florestais tinham sua utilidade, limpando a vegetação rasteira e fazendo nascer uma nova vida. O calor do fogo abria o revestimento externo de algumas pinhas, como pipoca, liberando as sementes para crescerem novamente.

Nos braços de Patrick, eu encontraria força para me lembrar do fogo que ele atiçou dentro de mim e permitiu que ele me aquecesse no futuro.


PATRICK

 

“Ele está aqui”, disse Mason quando me aproximei do salão do torneio.

Olhei em volta, me perguntando se Madeline já estava no corredor. Eu dei a ela alguns minutos de vantagem. “Quem?”

“Andros Ivanov.”

Aqui?

Porra.

“Reid foi capaz de identificá-lo por meio do reconhecimento facial”, continuou Mason. “Ele está no salão do torneio na seção de espectadores.

“Foda-se”, eu disse em voz alta, passando a mão no topo da minha cabeça. “Precisamos dele cercado.”

“Ele está. Não apenas você e eu estamos lá, temos Sparrows, aqueles em que sabemos que podemos confiar.”

“Você acha que Ivanov está tentando se infiltrar em nossos homens?”

“Não sei, mas não vou arriscar no que diz respeito a Sparrow.”

“Ivanov tentaria algo aqui, esta noite, durante o torneio?” Eu perguntei.

“Sparrow não pensa assim. Ele disse que Ivanov sabe que está em menor número. Esta noite ele é a porra de um pavão, pavoneando-se, fazendo a si mesmo conhecido. Um estranho não pode dominar uma cidade. Ele precisa ser visto e reconhecido. Ele precisa recrutar e aprender nossas fraquezas. Sparrow tem certeza de que é isso que está fazendo. Amanhã iniciaremos um chacoalhão em nossos homens. Vamos descobrir se alguém é desleal.”

Balancei a cabeça, esperando que o chefe estivesse certo e amanhã não fosse tarde demais. “Diga-me que Sparrow ainda está no escritório de Beckman.”

“Não.” Mason acenou com a cabeça em direção ao salão onde o jogo estava prestes a começar.

“Porra.”

“Escute, ele está seguro. Ele disse que não pode se esconder se Ivanov está fazendo uma aparição. Esta é a cidade dele e para as pessoas que estão aqui esta noite, elas precisam saber disso.”

“O jogo está prestes a começar”, disse uma mulher para nós que ficamos no corredor. “Assim que as portas forem fechadas, elas não serão reabertas até que o torneio seja concluído.”

A mulher que falava estava usando um vestido preto, me lembrando a Srta. Standish. “Alguma notícia nova da polícia sobre Standish?”

“Não. Eles não voltaram e Beckman está em silêncio pelo rádio, como dissemos a ele para fazer.”

“Ele ainda está na ala do escritório?”

“Sim. Nem um pio em horas. Eu deveria ver como ele está, mas queria ficar perto de Sparrow — respondeu Mason.

“Quantos Sparrows confiáveis estão aqui?”

“Dez dentro do salão, com outros vinte divididos dentro e fora do clube.”

Concordei. “Vamos acabar com este torneio. Vou me sentir melhor quando toda essa agitação se acalmar e pudermos lidar com a merda normal.”

“Merda normal parece bom.” Mason deu um tapinha no meu ombro. “Você tem isso.”

Poucos minutos depois, eu estava de pé entre os outros jogadores esperando nosso sorteio de cadeiras. O assento pode parecer insignificante para os menos familiarizados com o jogo, mas era de vital importância. O jogador recebia a primeira rodada, da direita para a esquerda do crupiê e o jogo sempre progredia da mesma maneira. Se a pessoa posicionada antes de mim puxar três cartas em vez de duas, eu estaria então sujeito à decisão dela, não recebendo a carta que ela puxou.

Examinei a multidão. Andros Ivanov não foi difícil de encontrar. Seu amor pelos holofotes significava que eu tinha visto sua foto muitas vezes. Ele parecia o mesmo pessoalmente, cabelos e olhos escuros. Sua herança russa se mostrava em suas feições e sua presença física poderia ser considerada intimidante. O Ivanov bratva conquistou seu domínio como o resto de nós — por meio da força. Ele estava cercado por dois grandes capangas, nenhum deles Leonardo. Eles poderiam ter alugado um letreiro de néon e sido tão sutis.

“Número um”, disse o locutor. “Sr. Hillman.”

A sala se encheu de murmúrios e aplausos enquanto a tensão aumentava e Hillman ocupava seu assento na primeira cadeira.

“Número dois, Sr. Dunn.”

Os números continuaram enquanto começamos a tomar nossos assentos.

“Número três, Sr. Kelly.”

Meu olhar encontrou o de Sparrow. Ele estava sentado em um lugar importante, onde poderia vigiar a sala e ninguém além de Sparrows poderia estar atrás dele. Mason estava de um lado e Garrett do outro. Com uma expressão sombria, Sparrow acenou com a cabeça na minha direção.

“Número quatro, Sra. Miller.”

Eu respirei fundo. Enquanto estava feliz por sentar com Maddie ao meu lado, enquanto ela caminhava em nossa direção com aquela porra de vestido verde, eu tive que me lembrar de manter o foco.

“Número cinco, Sr. Garcia.”

“Isso me tornaria o número seis,” Elliott disse enquanto os dois homens ocupavam as duas cadeiras restantes.

“Nosso crupiê hoje à noite será...”

A sala se aquietou quando nossas pilhas de fichas foram entregues. Parecia o que estava no livro-razão que Sparrow me mostrara. Elliott tinha mais. Eu era o próximo e assim por diante até Garcia, que parecia ter metade do que Elliott tinha.

O crupiê abriu um novo baralho de cartas, removendo o selo e colocando as cartas no embaralhador. Em seguida, o crupiê removeu as cartas e as ofereceu a Madeline. “Srta. Miller, gostaria de cortar o baralho?”

Ela sorriu. “Não. Sou supersticiosa.”

A sala se encheu de risadas nervosas. Era comum entre os jogadores de pôquer de elite não quererem cortar o baralho, algo sobre tocar nas cartas antes de jogar. O crupiê cortou o baralho e reinseriu as cartas a serem embaralhadas.

Eu não acreditava em superstições e duvidava que Maddie também; no entanto, isso acrescentava à sua persona.

“Vamos jogar?” O crupiê perguntou.

E nós fizemos.

As apostas permaneceram altas. O número total de fichas permaneceu o mesmo. Foi a distribuição delas que mudou. Não demorou muito para que Dunn e Garcia ficassem sem dinheiro. As apostas excederam suas pilhas.

Quatro de nós permaneceram.

Uma hora se passou.

Outra.

A hora de encerramento para o jogo desta noite não havia sido definida. Gostaríamos de jogar até que um vencedor fosse coroado.

As cartas caíam onde elas queriam, tornando o jogo relativamente equilibrado. A cada mão que passava, a multidão ficava mais tensa. Meu olhar encontrou o de Sparrow. Sem uma palavra, ele me disse para encerrar isso.

A próxima mão estava prestes a ser distribuída.

Todos nós colocamos nossa aposta de $ 5.000.

Com Dunn eliminado, Hillman estava à minha esquerda na primeira posição. No entanto, a negociação havia girado e, nesta mão, Madeline estava negociando primeiro, fazendo-me o último com Elliott e Hillman no meio.

Uma carta.

Outra.

Outra.

Outra.

Outra.

Elas estavam todas viradas para baixo e perto de nossas roupas. Este pôquer de cinco cartas era menos divertido para o público do que o Texas Hold'em.

Cada um de nós examinou nossas cartas. Ao fazer isso, observei cada jogador. Elliott e Madeline estavam mortalmente quietos, não dando a menor pista. Era Hillman quem era desnecessariamente turbulento. A experiência me disse que seu comportamento era muito imprevisível. Isso poderia significar que ele tinha as cartas ou não. Isso tornava sua fala excessiva tão pouco esclarecedora quanto o silêncio de Elliott e Madeline.

Eu abri em leque com minhas cartas: 5, 8, 9, 6, A.

Não era promissor. A única coisa boa para mim era que todas as cartas, com exceção do ás, eram de ouros. Se eu jogasse fora o ás e comprasse outro diamante, eu teria um flush. O sete de ouros me daria um straight flush. O flush tinha melhores chances. Afinal, havia treze cartas de cada naipe no baralho. Havia apenas um sete de ouros. Um flush também pode ser derrotado por um royal flush, um straight flush, uma quadra e um full house, nessa ordem.

A aposta começou com Madeline.

“Cinquenta”, disse ela.

Cinquenta mil era uma aposta forte para antes da troca de cartas.

Elliott olhou em sua direção. “Eu pago seus cinquenta.” Ele pegou mais fichas. “E aumento mais cinquenta.”

A aposta de $ 100.000 foi para Hillman. “Bem, eu provavelmente não deveria, mas que diabos?” Ele empurrou o número adequado de fichas para a frente.

Foi para mim.

Se quando eu trocasse as cartas, não tirasse nem um ouro nem um sete de ouros, ficaria com a possibilidade de um nove como carta alta. No entanto, a possibilidade de mais estava lá. Eu não desistiria. “Eu peço carta”, disse.

Madeline foi a primeira a trocar. “Aceito uma,” ela disse com seus olhos verdes brilhando enquanto ela tirava uma carta.

A carta que ela recebeu estava virada para baixo diante dela, mas ela não a pegou.

Interessante.

“Uma,” Elliott disse, colocando uma carta de sua mão para baixo e recebendo outra.

“Uma”, disse Hillman, fazendo o mesmo. Ele ergueu sua nova carta imediatamente. “Bem, foda-se.”

Era a minha vez.

Eu poderia manter o ás como kicker e garantir pelo menos um ás como carta alta. Eu ganhei com isso no passado. Eles chamam isso de jogo por um motivo. No entanto, com todos os outros comprando apenas uma carta, não acreditei que ganharia essa mão. Tirei o ás da minha mão e coloquei-o virado para baixo na mesa. “Uma.”

A multidão murmurou.

Era incomum que todos os jogadores trocassem apenas uma carta.

Madeline ergueu sua nova carta. Seu prazer não foi óbvio, mas eu conhecia essa mulher. Senti a emoção irradiando dela, reverberando em ondas. O que quer que tivesse, ela estava satisfeita, muito satisfeita.

Levantei minha carta e coloquei-a entre as outras sem olhar.

“Sr. Elliott”, disse o crupiê. “Você foi o último a aumentar. A aposta é com você.”

Elliott olhou para suas pilhas de fichas. “Acho que é hora de dar um passo.” Ele empurrou uma pilha de $ 10.000 em fichas. E então ele empurrou outro e outro até que sua aposta fosse de um milhão.

A multidão zumbia de entusiasmo.

“Sr. Hillman, isso é um milhão”, disse o crupiê.

Hillman hesitou e hesitou enquanto fazia o inventário. Ele tinha o milhão para apostar. Todos nós tínhamos. Sem sua fanfarra habitual, ele empurrou um milhão de dólares em fichas para a frente.

“Sr. Kelly”, disse o crupiê. “Um milhão para você.”

Eu lentamente abri minhas cartas. 5, 6, 8, 9 e 7 de ouros. Lutei para não inalar quando um straight flush, nove de carta alta, olhou para mim. A única mão que poderia me vencer era um straight flush mais alto, incluindo um royal flush. Peguei minhas fichas. “Eu pago o 1 milhão e aumento outro milhão.”

A sala ao nosso redor explodiu enquanto os dirigentes do clube tentavam silenciar a multidão.

“Srta. Miller”, disse o crupiê. “Isso dá a aposta de dois milhões para você.”

Dois milhões foi o que eu disse a ela para pegar, para ir embora.

Se ao menos ela tivesse feito isso.

“Eu pago os dois milhões e eu...” Ela empurrou todas as suas pilhas para frente.

Quando ela fez isso, meu coração parou. Oh, minha querida Maddie, não faça isso.

“...Eu aposto tudo.”

Desta vez, a sala demorou mais para ficar quieta.

As apostas giraram em torno da mesa. Com um sorriso de merda, Elliott seguiu o exemplo, empurrando todas as suas fichas para o centro. Hillman foi o próximo. Esperamos até que ele finalmente fizesse o mesmo. Era a minha vez. Eu poderia desistir e ser o único jogador restante contra quem ganhasse. Essa pessoa teria a maior parte do dinheiro e uma vantagem distinta. Meu olhar encontrou o de Sparrow.

Ele estava me dizendo para acabar com isso.

Eu empurrei minhas fichas para o centro. Era isso. “Estou dentro.”

“Srta. Miller, todo mundo pagou”, disse o crupiê, levando-a a revelar sua mão.

Madeline acenou com a cabeça enquanto mostrava suas cartas: K, K, K, K, 10

“Srta. Miller tem quatro cartas iguais, reis e um dez.”

A multidão engasgou.

“Sr. Elliott”, disse o crupiê.

Elliott jogou a mão na mesa. “Bem, cachorro.” As cartas apareceram: uma sequência: 10, 9, 8, 7, 6. Ambos os naipes pretos e vermelhos estavam representados. Ele sorriu para Madeline. “Eu desejo a você a vitória.”

“Obrigada.”

Foi a vez de Hillman. Ele virou a mão, uma carta de cada vez.

Ás.

Ás.

Ás.

A sala engasgou quando os olhos de Madeline se arregalaram. Quatro ases venceriam seus quatro reis. A questão era que eu tinha jogado um ás fora, então sabia que Hillman não venceria. Eu queria estender a mão e tranquilizá-la. Mesmo se pudesse, seria hipócrita e de curta duração.

Hillman inverteu os dois últimos ao mesmo tempo: 8, 8.

“Ases carta alta, full house,” disse o crupiê.

Todos se voltaram para mim.

Com tudo em mim, eu queria desistir, para permitir a Maddie essa vitória.

Eu poderia escolher Maddie em vez de Sparrow?

Eu acreditava que poderia, mas não onde dinheiro e Chicago estivessem em jogo. Para Madeline, isso era um jogo; ela disse que jogava para sua sobrevivência. Se fosse de dinheiro que ela precisava, eu daria a ela. Inferno, jogaria pôquer por isso se ela não aceitasse o presente. Eu não tinha dúvidas de que, em outras circunstâncias, Madeline Kelly era capaz de chutar a minha bunda nas cartas.

“Sr. Kelly.”

Eu não desisti. Em vez disso, virei minha mão inteira. 9, 8, 7, 6 e 5, todos de ouros.

“Um straight flush.”

As cadeiras se moveram quando a sala explodiu.

“Senhoras e senhores”, disse Sparrow em voz alta enquanto se levantava. “Vamos manter a ordem.”

Estendi a mão para Madeline, mas ela também estava de pé. Sua expressão de exaltação se foi, substituída pelo que só poderia ser interpretada como medo.

“Posso te ajudar.”

Ela endireitou o pescoço. “Ninguém pode.”

Fiquei sentado, pasmo, enquanto ela abria caminho através da multidão até Ivanov.

Por que ela iria para ele?

Não havia dúvida pela expressão do chefão de Detroit, ele estava chateado. Com o volume e a comoção da sala, esforcei-me para ouvir o que diziam. O alvoroço venceu. Tudo bem, eu não precisava ouvir suas palavras. Só a linguagem corporal de Ivanov deixava os pelos da minha nuca arrepiados.

O crupiê estava coletando as fichas.

Sparrow e Mason vieram em minha direção. “Bom trabalho”, disse Sparrow. “Vamos descer e resolver isso.”

“E quanto a...” olhei para Andros Ivanov ainda falando com Maddie.

“Temos Sparrows aqui”, disse Mason, olhando para Sparrow. “Tanto Ivanov quanto Hillman e sua respectiva tripulação serão escoltados para fora da propriedade assim que estivermos seguros.”

Nosso trabalho número um era manter o chefe, Sterling Sparrow, seguro.

Eu olhei dos meus amigos para Maddie e vice-versa. “Vou explicar isso em breve — já tentei — mas primeiro preciso ter certeza de uma coisa. Meu instinto está me dizendo que algo não está certo.” Olhei para Mason e levantei meu queixo na direção de Sparrow. “Leve-o para baixo.”

A comoção ficou mais alta em torno de Ivanov e seus homens com Maddie bem no meio.

Às vezes é mais seguro no meio do fogo.

Oh infernos, não. Eu não aguentava mais.

A voz de Ivanov veio ao alcance. “Eu disse a você o que aconteceria se você perdesse.”

“Tire os outros espectadores daqui”, ordenei, falando com um capo Sparrow. “Eu quero este corredor limpo.”

“Não, não, você não disse isso”, a voz de Maddie falhou. “Andros, sinto muito. Eu tinha uma ótima mão. Você viu isso. Estava resolvido para mim. Eu tinha tanta certeza.” Com cada frase, seu desespero crescia, fazendo com que as palavras viessem cada vez mais rápido.

Aproximei-me, deixando Mason e Sparrow com outros Sparrows.

“Por favor... não faça isso,” ela disse, segurando o braço dele.

Ele pegou a mão dela e empurrou-a rudemente.

Eu me aproximei. “Não toque na senhorita.”

A risada de Ivanov ressoou acima do barulho da multidão. Não era só dele. Agora Hillman e seus homens estavam cercando os outros.

“Senhorita?” Ivanov perguntou. “Você pegou a mulher errada.” Ele olhou para Madeline. “Esta é uma perdedora.”

Meu punho avançou. Antes que eu tivesse tempo para pensar, ele colidiu com sua mandíbula arrogante.

“Não,” Madeline gritou quando suas mãos vieram aos lábios.

Ivanov cambaleou para trás enquanto seus braços se estendiam. “Espere,” ele exigiu, segurando seus homens enquanto eles avançavam, seus olhos em mim. “Não, ainda não.” Ele recuperou sua posição enquanto esfregava o queixo.

“Saia do meu clube — agora. Seu convite expirou.”

Eu conhecia a voz profunda e autoritária. Era Sparrow.

Porra. Ele precisava sair daqui.

“Seu clube? Você acha que este clube é seu?” Ivanov perguntou. “Você provavelmente pensa que a cidade é sua também. Você está errado. Eu tenho partes e logo terei tudo.”

“Dê o fora agora”, disse Sparrow, com palavras exigentes, mas em tom assustadoramente calmo, “e você viverá para ver o amanhã.”

“Venham”, disse Ivanov aos homens reunidos. “Nós voltaremos.” Ele acenou com a cabeça para Mason. “É melhor verificar o homem no escritório. Ele não era mais útil para mim.”

O que?

O olhar de Mason encontrou o meu.

Ele estava falando sobre Beckman?

Quando me virei para Madeline, ela estava andando, de cabeça baixa, seguindo os homens de Ivanov e Hillman enquanto eles saíam da sala.

“Madeline, fique aqui,” eu disse, ignorando a maneira como Sparrow e Mason estavam olhando para mim.

A cabeça dela balançou. “Não posso, Patrick.”

“Cara”, disse Mason, alcançando meu ombro, “seja o que for que esteja acontecendo, deixe-a ir.”

Ivanov parou e se voltou para Madeline. “Eu disse que voltar exigia uma vitória.” Seu olhar veio para mim. “Fique com ela. Sua utilidade também acabou. Eu tenho a versão mais recente.” Seus lábios se curvaram em um sorriso. “Ela é outra coisa... fresca, inocente e ainda mais bonita.”

“Não, Andros. Eu farei qualquer coisa”, Madeline gritou enquanto Ivanov e seus homens continuavam a sair.

“Certifique-se de que eles sejam escoltados para fora da propriedade”, dizia Sparrow.

“Por favor, você prometeu,” ela implorou, sua voz ficando mais alta.

“E você me prometeu uma vitória.” Essas foram suas últimas palavras.

Minha atenção foi para Madeline enquanto eu tentava entender o que aconteceu, o que estava acontecendo. Nos poucos minutos desde o último jogo, ela desabou. Fui até ela enquanto ela se inclinava soluçando como se tivesse levado um soco no estômago.

Erguendo-se, ela olhou para mim com os olhos cheios de lágrimas. “Eu disse que tinha que vencer.” Ela olhou para mim, Mason e Sparrow. “Por favor, se você puder, pare-o. Eu tenho que ir com ele.”

“Maddie, você não entende quem ele é,” eu disse.

Ela acenou com a cabeça. “Eu faço. Sei exatamente quem ele é."

“Patrick, o que-?” Sparrow começou.

“Tenho tentado te dizer...”

O lamento angustiante de Madeline parou minha resposta.

Peguei o braço dela. “Eu vou contar a eles.”

“N-não importa,” ela murmurou, soluços picando suas palavras. Rímel e lágrimas cobriam suas bochechas enquanto manchas enchiam seu pescoço e peito. “V-você não entende.”

Peguei novamente os braços de Madeline, não me importando mais com Sparrow e Mason. “Eu entendo que você é minha esposa. Eu vou mantê-la segura.”

“Patrick”, disse ela, tentando recuperar o fôlego. “Eu tenho que ir com Andros.”

“Você não precisa.”

“Eu preciso. Ele tem minha...” Seus olhos verdes vítreos me encararam. “Patrick, Andros está com nossa filha.”

 

 

                                                   Aleatha Roming         

 

 

 

                          Voltar a serie

 

 

 

 

      

 

 

O melhor da literatura para todos os gostos e idades