Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese

  

 

Planeta Criança



Poesia & Contos Infantis

 

 

 


STEALING HER / Rachel Van Dyken
STEALING HER / Rachel Van Dyken

                                                                                                                                                   

                                                                                                                                                  

 

Biblio VT

 

 

 

 

Meu irmão gêmeo, Julian, sempre foi o garoto maravilha, e em breve será o CEO da corporação de nosso pai cruel.
Minha mãe e eu? Deixados para trás.
Agora, anos depois de destruir nossa família, meu pai ousa me pedir um favor. Fingir ser Julian enquanto ele luta para sobreviver a um trágico acidente. Poderia salvar a empresa. Ninguém será descoberto se formos espertos. Será o nosso segredo.
Posso jogar de favorito do papai. Farei qualquer coisa por Julian. E para minha mãe, que não quer nada.
Mas essa vida dupla vem com uma beleza enorme: meus sentimentos muito reais pela noiva de Julian, Isobel. Não só estou traindo Julian, como enganando a mulher que amo. Ela não suspeita de nada. Como composto, mentiras são cruzadas e lealdades testadas, tudo o que posso me perguntar é... o que eu fiz?
Porque mais cedo ou mais tarde algo tem de acontecer.
Não há como desistir de Isobel.
Mas uma vez que a verdade for exposta, pode não ser a minha escolha.

 


 


Prólogo

Bridge

Manhattan, julho de 2001

— Vá para o seu quarto! — Papai gritou, decepção evidente quando ele olhou para meu irmão gêmeo, Julian, e depois para mim. — Essa é sua segunda suspensão este ano!

O sangue fugiu do meu rosto quando eu mordi meu lábio inferior para não gritar com ele. Para não gritar que as crianças da escola estavam machucando meu irmão gêmeo e o chamando de nomes ruins e que eu não deixaria isso acontecer mais. Mas nunca gritei com meu pai; não seria tolerado. Então, limpei a garganta e disse: — Não foi minha culpa. Eles estavam tirando sarro de mim. — Eu não disse a ele que Julian era o verdadeiro alvo deles. Meu irmão gêmeo só queria que o nosso pai visse o melhor dele.

Papai balançou a cabeça. — Então você diz aos idiotas quem é seu pai. Você não luta contra cada um deles e coloca um no hospital.

Julian se encolheu e olha para mim com medo nos olhos. Eu poderia dizer que ele estava com medo de dizer algo sobre ser pego. Não era a primeira vez, e ele odiava quando papai o chamava de fraco. É claro que papai não notou o corte no lábio trêmulo de Julian. Não, ele estava muito focado em meus olhos negros para perceber que eu estava fazendo o que deveria fazer, o que sempre fazia.

Protegendo meu irmão.

A todo custo.

— Vá para o seu quarto! — Papai apontou. — Você percebe que a notícia se espalhará? Que temos outro acordo a caminho e, por causa de suas ações, podemos perder tudo?

Ele estava exagerando. E eu odiava que ele tivesse trazido de volta aos negócios. Eu tinha treze anos, não sou idiota.

Morávamos em uma cobertura no Upper East Side e frequentávamos uma escola particular. Meu pai tinha motorista, tínhamos uma cozinheira e duas babás. E meu pai já me disse que iria comprar para meu irmão e para mim Audis iguais no nosso décimo sexto aniversário.

Nós estávamos bem.

Então eu dei de ombros e subi correndo as escadas assim que ouvi a voz suave da minha mãe. — Edward, você é muito duro com ele.

Eu podia sentir Julian correndo atrás de mim.

E eu podia ouvir as palavras que minha mãe disse ao meu pai, palavras suaves, de um coração igualmente suave que estava sendo destruído lentamente. Mas sua voz ficou cada vez mais alta.

Julian fechou a porta atrás dele, com lágrimas nos olhos.

Andei até ele, coloquei minhas mãos sobre as orelhas, e sussurrei: — Melhor?

Ele não disse nada, apenas olhou para mim até eu largar minhas mãos cansadas quinze minutos depois. — Desculpe, Jules, eu estava apenas tentando ajudar.

— Você está sempre tentando ajudar. — Ele encolheu os ombros. — Talvez se eu soubesse lutar ou tivesse metade dos seus músculos, eles não me atacariam.

Revirei os olhos. — Eles o atacam porque você é um espertinho e eles são idiotas. Além disso, toda garota da escola é obcecada por seu cabelo.

Ele sorriu. — Eu tenho um cabelo bonito.

— Bundão. — Soquei o ombro dele.

E assim, as coisas voltaram ao normal. Ele estava roubando meus CDs e eu fingia que não o via fazendo isso. Ele era assim, no entanto. Ele usava minhas coisas, mas se eu usasse algo dele, ele se zangava. Ele é igual nosso pai, nesse aspecto, mas eu realmente não dava a mínima.

O resto do dia transcorreu sem intercorrências.

Nós fizemos nosso dever de casa.

Descemos para jantar enquanto meu pai voltava ao escritório para trabalhar, e minha mãe disse que somos sua única razão de viver.

Tivemos a melhor vida.

Até que tudo desabou.

 

Um ano depois


— Promete, Bridge! — As mãos suadas de Julian agarraram as minhas. Nós éramos calouros no ensino médio, ambos acreditando que possuímos o mundo, porque era isso que nosso pai nos dizia diariamente.

— Jules. — Puxei-o para um abraço e depois o empurrei com um soco suave em seu ombro. — Somos irmãos. Claro que vamos escrever um para o outro. Tem uma coisa chamada e-mail, confira, você...

— Cale-se. — Foi a vez dele de me dar um soco, e eu recuei, dando uma olhada longa e dura no meu irmão gêmeo. Éramos parecidos, mas ainda assim tão diferentes. Seu cabelo castanho escuro caía em uma bagunça na testa. Seu aparelho sumiu, lentes de contatos entraram, e ele finalmente ganhou um pouco de músculo desde que começou a lutar. Ele estava finalmente entrando em si mesmo. Nunca precisei de aparelho e sempre fui o gêmeo maior, nascido com músculos. Eu tinha orgulho de suas realizações físicas, mesmo que nosso pai não estivesse. — Estou falando sério, — ele insistiu.

— Estamos nos mudando para Jersey, cara, não para a Sibéria. Não é como se eu não fosse te ver na escola. — Tentei manter o tremor fora da minha voz. Algo parecia tão errado, eu podia sentir a mudança no ar, senti quando minha mãe empacotou seu SUV Lexus.

Meu pai traiu muitas vezes.

E minha mãe não aguentou mais.

E desde que eu era o garoto problemático que gostava de brigar.

Aquele que cuidava de tudo com meus punhos.

Eu fui com mamãe.

Porque eu consertava as coisas.

Porque eu não queria que ela estivesse sozinha.

Porque em um divórcio, as crianças são muitas vezes as que são rasgadas em duas direções, sem nenhuma voz na situação.

E porque meu pai disse que é para onde eu estava indo. Pronto.

— Vai ficar tudo bem, — eu disse ao meu irmão, sem perceber que estava mentindo para ele.

— Você prometeu. — Ele agarrou meu cotovelo e me puxou de volta. — Você disse que sempre me protegeria.

— E eu sempre irei. — Não me permiti chorar. Isso seria bom. As pessoas se divorciavam o tempo todo.

Peguei meu Ray-Ban e os coloquei para que ele não visse a dor nos meus olhos.

Mamãe nos levou para longe da cidade, para longe do brilho e glamour dos negócios de alta potência de meu pai, para longe dos imponentes arranha-céus de aço e vidro, e para as luzes brilhantes e a agitação sem parar. Enquanto a paisagem mudava ao nosso redor, mamãe alternava entre bater no volante e soluçar nos lenços que eu continuava entregando a ela.

Seus traços italianos impressionantes, cabelo preto escuro e olhos azuis me fizeram pensar que ela era a mulher mais bonita do mundo. Com sua pele clara e cabelo castanho médio, meu pai era a luz de sua escuridão na superfície, mas por dentro ele era justo... arrogante.

Eles eram um casal lindo.

Mas a beleza externa não mantém uma família unida, não mantém todas as rachaduras e quebras à distância. A crueldade do pai quebrou a nossa família. E Julian e eu fomos pegos no meio.

— Mãe. — Entreguei-lhe outro lenço de papel. — Você está bem?

— Sim, — ela resmungou. — Vai ficar tudo bem, Bridge, eu prometo. Eu vou cuidar de nós.

— Eu sei mãe. — Mas eu não acreditei; ela nunca trabalhou um dia em sua vida.

E isso assentou como uma pedra no meu estômago. Eu sabia que papai deu a ela um acordo após o divórcio, mas também sabia que havia um acordo pré-nupcial.

Tinha medo de perguntar o que isso significava para nós.

Decidi não pensar nisso até uma hora depois, quando minha mãe parou em um pequeno complexo de apartamentos que parecia ter sido construído nos anos cinquenta. O tijolo vermelho não estava exatamente desmoronando, mas dizer que tinha visto dias melhores era um eufemismo. Manchas brancas corriam dos cantos das janelas de vidro único, e o corrimão marrom da escada para as unidades superiores afundava no meio. Localizadas abaixo dos degraus, havia duas portas de apartamentos que eram perturbadoramente próximas umas das outras, separadas apenas por um par de cadeiras de jardim irregulares. O ar-condicionado da janela em um dos apartamentos superiores pingava constantemente, conseguindo corroer o concreto na base dos degraus.

— Uhhh, mãe? — Fiz uma careta quando as pessoas olhavam para nós e nosso carro. — O que está acontecendo? Estamos deixando algo para doações ou...

— Nosso apartamento, — ela sacudiu a cabeça para o antigo prédio de tijolos — é o primeiro andar à direita. É tudo o que eles têm.

Alívio e compreensão me atingiram de uma só vez. — Ohhh, até que possamos encontrar um lugar?

Ela desligou o carro, segurando o volante com as duas mãos. — Você sabe o que é um acordo pré-nupcial?

— Eu vou para escola particular. Provavelmente eu poderia escrever um documento legal— falei com sarcasmo pesado. — Por quê?

— Assinei um que diz que não recebo apoio do cônjuge, apenas apoio à criança. Temos o suficiente para sobreviver, Bridge. Vamos vender o carro e usar tudo, dá para investir e eu arranjarei um emprego. Nós não estamos destituídos. Nós simplesmente não podemos pagar coisas como...

— Escola particular, — eu terminei para ela, de repente me perguntando por que meu pai não se importava o suficiente para garantir que eu tivesse a vida que estávamos acostumados a viver. Minha mente trabalhou rápido, lento e rápido novamente, enquanto eu pensava em ir para mamãe e Julian ir para papai. — Mãe...

Ela não olhou para mim.

Ela manteve os olhos no volante.

— Mãe. — Injetei um pouco de urgência quando disse novamente. — Quando vamos ver o Julian?

Silêncio.

— MÃE! — Eu não quis levantar minha voz, não quis que ela estremecesse.

E eu não pretendia causar mais lágrimas.

— Não sabia o que estava assinando. — Ela balançou a cabeça. — Eu o amava. Pensei que se nós fôssemos para sempre, Bridge, você tem que saber disso, e eu não tinha dinheiro para lutar com ele, nada... — Ela soluçou em seu lenço. — Sem guarda parcial, Bridge. Eu pego você, ele pega Julian.

— Mas— Meu corpo balançou quando meu coração pulou na minha garganta, dificultando a respiração. — Mas eu prometi a ele! Eu prometi a ele, mãe!

— Você pode enviar um e-mail para ele e, esperançosamente, no futuro, quando as coisas se acalmarem, você poderá visitar.

— Mãe, você não entende. — Peguei o braço dela e segurei, precisando do conforto de sua pele. — Mãe, eles vão comer Julian vivo na escola! Se eu não estiver lá, eles vão bater nele. Papai vai... — Eu não quis dizer isso, mas não consegui me conter. — Papai vai arruiná-lo. Você sabe que Julian faria qualquer coisa por sua aprovação, inferno, a única razão pela qual ele já não foi arruinado foi porque eu mantive meu pai sob controle!

Ela apertou os olhos quando duas lágrimas caíram no meu braço, a que a segurava por conforto, ajuda e apoio. — Não há nada que podemos fazer. Envie um e-mail para ele todos os dias, converse por vídeo, vamos nos esforçar o máximo possível, ok? Eu prometo.

Mas eu sabia, no dia triste de julho.

Não seria suficiente.

Forcei um sorriso e disse: — Por que não pego as malas?

E pela primeira vez na minha jovem vida, entendi o significado do seu coração se partindo ao meio.


Capítulo Um

Isobel

Junho 2019


Não reconheci meu namorado da faculdade mais do que acho que ele se reconhece quando se olha no espelho. Julian Tennyson, descontraído, cheio de vida e gargalhadas, este havia desaparecido. Era estranho ver alguém que você ama lentamente perder partes de si mesmo até não sobrar nada.

Os últimos seis meses foram um inferno absoluto, e mesmo assim eu continuava dizendo a mim mesma que iria melhorar, ele estava apenas sob muito estresse.

Depois que meus pais morreram quando eu estava na faculdade, os Tennyson me acolheram porque não tinha outra família. Eles me forneceram e me fizeram sentir como uma família. Eu precisava fazer parte de algo, e eles me deram isso.

Mas os presentes não eram de graça.

Não importava a princípio. Julian, garoto-maravilha graduado, um dos homens mais sexy de todos os tempos, com menos de trinta anos, era um galã corporativo.

No primeiro ano, nos mudamos juntos e ficamos ridiculamente felizes. Fiz trabalhos de caridade, e ele trabalhando na Tennyson Financial.

No segundo ano, ele começou a voltar para casa mais tarde e mais tarde, e às vezes nem voltava.

Sim, a trapaça começou.

Seis meses atrás, ele partiu meu coração.

Ele bebeu o veneno de Tennyson e agora eu ia acabar com ele.

Exceto que nada estava acalmando meu coração acelerado, nem o Xanax que eu estourara antes de agendar esta reunião, nem a garrafa de vinho que eu estava esperando por mim em casa, nem mesmo o alívio que eu sabia que sentiria quando dissesse as palavras e saísse de sua vida.

Fora do culto que era a família Tennyson, com todos os seus segredos sombrios, ganância e narcisismo de livros didáticos. Estremeci. Eu não aguentava mais.

Não podia viver em um estado constante de andar em casca de ovo.

Nunca seria o que meu noivo ou seu pai queriam.

Eu era boa.

Apenas não boa o suficiente.

Naquela manhã, estava esperando ver Julian na área de recepção do lado de fora do escritório dele.

Havia duas recepcionistas na casa dos vinte anos com cabelos loiros e maquiagem perfeita, nenhuma das quais se preocupou em levantar os olhos da mesa. Os funcionários sabiam que você nunca fazia contato visual com os Tennyson e, desde que eu estava noiva do vice-presidente e futuro CEO, isso significava que eu estava entre eles.

Não era para ser assim.

Não deveria ter que agendar uma reunião apenas para conversar com meu noivo. Não era isso que as pessoas normais faziam.

E, no entanto, essa era a expectativa. Estava aqui esperando pelo meu “agendamento”, já atrasado. Afinal, o tempo era extremamente valioso, e os Tennysons nunca pareciam ter o suficiente, especialmente quando se tratava de assuntos pessoais. Julian sempre tinha tempo para festejar em iates com celebridades e herdeiras, mas quando chegava a hora de ficar sozinho na cobertura comigo? Nunca tinha tempo.

Dor me apunhalou no peito.

Dor pelo tratamento descuidado.

Dor pelo nosso compromisso prolongado.

Dor pela perda de nossa amizade.

— Isobel? — Kelsey, uma das recepcionistas perfeitas, levantou-se. Briguei com Julian quando ele a contratou; ela era bonita demais, e ele era facilmente distraído por coisas brilhantes. Afinal, a maçã não caiu muito longe da árvore. — Julian vai vê-la agora.

— Perfeito. — Levantei-me e me preparei com um sorriso confiante enquanto seguia pelas elegantes e modernas portas duplas.

A primeira vez que entrei por aquelas portas anos atrás, senti como se eu tivesse as chaves de um novo reino.

Não percebi então que o reino era realmente uma masmorra e algumas coisas são cobertas de ouro para desviar o que está por baixo.

— Isobel. — Julian se aproximou de mim, mas seu sorriso era para a recepcionista. — É o meio de uma jornada de trabalho.

Ele parecia mais cansado que o normal... e estressado. Fiquei tentada a alcançá-lo, a dizer para ele se apoiar em mim como ele costumava fazer. Mas ele parecia quase bravo quando minha mão começou a fazer exatamente isso.

— Sim. — Cerrei os dentes. Como isso aconteceu? Memórias de nós na faculdade ressurgiram como sempre aconteciam quando eu estava tentando combinar o homem que eu amava com o estranho que estava na minha frente.

Ele checou seu Rolex, irritação pulsando em sua grande estrutura em ondas que eu quase podia ver no ar entre nós. — Caminhe comigo. Tenho uma reunião.

Levantei minhas mãos, pronta para bloquear seu peito, para impedi-lo de andar ao meu redor,— Julian, é particular. Preciso da sua atenção, por favor. — Deus, eu odiava implorar a um homem que costumava me olhar com amor em seus olhos, um homem que costumava dizer que íamos viver um conto de fadas.

Os corações que costumavam estar nos olhos dele mudaram para cifrões no minuto em que seu pai o promoveu logo após a faculdade. E com a promessa de uma promoção ainda maior em poucas semanas...

Ele escolheu dinheiro.

Sobre mim.

Porque de acordo com ele, o amor nunca realmente dura. Não para o pai e definitivamente não para ele, pois ambos foram cortados do mesmo tecido.

Nem sempre foi assim.

Adeus, Julian.

Adeus, família que eu costumava chamar de minha.

Adeus, vida que criamos juntos.

Senti a perda tão profundamente naquele momento que não consegui respirar. Não era o que eu imaginava três anos atrás, quando ele propôs.

— Estou rompendo o noivado. — Soltei as palavras tão rapidamente que cobri minha boca com as mãos quando o constrangimento assumiu, constrangimento porque ele nem sequer se encolheu, nem olhou para o relógio.

Ele olhou para mim como se não tivesse ouvido uma palavra que eu disse e exalei. Isso poderia ser alívio que eu vi? Ou ele estava realmente machucado? Ele tentou andar ao meu redor, mas seus passos vacilaram. — Vamos discutir isso quando eu não estiver atrasado.

— Julian. — Me mudei para frente dele. — Isso não é uma proposta de negócios ou uma compra, terminamos, não há discussão. Pensei que você deveria saber. - Me mudei para tirar meu anel de noivado de quatro quilates enquanto ele suspirava como se eu estivesse o incomodando. Segurei. — Aqui, pegue de volta.

— Não. — Mãos fortes seguraram meus ombros enquanto ele olhava para mim com um sorriso confiante, embora exausto. — Estive ocupado, muito ocupado, vejo isso agora. Que tal eu cancelar minha reunião hoje à noite e podermos jantar? - Ele já estava empurrando o anel de volta no meu dedo, levantando minha mão aos seus lábios, beijando-o suavemente como ele costumava fazer.

— Não. — Tremi.

— Tem certeza? — Gostaria de poder odiá-lo. Queria odiar o sorriso fácil que me lembrava tempos mais fáceis. De repente, ele me puxou para perto e olhou para mim como se eu fosse tudo que ele precisava, incluindo oxigênio. — Porque eu poderia realmente embarcar com um daqueles jantares de bife no Elliot's.

Elliot.

O lugar que ele propôs.

O nosso restaurante favorito.

Maldito seja! Apertei o punho com tanta força que o anel causou uma impressão contra a palma da minha mão.

— Julian, não. — Não conseguia pensar com ele tão perto. Ele tinha esse magnetismo perigoso, sugando você para o vazio de Tennyson e se recusando a deixar ir. Recusei-me a ser manipulada novamente. Ele era bom demais em me fazer acreditar que éramos eternos, que o que tínhamos era diferente de qualquer outra coisa neste mundo. E ele sabia exatamente o que dizer para me fazer recuar. Não queria ser fraca, não mais.

— Acho que preciso... — ele começou.

— Julian! — A porta se abriu, Amy, a outra recepcionista, enfiou a cabeça e apontou para o próprio relógio, desviando os olhos enquanto dizia em voz baixa: — O carro está esperando há cinco minutos. Você precisa ir para baixo. Seu pai não está feliz e o conselho está esperando.

Seu rosto endureceu antes de ajeitar a gravata. — Te ligo mais tarde.

— Mas Julian...

Ele se foi.

Apertei minhas mãos, sentindo a marca do meu anel de noivado contra a minha pele. A emoção entupiu minha garganta até que eu senti que estava sufocando.

O único barulho naquele escritório gigante era o som dos meus calcanhares enquanto eu caminhava até as janelas do chão ao teto com vista para Manhattan.

O reino dele.

Deles.

Nosso.

Não mais.

Porque eu não sacrificaria meu coração por dinheiro.

Não mais.

Havia uma foto nossa em sua mesa. Nossos novos rostos felizes estavam sorrindo, acabávamos de sair da faculdade. Eu tinha terminado meu mestrado em enfermagem e ele seu MBA. Estava olhando para ele, e ele estava olhando para a câmera.

Ele sempre esteve olhando para o futuro.

Nunca para mim.

Parecia egoísta? Mesquinho?

Era permitido a uma mulher aqueles momentos em que ela perdia o amor de sua vida por algo igualmente egoísta e mesquinho.

Ganância.

Não sei quanto tempo fiquei olhando aquela foto. Tempo suficiente para minhas costas ficarem tensas sob a má postura provocada por meus estiletos e tempo suficiente para o sol começar a se pôr.

Suspirando, torci o anel em volta do meu dedo e saí lentamente de seu escritório, clicando na porta atrás de mim, exatamente quando Kelsey atendeu o telefone.

Seu suspiro agudo chamou minha atenção. Seu rosto empalideceu e seus olhos se encontraram com os meus. — Houve um acidente.


Capítulo Dois

Bridge


— Outra vez chegando tarde da noite? — Mamãe perguntou quando eu deixei cair minha mochila no sofá e fui procurar uma cerveja.

Ela sabia a resposta.

No entanto, ela sempre tinha que fazer a pergunta, não era?

Sorri um pouco quando mergulhei minha cabeça na pequena geladeira gasta e puxei uma cerveja. — Não muito tarde.

O sorriso dela era frágil quando ela se levantou ou tentou se levantar. Me movi tão rápido que a cerveja quase caiu sobre o balcão. Ela tinha apenas cinquenta e poucos anos, mas você pensaria que ela tinha setenta e poucos anos da maneira como se movia nos dias de hoje.

Gastroparesia fazia isso com uma pessoa. Ela passou de saudável para pesar apenas 43kg. Seu estômago não conseguia digerir adequadamente nada, nem água, o que a obrigava a usar um tubo que a alimentava através do estômago. Quando ela foi diagnosticada há cinco anos, imaginamos que lutaríamos da maneira que pudéssemos. Não é uma condição conhecida e é super difícil de obter um diagnóstico adequado; portanto, quando as pessoas perguntam a ela o que havia de errado e ouviam que não é câncer, elas suspiravam de alívio, como se ela não estivesse enfrentando uma sentença de morte todos os dias se o seu tubo de alimentação funcionava mal.

A dor atingiu meu coração, minha garganta, todas as células do meu corpo enquanto eu a estabilizava. — De onde você saiu tão rápido?

Ela revirou os olhos e me deu um tapinha no ombro direito. — Se isso é rápido...

— Tão rápido que vou começar a chamá-la de Flash —. Pisquei.

Água acumulou em seus olhos. Lágrimas significavam que ela estava com dor ou triste, e eu não consegui lidar com nenhuma dessas coisas.

E eu faria qualquer coisa, atravessaria qualquer oceano, para garantir que a luz mais importante da minha vida não fosse apagada por algo que em minha mente deveria ser uma coisa tão fácil de corrigir. Mas eu não era mais criança, não conseguia consertar isso com os punhos e não conseguia consertar com o meu intelecto. Então, eu a amava da melhor maneira possível. E rezava para que fosse o suficiente.

Os médicos dela continuavam tentando coisas novas.

O que significava que eu continuava trabalhando em mais turnos para que eu pudesse pagar todos os novos tratamentos que eles alegavam que me dariam mais tempo com ela.

Nós vendemos o SUV anos atrás em troca de um jipe que quebrava mais do que funcionava, e toda vez que o homem que me gerou aparecia na TV em um carro novo eu queria gritar.

Mas, depois de dois anos de telefonemas sem resposta, percebi que ele não viria a cavalo e nos resgataria de contas médicas.

E nem o irmão que acabou sendo exatamente como o cara que todos chamavam de santo. Edward Tennyson? Um santo? Minha bunda. Só porque ele doou dinheiro para fundações que o interessavam, não o tornava um santo, fazia dele um empresário astuto que entendeu o poder da opinião pública.

— Eu ia fazer um jantar para nós. — Ela sempre dizia “nós”, embora não comesse alimentos sólidos. Ela disse que vive indiretamente através de mim, então eu bebo suas batidas favoritas. Passei todos os dias da minha vida dedicados a comer o que ela queria comer e depois castiguei meu corpo físico para que eu pudesse continuar a fazê-lo.

Minha mãe tinha um dente doce claro, e eu teria o dobro do meu tamanho se não passasse duas horas por dia na academia depois de terminar o treinamento. Os sacrifícios que fazemos por aqueles que amamos.

— Por que você não se senta? — Finalmente disse, mantendo as emoções que estava sentindo fora da minha voz. — E eu vou preparar um pouco do seu frango assado favorito enquanto eu conto sobre o meu dia.

Algo na maneira como ela olhou para mim me deixou triste, como se ela soubesse que um dia eu precisaria de mais alguém para conversar, de alguém para compartilhar minha vida, quando honestamente tudo o que eu queria era minha mãe.

Tudo que eu precisava era da minha mãe.

Deixei-me acreditar que mentia toda vez que meu peito parecia que iria quebrar a perda de uma parte da minha alma, ou pelo menos era o que parecia. Lembrei-me de um Julian assustado, alguém que me confrontou por tê-lo abandonado um ano depois que nos mudamos, quando eu estava atravessando a cidade para nos acomodar antes de vê-lo na escola no dia seguinte.

Quão errado eu estive.

Os e-mails entre nós eram cada vez menos até um dia na faculdade, eles pararam por completo. Me mantinha atualizado com suas aventuras, atualizando a seção de entretenimento do jornal, e então fiquei tão enojado com o que vi, com o homem que ele havia se tornado — apenas parei.

Gostaria de pensar que um apetite saudável por mulheres ajudou a me distrair, mas quando elas me viram, assumiram erroneamente que eu era meu irmão estabelecido, o que significava que elas também assumiram erroneamente que eu estava rolando nele. Na realidade, trabalhei meio período como personal trainer e meio período como garçom enquanto tentava trabalhar com a UPS¹.

E estar associado ao meu irmão me irritou ainda mais.

Ele poderia muito bem estar em um castelo construído em ouro.

E eu fui dormir à noite pensando: Droga tenho muita sorte de estar aqui com mamãe, em vez de naquela prisão de ouro com papai.

No ano passado, Julian nos enviou um cheque de cinquenta mil dólares e eu o rasguei ao meio, não porque não precisávamos dele, mas porque eu estava com tanta raiva e deixei meu orgulho me ultrapassar. Não havia nota, nada, apenas um cheque, como se isso tornasse tudo melhor.

Ele era meu pai completamente.

Jogue um pouco de dinheiro e tudo bem.

— Tudo bem, querido, — mamãe disse enquanto eu a ajudava a sentar no sofá e a pegar o seu livro favorito. Ela tinha pelo menos dez romances na mesa de café. Apontei para eles com um sorriso, apenas para ela dar uma olhada e olhar. — Não se atreva a tirar sarro de mim.

— Não sonharia com isso, mãe. — Beijei sua bochecha e fui para a cozinha. Meus pés doíam por ficar em pé o dia inteiro, minhas costas doíam por causa do levantamento de peso, e eu tinha um turno às cinco da manhã com a UPS.

Pelo menos o pagamento era bom. Quase tinha economizado o suficiente para pagar as contas pelos próximos dois meses, a menos que algo acontecesse com mamãe, e então estaríamos ferrados. E é isso que acontece com a doença dela; um dia ela está bem, no dia seguinte estamos no pronto-socorro, depois ela é internada no hospital por uma semana.

— Então, seu dia? — Mamãe sorriu para mim, depois ligou a TV, colocando-a em mudo. Ela me conhecia bem. Gostava de ver as notícias, e gostava de poder aumentar o volume se quisesse me sujeitar ao caos que era o nosso mundo.

— Bem, foi bom. Hoje eu tinha dois novos clientes, marido e mulher. Ambos engordam e querem se tornar saudáveis novamente, então eu os coloco em um regime de treino para parceiros muito fácil, que acho que realmente ajudará. Além disso, aqueles que sofrem juntos...

— Ganham juntos. — Mamãe riu. — Embora eu não acredite em você, eu ainda te amo pelas mentiras que você conta.

— Hah! — Puxei algumas coxas de frango do freezer e as coloquei em um prato para descongelar.

— O quê mais? — Mesmo doente, ela era linda e envergonhava a maioria das mulheres. Sua expressão ansiosa puxou meu coração quando ela envolveu o cobertor com mais força e começou a tremer. Sempre com frio. Ignorei a maneira como suas clavículas se projetavam de sua pele junto com o tom azul das veias em suas mãos.

— Bem, eu sou bartender... — Parei quando o rosto do meu irmão brilhou na TV.

E então meu pai estava falando.

— Aumente. — Cerrei os dentes quando minha mãe procurou o controle remoto e aumentou o volume.

— Os primeiros relatórios afirmam que Julian Tennyson, vice-presidente e futuro CEO da Tennyson Financial, estava em uma colisão frontal esta noite. Ele está atualmente em estado crítico no Manhattan Grace.

— Ah não. — Mamãe cobriu o rosto com as mãos enquanto as lágrimas escorriam do queixo. Ele ainda era filho dela.

Meu irmão.

Larguei o frango no balcão enquanto meu coração batia contra o peito.

— Eu sempre protegerei você.

Prometi a ele.

Eu falhei.

Não importava que eu odiasse o que ele se tornara. Deveria ser a outra metade dele, e ele estava em um hospital agora.

Peguei minhas chaves na mesma hora em que minha mãe começou a soluçar.

— Oh, meu garoto. — Ela balançou para frente e para trás, e eu estava me movendo rapidamente para a sala para agarrá-la quando a campainha tocou.

Nós dois congelamos, sentindo que nada de bom estaria do outro lado daquela porta.

Ninguém nos visita, exceto o carteiro.

Fiquei com as pernas trêmulas enquanto caminhava para a porta da frente e a abri.

Eu falhei.

Eu falhei.

Eu falhei.

Eu o cheirei primeiro, os aromas familiares de uísque caro e fumaça de charuto misturado com o calor úmido de Jersey em junho.

E meu pai, cerca de trinta quilos mais pesado desde a última vez que o vi, vestindo um terno de três peças e óculos de sol mais caros que meu aluguel, encostou o corpo no batente da porta e disse: — Ele precisa de você. E eu também.

— Ele está bem? — Um denso nevoeiro de emoção ameaçou sufocar meu corpo enquanto eu esperava ele responder.

— Tenho os melhores médicos atendendo a ele, — ele finalmente disse, olhando por cima do meu ombro para minha mãe. Sua expressão não mudou, mas sua postura ficou rígida quando ele olhou de costas para mim e sussurrou: — Acho que tenho uma oferta que você não poderá recusar.

E naquele momento, eu poderia jurar que ouvi o som de algemas douradas sendo presas em meus pulsos enquanto murmurava: — Entre.


Capítulo Três

Isobel


Entorpecida, eu estava entorpecida.

E eu estava com raiva.

E eu fiquei triste.

E tantas outras emoções tumultuadas que eu não conseguia definir nem começar a engolir, porque acima de tudo... Eu, Isobel Cunningham, me senti aliviada.

Aliviada!

Lágrimas ardiam no fundo da minha garganta enquanto eu passeava pelo corredor do hospital. Ninguém me deixaria ver Julian, e apenas a família era permitida, o que tecnicamente eu não era porque não havia dito que sim na igreja.

Eu não era ninguém, sem outra família além do homem com quem acabei de terminar que estava lutando por sua vida. Percebi então o quanto eu confiava nele por tudo na minha vida.

Ele não queria que eu trabalhasse, então me ofereci como voluntária neste mesmo hospital, na ala infantil de câncer. Ele pagou pela nossa casa, minhas roupas. Minha vida girava em torno dele.

E apesar de enfrentar sua possível morte.

Ainda sentia... alívio.

Eu era um monstro?

Mereço queimar no inferno? Porque tudo que eu pensava era que tinha acabado. Estava dividida entre o luto por um homem que não reconhecia mais e me repreendendo por sentir esse peso levantando do meu peito.

Recusei-me a pensar em todas as minhas razões para precisar da aprovação de ambos, Julian e seu pai, mas no minuto em que me aceitaram, de alguma forma comecei a me aceitar, até perceber que a aceitação deles era apenas mais uma palavra sofisticada para controle.

Aceitamos você, mas você precisa usar esse designer para nós.

Nós amamos você, mas o amor acontece no relógio da família Tennyson.

Lutaremos por você, a menos que isso nos faça parecer fracos, e então você estará por sua conta e será punida com silêncio ou, pior ainda, traição.

Talvez eu tivesse estado com os Tennysons por muito tempo, talvez o pior tivesse acontecido e eu tivesse aceitado que minha vida seria um sorriso falso em público, lágrimas silenciosas em particular.

Na faculdade, as coisas tinham sido tão simples, tão fáceis. O pai de Julian estava muito ocupado para vê-lo durante o ano letivo, e as visitas durante as férias foram como algo saído de um filme da Hallmark. Era como viver neste sonho de Hollywood... e depois nos formamos.

E as palavras exatas de Julian foram — Hora de crescer.

Como se estivéssemos fingindo o tempo todo.

Foi quando as regras começaram.

Sem emprego. Meu único trabalho era estar pronta para ser uma esposa Tennyson, aprender a planejar um menu de jantar, fazer minhas unhas semanalmente, usar meu cabelo de uma certa maneira, usar certos designers e cores e garantir que eu comprasse o suficiente para manter a aparências para mídia.

No começo, eu fiz essas coisas porque eu o amava e ele me provocou sobre como todas elas eram tolas, mas ele também disse que era o que seu pai esperava; portanto, jogamos de acordo com as regras de seu pai.

Além disso, o que eu sabia sobre fazer parte de uma família poderosa constantemente sob os holofotes? As regras faziam sentido. Então eles começaram a ficar entediantes, e quando eu tentei discutir meus sentimentos com Julian, ele descartou-me. A distância entre nós cresceu exatamente como suas longas horas no escritório; seis meses atrás, tudo finalmente desabou ao nosso redor. Assumi que, quando estivéssemos noivos, as coisas voltariam ao normal; em vez disso, fiquei em casa com um noivo que cheirava a perfume de outra pessoa e não me olhava nos olhos, e quando ele finalmente disse algo foi apenas: — Não é nada, são apenas negócios.

Ele me dispensou, ele nos dispensou.

Na mesma semana em que ele estava trabalhando até tarde no escritório, fui surpreendê-lo e vi sua madrasta muito perto, tocando suas costas e rindo.

Causei uma cena.

Gritei.

Julian me disse que estava vendo coisas.

No dia seguinte, ele disse que deveríamos marcar uma data para o casamento.

E mais uma vez acreditei que as coisas iriam melhorar que ele estava apenas estressado, que talvez eu realmente estivesse vendo coisas.

Estúpida. Como eu poderia me deixar levar tão perfeitamente por esta família? Por esse nome?

— Não importa de onde você vem, — Julian sussurrou no meu pescoço enquanto dançávamos sob as estrelas durante nosso último ano de faculdade em Duke. — Só que você estará comigo, ao meu lado, para sempre. Preciso de alguém forte como você, alguém que consiga fazer o sacrifício.

Lágrimas picaram meus olhos.

Ele era perfeito.

Tudo o que uma garota poderia sonhar.

Até que o sonho desabou ao meu redor por meio de ganância, orgulho, egoísmo e muitos segredos para contar. Ele era a combinação perfeita de elogios e manipulações. Ele me deu apenas o suficiente para me manter e depois me fez sentir culpada por não ser grata por cada pedacinho de atenção.

Logo depois que eu o vi com sua madrasta, ele chegou em casa bêbado, com batom na bochecha.

Foi a gota d'água. Estávamos a oceanos emocionais de distancia, a menos que ele precisasse que o eu fizesse algo por ele. E qualquer confiança que eu tinha nele foi quebrada.

Cerrei os punhos enquanto meus calcanhares batiam contra o chão azul e branco do hospital. Andei de um lado para o outro e, de alguma maneira, consegui mastigar minha unha enquanto esperava.

Tinha ouvido o médico dizendo a Edward que o único resultado possível não parecia bom.

Não perguntei o que era aquilo.

Finalmente caí em uma cadeira e pendurei a cabeça nas mãos. Meu esmalte rosa estava lascado além do reparo. Não pude conter meus nervos.

O pânico cresceu no meu peito enquanto eu ouvia o zumbido baixo das luzes acima de mim, os sons das enfermeiras conversando, as pessoas passando e rindo.

E tudo que eu queria fazer era correr.

Sim. Era uma pessoa horrível. E o inferno não me assustou, apenas o pensamento de vê-lo na vida após a morte sofrendo ao meu lado me fez querer me arrepender.

A madrasta de Julian, Marla, tinha ligado e desligado o telefone falando em voz baixa no minuto em que voltou à cirurgia. Eu tinha apenas três anos a menos que ela e aos 33 anos ela já era a esposa troféu perfeita. Marla costumava agir como se eu fosse sua competição e, é claro, sempre ficava aquém do que se esperava de mim.

Fazia seis horas.

E ainda assim eu esperei.

As luzes fluorescentes piscaram novamente, criando uma dor latejante em minhas têmporas enquanto procurava em minha bolsa Birkin branca por aspirina, percebendo que a bolsa era apenas mais uma coisa que ele me deu quando eu queria um abraço.

Com as mãos trêmulas, finalmente localizei um frasco de comprimidos perdidos e agarrei-o entre as pontas dos dedos assim que as portas da Cirurgia 1 se abriram.

Levantei-me, segurando as pílulas na palma da minha mão suada enquanto o médico removia sua máscara, sua expressão ilegível. O suor se acumulou na testa dele. Ele parecia jovem demais para ser o tipo de cara que reunia o corpo das pessoas novamente. Seu rosto estava sombrio quando ele olhou para mim e depois para Marla. — Preciso falar com Edward Tennyson.

— Sou sua esposa. — Ela torceu o nariz. E então a mulher louca olhou para mim e cheirou como se eu a estivesse ofendendo por estar muito perto. — Ela não é da família. Ainda não, pelo menos. — Ela tentou dizer isso com tristeza, mas meus ouvidos estavam em sintonia com a competitividade em sua voz. Tinha a versão mais jovem do que ela era casada. O meu não precisava de Viagra para funcionar. Edward era um homem bonito, mas ele tinha setenta e poucos anos e gostava muito de bons restaurantes e uísque.

— Tenho sua permissão, então, para falar a partir de...

— Absolutamente não, — Marla zombou. — Tudo o que precisa ser dito pode ser dito para mim em particular. Além disso, este lugar está cheio de repórteres.

Ele me deu uma breve olhada antes de se virar para ela. — Compreendo.

— Você deveria ir. — Os saltos de leopardo de Marla estalaram contra o chão de linóleo quando ela me puxou para um abraço e muito discretamente sussurrou em meu ouvido: — Entraremos em contato. Julian precisa de sua família agora mais do que nunca.

Queria arrancar os olhos dela.

— Estamos noivos. — Engoli lágrimas grossas crescendo na minha garganta. — Tenho o direito de saber que ele está bem! — Nunca levantei minha voz para ela. Devo tê-la chocado em silêncio, meu peito arfando ao implorar ao cirurgião. — Por favor, ele está bem? Ele está vivo?

Marla me agarrou pelos ombros e me puxou contra ela. — Pobre coisa está perturbada. — Ela se agarrou a mim por mais tempo do que eu podia tolerar.

— Senhora, desculpe, mas só posso divulgar as informações médicas do Sr. Tennyson para a família, — disse o cirurgião suavemente.

Certo.

Família. Somente.

— Marla, por favor, mantenha-me atualizada.

Ela inclinou a cabeça com um sorriso falso que basicamente transmitia que preferia morrer a me enviar uma mensagem de texto e ter a chance de quebrar uma unha, depois voltou-se para o médico. — Vamos encontrar uma sala privada.

Quase bufei com isso.

Conhecia seus jogos muito bem.

Coitado do pobre cirurgião, não tinha ideia do que estava por vir. Ele estava prestes a ser recompensado muito bem por salvar a vida de Julian ou por deixá-lo morrer na mesa, reivindicando menos um para a fortuna de Tennyson.

Lágrimas escorreram por minhas bochechas inchadas enquanto eu os observava, incertas sobre o meu destino e sobre o homem do outro lado daquelas portas grossas.

Andei entorpecida até minha BMW7 série preta, afivelei o cinto de segurança e dirigi lentamente em direção à cobertura que eu estava dividindo com Julian.

Entrei em um apartamento que já parecia vazio.

A TV estava desligada e a empregada havia deixado algo que parecia uma caçarola na geladeira com instruções. Chutei meus sapatos e puxei meu cabelo em um rabo de cavalo enquanto eu caminhava para o quarto principal.

Para encontrar minha cama ocupada.

Pela mesma empregada, nua.

Em um par de meus saltos de prata.

E nada mais.

— Merda! — Ela puxou meu cobertor no peito nu. — Onde está o Julian?

Não consegui falar.

Não conseguia formar palavras ou frases.

Ele nunca foi tão descarado.

Nunca.

Não na minha casa.

Nosso Lar.

Lágrimas escorriam pelo meu rosto, aumentando quanto mais eu olhava para ela, mais ela olhava para mim, enquanto a tensão estática da sala estalava com a necessidade de algo para preencher seu silêncio.

— Caí Fora — eu murmurei.

Minutos se passaram.

A porta bateu.

Olhei para a cama em que eu deveria dormir de alguma forma, ao lado do espaço vazio para um homem que poderia ou não estar voltando para ela.

E eu me senti uma tola.

Pelo que eu sabia, Julian estava morto.

E ele tomou todos os pedaços de dignidade que me restavam.

Fechei os olhos e chorei.


Capítulo Quatro

Bridge


Odiava hospitais.

Odiava o jeito que eles cheiravam.

Odiava as promessas fúteis dos médicos. E acima de tudo, eu odiava quanto custava para minha mãe obter a ajuda de que precisava. Os hospitais sugaram as almas dos doentes, deram-lhes falsas esperanças e sorriam enquanto o faziam.

Então, estar naquele hospital, com um pai com quem eu não queria saber nada, não foi minha primeira escolha para uma terça-feira.

Ainda estava com minhas roupas de ginástica e Nikes, olhando cada centímetro da classe ao lado do meu pai, que usava um terno de três peças usando malditos óculos de sol aqui dentro, como se o sol estivesse brilhando muito forte em seu rosto perfeito.

Andamos em silêncio pelo corredor até a UTI.

Julian estava em uma sala privada; era tudo o que sabia, era tudo o que meu pai me dizia. Mas nós éramos gêmeos. Sabia na minha alma que ele estava com dor, sabia no meu coração que algo estava muito errado, porque pela primeira vez na minha vida eu não o senti.

E esse pensamento foi aterrorizante.

Ele poderia ser a pior pessoa deste planeta e eu ainda teria esse sentimento, o sentimento de perder algo que era meu, de perder meu irmão.

Paramos na frente da sala.

Engoli em seco e olhei para a porta de metal.

— Entre, eu vou esperar. — Meu pai cruzou os braços.

Disse a ele que tinha condições.

E este era um deles.

Queria vê-lo por mim mesmo.

Queria ver que ele não estava morto.

Queria dizer a ele que sentia muito.

Queria pedir seu perdão.

Queria consertar todas as pontes quebradas entre nós.

Acima de tudo, queria que ele soubesse que eu estava fazendo isso por ele , por seu legado, pela única coisa que ele mais queria neste mundo, a única coisa que eu detestava.

A empresa.

E mesmo que ele acordasse me odiando, eu iria embora sabendo que fiz tudo ao meu alcance para ajudá-lo de todas as maneiras possíveis.

Respirei fundo e abri a porta.

O quarto cheirava a antisséptico.

As luzes estavam baixas.

E ele estava ligado a tantas máquinas que meus olhos estavam borrados de lágrimas. Uma máquina respirava por ele; a cada segundo, mais ou menos, fazia um barulho que fazia meu estômago apertar.

Ele estava vivo.

Seu rosto estava coberto de bandagens, e uma das pernas estava quebrada, eu sabia que ele tinha várias costelas quebradas e um pulmão colapso por isso precisou de uma cirurgia.

— Ei, Jules. — Minha voz soou tão alta naquele quarto. — Você parece uma merda.

Imaginei que, se ele pudesse me ouvir, ele pelo menos sorriria com isso.

— Você também está em todas as notícias, o que deve fazer você realmente feliz, pois ama a atenção, mas não é por isso que estou aqui. Papai veio nos visitar e ele disse... algumas coisas. — Merda, como eu deveria fazer isso? Xinguei e me virei, colocando as mãos na cabeça.

— Sei o quão importante esse trabalho e seguir os passos dele é para você, e eu acho que só precisava que você soubesse que eu vou trabalhar duro para que, quando você acordar, tenha tudo o que você sempre quis. Eu só preciso que você saiba que não é para mim, é para você. Jurei que te protegeria e falhei. Não posso falhar nisso. Não vou — murmurei. — Mas eu realmente preciso que você acorde logo, porque não tenho ideia do que estou fazendo, e não faço ideia de como fazer isso além de fazer parecer que você está bem, para que possa ter tudo o que sempre quis.

Suspirei e depois olhei para ele uma última vez. — Nunca parei de te amar. Quero que você saiba disso.

Fechei os olhos e abaixei a cabeça, depois me virei e voltei para o corredor.

Meu pai estava conversando com uma das enfermeiras. Ela olhou para mim e eu apenas balancei minha cabeça. Meu pai se esforçou ao máximo para fazer todo mundo pensar que ele tinha apenas um filho, então eu estava acostumado com esse olhar de confusão. Nunca contei a ninguém quem era meu pai e nem sequer usei o nome Tennyson. Isso me enojou. Representava o que meu pai fez com minha mãe, o que ele fez com Julian, nossa família.

Peguei o nome de solteira da minha mãe e fingi que não era Tennyson.

E meu pai me deixou porque tinha um filho que ele podia controlar e sabia que não era eu.

Até agora.

Ele olhou entre mim e a enfermeira e sussurrou outra coisa, depois voltou para mim, sua arrogância tão confiante que eu queria dar um soco na cara dele.

Seu -único- filho estava na UTI lutando por sua vida e ele estava sorrindo. Como diabos ele estava sorrindo?

— Ela não fala. — Ele ajeitou a gravata de seda branca. — A UTI inteira foi paga e fiz uma grande doação ao hospital esta manhã. Nenhum repórter será permitido, ninguém sabe quem você é, lembra?

— Me pergunto quantas pessoas você teve que pagar para que isso acontecesse, — retruquei.

Ele olhou. — Estou lhe oferecendo um novo começo. —

— Certo. — Como o novo começo que você me deu quando me mandou embora. Podia sentir uma dor de cabeça chegando. — As únicas razões para fazer isso são para mamãe e Julian.

Ele bufou uma risada. — Você percebe que seu irmão te odeia?.

— E eu te odeio, então parece que todos estamos em boa companhia.

Ele ignorou o comentário e começou a andar, e eu sabia que a expectativa era andar com ele, então eu o fiz.

— Todas as contas médicas dela, — Exigi. — Ninguém, exceto o conselho, conhecerá minha verdadeira identidade e, no minuto em que Julian acordar, ele assumirá novamente.

— Se ele acordar.

— Ele vai acordar, porra, — Disse entre dentes.

Meu pai hesitou como se precisasse de alguém para lhe dizer que Julian lutaria e depois concordou: — Ele é forte. Ele é um Tennyson.


Capítulo Cinco

Bridge


— Sabia que você diria que sim. — Meu pai bastardo simplesmente não parava de falar. Resmunguei em resposta e continuei a ler portfólio após portfólio. Não é como se eu não tivesse um diploma de negócios, mas mesmo assim eu sabia que estava enferrujado o suficiente para precisar passar algumas noites sem dormir para recuperar o atraso. A seguir, estavam as páginas de mídia social, um laptop que parecia custar mais do que uma nave espacial e as chaves de um apartamento que eu preferiria queimar do que dormir. Não era o meu apartamento. Era dele. Não ganhei. E eu odiava estar vivendo o sonho dele, mesmo que estivesse mantendo vivo para ele. — Você precisa de uma bebida.

— O que eu preciso, — fervi, — é que você pare de agir como se estivesse me fazendo um favor. Estou fazendo isso por mamãe e Julian, não por você.

— Ela parecia saudável. — Ele deu de ombros como se não fosse grande coisa ou merecesse atenção.

— Ela está morrendo, sua merda arrogante, — cuspi. Queria envolver minhas mãos em seu pescoço e apertar. Queria ver a cabeça dele saltar e rolar pela rua enquanto ele era atropelado por uma frota de táxis antes de finalmente aterrissar em um esgoto, onde ele apodreceria ao lado de seu cadáver, de modo que ele vagasse pela terra procurando sua cabeça pelo resto da eternidade. Um pouco demais?

Realmente não acreditava na vida após a morte. No entanto, o que eu sabia era que havia um lugar especial no inferno para o homem sentado ao meu lado tomando um conhaque como se meu irmão não estivesse em coma lutando por sua vida enquanto eu estava prestes a assumir a única coisa que ele se importava.

Independentemente de quanto eu odiava Julian por querer a aprovação do meu pai.

Sempre odiaria mais meu pai por fazer minha mãe chorar.

— Mamãe? Você está triste?

— Oh querido, não. Mamãe apenas arranhou o dedo do pé. — Ela enxugou as lágrimas do rosto. Tinha apenas quatro anos, mas sabia que não estava certo. Fiz uma careta para os dedos dos pés. Ela estava usando tênis.

Olhei mais forte quando ela cheirou um pouco mais alto e sentou no sofá.

Me arrastei para o colo dela e passei meus pequenos braços em volta do pescoço, em seguida, beijei cada bochecha antes de fazer beijos de borboleta. — Você está melhor agora.

Seus olhos vidrados focaram em mim com tanta intensidade, tanto amor, que minha barriga tremeu um pouco quando ela se agarrou a mim com força e sussurrou contra minha bochecha gordinha. — Você sempre melhora tudo.

— Mantenho você segura, mamãe, eu sempre mantenho você segura.

Por alguma razão que a fez chorar mais. Mas ela riu entre as lágrimas, então talvez o que eu disse tenha sido uma coisa boa; isso a estava fazendo feliz novamente.

— Baby, você é o meu mundo.

— Devo ser um menino grande então.

— Grandão, — ela concordou com um sorriso antes de beliscar meu nariz. — Tudo bem, vamos pedir pizza e esquecer a tristeza.

Não achei que arrancar um dedo do pé pudesse te deixar triste.

Ela me jogou de volta no sofá e saiu da sala. Eu podia ouvi-la falando ao telefone e pedindo meu favorito.

As notícias estavam na TV, eu não sabia ler, mas vi o rosto do meu pai. Ele parecia tão grande e forte. Talvez por isso mamãe estivesse chorando? Ela sentiu falta dele? Ele não estava em casa tanto quanto eu queria que ele estivesse. Mas ele era importante, mamãe disse.

E ele estava em um terno chique ao lado de uma mulher vestida de branco.

Ele parecia feliz.

E a única razão pela qual eu podia pensar que minha mãe estava triste era porque ele estava no trabalho novamente, o que também me deixou triste.

— Você é um menino tão bom. — Mamãe voltou. — Te amo para sempre, Bridge.

— Para sempre e sempre, — eu concordei com um sorriso.

— Estamos aqui, — Edward instruiu. Recusei-me a chamá-lo de pai. Esse tipo de honra não lhe pertencia agora, não é?

Não estava nervoso com o que estava prestes a fazer. Se qualquer coisa, depois de ver Julian, eu tinha um foco singular: obter para mamãe os cuidados de que ela precisava, usando o dinheiro que Edward estava passando para nós, e garantir que ela nunca mais chorasse por não podermos pagar suas contas médicas.

Tudo o que eu tinha que fazer era fingir ser Julian, dar-lhe tempo para curar, dar- lhe tempo para voltar ao normal, e então minha vida seria normal novamente.

Me venderia para manter minha mãe viva. O único custo era a minha alma e, em troca, recebia dois milhões de dólares em dinheiro e o restante de seus cuidados de saúde em casa pagos. Assinaria a papelada me nomeando CEO temporário como Bridge, mas fingiria publicamente ser Julian até que ele acordasse e assumisse o controle, e então eu desapareceria na névoa como mágica de cinema. O conselho de administração saberia a verdade, porque uma coisa era fingir ser Julian em público, mas assinar seu nome em documentos legais cruzou uma linha que poderia colocar a empresa em risco. Além disso, Edward sabia que eles não arriscariam nenhum dano ao valor de suas ações reclamando.

Certo. Assinei doze meses da minha vida para um homem que odiava, a fim de proteger a Tennyson Financial e a IFC de quedas drásticas nos estoques. Mesmo sendo um homem de negócios perspicaz, ele ainda mantinha todos os funcionários da IFC e conseguiu dobrar seu portfólio, tornando a Tennyson Financial a maior empresa financeira do mundo. Milhares de pessoas receberiam bônus, promoções, eu apenas tinha que lembrar que estava ajudando-as, não tornando meu pai mais rico.

Posso ter sido um personal trainer e barman, mas sabia que poderia fazer isso. Nasci com essa empresa no meu sangue, mesmo estando relutante em admiti-lo.

Julian e mãe, você está fazendo isso por eles. Não para seu pai.

— Agora, é muito importante — o pai ajustou a gravata — que você se atenha ao roteiro, se concentre na família e nos negócios, sem entrevistas até que se cure completamente.

— Curar. — Fiz uma careta. — Certo, e como exatamente eu me recupero de um coma? Ioga?

Ele me ignorou.

— É necessário, você sabe. — Ele colocou a mão no meu ombro como se tivesse direito e depois se afastou quando algo como um rosnado escapou dos meus lábios. — Gostaria de saber que você seria o maior dos dois, eu poderia ter escolhido melhor. — Ele piscou.

Estava a segundos de ser acusado de homicídio.

— Oh, acho que você conseguiu exatamente o que merecia, — eu disse, aproveitando o modo como o rosto dele ficou roxo e depois vermelho quando ele colocou os óculos de sol e apontou a cabeça em direção ao prédio escuro.

— Seu irmão é um lutador. — Ele brincou com a gravata. — Ele vai conseguir. Nós só precisamos dar a ele tempo. Enquanto isso, preciso que essa compra da IFC aconteça sem surpresas. O conselho está ficando nervoso, especialmente com seu futuro CEO ferido, então você precisará fazer algumas aparições em algumas semanas. Os médicos chamarão isso de um milagre.

Quanto mais ele falava, mais doente eu ficava, e então alguém abria a porta, deixando todo o ar frio sair da limusine.

O prédio parecia ter visto melhores dias. A argamassa desmoronou entre tijolos vermelhos sujos. A porta de segurança de metal parecia um caso de tétano esperando para acontecer. Foi apenas a primeira parada em um dia de inferno que acabaria me fazendo me odiar. Tentei me apegar à esperança que minha escolha trouxe, não à raiva ou dormência que veio ao fazer um favor ao diabo.

Dois guarda-costas robustos nos ladeavam. Eu estava usando minhas roupas de rua mais cedo, tênis, calças e um capuz.

A cabeça do guarda-costas maior estava totalmente .

— Quem é esse? — A voz era rouca e soou longe. Bastardo sortudo.

— T, — ele latiu. — Vamos lá, nós pegamos o cara.

Hoje — o cara, — amanhã... — Balancei minha cabeça. Eu não conseguia pensar nisso; se eu pensasse sobre isso, talvez eu desistisse. Já estava tentado. A lembrança do olhar no rosto de minha mãe foi suficiente para me fazer querer correr na direção oposta, como se ela pensasse que nunca mais me veria uma vez que um Tennyson me segurasse em suas garras.

Pouco provável.

A porta fechou e subimos sete lances de escadas de concreto. A cada passo, fechei meus punhos com mais força até não sentir a pele nas palmas das mãos. Logo chegamos ao andar designado e começamos a andar pelo corredor. O papel de parede verde estava descascando nas paredes, o piso de madeira estava gasto e deformado, e eu sabia, sem ao menos olhar, que o lugar teria baratas suficientes para encher um estádio. O quarto 66 ficava no final do corredor.

Troquei o céu pelo inferno.

Por eles.

E eu faria isso todas as vezes.

Era como se a história se repetisse. Tinha protegido Julian dos monstros quando estávamos na escola, e agora estava fazendo tudo de novo. Somente que o monstro era nosso pai; Julian simplesmente não viu, ele nunca viu e provavelmente nunca o faria.

A porta se abriu antes que alguém batesse. Três homens encheram o pequeno apartamento, cada um usando luvas pretas e de couro. Pareciam a máfia da velha escola. O que estava na minha frente sorriu como se fosse manhã de Natal.

Suspeitava que ele estivesse mais feliz do que presunto naquele momento.

— Faça isso rápido, — Edward latiu. — Nós temos muito o que fazer.

— Pena. — O cara enfiou um palito entre os dentes e sorriu. —Gostaria de saborear isso.

Eu o encarei. Sim, eu aposto que ele faria.

— Hoje não, — Edward disse com uma voz severa quando meu corpo foi empurrado pela porta.

Suspirei. — A lona de plástico é realmente necessária?

— Ele soa como ele. — O cara do palito girou o maldito pau. — Tire o capuz, garoto.

Cerrei os dentes e puxei meu capuz para trás e olhei diretamente para seus olhos malignos. — Viu algo que você gosta?

O sorriso dele caiu. — Sim, você é um Tennyson, não é?

— Infelizmente. — Cruzei meus braços. — Esperando que eu sangre muito?

— Gostamos de cobrir nossas trilhas. — Ele esfregou as mãos enquanto a porta se fechava com um estrondo retumbante.

Os três me rodearam.

Soltei um suspiro. — Não estou correndo. Estou nisso, você não precisa me circundar como se eu fosse sua próxima refeição, apenas termine com isso.

— A provocação faz parte da diversão, — disse um dos mais curtos.

— Isso não é diversão, isso é negócio. — Cerrei os dentes e travei o pescoço. — E, para sua sorte, esta transação comercial afirma que não posso revidar, sendo assim me deem o seu pior.

— Você realmente não deveria ter dito isso. — O palito de dente sorriu. — E sim, a lona é muito necessária, garoto.

Seu punho veio voando pela minha bochecha direita, e o soco doeu como o inferno. Esfrego a pele no mesmo momento que me deu uma cotovelada no estômago. Na verdade, senti minhas costelas quebrarem.

E eu sabia o que estava por vir.

Afinal, as pessoas deveriam acreditar em uma recuperação milagrosa.

Mas sem arranhões após uma concussão, vários ferimentos na cabeça e três costelas quebradas junto com uma perna quebrada? Não muito.

Ao ver o palito de dente segurando um taco de beisebol acima da cabeça, fiz uma pequena oração. Ouvi meu osso estalar, mas só brevemente senti uma dor aguda antes de tudo ficar abençoadamente preto.


Capítulo Seis

Isobel


Acontece que dormir na cama do seu ex-noivo sabendo que ele tinha a empregada lá realmente não é uma boa receita para descansar. Acabei em um dos quatro quartos e acordei por volta das dez da manhã.

Em pânico, rapidamente peguei meu telefone e procurei minhas mensagens. Nada de Edward, nada de Marla. Recebi algumas mensagens de amigos do hospital, principalmente Annie, oferecendo apoio e orações. E instantaneamente quis esmagar meu telefone na minha mão. Annie não conhecia minha dor secreta. Tinha medo de compartilhar informações demais e com medo de que ela me julgasse por ficar com um traidor, por seguir os movimentos, mesmo sabendo que ela era uma das melhores pessoas do mundo. Talvez tenha sido o meu orgulho que me impediu de dizer qualquer coisa. Enviei-lhe um texto de agradecimento e implorei a Edward por mais informações. Ele me surpreendeu com uma resposta rápida.

Edward: Descanse. Isso é o mais importante. Precisamos de toda a família para ficarmos juntos. Além disso, as coisas estão melhorando.

Olhei para o meu telefone por três minutos antes das lágrimas chegarem. Elas eram lágrimas de alívio? Medo?

A picada de lágrimas retornando com força total, digitei outra resposta.

Eu: Quando posso ver Julian?

Edward: Em breve.

Isso significava que ele estava melhorando? Voltando para casa? Comecei a andar enquanto minha mente repetia uma montagem de todos os momentos em que estivemos juntos e de todas as mentiras que ele contou. Sacrifiquei tudo por Julian. Ele me disse logo após a formatura que uma esposa de Tennyson não trabalhava, ela planejava e se oferecia. Ri porque pensei que ele estava brincando.

Ele não estava.

Foi a nossa primeira grande luta.

Julian não entendeu por que eu não deixaria passar, mesmo que ele soubesse que eu tinha trabalhado duro para me formar. E então ele jogou na minha cara que o pai dele ajudou a pagar pela minha educação, então eu devia a família .

Foi então que comecei a perceber que ele não era o mesmo. Ele listou as coisas que eu possuía e depois me perguntou à queima-roupa se eu paguei por elas.

Não poderia dizer que sim.

E ele sorriu, sorriu para mim como se fosse um jogo doentio. Ele sorriu e disse que tudo bem, que ele sempre cuidaria de mim. E acreditei nele porque o amava, porque nunca brigamos assim, porque ele estava sob pressão do pai, certo? Porque o pai dele me tratou como filha dele.

Percebi muito rapidamente que Edward te amava quando ele podia controlar você, e ele punia quando você agia.

Atirei um emoji de dedo do meio, excluí-o e enviei um polegar para cima.

Eu o odiava tanto por me dar tudo, incluindo seu amor, e depois usá-lo como uma arma quando ele precisava me manipular.

Joguei o travesseiro do outro lado da sala e fechei os olhos. O que eu poderia controlar? Agora, eu podia controlar sair da cama, alimentar-me e cuidar dos doentes da ala infantil de câncer onde me voluntariei, a única coisa que Julian aprovou enquanto ele ia trabalhar, mas eu só podia ir duas vezes por semana.

Mais do que duas vezes parecia ruim, embora eu tivesse feito isso algumas vezes apenas para irritá-lo.

Ele fez parecer que havia um manual estranho por ser rico e já que ele era tudo que eu tinha. Eu o segui.

Rapidamente disquei o número do hospital. Annie, é claro, respondeu.

— Ei, Annie. — Meu coração estava na minha garganta. — Não ouvi nenhuma notícia além do que ele parece estar melhorando. Eu só... você já ouviu alguma coisa?

O suspiro dela era tudo que eu precisava. — Tudo o que sei é que o lugar está cheio de segurança e ele foi transferido para uma ala particular.

Minhas sobrancelhas subiram na minha testa. — Os Tennysons não fazem as coisas pela metade, eu acho...

Ela riu. — Sim, bem, eu ligarei se eu tiver alguma coisa. A boa notícia é que, de acordo com minhas fontes, ele aguentou a noite toda.

Por alguma razão, essa frase ficou para mim, Ele aguentou a noite toda.

Ele conseguiria passar pela próxima?

Ele estava sofrendo?

Eu era uma pessoa horrível por usar minhas armas e interromper as coisas?

— Obrigado, Annie, eu não estarei hoje, obviamente, mas vou mantê-la atualizada também.

— Te amo amiga.

— Amo você também. — Mais lágrimas brotaram nos meus olhos quando eu finalmente fui até o banheiro para tomar um banho e depois o segui com uma xícara de café.

Me senti melhor quando tomei meu segundo copo e olhei para a elegante tela plana na sala de estar enquanto tomava outro gole, seguido por outro. Eu ousaria assistir as notícias?

Sabia que no minuto em que apertasse o botão liga / desliga, ele clicaria na CNBC. Afinal, o negócio era vida e a informação era poder.

Bufei com nojo e escolhi o café. Eu ficaria louca se ficasse naquele apartamento, com lembranças dele, de nós, de tempos melhores, tempos piores, uma empregada na minha cama. Sim, eu precisava sair.

Agarrei meus AirPods e decidi ir para uma corrida, enquanto eu esperava pela a notícia, boa ou má. Não ia mudar isso sentada no apartamento pensando.

E eu sabia que se eu fosse a algum de nossos restaurantes ou lojas habituais, as pessoas apenas fariam perguntas.

Fiz uma rápida ligação para a segurança para garantir que não houvesse repórteres do lado de fora e estava a caminho.

Consegui meu passo rapidamente quando entrei e saí de multidões e soltei um suspiro de alívio quando meu coração bateu contra o meu peito.

O que quer que aconteça, eu ficaria bem.

Eu ficaria bem.

Sobrevivi tanto tempo.

Poderia fazer qualquer coisa.

Qualquer coisa.

Com um sorriso curvando meus lábios, dei mais algumas voltas e decidi pegar outro café antes de caminhar o resto do caminho de volta para o apartamento. Era estranho não ter compromissos agendados pela família, aparições ou mesmo textos ocasionais de Julian apenas para dizer olá, que muitas vezes eram enviados por uma das recepcionistas, pois ele não tinha tempo.

Ou o meu favorito, as flores aleatórias e as notas de amor que seriam entregues ao hospital junto com doações monetárias para a ala de câncer infantil que me fez invejar cada humano que trabalhava lá.

— Você é tão sortuda! — Enfermeiras se abanavam. — Ele é tão generoso!

— Sim ele é. — Sempre minha resposta perfeita e polida, enquanto sorria e colava um olhar sonhador nos meus olhos, quando realmente pensava em como ele era muito gentil com todas as mulheres que olhavam para ele duas vezes, principalmente ultimamente.

Julian Tennyson, tão legal.

Joguei meu café restante na lata de lixo do lado de fora do meu prédio e acenei para Harold ao entrar.

— É uma boa tarde, Srta. Cunningham.

Sorri de volta. Não era culpa dele que ele era tão ilusório sobre o meu relacionamento com Julian quanto o resto do mundo. — Sim, será, pelo menos. Esperançosamente.

Ele me deu um olhar patético antes de balançar a cabeça e oferecer um sorriso educado. — Você aproveita o seu dia de folga.

Certo. Ele conhecia bem minha agenda. A pena em seus olhos fez meu interior afundar. Como se ele soubesse que eu estava presa em uma vida que faria qualquer coisa para escapar, uma vida que finalmente tentei escapar apenas para que o universo puxasse um trunfo no final. Aproveitar o meu dia de folga? Fazendo o que? Sentada sozinha e esperando para descobrir o meu destino?

— Certo. — Balancei a cabeça lentamente e bati no botão da cobertura. A cada andar o elevador disparava, a ansiedade dobrou, triplicou, quadruplicou, até meu corpo ficar pesado com ele.

Saí do elevador e olhei para a nossa linda entrada de mármore, com suas linhas modernas e estourando laranja.

Me apaixonei por isso com base apenas na entrada.

Ele me surpreendeu com isso naquela noite.

Um ano depois, descobri que ele já havia explorado o prédio. Ele sabia que eu ia gostar, porque uma das mulheres que trabalhava na empresa o convidara para uma bebida.

Nós brigamos muito por ele tomar uma bebida particular com uma empregada sozinho. Ele estava bêbado, pediu desculpas profusamente e me comprou um novo Maserati.

Idiota. Idiota.

Eu era tão estúpida.

Eu só queria acreditar nele, em nós.

Ele era tudo que eu tinha.

Respirei fundo, abri a porta e deixei cair o telefone e as chaves no balcão. Precisava de outro banho e fiz um pacto comigo mesma para ir ao hospital. Deixe que eles me escoltem para fora, se necessário, eu só precisava saber.

Precisava saber.

Tomada de decisão, tomei banho rapidamente, puxei meu cabelo para um elegante rabo de cavalo. Coloquei uma calça branca de linho e uma blusa branca folgada, combinando-as com um novo par de Louis Vuitton de ouro e brincos de argola de ouro.

Não tinha permissão para ser pega em nada além de saltos quando estava com Julian, e se ele estivesse... vivo, eu — Deus, me ouça! O que? Não queria defender o bastardo mentiroso e traidor com quem eu terminei?

Chutei os sapatos, coloquei sapatilhas azuis que eu sabia que o irritariam e peguei minha bolsa no momento em que uma chave girava na fechadura.

Minha fechadura.

A minha porta.

Do nosso apartamento.

Esperei, esperando ver a empregada, pronta para rasgá-la por voltar. A ansiedade aumentou. E se fosse outra amante? Deus, como ele era doente!

A porta se abriu.

E Julian trancou os olhos comigo.

Um olho para ser exato, o esquerdo estava inchado. Sua mandíbula tinha um hematoma roxo e amarelo estragando seu queixo perfeito, mas sob os machucados e cortes, seu rosto ainda estava esculpido, ainda perfeito.

— J-Julian. — Odiava não sentir alívio. Odiava que queria empurrá-lo pela janela. Odiava a pessoa que ele me fez, caramba. — Graças a Deus você está bem.

Uma criança ouvia a falta de simpatia em minhas palavras, mas eu precisava dizê-las, porque me recusei a deixá-lo tirar algo tão simples quanto minhas maneiras.

Ele não falou por um minuto inteiro.

Odiava esse jogo.

Odiava que ele ainda estivesse brincando mesmo quando quase morreu, deveria ter, poderia ter.

Mudei de um pé para o outro. — Estava indo visitá-lo no hospital. Eles, hum, não me deixaram entrar ontem.

Ele ficou olhando e depois olhou para os meus sapatos. — Um pouco vestida demais para o hospital, você não acha?

Sua voz não estava certa.

Ele balançou um pouco em seus pés.

E então caiu contra a porta, deixando escapar uma maldição alta.

Atordoada, observei por alguns breves segundos antes de me apressar e ajudá-lo. Instinto chutou. Era meu treinamento de enfermagem.

Seus ferimentos foram extensos.

O médico parecia tão sombrio!

Mas ele estava vivo!

E atualmente segurando seu peso contra mim, sua testa tocando a minha. — Desculpe.

O homem acabou de se desculpar por não ter forças para resistir? Ele realmente deve ter batido com a cabeça com força. Senti as lágrimas provocadas por uma palavra.

Desculpe.

Ele pediu desculpas.

Não era sempre que ele se desculpava. Era estúpido que eu quisesse chorar porque ele chorou.

— Como eles deixaram você sair do hospital assim? —Perguntei, ficando mais preocupada a cada minuto. Ele parecia desorientado e infeliz.

— Fácil. — Ele mordeu o lábio inferior. — Queria estar em casa com minha noiva e meu pai — ele cuspiu o pai como se odiasse a palavra — ele jogou dinheiro neles. Além disso, é melhor curar em casa com quem você ama certo?

Quase o corrigi.

De fato, olhei para ele por um minuto sólido, incapaz de formar um pensamento coerente. Ele achou que ainda estávamos juntos? Ele esqueceu a conversa ontem? Não tinha certeza se era um jogo mental ou se ele realmente quis dizer isso, porque pela primeira vez em anos ele realmente parecia sincero em me amar, em querer passar um tempo comigo. Era como regar uma flor quase morta, é assim que eu estava, desesperada pelas palavras, para elas terem significado por trás.

Ele tropeçou em direção ao nosso quarto, e eu revirei os olhos um pouco. Ele sempre foi tão teimoso; ele ia ser um desses pacientes, não era? Não me surpreenderia se ele fosse contra as ordens do médico.

Soltei um suspiro, esperei que ele tropeçasse em uma mobília e, finalmente, fui atrás dele para ajudar a carregar seu peso na direção certa, apenas o cara parecia confuso sobre qual caminho seguir, esquerda ou direita.

— Eu..... — Ele estremeceu. — Minha cabeça dói muito, a concussão está me deixando mais confuso, talvez eu precise... ajuda até que eu me lembre de tudo antes do acidente.

— Você? — Repeti. — Ajuda. — Ele sorriu, ou parecia que ele sorriu. — Isso é tão difícil de acreditar? Quase morri, Izzy.

— Você não me chama de Izzy desde que estávamos na faculdade, — resmunguei, odiando o quanto o carinho fez meu coração doer. Não foi apenas o jeito que ele disse isso, foi o jeito que ele olhou para mim quando disse isso.

— Hã. — Ele grunhiu como se não pudesse se lembrar. Típico, eu conhecia bem os jogos dele. Ele precisava de ajuda e estava tentando ter alguma empatia.

Estava dividida entre querer tropeçar nele e ter alguma decência humana. Escolhi a decência e o ajudei a entrar no quarto principal e depois na cama. — Durma.

— Espera. — Ele agarrou meu pulso e segurou firme. O pânico tomou conta. — Eu disse que precisava de ajuda.

— Você tem uma equipe para ajudá-lo, — disse lentamente. — Confie em mim, eles são muito... úteis

Seus bons olhos se estreitaram em mim. — Não estou perguntando a eles. Estou lhe pedindo.

— Tão exigente como sempre, - disse secamente.

— Por favor?

Foi o favor que fez isso, e eu suspirei com relutância. — Tudo bem, o que você precisa?

— Um banho.

Deveria ter deixado ele de cara na mesa de vidro. — Certo... Bem. — Me odiava naquele momento, odiava ser fraca, bastava que ele dissesse, por favor, e eu estava pulando de cabeça com aquela pequena palavra estúpida flutuando em meu cérebro.

Esperança.


Capítulo Sete

Bridge


Ela era deslumbrante.

Absolutamente de tirar o fôlego de uma maneira que não fazia sentido para mim. Porque como diabos meu irmão conseguiu uma mulher assim? Racionalmente, eu sabia que meu irmão era bonito. Recebi esse lembrete todos os dias da minha vida quando me olhei no espelho e debati se eu deveria levar uma faca a metade do meu rosto para que as pessoas parassem de perguntar se eu era ele.

As diferenças entre mim e Julian eram poucas. Eu tinha uma cicatriz abaixo da orelha esquerda do ensino médio quando meu amigo tentou atirar um arco e flecha na minha direção. Ele tinha uma mira realmente ruim.

Além disso, eu tinha algumas tatuagens espalhadas nos meus antebraços e nas costas, mais uma no meu polegar, mas, para minha sorte, eles tinham maquiagem de filme para isso, e era à prova d'água. Eu só queria estar limpo. Não é como se eu precisasse que a mulher me lavasse. Além disso, a maneira como ela olhou para mim — ou para ele — me fez pensar se ela o odiava tanto quanto o amava.

Meu pai não tinha sido muito sincero com detalhes de seu relacionamento, só que eles namoravam desde a faculdade e estavam noivos há três anos. Ele disse que eles estavam loucamente apaixonados e teriam os herdeiros da dinastia Tennyson. O que significava que ele poderia controlá-los, ou eles eram tão ruins quanto ele.

Ambas as opções... nada bom.

Ela estava do lado mais alto. Seus sapatos azuis provavelmente custam mais de um mês de aluguel e duas semanas de comida para mim e minha mãe. Tentei não ser amargo, mas tudo nesse estilo de vida narcisista e glamoroso me fez querer incendiar o prédio. O fato de eu ter passado metade da minha vida nela, sem perceber como era o resto do mundo, só piorou a turbulência. Eu estava tão triste naquela época, tão mimado. Perguntava-me como eu teria ficado se tivesse ficado com meu pai, se Julian tivesse ido com minha mãe.

Em retrospectiva, fazia sentido que acontecesse do jeito que aconteceu. Meu pai provavelmente sabia que íamos nos enfrentar e eu acabaria estrangulando-o, enquanto Julian prendia cada palavra dele, memorizava seus movimentos, rezava à noite para que papai dissesse que ele era bom o suficiente.

Tentei não xingar enquanto me movia.

A cada passo que minhas costelas pareciam cutucar minha pele, a dor era agravante. Passei a mão pelo meu cabelo recém-cortado e tentei me lembrar dos detalhes do relacionamento de Julian com Izzy.

Recusei-me a chamá-la de Isobel, essa regra poderia ir para o inferno por tudo que me importava. Isobel parecia alguém que comia couve e gostava de jantares e férias políticas nos Hamptons.

Izzy parecia divertido.

E eu prefiro acreditar na mentira, que ela era divertida, do que acreditar na verdade, que ela era tão egoísta quanto meu irmão.

Uma verdadeira alpinista social.

Segundo meu pai, os Tennyson haviam lhe dado tudo, carros, viagens de compras, um teto sobre sua cabeça. Eles eram a única família que ela tinha agora, o que significava que ela provavelmente faria o que fosse necessário para permanecer em suas boas graças.

Assim como Julian.

Fiz uma careta.

— Algo errado? — Sua voz era suave, culta. Eu não queria gostar, mas era impossível não sentir o calor agarrado ao meu corpo, envolvendo-o várias vezes.

— Apenas dolorido, — disse com uma voz rouca quando finalmente chegamos ao banheiro principal. — As drogas não estão realmente ajudando.

Pelo menos meu irmão tinha bom gosto.

E foi apenas o suficiente moderno, mas não tão frio que você sentia como você não poderia colocar fotos de família, não que ele faria uma coisa dessas.

Era sobre Julian que estávamos falando. Era mais provável que ele colocasse fotos suas do que de outra pessoa, ele e aquele maldito cabelo grosso na cabeça. As meninas o amavam por muito tempo, mas agora era curto, assim como o meu.

As imagens que revestiam as paredes eram caras e impessoais. Eles não me deram absolutamente nenhum conhecimento sobre a vida de Julian nos últimos anos ou sobre a posição de Izzy.

— Desculpe, — ela finalmente disse em um tom que soou qualquer coisa, menos isso. Por alguma razão, isso me divertiu que ela tinha alguma faísca e não era esse pequeno capacho dos Tennyson.

— Sério? — Apenas tive que perguntar enquanto me sentava na beira da banheira e a observei inclinar-se e girar as torneiras de prata para deixar sair a água quente. Ela tapou o ralo, a ação me dando uma visão de seu decote sob a blusa fina. Perfeita em todos os lugares, não era? Quase perguntei se tinham comprado esses seios, mas imaginei que, se ela tivesse algum sentido, aproveitaria a oportunidade para me afogar, e eu precisava permanecer vivo.

Para que ele pudesse melhorar e me deixar voltar para a mãe, onde eu pertencia ao lado dela na cozinha, comida que ela não podia comer, mas, ela teria um sorriso no rosto o tempo todo.

Ficar distraído por dois seios cirúrgicos alegres? Não está nos cartões.

— Claro que sim, — ela finalmente disse, encontrando meu olhar com um sorriso que não alcançava seus brilhantes olhos verdes. Suas sobrancelhas tinham o ar escuro perfeito. O cabelo dela estava preso em um rabo de cavalo loiro mel. Meu olhar viajou mais baixo enquanto eu a bebia. Meu irmão tinha feito uma coisa certa em sua vida, ao que parecia. Ele conseguiu uma mulher que parecia um anjo, do tipo literal e do tipo Victoria's Secret.

— Isso não foi muito convincente, — brinquei com um sorriso.

Os olhos dela se arregalaram de medo quando ela se encolheu.

Eu a fiz tremer.

Que diabos?

Ele bateu nela?

Ela estava com medo de mim? Dele?

— Você pode ir agora, — disse em um tom mais suave. — Sério, está tudo bem. Tentarei não me afogar, está bem?

Seus lábios se apertaram como se ela estivesse segurando algo, talvez um grito? Em que tipo de mundo eu acabei de entrar?

— Não, não, é... está bem. — Ela parecia estar tentando se convencer mais do que eu. — Não quero que você seja incomodado.

O inferno?

Sentei-me em um silêncio atordoado enquanto a água entrava na banheira, cada vez mais alto. — Você não vive para me agradar, Izzy.

— E você deve estar no topo do que quer que eles tenham lhe dado, porque é exatamente isso que eu faço, e você sabe disso. — O fogo chicoteou de seus olhos, de suas palavras, enquanto ela se levantava e pressionava as mãos nas calças e endireitava os ombros. — Vou lhe trazer dois dedos de uísque e jornal. Quer mais alguma coisa?

— Sim. — Cheguei à mão dela e a segurei. — Pare de agir como minha empregada.

— Empregada. Noiva. — Ela encolheu os ombros. — Acho que você deve confundir os dois com frequência.

— Que diabos você está falando?

As narinas dela se alargaram.

— Você me disse nunca mais.

Merda, o que diabos ele fez? Não tinha certeza de como responder. Meu irmão era um idiota que não respondia a ninguém, mas eu não conseguia achar ele nada além de gentil.

— Desculpe?

— Ela estava na nossa cama, Julian. —

Encolhi-me, não por causa do que ela disse, mas porque ela me chamou por ele. Droga, irmão, o que você fez? Queria me defender dizendo a ela exatamente o que pensava de um homem que traria outra mulher para a cama deles. Que diabos?

— Ela... — repeti, porque eu não tinha certeza do que mais dizer e minha cabeça estava latejando.

Izzy mordeu o lábio inferior, deixando-o branco. — Ela, como nossa empregada. Sei que você parece confundir todos os seus assuntos, e o ferimento na cabeça provavelmente não está ajudando, mas nossa empregada. Na nossa cama. Você prometeu. Eu desejo... — Lágrimas encheram seus olhos quando ela a balançou e ela me olhou. — Eu gostaria...

— Diga! — Minha voz estava calma quando eu prendi os olhos nela. — O que você deseja?

— Não é um luxo que me foi dado, e você sabe disso, — ela finalmente disse depois que eu assisti uma das coisas mais tristes que eu já vi acontecer bem diante dos meus olhos. Ela respirou fundo, endireitou os ombros e simplesmente desapareceu, não no ar, mas em si mesma. Quase podia ver o casulo de dinheiro e controle envolvê-la enquanto ela me respondia com uma voz falsa, sorriso falso, postura falsa.

Agarrei as extremidades da banheira e me ajoelhei, mesmo que doesse como o inferno, depois torci meu dedo nela.

Ela se moveu em minha direção obedientemente.

E, naquele momento, devo ter perdido todas as partes boas que tinham em mim, porque queria colocar um travesseiro no rosto de meu irmão até que ele acordasse e me explicasse o que o havia permitido fazer à noiva exatamente o que nosso pai tinha feito com a nossa mãe.

Ele costumava chorar até dormir à noite quando brigavam.

E agora? Agora ele estava dormindo com a empregada?

Não tinha nada para me apoiar. Não podia mais ser Bridge, tinha que explicar o comportamento de Julian da maneira que Julian faria, o que não ajudou em nada, já que não conversávamos há anos.

— Diga-me algo que você quer, — finalmente disse, pegando sua mão.

Ela me deixou levar. Sua aparência era tão suave que eu tive dificuldade em me concentrar, e realmente difícil em não esfregar meu polegar em sua superfície, então desisti, porque essa era a parte que eu deveria desempenhar.

Mas também porque suspeitei que a última vez que ela recebera algum tipo de atenção que não era manipuladora foi quando teve a sorte de não conhecer um Tennyson.

Sua respiração ficou presa quando ela olhou para nossas mãos unidas. Disse a mim mesmo que era eu que estava causando essa reação, não Julian.

E fiz um voto a ela, mesmo que ela não soubesse. Daria a ela as melhores semanas da sua vida, dias que seriam preenchidos com sorrisos, não controle.

E então faria a coisa mais cruel que um homem poderia fazer.

Vira-la de volta para o verdadeiro Julian no minuto em que ele acordasse. Disse a mim mesmo que ele ouviria a razão, disse a mim mesmo que poderia convencê-lo a deixá-la ir se estivesse infeliz ou amá-la do jeito que ela claramente merecia, depois de ficar ao seu lado por tanto tempo.

— Você não pode consertar isso com coisas, Julian. — Ela desviou o olhar.

— Você tem coisas suficientes, — disse simplesmente. — Por que não lhe dou algo que você realmente deseja, mesmo que isso signifique que eu não faço parte disso.

— Quantos medicamentos eles deram a você? Você sabe que reage mal a analgésicos — ela disse baixinho, um pequeno sorriso tocando seu rosto. Deus, ela era bonita.

Quase ri. Sem drogas. Porque meu pai era um bastardo, e também porque eu queria sentir a dor, deixa-me lembrar do por que estava fazendo isso.

— Suficiente. — Pisquei. — Quase morri.

— Sim, quase. — Ela parecia envergonhada.

Interessante.

Estava dividido entre pedir desculpas profusamente e fazer o que meu irmão faria. Tive que encontrar o meio termo. Não sabia a primeira coisa sobre presentes para mulheres que eram desprezadas, mas sabia o caminho a pé na cozinha.

Ela ainda estava olhando para mim, como se estivesse tentando me entender, e eu sabia que Julian não estaria com ela se ela não fosse inteligente. Merda, eu já me sentia um impostor, e ela olhou para mim como eu.

— Jantar, — finalmente disse. — Por que eu não cozinho seu jantar?

O franzir do cenho dela foi instantâneo, então eu sabia que devia ter dito a coisa errada, e então ela sorriu. Não era o que eu queria, não iluminava a sala. Era um sorriso de cautela e decepção constante. — Você não faz isso desde a faculdade.

— Acho que posso fazer melhor do que o Top Ramen, — provoquei.

Ela apertou os lábios em um pequeno sorriso. — Não acredito que você se lembra do meu amor por Top Ramen. Às vezes juro que ainda anseio à meia-noite.

Meia-noite? Ele fez isso por ela durante as sessões de estudo? E por que eu estava tão frenético ao descobrir os pedaços que faltavam da sua vida? Talvez fosse porque eu também estava curioso.

Porque eu também sentia falta dele.

— Izzy, você pode precisar me ajudar com algumas lembranças. Os médicos disseram que o golpe foi extremamente difícil, mas eu me lembro das coisas importantes. — Menti entre os dentes, me sentindo cada vez mais doente quando minhas palavras fizeram o sorriso dela crescer.

— Talvez você precise bater com a cabeça com mais frequência. — Ela encolheu os ombros.

— Não sejamos agressivos demais. A última coisa de que preciso é que você me bata duas ou quatro vezes todas as manhãs.

Os olhos dela se arregalaram e então ela riu, cobrindo rapidamente a boca e balançando a cabeça. — Tentador, embora eu duvide que dificilmente causasse algum dano àquele crânio grosso.

Me vi sorrindo para ela como um idiota. E era exatamente isso que eu era, porque quando ela soltou minha mão e saiu do banheiro, percebi que a tratava como uma humana.

Eu estava condenando-a ao diabo.

Eu era o Dr. Jekyll.

E no minuto em que meu irmão acordasse.

Ela pegaria o Sr. Hyde.


Capítulo Oito

Isobel


Minhas mãos estavam tremendo quando voltei para a sala. Não tinha certeza do que aconteceu, mas não era normal, Julian não me olhava assim há meses. Engoli o nó na garganta enquanto meu estômago revira.

Quão patética eu poderia realmente ser?

Estava tão faminta por atenção física e o toque em um polegar foi o suficiente para eu pular de volta em seus braços? O mesmo cara que se deu liberdade para emprestar meus estiletos prateados para sua amante usar durante o sexo?

Odiava a pessoa que vi no espelho, a pessoa que me tornei. E a parte doente, como eu sabia, tinha ótimos pais que me criaram para me respeitar, respeitar os outros, e ainda assim eu estava em um relacionamento emocionalmente abusivo, num carrossel que se recusava a me deixar descer.

Eu o amava tanto. Ele me ajudou no funeral; ele pagou por isso, pelo amor de Deus! Ele me mudou para o apartamento dele sem sequer pedir minha permissão, e ele me ouvia, às vezes até duas horas da manhã, enquanto eu falava sobre eles, enquanto chorava em seus braços. Claro, ele tinha um olhar errante, o que o estudante universitário não tinha, e ele era um paquerador, mas todo mundo sabia disso. E sim, às vezes ele parecia mal-humorado quando as coisas não corriam bem, mas, novamente, éramos jovens.

E eu fui estúpida o suficiente para acreditar que ele iria crescer com isso, e o estúpido apenas se amontoou quando ele finalmente propôs e eu pensei: é isso, o momento que eu estou esperando, o momento que vai resolver tudo.

Ele era minha rocha.

Eu não era suficientemente rápida para entender a dinâmica de seu relacionamento com o pai, que ele faria qualquer coisa, se tornaria alguém, para agradá-lo, a ponto de envenenar nosso relacionamento. Realmente acordei seis meses atrás e me perguntei: como chegou tão longe?

Como deixamos isso ficar tão ruim?

E como eu poderia ter impedido que isso acontecesse?

Bati minhas mãos contra a bancada, fervendo comigo mesma, com ele, com a empregada, com os sapatos novamente. Não queria ser fraca, mas não sabia mais o que fazer, especialmente porque a memória dele não tinha retornado.

Estava louca por pensar que poderíamos começar de novo? Seria ridículo até propor isso? Pedir a ele um novo começo enquanto ele curava?

Com quem eu estava brincando? Este era Julian, ele estaria trabalhando em seu maldito laptop no minuto em que saísse da banheira.

Foi isso que Julian me fez. Louca. Estava agindo como louca, e ainda não conseguia acalmar meu coração, não depois de derramar uma taça de vinho e engolir metade dela, não depois de andar pela sala me perguntando qual versão dele eu iria seguir. Ele iria sorrir como ele acabou de sorrir? Tocar minha mão e aperta-la levemente? Ele iria me repreender e pedir desculpas mais tarde, dizendo que me amava enquanto beijava seu caminho pelo meu corpo?

Isso importava?

Mordi meu lábio inferior quando as consequências de minhas ações pareceram apertar minha garganta até que eu senti como se estivesse engasgando. Tínhamos contas bancárias conjuntas. Meus carros estavam em seu nome. Eu não tinha nada além do anel no dedo e as memórias de nosso tempo juntos quando estávamos na faculdade.

Um momento mais simples, quando tudo o que importava era entrar furtivamente no meu dormitório.

Uma época em que seu pai não tinha as garras profundamente enfiadas na psique de Julian. Uma época em que ele era sua própria pessoa e tinha um objetivo na vida. Uma família.

Lágrimas escorreram pelo meu rosto enquanto eu pensava em todos os casos em que ele me traiu e em todos os momentos estúpidos em que eu o deixei.

Sem pensar duas vezes, entrei no quarto principal, peguei os estiletos de prata e voltei para a cozinha em busca de uma faca afiada ou uma tesoura — algo, qualquer coisa para arruiná-los, acabar com minha agressão, provar a ele que uma pequena conversa em que ele fingiu me achar atraente não apagaria anos de coação emocional e dor.

Meus olhos brilharam para as tesouras da cozinha. Agarrei-os com a mão direita e comecei a cortar nos calcanhares. Não saiu, mas criou enormes barras e fatias. Frustrada, larguei a tesoura e bati os calcanhares contra a borda do balcão de granito.

Um dos saltos quebrou, balançando na minha mão direita, enquanto eu segurava o outro calcanhar no ar, pronto para fazer o mesmo.

— Isso é novo? — veio à voz calma de Julian.

É claro que ele ficaria calmo, ele estava sempre calmo, nunca levantou a voz, nunca me machucou, mas às vezes eu desejava que ele o fizesse, então eu tinha provas, para poder mostrar a alguém, olha, esse é o corte que ele me deu quando eu não usava a roupa certa, esse machucado na minha bochecha é do dia em que eu me esqueci de trazer sua lavagem a seco e usar o novo par de saltos que ele acabara de comprar do comprador que estávamos conhecendo na Saks.

A guerra de Julian estava em seu silêncio. A inação dele.

E parecia que as facas me abriam cada vez que eu recebia um de seus olhares ou apertos decepcionados.

Não, ele não me machucou.

Ele me abusou emocionalmente.

E sempre justifiquei voltar para mais.

Minha mão esquerda ainda estava no alto quando o senti atrás de mim. Um calafrio tomou conta de mim quando sua mão tocou minha pele, onde seu polegar encontrou o sapato, sua outra mão se moveu para meu quadril direito, me segurando lá. Fechei os olhos com força, esperando o pior, esperando que ele me dissesse que eu estava exagerando ou sendo ridícula. Esperando que ele se decepcionasse com meu comportamento estranho.

As palavras nunca vieram.

Em vez disso, ele puxou muito lentamente o sapato da minha mão e apoiou o queixo no topo da minha cabeça, me puxando contra o peito forte dele.

Não parecia familiar.

Talvez porque já fazia tanto tempo.

Era quase como se um estranho estivesse me segurando, me balançando para frente e para trás. Tudo nele parecia maior. Eu tinha que continuar me dizendo que eram ataduras e músculos inchados, músculos realmente inchados.

Tentei manter minhas lágrimas e foi bem-sucedida, até que ele me fez uma pergunta muito discreta que eu não sabia que seria o meu ponto de ruptura.

— Você está bem?

— Não estou bem, — soluço, — há muito tempo, o que você saberia se alguma vez prestasse atenção em mim. Preciso marcar uma consulta para vê-lo no seu escritório. E esses sapatos?

Eu estava realmente me perdendo. Apontei para eles com mãos trêmulas. — Estavam na nossa empregada. Ela estava nua na cama que eu compartilho com você. Ela esperou por você com as pernas erguidas no ar como se estivesse se preparando para jogar algum tipo de Jogos Vorazes sexuais!

Ele endureceu e soltou uma maldição.

Boa. Que ele fique chateado. Eu já estava ferrada. Por que não continuar? Todo o reino de Tennyson ia desabar sobre minha cabeça. Eu já estava morta, não estava?

Nunca boa o bastante.

Não para eles.

Uma impostora completa.

Eles apreciariam minha queda.

Eu deveria pegar pipoca para o grande show.

Essas eram todas as coisas que passavam pela minha cabeça quando Julian me abraçou e soltou um longo suspiro.

Lá estava, a decepção. Senti como um golpe no peito.

As palavras não vieram, no entanto.

Ele apenas suspirou novamente e me segurou contra seu peito.

Ele cheirava a sua lavagem corporal favorita, a que eu costumava usar quando estava viajando. A que cheirei uma vez na sua madrasta, pensando que estava imaginando coisas.

— Eu acho, — disse Julian lentamente, — que você precisa descansar.

Revirei os olhos e me afastei. — Não sou uma criança. Não preciso tirar uma soneca.

— Você está mutilando o.. — ele acenou com os dedos para os sapatos como se não conhecesse a marca — saltos—. Ótimo, agora ele estava fingindo não se importar com designers. Os efeitos de narcóticos e ferimentos na cabeça.

— Eles estão manchados, — eu disse com os dentes cerrados o tempo todo, me perguntando por que ele estava olhando para os sapatos como se nunca os tivesse visto antes, quando foi ele quem os comprou.

Ele me encarou, seu olhar de olhos verdes intenso, como se seu único foco fosse eu, o que significava que ele provavelmente estava sonhando acordado com cifrões e seios falsos. — Tudo bem, eu acho que se eles estão manchados, você provavelmente deveria fazer isso direito.

— Fazer direito?

Ele pegou o sapato que ainda estava intacto e quebrou o calcanhar como um biscoito, depois o colocou no balcão, puxou uma faca que eu nem sabia que ele estava carregando do bolso e começou a cortar o tecido até que tudo aquilo foi deixado era uma sola e alguns brilhos. — Melhor?

Olhei para os fragmentos de sapatos espalhados pela mesa de granito branco e depois olhei para ele, algo não estava certo. — Eles fizeram alguma coisa no seu cabelo no hospital?

Ele hesitou brevemente e sorriu. — Sim, eles têm uma cabeleira lá também. Achei que receberia o tratamento real desde que quase morri. — Seus lábios se contraíram e então ele soltou uma risada baixa. — Agora, alguma outra pergunta ridícula? — Ele cruzou os braços como se estivesse pronto para um desafio e inclinou a cabeça como se eu o divertisse.

Soltei um suspiro derrotado quando senti meus ombros rolarem para frente, como costumavam fazer quando eu não estava me lembrando de manter minha postura perfeita. — Não.

— Ainda estou fazendo o jantar para você. Vá fazer algo que a ajude há relaxar um pouco e podemos comer em algumas horas.

— Você nunca cozinha Julian.

— As coisas mudam. — Ele disse enquanto olhava para mim, não através de mim. Senti meu coração se partir um pouco. — Deixe-me cuidar de você, como você cuida de mim.

E aí estava.

Olhei boquiaberta para ele, incrédula, enquanto lágrimas enchiam meus olhos. — Você tem certeza de que não está em morfina?

— Por que você continua assumindo que estou usando drogas pesadas? — Seu sorriso fácil estava de volta. — Izzy, vá se deitar, estou falando sério, eu sei o quanto você está estressada, eu posso sentir isso. — Ele me apoiou com as mãos e se inclinou, tocando sua testa na minha. — Você é suave, sabia disso? — Ele limpou a garganta e balançou a cabeça.

Estranho.

Eu o vi tropeçar um pouco em direção ao meio da cozinha e, apesar dos meus sentimentos conflitantes sobre ele, não pude deixar de me preocupar. Ele claramente se limpou, vestindo uma camisa de botão branca e calças que abraçavam seu corpo mais apertado do que o habitual. Eles se esticaram em seu peito e bunda, não que eu estivesse olhando. Ele se agarrou novamente contra o balcão e estremeceu.

Ok, eu definitivamente estava olhando. Ele sempre foi lindo, perfeito.

— Merda, — ele sussurrou baixinho. — Acho que estou sentindo falta de costelas, cartilagens ou algo necessário para a vida.

— Aqui, sente-se. — Me apressei e peguei uma cadeira. Poderia estar enferrujada, mas sabia como garantir que todas as costelas dele estivessem pelo menos no lugar e não cutucando os pulmões.

— O que? — Ele franziu a testa. — Por quê?

— Uau, a concussão deve ter realmente causado um número em você. Especialista em enfermagem, lembra? Deixe-me apenas... — Engoli em seco quando o alcancei e depois me afastei. Por que isso parecia tão diferente? — Se você pudesse levantar sua camisa, eu vou ter certeza de que você não está morrendo.

— Eu poderia estar morrendo.

— Se eles deixaram você sair do hospital, você não está morrendo, — apontei.

— E se eu escapasse? — Os cantos de sua boca se ergueram em um sorriso provocador que me desarmou completamente. — Você sabe, peguei minhas roupas, arranquei meu IV e corri com minha bunda nua, deixando todas as enfermeiras no chão.

— Isso soa como Julian da faculdade, ou Julian bêbado, não Julian adulto com seus ternos caros e preferência por morenas. —

Escorregou.

Ele se encolheu.

— Desculpe.

— Não diga isso, apenas se for de verdade.

— Ele lentamente puxou a camisa para trás. Soltei um pequeno suspiro. — Sabia, estou morto e isso é o paraíso.

Eu ri um pouco, não pude evitar. — Não, é só... você deve ter muito inchaço, quer dizer, olha pra você... e novamente você está sempre trabalhando ate tarde da noite, então eu realmente não tenho prestado atenção ao que está acontecendo... Você sabe o que? — Levantei abruptamente. — Você está machucado, não deveria estar cozinhando.

— Estou bem, — ele insistiu suavemente. — Não vamos começar a insultar minha masculinidade. Eu já sofri um cateter, certo?

— Ah, encontraram um pequeno o suficiente, não é? — Provoquei. Não pude evitar. Ele estava facilitando as coisas. Ele estava me fazendo sentir jovem de novo, por mais estúpido que isso soasse.

Julian começou a rir. — Certo, eu mereci isso.

Meu próprio sorriso caiu. Isso não era real. Era uma fantasia, não era? Logo ele voltaria ao trabalho. As coisas voltariam ao normal, e eu ficaria esmagada. Fiz a pergunta para a qual não queria a resposta. Precisava preparar meu coração, porque ele já estava voltando para ele como se nunca tivesse saído. — Quando posso esperar que as drogas acabem e tudo isso — acenei para ele de cima a baixo — desaparece?

Sua expressão foi tão suave quando ele sussurrou bruscamente: — Se eu tiver escolha... Nunca.

Julian virou as costas para mim.

Ele terminou a conversa.

E, em vez de descansar, tudo o que eu ficava pensando era por que ele fazia parecer que não tinha controle sobre sua própria mente.


Capítulo Nove

Bridge


Descobri rapidamente que eles não tinham absolutamente nenhuma comida no apartamento, mas localizei uma lista de números de comida para viagem, o que só me fez torcer o nariz. Refeições caseiras era o caminho a percorrer e, depois de passar pelos preços dos chineses, eu pensava que seria melhor tentar conseguir as compras em casa. Estávamos no coração do Upper East Side; se você não conseguiria as compras entregues em uma hora, qual era o objetivo?

Peguei o novo celular do meu bolso.

Aquele com todos os números pré-programados para mim, para o novo Julian. Senti-me como uma prostituta quando meu pai me deu, com um brilho nos olhos como se ele me tivesse exatamente onde ele me queria.

O que foi besteira. Estaria saindo no minuto em que Julian acordasse. Recusei-me a deixar meu pai pensar que ele tinha vantagem. Ele precisava de mim mais do que eu precisava dele, e isso era um fato. Além disso, foi temporário. Sabia que ele teria os melhores médicos para consertar Julian até o ponto em que ele provavelmente sairia daquele hospital parecendo melhor do que no dia anterior ao acidente.

Eu só esperava que fosse mais cedo ou mais tarde, porque toda vez que Izzy olhava para mim, me sentia culpado. Toda vez que ela me tocava, e sua expressão passou de magoada a suave, queria espancar meu irmão gêmeo, e provavelmente o faria, assim que ele acordasse.

Não poderia manter esse ardil para sempre. Podemos ser parecidos, mas éramos claramente duas pessoas muito diferentes, com diferentes costumes e interesses diferentes.

Ele pode preferir morenas, mas eu estava começando a preferir loiras.

Merda, não devia ter pensado nisso. A última coisa que eu precisava era de mais um arrependimento entre mim e meu irmão, mais uma coisa nos separando.

Era como estar preso na Twilight Zone, e eu odiava que houvesse pessoas inocentes envolvidas, pessoas como Izzy.

Engoli a secura na minha garganta.

Uma coisa era pelo menos clara.

Ela odiava Julian.

E ela lamenta a perda do que eles costumavam ter.

Ela também precisava dele. Ele era tudo o que restava, e isso era o suficiente para ela ficar. Eu sabia o quão carismático meu irmão poderia ser. Inferno, eu me matei em química na oitava série; ele levou vinte minutos.

Ele ganhou o aluno da semana.

Ele colocava os olhos em algo, ele conseguia. Pronto.

Meu pai havia feito um bom trabalho preparando-o para ser seu mini-Edward. Se ela ainda estava com ele, minha aposta era que ele lhe deu apenas o suficiente para mantê-la ao seu lado e a fez pagar por isso quando ela não caiu aos seus pés em agradecimento.

Com um suspiro, digitei o endereço para entrega no supermercado. Amazon poderia entregar dentro de uma hora.

Perfeito.

Peguei sua carteira, não a minha, a dele. Olhei para a foto dele em sua licença. Segurei seu cartão preto pesado na minha mão e senti como se estivesse acima da minha cabeça.

Bati o cartão preto na ponta dos dedos e comecei a digitar os números que seriam minha prisão secreta nas próximas semanas.

Enfiei a carteira de volta nas minhas calças caras e me perguntei se o cara tinha algo além de roupas que pertenciam a uma sala de reuniões.

As compras não estariam lá por uma hora.

O mínimo que pude fazer foi mudar para algo confortável e assistir televisão, ou até estudar os vários portfólios digitais que meu pai me enviou por e-mail do Julian.

Também tinha a pasta dele, com detalhes da compra destacados para eu ler.

Não consegui apenas fingir viver sua vida.

Tinha que me tornar ele.

Eu só esperava que não fosse vítima das manipulações também. Enquanto eu me lembrasse de quem era o verdadeiro monstro, eu não sucumbiria à minha ganância como Julian, eu não deixaria que isso me controlasse. Manteria meu foco.

E eu manteria minha promessa.

Entrei no quarto, tomando cuidado para ficar quieto. Izzy estava do lado dela, a mão delicada dobrada sob o queixo, a respiração pesada. Bom, ela precisava dormir, ela merecia dormir, meu irmão provavelmente era o tipo de cara que acordava uma mulher perfeitamente feliz e pedia um boquete. Eu não colocaria isso além dele.

Ignorei o puxão para ela, a necessidade de pegar o manto roxo e colocá-lo sobre seu pequeno corpo. Também ignorei o jeito que eu queria encarar suas curvas.

Estava sendo incrivelmente assustador.

Ela não era minha para olhar ou querer.

E ainda uma pequena voz na minha cabeça disse que ela era.

Que ela era mais minha que dele.

Porque pelo menos quando olhei para ela, eu a vi.

— Faça o que for preciso. Izzy não dirá uma palavra contra você, mas você precisa fazê-la acreditar, ela terá perguntas... se você precisar fazê-la parecer que está ficando louca, que assim seja. — Pai riu quando a raiva ferveu à superfície da minha psique. Eu poderia matá-lo e não sentir culpa. Como uma pessoa chegou a esse lugar?

Balancei minha cabeça e entrei no grande armário. Tinha um lustre pendurado no meio, um sofá com um frigobar ao lado e uma tela plana. Era uma mistura entre uma sala de estar e um armário.

As etiquetas ainda estavam grudadas na metade das roupas penduradas ao seu lado. E do meu lado, ternos, jaquetas, casacos, peles. Uma caixa de relógios Rolex com outra caixa de óculos de sol acima dela, pelo menos quarenta pares, principalmente Ray-ban, me encaravam.

Sapatos de todos os tipos e cores estavam à esquerda do minibar. Ele tinha alguns pares de Pumas e Nikes que pareciam nunca ter visto o sol. Peguei um par e localizei um casaco com capuz Under Armour e um par de calças pretas que não pareciam merda.

Sentei-me na cadeira e tirei minhas calças, a dor muito intensa para aguentar mais. Deus, eu gostaria que ele tivesse me dado remédio. Tudo que eu tinha era Advil e lembranças de caras me batendo sem sentido, para parecer que eu tinha sido atropelado por um caminhão — literalmente.

Levei pelo menos quinze minutos para colocar as minhas roupas, e então eu estava pronto para desistir. Não conseguia me curvar para passar pelos meus pés, então foram necessárias cerca de uma dúzia de tentativas. Comecei a suar quando tentei tirar a camisa pela cabeça. Tinha sido mais fácil antes, talvez porque minha adrenalina estivesse bombeando. Agora eu estava com dor, agonia, na verdade.

Uma garganta pigarreou.

Izzy estava na porta, à manta roxa em volta dela. — Acho que nunca ouvi tantas maneiras criativas de xingar. —

— Sim, bem, você entra em uma colisão frontal e volta para mim. Minha pele está doendo — eu disse honestamente, não me lembrando de dizer nada, exceto merda, então sim, talvez eu não estivesse exatamente em silêncio. E agora eu estava pronto para amaldiçoar ainda mais alto. Ela estava me vendo sem camisa pela segunda vez. O que diabos eu deveria dizer a ela? Que eu estava tomando hormônios de crescimento humano durante a noite?

— Tirar a sua dor na roupa, isso é novo. — Ela entrou timidamente na sala e largou o manto. O ar mudou, fazendo com que a blusa subisse o suficiente para eu ver dois seios cremosos.

Droga, eu precisava controlar minha luxúria e parar de olhar. É o que acontece quando você mora com sua mãe e ignora as mulheres que atingem você; você começa a perder a cabeça e a cobiçar a noiva do seu irmão indigesto.

— Deixa-me ajudar. — Ela ficou de joelhos na minha frente.

Odiei isso instantaneamente.

Ela não devia ajoelhar-se para ninguém. A mim menos ainda.

— Levante-se, — lati, não querendo soar tão agressivo quanto parecia.

Ela disparou tão rápido que quase caiu sobre mim. — Desculpe, eu só estava tentando....

— Ajudar, eu sei, e enquanto sou extremamente grato por essa ajuda, eu não posso... — Engoli em seco. — Não gostei de ver você calçando meus sapatos. Mulheres como você não calçam sapatos masculinos como uma criada.

— Mesmo se eu quisesse?

— Mesmo se você quisesse. Mulheres como você nunca ficam de joelhos. — Engoli em seco quando seus lábios se separaram.

A dor brilhou em seu rosto quando ela olhou para os sapatos que estava segurando. — Aqui.

Ela me entregou um tênis e depois me ajudou a me inclinar para frente para colocá-lo. Segurei o grito enquanto calçava os dois sapatos. O suor encharcou minhas costas.

Ainda tinha o capuz para vestir.

Eu só queria estar confortável, em algo que fizesse sentido, algo que parecesse comigo, não como se estivesse entrando na pele de outra pessoa como um ladrão de corpos.

Tentei puxar minha camisa para cima.

Falhou.

Tentei outra vez.

Dei a ela um estremecimento e assisti enquanto ela exalava e movia as mãos perfeitamente cuidadas para o fundo da minha camisa, mais dessa vez em pé na minha frente. Não sabia o que me possuía para colocar as mãos nos quadris dela. Talvez a dor estivesse me deixando louco, talvez eu só precisasse ter certeza de que ela era real, não algo que eu conjurei em minhas fantasias mais loucas, porque era assim que ela parecia ali de pé, com seus longos cabelos soltos, livres do rabo de cavalo apertado e pendurados. Além de seus seios, lábios rosados inchados e concentração em seus olhos como se ela se importasse — comigo, não ele, esse momento fosse entre nós — quando eu sabia que, na realidade, eu sabia que não era, ela não sabia, ela nem me conhecia.

— Vá devagar, — eu murmurei.

Seus olhos cintilaram nos meus lábios e ficaram lá por alguns breves segundos carregados antes que ela começasse a espalhar lentamente a camisa dos meus ombros. Eu queria beijá-la.

Estava ficando louco.

O que Julian faria? Ele zombaria dela? Beijaria? Ele a puxaria para seus braços?

— Está tudo bem? — ela perguntou seus movimentos diminuindo.

Mais do que tudo bem.

Assenti, não confiando na minha voz.

Ela era carinhosa, mesmo quando provavelmente não tinha motivos para ser. Para ela, eu era um trapaceiro, um mentiroso, um manipulador.

— Porra, você teria sido uma enfermeira muito boa, Izzy. — As palavras estavam fora antes que eu pudesse detê-las.

Rezei a Deus que a maquiagem que cobria minhas tatuagens não tivesse lavado de alguma forma. Disseram-me que era bom com água e sabão por mais de trinta e seis horas.

Sua cabeça girou para mim. — O que?

— Você era especialista em enfermagem. — Merda, merda, merda. — Tudo o que estou dizendo é que você teria sido uma enfermeira muito boa, fantástica, na verdade.

Seus olhos se encheram de lágrimas não derramadas, ela mordeu o lábio inferior e assentiu. — Acho que também teria sido, é uma pena que as mulheres Tennyson não trabalhem, certo?

O inferno?

— Uh, certo. — Mamãe não tinha trabalhado. Julian havia dito a Isobel que ela não tinha permissão?

Tentei educar minha expressão quando a respiração dela parou e as palmas das mãos tocaram meus ombros, puxando as mangas para baixo.

E eu soube naquele momento.

Ela sabia que algo não estava certo.

Talvez meu irmão não tivesse mantido sua vigorosa rotina de corrida.

Talvez tenhamos cometido um erro de julgamento.

Segundo papai, ela não fazia ideia de que Julian era gêmeo.

Talvez ela assumisse que estava exausta, alucinada. Tive que fazer isso funcionar. Tive que mentir e dizer o que fosse necessário para convencê-la. Eu não tinha pensado no contrário. Que ela ficaria agradecida por eu parecer diferente do que ela se lembrava que seus olhos se dilatariam no minuto em que se encontrassem com os meus, que ela prestasse atenção em mim e sua respiração parasse.

Eu estava fazendo isso com ela.

E eu estava pronto para fazer muito mais.

Pronto para contar tudo a ela.

Para tirá-la do pesadelo. Depois de conhecê-la por apenas algumas horas, eu estava pronto para avançar como o cavaleiro branco.

E é por isso que eu precisava manter distância.

Porque eu já tinha uma donzela para salvar.

E ela estava morrendo.

Sem mencionar um gêmeo que estava em coma lutando por sua vida.

Isso não era sobre mim.

Isso nunca seria.

Meus pensamentos ficaram sérios quando Izzy finalmente soltou a camisa e a puxou para baixo, deixando-a cair no chão.

Seus olhos correram sobre mim como o estranho que eu era.

— Você está olhando, — sussurrei.

— Não sou idiota.

— Ninguém disse que você era, — rebati, esperando o pior.

Suas mãos se moveram para os meus bíceps como se ela quisesse ter certeza de que eram reais. Eles deslizaram do meu bíceps de volta para os meus ombros e depois para o meu rosto quando ela o colocou entre as mãos e virou minha cabeça lentamente de um lado para o outro, como se ela estivesse me examinando ou procurando pistas.

Agarrei-a pelos pulsos e sorri o mais genuinamente possível. — Você está começando a me assustar um pouco.

— Eu? Assustar você? — Os olhos dela se estreitaram. — Fui dormir pensando que você estava morto.

Pelo menos ela não disse esperando que você estivesse morto. Isso foi progresso, certo?

— E esta tarde você aparece na minha porta como se nada estivesse errado, como se você não tivesse em uma cirurgia para salvar sua vida. Não vi nenhuma sutura grande o suficiente para parecer que eles cortam você. Tudo o que vejo são muitas contusões e óbvios... inchaço. — Ela engoliu em seco.

— Isso acontece na cirurgia, — eu disse casualmente. — O inchaço.

— Besteira, — ela respondeu. — Caso contrário, todo cara magricelo sofreria um acidente de carro na esperança de procurar isso... Músculos.

Sorri com isso. Sempre malhei. -Estive levantando mais peso e você sabe que estive ocupado com a compra. Não tenho motivos para mentir para você.

O rosto dela caiu. Odiava estar mentindo tanto quanto odiava a decepção em seus olhos por ser, em sua mente, o mesmo homem em que ela não podia confiar.

— Você não precisa me lembrar de todo o tempo que não passou comigo e está certo, acho que perdi. — Ela começou a se afastar. Eu odiei isso.

— Faz meses, Izzy. — Inclinei o queixo em minha direção e pressionei um beijo suave no canto da boca. — E eu sinto muito por isso. Quando a compra terminar, iremos ao Hamptons ou algo assim. Detestava dizer essa frase inteira. — Talvez até o Havaí?

— Você não tira férias há mais de um ano, muito menos comigo.

— Então eu sou claramente um idiota por recusar qualquer oportunidade de vê-la em um biquíni.

Ela riu disso. — Ah, honestidade, finalmente, você só quer sexo.

— Quem disse algo sobre sexo? Eu só estou carinhoso.

Todo o seu comportamento mudou. Ela se afastou. Mentalmente. Fisicamente. Emocionalmente. — Bem, você pode ate ter começado a trabalhar menos, mas ainda é o mesmo por dentro, não é?

— De certa forma, — disse firmemente. — Mas em outros, mudei completamente.

— Acho que você está certo, sobre precisar descansar. — Ela se afastou de mim. — Você acha que pode conseguir vestir o pulôver?

— Vou me certificar de acordá-la com a minha maldição se eu lutar novamente. — Pisquei.

Poderia jurar que a ouvi sussurrar baixinho: — Deve haver algumas drogas.

Coloquei a camisa, apesar dos protestos de todos os músculos do meu corpo.

Fiz o jantar.

E quando chegou a hora de dormir, eu me arrastei ao lado dela e a encarei enquanto ela dormia, imaginando como diabos eu iria ficar longe quando tudo que eu queria fazer era puxá-la em meus braços e dizer a ela que por agora, pelo menos, ela estava a salvo de meu pai e, até que Julian acordasse, eu a protegeria do jeito que falhei em protegê-lo.

Eu a manteria segura.

Mesmo que isso significasse que teria que protege-la de outro Tennyson.

O irmão mais velho pretendia governar o império.

O pródigo que nunca quis voltar, mas não teve escolha.

A protegeria do veneno nem que fosse a última coisa que eu faria. Porra, eu só tinha que estar na história em que não uma, mas duas mulheres precisavam ser salvas, e eu tinha um irmão que me odiava. Eu só podia esperar por Deus que o dragão não acordasse.


Capítulo Dez

Isobel

 

Uma semana depois


Ele dormiu muito.

Não estou dizendo que era estranho. O cara estava se curando, e toda vez que eu entrava na sala para conversar sobre o nosso noivado, ele fazia algo doce como me perguntar como estava o meu dia.

Disse oficialmente ao hospital que não iria me voluntariar por algumas semanas enquanto Julian se curasse.

O que me deixou muito tempo livre para correr e voltar para casa e garantir que tudo estivesse como deveria.

Porque é isso que eu sempre fiz por ele.

E porque era o que era esperado.

Eu queria falar com ele sobre nós.

E ainda não o fiz.

Porque ele olhou para mim de maneira diferente.

Foi a pior desculpa que eu pude inventar, mas lá estava ele não parecia se lembrar de que eu estava no processo de terminar com ele naquele dia, e mesmo que ele disse que iria precisar da minha ajuda com sua memória, isso só parecia ser uma coisa realmente grande para esquecer.

— Ei. — Ele estava sentado no sofá, as contusões começando a parecer um pouco melhor, e pelo menos seus olhos estavam totalmente abertos agora, sem inchaço.

Ele era o mesmo.

Mas “diferente”.

De uma maneira que eu não conseguia explicar, porque ele parecia exatamente o mesmo, exceto pelos músculos gigantes e inchados por todo o corpo, o que provou ainda mais o meu ponto de vista de que eu tinha ficado cega, não tinha? Ele estava me traindo e fazendo Deus sabe o que, e aparentemente levantando pesos como se fosse seu novo hobby.

— Oi. — Coloquei meu cabelo atrás da orelha e fui até a geladeira. Eu ia começar o jantar. Você queria...

— Deixa-me ajudar. — Ele já estava de pé, mancando até mim. Sinto-me um pouco culpada por sentir raiva dele quando ele estava em um estado tão enfraquecido. Era difícil ficar brava quando ele estava tão vulnerável.

Desde o meu surto com os sapatos, ele tinha sido paciente, calmo e agia como se tudo o que eu dissesse fosse interessante. O velho Julian teria ficado escondido em seu escritório trabalhando em casa.

O novo Julian estava se oferecendo para me ajudar a cozinhar.

Suspirei. — Julian, você quase morreu. Talvez você deva continuar com calma. Faz apenas uma semana e você sabe que seu pai vai querer você de volta aos escritórios assim que puder.

Meu estômago apertou.

Por que eu estava chateada por ele trabalhar?

Não era como se estivéssemos passando muito tempo juntos no apartamento. Éramos como navios que passavam no mar à noite.

E, no entanto, eu podia jurar que havia essa carga elétrica toda vez que ele passava por mim, como se ele fosse um estranho, mas com o rosto e os maneirismos de Julian.

— Estou bem. — Ele me deu um sorriso doce e pegou uma panela enquanto eu pegava um pouco de macarrão. — Além disso, você não fez nada além de cuidar de mim nos últimos dias. Deixe-me ajudá-la. Não fiz nada além de sentar na minha bunda.

— Porque está machucado, — eu disse baixinho.

Julian soltou uma risadinha. — Acho que minha bunda é a única coisa que não está machucada, mas é bom saber que você está preocupada com isso. — Ele piscou. — É uma bunda muito legal.

O calor inundou meu rosto. — Eu não disse isso.

— Não, você estava pensando. — Ele bateu na lateral da cabeça. — Leitor de mentes.

Sorri e revirei os olhos. — Talvez você devesse ter usado essas forças mágicas antes que o carro batesse em você.

— Certo, mas então eu não teria uma mulher incrivelmente sexy cuidando de mim.

Meu corpo inteiro começou a tremer de desejo. Ele raramente me elogiava. Ele acabou de me chamar de sexy? Estreitei meus olhos para ele. — Que jogo você está jogando?

— Jogos? — Ele cruzou os braços. — Chamar minha noiva de sexy não deve ser um jogo. É apenas uma verdade, como o céu é azul, as tartarugas são verdes.

— Algumas são amarelas.

— Realmente? — Ele deu um passo em minha direção. — Você está tentando argumentar contra sua própria sensualidade? Porque eu poderia facilmente listar todas as coisas sobre você que são sexy, começando com as manchas de sardas no nariz. Contei sete, eu as amo.

Quem era esse homem?

Meu coração trovejou no meu peito, com esperança, com esperança estúpida e dolorosa.

- Você contou minhas sardas?

Ele assentiu, aproximando-se. A simples camiseta cinza abraçou tanto seu peito que eu pensei que ele iria rasgá-lo ao meio, e seu jeans pendia baixo em seus quadris enquanto seu sorriso se espalhava. — E seus olhos.

— E os meus olhos?

— Eles são bonitos, mas parecem mais tristes do que deveriam, e eu não gosto disso. Eu odeio isso, Izzy.

— Talvez da próxima vez que você me trair, você se lembre dos meus olhos então. — A raiva ferveu dentro de mim. Como ele ousa me provocar e me elogiar quando eu sabia — sabia — que não duraria. Foi a coisa mais cruel que ele pôde fazer, e ainda assim eu não queria que ele parasse.

— Não haverá uma próxima vez. — Sua mandíbula apertou.

— Não faça promessas.

— Ei... — Ele me puxou para seus braços. E me senti tão segura. Sempre pensei que Julian tivesse os melhores braços, mas agora? Agora eles eram maiores, eram protetores. Queria desesperadamente encostar minha cabeça no peito dele enquanto ele me dizia que tudo ia ficar bem, que teríamos um futuro que não fosse ofuscado por seu pai ganancioso e sua necessidade de controlar tudo, até as roupas que eu usava e as tonalidades no meu armário.

— Juro que o homem que está aqui, na sua frente, nunca vai te trair. Nunca.

Olhei em seus olhos, pela primeira vez percebendo que seus cílios pareciam um pouco mais longos. Meu corpo gritou que estava certo, minha mente me disse que eu estava alucinando, porque os cílios das pessoas não mudavam apenas, mudavam?

Suspirei e saí de seus braços. — Traia-me mais uma vez, Julian, e terminamos.

Me senti fraca dizendo isso.

Já havia dito isso várias vezes no passado, e ele sempre se desculpava profusamente e ficaríamos felizes por um tempo apenas para passar pelo mesmo ciclo quando inevitavelmente trapacearia novamente. Fiquei porque ele sempre parecia tão arrependido e as coisas seriam tão boas que eu me convenceria de que ele nunca faria isso de novo. Queria acreditar no melhor dele, de nós, mas finalmente percebi que estava tão presa em Julian Tennyson em seu mundo, em meu lugar nele que perdi o que eu sou. Perdi minha identidade e troquei pela que ele me deu.

Esperava que ele dissesse Pronto! Como ele sempre fazia.

Em vez disso, ele agarrou minha mão e beijou as costas dela. — Apenas um tolo trairia você.

— Então você é um tolo agora?

— Idiota, imbecil, tolo, tudo isso. — Seu sorriso era preguiçoso quando seus olhos se estreitaram. — Você sabe, minha memória está um pouco nublada... me diga uma coisa da faculdade que você sente falta.

Sorri tristemente.

— Segurar sua mão.

— Feito. — Ele pegou minha mão novamente e apertou-a.

— Mas estou me sentindo ganancioso, o que mais?

Oh Deus, ele estava olhando para mim como costumava. Não sabia como definir esse visual, como categorizá-lo, como me defender, então eu o deixei entrar e rezei para que não me matasse.

— Junk food, — eu disse com uma voz séria. — Sinto falta de sorvete. Não, não sinto falta apenas de sorvete, sinto falta de chocolate, sinto falta de espaguete e toda a comida lixo que costumávamos guardar no apartamento antes do seu fundo fiduciário.

— Espaguete. — Ele assentiu. — Com ou sem almôndegas?

— Julian, não me insulte, só há uma maneira, e isso é com carne!

Ele começou a rir e me puxou contra ele. — Poderia me acostumar com isso.

— Realmente? — Minhas sobrancelhas subiram para minha linha do cabelo. — A última vez que você me pegou comendo junk food, no armário, lembre-se, você me avisou que eu ia engordar.

Ele se afastou de mim, pegou uma faca e a entregou. — Você provavelmente deveria me apunhalar por isso, apenas certifique-se de não atingir nada vital. Você deveria ser uma enfermeira, então... — Ele fechou os olhos com força. — Eu vou esperar.

Dei a ele um olhar bobo. — Não vou te esfaquear. Foi um ano atrás, e era apenas M & Ms de amendoim.

Ele soltou um suspiro. — O rei da M&M. Isso é crime; acho que te devo uma sacola de cinco quilos.

— E se eu ganhar cinco quilos? — Rebati, sabendo o que ele diria.

— Então... — Ele abaixou os olhos e olhou para minhas costas. — Vou rezar para que esteja em sua bunda.

O empurrei gentilmente. — Você sempre disse que era um idiota.

— Não. — Ele me examinou de novo, meu próprio noivo, e eu gostei; não, adorei. — Acho que você acabou de me converter...

— Olhos aqui em cima, — provoquei.

-Não posso evitar... — ele sussurrou. — Você é de tirar o fôlego.

E pela primeira vez em três anos.

Eu acreditei nele.


Capítulo Onze

Bridge

 

Duas semanas depois


Estava ficando louco. Meu pai estava mandando mensagens diariamente. O conselho estava ficando impaciente e, como todas as notícias da minha recuperação milagrosa eram sobre as quais alguém falava ou era impresso no jornal, ele queria que eu fosse ao escritório e aparecesse.

Meu primeiro de muitos.

O conselho saberia que era Bridge atravessando aquelas portas.

O resto do mundo presumiria que tudo estava certo na Tennyson Financial, e Julian descansaria enquanto eu silenciosamente fazia o que ele não podia, administraria uma empresa multibilionária.

Certo. O que poderia dar errado?

Eu ainda me sentia exausto e espancado, então pedi a ele mais um dia.

E não era apenas porque eu ainda estava me curando, era porque eu estava intrigado por ela, porque tudo que Izzy fazia tinha um propósito, e porque toda vez que ela sorria para mim, era triste como o inferno ou distante.

E eu odiava isso.

Deixei esse ódio inflamar em minha alma.

Meu ódio por meu pai.

E um crescente ressentimento em relação a meu irmão, em relação a um homem que eu estava tentando ajudar. Por outro lado, eu não esperava entrar nesse papel e ver um lado totalmente diferente dele através dos olhos dela.

Um lado que muitas vezes era cruel.

E egoísta.

Um lado que eu sabia que existia quando éramos crianças, mas foi reprimido porque tínhamos um ao outro e tínhamos mamãe.

Viver com Izzy era como viver com um cavalo cujo espírito havia sido quebrado. Quase me perguntei para o que a mulher estava vivendo. Com certeza não era Julian.

A única família que ela tinha era a minha.

Deprimente pra caralho, se você me perguntasse.

Mais um dia com ela.

E eu ainda não sabia por que alguém tão obviamente infeliz ficaria nesse relacionamento.

Ela voltaria de sua corrida matinal em alguns minutos, porque sua agenda era a mesma todos os dias. A mulher acorda as sete, corre às sete e meia, chega em casa, fez um smoothie, olha para o bacon na geladeira como se fosse fazer para si mesma, suspira e toma um banho.

Ela começaria o almoço porque, aparentemente, Julian era um idiota que não comia sanduíches. Quando perguntei, ela disse que sabia que eu gostaria de algo quente para a minha refeição.

Ela estava agindo como minha empregada.

Adorei a atenção, odiei as razões disso.

E ela parecia quase insultada quando eu a ajudava a fazer qualquer coisa.

Graças a Deus, o vacilar finalmente parou.

Olhei para a porta, a maçaneta girou, e ela entrou, vestindo calças pretas, uma blusa rosa, camiseta e um gorro que parecia adorável em sua cabeça.

Ela olhou para mim, seu olhar estreitado. — Por que você está sorrindo assim?

— Acho que é esse chapéu. — Inclinei-me para frente, descansando os antebraços nas coxas. — Você parece fofa em chapéus.

— Fofa?

— Sim. — Dei um tapinha no local ao meu lado no sofá. — Na verdade, você provavelmente deveria vir aqui, com esse chapéu, para que eu possa dar uma olhada mais de perto.

— Você está... — Ela engoliu em seco e depois colocou as mãos nos quadris. — Alto?

— Alto, — brinquei.

— Alto, — ela repetiu. — Você sabe, pelas drogas que você precisa continuar tomando.

— Estou dando uma surra em Advil, — apontei. — E não, eu não estou chapado. Um homem não pode achar sua noiva atraente?

— Oh, ele pode. — Ela lentamente caminhou em minha direção. Estava amando aquelas leggings apertadas e o jeito que elas abraçavam sua bunda. — Mas meu noivo nunca me chamou de fofa, nunca.

— Então ele é um idiota total. — Também quis dizer isso.

Ela olhou para mim e depois começou a rir. — O intocável Julian Tennyson acabou de se chamar de idiota?

— Acho que ele fez. — Dei de ombros. — Confie em mim, foi um golpe baixo.

Ela sorriu.

— Muito difícil, — acrescentei.

Risada suave.

Deus, eu senti como se estivesse ganhando as Olimpíadas.

Finalmente!

— Extremamente.

— Decepcionante? — ela ofereceu.

Deixei cair minha mandíbula. — Você está chamando meu pau de decepcionante?

Ela levantou um ombro como se estivesse me desafiando. — Talvez sim, talvez não.

— Vejo que a luva foi jogada. — Fiquei de pé.

— Oh não, você não faz. — Ela pegou minhas mãos. Eu amei. Queria que ela segurasse mais minhas mãos. Queria dizer a ela que eu não era meu irmão idiota, que eu sabia como usar meu próprio equipamento tão bem que ela nunca iria querer sair daquela cama maldita e imploraria que eu a algemasse a ela. — Você ainda está se curando.

— Volto ao trabalho amanhã. — Meu peito estava pesado.

— Sim. — Ela desviou o olhar, mas não soltou minhas mãos.

— Que significa... — Apertei as pontas dos dedos. — Você deveria tomar banho e depois vir aqui e ter um dia de filme comigo. É o nosso último dia de liberdade antes de termos que voltar a ser adultos.

— Você não senta e assiste filmes comigo, Julian. — Sua voz era forte, suave, desafiadora.

— Ah, mas lembre-se de que eu estou virando uma folha nova e quase morri, então, de fato, quero assistir filmes com você o mais rápido possível, e até deixo você segurar o controle remoto, porque sou um cavalheiro. — provoquei.

Ela inclinou a cabeça para o lado. — Você está agindo de forma engraçada.

— Mais uma vez, quase morri. Como você agiria se tivesse um dia com a mulher mais bonita do mundo?

— Agora eu sei que você está chapado, — ela resmungou.

-Izzy? Por favor?

Ela lambeu os lábios e, finalmente, assentiu. — Sim, eu vou assistir filmes com você, Julian.

Ela se virou e entrou na sala, então não viu o rosto que eu fiz depois que me chamou pelo nome dele.

Ou o sentimento de impotência em minha alma quando percebi que estava progredindo para um homem que odiava, e estava me apaixonando por uma mulher que era e sempre seria dele.


Capítulo Doze

Isobel


Acordei com textos.

Vários textos de Edward perguntando sobre como Julian estava se sentindo e se ele estava entrando no trabalho. O homem era louco?

Edward: Onde ele está? Ele deveria estar aqui agora. Temos uma empresa para administrar.

Edward: Ele não está me respondendo, seu telefone pode estar desligado. Diga a ele que ele precisa colocar sua bunda no escritório agora.

Edward: Isso não é uma piada.

Edward: ONDE ELE ESTÁ!

Finalmente eu respondi.

Isobel: Acabei de acordar, são apenas sete da manhã. Ele quase morreu, dê-lhe uma folga. Além disso, ele nunca tirou férias! Ele está com muita dor, e ontem à noite eu o ouvi gemendo enquanto dormia.

Ok, então ele estava realmente muito melhor e fazia três semanas, mas eu me senti protetora. Pela primeira vez em meses, não queria ver Julian sair por aquela porta, queria ficar e dar as mãos com ele no sofá, queria sentir essa emoção no meu estômago quando ele sorria para mim ou me provocava.

Deus, fazia tanto tempo desde que ele fez nada disso.

Edward: Eu não me importo se ele está sentindo falta dos braços e pernas, uma promessa é uma promessa, por favor, transmita esta mensagem para ele, eu espero ele e você dentro de uma hora.

Isobel: Eu? Por que eu?

Edward: Eu não me explico para você. Vista branco.

Com as mãos trêmulas, larguei o telefone de volta na cama e fui procurar Julian. Eu o vi no minuto em que saí da suíte master, ou vi pele, muita pele bronzeada, porque ele não estava vestindo uma camisa.

Contusões leves marcavam suas costas e braços.

Senti meu estômago revirar quando vi todas as cicatrizes cobrindo-o; elas curaram rápido, mesmo que ainda parecessem zangadas e vermelhas. Fui dura nas últimas semanas. De alguma forma, depois de um sono agitado e de relaxar com ele no sofá, percebi que era eu quem agia loucamente pela primeira vez, não ele, mas tinha bons motivos para esperar o outro sapato cair. Ele tinha sido tudo como o velho Julian, aquele por quem eu me apaixonei.

Ele se moveu sem esforço pela cozinha, e meu estômago roncou quando o cheiro de bacon encheu o ar. Ele olhou por cima do ombro e chamou: — Quer uma xícara de café?

Veja? Normal. Julian sempre tinha café pronto para mim de manhã, no inferno ou na água.

Tudo estava começando da mesma forma, como uma típica manhã de trabalho.

Então, por que eu estava tão decepcionada?

Ele estava voltando ao trabalho.

Eu estava voltando para ser voluntária no hospital em que ele não me queria trabalhando.

As últimas três semanas não haviam acontecido.

Eu estava à beira das lágrimas quando respondi. — Certo. Sim. — Puxei meu cabelo para trás em um rabo de cavalo baixo e entrei na cozinha.

Sem que eu perguntasse, ele entregou uma xícara de café preto com um urso azul suave no meio, um dos meus favoritos porque me lembrava de tempos mais simples, quando costumávamos morar no campus e pedir chinês barato. Foi um de seus primeiros presentes para mim antes de seu fundo fiduciário, antes que seu pai lhe desse um emprego, antes de tudo.

Era tudo o que ele podia pagar.

Uma caneca preta da Starbucks.

— Creme ou açúcar? — ele perguntou, seus olhos verdes presos nos meus, creme em uma mão, dois pacotes de açúcar na outra.

Peguei os dois pacotes e assenti com a mão esquerda. — Apenas um pouco de creme.

Ele derramou e se virou novamente. — Imaginei que você estivesse com fome, então fiz um café da manhã para nós.

— Juro que sua nova linguagem de amor nas últimas semanas está me alimentando.

Ele congelou e depois me deu um sorriso enorme. — Você está reclamando do seu bacon? Porque se você está... — Ele começou a puxar o prato como se fosse colocá-lo de volta no armário.

Golpeei sua mão. — Não se atreva.

E então ele agarrou a minha e beijou meus dedos. — Muito melhor do que seus smoothies da manhã, certo?

— Certo, — concordei feliz por ele estar sorrindo tanto, que as coisas pudessem voltar ao normal de rotina, mas que sua atitude ainda era a mesma. Relaxado.

— Você também foi convocada? — ele disse depois de mais alguns segundos.

— Sim. Está na hora. — Fiquei em silêncio depois disso.

Ele começou a empilhar comida em dois pratos e depois me entregou um garfo. — Ele pode esperar, a vida pode esperar. Quase morri e quero café da manhã, de preferência sentado ao seu lado. Se ele não pode lidar com isso, pode ir para o inferno.

Ele sorriu e depois mastigou um pedaço de bacon.

E meu coração, que pensei que nunca mais se curaria, bateu violentamente contra o meu peito.

Porque pela primeira vez em meses, talvez no ano passado.

Ele nos escolheu.

Sobre o pai dele.

Foi um café da manhã sem sentido, alguns momentos roubados. Mas foi o suficiente para aliviar a pressão no meu peito, o suficiente para me fazer sorrir.

Suspirei aliviada e depois cobri sua mão esquerda com a minha. — Bom plano.

Ele apenas deu de ombros como se não tivesse certeza do por que eu parecia pronta para chorar, mas ele apertou minha mão de volta.

Foi só mais tarde naquela manhã, quando eu estava sentada em frente a Edward e Marla, que eu percebi por que o toque dele parecia estranho.

Suas mãos tinham calos.


Capítulo Treze

Bridge


Pensei que odiava meu pai mais do que qualquer um neste planeta. Estava errado. Marla estava chegando quente para tomar o seu lugar, e eu quero dizer quente. Na última hora, ela agarrou minha bunda duas vezes, tentou acariciar meu pau uma vez, e estava no processo de puxar sua saia cada vez que ela cruzava e descruzava as pernas.

Agarrei a mão de Izzy porque não sabia mais o que fazer, ou como explicar o ponto.

Eu não era um trapaceiro.

E prefiro ser atropelado por um ônibus do que deixá-la a três metros de mim sem um traje de proteção disponível.

— Julian, filho. — Meu pai me deu um sorriso malicioso. — Sei que você tem muita coisa acontecendo, mas eu queria trazer vocês dois aqui para algo importante.

Por que eu senti que estava sendo manipulado?

Por que isso parecia outro jogo?

— Claro, — eu disse com os dentes cerrados. Queria dizer a ele para ir para o inferno, mas ele estava segurando todas as cartas, e mamãe tinha uma enfermeira em tempo integral agora. Ela mandou uma mensagem para me checar e enviou uma selfie.

Ela estava sorrindo.

Lendo.

Ela tinha todos os seus livros favoritos ao seu redor.

E a enfermeira estava sorrindo na foto com ela.

Segura. Cuidada. Com dinheiro suficiente para continuar vivendo.

Então, sorri para meu pai como se ele fosse meu parceiro de crime quando, na realidade, queria estrangulá-lo até que suas pernas parassem de chutar.

Não tive atualizações sobre Julian, o que só piorou as coisas. Estava preso, e ele sabia disso. Julian ainda estava dormindo o trauma causado ao seu corpo, e eu era o impostor que tomava seu lugar.

— Quando a compra estiver concluída, gostaríamos de anunciar o casamento. — Meu pai sorriu largamente.

Olhei para ele como se ele fosse louco. Porque ele estava. Isso nunca fez parte do acordo. Qual era o ângulo dele agora? Nosso acordo envolvia um emprego, não um casamento. Ele realmente achou que eu me abaixaria tanto a ponto de me casar com a noiva do meu irmão? Como isso ajudaria Julian? Por mais que eu odiasse a maneira como meu irmão tratara Izzy, não poderia fazer isso com ele. Embora minhas razões fossem honrosas, eu ainda sentia que estava roubando sua vida enquanto ele lutava por ela dia após dia.

— Hum —. Limpei minha garganta. — Não devemos nos concentrar no negócio da IFC primeiro?

— A IFC é quase um acordo, filho. Só precisamos da papelada assinada na próxima semana. Apertaremos as mãos no banquete nesta sexta-feira, tiraremos fotos e anunciaremos a data do seu casamento!

De repente, senti calor no meu terno impecavelmente cortado e apertado.

Puxei minha gravata e dei uma olhada para Isobel. Ela ficou completamente quieta em sua cadeira, suas unhas cravadas na minha mão.

Não a culpei.

Em absoluto.

Edward... — Odiava o tom que Izzy usava, como se ela estivesse tentando parecer feliz e controlada quando eu sabia que ela não sentia nada além de caos, dentro. Poderia dizer pela maneira como ela me segurou. Presa entre dois Tennysons e um psicopata psicólogo em breve.

Bem-vindos ao inferno, pessoal.

— Pensei que concordamos na próxima primavera.

— Nós fizemos, — meu pai disse suavemente como ele se importasse, ate mesmo inclinando-se para dar um tapinha no joelho dela. Ele me enojou. — Mas isso foi antes de Julian quase morrer. Temos que pensar no que teria acontecido com você. Você não está no testamento dele, nem o viu no hospital, Marla teve que cuidar de tudo porque você não podia. Você faz parte desta família há anos. É hora de finalmente torná-la legal.

Ele compartilhou um olhar com Marla.

— Devemos contar a eles?

Merda. Contar-nos o que?

— Certamente querida. — Ela se inclinou e beijou sua bochecha.

A mulher poderia ser sua filha.

Esperei o segundo sapato cair.

Ou para Julian entrar e dizer que era uma brincadeira, tudo isso.

— Conseguimos garantir o clube para a próxima semana, — anunciou meu pai. — Você não apenas fará parte da nossa família, Isobel, mas também será o casamento do ano. Vários designers já entraram em contato com nossa equipe de publicidade e você sabe como a imprensa está morrendo de vontade de obter mais detalhes. Será uma distração bem-vinda do acidente. Afinal, perdemos muito dinheiro naquele dia. A única maneira de recuperar as perdas é assinar os contratos e dar ao público, à mídia e aos acionistas algo mais para se concentrar. Vocês dois.

Eu ficaria doente.

Não é à toa que ele não queria que Izzy soubesse que era eu, não Julian. Ele tinha um plano o tempo todo, não tinha? Nos case e dê ao mundo uma enorme distração. Eu sabia o quanto ele provavelmente ganharia financeiramente com um único casamento, quanta imprensa livre sua empresa receberia após uma das maiores aquisições da história. E não apenas a imprensa livre. Ele direcionaria a atenção da mídia para a boa sorte da Tennyson. Uma compra, uma cura milagrosa e o casamento do ano? Tudo dentro de algumas semanas? Era bom demais para ser verdade, como um drama de Hollywood com final feliz necessário. Haveria inúmeras entrevistas, cobertura da mídia para salivar, sem mencionar acordos de endosso. E ele estaria rindo até o banco enquanto acenava para o público adorador.

Ele não estava apenas usando o acidente de Julian como desculpa, ele estava usando-o como uma maneira de ganhar dinheiro.

Bastardo doente.

Papai me deu um olhar vazio e depois sorriu como se soubesse que eu estava pronto para pular sobre a mesa de café, mas não podia.

Uma semana.

Ia me casar em uma semana.

Sem minha mãe

Com alguém que não me pertencia.

Não era idiota.

Assinei um contrato que dizia que aceitaria tudo sobre Julian, desde seus maneirismos até seus pertences.

De acordo com esse contrato... Eu era Julian Tennyson.

E Julian Tennyson estava noivo.

Precisava de ar.

Levantei, notei a expressão estrondosa do meu pai, e rapidamente me sentei e preguiçosamente passei um braço em volta de Izzy. — Pai, você sabe que isso não é muito justo com Izzy. Ela queria planejar seu próprio casamento e agora tudo está sendo feito sem a sua contribuição. Ela nem consegue comprar um vestido.

Ela já poderia ter um vestido, mas eu não tinha ideia e poderia culpar o acidente pela minha má memória.

— Ela usará o que for escolhido para ela pela equipe. Eles têm alguns designers alinhados para o jantar de ensaio, cerimônia e, claro, a recepção, — disse Marla com alegria. — Eles estarão equipando toda a família.

— Ótimo, — disse entre dentes. — O que você diz, Izzy?

Por favor, deixe que este seja o momento em que ela decide enfrentar meu pai ou começar a chorar, reagir, fazer qualquer coisa que nos salve desse destino. Porque fingir, beijando sua mão, flertar, era uma coisa.

Um casamento era algo totalmente diferente, não era?

Julian me odiaria.

Não, ele não iria me odiar.

Ele nunca mais falaria comigo novamente. O progresso eu poderia ter feito com ele preenchendo seu lugar enquanto ele se curava seria demolido. Porque eu sabia que estava na posição dele e acordar e descobrir que meu irmão gêmeo não apenas tocara no que era meu, mas também transara com ela ou até a viu nua... — a raiva cega encheu minha linha de visão.

E eu me odiava, porque era exatamente isso que eu faria. Que noivo não faz sexo com a noiva? Poderia me desculpar disso com dor de cabeça?

Merda.

Lágrimas encheram seus olhos. Ela rapidamente limpou o olho direito e sorriu um sorriso forçado que me fez querer estrangular todos naquele quarto. — Parece que você pensou em tudo.

— Realmente pensamos, — meu pai respondeu rapidamente. Era um duplo sentido; ele realmente tinha pensado em tudo, não tinha?

Levantei rapidamente. — Posso discutir algo com você, pai? Em particular?

— Claro! — Porra, ele era um bom ator. Sabia melhor do que a maioria o quanto ele me odiava. Provavelmente porque eu era tudo o que Julian não era. Bom, que ele me odeie por ser mais alto, mais grosso, por não precisar de sua aprovação ou querer isso.

— Isobel, você e Marla provavelmente têm muito o que conversar. Por que você não entra na sala de conferências e examina alguns detalhes? Vou mandar champanhe.

Porra, pelo menos ela conseguiu champanhe com isso, enquanto eu não estava recebendo nada além de urticária e dor intensa no meu lado direito, onde minhas costelas estalaram.

As mulheres foram embora.

As portas se fecharam.

Me virei contra ele. — Seu filho da puta doente!

- É assim que se fala com seu pai, Julian?

Ele sorriu ameaçadoramente e se sentou atrás de sua mesa enorme, colocada em frente a janelas gigantescas que davam para o distrito financeiro.

A família Tennyson estava focada em uma coisa e uma única coisa: dinheiro.

E eu estava ajudando-o a governar.

Olhei nos olhos dele, pensando por um segundo que com certeza eles iriam recuar enquanto chifres estalavam através da pele em sua testa. Em vez disso, seus olhos eram verdes como os meus, seu cabelo obviamente preto tingido estava penteado para trás e as rugas que ele revestia seu rosto estavam em óbvio desafio contra o Botox que ele provavelmente colava neles quinzenalmente. Seu terno todo preto estava apertado ao redor do seu corpo, e seus dedos fortemente entrelaçados atrás das costas como se ele não se importasse com o mundo.

Por que ele iria?

Ele controlou.

— Não sou Julian, — assobiei, pulando em direção a sua mesa.

Ele levantou a mão direita. — Na verdade, eu tenho um contrato que diz que você é. Pronuncie mais uma frase como essa novamente, e eu terei sua mãe institucionalizada. Estamos claros?

— Ela está doente, não louca.

— As pessoas acreditam no que eu digo. — Ele sorriu. — Lembre-se de quem possui as chaves desse reino massivo e ficaremos bem. Você se casará com ela, fará seus votos com adoração e amor em sua voz, dará seu corpo e sua alma e, quando Julian acordar, conversamos. O que ele não sabe não o matará. Ele suspirou e, pela primeira vez, vi o estresse em seus olhos quando ele apontou o dedo em uma pilha de papéis. — Não que você se importe, mas tem havido conversas nas últimas três semanas. Falam sobre você não ser mentalmente capaz de continuar trabalhando para mim, falam que você e Isobel estão indo para uma separação...

— Bem, talvez se alguém pudesse mantê-lo em suas calças.

Os olhos do meu pai brilharam. — Faz parte do jogo, filho, faz parte do estilo de vida. Julian sabe como jogar bem o jogo. Ele conhece os sacrifícios que precisam ser feitos. Você?

— Eu só estou nisso por Julian e mamãe.

— Exatamente, — meu pai retrucou. — Você sempre foi tão teimoso, tão desafiador. Na época, eu via isso como uma fraqueza, agora vejo como sua maior força. Prove que a mídia está errada e receba o acordo. — Ele abriu uma pasta de couro e virou, mostrando para mim.

— Trinta por cento do patrimônio, — li em voz alta, — da Tennyson Financial —. Desacreditei — Bridge Anderson, datado... — Meu corpo inteiro balançou enquanto eu continuava lendo as estipulações. Todos os zeros. E a pequena estrada de tijolos amarelos que me levou ao casamento com Izzy e um cheque grande e pesado que eu pagaria depois que disséssemos — sim. — Você está me dizendo que eu tive um fundo fiduciário esse tempo todo?

Papai me deu um olhar convencido. — Imaginei que você voltaria a si, que finalmente perceberia onde a grama era mais verde. Você acha que eu não sei, que você trabalha em dois empregos? Às vezes três? Que você mal pode colocar comida na mesa por causa das contas médicas dela?

— Então? — Joguei minhas mãos no ar. — Tive dinheiro esse tempo todo? E o que? Você quer que eu finalmente reivindique?

Dinheiro de sangue, era o que era.

— Filho, é sua herança. Além disso, foi Julian quem me pressionou a entrar em contato com você depois que você se formou na escola, mas meses se transformaram em anos e, bem, se eu estou sendo sincero, não queria dar a essa mulher que você chama de mãe um centavo.

Estremeci. — Você a traiu.

— Ela me deixou, — meu pai respondeu.

Ah. Eu cruzei meus braços. — Orgulho ainda machucado?

Ele estreitou os olhos. — Pegue o portfólio. Se você tiver alguma dúvida, deixei um cartão de um dos advogados da empresa na frente. É a sua escolha. Quando Julian estiver acordado, você se afastará como um homem muito rico.

Se eu casasse com Izzy. Se eu fizesse o que ele disse. Se eu mantivesse minha boca fechada. E depois o que? Apenas a passaria para o meu irmão? Depois de tudo isso? Ela ficaria acreditando que ele esteve aqui o tempo todo, e eu estaria aceitando dinheiro por isso.

— O que acontece se ele não acordar? — Estava com medo de perguntar, mas precisava. estar lá fora no universo. Parecia que a frase estava entre nós, insegura de sua própria resposta tanto quanto eu.

Papai ficou sério e depois me encarou. — Me recuso a acreditar que qualquer um dos meus filhos seria tão fraco a ponto de ceder à morte.

Balancei minha cabeça. — Você é insano.

— Talvez. — Ele encolheu os ombros. — Talvez não. Mas tudo o que tenho é porque lutei por isso. Assinamos contratos na segunda-feira, comemoramos este fim de semana no banquete com a IFC. Tente não parecer tão chateado. Você está prestes a fazer sexo com uma das mulheres mais bonitas viva, filho. Basta pensar nisso, enquanto seu irmão sonha com unicórnios, você estará entre as coxas dela. Diga-me, qual você prefere?

Com a dor aguda na minha mandíbula, percebi que a tinha apertado.

— Fale sobre ela assim novamente e eu vou...

— Não tenho tempo para mais ameaças mesquinhas. Nós dois sabemos que você assinou um contrato de ferro. Leve Isobel para casa, convença-a de qualquer maneira que você souber. Você tem um dia antes do anúncio. Sugiro que você tente parecer melhor do que agora, para que o conselho o veja como apto para administrar a Tennyson Financial. Tente não ser um constrangimento. Sei que é o seu padrão, mas você é um Tennyson acima de tudo, e as pessoas estarão assistindo.

Apertei minhas mãos, além de preparadas para usá-las em meu pai. Sou duas vezes o homem que você é. Olhe-me.

E antes de lhe dar as costas, eu vi, o lampejo de excitação e desafio em seus olhos.

Meu pai adorava controle.

Ele amava um desafio.

E eu simplesmente pulei na arena e pedi para ele lutar.

De um jeito ou de outro, haveria sangue.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capítulo Quatorze

Isobel


Julian me resgatou cerca de trinta minutos depois. Naquele momento, Marla estava discutindo comigo sobre flores e bolo, e eu tive uma lembrança fugaz do meu aniversário no ano passado, quando as coisas ainda estavam boas entre nós, quando Julian me comprou o maior bolo que eu já tinha visto e me disse para provar. Como morangos, assim como eu.

Corei.

Ele me beijou profundamente na frente de todos.

E eu pensei: isso é perfeito.

O que temos é perfeito.

— Amor. — A voz de Julian me fez pular quando ele colocou a cabeça na sala de conferências. Seu corpo parecia maciço na porta, seu traje era muito pequeno e sua confiança era como um tsunami indo direto para a mesa. — Hora de ir.

Marla suspirou ao meu lado e eu quase a estrangulei. Não foi um suspiro de raiva, foi um suspiro de ciúmes.

Um suspiro que disse que queria tocá-lo.

Que seu Tennyson era velho demais e ela pensou que merecia o meu.

Eu não estava saindo deste casamento. Pude ver a ameaça velada sob o olhar de Edward, do jeito que ele me olhou com um sorriso forçado. Ele conseguiria o que queria. Isso eu sabia. E eu odiava admitir que uma parte de mim, depois dessas últimas três semanas, ficou emocionada com o pensamento de que talvez, apenas talvez isso fosse mudar o jogo para nós. Julian estava voltando a ser o homem por quem me apaixonei na faculdade. Talvez a pressão de se tornar CEO tenha sido demais. Ele estava sempre tão preocupado com o fato de seu pai estar orgulhoso dele, e agora parecia que ele preferia estrangular sua própria gordura do que esperar que ele dissesse que estava orgulhoso.

Ele estava se tornando seu próprio homem.

Sorri para ele e agarrei minha bolsa, tentando evitá-lo, uma vez que estávamos no escritório, e ele estava sempre convencido de que não haveria demonstrações de afeto. Em vez disso, ele me agarrou pelos ombros e me beijou suavemente na boca, ganhando uma maldição de Marla e alguns suspiros chocados das pessoas que passavam.

Balancei-me um pouco e quase toquei meus lábios. O que acabou de acontecer?

— Mal posso esperar para casar com você, — ele disse tão genuinamente que senti lágrimas nos meus olhos. — Por que não vamos almoçar e podemos conversar sobre todas as maneiras pelas quais podemos irritar meu pai. Estou pensando em Twinkies em vez de um bolo, você?

Marla ofegou em seu assento. — O bolo já foi.

— Marla, você deve estar com a impressão de que estava falando com você. — Gelo atou sua voz quando acrescentou: — Não estava.

Fiquei boquiaberta com o Julian. Ele nem olhou para ela.

Podia sentir a raiva dela atrás de mim. Se ela pudesse cravar as unhas nas minhas costas e segurar firme, ela o faria. Não tinha dúvidas sobre isso.

— O almoço parece bom. — A minha voz; soou como se eu não conseguisse recuperar o fôlego. Podiam ser as borboletas no meu estômago, ou podia ser a maneira que meu coração está martelando no meu peito.

Porque foi a primeira vez na vida que ele me beijou na frente das pessoas no escritório dele e na frente dela.

E foi a primeira vez em seis meses que ele me fez sentir possuída.

Como se eu realmente fosse dele.

Era assim que o perigo era.

Mas não consegui encontrar em meu coração nada além de vontade de me agarrar a ele enquanto atravessávamos os escritórios e entramos nos elevadores.

— Obrigada, — disse assim que as portas se fecharam atrás de nós. — Por isso, com Marla, lá atrás, eu... — Droga, eu não podia me emocionar agora. Ele usaria isso contra mim. — Não a suporto.

— Ela provavelmente nem consegue se suportar. — Ele sorriu.

— Engraçado, já que você parece gostar de estar sozinho com ela.

Julian ficou rígido.

Por que eu não conseguia ficar de boca fechada e parar de atacá-lo? Não faz nada além de me deixar zangada por suas mentiras e ele zangado por minha incapacidade de acreditar nelas!

Senti como se estivesse em seu estado constante de empurrar; Queria suas promessas, queria aquele beijo, mas o que eu queria não era real. Sempre ficaria decepcionada no final, e sabia que mais decepções quanto a Julian se mostrariam devastadoras. O coração não era tão forte.

Me afastei dele.

Não conseguia lidar com a sensação que ele me deu nas últimas três semanas, a sensação do meu coração batendo mais rápido, meus dedos ansiando por seu toque, minha boca dizendo que seus lábios se sentiriam diferentes desta vez. O meu corpo traidor estava tão integrado com o jeito que ele estava me fazendo sentir — nutrida, cuidada — que eu queria me dar um tapa. Era quase mais cruel do que trair , do que palavras, do que a empregada idiota.

O movimento chamou minha atenção quando ele apertou o botão vermelho no elevador, colocando-o em seu lugar e sacudindo nós dois contra a parede.

— Olhe para mim. — Sua voz era imponente, mas suave.

Fechei os olhos.

Esperei pelas palavras humilhantes, pelas ameaças, pelo Você não me ama e quer me fazer feliz?

Julian se ajoelhou e pegou minha mão. — Me perdoe.

— O quê?

— Me perdoe. — Seus olhos imploraram. — Por ser um imbecil, por não ver o que estava na minha frente o tempo todo, por ter passado pela minha cabeça, mas acima de tudo por não ter visto você. Perdoe-me por esquecer a coisa mais importante da minha vida. Não fui bom com você. Em absoluto. Quero consertar isso. Preciso consertar.

— Pare, apenas pare. — Tentei me libertar, mas ele me segurou lá com as mãos, com o pedido em seus olhos. — Você não pode simplesmente pedir perdão e deixar tudo bem! Sei como isso funciona, Julian, não sou burra. Talvez as coisas estejam ótimas por enquanto, mas mais cedo ou mais tarde haverá outra empregada, outra modelo, atriz, recepcionista. Quero acreditar em você, mas não acredito. Sinto muito.

Ele se levantou abruptamente. — Então eu vou provar para você. Eu juro. Serei diferente.

Estava na ponta da minha língua dizer que ele já estava.

— O que acontece quando você não fizer isso, Julian?

— Se eu estragar... — Ele segurou meu rosto com as mãos. — Se eu voltar à minha promessa, me dê um chute nas bolas e peça um divórcio.

— E o pré-nupcial?

— Foda-se o acordo, — ele disse rapidamente. — No mínimo, você deve receber dinheiro por sofrimento emocional se eu fizer algo para machucá-la novamente.

Ainda não estava convencida.

Queria estar, mas sabia o quão bom ele era um manipulador.

Poderia ir embora.

Poderia deixar isso.

Ainda tinha tempo.

— Izzy. — Ele segurou meu queixo com o menor toque e trancou os olhos comigo. — Deixe-me provar a você. Por favor, só mais uma chance para mostrar que a coisa mais importante na minha vida não é apenas seu coração, mas seu futuro — nosso futuro. Me dê até o casamento, deixe-me mostrar como deve ser, e se você ainda não estiver satisfeita, eu mesmo cancelarei.

Era tudo que eu sempre quis ouvir.

Não poderia ser real.

Olhei para ele, realmente olhei para ele. — Você não acha que é tarde demais para pedir isso, Julian? Admito que você está agindo diferente, muito diferente. Mas algo parece errado. Talvez seja a mudança repentina de atitude, ou talvez o fato de você quase ter morrido. Apenas... Estou com medo de me colocar lá fora novamente. Além disso, parece que ainda estou perdendo alguma coisa.

— Sou. Diferente, é isso.

— Do que você está falando? — Só tinha que apontar, mesmo que me sentisse estúpida ao afirmar o óbvio. Fiquei tensa e depois relaxei contra mim.

— Sou quem você precisa que eu seja agora, Izzy, mesmo que isso signifique que eu preciso ser o cavaleiro branco que resgata você do castelo em que você está presa, ou o cara que alimenta você com junk food, então você vai sorrir por um tempo. Confie quando digo que sou eu, e isso é tudo o que importa.

O que eu esperava que ele dissesse? Que ele era uma versão reencarnada de si mesmo, só que ele manteve as melhores partes que pareciam ser sugadas pelo próprio pai ano após ano?

Seus olhos se concentraram na minha boca.

Queria que ele me pressionasse contra a parede do elevador, me beijasse sem sentido. Queria tantas coisas, como a paixão que costumávamos sentir quando sempre sentíamos que não tínhamos tempo suficiente para ficarmos juntos.

— Senti sua falta, — sussurrei, mais para mim , e então balancei minha cabeça. Ainda não confiava nele, não completamente.

-Estou cansada, vamos... vamos almoçar outro dia, está bem? — Coloquei distância entre nós e apertei o botão parar novamente. O elevador fez um barulho gemido quando desceu mais uma vez para o saguão.

— Por quê? — ele perguntou, uma vez que estávamos caminhando lado a lado pelas portas de vidro para a agitação de ternos andando como um mar de peixes na nossa frente.

Coloquei meus óculos de sol Prada, olhei para os arranha-céus e respirei profundamente. — Porque você ficará no telefone o tempo todo enquanto eu desculpo o garçom por você devolver seu salmão enegrecido, e eu não estou com disposição.

— Pizza. — Ele soltou uma risada baixa. — Dessa forma, eu não sou tentado.

Virei minha cabeça e olhei para ele. — Pizza? Você?

— Você viu meu pacote de seis. Acho que posso aguentar.

— Sim, seu tanquinho inchado. — Revirei os olhos. — Algo não está certo, Julian. Sei disso, você sabe disso. Vamos apenas fingir que não há elefante escondido na sala pronto para aparecer a qualquer momento e estragar tudo?

Ele ficou em silêncio por um minuto e depois: — Não acho que realmente temos uma escolha, não é, Izzy?

Suspirei em derrota. — Quando se trata de Edward Tennyson, não, você raramente tem uma escolha.

 

 

 

 

 

 

 


Capítulo Quinze

Bridge


Pizza.

Você pensaria que acabei de oferecer a ela um sacrifício de animais com o jeito que ela olhou para mim quando eu disse essa palavra. Estava fazendo tudo errado quando se tratava dela, mas não aguentava mais um minuto dela se encolhendo ou se afastando, ou pensando que eu era o monstro nessa história, mesmo quando todos os sinais ainda apontavam para eu ser exatamente isso.

Mamãe estava recebendo tratamento.

Julian estava se curando.

Se eu focasse nessas duas coisas, poderia justificar tudo o mais.

Algumas câmeras nos encontraram enquanto nos sentávamos lá e comíamos. Olhei para cima e congelei enquanto olhava a tela plana no canto. Ela mostrava o rosto de Julian e estava falando sobre a recuperação milagrosa, ele se tornando CEO, o garoto de ouro das finanças. Para o mundo, Julian Tennyson era perfeito.

E respirando por conta própria.

Uma coisa era certa: o acidente ainda era notícia de primeira página, o que me irritou ainda mais porque isso significava que papai estava certo.

A mídia precisava de mais alguma coisa para conversar.

Olhei através da mesa para Izzy, então peguei a mão dela e a apertei.

Tudo que eu queria fazer era contar a ela toda a história sórdida. Era a outra metade, a parte que meu pai não queria. Fui eu que briguei na escola tentando proteger Julian, fui o irmão que não se importava com suas notas e flertou no meu oitavo ano sabendo que o mundo era meu por causa de quem meu pai era, até apesar de não termos um bom relacionamento. Eu era arrogante, precipitado e não me importava com nada além de meu irmão e minha mãe.

E Julian? Julian era o que eu sempre quis proteger, o irmão que eu encontraria chorando para dormir depois que ele mostrasse ao nosso pai seu A apenas para que esse pai lhe perguntasse por que não era um A+. Sempre disse a Julian que as notas eram besteiras, mas nunca era o suficiente. Tudo o que ele queria — tudo o que ele sempre quis — foi aquele momento que você vê nos filmes em que o pai abraça o filho e diz: — Muito bem.

Julian estaria esperando uma eternidade.

— Então... — Mordi um pedaço grande de pizza de pepperoni e soltei um gemido que me rendeu pelo menos dois olhares de pessoas sentadas do outro lado da sala e uma expressão de queixo caído de Izzy. — Desculpe, isso é incrível. Estava faminto. — Dei outra mordida e limpei meu rosto com o guardanapo, depois disse para o inferno com a etiqueta e limpei o prato.

Izzy cortou a pizza com a faca e o garfo, com as mãos trêmulas, e levou um pedaço ao beicinho perfeito.

— Não. — Balancei meu garfo para ela. — Não é assim que você come pizza.

— Eu estou vestindo branco.

Isso foi outra coisa. — Por que você está vestindo toda de branco? — Eu só tinha que perguntar não que ela não fosse bonita com seus lábios rosados e cabelos em cascata.

Ela franziu a testa, dizendo que eu deveria saber a resposta e depois deu de ombros. — Seu pai diz que o branco é uma cor poderosa. É difícil de limpar, caro de montar e sempre se destaca em uma sala cheia de ternos. O homem gosta de todas as suas mulheres de branco.

Fiz uma careta. — Quando nos casarmos, eu lhe dou permissão para queimar todas as roupas brancas e começar a usar moletom. É o mínimo que posso fazer. Além disso, o branco parece inocente demais.

Ela engasgou com o gole de água e resmungou: — Você está dizendo que eu não sou inocente?

Ela estava flertando ou chateada?

Fui flertar e me inclinei para frente.

— Diga-me você.

Suas bochechas coraram. — Estamos em público.

— Então isso é um não para o sexo ao lado da pizza?

Seus olhos se arregalaram uma fração antes que ela puxasse seu lábio inferior e o chupasse. — Lembra-se daquela época do último ano no restaurante mexicano? — Não. E eu não queria saber como meu irmão tinha a boca nela, ou como ela gritava o nome dele, gritaria o nome dele, não o meu.

— Eu adoraria ouvir você me dizer. — Não tinha outra escolha.

— Hmmm, não é apropriado, assim como não era apropriado você nos trancar no único banheiro e levantar meu vestido até meus quadris quando você descobriu que eu não estava usando calcinha.

Engoli um pedaço de pizza e tentei não deixar minha mente ir para lá, mesmo que isso acontecesse completamente. Ela, sem calcinha, eu subindo sua saia.

Sorri com isso. — O que você esperava que acontecesse?

— Ah, é exatamente isso que eu queria que acontecesse, e você sabe disso. Eu estava sempre tentando fazer você ultrapassar seus limites. Você sabe como estava, tão preocupado com sua marca, com a imagem de sua família, com o que seu pai diria se descobrisse que você estava fazendo sexo no banheiro... — Sua voz sumiu, seu sorriso deslizou. — Desculpe, qual foi a pergunta?

— Oh aquilo. — Joguei meu guardanapo no chão. — Nudez pública. Sim ou não? Comecei a ficar de pé. Seu braço estremeceu e ela agarrou minha mão, os olhos arregalados de horror.

Com uma risada presunçosa, me inclinei sobre a mesa e dei um beijo casto nos lábios dela. — Estou com inveja de deixar todo mundo ver seu corpo. Vamos apenas dizer que essa é a razão pela qual eu não estou empurrando a pizza de lado e jogando parmesão no seu umbigo para que eu possa ver quanto tempo levarei para lamber.

— Uau, — ela murmurou com uma risadinha. — Você acha que é isso que vai me fazer feliz? Um pouco de parmesão?

— Em primeiro lugar. — Me sentei novamente. — Queijo.

— Hah! — Ela tomou um gole de Coca Diet. — Você me pegou lá. E em segundo lugar?

— Acho que sentir-se livre vai fazer você feliz.

Ela largou o garfo, espalhando minúsculos pontos de molho vermelho por toda a frente da blusa de seda branca e alguns na jaqueta branca.

— Aqui. — Levantei-me e ajudei-o a tirar a jaqueta, depois peguei um guardanapo e o mergulhei na água. — Nós provavelmente precisamos limpá-lo a seco, mas não basta estragá-lo, a menos que seja essa a sua intenção, e então minha sugestão seria tomar apenas duas fatias e colocá-las de bruços no seu peito. Mais dramático assim. —Pisquei.

Ela ficou boquiaberta e depois caiu na gargalhada. — Quem é você?

— Apenas eu. — Sorri para ela. — Você ainda está linda apesar das manchas, você sabe.

Ela desviou o olhar.

— Odeio ter feito isso, obriguei você a desviar o olhar quando eu te elogio, — disse suavemente, voltando ao meu lugar. — Você é realmente linda, no entanto. Sinto muito por não ter dito o suficiente. Ou possivelmente.

Ela procurou meus olhos. Gostaria de saber se ela me viu lá, não Julian, mas eu, Bridge. Perguntei-me se ela via a pureza das palavras, a sinceridade por trás delas, o homem em pé na frente dela, fingindo ser melhor do que aquele que ela ficaria presa pelo resto da vida.

Perguntei-me se ela viu a mentira.

Os lábios de Izzy se separaram. Ela lambeu e exalou suavemente. — Você vai partir meu coração, não é?

E porque eu não queria ser ele, porque não suportava ouvir a mentira cair dos meus lábios.

Beijei sua bochecha e sussurrei um fraco — Sim.


Capítulo Dezesseis

Isobel


Naquela noite, eu estava deitada na cama com lágrimas escorrendo pelo meu rosto, lágrimas de incompreensão, desconfiança, confusão e, finalmente, luxúria.

Luxúria e amor por um homem que estava agindo como o homem por quem eu me apaixonei na faculdade.

Ele estava se recuperando no quarto de hóspedes desde aquela primeira noite e disse que, desde que estava se levantando tanto para tomar Advil, era melhor dormirmos separados. Pensei que era apenas mais um ardil para que eu não notasse quando ele saiu para se encontrar com a empregada ou com quem ele estava traindo.

Mas na verdade, ele tinha sido diferente.

— Ei... — Julian entrou na sala. Ele estava andando melhor, na verdade, e seu rosto estava quase perfeito novamente, intenso, mais nítido e perfeito. Ele me deu um sorriso e depois puxou a camisa por cima da cabeça, mantendo sua calça de pijama baixa. Ele se arrastou na cama e me puxou para seus braços. — Ouvi você chorando e depois falando sozinha. Só queria ter certeza de que você estava bem e também checar se você não estava enfiando alfinetes em uma boneca de vodu, já que minhas costelas ainda parecem mortas.

— Apenas chutaria você, não recorreria à magia, — eu disse com uma fungada. — E eu não percebi que estava sendo tão alta.

— Izzy, — ele suspirou e me segurou mais apertado. Era tão bom.

O jeito que ele me segurava era perfeito.

O jeito que ele falou comigo, direto, honesto.

Deus, como eu sentia falta da honestidade com outro ser humano. Não tinha percebido o quanto precisava ouvir a verdade.

Ele disse que ia partir meu coração.

E eu acreditei nele.

E eu também não me importei, porque por enquanto, ele estava curando. Melhor deixar meu coração ficar partido por esta versão do Julian do que ficar sufocado pela versão mais antiga que eu sabia que voltaria um dia.

Estraguei meu cérebro por razões por trás de seu comportamento e aparência física, mas a única coisa que me veio à mente foi que ele finalmente percebeu que a aprovação de seu pai não valia a pena, que nosso amor era mais forte do que todas as coisas do mundo que ele pensou que precisava dinheiro, poder, posição.

Pela primeira vez em nosso relacionamento, eu não tinha um sentimento doentio sobre o que estava por vir, ou o que Edward faria em seguida.

Porque Julian estava forte agora.

E nós tínhamos um ao outro.

Ele continuou alegando que estar perto da morte muda uma pessoa. Se fosse esse o caso, quando esse sentimento desapareceu? Quase pesquisei no Google porque senti que estava perdendo a cabeça.

Julian me beijou na minha bochecha e virou de lado. Ele não me tocou o que era estranho, agora que ele estava de volta em nossa cama. Nós nos conhecíamos por dentro e por fora, e ele sabia que eu sempre quis tocá-lo ao adormecer. Costumávamos adormecer segurando as mãos. Isso me ajudou a me sentir segura, desejada e, seis meses atrás, se transformou em um toque de posse e eu odiei, como se ele estivesse lutando para me manter ao seu lado quando soube que eu já estava me afastando.

Quase tinha esquecido como era encontrar a paz em seu sono.

Só que agora eu precisava de conforto e não sabia como pedir.

Me virei para encará-lo.

Ele estava do seu lado e os hematomas eram pouco visíveis.

E todos os músculos pareciam flexionar mesmo durante o sono.

Uma emoção passou por mim enquanto eu o observava.

Ignorei o bom senso, ignorei o pensamento racional e apenas aceitei o que estava à minha frente, o homem com quem me casaria em breve.

Julian suspirou novamente. Eu sabia que ele estava exausto. Depois da pizza, ele se deitou no sofá e examinou documentos após documentos que eu sabia que ele já havia memorizado. Ele me lembrou que sua memória era confusa.

Então eu fui para a cama e fiquei lá.

Cheguei a tocar seu rosto e fiquei surpresa quando sua mão disparou e agarrou meu pulso. Ele levou a mesma mão aos lábios e deu um beijo na ponta dos meus dedos. — Mudou de ideia sobre a boneca vodu?

Sorri quando seus olhos se abriram. Eles se enrugaram sexualmente nos lados, e seu sorriso era brincalhão como se estivesse se preparando para me atacar e me beijar sem sentido. Borboletas voaram no meu estômago enquanto eu observava seus olhos verdes arderem, trancar na minha boca e depois nos meus olhos. — Bem?

— Eu só estava pensando.

— O pensamento está superestimado, — ele disse rapidamente. — Pensar é o que nos causa confusão, da qual não podemos sair. As melhores decisões da vida são tomadas a partir do coração, da alma, do lugar que a maioria das pessoas se recusa a ouvir.

Fiquei boquiaberta. — Isso vem do homem que pensa demais e analisa tudo.

Sim, bem... — Ele lambeu os lábios carnudos. — Algumas coisas mudam. Talvez quase morrer tenha me levado a repensar algumas coisas.

— Ah-hah, você disse pensar, — provoquei.

Ele beijou minhas pontas dos dedos novamente, em seguida, puxou meu braço em volta de seus ombros. Ele me agarrou pela bunda e puxou meu corpo contra o dele. — Adivinhe o que estou pensando agora.

Engoli em seco e tentei insultá-lo. — Você está pensando em fusões, portfólios, dinheiro.

— Quem em sã consciência estaria pensando em dinheiro agora? — Ele riu baixo na garganta. — Tenho uma mulher bonita me encarando enquanto tento dormir. Não estou pensando em nada além de você. Essa é a verdade.

Eu por dinheiro. Tenho que dizer que já faz um tempo.

— Patético que isso deva ser um problema, certo?

— Certo.

— Izzy?

— Sim?

— Não pense demais neste momento, esta bem? Não pense demais, apenas exista hoje. Inferno espere para usar seu cérebro por pelo menos mais um ano, apenas esteja presente comigo.

Eu o encarei. Quem era esse homem? Julian voltou para mim? Ele percebera que a vida era curta demais para se preocupar constantemente com o que as pessoas pensavam? Sobre dinheiro? Imagem?

— Eu acho — ele se inclinou e beijou meu queixo — que você está fazendo isso de novo.

— Desculpe, eu apenas... — Enfiei minha mão em seu cabelo grosso e escuro e comecei a brincar com ele, lembrando como ele costumava me deixar tocá-lo enquanto estávamos na cama, e todos os anos que se seguiram, onde ele nem estava mais na cama comigo. — Você é diferente, estou tentando me ajustar, sinto como se estivesse andando com casca de ovo, como se a qualquer momento eu fizesse algo errado e você quebrasse, e isso desaparecesse e — Oh Deus, eu ia começar a chorar novamente. — Simplesmente não posso... Não sei o que fazer apenas me diga o que fazer.

— Droga. — Ele passou os braços em volta de mim e me virou de costas quando seu corpo cobriu o meu. — Não era isso que eu queria fazer. Não quero que você duvide. Ainda temos um casamento para terminar, uma vida para viver.

— O que acontece depois do casamento, Julian?

Sua expressão se fechou e ele desviou o olhar, o rosto cheio de raiva. — Nós vamos descobrir juntos.

— Prometa?

— Juro, este homem que eu sou agora não vai desistir de você.

Exalei aliviada. — E você não vai ficar bravo se eu usar sapatilhas?

Sua risada fez coisas engraçadas para mim quando ele passou os dedos pelos meus cabelos. — Vista o que quiser, apenas certifique-se de usar roupas, porque a última coisa que precisamos é que acabemos na prisão por você andar pelas ruas nuas.

Eu ri. — Você me conhece mesmo? Essa é a última coisa que eu faria. Lembre-se, eu nem sequer estou mergulhando.

Seu olhar era brincalhão, seus olhos brilhavam. Porra, o homem era bonito de se olhar, muito bonito, muito tentador. Deveria ter desviado o olhar, mas descobri que não podia, estava vivendo pelas próximas palavras da boca dele, a voz profunda que dizia meu nome. Estava me apaixonando por ele novamente, caindo na mesma velha armadilha. Joguei junto. Joguei nele, sabendo que nunca mais voltaria daquilo que era.

Eu só tinha alguns pedaços do meu coração.

E eu sabia que ele iria exigir todos eles.

— Diga-me algo que você gostaria de poder fazer, mas tem muito medo.

Minhas sobrancelhas se ergueram. — Hmmm, eu pensei que você sabia tudo sobre mim.

— Me anime, — disse ele, descansando a testa na minha, esperando pacientemente pela minha resposta.

Era difícil se concentrar com ele me encarando com tanta atenção, com seu corpo musculoso e quente cobrindo o meu protetor como se ele fizesse qualquer coisa para me manter segura. — Sempre quis fazer parte de um flash mob.

— Dominar. — Ele assentiu. — Mas eu aceito. — Ele inclinou a cabeça. — Um flash mob, hein? Por que isso?

— Parece que sim... — Dei de ombros. — Mágico, como todas as comédias românticas que você vê quando todos conhecem a mesma música e dança, todos estão felizes e fazem parte da mesma coisa maravilhosa. — Suspirei. — Sei que parece infantil, mas...

— Não. — Ele cobriu minha boca com dois dedos. — De modo nenhum.

— Tudo bem, e você?

— Ahhh, então nós dois estamos jogando?

— É justo.

— São duas da manhã.

— É isso?

— Hah—. Ele sorriu. — Você é fofa, sabia disso?

— Você é cheio de elogios e também está desviando, — apontei.

Ele suspirou. — Tudo bem, eu sempre quis ir para a escola de culinária.

— O que? — Quase levantei da cama. Ele nunca compartilhou isso comigo antes, nem em todos os anos em que nos conhecemos. — Mas você se formou em negócios e sempre ia assumir o cargo de seu pai.

— Exatamente. — Ele parecia enojado. — Pode parecer bom, sabendo que você nunca precisa se preocupar com dinheiro, mas o que você não leva em conta é a paixão. Amo cozinhar. Amo comida. Amo os olhares no rosto das pessoas quando experimentam algo que você acabou de inventar. É um sonho, que nunca vou seguir, mas é isso que acontece com os sonhos. Mesmo que não os realizemos, eles ainda existem, flutuando em nossa psique, lembrando-nos que há coisas que precisamos fazer antes de deixarmos esta terra e nos fazendo sentir ressentidos por provavelmente nunca conseguirmos fazê-los...

Fiquei quieta por um minuto. — Você acha que seu pai iria ...

— Sim, eu vou parar você aí. Nós dois sabemos como ele é.

— Tenho uma confissão.

— Uau, duas em uma noite? Como tive tanta sorte?

Ele brincou, colocando meu cabelo atrás da orelha e esperando pacientemente pelas minhas próximas palavras, como se estivesse feliz por estar naquele momento comigo conversando, quando eu sabia que nós dois tínhamos alguns dias ocupados pela frente. Ele sempre acordava antes do amanhecer para malhar. O tempo era um bem precioso que não temos o suficiente e ainda estávamos lá, usando-o para falar sobre coisas que nunca se tornariam realidade.

Que maravilhoso e comovente.

Não tinha certeza de como ele responderia ao que eu ia dizer, mas pelo menos seria uma prova de que ele realmente estava tentando mudar. — Sempre pensei que era isso que você queria ser exatamente como seu pai.

Julian fez uma cara de nojo e rapidamente se recuperou como se não tivesse feito isso. Ele balançou a cabeça e desviou o olhar. — Ninguém quer ser Edward Tennyson, nem mesmo Edward Tennyson.

Fiquei tão chocada que não consegui atingir o pico. — Você está realmente admitindo que não quer essa vida?

— O que eu quero— — suas palavras caíram umas sobre as outras — é uma vida minha, nos meus próprios termos, com você.

Meu coração derreteu quando ele abaixou a cabeça e pressionou um beijo suave nos meus lábios.

Não foi o beijo normal dele.

Defini os beijos de Julian e os separei em caixas. Havia o beijo que ele me dava em público, quase nenhuma língua, mas ele segurou meu abraço por tempo suficiente para provar a propriedade. Havia um beijo na privacidade de seu escritório, em vez de em casa, muitas vezes na bochecha, às vezes no canto da minha boca, porque em sua mente não havia espaço para o afeto no trabalho. Havia o beijo que ele me dava quando ele queria sexo, geralmente desleixado, agressivo, dominador. E depois havia o beijo que ele me dava quando ele queria que eu fizesse algo que eu não queria fazer.

Aquele beijo foi simplesmente, perfeito.

Esse beijo não coube em nenhuma dessas caixas; não tinha definições, restrições, significados ocultos.

Esse beijo foi cru.

Poderoso.

Esse era o tipo de beijo que fazia a pessoa esquecer o próprio nome e rezar para nunca mais se lembrar dele.

Seus lábios estavam inchados quando deslizaram contra os meus, suas mãos agarraram os lados do meu rosto como se ele estivesse segurando algo precioso. O peso do seu corpo era delicioso e quente.

Julian balançou seus quadris lentamente contra mim como se estivesse pedindo permissão quando eu já estava me despindo mentalmente para ele.

Sua língua pressionou e torceu quando ele mudou de ângulo, aprofundando o beijo, me fazendo choramingar quando ele se afastou, o peito arfando, para me encarar.

Não tinha certeza de quanto tempo ficamos nos braços um do outro assim, sem fôlego, querendo mais.

Finalmente, quebrei o silêncio dizendo: — Você nunca me beijou assim antes.

Algo brilhou em seus olhos quando ele sussurrou: — Bom.

Ele desviou o olhar como se estivesse com raiva. Queria perguntar por que, mas então ele voltou a olhar para mim e beijou minha testa.

— Durma.

Teria que ser cega para não ver a evidência de sua excitação ou a maneira como todos os músculos de seu corpo estavam tensos, prontos para o ataque.

Ele estava se segurando.

E pela primeira vez, eu não queria que ele se segurasse.

Queria tudo dele.

Mas uma parte de mim estava com medo de que no minuto em que eu me abrisse para o que quer que fosse essa nova versão dele — ficaria arrasada.

E quando eu dei um sorriso aguado e me aconcheguei em seu peito e fechei meus olhos, lembrei-me do aviso.

Ele partiria meu coração.

Uma parte de mim se perguntou se ele já tinha.


Capítulo Dezessete

Bridge


Dormi como uma merda completa.

Parecia um monstro.

Acordei, fui para a academia e comecei a levantar peso como um louco. Julian tinha uma boa configuração, embora eu precisasse de halteres e pesos mais pesados, mas isso teria que ser feito por enquanto.

Três horas depois de beijá-la, levantei-me e comecei a bombear ferro. Era a única maneira de me impedir de tomá-la, de fazer o pior tipo de coisa que um homem na minha posição poderia fazer.

Tirar vantagem de alguém que pensava que eu era outra pessoa, um homem que ela costumava amar, quando eu era um completo estranho.

Quanto mais eu pensava, mais doente me tornava.

É isso que ser um Tennyson faz com alguém? Isso faz você justificar tudo para conseguir o que deseja?

Ontem à noite justifiquei o beijo porque disse a mim mesmo que era o que ele teria feito, e então me repreendi mentalmente porque estava sendo um idiota completo e não tinha ninguém para me chamar.

Não consegui seduzi-la quando ela pensou que eu era ele.

Não poderia me apaixonar por ela enquanto ele colhia o crédito pelo meu bom comportamento quando ele era um idiota completo que estava em coma.

Não poderia fazer nada disso.

Larguei meu haltere no chão, limpei o suor da minha testa com a toalha e olhei para cima.

Lá estava ela, um anjo de tortura em spandex e uma blusa de alças. Seus braços estavam cruzados, fazendo seus seios parecerem que precisavam ser liberados porque estavam muito apertados, e desde que eu era a única pessoa disponível...

Precisava dar o fora desse apartamento.

Ela me jogou uma toalha limpa e piscou. — Pensei que poderíamos trabalhar juntos.

Meu queixo caiu quando ela se curvou para amarrar o sapato, me dando uma vista maravilhosa de sua bunda. — Você quer malhar... comigo?

Vamos lá, idiota, você é um personal trainer!

— Por que não? — Ela sorriu. — Você disse que tem levantado mais e... — O rosto dela caiu com a minha expressão. — Na verdade, está tudo bem, eu posso apenas ir no elíptico ...

— Se você valoriza sua vida, você não vai terminar essa frase, — eu reclamei. — O aparelho elíptico nem é uma máquina real. Um treino geralmente produz suor, você não deve ter uma conversa completa com seu melhor amigo enquanto lê Cosmo e diz que está dando certo.

As sobrancelhas dela se ergueram com um gesto. Ah? E o Sr. Eu vou correr e usar meu fone o tempo todo conhece tanto sobre isso?

Não é à toa que ela ficou chocada com o meu corpo. Meu irmão era um idiota por não notá-la mais, por não lhe dar tudo na porra do mundo. Por não ver que ela só queria ser amada.

— Como eu disse, as coisas mudam. — Dei um meio sorriso para ela e apontei para o suporte de pesos. — Pegue algumas dezenas, eu vou submetê-la a um intenso circuito de braço, depois vamos fazer um Tabata.

— Tabata? — ela repetiu. — Isso é algum tipo de dança?

— Oh, querida. — Eu ri. — Você vai dançar.

Para seu crédito, ela não reclamou nenhuma vez, nunca me deu nenhum dos olhares desagradáveis com os quais eu estava acostumado quando submeti alguém a um treino de alta intensidade. Ela apenas fez o que foi solicitado.

Observá-la fazer agachamentos e avistá-la era pura tortura. Nós rapidamente mudamos da parte superior do corpo para a parte inferior do corpo, e agora eu estava assistindo a bunda dela descer devagar e para cima, para baixo e para cima. Forma perfeita, coxas perfeitas.

— Isto está certo? — ela chamou por cima do ombro.

Levantei minha cabeça em atenção, fiz um barulho sem compromisso que soava como se eu estivesse engasgando com alguma coisa, e então apertei um rouco — Sim.

Fiz isso para viver.

Tinha um monte de clientes do sexo feminino, que tentaram me acertar em um ponto do treinamento. No entanto, um agachamento inocente nas costas de uma mulher que nem estava tentando me tentar seria minha queda.

— Bem. — Limpei minha garganta. — Vamos fazer mais três.

Fechei os olhos por alguns breves segundos e depois assisti, assisti como se fosse minha última refeição, e me perguntei mais uma vez como meu irmão teria tido tanta sorte.

Ajudei-a a pesar os pesos e joguei uma toalha, minha mente uma mistura caótica de curiosidade e ciúmes. — Diga-me algo que você se lembra sobre nós.

Ela me deu um olhar engraçado.

— Quero dizer, antes de tudo isso.

— Ah, você quer dizer antes dos fundos fiduciários e carros de luxo. Você sempre teve dinheiro, apenas não teve acesso a ele. Isso não significava que você não tinha o carro mais bonito do campus ou as roupas mais caras que eu já vi.

Ela franziu a testa e deu um tapinha no peito suado com a toalha enquanto eu respirei fundo e esperei por mais palavras, mais pistas sobre como isso aconteceu. — Minha memória favorita é como nos conhecemos.

— Oh? — Estava morrendo de curiosidade. — Quero ouvir a história do seu ponto de vista...

Ela riu baixinho. — Você raramente viaja pela memória, com certeza quer fazer isso agora, comigo toda suada e você... — Sua voz sumiu quando ela engoliu lentamente e desviou o olhar. — Também suado?

Sorri com o óbvio desconforto dela. Excelente, pelo menos eu a afetei.

— Acho que podemos lidar com isso. Somos adultos, afinal.

— Vamos bater nos chuveiros, e eu vou lhe dizer. — Ela pulou em direção ao banheiro imaculado conectado à sala de ginástica enquanto eu estava de pé no lugar. Quando eu não segui imediatamente, ela enfiou a cabeça pela porta. — Julian, você está seriamente agindo de forma estranha. Sei como você é se eu não lavar suas costas e estou suada também. É só um banho.

Ela saiu de novo.

E eu murmurei baixinho: — Não, definitivamente não é.

Me forcei a fazer os movimentos enquanto eu lentamente tirava minhas roupas. Fiz um milhão de conversas animadas, abri a porta de vidro do chuveiro e me juntei a ela.

Nu.

Ela estava tão nua, sua bunda perfeita de frente para mim enquanto esfregava sabão em todo o corpo e entre os seios.

Rapidamente liguei o segundo chuveiro e comecei a pensar em cada coisa deprimente possível.

E então pensei em minha mãe.

E a doença dela.

E o fato de que haviam passado quase quatro semanas desde que eu a vi cara a cara.

E de repente eu não estava com vontade de tomar banho, conversar, fazer qualquer coisa, exceto ligar para ela e ter certeza de que meu pai estava mantendo o fim da pechincha ainda.

— Pensei que você era um idiota arrogante, — veio a voz de Izzy.

Virei minha cabeça.

— Diga novamente?

Ela riu e jogou uma bucha rosa para mim. — Você me ouviu. Você era tão arrogante, tão distante, todos no campus sabiam quem você era, quem era sua família. E desde que estudamos juntos no ensino médio e você meio que... me colocou sob sua asa quando eu estava namorando Ryan, bem, nós meio que clicamos. Além disso, não é como se não tivéssemos sido parceiros de estudos antes, quero dizer que nosso último ano foi o melhor, certo?

Merda. Não tinha ideia se era o melhor, porque eu não tinha a mínima ideia se ela estava me dizendo a verdade. Então, novamente, ela não mentiria, mentiria?

— Desculpe, ainda estou focando no comentário 'arrogante', — provoquei, evitando toda a pergunta. — Esperava que você dissesse algo como 'E então eu caí aos seus pés, porque caramba, é Julian Tennyson’.

Ela fez uma careta. — Você amaldiçoa mais agora, sabia disso?

— Quase morri, sabia? — Desviei com uma piscadela.

— Touché—. Ela sorriu. — E não, eu não caí aos seus pés, mas depois de todo esse problema com a matrícula e meus pais morrendo, apenas... Não sei, foi tão natural se voltar para você, para seu pai. Vocês me deram tudo e eu fiquei tão agradecida por ter uma família que se importava quando pensava que não tinha ninguém. Vocês deram um grande passo. — A escuridão nublou sua visão. — As coisas mudam, não é? Quando você envelhece e percebe que o mundo não é o lugar que você pensou que era?

— Sim, infelizmente eles fazem. — Agarrei seus ombros macios e a virei para que eu pudesse recuperá-la. — Você sente falta, de antes?

— Sim, — ela disse sem pensar. — E não.

— Porque não?

— Porque eu não estaria aqui no chuveiro com você se não tivesse esbarrado com você naquele dia na Anatomia Humana, se não nos tivéssemos reconhecido, ido tomar um café. Nós éramos inseparáveis depois disso.

Na verdade, ela fez meu irmão parecer mais um salvador do que um trapaceiro. De repente, fiquei com fome de mais informações sobre a vida dele, como se fechasse o abismo de ressentimento entre nós. Eu tinha tantas perguntas que eu nem sabia por onde começar e não sabia o quanto eu poderia empurrar sem parecer suspeito.

— Então o que você está dizendo — esfreguei a bucha sobre sua pele macia — é que eu nem sempre fui um idiota?

— Você sempre foi um idiota, apenas um idiota e depois... — Ela parou de falar, seu corpo enrijecido.

— E depois? — Parei de lavar e esperei.

— Nós crescemos. — Ela parecia arrasada. — Deixamos caminhos infantis para trás, quando a comida chinesa barata e a aprovação nas finais eram as únicas coisas que preocupávamos. Mas o mundo não se importa com isso, não com o mundo Tennyson. Este mundo exige perfeição. Às vezes, acho que você se arrepende de me trazer para isso. Outras vezes, acho que você prefere me matar do que me deixar sair.

Ela se afastou, depois desligou o chuveiro e pegou uma das toalhas.

Vi um lampejo de pele através do vapor ondulando em torno de seu corpo.

E percebi que tinha me esforçado muito rápido.

Que tipo de homem diabólico era meu irmão? Ele era o monstro? Ou ele estava tão preso quanto ela?

Ele era o controlador ou era tão controlado?

Em que diabos eu me meti?

Não era como se eu pudesse perguntar a ele. Estraguei meu cérebro, bati minha mão contra a parede, depois desliguei a água do meu lado.

Quando tirei a toalha e voltei para a cozinha, ela se foi, deixando um bilhete dizendo que saiu para tomar um café.

Estava sozinho no apartamento pela primeira vez desde que roubei a vida de meu irmão.

Olhei para o escritório que eu não tinha posto os pés. Era tecnicamente meu. Ela não seria jogada fora se me visse lá dentro. Mas algo sobre estar aqui parecia errado. Tão errado quanto beijá-la.

Pensei nela se encolher quando ela me viu, na raiva saindo de seu corpo, na maneira como ela parecia sangrenta e espancada, mesmo que não tivesse feridas ou cicatrizes físicas. E minha justificativa foi fácil.

Eu era o mocinho.

Eu era o cavaleiro.

Entrei no escritório e fechei a porta atrás de mim. Tudo parecia ter acabado de ser limpo. Uma grande mesa de madeira escura ficava no meio, estantes de livros alinhadas nas duas paredes, janelas perfeitas davam para a cidade, e havia um bar e charutos molhados ao lado de uma ampla cadeira de couro e otomano.

Claramente, meu irmão gostava das melhores coisas, se esse decanter de cristal fossem algo a se fazer.

Contornei a mesa e me recostei na cadeira de couro do escritório, depois tentei abrir a gaveta certa.

Não se mexeu.

Tentei o meio. Pelo menos se mexeu, mas tudo o que vi foram canetas, blocos de papel.

Tinha todas as senhas dele no meu chaveiro. Sentei-me na mesa ameaçadora e liguei o laptop, depois comecei a digitar suavemente o login, a senha apareceu e foi preenchida automaticamente. Sua tela ganhou vida.

Na tela principal, vi uma conta com um depósito inicial de cinquenta mil dólares.

O mesmo valor que chegou no ano passado.

Ele criou um fundo para mim e nossa mãe, com depósitos feitos a cada maldito mês de dinheiro suficiente para...

Apertei meus olhos com força.

A culpa desceu como uma névoa sufocante.

Anos atrás, prometi ao meu irmão que o protegeria.

E eu falhei.

Só para descobrir que durante o último ano, ele estava tentando me proteger.


Capítulo Dezoito

Isobel


Precisava de ar. Pensei que caminhar na chuva me faria sentir melhor, mais como eu. Em vez disso, eu ainda sentia a consciência do olhar de Julian e da maneira como ele não parava de me observar naquela manhã quando malhávamos juntos, quando tomamos banho juntos.

Eu já tinha visto o homem nu mais vezes do que eu poderia contar, e por alguma razão estranha parecia a primeira vez que estávamos no banho. Provavelmente agi como uma lunática quando desviei o olhar do seu tanquinho.

Ele sempre tinha um corpo em forma, e eu sempre fui atraída por ele. Parecia que toda mulher estava atraída por ele, mas isso... as borboletas no meu estômago ameaçavam explodir para fora do meu corpo quando ele me observava, quando me provocava.

Sorri para mim mesma quando dobrava a esquina e seguia em direção ao apartamento. Do meu bolso veio o toque do meu celular no momento em que o porteiro abriu a porta.

Acenei para ele com um sorriso e respondi. Era o hospital.

— Isobel! — Annie sempre parecia tão animada para falar comigo. Ela tinha mais de vinte anos, amava seu trabalho de enfermagem e sempre tinha um sorriso pronto para todos que ela via. Ela era minha primeira amiga quando comecei o trabalho voluntário e tínhamos acabado de clicar, talvez porque com Annie o que você vê é o que recebe. Não houve manipulação, nem regras, apenas amizade. — Quando você vai voltar? As enfermeiras sentem sua falta, as crianças continuam reclamando que os outros voluntários não leem as histórias corretamente, e cerca de metade da equipe de enfermagem não para de perguntar sobre esse seu noivo sexy.

— Ele é sexy, não é? — Ri ao telefone, me sentindo mais livre do que em meses, como uma garota em seu primeiro encontro sendo cortejada novamente. A apreensão que vinha me sobrecarregando nas últimas semanas estava se dissipando lentamente quando Julian e eu caímos em mais uma parceria, mais do que tínhamos antes do pai dele começar a dar ultimatos. — Temos o banquete hoje à noite com a IFC. Todos na Tennyson Financial estarão lá, além de muitas celebridades e influenciadores. Estou semi-livre depois disso, então acho que voltarei segunda-feira? Não posso ficar até tarde, no entanto. Julian será oficialmente nomeado CEO na segunda-feira e eu quero estar lá quando ele chegar em casa.

— Mmm, eu aposto que você faz, — ela brincou.

Soltei uma pequena risada. — Você sabe que isso é tudo o que ele sempre quis, finalmente ser CEO, e entre você e eu, parece que ele está finalmente, eu não sei... percebi que há mais na vida do que Tennyson.

— Da sua boca aos ouvidos de Deus. — Annie foi uma das poucas pessoas em que eu já havia me confidenciado e, mesmo assim, eu não contei tudo a ela, apenas o suficiente para ela saber que os últimos seis meses haviam sido uma tensão severa em nosso relacionamento.

— Certo. — Olhei para o prédio e respirei fundo. — Preciso me arrumar, mas vou me conectar com você segunda-feira, ok? Deixe as crianças saberem? E diga às enfermeiras da ala infantil que Julian se recuperou completamente.

— E quando você diz completo? — Quase podia ver as sobrancelhas dela se estreitando enquanto ela esperava por detalhes suculentos.

— Ele ainda está ferido, Annie...

— Ei, mesmo machucado, estamos falando de Julian Tennyson.

— Verdade. — Ri e depois fiz uma careta. Ele não tinha... me tocado, não foi? Quero dizer, ele estava se curando, mas ele só me beijou, e apenas uma vez com calor.

Quase derrubei o telefone no concreto.

Julian era muitas coisas, mas em casa, sem pessoas nos observando... Quero dizer, quando ele estava em casa, ele pelo menos me beijava. Na verdade, ele era o mais atencioso quando éramos apenas nós.

— Você ainda esta aí?

— Não, eu quero dizer sim. — Toquei minha boca com as pontas dos dedos. — Desculpe, só de pensando. Segunda-feira?

— Vejo você então!

— Tchau! — Desliguei e bati meu telefone na minha coxa enquanto entrava no elevador. As portas se fecharam.

Ainda estava pensando sobre isso, o que era ridículo. Talvez ele estivesse apenas me dando tempo após o incidente da empregada.

Isso faria sentido, certo?

Quando voltei para o apartamento, o som familiar da CNBC encheu o ar junto com Mozart. Fazia anos que Julian não ouvia Mozart. De fato, ele costumava reclamar de um amigo que tinha no colegial que não fazia nada além de tocar música clássica para torturá-lo.

Pensei que era fofo, já que Julian raramente compartilhava seu passado comigo. Era como se ele se recusasse a voltar para o ensino médio e reviver qualquer momento de sua vida antes disso.

Até perguntar sobre sua mãe estava fora dos limites.

Quando perguntei sobre seu passado, sobre sua verdadeira mãe, isso levou a outra briga. Ele me disse que ela era a única coisa que ele não discutia.

E eu o amava o suficiente para desistir. Todos nós tínhamos nossas coisas, certo?

Andei pelo corredor e passei pelo escritório, depois voltei atrás. A porta estava aberta e lá ele estava sentado. Era uma cena tão familiar que parei. Ele tinha uísque na mão direita e estava olhando para a tela em completa concentração.

Julian completamente. O encontrei inúmeras vezes dormindo em seu próprio escritório, porque ele trabalhava demais. Nunca se poderia dizer que Julian era preguiçoso. Na verdade, ele era viciado em trabalho.

— Ei. — Bati levemente. — O Esquadrão Glam deve estar aqui em breve. — Cruzei os braços e esperei que ele assentisse com a cabeça e me dispensasse, como costumava fazer quando estava trabalhando. Um prêmio explodiu em mim quando ele passou as mãos pelo rosto, parecendo estar mais exausto do que jamais esteve em toda a sua vida.

— Esquadrão Glam? — ele perguntou depois de tomar um longo gole de uísque. — Como nas Kardashians?

Olhei para ele e sorri. — Acho que, se essa é a comparação que você deseja fazer, sim, fazemos o banquete em algumas horas e eles sempre vêm aqui e nos preparam para parecermos perfeitos.

Ele fez uma careta. — Você está dizendo que eu ainda não sou perfeito?

Revirei os olhos. — Pelo menos seu ego sobreviveu ao acidente, hum?

Ele sorriu. — Decepcionada?

— Nunca. — E eu não estava. Sua confiança, sua arrogância, foram o que o fizeram... ele.

Me virei quando ele disse: — Os caras não usam maquiagem—. Embora fosse mais uma queixa do que qualquer coisa.

— Ah, você ficaria surpreso. — Sorri. O homem usava maquiagem para todas as sessões de fotos e entrevistas na TV. Foi o que foi feito. Ele sabia melhor do que ninguém. Sem novos rostos, e se eles eram novos, eram feitos para parecer assim, você adivinhou, maquiagem.

— Posso te perguntar uma coisa? — Ele ficou de pé sobre a mesa. Por que de repente parecia tão pequena ao lado dele e quando ele se tornou tão intimidador?

— Claro.

— Por que você está se casando comigo?

Estava atordoada demais para responder. Isso era um truque? Outra maneira de me entender ou ver onde eu estava para que ele pudesse me manipular?

Seus olhos focaram nos meus como se ele estivesse com medo de se virar.

E descobri que não podia mentir para ele, não mais. — Porque há muito tempo me apaixonei por um garoto que me disse que tudo ficaria bem. E eu acreditei nele. E quando aquele garoto se tornou homem, eu perdi um pedaço dele todos os dias. Disse que sim, porque a garota estúpida em mim pensou que o traria de volta.

— Obrigado. Por ser honesta — ele disse suavemente.

Balancei a cabeça. — Aprendi há muito tempo que a honestidade raramente muda alguma coisa e, geralmente, gera mais problemas.

— Agradeço da mesma forma. Além disso, não é como se um de nós tivesse escolha, não é?

Me encolhi um pouco. — Você está dizendo que não tem escolha a não ser se casar comigo? Romântico. Agora, se você me der licença...

— Espera. — Seu corpo enorme se moveu ao redor da mesa e então ele estava na minha frente, segurando meu rosto entre as mãos, me encarando como se eu fosse a resposta para tudo. — Me pergunte.

— Pergunte a você o que?

— Mesma questão.

— Você está tentando me punir? — Lágrimas encheram meus olhos. Este era o velho Julian, isso era cruel. Não queria a resposta dele, não aguentava.

— Confie em mim.

Tremendo, eu finalmente desisti, porque eu queria sair dos braços dele, sair daquela sala. Queria esquecer como era fácil para ele me machucar. — Por que você está se casando comigo?

Ele levantou meu queixo com o dedo indicador e sussurrou: — Porque eu quero passar o resto da minha vida tentando descobrir como não apenas fazer você feliz, mas libertá-la.

Suspirei. Se ele dissesse que me amava, eu não teria acreditado nele. Se ele tivesse dito que eu era bonita, teria caído em ouvidos surdos.

Mas ele disse que queria a minha felicidade. Minha liberdade.

— Isso significa que você planeja fazer exatamente isso? Me libertar?

— E se ser livre significa que você fica comigo? — Ele sorriu e pressionou seu corpo contra o meu, lembrando-me mais uma vez como ele se sentia bem, como ele se sentia. — Bem assim.

Respirei fundo quando ele me empurrou contra seu peito. Inclinei-me na ponta dos pés, mas ele não me encontrou no meio do caminho. — Julian?

— Humm? — Todos os músculos estavam tensos. Sua mandíbula estava apertada como se ele estivesse tentando não cerrar os dentes, tentando e falhando. — Por que você não está me beijando? Por que você não está me beijando? Quero dizer, realmente me beijando?

Seus olhos brilharam com algo que parecia triste quando ele disse: — Talvez eu não sinta que mereço sua boca, não depois do que eu fiz com você, não depois dos últimos meses. Não após... — Ele engoliu em seco. — Os sapatos.

— Não se trata de sapatos.

— Não, — ele sussurrou, colocando meu cabelo atrás da orelha. — Isso é sobre você vir para mim quando estiver pronta. Isso faz parte da liberdade, Izzy, dando a você a escolha, não forçando isso em você.

Suas palavras foram como um bálsamo para minha alma. Me levantei na ponta dos pés novamente, pronta para beijá-lo sem sentido, para agradecê-lo por dizer isso, por finalmente me entender, por entender, quando a campainha tocou.

Ele suspirou. — Nós poderíamos fingir que não estamos em casa.

Sorri, meus dedos segurando a parte de trás de seu pescoço, tocando sua pele, me perguntando por que parecia tão melhor do que antes, estando tão perto dele. — Faça isso e dê um beijo de despedida na sua posição de CEO. Isso é importante para a empresa, então vamos cumprir nosso dever, aquele criado em você desde que seu pai costumava trancá-lo em seu quarto e fazê-lo.

O rosto de Julian empalideceu. — O que você disse?

Foi a minha vez de dar a ele um olhar engraçado. — Não me diga que o acidente reprimiu essa memória também? — A campainha tocou novamente, eu comecei a me afastar, mas ele me agarrou pelo pulso e me segurou lá. Era outro assunto que ele raramente discutia, porque era infalível, embaraçoso, porque me mostrava por que era tão importante para ele provar a si mesmo.

— Ele te chamou de fraco, lembra? — Sussurrei, incapaz de olhar para ele. — Você estava passando por um momento muito difícil. Era o seu segundo ano do ensino médio, e você começou a passar por esse estágio rebelde, experimentando drogas, ficando fora até tarde, e ele começou a trancá-lo em seu quarto. Quando você não parou, ele o tirou da escola pelo resto do ano, conseguiu um professor particular e disse na sua cara que você nunca o deixaria orgulhoso, e você fez a sua missão de prová-lo errado.

Deus, eu odiava dizer isso a ele.

Odiava reformular.

— Lembro. — Julian não parecia convincente. — Não há problema em odiá-lo tanto quanto eu o amo, certo?

— Honestamente, eu não sei. — A campainha tocou novamente. — Preciso atender isso, ok?

— Sim. — Ele não parecia nem remotamente bem, mas precisávamos nos arrumar e fazer nosso trabalho. Engraçado como costumávamos ter conversas animadas naquela época, principalmente ele me dizendo que tudo ia ficar bem. E hoje, de todos os dias, quando seu futuro finalmente estava ao seu alcance, eu era a pessoa que precisava convencê-lo.

Mundo estranho, estranho.


Capítulo Dezenove

Isobel


Sorri firmemente para todas as pessoas certas enquanto passávamos pelo paparazzi. Julian se agarrou a mim como se tivesse esquecido a insanidade desses eventos. Seus olhos estavam um pouco arregalados, e ele continuava lambendo os lábios como fazia quando estava nervoso. Provavelmente era o fato de que ele parecia ter sofrido um acidente também; até a maquiagem não conseguia esconder os hematomas no rosto ou a maneira como ele mancava ao meu lado.

A imprensa estava tendo um dia de campo, gritando perguntas e acusações sobre alguém tentando machucá-lo antes da compra. Era tudo especulação, e não seria a primeira ameaça que os Tennyson recebiam por causa de dinheiro. De fato, todo novo assistente foi examinado por uma equipe de segurança privada, especialmente para os oficiais corporativos mais próximos da família.

O dinheiro enlouquece as pessoas.

Isso nos deixa um pouco loucos, não?

E estúpido.

E fraco.

Meu interior ficou mole quando Julian sorriu ao meu lado, sua confiança crescendo a cada passo quando finalmente entramos no Old New York Museum. Todos os anos a empresa realizava o Baile de caridade Tennyson, e todos os anos eles afastaram as celebridades do evento apenas para convidados.

Costumava entrar em lugares como esse com estrelas nos meus olhos.

Agora me sentia cansada.

- Muita gente — Julian finalmente murmurou para que eu pudesse ouvir quando ele pegou duas taças de champanhe de um garçom que passava. — Me pergunto se o pai entende que o traumatismo craniano de força contundente não faz exatamente com que você queira festejar a noite toda. É mais provável que desmaie em uma das fontes de água do que converse sobre ações.

Sorri com isso e brindei meu copo com o dele. — Você costumava prosperar nesse ambiente, como uma abelha indo de grupo em grupo, a vida da festa com todos os truques perfeitos de festinha.

— Você está dizendo que eu sou chato agora? — Ele sorriu para mim. Me vi perdida em seu sorriso fácil e do jeito que me fazia sentir quente até os dedos dos pés.

— Bastante. — Bebi meu vinho.

Ele começou a rir, chamando a atenção de algumas pessoas próximas. Eles arfaram como se ele fosse o vilão em uma história de horror, o que apenas tornou a situação mais inacreditável. Julian sempre foi o herói, sempre com quem as pessoas queriam conversar, as mulheres queriam se casar, os homens queriam ser.

— Ah, Julian. — Edward caminhou em nossa direção com alguns membros do conselho que reconheci.

Todos pareciam vampiros pálidos, pelo menos é assim que eu os via. Só eles eram completamente inofensivos, mal conversavam e olhavam para Edward como se ele tivesse criado a Terra em seis dias. Revirei os olhos mentalmente enquanto sorria lindamente para cada um.

— Filho, estávamos discutindo a compra da IFC.

— É claro que você estava, — Julian disse em um tom entediado que eu nunca o ouvi usar com o pai ou na frente dos membros do conselho. — Eu pensei que isso era uma celebração. Está no papo. Espero que nenhum de vocês tenha alguma preocupação?

Os olhos de Edward brilharam com algo que eu nunca tinha visto antes. Orgulho? Raiva? Não sabia dizer, mas isso me fez querer correr na direção oposta ou simplesmente jogar meu champanhe nele para fazê-lo parar de olhar para Julian daquele jeito, e para mim, nesse caso.

Sim, bem... — Edward levou o copo aos lábios e tomou um gole, depois piscou para Julian. — Meu filho — ele disse filho de uma maneira que fez minha pele arrepiar — está sempre correto. Deveríamos estar comemorando, sem discutir negócios. Afinal, ele ainda está sofrendo com os ferimentos, mas você está se sentindo como seu antigo eu, não é, Julian? Odiaria ouvir o contrário.

Julian parecia pronto para cometer assassinato.

Os membros do conselho começaram a sussurrar entre si.

Isso foi ruim.

Julian porem recuperou-se ao dizer.

— No dia do meu acidente, as ações caíram trinta por cento. No momento em que os noticiários descobriram que eu estava, de fato, sobrevivendo a ferimentos catastróficos, eles dobraram e depois se separaram, tornando cada um de vocês milhões mais ricos. Sem ofensa, pai... — Ele cuspiu a palavra. Quem era esse homem? — Mas eu duvido que teríamos os mesmos resultados se você voltasse dos mortos, não é?

Edward ficou um tom de roxo. Os membros do conselho pareciam suspirar de alívio, como se estivessem esperando Julian tomar as rédeas, para mostrar a todos que Edward poderia possuir mais ações, mas Julian estava no controle. Era uma coisa estranha para Julian fazer, mas eu o respeitava por fazê-lo, mais do que eu jamais seria capaz de expressar.

— Agora, senhores, temos muito o que discutir. Na próxima semana, quando minha assinatura como CEO estiver nesse documento, podemos avançar. Até então, sugiro que você encontre alguém bonito para dançar, mas terá que me desculpar, minha futura esposa e futura parceira da Tennyson Financial está atualmente ocupada.

Passamos por sorridentes membros do conselho. Alguns riram, outros ergueram seus óculos no ar como Julian não podia fazer nada errado, e pela primeira vez em meses eu quis levantar meu copo e dizer algo.

Edward ficou lá, olhando furioso como uma estátua de pedra furiosa, enquanto Julian pegou nossos dois copos e os colocou em uma mesa próxima, depois me puxou para a pista de dança em um giro perfeito.

— Você está sofrendo de algo mental, ou acabou de descobrir que seu coração e as bolas são realmente maiores do que você pensava, — eu disse, tentando parecer entediada enquanto estava dançando um pouco. — Você percebe a quem você enfrentou?

— Meu pai? — Julian deu de ombros.

— Não apenas seu pai, mas membros do conselho que controlam toda a empresa. Se eles tivessem tomado o confronto da maneira errada...

— Mas eles não confiaram em mim, mesmo que o fizessem.

Ele me girou novamente.

Quando nos encaramos, sua expressão era ilegível.

— O que você sabe que eu não?

— Muito, — ele disse rapidamente. — Estava estudando arquivos no meu computador e encontrei algumas coisas antes, coisas que parecem que eu já estive... hum... planejando alguma coisa... — Ele sorriu para alguém por perto e me girou na direção oposta. — Passei horas revisando documentos e tudo aponta para um plano para que eu realmente assuma tudo. Você sabia que papai vendeu mais ações no ano passado? Ele não é mais o acionista majoritário, ele queria que a IFC fosse ruim o suficiente para fazer algo que ele normalmente não faria.

Quase tropecei. — O que exatamente você está dizendo?

Ele apenas sorriu. — Estou dizendo que tenho todos os direitos e, pela primeira vez na vida, acho que o velho e querido pai está com medo.

— Quantas ações você possui?

Ele abriu a boca e fechou como se não tivesse certeza. — Digamos que, depois de assinar esses papéis na segunda-feira, serei dono de um terço da empresa e o conselho possui outro terço.

— E o último terço?

— Investidor silencioso —. Algo cintilou em seus olhos. — Alguém que papai não queria que ninguém soubesse. Peguei o nome e as informações dele e vou marcar uma reunião... — Ele desviou o olhar. Odiava que ele não estivesse olhando para mim, especialmente porque ele estava realmente falando sobre derrubar Edward de todas as pessoas, o único homem no mundo que ele já fez alguma coisa.

Segurei seu rosto, lágrimas nos meus olhos. — Você realmente mudou.

Ele suspirou. Nossas testas se tocaram quando ele me girou em torno de novo e me mergulhou, depois pressionou um beijo ardente no meu pescoço.

— Senhoras e senhores... — Edward pegou o microfone enquanto a música tocava suavemente em segundo plano. — Estamos muito agradecidos por todos que comparecerem hoje à noite. Arrecadamos mais de um milhão de dólares para a nossa organização sem fins lucrativos, a Green Tree. Colocaremos comida em milhares de mesas durante as férias e não poderíamos fazê-lo sem você.

Bater palmas se seguiu enquanto Julian se agarrava a mim.

— Esta noite estamos comemorando mais do que uma compra da IFC, uma parceria com uma das maiores empresas financeiras do país. Lenta e seguramente, mudaremos o mundo. — As pessoas o adoravam com mais aplausos e isso me deixou doente. Toquei meu estômago e esperei que seus olhos caíssem para nós, e eles acabaram. — Também estamos comemorando outra coisa. Julian, meu filho, você traria sua noiva para o palco?

Julian sorriu quando colocou a mão nas minhas costas, levando-nos a subir as escadas. Enfrentamos a multidão, de mãos dadas, enquanto Edward pegou uma taça de champanhe e a levantou no ar. — Também não poderia estar mais feliz em anunciar a recuperação milagrosa do meu filho. — As pessoas aplaudiram tão loucamente que era como se estivéssemos em um show de rock. — Isso fez com que toda a família refletisse sobre o que é mais importante, e estou feliz em anunciar que ele e Isobel Cunningham se casarão na semana que vem no sábado no York Country Club. Não deve ser um choque, basta olhar para eles, jovens, apaixonados e herdeiros de uma empresa de bilhões de dólares. Eles não são simplesmente maravilhosos?

Julian levantou o copo no ar como eu, como esperávamos, por alguns breves momentos tudo pareceu tão real, o conto de fadas que Julian havia prometido, a vida que ambos tínhamos falado sobre ter.

Uma família.

Nós juntos novamente, trabalhando para sermos mais fortes do que nunca.

Meus olhos se encheram de lágrimas quando as pessoas começaram a gritar: — Beijo! Beijo! Beijo!

Julian se virou para mim e me jogou de volta, pressionando um beijo faminto nos meus lábios. Coloquei meus braços em volta do pescoço dele e o aprofundei. Ele tinha gosto de morangos e champanhe, seus lábios estavam quentes, carentes. Quando finalmente paramos de nos beijar, foi para ouvir a gritaria e mais aplausos.

Edward deu o microfone para Marla, e ela agradeceu aos convidados. Então ele se virou para nós e piscou. — Não achei que você tinha isso em você, Julian. Acho que este será o começo de algo lucrativo para todos nós, não é?

Era impossível não perceber o ódio que brilhava nos olhos de Julian, ódio que eu nunca tinha visto antes.

Fiz uma anotação mental para perguntar mais tarde o que havia mudado.

Foi o acidente?

Ou ele estava apenas cansado como eu? Cansado de fingir, cansado de fazer isso, apenas cansado da vida de Tennyson e pronto para estragar tudo?

Eu esperava pelos dois.

E me apeguei a essa esperança mais do que uma garota deveria.

 


Capítulo Vinte

Bridge


A exaustão bateu forte e rápido. Não me lembro de ter tirado minhas roupas antes de pousar na cama naquela noite. Pelo menos eu tinha uma melhor compreensão dos obstáculos que Julian tinha que pular, e meu respeito por ele aumentou um pouco depois de tirar uma foto minha e ter que parecer feliz quando eu estava tão cansado .

Estava confuso sobre o que eu ia fazer.

Não ajudou que minha mãe tenha mandado uma mensagem logo na manhã seguinte ao banquete; ela estava de volta ao pronto-socorro.

No minuto em que Izzy saiu da sala, fechei a porta do banheiro. Sentei-me na banheira, meu telefone antigo na mão. Tive o cuidado de mantê-lo em silêncio e escondê-lo na parte de trás do armário. Precisava dessa conexão com a mãe, no entanto. Tentei não imaginar o pior. O tubo de alimentação dela caiu? Alguma coisa estava infectada? Estava tentando tanto manter uma fachada calma com Izzy que deixei a bola cair completamente com mamãe, mas não podia estar em dois lugares ao mesmo tempo.

Pelo menos não com Julian ainda lutando.

Ela atendeu no terceiro toque.

— Mãe? Mãe, você está aí?

— Oh, querido, oi! — Ela parecia tão cansada quanto eu. — Não queria te preocupar, me desculpe. Foi por isso que mandei uma mensagem. Meu tubo de alimentação caiu e, aparentemente, o local da incisão foi infectado. Estava tudo vermelho e irritado.

Estremeci só de pensar na dor que ela estava passando. A minha não era nada comparado as dela. — Eles podem te dar alguma coisa pera dor?

Sabia a resposta, mas ainda fiz a pergunta, esperando um milagre.

— Oh baby, você sabe que eles não podem. Eles tentaram um gotejamento de morfina, mas minha pressão arterial caiu tão baixo que desmaiei.

— Merda. — Pendurei minha cabeça em minhas mãos. — Preciso voltar para casa.

— Não se atreva.

— Mãe.

— Bridge. — Ela levantou a voz, que estava completamente fora do personagem. — O que você está fazendo, o que você fez... Tenho dormido, é um milagre, é como se eu não tivesse medo de fechar os olhos. Até ganhei cinco quilos. Este é um pequeno revés. Vou ficar bem.

— Cinco quilos? — Me apeguei à esperança. — Mãe, isso é incrível!

— Eu sei. — Ela parecia feliz, apesar de ainda parecer cansada. — Confie em mim, isso não é nada. Os médicos disseram que vão me tirar daqui quando a infecção for resolvida. Estou passando um creme antibiótico e já está ajudando.

— Boa.

A linha ficou quieta.

— Vi você na TV ontem à noite, — ela sussurrou. — Ela é linda.

E aí estava. — Sim.

— Ela sabe?

Engoli mais culpa. — Não. De modo nenhum. Embora eu ache que ela gosta mais de mim.

Poderia jurar que ouvi minha mãe revirando os olhos.

— Revirei os olhos, — afirmou ela quase imediatamente.

Soltei uma risada. — Sim, achei que sim.

— E Edward? — Ela sempre parecia estar com muita dor quando dizia o nome dele, como se fosse uma ferida que nunca se curaria completamente. — Ele está te tratando bem?

— Claro, se ser forçado a se casar com a noiva de seu irmão é bom, então sim, eu sou perfeitinho.

— Oh filho. — Ela parecia tão triste que partiu meu coração. —Estava indo perguntar, mas imaginei que era apenas mais uma das cláusulas que ele colocou naquele maldito contrato, apenas outra maneira de controlar você.

— Sim. — Minha voz falhou.

— E seu irmão? Como ele está?

— Eu o vi há quase um mês. Não sei, mãe, ainda sentia tanto ressentimento por ele, mas estou aprendendo algumas coisas...

— Coisas?

— Ele criou um fundo para nós.

— Isso soa como Julian, — disse ela suavemente. — Imagino que ele depositou esses cinquenta mil dólares pelo cheque que você rasgou e pisou?

Sorri tristemente. — Ah, sim, mais alguns zeros. Ele tem mais de dois milhões nessa conta, mãe, com nossos nomes.

Ela ficou em silêncio e depois sussurrou: — Ele é seu irmão. Isso significa que a parte dele que é boa, a parte que você amou, a parte que eu ainda amo está lá, querido. Você sabe que ele nunca soube se expressar bem, e seu pai não era exatamente educador. Nenhum de nós é perfeito.

— Ele nem vem te ver! — Eu rugi. A dor explodiu em minhas costelas quando eu pulei de pé. — Ele finge que você não existe.

— Ele fez. — Ela disse isso baixinho, vergonhosamente.

— Ele fez o que?

— Visitou. — Ela fungou. — Ano passado. Você estava no trabalho. Ele trouxe dinheiro durante o Natal, foi assim que comprei a nova tela plana. Sinto muito, só queria que você tivesse algo de bom. Ele disse que traria mais dinheiro. Ele começou a ligar todas as semanas e, em seguida, me disse que precisava esperar por algum acordo, disse que precisava falar com você. Sinto muito. — Ela chorou mais. — É minha culpa. Você estava com tanta raiva dele, e ele disse que era importante, e então fiquei mais doente. Isso foi uma semana antes do acidente.

— Você acha que ele estava preocupado que papai tentaria alguma coisa?

— Seu pai é um homem perigoso. Agora que ele está envelhecendo, ele está pior do que antes. Ele tem dois filhos brilhantes prontos para assumir e fazer algo ótimo, e acho que ele tem medo. E o medo nunca é um bom sinal.

— Estou seguro, mãe, eu prometo, e eu direi... — Minha voz falhou. — Vou dizer a Jules que você disse oi.

— Eu te amo filho. — Ela parecia estar chorando. — Você diz a ele para lutar, certo?

— Bem. — Engasguei. — Eu te amo... muito.

Ela terminou a ligação.

Olhei para o meu telefone.

E então me levantei quando a porta do banheiro se abriu, revelando uma Izzy irritada.

— Você ama quem exatamente?

Ela andou na minha frente, escova de cabelo na mão.

— Não acredito que aceitei sua palavra! Quem era dessa vez, mesma empregada? Uma diferente? Marla? Humm? Sou tão idiota!

Ela jogou a escova de cabelo, mirando em meu olho recentemente curado.

Me abaixei e a agarrei pela cintura. Ela me deu uma cotovelada em algumas costelas que eu sabia que ainda estavam quebradas, me deixando de joelhos de dor.

— Boa. Espero que você se machuque! Você prometeu!

— Izzy, — chiei. — Essa era a minha mãe.

— O que? — Ela congelou. — Você nunca fala sobre sua mãe. De fato, a última vez que perguntei sobre ela, você saiu do meio da conversa e foi ao seu escritório fazer beicinho!

Caramba, Julian, por que você não falou com ela?

Não era difícil falar com Izzy!

— Papai finge que ela não existe. Me reconectei com ela logo antes do acidente.

Parcialmente verdade.

— Descobri que ela está realmente doente e queria ajudar. Na noite passada, ela me mandou uma mensagem de que estava de volta na emergência.

A única maneira de manter a mentira certa era contar a verdade. Meu peito estava pesado enquanto eu retransmitia a informação.

Izzy balançou a cabeça, seus olhos se estreitaram. — Então você a manteve longe de mim por quase toda a nossa vida juntos? E agora, você quer se reconectar? Estou chamando seu blefe. Uau, a garota deve ter uma b mágica.

— Vou aguentar tudo, Izzy, mas falar sobre minha mãe de qualquer maneira negativa... — Fiquei na minha altura máxima. -Não vou permitir isso. Nunca.

Izzy olhou para mim, realmente olhou para mim. — Digamos que eu acredito em você. Seu pai sabe?

— O que você acha? — Cuspi. — Ele sabe. Ele simplesmente não se importa. Ele a traiu, ela saiu, fim da história.

Passei minhas mãos pelos meus cabelos. — Ele finalmente está pagando algumas contas, mas na verdade não se importa.

Izzy estendeu a mão. — Quero ver no FaceTime o último número chamado.

— A confiança é profunda, — murmurei, rezando para Deus que minha mãe não apenas respondesse, mas soubesse exatamente o que dizer quando entreguei a Izzy meu telefone.

Ela apertou o FaceTime na tela e esperou.

Um toque.

Dois toques.

Três toques.

— Bridge?

Izzy olhou para a tela. — Bridge? Não, essa é a noiva de Julian. Estou ligando do telefone dele. Quem diabos é Bridge?

A boca da mamãe se abriu e ela colou uma expressão vazia no rosto. — Sinto muito, querida. Bridge é um apelido que eu costumava chamar Julian. Quando ele tinha cinco anos, fez xixi nas calças em uma ponte porque era muito alta e o apelido meio que ficou preso.

Filha da puta! Jogado debaixo do ônibus por minha própria mãe? É verdade que a história era verdadeira, mas era realmente sobre mim, não sobre Julian. Me mexi desconfortavelmente.

Izzy olhou e olhou, e depois começou a rir, enxugando lágrimas dos olhos. Minha mãe se juntou enquanto eu olhava. — Essa é a melhor coisa que eu já ouvi o dia todo!

Não tinha visto minha mãe rir tanto em um longo tempo, a única razão pela qual eu não estava perdendo a cabeça. O sorriso dela sempre me envolvia. Todo dia era o sorriso dela pelo qual eu vivia, lutava e queria ganhar.

Izzy respirou fundo. — Sinto muito por ligar assim. É que, eu entrei, ele estava dizendo eu te amo e...

— Oh, querida, não culpe Brid — quero dizer Julian, por isso. Foi muito doloroso para trazer à tona. Além disso, seu pai nunca quis que o público soubesse de mim, especialmente agora que estou morrendo.

Izzy colocou a mão no peito. — Existe algo que possamos fazer? Os médicos da cidade são os melhores. Sou voluntária no Manhattan Grace. Posso ligar para alguém e...

— Não, querida, eu tenho o melhor atendimento agora, graças a Julian e Edward. Sinto muito por manter esse segredo, mas às vezes é o melhor quando se trata de uma família de alto nível. Infelizmente. — E ela parecia triste, como se entendesse que foi sacrificada de maneira cruel, porque foi esquecida por todos, menos eu.

E aparentemente agora meu irmão.

Gostaria de ter sabido.

Talvez o ódio não fosse tão profundo.

Talvez eu não estivesse tão decidido a concordar. Então, novamente, não havia nada que eu não faria pela mãe.

Me senti em conflito.

Como se eu estivesse roubando a vida dele sem conhecer todos os fatos, e me perguntei o que ele faria se estivesse na minha posição. Ele seria o bastardo que eu sempre acreditei que ele era? Ou ele tentaria fazer isso certo? Ele beijaria minha noiva?

Passei minhas mãos pelos meus cabelos, sem perceber que mamãe e Izzy estavam me dando olhares engraçados. — Desculpe, só estou pensando. — Dei um sorriso que não senti. Podia ver a tristeza nos olhos de minha mãe, porque ela sabia o preço que isso estava tomando em mim, mesmo que eu não admitisse. Nunca fui criado para ser um mentiroso.

E era exatamente isso que eu estava fazendo.

Todo dia.

Mentindo para conseguir dinheiro.

Tennyson completamente.

— Obrigado por responder, — Izzy disse suavemente, e a inflexão em sua voz soou verdadeira. É estranho que eu já saiba disso sobre ela, que quando ela disse obrigada naquela voz, significava que realmente estava agradecida.

— Tenho certeza que essa não será a última vez, — mamãe disse alegremente, e, assim como eu sabia o significado por trás do tom de Izzy, eu sabia o aviso por trás do tom de minha mãe.

Meu interior torceu porque era isso que minha mãe sempre quis, para eu me acalmar, para que soubesse que quando ela deixasse essa terra, eu teria alguém ao meu lado.

Me matou pensar que ela poderia morrer vendo o filho viver uma mentira.


Capítulo Vinte e Um

Isobel


Fiquei furiosa quando o ouvi dizer — eu te amo— para outra pessoa. Ele não tinha dito isso para mim... Recusei-me a contar, porque era deprimente pensar em quanto tempo se passou desde que ele olhou nos meus olhos e disse essas palavras, as palavras que eu precisava desesperadamente ouvir.

E então descobri que ele estava conversando com sua mãe.

Ainda sentia traição e raiva, mas pelo menos podia entender por que ele a mantinha em segredo da imprensa. Simplesmente não conseguia superar ele escondendo isso de mim.

— Por quê? — Cruzei meus braços. — Por que esconder algo tão grande?

Izzy... — Julian soltou um suspiro áspero e imitou meus movimentos, cruzando os braços e encostando-se na pia. — Meu pai... digamos que as coisas não terminaram bem entre eles quando eu era adolescente. Sei que não é possível, mas o culpo por sua doença. Sempre pensei que quando ele partiu o coração dela, ele também quebrou algo dentro dela, deixando-a fraca o suficiente para ficar doente. A verdade é que...

Ele parecia zangado naquele momento e amaldiçoou furiosamente, depois trancou os olhos comigo. — A verdade é que ele não queria que ninguém soubesse sobre ela, porque isso o faria parecer ruim, isso faria a família Tennyson parecer má. Ele foi casado novamente três vezes, o que parece escapar do seu gelo quando se trata de ter uma reputação estelar. E eu fiz uma promessa à minha mãe quando eu tinha catorze anos. Para sempre mantê-la segura. E, às vezes, manter as pessoas seguras significa fingir que elas não existem.

Meu coração bateu contra o meu peito. — Julian, fingir que alguém não existe, não torna sua existência menos verdadeira.

— Sei disso, você não acha que eu sei disso? — Ele se moveu em minha direção, com os olhos zangados, os músculos contra a camiseta branca simples. Ele era predatório de uma maneira que eu nunca havia experimentado antes, agressivo.

— Mas você sabe como é essa família, às vezes você não tem escolha. Fiz o melhor que pude com ela... — Ele suspirou. — E com você.

— Ohhh, então você me traiu todos esses momentos para me proteger, entendi, — rebati.

O rosto dele caiu.

Desviei o olhar. — Desculpe, você não merecia isso. Estou apenas... Estou processando.

— Sim, eu mereço isso, e eu sei que é muito para absorver, — ele sussurrou tristemente. — Preciso que você guarde para si mesma, Izzy. Meu pai pode estar pagando pelos tratamentos dela agora, mas qualquer coisa pode desencorajá-lo, e temos os papéis da compra para assinar, o casamento e quem diabos sabe se Ju...

Ele se interrompeu abruptamente e xingou. Quase parecia que ele iria se referir a si mesmo na terceira pessoa. Ele tinha sido muito arrogante, mas nunca tinha feito isso antes, não em toda a sua vida.

— Apenas confie em mim, ok?

Inspirei e expirei, estudei sua forma muscular e a maneira como ela se elevava sobre mim. Seus olhos verdes percorreram minha pele como se ele quisesse me queimar permanentemente com seu olhar. — Tudo bem — , eu sussurrei. — Outros esqueletos que eu deveria conhecer? Irmãs há muito perdidas? Irmãos? Uma tia-avó que herdou um ducado?

Seus lábios pressionaram juntos em uma linha sombria.

— Estava brincando, Julian.

O sorriso dele foi forçado. — Sim, eu sei. Sinto muito, só estou exausto e a noite passada foi mais longa do que eu imaginava.

— Conte-me sobre isso, — eu concordei. — Por que não assistimos a um filme e saímos mais tarde esta noite?

Seu sorriso era perverso quando ele respondeu. — Izzy, você está pedindo por Netflix e relaxar?

Comecei a rir e depois cobri meu rosto quente com as mãos.

— Sei que estou vermelha, realmente vermelha. — Espiei pelas pontas dos dedos para ver o desejo em seu rosto quando ele me puxou para seus braços e beijou a ponta do meu nariz.

Outra coisa nova do Julian.

Ele raramente me beijava na boca.

Sempre na bochecha, na testa, no nariz, o cara até beijou minha mão ontem à noite. Em público, ele tinha me beijado, e eu podia sentir as mulheres na primeira fila se afastando para ter uma chance de vislumbrar sua bunda perfeita e bíceps.

— Onde você foi? — Julian sussurrou, ainda me segurando forte. Uma emoção tomou conta de mim, e quase senti como se estivéssemos tendo uma segunda chance, como se isso fosse novo, e toda vez que eu me empolgasse, lembraria de suas palavras enigmáticas sobre partir meu coração e me perguntando por que ele estava tão duvidoso dessa conexão entre nós.

— Desculpe, eu estava pensando muito, sobre tudo.

— Isso é justo. — Ele passou um braço em volta de mim e me levou para fora do banheiro. Ele ainda estava mancando um pouco. Ele pegou uma garrafa gelada de vinho branco da geladeira e dois copos, depois me levou até o sofá e me ajudou a sentar antes que ele fizesse o mesmo.

Um cavalheiro em sua própria casa.

Por outro lado, Julian tinha sido um monte de coisas, mas ele sempre abria portas, sempre tinha maneiras perfeitas. Talvez seja por isso que eu estava lentamente ficando louca.

Tudo foi controlado com a precisão da faca de um cirurgião.

Não havia liberdade de maneiras perfeitas e sorrisos educados.

Apenas mágoa e gaiolas douradas.

— Então... — Coloquei um copo para cada um de nós e peguei o controle remoto ao mesmo tempo que ele.

A mão dele cobriu a minha.

E eu olhei.

Ele olhou.

Desconforto escorreu pela minha espinha. — Julian?

— Sim? — Seu peito arfava quando ele olhou para nossas mãos unidas. Na tatuagem que estava em seu polegar, que não existia antes. Um T com um X através dele. Que coisa estranha de colocar no seu corpo.

— Essa é nova. Quando você poderia ter feito isso sem eu perceber?

Esfreguei meu polegar sobre ele. Por que sua mão de repente se parecia tão estranha?

Depois de uma longa pausa , ele exalou, esfregando os dedos para frente e para trás nos meus.

— Relaxe, Izzy. — Ele sorriu e me deu de ombros. — Estamos pensando em comprar uma pequena empresa chamada Inkbox que faz tatuagens temporárias. Eles se tornaram virais online e estávamos testando o produto para ver se realmente funcionava. No dia anterior ao acidente, fiz algumas, e elas pareciam invisíveis. Mas eu as notei outro dia. Me desculpe por não ter dito nada, prometo que não é grande coisa.

Ele apertou minha mão.

Soltei um suspiro. — Desculpe, eu estou sendo ridícula. Eu só... as coisas estão tão diferentes desde o acidente. Você está diferente.

Ele me puxou para mais perto dele e puxou meus pés em seu colo. — Ruim diferente ou bom diferente?

Lambi meus lábios secos. — Honestamente?

— Sempre.

— Bom diferente, — confessei. — Você parece mais feliz, mas não é só isso. Você parece mais forte, mais disposto a se defender. Suspirei. — Para me defender.

— Era isso que eu queria ouvir. — Seus olhos dispararam da minha boca para os meus olhos e voltaram para a minha boca. O zumbido baixo da TV encheu o quarto, as imagens tremeluziam, mas tudo o que vi foi ele. Meu velho Julian, aquele que costumava me encarar do jeito que era agora, era quase como no meio da ganância e do caos, ele finalmente encontrou o caminho de casa.

Finalmente.

Lágrimas encheram meus olhos. — É realmente você.

— Sou eu. — Ele segurou meu rosto e deu um beijo suave na minha boca, em seguida, começou a se afastar. Talvez a loucura estivesse tomando conta, talvez eu só precisasse sentir sua boca por mais tempo. Coloquei meus braços em volta do pescoço dele e me afastei.

Ele se moveu em cima de mim, sondando meus lábios com a língua enquanto ele enfiava os dedos nos meus cabelos como se este fosse o primeiro beijo real que ele teve para sempre. Ele me beijou como se nunca tivesse havido outras mulheres, só eu. Só eu. Havia algo tão gratificante em ter seu peso em mim. Podia sentir o quão grossas e musculosas eram suas coxas quando ele pressionou nossos corpos no sofá de camurça cremoso. Ele inclinou a cabeça enquanto suas mãos roçavam minhas costelas, lenta e delicadamente levantando minha camisa mais alto. Seu toque chamuscou minha pele de uma maneira que nunca havia acontecido antes. Era viciada em seu gosto. Não era como voltar para casa, não desta vez; era como descobrir algo oculto que estava queimando entre nós. Ele explodiu em centenas de toques suaves e beijos e agora era essa corrente incontrolável. Recusei-me a tirar sua camisa enquanto a agarrava em minhas mãos. Ele montou em mim e me beijou com mais força. Uma carga de emoção tomou conta de mim quando suas mãos de bronze se moveram para o meu jeans. Circulei seu pescoço com meus braços quando seus lábios se abriram em um sorriso contra a minha boca. Ele não desabotoou minha calça jeans. Ele não moveu as mãos sob a minha camisa. Ele estava tentando ir devagar, e eu não tinha ideia do por que.

Isso estava fora de caráter para ele. Pelo menos quando estávamos fazendo sexo e ele não estava traindo, ele era agressivo, ele estava sempre focado apenas em nós e apenas em nós, em encontrar uma libertação.

Esta versão dele estava focada em beijar.

Não conseguia decidir se eu gostava ou se estava pronta para estrangulá-lo e ameaçá-lo se ele não me desse mais do que apenas um beijo, mas seu corpo, suas mãos eram tudo.

— Você tem a boca perfeita. — Ele se afastou, os olhos um pouco enlouquecidos, a respiração pesada. — Poderia te beijar o dia todo.

— Não me lembro da última vez que nos beijamos muito antes do sexo.

— Sem sexo, — disse rapidamente. — Só quero curtir você, curtir isso sem fazer sexo.

Meu lábio inferior tremia quando ele segurou meu queixo e soltou um rosnado antes de me provar novamente, antes de balançar seus quadris contra os meus. Pequenos ataques de pressão me atingiram entre minhas coxas. Arqueei um pouco, esfregando meu corpo contra o dele quando ele me beijou mais fundo, me segurou mais forte contra o sofá. Sua mão desceu no meu ombro, me empurrando para a camurça enquanto ele se movia contra mim. Ele gemeu e conseguiu me pegar na posição sentada, então eu estava montada nele, pernas de ambos os lados, joelhos forçados nas almofadas enquanto ele continuava me beijando. Podia sentir sua ereção pressionando contra suas calças, senti sua necessidade de liberação como se fosse minha, porque era. Nada além de roupas frágeis e calor nos separava, e ainda assim ele continuava me beijando.

— Você vai se sentir infeliz, — gemi contra sua boca quando ele se ajustou contra mim.

— Mmm... — foi sua única resposta. E então, — Vale a pena.

— Não precisa ser assim, — disse quando ele me puxou bruscamente contra ele.

Ele não respondeu, apenas imitou o movimento novamente e cerrou os dentes antes de devorar minha boca como se fosse sua próxima refeição, quase lambendo minha língua, e então sua mão se colocou entre as minhas coxas. Meu corpo deu uma sacudida tão grande de prazer que eu não pude controlar o gemido que seguiu seu toque ou o seguinte enquanto ele esfregava com a palma da mão, tão áspera e tão macia ao mesmo tempo.

— Por favor, não pare, isso é loucura, por favor. — Apertei seus ombros, enfiando meus dedos em sua camisa e pele, segurando-me enquanto andava em sua mão, enquanto perseguia mais prazer com minhas roupas do que nunca. Ele persuadiu e provocou, gritei, seu nome na minha língua. Ele me beijou como se não quisesse ouvir, como se quisesse tornar o momento mais do que isso, e eu o deixo, deixo que ele beba nas minhas próximas palavras, minhas frases enquanto meu coração bate forte no meu peito.

Nós nos separamos, nossos olhos se olhando, os dele cheios de admiração, os meus cheios de euforia.

E eu soube naquele momento que ele de alguma forma me deu liberdade, assim como ele se prometeu.

Altruísta.

Eu o alcancei.

Ele pegou minha mão e a apertou. — Isso é sobre você, não eu.

— Mas.

— Não sou burro o suficiente para acreditar que mereço algo tão especial quanto o seu toque, Izzy. Vou esperar até que você esteja pronta para confiar nisso. Quero você disposta, não acompanhando.

O que? Sempre mantivemos as coisas iguais, no quarto, fora do quarto, e então o pai dele aconteceu, e a faculdade terminou e, bem, as coisas simplesmente não eram as mesmas, porque eu tinha medo de deixá-lo entrar na mesma cama em que encontrei mais alguém.

Julian. Coloquei minhas mãos em seu peito.

— Não sei o que dizer.

Ele sorriu para mim. Era um tipo diferente de sorriso. Alcançou seus olhos de uma maneira que seus outros sorrisos nunca tiveram. Na verdade, eu nunca o tinha visto me olhar assim, brincalhão e possessivo.

Ele me agarrou pela bunda e apertou, depois me colocou muito gentilmente ao lado dele no sofá. — Então, o que você quer assistir?

— Você não acha? . . — Eu olhei para o que parecia ser a maior ereção que eu já vi, e isso foi dizer muito, desde que eu sei que os Tennyson estavam sempre orgulhosos de sua masculinidade. Eles eram famosos por serem bem-dotados, mas isso, isso era... Realmente o excitei tanto? Mais do que eu já tive?

— Não deveríamos... ? Apontei.

Ele afastou minha mão. — Isso realmente não está ajudando, Izzy.

— Desculpe. — Ri.

— Nem o riso.

— Desculpe! — Cobri o rosto com as mãos, sentindo um rubor quente manchar minhas bochechas. Ele gentilmente puxou minhas mãos para baixo e beijou o interior dos meus pulsos.

— Eu sobrevivi a pior. Ficarei aqui pensando na CNN e na fome no mundo enquanto você decide o que quer assistir.

Alguns segundos depois, quando eu decidi assistir a um filme de ficção científica com Channing Tatum, olhei para Julian, cujos dentes estavam cerrados rigidamente junto com os punhos.

— Como isso está funcionando para você lá? Todo esse pensamento de fome do mundo funciona?

Ele se agarrou e xingou. — Porra perfeita, você não pode dizer?

— Você é maior em todo lugar, não é? — Provoquei.

Ele virou a cabeça em minha direção quando um sorriso satisfeito cruzou seu rosto.

— Izzy, você não tem ideia.

E me perguntei se sim.

Olhando para esse momento eu percebi que ignorava os sinais de propósito, porque era a primeira vez em anos que dormia com um sorriso genuíno no rosto.

Aprendi tarde demais que o sorriso era apenas temporário e que a dor no coração pode durar para sempre.

Deitei minha cabeça em seu peito e adormeci ao seu coração uma hora depois da nossa sessão de beijos no sofá.

E quando acordei mais tarde naquela tarde de um pesadelo, Julian me puxou para seus braços e me abraçou forte.

Adormeci com a tatuagem falsa na mão dele e a outra no bíceps, que também parecia um T com um X no meio.

E abracei a mentira de que estava me apaixonando por um estranho, um estranho muito bonito que um dia me levaria para longe daqui.

E acordei com tristeza sabendo que isso era apenas a fantasia de uma garota que teve suas asas cortadas muito cedo.


Capítulo Vinte e Dois

Bridge


Deixei um bilhete para ela e fui dar uma volta pelos escritórios, meus escritórios, para ser exato. Era um sábado, e a maioria das pessoas não entraria, mas isso não significava que os negócios parassem de funcionar. Esperava ver assistentes e estagiários. Nenhum dos figurões passaria um fim de semana em que poderia jogar golfe, certo?

Enfiei minha identificação através do metal e passei pela segurança para entrar em um dos doze elevadores.

A Tennyson Financial ocupava os quinze andares superiores. E meu escritório brilhante estava no topo. Minhas mãos tremiam quando o elevador subiu. Tentei me concentrar no sorriso de Izzy, nos pequenos sons que ela emitiu quando se sentiu solta, imagens dos lábios se abrindo, olhos sem foco e despertados.

Ela era magnífica.

Ela também era dele.

Toquei o que era dele.

Eu tinha prazer o que não era meu.

E me perguntei se era exatamente isso que meu pai queria, que eu tocasse diretamente em suas mãos, que a desejasse tanto que eu estaria disposto a fazer qualquer coisa, como estava com minha mãe.

O pensamento me assustou.

O que mais me assustou foi o fato de eu não saber se meu irmão estava vivo ou morto, e que meu pai tinha milhares de razões e milhões de dólares para a morte de Julian ser bem-vinda.

Eu era apenas o substituto dele?

Algo não estava somando. Por outro lado, nada se resumia a meu pai, ele era um enigma, um mal que queria apenas mais uma coisa. Dominação mundial. Eu costumava rir quando as pessoas diziam isso, mas agora isso me deixava desconfortável com a verdade.

Um homem como ele nunca deve possuir as chaves do reino.

E ele não tinha apenas as chaves. Ele tinha a coroa, os herdeiros, o maldito trono de ferro.

As portas do elevador se abriram. Ambas as minhas secretárias, Kelsey e Amy, engasgaram quando entrei. Eles estavam usando muito perfume e estavam todos de branco. Pareciam pertencer a um voo da Virgin Atlantic com o cabelo perfeito e o batom vermelho brilhante.

— Só vou demorar um minuto, — disse, caminhando casualmente pelo da direita. Ela deu um passo à frente e me deu um sorriso sedutor que fez meu estômago revirar.

Julian. Ela disse meu nome como se me conhecesse intimamente, e eu fiquei ainda mais doente. — Acho que deveríamos conversar. — Ela seguiu isso com uma piscadela.

— Não estou com vontade de falar, — disse entre dentes, ignorando-a completamente enquanto entrava no meu escritório e fechava a porta atrás de mim.

Mal tive tempo de registrar a massa da sala ou a vista do distrito financeiro antes de uma batida soar e a mulher irritante entrar e fechar a porta atrás de si.

Ela bateu a mão na minha boca e bateu a mão contra a porta fazendo barulho.

— Sim, aí mesmo. Senti tanto sua falta, querido, tanto ela falou alto.

Meus olhos se arregalaram quando me afastei dela.

— Que porra é essa!

— Shh! — ela estalou e então me agarrou pelo braço e me arrastou pela esquina até o sofá.

— Ela precisa pensar que estamos fazendo sexo.

— Ela?

— Amy—. Ela revirou os olhos. — Recepcionista número dois, burra como um saco de pedras e útil porque ela distrai antigos membros do conselho, principalmente seu pai.

— Muita informação. — Levantei minha mão. — E o que você pensa que está fazendo? Você não pode simplesmente...

— Sei que você não é Julian, — disse ela suavemente, seus olhos procurando os meus, como se ela estivesse esperando por confirmação.

Minha boca se fechou. Não estava preparado para isso. Levantei abruptamente e passei pela sala. — Você precisa sair agora. Isso é completamente falso.

— Você parece com ele, mas ele é mais magro. Ele também é melhor em jogar este jogo do que você é. — Ela suspirou. — Use suas senhas para desbloquear o computador, tenho certeza que agora você sabe que algo não está certo. Antes do acidente, Julian descobriu que seu pai havia criado um fundo para você, mas não o liberaria. Julian brincou sobre usá-lo como alavanca um dia. Isso não apenas o prepararia para a vida toda, mas também lhe daria a propriedade de um terço da empresa. Era exatamente o que Julian precisava, o poder que ele precisava, vocês dois possuidores de suas ações para poderem assumir a empresa.

Ela abriu a mão. Nela havia uma pequena unidade flash USB com a forma de um tubo de batom.

— Eu o ajudo a acessar os arquivos o máximo que puder, sem ser sinalizado, mas ele tinha grandes planos quando se tornasse CEO, e agora que ele está em coma, imaginei que ele gostaria que você continuasse produzindo.

Eu peguei. — Confie em mim, eu sei. Edward me mostrou os papéis e o usou como moeda de troca durante o próximo casamento, sabendo que eu não queria entrar nessa profundidade. — Suspirei. — Não há nada que eu possa fazer, não com Julian ainda em coma.

— Os dedos dos pés dele se mexeram. — Ela disse isso devagar. — Ouvi seu pai ao telefone quando eu estava trazendo papéis para assinar em seu escritório. Ele disse distintamente: 'Dedos em movimento não significam nada, eu quero mais resultados'.

Isso me fez uma pessoa horrível, não é? Que meu alívio estivesse misturado com pavor, pavor de que ele entrasse e retomasse exatamente onde parou.

A empresa que eu não me importo.

Izzy, no entanto...

Olhei para cima. — O que Julian estava planejando?

Ela apertou os lábios em uma linha fina. — Veja só, examine os documentos que ele elaborou, a carta para os membros do conselho, o plano de negócios para o futuro da Tennyson Financial assim que a compra for concluída com a IFC. Acho que você ficará impressionado.

— Meu pai sabe?

Ela balançou a cabeça. — Não, mas uma semana antes do acidente eu o encontrei no escritório de Julian remexendo, típico de Edward, já que ele não tem limites pessoais, mas ainda assim.

— Merda. — Gemi e me inclinei contra o sofá. — Não estava preparado para esse nível de insanidade. Pensei que Julian só queria ser CEO.

Ela encolheu os ombros. — É claro que ele quer ser CEO, porque é a única maneira de vencer.

— Volte novamente?

- Você não conhece muito bem o seu irmão, Bridge?

— Não, — murmurei. — Aparentemente não, mas estou aqui, não estou? Estou tentando com tudo o que tenho para lhe dar o que ele sempre quis.

Ela lambeu os lábios e desviou o olhar. — Acho que o que ele sempre quis está em pé neste escritório... Acho que você deveria continuar orando por mais mexer de dedos, porque ele terá muito a dizer para você.

— Como você soube de mim? — Cruzei meus braços. — Segundo os registros, meu nome é Bridge Anderson.

Ela sorriu. — Quem você acha que ajudou a redigir toda a papelada? Seu pai confia em mim, e não deveria. Julian, no entanto, confia em mim sua vida, mesmo as pessoas que não sabem que ele tem.

Gemi em minhas mãos. — E a traição?

Ela fez uma careta. Julian? Traindo? Comigo? Você é louco, mas de que outra forma ele poderia fazer tudo isso sem o pai entrar aqui? Às vezes, temos deixar que ele assuma o pior. Era para ser apenas uma cobertura até que ele colocasse a prancha de lado. Ele trabalha incansavelmente em algo há meses.

— Merda, merda, merda, merda. — Ia dizer merda pelo menos uma dúzia de vezes antes do dia terminar.

— Izzy sabe disso? Estou assumindo que não?

Ela fez uma careta. — Isobel?

— Sim. — Me senti exausto, de repente tão exausto quanto a loira bonita me observava com cautela. — Minha noiva, a mesma.

— Ele iria falar com ela no dia do acidente. Ele sabia que ela estava chateada, mas estava tentando consertar isso. Honestamente, acho que ele pensou que Isobel perdoaria qualquer coisa, desde que estivessem juntos no final.

Foda-me.

— Tenho que ir. — Ela me deu um sorriso triste. — Ele vai acordar temos que ter fé, certo?

Por que ela acabou de expressar meu maior medo?

A vergonha me sufocou como se eu estivesse pendurado em nada além de uma gravata.

Porque eu sabia que no minuto em que ele acordasse, Izzy saberia a verdade, e pelo que eu acabei de entender, não demoraria muito para ele contar tudo a Izzy e pedir perdão. Ele não teria como saber que eu estava me apaixonando por ela.

Que eu a queria.

Que todas as noites dormindo ao lado dela era puro inferno.

A porta se fechou atrás de Kelsey.

Enfiei o USB no meu bolso, não confiando nos computadores da empresa para não ter nenhum rastreamento neles. Sabia que havia uma boa chance de a empresa ver tudo o que eu fazia.

Então, me acalmei propositalmente, sentei-me na mesa dele e me perguntei o que ele faria se estivesse acordado e em movimento.

Derrubar nosso pai?

Se casar?

Beber?

Assinaria papéis na segunda-feira como CEO em exercício de Julian.

Me casaria com Izzy no sábado, como Julian.

E eu sabia, quando trancava o escritório e descia o elevador de volta, que meu pai havia me fodido de verdade.

Porque eu não estava substituindo meu irmão gêmeo durante o casamento.

Não. Deveria me tornar ele, pela mídia, pelas fotos, pelo mundo.

Esfreguei os olhos e pulei para fora do táxi que eu havia chamado quando estava de volta ao apartamento. Outro elevador.

Outro ding.

Outro ataque de peso repousou em meus ombros quando entrei e vi Izzy assando biscoitos.

Era tão normal que eu sorri.

Precisava do normal depois do que tinha passado naquele dia, mais do que ela jamais perceberia.

Queria dar um soco em Julian tanto quanto queria abraçá-lo e dizer que sentia muito por julgá-lo mal.

Era mais do que isso também. Era um ciúme arraigado pela vida que ele tinha. A vida que agora era minha.

Ele a machucou.

Eu a mereço.

Meus pensamentos giraram na minha cabeça, tentando-me a olhar para o outro lado. Isso salvaria mamãe.

Isso salvaria Izzy.

Se eu desistisse, dissesse ao meu pai que faria o que fosse necessário para manter os dois, ele estaria esperando em sua torre alta com outro contrato de ferro e uma caneta cheia do meu sangue.

E ele venceria.

Não poderia deixar isso acontecer.

Mesmo se eu quisesse que a fantasia de Izzy fosse verdadeira.

Ela acabaria por descobrir que eu não era o meu irmão, e isso nos arruinaria assim como eu merecia.

— Você parece áspero. — Ela mergulhou uma colher de pau na massa e me entregou. — É a receita da sua mãe. Posso ter roubado o número dela do seu telefone. Espero que esteja tudo bem. Só queria verificar agora que ela faz parte da nossa vida.

Quando ela disse que nossa vida minha decisão quebrou um pouco mais. — Isso é mais do que certo. Ela precisa de alguém além de mim para conversar. Sou chato como o inferno.

As bochechas de Izzy coraram. — Não é verdade.

— Ok, eu sou chato como o inferno quando não estou fazendo você...

— Não, ela disse, eu já estou vermelha o suficiente, posso sentir meu rosto esquentando. — Ela olhou timidamente para longe. — Então, como está a massa?

Lambi a colher e a observei nervosamente prender o cabelo atrás da orelha. Ela estava de calça preta de ioga e um suéter longo e solto que parecia fácil o bastante para se soltar do corpo. Era azul claro, e eu podia ver a pele através dele, incluindo seu sutiã esportivo preto e seios perfeitos.

— Massa? — Repeti estupidamente. — A massa está boa, desculpe, eu estava apenas olhando sua roupa. Está...um pouco tentadora demais para um sábado, você não acha?

— Ao contrário de um domingo ou uma segunda-feira? — Ela pegou a colher de volta e mexeu a massa novamente, depois adicionou algumas gotas de chocolate.

Parte do suéter caiu do ombro dela. — Droga.

— O que? — Os olhos dela brilharam quando ela olhou para cima.

Eu fiz isso.

Eu.

Bridge.

Julian não.

Eu era a razão de ela estar assando biscoitos, então por que diabos eu não estava dizendo nada?

E então me atingiu, como a vergonha normalmente acontece, ela não se arrasta e se revela lentamente. Não, a vergonha bate em você, direto no peito e rouba as próximas respirações, junto com as batidas do coração.

Eu, Bridge Anderson, era igual a eles. Porque eu era egoísta demais para dizer a verdade, mesmo que isso significasse salvá-la.

Bem jogado, pai, bem jogado.


Capítulo Vinte e Três

Isobel


Foi o melhor fim de semana da minha vida, seguido pela segunda-feira mais longa da história das segundas-feiras.

Julian me levou para almoçar no domingo. Conversamos sobre o casamento, e recebi ligações de Marla me pedindo para dar uma passada para alguns acessórios de vestuário.

Em uma semana, minha vida mudaria para sempre.

Mas finalmente parecia que eu tinha meu parceiro de volta, cavalgava ou morria. Esse éramos nós. Jurei para ele quando estávamos na faculdade que nunca o abandonaria, e odiei o olhar triste que ele me deu quando prometi minha lealdade. Não era de emoção ou alívio; foi de total devastação.

Nós brigamos por isso, e eu me perguntava se ele se sentia culpado por me puxar para sua família.

Ele virou seu pai novamente.

E eu deveria saber, deveria ter visto os sinais então, que as garras de seu pai já estavam, causando hemorragias que nem mesmo nosso amor e amizade podiam parar.

Enviei a Julian um texto rápido de encorajamento. Ele não parecia animado para entrar no trabalho, mas no final do dia, ele seria oficialmente o CEO da Tennyson Financial. A única parte peculiar do cenário era todo esse investidor silencioso, que ainda possuía um terço da empresa. Em quem diabos Edward confiaria com tanto desse estoque? Além disso, você pensaria que o conselho não iria gostar.

Levaria muito tempo para remover Edward da empresa, o que Julian me lembrou naquela manhã durante o café da manhã, como se ele estivesse realmente pensando em tentar o impossível.

Ele disse que tinha um plano.

E eu quase vomitei.

Era quase idêntico à conversa que tivemos semanas antes de ele sofrer o acidente. Era um jantar de negócios, e eu deixei a mesa e chorei no banheiro porque Marla mais uma vez estava cobiçando ele na frente de todos. Edward não parecia se importar, já que ele estava com uma das assistentes de Julian, a loira bonita que realmente parecia ter uma boa cabeça nos ombros, uma que significava mais do que maquiagem de grife e batom vermelho.

Ele bateu no banheiro, me implorou para sair e me segurou enquanto eu chorava, enquanto minhas unhas de harpa faziam uma marca na minha mão esquerda cerrada.

— Izzy, eu preciso que você se recomponha, — ele sussurrou em meu ouvido enquanto eu estava tendo um colapso. — Você pode fazer isso por mim, estamos perto, muito perto de conseguir tudo o que queremos.

Certo. Tudo o que ele esperava.

— Você é um monstro, — murmurei. — E ainda não consigo me afastar de você, de nós. O que houve, Julian? Como eu paro isto?

Ele ficou tenso e depois segurou meu rosto. — Só mais um pouco, Iz, está bem? Preciso que você vá até lá e pareça a noiva perfeita. Preciso que você sorria como foi ensinado, preciso que você seja um Tennyson agora mais do que nunca. Se meu pai assumir que eu sou igual a ele, ele finalmente confiará em mim. As coisas serão diferentes quando eu assumir. Prometo. O flerte não significa nada.

— Não se atreva a me apadrinhar! — Eu rugi. — Fiz tudo por você! Você nem podia me deixar sair de casa hoje sem me fazer mudar para isso. Puxei meu vestido revelador. — O que? Eu devo me prostituir agora?

— É o bastante! — ele estalou, seus olhos frios. — Isso é maior que você, maior do que apenas um emprego. Você sabe o que eu poderia fazer com essa posição? Eu teria o poder de mudar vidas! Para tornar um império maior que meu pai. Como eu disse, isso é maior que nós. Isso é mais importante do que qualquer pessoa. Ele desviou o olhar.

— O dinheiro geralmente é. — Desviei o olhar. Foi a primeira vez em muito tempo que eu levantei minha voz para ele, a primeira vez que não me importei que ele pudesse me machucar ou me deixar indigente. Eu queria gritar, queria gritar com o rosto dele e implorar para ele me beijar e melhorar.

— Respire fundo. — Julian me deu aquele sorriso perfeito, aquele que eu amava, e então ele me beijou suavemente na boca. — Nós vamos superar isso, sempre fazemos. Dinheiro é poder, Iz, nunca esqueça isso.

— Você não precisa de mais dinheiro.

— Isso, infelizmente,— ele murmurou, olhando para longe, — não é o ponto. Nunca foi sobre a quantidade, é sobre quem detém todas as cartas.

Eu o segui dois minutos depois, maquiagem fixa, sorriso falso presente, e vi mulheres flertando com ele. Eu o assisti flertar de volta e beber como se eu não tivesse acabado de sofrer um colapso.

E no final da noite, eu o vi apertar o copo com o pai enquanto eles riam de uma stripper que um dos membros do conselho convidara para o bar para beber mais tarde.

Ele era igual a ele.

E meu ódio rivalizava com meu amor.

Balancei minha cabeça como se estivesse tentando tirar a memória e olhei para a nossa troca de texto.

Eu: Boa sorte hoje. Tudo ficará bem.

Julian: Quem precisa de sorte quando eu tenho você? Promete me enviar fotos da lingerie que você escolheu em sua viagem de compras esta tarde?

Fiz uma careta para o meu telefone.

Eu: Que viagem de compras?

Julian: Marla disse que estava te levando para fazer compras depois do almoço. Acabei de descobrir que você planejou.

Eu: estou gritando, mas você não pode me ouvir. Ugh, eu também sou voluntária no hospital, então posso me atrasar. Já mencionei que a odeio?

Julian: Jogue bem, e eu vou deixar você comer biscoitos do meu peito mais tarde.

Eu: Quem é você?

Julian: Apenas eu. :)

Sorri para o meu telefone. E digito de volta.

Eu: Dê a eles o inferno hoje, ok? Vou fazer a minha visita com as crianças rápido. Quero comemorar quando você chegar em casa e quando digo comemorar o que realmente quero dizer é... Netflix e relaxar novamente.

Julian: Se eu pudesse ir para casa agora, iria. Saudades, Izzy.

Olhei para o meu telefone por alguns minutos, tentando descobrir por que o apelido que ele estava usando soou. Foi tão natural. Em público, ele me chamava de Isobel, como todo mundo. Mas em particular, Julian costumava me chamar de Iz.

Ele não usara esse nome uma vez no último mês.

Talvez eu perguntasse quando ele chegasse em casa.

Realmente estava enlouquecendo, não estava?

Suspirei e liguei para Marla, mesmo que fosse a última coisa que eu queria fazer.

— Sim? — Ela atendeu no segundo toque. — Estarei lá em alguns minutos.

— E você deveria ser melhor colocar isso em mim do que pedir permissão?

— Peço perdão, não permissão. Hoje não estou de branco, o preto deve ficar bem.

A conversa terminou.

A linha estava morta.

Felizmente, eu já estava em um elegante preto. Peguei meu Ray-ban junto com minha bolsa azul Prada e sai.

Seria uma tarde muito longa.


Capítulo Vinte e Quatro

Bridge


Estava vestindo um terno muito pequeno, cercado por homens com o dobro da minha idade, me dando tapinhas nas costas enquanto assinava página após página após página de um documento que oficialmente me tornaria CEO.

— Acredito que tudo ficará nesta sala. — Meu pai acendeu um charuto enquanto um dos membros do conselho, Harry Wilde, distribuía mais cubanos para o resto dos membros.

Havia treze de nós.

Estávamos sentindo falta de uma pessoa importante.

Julian.

Assinei meu nome, meu nome verdadeiro, Bridge Anderson Tennyson. E eu esperava que Deus não estivesse ferrando meu irmão completamente.

— Não vai sair da sala, — Harry anunciou com uma piscadela na minha direção.

Suspirei e continuei assinando.

O pai assistia do final da longa mesa de mármore. Ele tinha um brilho nos olhos, e quanto mais páginas eu assinei, mais doente me sentia.

Estava me tornando CEO.

No quadro, eu era Bridge, o filho perdido há muito tempo, finalmente voltando para casa para reivindicar meu lugar certo.

Para o resto do mundo, eu era Julian Tennyson, me tornando um dos CEOs mais ricos da história dos EUA.

A única coisa que me mantinha são era o fato de que Julian e eu teríamos ações suficientes para derrubar nosso pai.

Apenas teria que me casar com Izzy para conseguir minhas ações.

Não tinha certeza de quanto trabalho Julian já havia feito, mas olhando em volta, todos pareciam satisfeitos por eu estar sentado ali, o que me fez pensar se eles viram a escrita na parede.

E se eles fizeram — eu tinha que me perguntar se meu pai também.

Tive que conquistá-los, todos. Tive que fazer um ótimo trabalho e fazer a única coisa que Julian estava tentando fazer o tempo todo.

Fazer nosso pai orgulhoso.

Outra página foi puxada.

Eles conversaram sobre iates e escolas particulares e férias caras.

O dinheiro invadiu o mundo deles.

E se o dinheiro parasse de fazê-lo girar.

Bati minha cabeça em direção ao meu pai e sorri.

Os olhos dele se estreitaram.

Estava indo para derrubá-lo.

E eu ia fazer isso com um sorriso no rosto.

O inesperado som de champanhe estourando me deixou cair minha caneta na última página. Peguei e terminei minha assinatura. Selei nosso destino, salvei minha mãe. Havia salvado milhares de empregos.

Eu era CEO.

Eu tinha o que Julian queria a vida toda.

Eu tinha isso.

Por favor, Deus, acorde... porque nunca tive a intenção de me sentar naquela cadeira, com vista para aquele reino, que era de Julian.

E quanto mais eu ficava lá, mais me perguntava se meu pai não contava com a possibilidade de me sugar também.

Ambos os filhos, liderando a seu lado.

Só olhei para o USB uma vez, vi tantas informações que queria tirar uma soneca e depois senti que tudo já estava escorregando pelos meus dedos, principalmente Izzy. Tirei-o do computador e não olhei para trás. Desde então, estava queimando um buraco no meu bolso.

E eu também sabia que quando ele acordasse.

Izzy e eu terminaríamos.

Aceitei uma taça de champanhe e levantei em direção a meu pai.

Ele ergueu as costas direitas e parecia mais feliz do que eu já tinha visto, e presunçoso como sempre.

— Para a Tennyson Financial. — Um membro do conselho cujo nome eu não conseguia lembrar levantou o copo em minha direção. — E para o nosso novo CEO em exercício, Bridge Anderson Tennyson!

Os aplausos irromperam pela sala, os repórteres esperavam do lado de fora das portas de vidro, uma da Forbes e outra do Times. Quando eu saí, eles gritaram o nome de Julian e não o meu.

— Cavalheiros. — Meu pai ficou de pé. — Se você nos der licença, eu gostaria de um momento particular com meu filho.

Eles saíram lentamente da sala, dando um tapa nas costas, enquanto eu olhava para a paisagem urbana, uma cidade que parecia que eu o ajudara a possuir, agora que duas das maiores empresas financeiras se fundiram. O mal-estar não se dissipou; se alguma coisa piorava, mas eu continuei olhando mesmo assim.

— Você economizou muitos empregos na IFC hoje, muito dinheiro, muita especulação. — Ele se moveu para ficar ao meu lado. — Você era primogênito, você sabe. Isso sempre deveria ser seu.

— Não me subestime, — cuspi. — Você o escolheu porque não podia me controlar e sabia disso.

Ele ficou quieto e então: — Se eu soubesse que você cresceria para ter bolas maiores, acredite, teria escolhido outra opção. Ele fingiu que queria isso, mas eu vi através dele. Ele estava sempre bravo comigo. Ele tem muitas ideias, a maioria boa, mas está ansioso demais para me agradar, ansioso para fazer o que eu disser, e isso me deixa louco.

— Me pergunto por que, — disse laconicamente, e tomo outro gole.

— Vejo o mundo de maneira diferente e estou disposto a sacrificar tudo o que for necessário para ganhar minha parte do que ele tem a oferecer. — Ele não parecia se desculpar. — Diga-me, você está gostando de Isobel?

— Ela é meu prêmio? — Bati, irritado por estar me apaixonando por ela, irritado por ele ver isso também, possivelmente planejado.

Papai sorriu e colocou a mão no meu ombro. — Ela ia terminar o noivado com ele, Amy ouviu a conversa. Ele a teria deixado. Um reino precisa de seus filhos e rainhas, assim como de seus peões. Um noivado quebrado teria sido ruim. Poderia parecer que a família era instável e poderia ter vazado a notícia, e por mais que você duvide das minhas próximas palavras, eu me importo com o que acontece com ela. Ela é leal à família e merece o que temos para oferecer, e se ela estiver disposta a jogar, por que não deixá-la ganhar alguns ganhos?

Balancei minha cabeça. — Por que você não a deixa ir?

Ele franziu a testa. — Por que ela iria querer ir embora?

O homem estava iludido. — Isso é uma coisa de orgulho de novo.

— Chega, — ele retrucou. — Julian trabalhou duro. É natural que ele consiga ter a garota no final. Além disso, ela não tem ninguém, nós basicamente a adotamos em nossa família, a mídia ama uma boa história triste. Então eu pergunto novamente. Por que ela quer ir embora?

Não tinha palavras.

Olhei para ele.

— Não preciso mais me preocupar com isso, filho, ela nunca deixaria você. Vi o jeito que Julian a tratava, ele é cortado do mesmo tecido que seu velho. Ele não é um homem de uma mulher só. Esperava que ela andasse, mas tudo deu certo como deveria. Temos mais de setecentos bilhões em ativos, a garota está apaixonada por você, temos um casamento que tornaria a realeza ciumenta. Todo mundo quer ser você, você não vê? Você tem tudo ao seu alcance, por que alguém fugiria disso?

Precisava que ele parasse de falar. Precisava que ele fizesse o relacionamento não parecer uma transação comercial.

— E seu for embora? Poderia colocar as coisas nos bastidores, sabe, elas não precisam ver meu rosto. E se eu andar e levar Izzy comigo, junto com o fundo fiduciário e todas as minhas ações?

O sorriso dele desapareceu. — Você sai, não recebe nada, e eu pensaria que antes de se afastar de tudo isso, você teria que considerar os milhares de empregos que dependem de você, filho.

A raiva tomou conta, e eu quase joguei meu champanhe em cima dele. — Ah, então isso não é sobre você, é sobre outras pessoas agora? O que? De repente, você se preocupa mais com seus funcionários do que com o dinheiro que eles trazem?

Ele se encolheu.

Mas estava lá.

Talvez ele tenha um pequeno pedaço de seu coração sobrando, ou talvez ele tenha apenas os soluços.

Eu estava indo com os soluços.

A dor encheu seus olhos. — Um pai faz o que ele precisa fazer para proteger sua família, mesmo que isso signifique que ele está protegendo-os de si mesmo.

— Besteira. — Coloquei meu copo. — Vou ver Julian hoje à noite, conversar com ele, ver se há algum progresso.

— Ele moveu os dedos dos pés e das mãos outro dia. Os médicos estão preocupados com a possibilidade de danos cerebrais. Você tem que entender, filho, Julian pode acordar uma pessoa completamente diferente, ou ele pode acordar um vegetal.

Congelo. — O que você quer dizer? Você disse que tinha os melhores médicos.

Ele desviou o olhar, mas eu vi o lampejo de culpa.

— Não sou Deus.

— Não brinca.

— Quero que ele viva, preciso que ele viva.

Olhei para ele com ceticismo; ele estava ficando emocionado com isso?

— Estou controlando as peças que posso Bridge, e deixando o universo cuidar do resto. Se ele está mexendo os dedos das mãos e pés, é um bom sinal. Se ele acordar e não puder retomar suas responsabilidades como marido e CEO, espero que faça a coisa certa, a coisa que ele gostaria mais neste mundo. — Ele colocou a mão no meu ombro. — E tome seu lugar de direito.

Porra. Eu.

Eu não disse nada.

Porque não havia nada a dizer.

Nada que eu não faria por Julian.

E agora? Nada do que eu não faria por Izzy.

— Você é um Tennyson, não pode fugir disso.

Ele começou a caminhar em direção às portas de vidro, quando me virei e fiz a temida pergunta que estava ocupando minha mente. — Você planejou? Me fazer apaixonar por Izzy? Ou você estava apenas esperançoso?

— Ela é linda. — Ele nem olhou por cima do ombro. — E faminta por atenção. O que você acha?

— Eu acho que isso está ferrado.

— Bem-vindo à América corporativa. — Ele abriu as portas de vidro e começou a responder às perguntas dos repórteres.

E olhei para o reino mais uma vez e sussurrei:

— Por favor, acorde.


Capítulo Vinte e Cinco

Isobel


Julian não estava respondendo minhas mensagens. Não que eu o culpo; ele tinha entrevistas para conduzir e pessoas para comemorar. Era uma notícia enorme: a Tennyson Financial agora tinha o monopólio de investir de uma maneira que nenhuma empresa jamais teve. Eles eram intocáveis.

Estava orgulhosa dele, orgulhosa de tudo o que ele tinha feito para chegar a esse momento, mesmo que isso significasse que esse momento incluía Edward e um acidente que quase custou sua vida.

— Gosto do vermelho. É muito alta-costura — disse Marla, tomando um gole de seu vinho branco enquanto eu me virei para a designer que atualmente estava prendendo tecido em volta dos meus quadris e pedindo que sua assistente levasse Polaroides.

— Está um pouco apertado, — apontei. — Ao redor das coxas.

— Vá em uma drenagem e você ficará bem, — Marla falou. — Além disso, não é como se você estivesse por muito tempo, não com um Tennyson ao seu redor.

— Não podemos falar sobre Julian? — Disse com os dentes cerrados. — Ele é meu noivo e você é casada com o pai dele. Lembra dele? Aquele com a barriga de cerveja a caminho de desenvolver gota?

Marla me deu um olhar penetrante. — Com ciúmes? Edward é um dos homens mais poderosos vivos, então e se eu tiver que fechar meus olhos e imaginar o rosto do seu noivo quando dormimos juntos por mim tudo bem, ela da de ombros. Não é difícil imaginar como seria a coisa real.

Respirei fundo e prometi a mim mesma que iria manter as lágrimas. Incrível como eu não conseguia imaginá-lo traindo depois desta última semana juntos.

O homem com quem eu estava agora não era um trapaceiro.

O que isso significava?

Que ele encontrou Deus durante aquele acidente e decidiu mantê-lo nas calças?

Ela o tocou? Viu ele nu? Não aguentava pensar nisso.

Eu o cheirei nela.

— Desculpe. — Afastei as mãos da designer e entrei rapidamente no provador, batendo a porta atrás de mim.

Com as mãos trêmulas, liguei para o escritório de Julian. Precisava falar com ele, ouvir sua voz, saber que isso não era tudo um sonho, que o que eu sentia entre nós não era minha imaginação.

— Tennyson Financial, escritório de Julian Tennyson. — A voz de Amy era muito alegre.

— Amy, oi, é Isobel, Julian está disponível?

Ela suspirou como se eu fosse um fardo que ela nunca pediu, ela sempre me tratou dessa maneira e Julian sempre permitiu. — Na verdade não, ele terminou de conduzir entrevistas para a CNBC algumas horas atrás e depois foi embora. Não sei onde ele está.

— Ok, eu vou ligar mais tarde. — Por alguma razão, minha mente passou para as tatuagens. Essa foi uma das empresas, certo? — Amy, mais uma coisa.

— Sim?

— Eles vão comprar a Inkbox? — Não tinha certeza do por que perguntei. Normalmente, não pergunto sobre os negócios deles.

— Inkbox? — ela repetiu. — Não tenho ideia do que você está falando.

Um calafrio cobriu meu corpo. — A empresa de tatuagens temporárias que Julian disse se tornou viral online? As últimas semanas?

Um suspiro irritado se seguiu. — Olha, se nós os comprarmos, eu seria a primeira saber, porque tomo todas as anotações de Julian nessas reuniões. Na minha frente, tenho dez empresas que ele e o conselho analisarão no próximo ano civil, e nenhuma delas se chama Inkbox. Talvez ele ainda não o tenha apresentado, mas isso seria realmente fora de moda, já que ele sempre comanda tudo pela equipe primeiro.

— Fora do personagem, — eu repeti. — Certo.

— Ele não está aqui e a mídia ainda está clamando pelos escritórios. Ele não voltará por pelo menos uma hora. Vou deixar um bilhete para ele como sempre faço e dizer para ele te mandar uma mensagem, certo?

— Obrigada.

A linha ficou morta.

Lentamente tirei meu vestido, meu corpo se sentindo cada vez mais entorpecido quando tentei juntar dois e dois. Ele poderia estar olhando a empresa por conta própria antes de contar para seu assistente e Edward. Não seria tão fora do personagem, seria?

Peguei várias sacolas com os itens que recebi mais cedo naquele dia, sacolas de lingerie cara que eu usaria na noite de núpcias, fornecidas por todos os estilistas da cidade que queriam publicidade gratuita; peguei minha bolsa.

— Não me sinto bem. — Passei por Marla, passei pela segurança nas portas e desci a rua até o carro da cidade. Ouvi Marla chamar meu nome, mas não me importei, só queria ir embora.

— Isobel? — Belford, meu motorista, olhou para mim pelo espelho retrovisor. — Desculpe, eu estava esperando que você demorasse mais uma hora. Para onde?

— O hospital. Prometi que iria parar para poder voltar ao meu horário normal.

Belford assentiu e me levou diretamente para lá. Em questão de minutos, eu estava no terceiro andar, cercada pela equipe de enfermagem e Annie, com sua bata rosa e cabelo preto cortado, abrindo os braços.

Entrei neles e suspirei.

— Você esteve ocupada. — Ela se afastou e piscou. — Agora, todos nós fizemos apostas. Vocês vão se casar tão cedo porque é um casamento rápido? Poderia jurar que todo mundo olhou para o meu estômago e especulou: almoço pesado ou bebê?

— Pessoal! — Revirei os olhos e ri. — É algo mais publicitário para a empresa. O acidente abalou muita gente, inclusive Julian e, sinceramente, só queremos nos casar.

Estranho como isso era verdade.

Sorri para mim mesma.

— Você literalmente não pode parar de sorrir, — Annie apontou com um sorriso próprio.

— Estou feliz. — Levantei um ombro e o deixei cair.

— Sim. — Ela balançou a cabeça para mim como se fosse quase inacreditável — Você realmente está, não é?

— O acidente pareceu mudar ele, sua visão da vida, de mim, de tudo. Digamos apenas que tenha sido um mês muito bom e deixe por isso mesmo.

— Na cama ou...

— Desculpe, você perdeu, Dave, eu não estou grávida, — eu ri quando ele entregou a Annie uma nota de cinquenta. — Talvez na próxima vez?

Gemidos surgiram ao redor do posto de enfermagem quando o dinheiro trocou de mãos sobre a aposta de casamento / gravidez de inesperada.

— Certo, certo. — Ele pegou uma prancheta. — Você queria voltar no horário? Annie disse que você viria hoje para arrumar as coisas, mas eu não tinha certeza de como seriam suas horas por causa do casamento.

— Oh, me desculpe. Sinceramente, eu nem estava pensando nisso.

— A cabeça dela está muito alta nas nuvens — brincou Annie.

Pisquei enquanto pegava a prancheta e olhava o cronograma.

— Deixe-me verificar se posso voltar amanhã e no dia seguinte. Depois, tenho o jantar de ensaio para me preparar e todas as outras coisas que uma noiva de Tennyson precisa fazer. — Disse a última parte com o nariz torcido.

— Pobre — ele levantou a prancheta das minhas mãos com um sorriso — princesa.

— Annie —. Uma das novas enfermeiras assistentes apareceu com um olhar sombrio no rosto. — Continuo tentando conseguir novas roupas de cama no sexto andar, e já faz horas. Tenho dois filhos pequenos esperando, e Josh e Sarah acabaram de se divertir.

— Eu irei. — Coloquei meu distintivo e dei de ombros.

-Ainda tenho pelo menos uma hora. Do que mais você precisa?

— Oh, obrigada, Izzy! — Ela me entregou outra prancheta. — Tudo nesta lista. Acabamos de sofrer alguns acidentes com os mais pequenos, e juro que, desde que eles trouxeram o paciente que não deve ser identificado, é como arrancar dentes para que alguém da antiga UTI fale conosco.

— Unidade antiga? — Repeti. — Por que eles colocariam alguém lá?

— Segurança. — Annie revirou os olhos. — Há outra aposta, se você quiser. Continuo dizendo que é George Clooney, alguém jurou que era Kanye. Você sabe como são as celebridades. Eles acham que precisam não apenas de uma cama especial, mas de todo o andar. Eles o mudaram para o andar algumas semanas atrás. O agente dele, ou quem quer que fosse o homem, entrou com um cheque no hospital e foi isso.

— Estranho, — concordei. — Tudo bem, eu já volto, então.

— Não espreite! — Annie me chamou. — Essa não é uma aposta justa.

— Você não pode espiar os pacientes, — falei de volta em um tom abafado.

Ela apenas deu de ombros.

Não sabia o quanto sentia falta da amizade dela; ela era tão positiva e cheia de vida. Ainda estava sorrindo quando cheguei ao andar e deslizei meu cartão pelo compartimento e esperei a porta abrir.

— Sim? — veio a voz feminina sem corpo pelo interfone.

Olhei para o número na área de transferência, 7808, que correspondia à identidade do paciente que eu estava visitando ou do departamento de onde eu era. — Estou indo buscar suprimentos, não para ver um paciente, ou o paciente. É a Izzy.

Eles deveriam me conhecer. Mas eu disse o número de qualquer maneira.

Mais alguns segundos se passaram.

Todo mundo me conhecia lá. Então, novamente, isso pode ser alguém novo.

A porta tocou, felizmente.

Atravessei. Nada era mais assustador do que uma UTI abandonada. Um médico estava no antigo posto de enfermagem, circulado por três outras enfermeiras que eu nunca tinha visto antes.

— Ei. — Entreguei a prancheta para a senhora no computador. — Só preciso de algumas roupas de cama e algumas outras coisas na lista. Está um pouco louco na ala pediátrica do câncer.

As sobrancelhas dela se ergueram quando ela olhou para trás e suspirou. — Sim, bem, tem sido um pouco louco aqui também.

Sorri com isso. — Celebridade?

Ela apenas bufou. — Somente o médico sabe quem realmente é, embora eu não reconheça o nome, então quem sabe.

— O nome da celebridade?

— Sim. — Ela parou. — Volto logo.

O médico e as outras duas enfermeiras foram até a porta fechada, bateram e entraram.

Não deveria ter olhado.

Mas eu fiz.

Eu olhei.

Dentro daquela sala, em pé, estava Julian.

Meu noivo, Julian.

Que diabos?

Me escondi atrás da mesa e quase chorei quando os números dos quartos estavam na tela principal junto com os nomes.

Foi fácil de encontrar.

Porque ele era o único paciente naquela parte da asa.

Bridge Anderson.

O nome não parecia familiar.

A única coisa que parecia familiar era que a mãe de Julian brincou em chamar Julian de Bridge.

Mas Julian estava parado ali. Apenas o vi.

Que tipo de segredos ele estava guardando?

Meu estômago afundou um pouco. E então me abaixei ainda mais quando a porta se abriu novamente, e meu noivo saiu da sala e caminhou pelo corredor, sua expressão sombria.


Capítulo Vinte e Seis

Isobel


— Casa.

— Bem.

A viagem foi curta. Nem me lembrava de entrar no elevador com minhas malas ou deixá-las na porta. Tirei os sapatos e caminhei em direção ao escritório dele.

O escritório dele muito particular.

Nunca tive acesso ao computador dele. Muitos negócios que poderiam dar errado, e embora ele confiasse em mim, foi um passe difícil, especialmente depois da faculdade.

Fui até sua cadeira de couro e me sentei enquanto a memória se desdobrava.

— Iz, eu preciso que você me prometa algo, está bem?

— Qualquer coisa. — Eu estava muito encantada com o nosso apartamento de cobertura, o sofá caro, as cortinas. Nunca tinha tomado cortinas antes e agora não conseguia parar de encará-las; elas eram eletrônicas e puxadas pelas janelas com um botão que me deixou cambaleando. De fato, tudo foi executado através de um sistema de controle com botões, chuveiros, músicas e até mesmo nossos iPhones.

— Iz, foco. — Seus lábios puxaram um pequeno sorriso. — Você pode fazer aquilo?

— Hã? Sim, desculpe. — Larguei o controle remoto e o encarei. Ele parecia nervoso e um pouco triste, mas imaginei que ele estava passando pela mesma descrença que eu. Ele agora era vice-presidente sênior da Tennyson Financial, e todos os nossos sonhos estavam finalmente se tornando realidade. Nós começaríamos a ter filhos imediatamente, continuaria meu trabalho voluntário e nunca mais precisaríamos nos preocupar com dinheiro.

Ele finalmente teve acesso ao seu fundo fiduciário. Parecia algo saído de um conto de fadas, e eu estava vivendo isso!

— Vou ter acesso a muitas informações privadas, informações que, se vazadas, podem derrubar empresas, levar as pessoas demitidas. Eu confio em você, eu apenas preciso que essa seja a nossa única regra. Vou comprar o laptop que quiser, mas meu computador é meu, está bem? Não quero segredos, e não quero que você pense que estou mantendo você fora, porque protejo tudo com senha, mas esse trabalho é realmente importante para mim. E protegê-lo é mais importante.

— Eu sei Julian. Você sempre me protegeu, mesmo quando eu estava irritada com você. Nunca tinha que me preocupar com a vida me derrubando, porque você sempre estava lá para me buscar.

Seus olhos brilharam com algo antes de um sorriso irromper em seu lindo rosto. — Você sabe exatamente o que dizer para melhorar tudo, não é?

— Uh-huh, é por isso que sou sua namorada e você me ama. — Coloquei meus braços em volta do pescoço e o beijei suavemente.

Ele gemeu. — Nunca vou me cansar disso, Iz, de nós, de você. Mal posso esperar para começar uma família com você. Mal posso esperar pelo que o futuro reserva.

— Vai ser uma aventura, — concordei.

E nunca fui para trás de sua mesa.

Por três anos eu mantive minha palavra.

E agora eu estava tocando meus dedos no mouse tentando acordar o computador e rezando para que suas senhas fossem salvas.

Às vezes, ele as anotava ao lado do computador.

Na época dela, ele os colocava no telefone.

Coloquei minhas mãos na mesa e dei uma palmadinha em busca de uma nota pegajosa ou algo que ajudasse. Ele tinha documento após documento de doações generosas, exatamente como ele.

Minhas mãos ficaram vazias, o que significava que eu teria que confrontá-lo quando ele chegasse em casa e pedir a única coisa que ele sempre me prometeu.

Honestidade.

Porque mesmo quando ele traiu, ele não mentiu.

Mesmo quando ele me machucou, ele não adoçou.

Levantei-me da mesa e tropecei no tapete embaixo da cadeira dele. Rapidamente agarrei a lateral da mesa e derrubei uma foto nossa.

Graças a Deus o vidro não quebrou.

Peguei e olhei para ela.

Estávamos felizes então, como estávamos agora.

Inclinei minha cabeça enquanto ele sorria para a câmera.

E então eu olhei.

Ele parecia muito mais composto nessa foto. Foi tomada há mais de um ano, o que fazia mais sentido, mas algo a mais não fazia muito sentido.

Com um suspiro, coloquei-a de volta na mesa. Havia uma nota pegajosa onde a foto estava.

Nela, um número de telefone.

E o nome Bridge Anderson.


Capítulo Vinte e Sete

Bridge


Precisava de uma bebida. Talvez dez.

Após a conversa com meu pai, passei várias horas de entrevistas e meu estômago estava se comendo de fome.

Não estava preparado para o voo.

Todo o flerte.

Toda mulher que me entrevistou parecia pensar que eu ainda estava no mercado. Essa foi a parte mais confusa do dia inteiro, ele flertava com todo mundo ou apenas usou seu flerte para fazer as coisas? Ele tinha mais mulheres do que homens trabalhando para ele, e todas pareciam ser baseadas no primeiro nome.

— Que diabos, cara? — Sussurrei baixinho. — O que você estava pensando?

Estava louco e não tinha ajuda. Parecia afogar-me em um terno muito caro que só tinha colete salva-vidas que Julian sabia acessar.

Após as entrevistas, fui imediatamente ao hospital. O médico disse que Julian ainda poderia acordar a qualquer momento e que o inchaço estava diminuindo, mas quanto mais tempo ele ficava, mais preocupados estavam por ele não acordar.

O médico saiu para ir conversar com as enfermeiras.

E eu tinha olhado para ele.

Meu irmão.

Seu rosto estava quase completamente curado, exceto por algumas novas cicatrizes que a cirurgia plástica teria que consertar, e a máquina ainda estava respirando por ele.

Senti tanta culpa que não consegui falar.

E então eu sabia que precisava.

Talvez ele acordasse, talvez eu pudesse irritá-lo o suficiente para ele reagir.

Valia a pena.

— E aí cara. — Agarrei sua mão e segurei. — Só pensei que você deveria saber que você tem a noiva mais bonita que eu já vi e que ela disse que meu cabelo era mais macio que o seu.

Os dedos dele tremeram.

Afastei minha mão e soltei uma pequena risada. — Não gostou disso, não é?

Sem resposta.

— Bem, pelo menos isso significa que talvez você possa me ouvir, talvez você pare de dormir no trabalho e se acostume. O mundo pensa que você é saudável e o CEO da Tennyson. O conselho sabe a verdade: entrei para impedir o pânico generalizado sobre uma das maiores aquisições da história. — Suspirei.

-Não quero sua vida, Jules. Juro que não. Mas estou começando a entrar em pânico. Ok, eu já estou em pânico. Preciso que você acorde, porra. Papai é... ele está respirando no meu pescoço sobre Izzy. Você tem uma noiva. Minha voz falhou. — Uma vida. — Eu me odiava muito. Eu a queria tanto, talvez mais do que ele. Lutaria por ela, enganaria a morte por ela. — Um casamento.

Dessa vez, seus dedos tremeram.

Agarrei-os e apertei.

— Não sei o que fazer, — sussurrei. — Estou completamente enlouquecido e, pelo que parecia, você estava muito antes disso acontecer. Não sei qual era o seu plano, mas vi o seu computador. Sei que tenho um fundo fiduciário, sei que tenho um terço da empresa, então preciso que você acorde, para que você possa me dizer o que devemos fazer com essa informação. Amaldiçoei novamente. — Papai disse que não iria assinar as ações para mim, a menos que eu fizesse algo, algo que te machucaria. Algo que me machucaria também.

Larguei a mão dele e me levantei. — Preciso da sua permissão. Deus, isso parece idiota, mas eu preciso da sua permissão para casar com Izzy, para fazer a coisa certa por ela. Ainda não contei a ela, mas se o fizer e ela estiver chateada, o que ela tem todos os motivos, então papai não assinará os trinta por cento que sei que precisamos.

Uma batida suave soou na porta.

O Dr. Perkins entrou com uma expressão ilegível no rosto. — Seus sinais vitais são bons, mas ainda não vemos nenhuma atividade cerebral significativa além da função básica do tronco cerebral. Sua pontuação na escala de coma de Glasgow permanece em três.

A impaciência cresceu dentro de mim. Eu não sabia o que aquilo significava. — Olhe para ele. — Apontei para meu gêmeo, meu coração girando. — Parece que ele poderia acordar a qualquer momento. Ele está mexendo os dedos, até ficou com raiva de mim e fez isso duas vezes quando eu o provoquei.

— Senhor Tennyson. — Ele colocou a mão no meu ombro e eu apertei minha mandíbula. — Ele precisa de tempo para curar. Assumimos que os pacientes podem nos ouvir, mas também sabemos que, às vezes, seus movimentos podem ser um truque dos nervos que tentam curar. Não perca a esperança e continuaremos fazendo o nosso melhor, está bem?

— Sim, — eu resmunguei. — Não vou desistir dele.

— Boa. — Ele sorriu e estendeu a mão. Balancei e depois me virei para o meu irmão e me inclinei para beijá-lo na testa. — Sinto muito por não ter protegido você, Jules, e sinto muito pelo que tenho que fazer para garantir que nunca mais cometa esse erro.

Saí do hospital tão desamparado quanto antes. Meu cérebro estava nublado de confusão enquanto eu dirigia um carro que eu nem possuía, um Maserati novinho em folha, de volta ao apartamento e o estacionava na garagem.

Ainda tinha o USB no bolso, mas parece sem sentido sem Julian, porque eu não poderia agir sem ele. Não conseguia agir sozinho, e pelo que eu já tinha visto, precisava dele de uma maneira enorme.

E, a menos que acontecesse um milagre, eu estava realmente roubando a vida dele neste fim de semana — não, não apenas a vida dele, possivelmente o amor de sua vida.

E talvez o meu amor também.

Merda, como chegou a isso?

Quando as portas do elevador finalmente se abriram para o apartamento, fui recebido com o cheiro de espaguete e pão.

Meus pés me levaram para a cozinha, onde Izzy estava sentada com uma taça de vinho e um pequeno sorriso no rosto.

Ela não usava nada além de renda preta.

Meu cérebro se recusou a funcionar além do fato de que ela estava de lingerie e eu ainda estava vestido.

— Droga. — Estava quase nervoso para falar. — Você parece incrível.

E aqui eu deveria não ter uma prévia. Porque eu não mereço uma, porque meu irmão teve você primeiro e eu quero odiá-lo por isso, não importa o quão injusto seja.

— Obrigada. — Izzy passou o dedo pela alça rendada do sutiã e sorriu. Como eu deveria manter minhas mãos longe dela? — Longo dia?

— Você não tem ideia. — Gemi e tentei pensar em mais palavras para dizer, mas meu cérebro estava errado, lembrando-me que ela não era minha para desembrulhar. — Cheira incrível. — Eu a contornei e peguei meu próprio copo de vinho e coloquei na ilha da cozinha entre nós, eu precisava de algum tipo de barreira antes de jogá-la no balcão e lambê-la pelo seu corpo.

— Julian? — Me encolhi com o nome. Hoje não, agora não. Faria qualquer coisa para ouvi-la dizer meu nome, qualquer coisa. Odiava que isso fosse o que tudo se resumia a, eu desejando que ela soubesse o quanto eu me importava e ela pensando que já sabia a verdade porque eu era Julian. — Você parece tenso.

— Estou tenso. — Sexualmente reprimido e tenso, emocionalmente esgotado e precisando de suas pernas em volta de mim. — Só sei que assinar meu nome em todas essas linhas pontilhadas salvou muitos empregos desde que a IFC estava falindo. Entendo que foi bom para a economia, para nós, mas apenas senti... egoísta e como se nunca mais voltássemos disso, como se meu pai tivesse mais uma coisa... — Balancei minha cabeça. — É muito o que processar—. Pensei em Julian e eu brigando por CDs, ele pegando minha merda e eu ficando irritado e depois pensando que nunca o trataria dessa maneira. Era como se nossos papéis tivessem se revertido no pior momento possível. Só que desta vez, fui eu quem tirou e ele não era o tipo de cara que me deixava ter as coisas.

— Julian? — Durante o meu colapso mental, Izzy de alguma forma andou pela ilha e agora estava parada na minha frente, quase nua. Poderia tocá-la, queria tocá-la. Não poderia, eu apenas...

Inclinei-me e beijei-a na bochecha, meus lábios pairando perto de sua boca, saboreando o vinho no ar. — Desculpe, eu só estava pensando. Foi um dia muito longo, como eu disse. Por que não sentamos e temos algo para comer? — Andei em volta dela e entrei na sala, peguei um cobertor e o envolvi em seus ombros. — Não quero que você esfrie.

O cobertor deslizou até o tapete. — Eu não estou com frio.

Porra.

— Não? Porque você parece que sim. — Apalpei seu peito, esperando que fosse suficiente que ela me beijasse e eu pudesse escapar sem arruinar totalmente sua vida.

Ela ficou.

Ela era leal.

Estava tirando isso dela sem que ela sequer soubesse.

Talvez eu fosse o vilão, afinal.

O monstro. Assim como meu pai.

Porque eu queria pegar sem olhar para trás, e de repente estava começando a pensar que sair sem ela não era uma opção.

Seus olhos se fecharam quando ela se inclinou e colocou os braços em volta do meu pescoço, seu corpo pressionado firme contra o meu, macio nos lugares certos. Deslizei minhas mãos até a curva de seus quadris e tentei não pensar em como era bom, como era bom tê-la em meus braços.

Um homem fraco a teria levado.

Precisava ser mais do que isso. Além disso, mesmo que eu não a conhecesse tão bem quanto ele, mesmo que eu não merecesse isso, de alguma forma isso parecia fora de caráter para ela. Ela ainda tinha sido um pouco tímida comigo. Mais brincalhona, sim. Mais responsiva quando a segurei à noite? Absolutamente, mas eu nunca a consideraria uma sedutora.

Semanas atrás, parecia que ela queria me matar. Algo não estava certo, mas eu ainda era um cara e não conseguia tirar os olhos dela.

— Izzy?

— Humm? — Ela começou a beijar meu pescoço, seus lábios se movendo para cima e para baixo na minha pele, deixando um rastro de sensações que me deixaram pronto para desmaiar. Isso era um teste? Para ver se eu era realmente Julian? Se eu responderia?

De repente, fiquei preocupado que ela soubesse algo que não deveria.

Algo que destruiria o relacionamento frágil que tínhamos entre nós.

— Eu só quero que você saiba, acho que você é a mulher mais bonita que eu já conheci, eu desejo.

Ela parou de me beijar.

— Eu desejo que...

Ela se afastou. — Gostaria que já estivéssemos casados.

— O que? — Saiu mais alto do que eu pretendia.

Ela sorriu para mim e depois pegou meu pau.

Eu estava indo para o inferno.

Ela apalpou a frente da minha calça enquanto eu reprimia uma maldição e sussurrava: — Izzy, você não quer esperar até este fim de semana? É mais romântico dessa maneira, e eu lhe disse: quero que você queira, não porque sinta que precisa.

Não havia como escapar disso, a menos que ele acordasse.

E essa era a parte irritante. Se ele acorda, eu não a peguei, e se ele não, eu fiz. Eu estava preso entre querer os dois futuros.

Os olhos de Izzy se estreitaram. — Então, para ficar claro, você, Julian Tennyson, está recusando sexo?

Estava me estrangulando mentalmente e minhas bolas estavam se afastando do meu corpo, e ficaram tão decepcionadas como o resto de mim.

Abaixei minha cabeça. — Sim, mas apenas porque eu te respeito muito.

Pelo amor de Deus, essas palavras simplesmente saíram da minha boca, não foram?

— E eu quero que você confie em mim, — acrescentei.

Algo mudou em seus olhos quando eu disse confiança.

Ela sorriu. — Confie, hum? Então isso significa que você vai me dizer a verdade, não importa o quê? Daqui em diante?

Porra. — Sim.

Ela sorriu então, um sorriso lindo, inclinou-se, pegou o cobertor e começou a dizer — Acho que devemos comer então.

Meus olhos se estreitaram. — Izzy, o que está acontecendo?

— Comida em primeiro lugar. — Ela apontou para o quarto. — Fique confortável, e eu vou arrumar tudo, certo?

— Certo.

Algo estava acontecendo.

Ela sabia?

Eu olhei para ela um pouco mais forte.

Seu olhar era de total inocência. Balancei minha cabeça e entrei no quarto, fechei a porta, entrei no banheiro, fechei e mandei uma mensagem para mamãe no meu telefone antigo.

Eu: É informação pública? Que eu e Julian somos gêmeos?

Mãe: O que?

Eu: Você pode pesquisar nossa família no Google e ver que somos gêmeos?

Mãe: Tudo sobre você tem o nome de Anderson, não Tennyson. Confie em mim, seu pai tornou muito fácil para as pessoas nos esquecerem, embora eu ainda esteja listada como sua primeira esposa e mãe de Julian. É difícil encontrar informações, especialmente com todas as novas informações da Tennyson surgindo em todos os lugares.

Eu: Ela está agindo de forma suspeita. Izzy.

Mãe: Porque vocês podem parecer o mesmo por fora, mas vocês são duas pessoas muito diferentes por dentro. Você tem mais do seu pai do que eu gostaria de admitir e Julian, bem, ele tinha muito de mim. Ele se importa, às vezes demais. Nunca entendi como seu pai pensou que ele poderia transformá-lo em um monstro cruel.

Eu: Eu ainda quero odiá-lo.

Mãe: Ele te machucou profundamente. Ele me machucou também. Não conversamos com ele há mais de uma década. Não há problema em ficar com raiva. Gostaria de pensar que ele tinha suas razões, que ele estava de alguma forma nos protegendo.

Eu: Ou ele é apenas egoísta.

Mãe: Isso também. Então, novamente, esse seria o pote chamando a chaleira de preto, agora não seria? Com quem você se casará em alguns dias?

Suspirei e quase derrubei meu telefone no banheiro.

Eu: Eu gosto dela.

Mãe: Eu sei.

Eu: Diga-me o que fazer.

Mãe: Ore para que ele acorde.

Um nó se formou na minha garganta. Não tinha coragem de dizer a ela que uma parte de mim queria o melhor dos dois mundos, ele acordando e me dando sua bênção para roubar sua única razão de viver. Meus pensamentos pesados me consumiram quando voltei para o armário e escondi meu telefone — cometendo um erro grave no processo ao esquecer de verificar duas vezes se estava silencioso.


Capítulo Vinte e Oito

Isobel


Ele não me tocou.

E por algum motivo tudo o que eu continuava focando era a maldita tatuagem na mão dele. Deitei ao lado de um homem com quem me casaria em cinco dias, e quanto mais tempo passava com ele, mais preocupada eu estava com o fato de algo estar acontecendo.

E eu não queria saber.

Isso me faz um monstro?

Uma pessoa horrível?

Por querer fechar meus olhos, zumbir alto e fingir que isso era para sempre, que Julian era ele mesmo novamente, que ele não se importava com o dinheiro, a fama, o poder, que finalmente Edward iria deixar o cargo e nos deixar viva nossas vidas.

Não sou idiota.

Edward controlou tudo sobre nossas vidas desde a faculdade. Por que ele iria parar agora?

E por que diabos Julian estava visitando esse Bridge e mantendo isso em segredo? Queria exigir respostas, mas também era covarde. Por estar gostando tanto dele, fiquei com medo de que, se fizesse a pergunta, ele voltaria ao homem que era antes do acidente.

Isso era estúpido.

Mas ainda estava lá. Aquela sensação de afundamento.

Virei de lado e coloquei minha mão nas costas de Julian e depois a afastei. Havia outra tatuagem no ombro esquerdo. Era pequena e parecia tribal, ou talvez dissesse algo em um idioma diferente? De qualquer maneira, ele precisaria que alguém usasse o material do Inkbox nele, em vez de fazer ele mesmo, com base em onde ele estava localizado.

Que diabos estava acontecendo?

Tracei meus dedos sobre a escrita.

E fiquei apreensiva quando senti a crista da tinta.

A tatuagem dele era real.

Sabia que cada centímetro dele, mesmo tendo certeza, nesses últimos seis meses, não dormimos muito juntos, principalmente porque eu ainda estava sofrendo com suas ações. Ele realmente faria uma tatuagem sem me dizer?

Além disso, por que ele mentiria sobre isso?

Esfreguei meus dedos para frente e para trás por mais alguns segundos. Era tão estranho sua pele. Meus olhos traçaram seu corpo insanamente construído.

E na minha alma, eu sabia que havia algo que estava faltando.

E fui transportada de volta ao dia do acidente, quando tudo que eu queria era ser libertada desta vida, do controle. Quando fiquei agradecida por ele estar em coma, quando percebi que era tão ruim quanto os Tennyson, porque não estava orando por um milagre. Eu estava rezando por liberdade.

Suspirei quando Julian se virou e me encarou, seus olhos sonolentos, seu sorriso casual. — Não consegue dormir?

— Por que você fez uma tatuagem sem me dizer?

Seu rosto não revelou nada, mas seu corpo ficou tenso, seus bíceps flexionados, e eu pude ver a tensão em seus ombros enquanto ele me olhava. — Eu sinto muito.

— Por que você se arrependeria? O Inkbox existe? — Eu ia enlouquecer antes que a semana terminasse. — Quero dizer, não é algo sobre o qual você conversaria com sua futura esposa? 'Ei, eu estou permanentemente colocando tinta no meu corpo'?

Ele beijou minha testa e pegou seu telefone, abriu um site e me mostrou. Dizia Inkbox e, fiel à sua história, eles tinham tatuagens temporárias que duravam quase três semanas para que as pessoas não precisassem se comprometer.

— E você está pensando em comprá-los? Parece um pouco estranho para nós, não acha? — Estava desafiando ele; Nunca o desafiei, nunca questionei, porque ele nunca me deixava, ele sempre terminava a conversa primeiro, ele sempre me pedia para ser razoável.

Não mais. Em vez disso, essa versão antiga ou nova, por mais que eu olhasse, queria que eu o desafiasse, acolhia meus argumentos como se qualquer outra coisa fosse uma decepção.

— Você está certa. Está fora da marca, mas acho que a marca está se movendo em uma nova direção, especialmente agora que temos mais controle sobre o que podemos comprar. — Ele colocou meu cabelo atrás das orelhas e deu um beijo no meu nariz. — Você está exausta.

— Não me diminua! — Agarrei. — Isso parece... — Engancho minha cabeça. — Fui ao seu escritório.

Nenhuma reação.

Sem raiva.

Nada.

— E? — Ele inclinou a cabeça como se não fosse grande coisa.

De repente, estava ficando difícil respirar naquele quarto, naquela cama. — Você não está bravo?

— Por que eu ficaria bravo? Você é minha outra metade.

Coisas que eu teria matado para ouvir semanas atrás, anos atrás.

— Derrubei uma foto nossa. — Estava me sentindo histérica. — Você ganhou pelo menos dez quilos de músculo desde então, talvez mais. Seu sorriso é diferente. Inclina para a direita e não para a esquerda. Você tem tatuagens, três que eu posso ver, que nunca vi antes. E você é... você é... — Lágrimas encheram meus olhos. — Você está diferente. Mas você me vê. E agora acho que estou enlouquecendo, e talvez esteja, talvez depois de anos sob a regra de Tennyson, estou perdendo tudo. Vamos nos casar em cinco dias, e o homem que entrou naquele hospital não é o homem que saiu.

Seus olhos dispararam para os meus e se fecharam como se ele estivesse com medo de desviar o olhar. — Você está certa. O homem que saiu do hospital não é o mesmo homem. Eu te disse, eu mudei. Eu estou nisso, Izzy. — Ele segurou meu rosto com as mãos. — Tudo que você precisa saber é que estou nisso com você. OK? Não vou te abandonar. Não vou te deixar. Vou lutar como o inferno por você, mesmo sabendo que você não merece o homem que entrou naquele hospital ou o que saiu. Você entende o que eu estou dizendo?—

Engoli. — Eu vi você hoje. No Hospital.

Seu corpo ficou completamente tenso, e então ele deu um beijo quente na minha boca. — Me prometa que hoje à noite eu posso provar você e amanhã você pode fazer suas perguntas?

— Por quê? — Lágrimas encheram meus olhos.

— Porque eu sou um bastardo egoísta e quero você, apenas você, agora, sem segredos, sem perguntas, você. — Ele abaixou a cabeça e me beijou tão forte quanto o trocadilho da minha cabeça.

Me agarrei a ele porque precisava de algo para ser real e verdadeiro, e quando ele me beijou, parecia que tudo ia ficar bem.

Ele rosnou contra o meu pescoço, em seguida, puxou minha bermuda de seda e puxou minhas pernas, desaparecendo sob as cobertas. Soltei um suspiro surpreso quando senti sua língua entre as minhas pernas, quando suas mãos afundaram na minha pele. Meus quadris empinavam com cada movimento de sua língua. Segurei os lençóis em minhas mãos enquanto meu corpo pulsava com cada sensação de escalada. Eu estava envolvida em emoção quando a imagem do que ele estava fazendo queimava minha mente e pulsou quando a tensão dolorosa aumentou até que seus dedos ágeis assumiram o controle.

— Julian. — Agarrei seu cabelo. — Agora, eu preciso de você agora. — Minhas coxas tremeram quando ele bebeu de mim, sugou e violou todas as defesas ou argumentos que eu tinha acabado de lançar para ele. Meu cérebro não focaria. Tudo que eu sentia era ele, e tudo que eu queria era mais quando meu grito de libertação encheu a sala inteira, talvez até o prédio. Estava drogando, do jeito que as ondas do meu clímax rolavam uma e outra vez como se meu corpo ainda estivesse tentando reviver e espremer a cada minuto.

A língua de Julian deslizou pela minha coxa enquanto ele pressionava um único beijo ali e pairava sobre mim, seus músculos bíceps inchados ao luar.

— Nunca vou te merecer, — ele murmurou. — Não significa que eu não tentarei cada maldito segundo de cada maldito dia. Você é especial, nunca deixe ninguém lhe dizer algo diferente. Você é uma lutadora, mais forte do que pensa. Não importa o que aconteça, Izzy, lembre-se disso.

Ele virou de lado enquanto eu ainda estava me recuperando, minha respiração pesada.

Meu coração está triste.

Porque era exatamente assim que o velho Julian teria resolvido o argumento, fazendo-me esquecer, usando meu próprio corpo e amor por ele contra mim.

Não o deixei ver a lágrima que escorria pela minha bochecha, eu a enxuguei muito rapidamente. E eu não o deixei saber o quanto ele me machucou fazendo algo que ele achou que era um favor quando eu teria tomado a verdade.

Lágrimas queimaram o fundo da minha garganta enquanto eu tentava juntar tudo, e quando soube que ele estava finalmente dormindo, entrei no escritório e roubei o pedaço de papel com o nome de Bridge Anderson, junto com o número.


Capítulo Vinte e Nove

Bridge


Acordei sentindo como se tivesse feito algo irrevogável. Prometi a mim mesmo que não a tocaria, e fiz exatamente o oposto. Pior, eu tinha feito isso de uma maneira de provar a ela o meu próprio valor, em vez de fazê-lo sobre ela.

O egoísta nem começou a cobri-lo.

E pude sentir isso em sua postura quando ela se deitou e fechou os olhos, quando pensou que eu estava dormindo e a ouvi chorando baixinho.

Eu tinha feito isso.

Eu a deixei triste.

Julian não.

Eu, Bridge Anderson, tinha feito isso.

E não consegui desfazer.

E eu não podia lhe dizer por que, porque então tudo seria por nada, não é? Não tinha outro recurso senão marchar para a frente e me casar com ela, pedir perdão depois do fato e rezar para que Julian acordasse logo.

Isso me fez uma pessoa horrível que, quando eu finalmente fizesse sexo com ela, eu queria que ela gritasse meu nome, não o dele?

Levantei-me da cama e fui até o armário e peguei uma calça. Levei-os comigo para o banheiro. Enquanto eu me aprontava rapidamente para o dia, me olhei no espelho. Parecia com ele, não é? Mas Izzy sabia, ela sabia que algo não estava certo, e eu não tinha certeza de que poderia manter minhas mentiras retas, não tinha certeza de que queria.

Olhei para a tatuagem na minha mão. Mamãe me deixou fazer quando eu tinha dezesseis anos. Disse a ela que não queria ter nada a ver com o nome Tennyson, e ainda assim queria que meu corpo me lembrasse quem eu era e quem não era.

Amaldiçoando, puxei o USB do bolso e olhei para ele. Por que parecia tão pesado? Como uma arma carregada ou bomba prestes a ser disparada. O peso disso parecia um mau presságio, enquanto eu pesava nosso futuro na minha mão.

Nunca pedi essa responsabilidade.

Tudo que eu queria era que minha mãe e meu irmão vivessem.

E agora eu estava preso em algum triângulo amoroso do qual meu próprio irmão nem sabia que estava participando.

As coisas estavam fodidas, e eu só tinha que me culpar. Não estaríamos tão desesperados por dinheiro se eu tivesse trabalhado mais duro para estar lá por mamãe, se tivesse engolido meu orgulho e contatado Julian, inferno, se não tivesse rasgado esse cheque.

Se eu tivesse contado a Izzy no minuto em que ela abriu a porta e que ela estava em segredo e a que ela se apaixonou por mim não por ele novamente.

Estava oficialmente enojado comigo mesmo.

Fui rapidamente para o armário ao lado e vesti um dos muitos paletós de Julian; este era cinza. Não coloquei gravata porque não dava a mínima. Dei de ombros na jaqueta muito apertada e caminhei para a cozinha.

Izzy já estava vestida, sentada no balcão do café, tomando seu café e checando o telefone.

No minuto em que subi, ela deslizou o jornal em minha direção e depois o seguiu com uma xícara de café. Todo preto.

Peguei e adicionei um pouco de creme e um pacote de estévia.

Ela levantou os olhos do telefone. — Você não quer mais café preto?

Congelo. — Apenas senti como algo mais doce esta manhã.

— A última vez que você teve algum tipo de adoçante real ou artificial foi anos atrás.

Engoli. Merda. Ela sabia, sabia que algo estava errado, ela finalmente estava montando tudo, e tudo o que eu estava fazendo era jogar mais mentiras nela.

— Bem — bebi a doçura — talvez eu só queira algo que me lembre como você tem um gosto enquanto estou sofrendo no trabalho.

Os olhos dela se estreitaram. — Interessante.

— O que é?

— O fato de você ser repentinamente canhoto. Estranho, já que eu não percebi isso antes. Esse é outro dos efeitos colaterais da lesão cerebral?

Porra. — Um dos muitos, eu tenho medo. Se você estiver preocupada, posso lhe dar uma lista de todas as merdas loucas que devo fazer enquanto minha cabeça está se recuperando de todo esse inchaço.

— Não. — Ela suspirou e depois franziu o cenho para o telefone. — Não, desculpe, eu estou apenas — a noite passada foi...

— Sinto muito. — Me movi ao redor do balcão e peguei a mão dela. — Era eu sendo um idiota e não pensando em você. Você queria conversar, e eu apenas assumi o controle, e isso não é justo para você, certo? Não quero ser esse cara.

— O que você quer dizer? — Ela olhou nos meus olhos.

Deus, ela era uma das mulheres mais bonitas que eu já vi. Queria protegê-la de tudo, inclusive eu. Porra, quando isso ficou tão complicado?

— Quero dizer, não quero ser o cara que não te ouve, não te vê. Quem conserta as coisas com orgasmos e sorrisos fáceis. Quero conhecer suas preocupações e conversar, mesmo que isso signifique que fico acordado a noite toda. Quero ser esse cara, porque foi assim que fui criado. E essa é a verdade.

— Edward não criou você dessa maneira.

— Eu sei, — sussurrei. — Ele não fez. — Me senti cedendo, afundando na areia quando seus olhos se fixaram nos meus. Foi o momento perfeito para confessar a ela, pedir sua ajuda. Desculpar-se.

Odiava que tivéssemos um casamento em alguns dias e ela ainda achava que estava tudo bem.

— Então você está dizendo que sua babá fez isso?

— Tive minha mãe antes do divórcio, — sussurrei, enquanto meu cérebro cantava Mentira, mentira, mentira, você ainda a tem. — Sei como tratar a mulher que amo.

Foi a primeira vez que eu disse amor a ela como Bridge, mas não seria a última.

Estava fazendo isso, não estava?

Eu a estava mantendo.

E se ele estivesse vivo, ele me odiaria para sempre.

Meu interior apertou quando ela escorregou da banqueta e passou os braços em volta do meu pescoço. — Eu também te amo.

Errado, tão errado.

Ela o amava? O novo ele? Eu? Quem ele amava?

Isso importava?

Eu a beijei então, suavemente e depois com mais urgência, enquanto ela pegava a xícara de café das minhas mãos e espalhava as palmas das mãos em meu peito largo.

Minha, ela era minha.

Eu a levantei no balcão, minhas mãos nos quadris enquanto eu caminhava entre suas pernas, nossas línguas torcendo quando ela agarrou meu cabelo e puxou. Em todo lugar que eu tocava era como seda aquecida.

— Você — ela me beijou novamente — se atrasará para o trabalho.

— Deixe-me me atrasar.

— Julian.

Eu parei.

Parei porque era o nome dele.

E eu o odiava mais, talvez naquele momento, do que nunca.

Minha mandíbula flexionou. — Certo, você está certa, vejo você hoje à noite para jantar?

O rosto dela estava triste. — Sim, Julian.

Precisava que ela parasse de dizer esse nome.

— Vou vê-la hoje a noite.

E como eu precisava de outro ataque contra mim, murmurei baixinho. — Isobel.

A ouvi ofegar suavemente antes da porta se fechar atrás de mim.


Capítulo Trinta

Isobel


Meu ódio estava de volta. Ou talvez não fosse ódio, talvez tenha sido ferida disfarçado de ódio? No minuto em que a porta se fechou, tranquei-a, só por precaução, e corri para proteger seu escritório. Deslizei meus dedos pelo teclado do computador, acordando-o e peguei o pedaço de papel. Não tinha certeza de quando ele notaria que estava faltando. E foi aí que eu notei que a tela ainda estava aberta, congelada, na verdade.

Podia sentir meu coração na garganta, ainda bombeando, ainda me lembrando que estava respirando e bem, enquanto movia meus dedos sobre o mouse pad.

Em uma escrita gritante em preto e branco, vi o nome Bridge Anderson Tennyson.

Era um fundo fiduciário.

Por US $ 2,5 milhões.

E 30% da Tennyson Financial.

Não sei quanto tempo fiquei olhando.

Julian tinha um irmão que eu não conhecia.

Um irmão chamado Bridge.

Talvez por isso a mãe dele tenha escorregado mais cedo quando o chamou de Bridge?

Oh Deus.

É por isso que ele estava agindo tão estranho?

Estava na hora de fazer perguntas.

Hora de obter respostas e aumentar a espinha dorsal.

Ele esteve no hospital visitando seu irmão.

Queria saber o porquê.


Capítulo Trinta e Um

Bridge


Merecia apodrecer no inferno.

Essa foi realmente a única coisa que me veio à mente quando me sentei naquela reunião do conselho, enquanto meu pai continuava sorrindo para mim.

Que ele de alguma forma ganhou.

Porque eu a chamei de Isobel de propósito, para fazê-la pensar que eu era ele, por desespero, porque queria salvá-la, porque queria salvar os dois.

Meu coração se alojou na minha garganta.

Eu estava fora de controle.

— Agora... — Pai levantou-se da cadeira. — Como você sabe, Bridge é CEO e, embora todos estejamos tão agradecidos por ele estar aqui e capaz de administrar a empresa, acho que devemos discutir o que acontece se Julian não acordar. Obviamente, as coisas continuarão como sempre. Mas se vazar da maneira certa, Bridge parecerá um herói. Eu só quero que estejamos completamente preparados para o pior. Ele suspirou. — Conversei com os médicos, sem mais movimentos.

Harry suspirou. — Desculpe Edward, eu sei o quanto Julian significa para você, para todos vocês. EU...

— Desculpe por interromper. — Fiquei de pé. — Mas não podemos falar sobre meu irmão como se ele já estivesse morto? Ele está em coma, curando, é tudo o que importa. Agora, se você não se importa, gostaria de voltar aos negócios. A IFC tinha mais de seis mil funcionários pelos quais agora somos responsáveis, funcionários que, sem nós, ficariam sem emprego. Quero que essa transição seja perfeita, mas você sabe o que acontece quando começa a trabalhar com uma nova empresa. As coisas escorregam pelas rachaduras e, senhores, não podemos permitir que isso aconteça.

O queixo do meu pai parecia que estava pronto para cair do seu rosto, e então ele murmurou a coisa mais chocante que eu já o ouvi dizer. — Você está absolutamente certo, filho, desculpe, vamos escrever uma carta para os vice-presidentes e a gerência.

Harry assentiu enquanto outro membro do conselho olhou para mim e sorriu. — Dois dias depois e você já está estourando bolas, hum?

— É meu trabalho quebrar bolas e garantir que vocês fiquem ricos, então devemos passar para as próximas aquisições que eu gostaria de ver, incluindo uma empresa de tatuagem temporária que foi extremamente lucrativa no ano passado? Se você apenas prestar atenção na tela, eu serei rápido.

As luzes diminuíram.

E duas horas depois, me senti melhor sobre o dia. Estava dando a Julian isso; Eu estava dando a ele a companhia dele.

E eu me recusei a estragar tudo por não fazer um bom trabalho.

Tinha um longo dia pela frente e de repente fiquei agradecido por ter uma secretária que poderia me alimentar com grandes quantidades de Starbucks ao longo do dia, porque sabia que ia ter uma noite ainda mais longa.

Izzy.

Droga, sempre voltava para Izzy, não era?

Dispensando todo mundo e silenciosamente voltei para o meu escritório, o escritório dele, a linha estava borrando demais para eu processar.

Dei alguns passos pelo corredor quando meu pai me alcançou.

— Você fez bem lá. — Ele parecia tão orgulhoso que eu queria arremessar. — Quero dizer que você ultrapassou os limites, porque eu ainda sou o chefe, mas você se saiu muito bem. Seu irmão nunca teria...

Parei de andar e olhei para ele. — Comparar-nos só vai me deixar com mais raiva.

— Meio difícil não comparar você. Ele trabalha duro, e posso dizer que isso não vem naturalmente para ele. Ele é o cara que você traz para as festas, aquele que as pessoas adoram sem sequer ouvi-lo falar. Coloque-o em uma sala de reuniões, e ele poderá fazer qualquer um acreditar em qualquer coisa, mas pensando nos funcionários como você fez hoje, voltando aos negócios em vez de falar sobre golfe e...

Levantei minha mão. — Entendo o seu ponto, e já que você está tão impressionado, deixe-me fazer o meu.

O sorriso desapareceu.

— Tenho merda para fazer. — Disse isso com um sorriso no rosto. — E uma noiva que eu realmente quero chegar em casa, então essa conversa está terminada. Compare-me com ele novamente e você não gostará do resultado.

Dei talvez cinco passos antes que ele me alcançasse novamente e colocasse a mão no meu ombro. — Por um segundo, não pense que ela também não o comparará a ele. Porque um dia, talvez até em breve, ela saberá a verdade. Se eu fosse você, pensaria em como você está realmente animado por seu irmão acordar daquele maldito coma e recuperar tudo com um sorriso no rosto enquanto você se senta ao fundo... novamente.

Minhas narinas se abriram. — Quero que ele acorde.

— Hã. — Ele balançou a cabeça e riu. — Quase acreditei em você.

Ele me deixou em pé no corredor fervendo.

E não porque ele estivesse errado, mas porque ele viu o desejo que eu tinha de fazer um bom trabalho, porque ele viu os sentimentos que eu tinha por Izzy.

Eu estava bem e verdadeiramente ferrado se ele não acordasse.

Porque meu pai acabou de descobrir que ele me tinha.

E que eu não iria de jeito nenhum aqui, não com o legado de Julian para continuar, e não com Izzy ainda aqui. Mantive um bom ritmo no caminho de volta para o meu escritório e balancei a cabeça em Kelsey, ela sabia coisas que eu não sabia.

Passei minhas mãos pelos meus cabelos quando ela fechou a porta atrás dela.

— Preciso de café suficiente para ficar acordado pelas próximas horas sem ter um ataque de pânico. Você também pode discretamente ligar para o hospital e verificar Julian por mim? Ele tem... Comecei a andar. — Ele costumava amar música heavy metal, do tipo estridente, talvez ver se eles podem tocar um pouco para ele uma vez por dia, e ...

— Bridge. — Kelsey sorriu calorosamente para mim. — Você está fazendo um bom trabalho, todo mundo diz isso.

— Esse é o maldito problema, — sussurrei tristemente. — Quero fazer bem, então quando ele acordar, ele tem isso. — Abro meus braços. — Preciso que ele acorde.

— Sei que você faz. — Parecia que ela ia dizer outra coisa.

— O que? — Cruzei meus braços. — Parece que você tem uma pergunta.

— Se Julian estivesse aqui agora e ele dissesse para você se afastar disso, da vida dele, você seria capaz?

— Realmente não tenho vontade de responder a essa pergunta sem estar bêbado.

Ela riu. — Não há problema em ser bom nisso, você sabe. Não há problema em ser um pouco como ele, desde que você não se transforme no outro Tennyson. Permita-se ter sucesso, certo?

Engoli. — Bem.

— E eu vou pegar todo o café para você.

— Você é incrível.

— Hah, você é quem tem o poder de dar aumentos, apenas jogando lá fora.

— Hilário. — Revirei os olhos. — Ah, e essa outra recepcionista, a mal-humorada que ouvi é rude com todos no telefone, incluindo Izzy?

— Amy?

— Sim, mande-a entrar.

— Imediatamente. — Ela saiu e abriu a porta novamente quando Amy entrou no escritório, parecendo o tipo arrogante de recepcionista que meu pai tentaria seduzir. Sua blusa estava muito baixa, seu batom muito brilhante, e ela parecia a minutos de me perguntar se eu queria um strip-tease.

— Amy —. Disse o nome dela com indiferença. — Vou precisar que você arrume suas coisas. Vou lhe dar quatro semanas de aviso, o que é realmente generoso, considerando que você está realmente sendo dispensada.

— Desculpe? — Ela ficou boquiaberta. — Espere, você está me demitindo?

— Demitido parece muito agressivo. Digamos que estou pedindo para você parar de trabalhar para mim na esperança de começar a trabalhar para outra pessoa. Além disso, Izzy é minha noiva e a futura nora de Edward Tennyson. Aprenda para quem ser uma vadia. Agora pegue suas coisas.

Provavelmente foi a primeira vez na minha vida que fiz algo que lembrava o comportamento do meu pai e também a primeira vez que eu nem me importei.

Ela saiu do escritório.

E quando ela começou a jogar merda em uma caixa, eu tinha segurança escoltando-a para fora das instalações.

Kelsey voltou com dois cafés enormes e piscou. — Continue fazendo coisas como demitir várias e você se tornará o novo super-herói por aqui.

— Ele fez... — quase não podia perguntar. — Julian já fez...

O rosto dela se suavizou. — Não, não por falta de tentativa da parte dela, mas ele nunca cedeu.

Suspirei aliviado. — Boa. Obrigado pelo café.

— A qualquer momento, Julian. — Ela deixou meu nome com ênfase, o que me fez rir.

Incrível que semanas atrás eu estava treinando na academia e sendo bartender. E agora... Me virei e suspirei... administrando uma empresa multibilionária.

Me senti menos impostor e mais ansioso.

Que eu estava vivendo uma vida que não fiz nada para ganhar.

Enviei uma mensagem rápida para Izzy.

Eu: Senti sua falta hoje.

Izzy: Também sinto a sua falta. Estou indo para o hospital para fazer algumas leituras com as crianças, então te vejo hoje à noite?

O pânico tomou conta dos meus pulmões.

Eu: Parece fantástico, te amo.

Izzy: Também te amo.

Levei Kelsey de volta ao meu escritório.

— Ok, quando eu disse a qualquer momento, eu não quis dizer a cada poucos minutos depois que você demite a única outra pessoa que atende os telefones, — ela brincou e depois olhou duas vezes quando olhou para o meu rosto. — O que há de errado?

— Ligue para o hospital. Não ligo para o que temos para doar, diga a eles que ninguém, nem mesmo voluntários ou boas avós, entram na antiga ala da UTI.

— Imediatamente. — Sabia que ela não precisava de uma explicação, mas dei a ela de qualquer maneira.

— Izzy está indo para lá.

— Não diga mais nada. — Ela voltou para sua mesa e a porta se fechou atrás dela.

E tudo o que eu pensava era que tudo acabasse.

Que finalmente termine.

Izzy me mandou uma mensagem durante a tarde e agiu completamente normal. Ainda era cedo, mas eu sentia falta dela e estava nervoso por estar no hospital, então mandei uma mensagem para que ela soubesse que eu estava voltando mais cedo.

Eu: Chegando em casa mais cedo, como vai?

Izzy: Bom, eu tenho perguntas.

Eu: Perguntas?

Merda, merda, merda, ela o viu no hospital. Ela sabia.

Izzy: Eu usaria um copo.

Comecei a suar imediatamente. Eu estava dividido entre ficar aliviado e entrar em pânico por perdê-la.

Para sempre.

Mas eu já a tive?

Eu: O que está acontecendo?

Izzy: Posso amarrá-lo a uma cadeira.

Esse dia pode ficar pior?

Soltei um suspiro áspero e digitei de volta.

Eu: Apenas certifique-se de não quebrar mais costelas, estou em falta.

Izzy: Sem promessas.

Merda! O que diabos aconteceu no hospital? Uma enfermeira falou? Eles a deixaram entrar apesar do almoço grátis que entregamos junto com outra doação pesada?

Odiei o quanto eu realmente precisava do meu irmão naquele momento, teria feito qualquer coisa para alcançá-lo e dar um soco na cara dele e perguntar por que, por que ele me trouxe para isso? Ele estava pensando em entrar em contato comigo? Ele ia me contar sobre o fundo fiduciário?

Minha mente vagou quando éramos crianças.

— Julian, venha me pegar! — Gritei e corri pelo quintal enquanto mamãe nos observava brincar de esconde-esconde. Rapidamente encontrei uma árvore e me escondi atrás dela.

Ele perseguiu e tropeçou nos pés e depois começou a chorar.

Corri até ele. — Jules? Jules, você está bem?

— Dói, dói! — Ele balançou para frente e para trás enquanto mamãe veio correndo.

Agarrei sua mão e segurei. — Sou seu irmão mais velho. Sempre vou mantê-lo seguro, sempre.

Lágrimas caíram de seus olhos quando ele olhou para mim. — Promete?

— Prometo. Sempre estarei lá para você, mesmo quando for estranho.

Ele riu disso. — Você é estranho.

— Você é estranho!

Quando mamãe chegou, nós dois estávamos rindo, embora seu tornozelo estivesse ficando roxo e azul.

Nosso pai escolheu aquele momento para sair da mansão e gritar para nós entrarmos. — Esconde-esconde é para bebês, coloque sua bunda aqui, sua mãe já mima vocês o suficiente.

Endureci. Julian também.

— Você vai me proteger? — ele perguntou em voz baixa. — Mesmo dele?

Ele nunca aludiu ao nosso pai ser qualquer coisa, menos legal com ele. Era eu quem ele tratava como lixo.

As lágrimas estavam de volta em seus olhos.

Então eu assenti. Eu fiz essa promessa. — Mesmo dele, Julian, mesmo dele.

— Para sempre?

— O que?

— Diga, diga para sempre.

Mamãe ficou quieta enquanto conversávamos.

— Para sempre, — sussurrei, segurando sua mão na minha enquanto o ajudava a voltar para casa.

Olhei para mamãe bem a tempo de ver uma lágrima cair de seu rosto.

E o verdadeiro ódio por Edward Tennyson nasceu.

O carro parou nos apartamentos. Não sabia o que esperar. Tudo que eu sabia era que ia receber algo que provavelmente não tinha feito, o que significava que, depois que de alguma forma nos tiramos dessa bagunça, estava estrangulando meu irmão.

Precisava continuar pensando que ele estava acordando.

Porque quando não o fiz, não consegui engolir.

Não conseguia respirar.

Não poderia viver.

Eu fiz a ele uma promessa, uma que eu tinha esquecido convenientemente, e deixei esse ódio por meu pai se infiltrar nele.

O elevador se moveu devagar.

A porta da frente estava destrancada.

Respirando fundo, entrei. Izzy não estava na sala de estar. Verifiquei a suíte e os outros cômodos e depois chamei. — Izzy?

— Escritório.

Apertei meus olhos com força. Merda.

Quando entrei, ela estava com os calcanhares na minha mesa e parecia tão sexy em um vestido preto sem mangas que eu queria jogar o conteúdo da mesa e transar com ela, lá mesmo.

— Dia difícil? — Perguntei, já sabendo a resposta.

— Por quê? — Ela levantou um copo. Oh, bom dia bebendo. Eu poderia aceitar isso depois do meu dia. Ela tomou dois goles longos. — Por que você fez isso?

— Fazer o que? — Não tinha ideia do que ela estava falando.

— Você sabe o que!

— Não, Izzy, realmente não. Vamos apenas conversar. Com o que você está tão chateada e como posso consertar isso?

— Você não pode consertar tudo, Julian!

— Sei disso! — Rugi. — Você não acha que eu sei disso? Estou tentando, estou tentando, Izzy! Você acha que eu gosto disso? Meu único objetivo agora é mantê-la segura, e até falho nisso porque sou um idiota egoísta como o meu... Parei e balancei a cabeça. — Meu pai.

— Você não é ele.

— Não sou ele, mas sou um Tennyson e, aparentemente, não sabemos como pensar nos outros primeiro, porque quando entrei nesta sala tudo o que eu queria era te foder contra a mesa e fazer perguntas depois. Como é isso para o egoísmo? Quando eu sei que você está claramente chateada comigo, é nisso que estou pensando.

O queixo dela caiu e então ela estreitou os olhos. — É o vestido.

— Não é o vestido, Izzy, é você.

— A tela do seu computador estava congelada. — As palavras caíram uma após a outra. — Quem diabos é Bridge Anderson Tennyson, e por que você tem um fundo privado criado para ele com mais de dois milhões de dólares? — Ela me nivelou com um olhar. — Além disso, por que ele está atualmente no hospital em uma ala em que ninguém tem permissão para entrar além de você?

— Isso foi... — Peguei o uísque das mãos dela. — Uma tonelada de perguntas.

— Bem? — Odiava o olhar de desconfiança em seus olhos, quase tanto quanto odiava o fato de que se eu dissesse a verdade que nunca chegaria a tocá-la, ela estaria morta para mim, assim como ela era para Julian, no momento.

Não queria mentir.

Queria que as mentiras parassem.

Devolvi o copo e sussurrei: — Meu irmão, meu irmão está na UTI.

Os olhos dela se arregalaram em choque. — Imaginei que ele era da família, já que atualmente ele possui um terço da empresa da qual você agora é CEO. O que eu quero saber é por que você continua escondendo coisas de mim. Você nunca me contou sobre um irmão, nunca me contou sobre sua mãe ainda vivendo. De fato, quanto mais penso sobre isso, o único tópico fora dos limites era a sua família, e agora estou descobrindo que dois deles ainda estão vivos. Isso é um grande negócio!—

— Os dois ainda estão vivos, — corrigi com uma voz rouca. — Mas ambos estão lutando por suas vidas.

O rosto dela caiu. — Julian.

— Não me chame assim. — Parecia um grito mesmo quando era um sussurro. Levantei-me sobre as pernas e fui para a cozinha, procurando cegamente por álcool, plenamente consciente do que estava descendo pela tubulação.

Diria a ela.

Porque não contar a ela estava me matando por dentro.

— Espera! — Ela me perseguiu e quase colidiu com meu corpo quando eu estava parado, imóvel na cozinha. Ela moveu as mãos pelas minhas costas para a minha barriga e me segurou, beijando as costas do meu terno. — Essa conversa é a que precisamos ter? Isso vai mudar as coisas?

— Irrevogavelmente, — sussurrei.

— Você ainda será a mesma pessoa?

— Essa é uma pergunta complicada.

— Realmente não é.

— Merda, você não tem ideia, Izzy.

Ela suspirou e me soltou enquanto eu andava na frente dela e finalmente encontrei seu olhar. — Fique confortável, vai ser uma noite longa.


Capítulo Trinta e Dois

Isobel


Se ele não estava agindo como ele mesmo logo após o acidente, então ele realmente não estava agindo como ele agora.

Julian gostava de uísque; ele tomou um gole devagar e não aprovou as pessoas tirando foto após foto de algo tão caro.

Enquanto isso, esta versão dele estava derramando metade da garrafa em um copo de suco.

— Julian?

— Como eu disse, não me chame assim, agora não, — ele murmurou. — Eu só... preciso de um tempo, Izzy. Para processar, para... — Ele amaldiçoou novamente. — Para tentar explicar. — E então ele começou a rir. — Sim, isso não vai correr bem, não é?

Ele estava falando sozinho?

— Vá se trocar, Izzy, vou lhe dizer novamente, você vai querer se sentir confortável, — ele latiu em um tom que eu nunca o tinha ouvido usar antes. Não foi cruel nem ameaçador. Não, estava cheio de decepção.

Ele tomou outro gole diretamente da garrafa, abandonando o copo, enquanto me perguntava se deveria ligar para a mãe dele.

Este não era ele.

De modo nenhum.

Eu já o conheci?

Voltei para o banheiro principal e comecei a tirar o vestido.

Ugh, o que havia de errado comigo? Ele estava agindo como louco, havia dinheiro em um fundo fiduciário para um irmão que eu não sabia nada, e agora ele estava me pedindo para não chamá-lo pelo nome?

Arranquei meu sutiã, fazendo com que uma cintilação de papel caísse dele. Peguei. Era o número de telefone de Bridge, eu nunca pretendi usá-lo, apenas para acenar na frente de seu rosto e exigir que ele me dissesse o que estava escondendo.

Estava preparada para a guerra, mas ele desistiu imediatamente.

Ainda não fazia sentido, nada disso fazia.

Depois de ter me mudado rapidamente, caminhava de volta para a cozinha, onde eu tinha deixado tanto Julian e meu celular.

Ele olhou para mim, com dor nos olhos, como se ele não quisesse que eu fizesse nada, exceto dizer a ele que tudo ficaria bem.

Isso não era apenas diferente. Parecia raiva com tristeza, e eu não tinha nenhuma razão para se sentir assim. Nem ele, certo?

Peguei meu telefone enquanto ele me observava.

E eu disquei o número para Bridge Anderson.

O primeiro toque parecia falso, como se eu tivesse conjurado de alguma forma. O segundo toque era como uma bomba explodindo no apartamento.

E Julian ainda não se mexeu enquanto me olhava como se estivesse esperando que eu fizesse a pergunta que parecia ridícula até perguntar. Seus olhos estavam arregalados, sua pele pálida.

Por que diabos ele tinha o telefone de Bridge no armário?

Parecia como se eu envelhecesse dez anos, enquanto as lágrimas encheram meus olhos. Voltei lentamente para o quarto principal e para o armário. Havia um iPhone 8 mais antigo escondido sob alguns pares de moletom.

Peguei e segurei em minhas mãos.

Eu o senti atrás de mim então.

Nesse armário pequeno demais.

Apertei meus olhos com força.

Não sabia o que pensar.

— Posso explicar, — Julian sussurrou.

— Por que você tem o celular dele? Planejando sufocar seu próprio irmão no hospital? Estou tentando entender, realmente estou, mas você tem que me dar alguma coisa.

— Ele está vivo, você deveria ser grata por isso.

— Quem? Seu irmão?

— Não, — ele sussurrou. — Seu noivo.

Lentamente me virei. — O que diabos você está dizendo?

Ele engoliu devagar e depois disse em voz alta:

— Meu nome é Bridge Anderson Tennyson. Sou o irmão gêmeo de Julian.


Capítulo Trinta e Três

Bridge


— Diga algo. — Agarrei-a pelos ombros, precisando que ela me dissesse que sabia a verdade, que estava tudo bem, que ela se sentia do jeito que eu, que essa coisa entre nós era real, apesar de ser baseada em mentiras.

Ela olhou para mim em um silêncio atordoado e então sua voz falhou, partindo meu coração em dois. — Você bateu sua cabeça, Julian! Você nem sabe o que está dizendo. Deus, eu vou... vou buscar um psiquiatra, um terapeuta, um...

— Izzy...

Ela não estava entendo. Ela se afastou de mim, com lágrimas nos olhos. — Não, você ouve! Você é o louco, você não tem um irmão gêmeo. Isto é como algo saído de uma novela! Você acabou de sofrer um acidente muito grave e agora está tentando fazer o certo por outra pessoa que está sofrendo. Ele vale o tempo todo, remorso do sobrevivente e...

— Remorso do sobrevivente? — Soltei uma risada feia. — Realmente? Você quer falar sobre culpa? Estou vivendo a vida dele! — Abro meus braços. — Você nunca se perguntou por que os ternos eram muito apertados? Por que tenho tatuagens que menti para você? Vamos, Izzy! Você é uma mulher inteligente!

As narinas dela se alargaram. — Não, não posso... Por que você faria isso? Por que você fingiria ser ele? — Lágrimas encheram seus olhos e depois escorreram por suas bochechas. — Por que você faria isso comigo? Vocês dois? Como você é tão cruel em me dar esperança de que...

Meu rosto suavizou quando eu a alcancei.

— Pare! — Ela empurrou para mim. — Não me toque!

— Izzy. — A alcancei novamente.

Ela desfez-se em lágrimas. — Você me fez te amar de novo!

Porra. Eu.

Mesmo que ela me batesse, eu a puxei contra o meu peito enquanto ela chorava. A deixei me odiar, enquanto a amava, e naquele momento nunca odiei mais meu próprio pai em toda a minha vida.

— Você pode apenas ouvir antes de começar a dizer coisas como eu fiz você se apaixonar de novo, enquanto eu também estava me apaixonando?

Ela se agarrou a mim como se eu fosse dela.

E eu a segurei como se ela fosse minha.

Ela ficou rígida nos meus braços. — Como eu saberia que isso é verdade? Você esteve mentindo esse tempo todo!

— Mentir para salvar uma empresa, para salvar a posição de Julian como CEO. O conselho sabe que sou o substituto... — Engoli. — Em mais de uma maneira.

— O que você quer dizer com mais de um?

Agarrei sua mão esquerda e a levantei entre nós. Sua pedra gigante brilhava como o diamante caro que era.

Ela deixou escapar um suspiro. — Você ia se casar comigo!

Esperava que ela me desse um tapa.

Ela não fez.

— Edward não queria que você soubesse.

— Ohhhh, Edward não queria que eu soubesse, fantástico! Então você fez um acordo com o diabo, por quê? Porque você ama o seu irmão, que nunca fala tanto de você com tanta raiva que você assumia a vida inteira!

Amaldiçoei interiormente. — Quando você coloca dessa maneira...

Ela cruzou os braços.

Soltei um suspiro e passei as mãos pelos cabelos. — Como eu disse, é complicado. Pode me ouvir antes de me estrangular até a morte ou me empurrar para fora da varanda?

— Veneno, — disse ela em uma voz impassível. — É mais rápido.

— É bom saber, enfermeira Ratched, é bom saber!

Ela olhou.

Olhei de volta.

E então, porque eu já tinha enlouquecido, bati minha boca contra a dela em um beijo punitivo e depois me afastei.

Ela me empurrou de volta e tocou a mão nos lábios. — Por favor, não me beije, agora não, não desse jeito.

— Eu estava querendo fazer mais do que beijar você no mês passado. — Balancei minha cabeça. — Acredite, eu deveria ser santificado por meu autocontrole.

— Você é um lunático! — Ela abriu bem os braços. — Você se ouve? Santificado pelo seu autocontrole? Por não beijar a noiva do seu irmão...

— Ex, — apontei. — Ex-noiva.

Ela imediatamente desviou o olhar, mas eu continuei. — Não era o único a mentir, então não finja por um segundo que você não concordou com isso porque as coisas pareciam diferentes. Meu pai me contou sobre Amy ouvindo você quebrar as coisas, e Kelsey indicou que as coisas não estavam certas entre você e Julian.

— Eu te odeio agora.

— Bom, isso faz de nós dois. — Esfreguei minhas mãos no meu rosto. — Agora, podemos voltar para a sala, longe das armas escondidas no cofre? — Olhei o cofre no canto. — E mais perto do álcool, por isso, se eu tiver que ficar com uma mente entorpecida na próxima hora, está por perto?

Ela engoliu em seco e depois acenou com a cabeça. — Sim.

— Graças a Deus.

E como todas as pretensões se foram, eu escolhi o momento exato para tirar completamente o traje idiota de pinguim que estava usando enquanto ela olhou para mim como se ela não tivesse certeza se foi convidada para assistir ou deveria se afastar.

Peguei um par de calças de moletom e um capuz e suspirei aliviado. — Melhor.

— É mesmo? — Ela me olhou de cima a baixo e depois me deu um sorriso atrevido.

Posso ter lhe dado o dedo com as duas mãos.

O que apenas a fez rir através das lágrimas.

Amei esse som.

— O que você faz da vida? — ela perguntou enquanto me seguia para a sala de estar.

— Eu torturo pessoas, — disse com um encolher de ombros.

Podia ouvir sua respiração suave.

Com um sorriso, olhei por cima do ombro.

Os olhos dela se estreitaram.

— Sou um personal trainer, Izzy.

— Ohhh, é por isso que... — E então a raiva substituiu a curiosidade. — Seu imbecil! Tomei banho com você!

Não conseguia tirar o sorriso do meu rosto. — Oh, acredite, eu estou bem ciente.

— Você bastardo doente!

— Se eu estou tão doente, por que você ainda está sorrindo?

— Não estou. — Ela olhou para baixo e torceu as mãos nervosamente. — Eu só estava... em choque.

— Uh-huh. — Dei um passo concentrado em direção a ela e levantei o queixo com a ponta do dedo. — Pelo contrário, você tem uma bunda fantástica. — Com isso, bati com a mão esquerda, peguei a garrafa de uísque em cima da mesa e me sentei no sofá. — Hora de uma história.

— Não pode ser mais inacreditável do que isso.

Soltei uma risada.

— Aperte, Izzy, direto para o inferno.


Capítulo Trinta e Quatro

Bridge


Respirei fundo, depois tomei duas doses e entreguei a garrafa a ela.

Ela tomou um gole, limpou a boca bonita com as costas da mão e me deu um olhar de nojo. — Prefiro vinho.

— Eu sei que você faz.

— Agora você vai fingir saber tudo sobre mim?

Queria tocá-la, dizer a ela que sabia tudo que vale a pena conhecer, dizer que meus sentimentos eram reais, mas ela não confiava em mim e tinha um bom motivo para não fazê-lo.

— A verdade é que eu sei mais sobre você do que deveria, não porque recebi um manual sobre Izzy Cunningham, mas porque, desde o minuto em que entrei neste apartamento, fiquei fascinado com tudo sobre você, do jeito que você se encolheu e me tratou como se você me odiasse um minuto até quando parecia que você me amava no outro. Estava confuso como o tipo de relacionamento que você teve com meu irmão e, ao mesmo tempo, querer estrangulá-lo por machucá-la. Essa é a verdade.

Sua expressão se suavizou. — Sim, bem, é complicado.

— Quer que eu vá primeiro?

Ela assentiu. — Por favor.

Respirei fundo. — Julian e eu éramos melhores amigos. — Suspirei. — Até o divórcio. Mamãe me pegou e meu pai pegou Julian. Então, deixei de ter o melhor de tudo, escola particular, muito dinheiro, amigos, um melhor amigo na minha vida, para morar em Jersey, frequentando uma escola pública, e então minha mãe ficou doente com uma doença que não tinha uma cura.

Izzy colocou a mão no meu bíceps e o manteve lá.

Tirei força de seu toque e continuei. — Jurei a Julian que o protegeria e até o divórcio o fiz. O protegi o máximo que pude de nosso pai, de seu lado maligno e controlador. Tocava música quando nossos pais brigavam, deixava que ele pedisse minha merda só para vê-lo sorrir. — Minha voz falhou. — Sempre prometi cuidar dele e então minhas mãos estavam atadas. Tínhamos e-mail, mas parte de mim acha que meu pai também controlava isso. Quando perdemos o contato, culpei Julian, pensando que ele simplesmente não se importava.

— Se eu conheço Julian, ele se importa, — ela disse suavemente. — Ele apenas... sua única motivação é tentar chegar ao homem que sempre lhe disse que não seria bom o suficiente.

— Sim, eu vejo isso agora. — Coloquei minha mão na dela e a mantive lá. — Ele enviou um cheque no mês passado e, com toda a minha estupidez e raiva, eu o rasguei. Trabalhava em dois lugares, às vezes em três empregos, para cuidar das contas do hospital de mamãe, e deixei meu orgulho falar por nós dois, quando ele estava apenas tentando fazer algo certo.

Izzy inclinou a cabeça como se estivesse pensando. — Então o fundo fiduciário com seu nome? De Julian?

— Estava desconfortável com cinquenta mil, então ele fez o que Julian faz, ele despejou nos cinquenta e adicionou outro zero, depois continuou adicionando. Não sei qual era o seu jogo final, mas o ponto é que ele se importava o suficiente para fazer isso, e agora ele está no hospital e não está acordado, Izzy, ele moveu as mãos e os dedos dos pés e... Apertei meus olhos fechados. — Quando contava mais, eu falhei com ele.

— Você não falhou com ele. — Izzy se aproximou, depois segurou meu rosto com as mãos macias. — Jul... — Ela balançou a cabeça. — Quero dizer Bridge, olhe para mim.

Murmurando uma maldição, olhei em seus perfeitos olhos verdes, tão brilhantes quanto esmeraldas brilhando com lágrimas. — Você está aqui agora, certo? — Izzy perguntou gentilmente.

— Estou aqui, ele não está, Izzy. Estou vivendo o que ele deveria estar vivendo, estou tomando o lugar dele, sou apenas o substituto até que ele melhore. Se ele melhorar...

Ela se encolheu com isso. — É ruim então.

— É muito ruim.

— E Edward? Como ele conseguiu que você fizesse isso? Você não parece o tipo de pessoa que apenas diz sim a esse homem.

Com isso eu sorri. — Não, na verdade, nós dois temos sorte de não estar na prisão por seu assassinato.

Ela riu e, naquele momento, eu teria feito qualquer coisa para manter essa risada, para manter o sorriso em seu rosto perfeito.

E foi muito bom saber que ela estava sorrindo para mim, não Julian.

Merda, eu era uma desculpa horrível para um irmão.

— Ele se ofereceu para pagar todas as contas médicas da mamãe e colocou um enorme fundo fiduciário na minha frente, com trinta por cento do patrimônio da empresa. Julian tem trinta, eu tenho trinta e, com as ações do conselho, temos controle total. — Suspirei. — Se ele acordar.

— Ele tem que acordar, — ela sussurrou baixinho.

Meu interior apertou. — Se eu lhe contar uma coisa, você promete não me julgar?

— Talvez.

Não olhei para ela, apenas olhei para frente. — Às vezes me pergunto como seria a vida se ele não acordasse e me odeio por isso. Me pergunto como seria para você dizer meu nome, não o dele. Gostaria de saber como seria ganhar você, e não sinto que tenho que compensar todos os erros dele.

Ela respirou fundo. — Não contei a você sobre o noivado, porque uma parte de mim pensava que o homem por quem me apaixonei... tinha voltado.

Ela começou a chorar, amassando-se contra o meu corpo. Puxei-a para o meu colo, balançando-a enquanto ela chorava.

— Desculpe, Izzy, desculpe, deveria ter te dito antes. Eu só — estava pensando em minha mãe, estava pensando em Julian, em Edward recuando, eu sinto muito... — Continuei balançando-a enquanto suas lágrimas encharcavam minha camisa, enquanto o calor do nosso corpo começava a me fazer suar. — Pelo que vale a pena — Deus, eu não queria defendê-lo — Acho que a razão desses últimos seis meses foi tão difícil foi porque ele estava travando esta batalha interna de amar você, mas também quer agradar nosso pai da única maneira que ele sabia.

— Traindo? — ela cheirou.

— Pelo que eu deduzi, parece que ele pode ter traído uma vez e foi levando a culpa por muito muito mais do que isso.

— E a empregada?

— Isso eu não posso responder, — disse honestamente. — Tudo o que posso dizer é isso. Quando as pessoas notaram a diferença na reunião do conselho, foi porque eu não era um babaca, enquanto Julian podia tirar uma freira de seu vestido. Então talvez essa seja a diferença. As pessoas são atraídas por ele, as pessoas certas e as erradas. Não ajuda que ele seja rico.

Ela riu. — Não, não faz.

— Por que você ficou, Izzy? Por que você aguentou isso? Se você é tão infeliz? Tão chateada?

Izzy se afastou e olhou nos meus olhos. — Porque também fiz uma promessa a Julian. Há muito tempo, disse a ele que sempre ficaria ao lado dele, não importando o que acontecesse, e me recusei a voltar à minha palavra. Nós éramos melhores amigos que se tornaram muito mais, e eu sabia que ele estava lutando para obter a aprovação do seu pai. E ele — ele disse que estava arrependido pela trapaça, e que parecia arrependido, e quanto mais perto chegava de se tornar CEO, mais distante ele ficava até que eu não conseguia lidar mais com isso. De repente, fui confrontada com a percepção gritante de que meu universo era ele, e eu realmente não tinha uma identidade fora dele. Estava com medo. Com medo de ter alguém tão poderoso quanto Edward atrás de mim. Não tinha dinheiro, nem emprego. Tudo o que tenho nesta terra pertence a Julian.

— E seu coração? — Perguntei. — O que tem isso?

Ela mordeu o lábio inferior. — Responderei isso se você responder isso. Isso era real?

— Em todo momento, tudo entre nos foi real. Por que você acha que eu tentei me impedir de beijar você? Porque cada beijo tomou mais de mim e eu sabia que te mataria quando você descobrisse. — Apertei meus olhos com força. — Não sou ele. Nunca serei ele — admiti tristemente. — Não sou seu verdadeiro noivo, ou o homem por quem você se apaixonou na faculdade.

— O homem por quem me apaixonei na faculdade pegou meu coração, e ele nunca o devolveu, Bridge. Ele manteve perto mesmo quando machucou, mesmo quando sabia que estava quebrando. Julian pode ser dono desse apartamento, ele pode ser dono do meu carro, mas ele não é meu, não é mais, e no dia do acidente, quando eu estava devolvendo seu anel, quando ele estava tentando me tirar de novo, eu fiz uma escolha, me afastar disso, dele, com o que restava do meu coração intacto.

— Sinto Muito.

Ela olhou para mim com olhos brilhantes. — Não fique, você foi quem cuidou da saúde.

E então ela me beijou.

Eu não a envolvi.

Estava com medo de me mover.

Com medo de quebrar o momento.

Ainda me sentindo culpado, mas querendo-a mais do que qualquer coisa neste mundo. Sua língua tocou meu lábio inferior e depois deslizou para dentro.

Abri minha boca para ela.

Queria dar tudo para ela.

Nossas mãos se encontraram então, enredando-se, segurando uma vida preciosa enquanto nos sentávamos no meio do sofá, ambos quebrados, apenas outra coisa que meu pai tentara destruir.

Izzy se afastou e depois se aproximou de mim.

Estava com minhas mãos atrás dela, logo abaixo da cintura dela. Estava petrificado para descer mais. Nós dois éramos muito vulneráveis. Não a queria apanhada no momento.

A queria apanhada em mim.

— Para o registro... — Ela lambeu os lábios como se pudesse me provar lá. — Todas as noites, quando eu dormia, eu rezava por mais tempo com esta versão do Julian. O que eu não percebi foi que estava rezando por mais tempo com você, Bridge Anderson Tennyson.

Respirei fundo. — O que você está dizendo?

— Estou dizendo... — Nossas testas se tocaram.

Segurei o momento, ela nos meus braços, sabendo que era eu, não ele.

— Estou dizendo que provavelmente deveríamos assistir a um filme e pedir comida, porque estou exausta e sei que você também.

— Sim. — Fiquei decepcionado e não tinha motivos para estar. Ela estava sendo racional, e eu estava agindo como um tolo apaixonado.


Capítulo Trinta e Cinco

Isobel


Emocionalmente, senti como se tivesse sido atropelada por um trem. Fisicamente, não sabia como reagir. Estávamos familiarizados e ainda não estávamos.

Ele era um estranho.

Um que eu beijei.

Alguém que me segurou.

Tomou banho comigo.

Dormiu na minha cama.

Foi bizarro tentar processar, e ainda assim eu desejava ver Julian para ter certeza de que ele estava bem, sentar ao lado da cama e confessar todas as maneiras pelas quais eu havia falhado com ele, mesmo que ele tenha falhado comigo primeiro.

Queria recitar meus pensamentos um por um.

Pior de tudo, queria confessar que me apaixonei por seu irmão, enquanto ele estava se curando.

Agora que eu sabia que Bridge não era Julian, me senti uma idiota por não ter percebido isso antes, então, novamente, não é normal que as pessoas andem por aí com gêmeos idênticos desconhecidos tomando conta de suas vidas, mas aí está.

Bridge estava sentado no sofá, com o braço apoiado nas costas e o capuz agarrado ao corpo musculoso como uma segunda pele.

Ele era a versão robusta de um Julian muito polido.

Onde Julian era terno, inteligente, e sorriso sedutor, Bridge era alto e argumentativo, sarcástico e ao mesmo tempo triste, mais triste do que Julian, como se tivesse propositalmente levado o peso da tristeza para ambos e se voluntariado para carregá-lo assim. Julian não precisaria.

Julian nunca tinha sido fraco. Sua maior falha foi tentar obter a aprovação de um homem que nunca daria.

E Bridge? Sua maior falha foi o ressentimento por seu pai os separar enquanto seu irmão continuava a viver e morrer pela aprovação de Edward.

— Você está pensando muito duro por lá, — gritou Bridge. — Você não sabe apertar o botão de pipoca? Ou você precisa de um manual?

Revirei os olhos e sorri. — Você sabe que pode sair do seu rabo.

— Poderia. — Ele se virou para me olhar com o mesmo sorriso que Julian tinha, droga. — Mas então eu não conseguia olhar para você enquanto você caminha até aqui com a tigela, e quando deixar cair um pedaço, não conseguiria vê-la se curvar para pegá-lo.

— Você é grosseiro.

— Obrigado. — Ele sorriu.

O calor inundou minhas bochechas quando joguei a pipoca e esperei que ela estourasse enquanto eu estava na frente do micro-ondas.

E eu sabia que ele estava me observando.

Gostei.

De repente, eu não queria perguntar sobre Julian. Iria vê-lo, seguraria sua mão, confessaria tudo.

Mas agora, eu só queria sentar com Bridge, sem segredos entre nós, comendo pipoca.

Pulei quando o micro-ondas apitou. E, exatamente como ele disse, Bridge me observou caminhar até o sofá e, quando lhe entreguei a tigela, ele pegou um caroço e jogou no chão, depois me lançou um olhar que dizia: Bem? Pegue.

Fiz uma careta enquanto ele pegava outra peça e a jogava no carpete.

— Não consigo decidir se você é realmente péssimo em flertar ou ainda está preso no ensino médio.

Ele latiu uma risada. — Matei no ensino médio.

Peguei a pipoca e enfiei em sua boca e mantive minha mão sobre ele enquanto ele mastigava. Sua pele até parecia bem. Poderia manter minha mão lá para sempre.

— Aposto que você fez.

— Não tanto quanto Julian, ele tem melhores cabelos.

Sorri com isso. — Ele tem um cabelo bonito. Então, novamente, você também. — Antes que eu soubesse o que estava fazendo, coloquei a tigela de pipoca sobre a mesa e passei os dedos pelos cabelos enquanto ele passava os braços em volta da minha cintura e pressionava o rosto no meu estômago.

Borboletas explodiram.

Seu toque era tudo.

Não apenas isso, mas o jeito que ele parecia sentir que eu queria ser abraçada, tocada, estimada.

— Venha aqui. — Ele me puxou para seu colo e pegou um cobertor, depois cobriu nós dois com ele. — Tente relaxar, certo?

Relaxar? Meu coração estava batendo forte no meu peito.

Este foi o homem que trouxe de volta.

Este homem.

Julian não.

Pressionei minha cabeça contra seu peito e sussurrei: — O que acontece se o dia do casamento chegar e ele não acordar?

Ele ficou completamente rígido e agarrou minha mão esquerda e apertou-a. — Realmente não acho que nos foi dada essa escolha, Izzy.

— Sou uma pessoa má? — Me perguntei em voz alta.

— Por que você diria isso? — Ele brincou com meu cabelo e depois beijou o lado da minha cabeça enquanto eu lutava com as palavras certas.

— No hospital, poderia ter lutado mais para vê-lo, poderia ter gritado, poderia ter feito muitas coisas, mas apenas... Eu não sei, Bridge. Senti-me tão aliviada por ter terminado, por ter terminado o nosso compromisso, por ter terminado de andar em casca de ovo, de ter sido ferida por um homem que disse que me amava.

— Izzy, isso faz de você humana.

— Uma humana ruim.

— Uma humana fantástica, inteligente, maravilhoso e sexy, — acrescentou com outro beijo. — Seu coração estava machucado, você estava com dor. Tudo que você queria era alívio.

Virei meu rosto em seu peito, amando o jeito que ele cheirava, mesmo que fosse semelhante a Julian. Ainda era diferente o suficiente para eu me agarrar a ele com mais força. — Precisava ouvir aquilo.

— Não vou te deixar, Izzy.

Sorri contra seu peito. — Bom.

Ele se moveu um pouco e então seus lábios estavam na minha orelha. — Podemos conversar mais sobre ele amanhã, sobre o nosso plano, mas por enquanto, podemos apenas ser duas pessoas no sofá, assistindo Space Jam?

Sacudi e me virei. — Space Jam?

— Brincando. — Ele sorriu. — Só queria ver seu rosto.

Bati em seu ombro musculoso. — Você tem HGTV ligado.

— Gosto de coisas legais. — Ele piscou e depois pressionou o beijo mais suave nos meus lábios que eu já recebi. — Por que mais você acha que eu quero te abraçar hoje à noite?

Meu coração bateu forte e, em seguida, me aconcheguei ao lado de seu corpo e adormeci com um sorriso pacífico no rosto.


Capítulo Trinta e Seis

Bridge


Acordei com uma mulher bonita nos braços.

Uma que eu queria chamar de minha.

Uma que eu não poderia reivindicar.

Foi o pior sentimento, sabendo que havia encontrado alguém que eu poderia amar pelo resto da minha vida — que atualmente pertencia a alguém que se parecia comigo.

Merda, era uma bagunça.

Perguntei se ela queria vê-lo e ela disse que sim. Sabia que precisávamos ser cuidadosos e obviamente precisaria jurar que os funcionários se calassem, mas imaginei que, se o dinheiro conseguisse uma ala da UTI abandonada, eu simplesmente jogaria mais no hospital para colocar Izzy.

Não havia nada que eu não fizesse por ela, que repeti naquela manhã quando ela entrou no quarto vestindo apenas uma toalha.

Olhei para ela de cima a baixo e disse: — Acho que prefiro sem toalha.

As sobrancelhas dela se ergueram. — Tenho certeza que sim.

— Pode haver falta de toalhas no futuro, aviso justo.

— Boa. Vou usar suas roupas para secar e depois jogar suas calças de moletom favoritas na varanda.

Fiquei boquiaberto. — Isso é rude.

— Não roube minhas toalhas. — Seus lindos olhos se estreitaram em pequenas fendas.

— E você? — Rebati com uma expressão séria. — Posso roubar você?

Ela me encarou com uma expressão tão atordoada que eu imediatamente me senti um idiota por perguntar.

E então ela corou, suas bochechas ficando rosadas enquanto um sorriso lento se espalhava por seu rosto. — Você deveria se arrumar.

— Estava esperando você tomar banho.

— Engraçado, como você nunca fez antes... — Ela me pegou lá.

— Legal, mas você supôs que eu era ele, portanto, seria estranho se eu fechasse meus olhos toda vez que você mudasse, tão estranho quanto não notar a pequena marca de nascença na sua bochecha direita e...

Isso me valeu um travesseiro na cara. Peguei no ar e sorri enquanto ela começou a rir e entrou no armário. — Prepare-se, Bridge, ou vou deixar você aqui.

— Sim, mãe, — provoquei.

E então eu senti um tapa na minha bunda e dei uma volta. — Me chame de mãe novamente, e eu estou agarrando o apêndice que você gosta tanto.


— Indo direto para as grandes coisas, não é?

— Você é impossível! — Seu rubor cresceu.

Apenas dei de ombros. — Ei, esse sou eu. Se você quer que eu aja como ele, posso lhe dar uma expressão severa e me esconder no escritório.

O rosto dela caiu. Percebi que minhas provocações podem ter ido longe demais.

— Izzy, me desculpe. Isso foi desnecessário. — Fui em direção a ela.

Ela encolheu os ombros. — Só porque é verdade e eu odeio que, em vez de falar comigo, ele ia trabalhar.

— Izzy, as pessoas se separam, acontece, mesmo para as pessoas que se amam. — Queria esmagar meu rosto contra o objeto contundente mais próximo. Não queria defendê-lo, mas senti que não tinha escolha. Além disso, eu não tinha certeza de onde estava o limite para mim e Izzy. Poderia tocá-la? Beija-la? Ontem à noite nos beijamos, mas ficamos emocionados e eu sabia que ela precisava de conforto.

Izzy suspirou e colocou as mãos nos quadris. — Passar navios na noite, era assim que parecia no final, sendo lembrado de todos os meus compromissos, checando-o enquanto ele trabalhava e sentindo meu coração partir toda vez que ele me beijava na bochecha e me dizia que estaria atrasado para dormir.

— Veja. — Procurei as palavras certas e sabia que falharia em ser sensível, mas eu não era sensível. — Sei que isso vai dar errado, mas só vou dizer. Ele é um idiota por sempre deixar você deitar nessa cama sozinha. Se você fosse minha — nossos olhos se encontraram — eu nunca deixaria você adormecer sem meus braços em volta de você, sem meus lábios provocando você, e essa é a verdade.

Suspirei. — Deixe-me pular no chuveiro bem rápido.

— Bridge. — Ela alcançou para mim, sua mão descansando no meu ombro. — Obrigado. Por dizer isso.

— Sei que isso não muda nada. Só não quero mais mentir para você.

Sorri tristemente e lentamente me afastei dela e entrei no banheiro. Precisava de espaço antes de fazer algo que não podia desfazer, algo que não apenas mudaria meu relacionamento com ela, mas meu relacionamento já instável com ele. — Esteja pronta em cinco.

Ela abriu a boca para dizer algo.

Fechei a porta.

A deixando de fora.

Sabendo que era provavelmente a escolha errada, mas também muito consciente da minha necessidade de tocá-la, de beijar sua dor.

Com nojo de mim mesmo, tomei um banho rapidamente, peguei um jeans limpo e uma camiseta que estava muito apertada demais, e depois coloquei um gorro no meu cabelo.

Realmente não me importo se pareço o gêmeo do mal. Só queria estar confortável e parecer com o meu antigo eu. Peguei um par de aviadores Ray-ban e saí para a sala de estar.

Izzy olhou para mim. Difícil.

— O que? — Fiz uma careta, colocando os óculos de sol. — Você está bem?

— Uh. — Ela pegou sua bolsa, jogou-a no chão, agarrou-a, largou-a de alguma forma novamente e, finalmente, ajeitou-a debaixo dela. — Sim, desculpe-me.

— Nervosa?

Ela engoliu em seco. — Não para vê-lo.

Fiz uma careta e caminhei em sua direção, pegando sua carteira e seu celular do balcão e empurrando-os no meu bolso. — Isso é enigmático.

Ela estremeceu e então estendeu a mão trêmula e pressionou-a no meu peito. Instantaneamente peguei a mão dela e segurei as pontas dos dedos geladas com força.

— Você é lindo. — Saiu como um sussurro, e então ela olhou nos meus olhos. — Não é realmente justo.

Não pude evitar o sorriso que se espalhou pelo meu rosto. — Você está me elogiando em vez de ameaçar me envenenar agora?

— Talvez. — Ela lambeu os lábios.

Inclinei-me e beijei-a, maldita as consequências.

Ela ficou na ponta dos pés e passou os braços em volta do meu pescoço, devolvendo o beijo, abrindo a boca para mim. Me virei, pressionando-a contra a bancada da cozinha. Nossos corpos se moveram um contra o outro como se não conseguíssemos o suficiente.

— Bridge. — Ela disse meu nome como um apelo, e eu queria dar a ela tudo o que estava implícito, ali mesmo, no balcão da cozinha, se fosse o caso. — Gosto de você.

Sorri contra sua boca.

Era um começo.

Especialmente depois de todas as confissões da noite passada. — Também gosto de você.

— Estou assustada.

Me afastei. — Sobre o que?

— Nós. Isto.

— Nada a temer. Estive com você durante o último mês e dois dias, estou com você agora, Izzy. Não vou sair do seu lado.

— Promete?

— Prometo. — Beijei sua testa. — Devemos ir antes que eu perca o controle que me resta.

Ela sorriu para mim e piscou. — Sim, não gostaria que você perdesse essa santidade.

— Santidade , — resmunguei, batendo-a na bunda e fazendo-a pular quando fui para a porta e a abri para ela. — Não importa o que aconteça, Izzy.

— Não importa o que aconteça, — ela repetiu com uma voz forte.

Nós levamos um carro da cidade para o hospital.

Avisei o escritório que estava doente e voltaria mais tarde naquela tarde depois de consultar o médico — não era uma mentira total, eu estava indo para o hospital.

Papai já tinha ligado no meu telefone duas vezes.

Disse a ele que estava com problemas estomacais e que entraria assim que terminasse de vomitar e depois mandei café para o escritório dele, juntamente com rosquinhas suficientes para deixar todos felizes e distraídos.

Era quarta-feira, e eu não tinha reuniões agendadas até o final da tarde, o que me libertou para levar Izzy ao hospital. Não só não queria que ela fosse sozinha, como sabia que ela não veria Julian sem mim, muita segurança, muitos segredos de família.

Izzy segurou minha mão durante todo o percurso. Ela colocou os óculos escuros pretos no nariz, os cabelos presos em um coque bagunçado no topo da cabeça e usava jeans skinny, salto alto e um suéter preto.

Para ela isso era casual.

Ela estava linda, então eu não comentei. Era ela voando debaixo do radar.

Calça justa.

O carro chegou ao hospital muito cedo.

— Vamos demorar um pouco, — disse baixinho.

— Peguei meu livro. — O motorista levantou o livro e sorriu.

— Bom.

Ele fechou a porta atrás de nós e depois voltou para o carro. Peguei a mão de Izzy e apertei-a. — Pronta?

— Não. — Ela suspirou e segurou meu braço. — Não sei como me sentir agora.

— Apenas permita-se sentir, Izzy, é tudo o que peço, — disse calmamente enquanto entramos no hospital. Se as pessoas nos reconheceram, não disseram nada. O elevador estava abençoadamente vazio quando entramos nele. Bati no velho andar da UTI.

As portas se abriram.

Meu coração trovejou no meu peito como se estivesse tentando me avisar.

Não queria que ela o visse. Na verdade não.

Porque ela me odiaria quando visse o quanto ele estava sofrendo naquele coma, ela se odiaria por passar um tempo comigo.

Senti como se estivesse me ferrando.

Mas eu não tinha outra escolha.

De mãos dadas, saímos daquele elevador e em direção às duas portas de metal azul. Bati com a mão. — É Julian Tennyson.

Senti Izzy tensa ao meu lado.

As portas se abriram.

Nós andamos pelo corredor.

Uma das enfermeiras encarregadas de falar com quem eu conversei por último estava na mesa junto com outra enfermeira cujo nome eu nunca conseguia lembrar. Ela estava sempre entrando e checando Julian, e sempre conversava com ele como se ele pudesse ouvi-la. Ela era doce.

Paramos em frente ao seu quarto. — Você quer entrar sozinha?

Izzy balançou a cabeça negativamente.

Merda.

Abri a porta. Ela respirou fundo e entrou enquanto eu fechava a porta atrás de nós.

As máquinas zumbiram no silêncio tenso.

Seu peito subia e descia a cada respiração enquanto as máquinas respiravam por ele, seu rosto agora mostrava apenas algumas cicatrizes rosadas dos pontos em sua mandíbula.

Seus braços estavam ao lado do corpo, sem vida.

— Julian —. Izzy soltou minha mão e correu para o lado dele.

Senti a perda de seu calor imediatamente.

Assim como eu senti a perda dela ao meu lado.

Era um idiota por pensar que poderia segurá-la quando Julian foi quem a salvou na faculdade.

Julian foi quem propôs a ela uma pedra que eu nunca poderia pagar.

Julian era o herói, mesmo que ele também fosse o vilão.

Baixei a cabeça e tentei não deixar a amargura enraizar-se, pois o ressentimento bateu contra o meu coração como se quisesse que eu deixasse entrar e assumisse o controle para não machucar, então não senti que meu peito estava prestes a quebrar aberto.

— Julian. — Ela sentou na cadeira ao lado da cama, empurrou-a para frente e agarrou a mão dele entre as dela. — Você precisa acordar.

Não conseguia respirar.

Não conseguia pensar além da imagem que estava na minha frente.

Que porra eu estava pensando?

Que ela o deixaria?

Que ela me amaria?

Ela apertou a mão dele com força e depois deu um beijo no pulso dele. Seus dedos não tremeram; ele quase parecia morto.

Estava dividido entre querer que ele abrisse aqueles olhos e querer que a máquina parasse.

Era onde eu estava.

Um porque eu queria o que era dele.

Puxei meu cabelo e encostei contra o azulejo branco brilhante. Eu merecia estar naquela cama, não ele.

Ele tinha tudo para viver, sentado ao lado dele, segurando sua mão.

— Sinto muito, Julian, — Izzy sussurrou. — Me desculpe, eu não vim antes. Não sabia, seu pai não queria que ninguém soubesse, principalmente eu, então, quando Bridge assumiu, pensei que você estava agindo como louco.

Ótimo, agora eu estava louco.

- Precisamos que você acorde, Julian. Precisamos que você acorde e conserte isso antes que Bridge seja demitido, certo?

Com isso, eu ri um pouco. — Não podem demitir o CEO, Izzy.

— Shhh, estou tentando ameaçá-lo.

Deus, ela era incrível, forte, bonita.

Fui até lá e coloquei minha mão em seu ombro. — Sua noiva...

Me fez fisicamente mal dizer isso.

— Ela está certa, Julian, literalmente vou chutar sua bunda se você não sair dessa cama logo e me ajudar a assumir a empresa. Não tenho ideia do que estou fazendo, e você pode acordar pobre como merda, e nós dois sabemos o quanto você gosta da sua coleção de óculos de sol.

Poderia jurar que vi sua boca se mover, isso foi um sorriso? Ele nos ouviu?

— Lute, Julian, está bem? — Izzy se levantou e beijou sua bochecha.

Apertei meus olhos com força.

Não era o meu momento para testemunhar.

Não era a minha vida.

— Um dia você vai me perguntar o que aconteceu entre mim e Bridge, você vai querer saber como um mês e alguns dias podem mudar completamente a perspectiva de uma pessoa na vida, você vai perguntar onde deu errado, e você vai odiar nós dois. — Respirei fundo enquanto ela continuava falando. — Você me resgatou quando eu era menina... e depois nos separamos. A vida aconteceu, e a garota que você resgatou virou uma mulher, uma mulher triste, solitária e ressentida. Bridge salvou a pessoa que eu estava começando a perder, a pessoa que eu sempre quis ser. Ele me faz sentir como eu, ele me faz sentir segura, amada e querida. Espero que um dia você possa me perdoar, nos perdoar, por nos apaixonarmos enquanto você sonhava...

Eu estava enraizado no chão.

Incapaz de falar ou fazer nada, exceto encará-la em choque, enquanto as lágrimas rolavam por seu rosto no corpo sem vida de Julian.

E então ela se virou para mim. Lágrimas encheram seus olhos quando ela entrou nos meus braços e soluçou.

— Sou o pior ser humano do planeta.

— Não, acho que peguei o troféu, Izzy.

Ela se agarrou a mim. — O que nós vamos fazer? Nós não podemos apenas... — Ela se afastou. — Quero dizer que ele vai acordar, eu sei que ele vai, o problema será quando ele fizer...

Meu estômago afundou. — Izzy, você não precisa fazer isso, agora não, apenas descobriu que ele estava em coma, não precisa tomar nenhuma decisão.

Estava muito distraído com a tristeza no rosto dela para ouvir a porta se abrir.

Ou virar e ver que não era uma enfermeira ou o médico, mas meu próprio pai.

— Que visão, meus dois filhos na mesma sala juntos, com uma garota que deve ter uma mágica...

— Termine essa frase e estou jogando você pela janela, — disse entre dentes.

Papai levantou as mãos. — Sabia que você não estava doente.

— Oh, eu estou doente, tudo bem, — cuspi.

— Isobel. — Ele a olhou de cima a baixo. — Um filho não era suficiente? Você teve que levar dois? Coisinha gananciosa.

A peguei quando ela se lançou para ele. — Não vale a pena.

— Possuo vocês dois. — Ele sorriu. — Melhor voltar ao trabalho, Bridge. Não gostaria de nenhuma especulação sobre nosso novo CEO.

Odiava que ele estivesse certo.

As coisas tinham que parecer normais.

Para Julian.

— Estou fazendo isso por Julian. — Não parecia muito convincente.

— Engraçado. — Papai tinha um brilho nos olhos. — Porque se pode dizer que você está realmente gostando do desafio. Assumir a vida dele não deveria ter sido tão fácil para você, Bridge, e ainda assim olhar para você. Tive dois membros do conselho me ligando hoje de manhã apenas para dizer que estão impressionados, ouvi dizer que você demitiu Amy...

Revirei os olhos. — Este não é o lugar.

— Amy? — A cabeça de Izzy balançou na minha direção. — A recepcionista rude?

Assenti.

E então eu recebi um abraço dela enquanto meu pai bufava algo baixinho. — Ninguém descobre isso, Izzy, ou é a sua cabeça que rola.

— Bem. — Ela empalideceu. Deus, eu odiava o medo que ela tinha.

Odiava ainda mais que não podia fazer muita coisa, não com Julian ainda em coma.

Papai ajeitou a gravata. — Realmente ansioso por esse casamento neste fim de semana.

Com isso, ele abriu a porta, saiu e fechou.

Tivemos a nossa resposta.

Nós estávamos nos casando.

Eu sabia.

Ela sabia disso.

Mas ouvi-lo dizer que, embora ela soubesse que eu era Bridge, isso não importava para ele, porque era tudo sobre dinheiro e aparências.

E eu me senti um idiota por não ter contado a ela o resto da história, que precisava me casar com ela para ter meu fundo fiduciário. Que ele estava pendurado na minha cabeça, que mesmo que eu fizesse qualquer coisa para me casar com ela, eu ainda a estava usando.

Estava muito distraído com meus próprios pensamentos e Izzy trêmula para vê-lo então.

O movimento da cama.

Olhava para trás naquele momento e me odiava mais do que eu poderia suportar, sabendo que meu irmão, aquele que eu pretendia salvar.

Ouviu cada maldita palavra.

E pior.

Me viu beijá-la com força na boca antes de sair do mesmo quarto que havia sido sua prisão.


Capítulo Trinta e Sete

Isobel


Não sabia o que pensar.

Sobre qualquer coisa.

Ver Julian fora fisicamente doloroso. Saber que ele esteve no hospital o tempo todo enquanto eu estava brincando de casinha com o irmão dele, me apaixonando por ele, me senti tão cruel que eu não conseguia nem processar nada além do que fazer pelo resto do dia.

Precisava conversar sobre as coisas.

Não, eu não precisava mais falar.

Precisava, queria Bridge.

Estava no meio do caminho quando pedi ao motorista que se virasse e seguisse para os escritórios. Bridge estava lá, sob ordens de Edward, é claro.

Talvez eu realmente fosse uma pessoa má, porque queria que Bridge me dissesse que tudo ficaria bem, que não fizemos nada de errado.

Que isso acabou de acontecer.

— Vou te mandar uma mensagem quando estiver descendo, — disse ao meu motorista quando pulei para fora do carro e fui direto para o grande edifício aninhado no meio do distrito financeiro. Eles ocupavam os quinze andares superiores e, agora que estavam se expandindo novamente, seriam donos da coisa toda.

Examinei meu passe de visitante de segurança e entrei no elevador que me levaria aos escritórios principais.

Escritório de Julian.

Escritório de Bridge.

Engraçado como na última vez em que peguei o elevador no escritório de Julian, estava pronto para vomitar porque estava terminando alguma coisa.

E agora? Agora eu queria vomitar porque estava começando algo, realmente começando, com os dois pés dentro.

E precisando agora, mais do que nunca, que a outra pessoa me dissesse que ele também estava, que eu não estava louca, que, embora a situação não fosse a melhor, ficaríamos bem.

Quando as portas se abriram, andei rapidamente pelo corredor familiar e em direção à mesa da recepcionista. — Oi, Kelsey.

— Vá em frente. — Ela sorriu brilhantemente. — Ele está no telefone, mas tenho certeza que ele vai querer vê-la. — Algo parecia diferente.

Meus olhos se estreitaram.

Os olhos dela se estreitaram.

Tivemos o olhar de todos os olhares.

Ela sabia que ele era Bridge, não Julian?

Quase abri minha boca para perguntar, mas ela disse com um sorriso rápido: — Ele está fazendo grandes mudanças.

— Ao contrário de antes, quando não houve mudanças?

Ela apenas sorriu. — Ele gosta de fazer as coisas, e não apenas isso, Isobel, está fazendo com que o RH faça uma análise do salário e dos benefícios de todas as posições para ver onde ele pode dar aumentos. Não tenho um aumento há três anos.

Respirei fundo. — Uau. Ele pode fazer isso?

— Ele é o CEO. Ele pode fazer o que quiser. — Ela olhou para o telefone. — Parece que ele está fora.

— Certo. — Respirei fundo.

— Relaxe. — Ela sorriu. — Oh, e leve isso para ele. — Ela pegou uma xícara quente da mesa. — Ele já está no terceiro.

Revirei os olhos. — Ele vai precisar de mais para sair dessa noite.

— Ah, eu acho que ele vai conseguir— foi tudo o que ela disse e depois colocou a mão no meu braço. — É a primeira vez que te vejo neste escritório com um sorriso de verdade no rosto. Gosto disso.

Senti lágrimas arderem nos olhos quando desviei o olhar e pensei no meu telefonema confessional com Annie, para quem liguei assim que deixamos Bridge no escritório.

— Eu sou uma pessoa horrível.

— Não. Você é humana — Annie respondeu. — Vou levar esse segredo para o meu túmulo, e estou honrada por você ter me contado em primeiro lugar. Só sei que vai ficar tudo bem, e eu realmente acho que tudo acontece por uma razão.

— Eu me importo com ele.

— Eu sei que você faz.

— Mas eu também estou uma bagunça.

Ela apenas riu. — Bem-vindo à humanidade.

Annie sempre teve uma maneira de apontar o bem em uma situação, então suas palavras combinadas com a observação de Kelsey estavam em minha mente quando endireitei meus ombros e sorri quando pus os olhos em Bridge.

Olhando cada centímetro para o CEO, mesmo estando de calça jeans mais cedo, andando na frente da janela com um Bluetooth preso ao ouvido. Ele deve ter atendido outra ligação.

— Não, se não pudermos dar a eles benefícios assim, a taxa de rotatividade ainda será alta. Participação em academias e serviços de saúde para todos os funcionários da IFC que comparecem, mantêm suas férias, e temos trinta dias de licença médica e, se você discutir comigo mais uma vez sobre licença parental para os pais, vou demiti-lo. — Ele suspirou. — Ótimo, mantenha-me informado.

Ele virou então.

Quase derrubei o café e pulei em seus braços.

Em vez disso, segurei, meu queixo ainda frouxo.

Ele sorriu para mim. — Essa é uma boa surpresa. Não acabei de te ver, oh, eu não sei, uma hora atrás?

— Sim, bem, agora que você está preso comigo... — Eu sorri. — Ouvi dizer que você já está acertando as coisas difíceis.

Ele levantou o café no ar. — Sim, bem, eu não sei como ele conseguiu passar um dia sem café constante.

— Isso o deixou nervoso. — Ofereci a informação livremente. — E cafeína o fez tremer, ele não queria que as pessoas pensassem que ele estava nervoso ou irritado, então ele tomou chá descafeinado.

Bridge fez uma careta. — Coitado.

— Sim, bem, ele ainda tomava uma xícara todas as manhãs.

— Odeio estar falando sobre ele como se ele não estivesse dando certo, como precisamos conversar sobre suas memórias, porque ele não terá mais nada a fazer. — Bridge colocou o café em cima da mesa e cruzou os braços. — Você está bem?

— Não. — Assenti. — Sim. — Me amaldiçoei. — Eu não sei, eu só precisava te ver. Sei que as coisas que eu disse a ele soam loucas, e eu estou em todo lugar, e pensei que se eu visse você, então eu iria...

Ele interrompeu meu discurso ridículo com um beijo suave. Ele me segurou em seus braços, e eu me senti instantaneamente relaxar. Ele não estava me dizendo que tinha que ir a uma reunião ou que eu precisava agendar um horário com ele, mesmo sabendo que ele estava ocupado.

Me segurando em seu escritório.

Me dando tempo.

Ele estava me dando o mundo.

E consertando um coração que havia sido ignorado e deixado de lado por muito tempo.

— Se você alguma vez, e eu quero dizer sempre, me pedir para marcar uma consulta para vê-lo, eu estou chutando sua bunda. — Murmurei contra a camisa dele e sorri quando sua risada sacudiu nós dois.

— Anotado. Algo mais?

— Eu estou fazendo o jantar.

Os olhos de Bridge se suavizaram. — O que você estava indo fazer?

— Bem, eu não tinha chegado tão longe ainda, mas pensei em ligar para sua mãe e... talvez pegue algumas de suas receitas favoritas e...

Isso me rendeu outro beijo, este mais punitivo quando sua língua passou pelos meus lábios enquanto suas mãos se moviam para o meu quadril me puxando contra ele.

Nós nos separamos, ofegantes.

O alcancei novamente.

Dessa vez ele se afastou. — Realmente, realmente não acho que você entenda o quanto eu quero você, Izzy.

Oh, eu poderia dizer tudo bem.

Sua camisa não era a única coisa apertada.

— Apresse-se para casa, então?

Ponte amaldiçoada. — Você está me fazendo querer tirar um dia doente para que eu possa me deitar na cama com você.

— Algumas horas não vão te matar.

— Pode, — ele disse entre dentes. — Izzy, isso precisa ser sua escolha, certo? Porque agora eu realmente não estou pensando claramente. Tudo o que vejo é você, tudo o que quero é você, e sou egoísta o suficiente para aceitar tudo o que você me oferece, para ter certeza.

Soltei um suspiro trêmulo. — Eu sei.

— Nós não vamos voltar disso, é a única linha... — Ele mordeu o lábio e fugiu. — É o único lugar de onde não podemos voltar, a única coisa pela qual ele nunca nos perdoará.

Meus olhos se encheram de lágrimas. — Eu sei.

— OK. — Ele beijou meu nariz. — Gosto de você, Izzy.

— Eu gosto você também. — Beijei sua bochecha uma última vez e saí do escritório, desta vez com um sorriso gigante no rosto e uma enorme sensação de mal pressentimento pairando sobre cada passo que eu dava.

Horas depois, eu ainda estava pensando na cena do escritório, tanto que quando Bridge entrou pela porta, eu estava olhando para o meu copo de vinho vazio, como se fosse algum tipo de bola de cristal.

— Bêbada já? — veio sua voz familiar.

Calor correu para minhas bochechas. — Temos sorte de não estar perpetuamente bêbado depois dos últimos dias que tive.

— Verdade. — Ele me beijou no topo da cabeça como se fosse normal, como se estivéssemos vivendo essa vida por um tempo, como se eu estivesse cozinhando para ele depois de um dia duro no trabalho, e ele estivesse se preparando para me perguntar sobre o meu dia.

Foi normal.

Não forçado.

E eu não pude deixar de compará-lo com todas as noites em que eu fazia uma refeição e Julian chegava uma hora atrasado, se desculpando e com todos os sorrisos como se não fosse grande coisa, quando era.

Ou as vezes em que levava o prato para o escritório porque não havia terminado e não havia horas suficientes no dia para dominar o mundo.

— Izzy? — Bridge colocou a mão sobre a minha. — Algo errado?

— O que? — Balancei minha cabeça. — Não, desculpe, você quer vinho?

— Certo. — Ele lentamente me olhou de cima a baixo. — Gosto deste avental... Eu não gosto das roupas por trás disso, mas eu entendo... o apartamento pode ficar frio às vezes.

Revirei os olhos, secretamente amando suas provocações. — Imaturo.

— Muito, — ele concordou, depois de pegar o copo que eu tinha servido. — Cheira incrível aqui.

— Lasanha caseira, — anunciei.

Bridge pousou o copo e olhou para mim. — Você acabou de dizer lasanha caseira? As que você faz sozinha? E está no forno? E eu vou comer?

— Uau, sua mãe disse que você perderia a cabeça, mas eu não pensei...

— Tenho exatamente doze receitas de lasanha. Todos elas são aperfeiçoadas. Espero que você passe no teste.

Caí na gargalhada. — Ela também disse que você era territorial quando se tratava de suas receitas de lasanha, então eu achei as minhas, nada de errado com um pouco de competição.

Ele ficou boquiaberto. — Você percebe que nunca mais vou falar com você se você vencer, certo?

— Ah, e ele é um perdedor dolorido, bom saber.

— Não perdi ainda.

— Você cheirou aquela lasanha? — Provoquei.

— Deus, você olhou no espelho e viu o quão lindo é o seu sorriso recentemente? — ele respondeu, me fazendo quase largar meu copo de vinho. — Vou deixar você ganhar se eu puder te beijar agora.

— Você está facilitando muito.

— E você está fazendo isso extremamente... — Ele hesitou e sorriu. — Difícil.

— Estou corando, não estou?

— Como um tomate, cem por cento. É cativante, no entanto.

— Isso é o que uma mulher quer ouvir, que ela é carinhosa, como um coelho.

— Não. — Ele passou a mão nas minhas costas e segurou minha bunda. — Não é assim.

Amei o jeito que suas mãos pareceram em mim.

No ritmo que íamos, eu queimaria a lasanha e o apartamento.

— Nós deveríamos comer, — olhando em seus lindos olhos verdes.

— Nós deveríamos. — Ele se afastou lentamente e depois pegou dois pratos enquanto eu tentava acalmar meu coração acelerado.

Fiquei lá o tempo suficiente para ele pegar a lasanha e o pão, colocar grandes porções em cada um dos nossos pratos e levá-los para o sofá, onde parecíamos comer todas as noites desde que ele entrou pela porta.

Era como se ele tivesse uma aversão à sala de jantar.

Uma aversão que eu secretamente amei.

Essa sala sempre parecia formal demais de qualquer maneira.

— Isso cheira incrível. — Ele cavou com o garfo. Enquanto eu esperava nervosamente, ele também deu uma mordida, duas, três e depois me nivelou com um olhar. — Você adicionou vodca.

Meus olhos se arregalaram. — Como você sabe disso?

— E creme de leite. — Ele deu outra mordida. — Merda, você colocou algum cheddar afiado lá também?

— Sim, você realmente deveria ter frequentado uma escola culinária. — Tomei um gole de vinho com um sorriso tonto. — Então você gosta?

— Provavelmente vou me casar com isso, desculpe pela decepção.

— Bem, pelo menos vocês já têm um local.

— Imagine nossa noite de núpcias. — Ele sorriu largamente. — Somente... molho... em todo lugar, molho no travesseiro, molho na cama, molho na minha boca...

Caí na gargalhada. — Você tinha que torná-lo estranho.

— O que posso dizer? Já estou emocionalmente apegado a isso.

— Você come por mais de três pessoas.

— Isso é uma pergunta ou observação?

— Observação, — respondi, mordendo e apreciando a lasanha quase tanto quanto ele.

Comi mais algumas mordidas, mas meus nervos estavam começando a dominar.

E eu estava passando um bom tempo sem me concentrar na maneira como os bíceps dele flexionavam enquanto ele tomava um gole ou a maneira como usava aquela camiseta apertada como se ele fosse um homem nascido com pesos nas mãos e testosterona correndo pelo sangue em níveis assustadoramente altos. — Conte-me mais sobre você, por favor?

Bridge deu uma olhada dupla e riu. Amei a risada dele. Era apologético, alto, masculino. Estremeci e tentei pensar em Julian, no alvo nas minhas costas e saí com absolutamente nada.

Queria prender esse momento no tempo, segurá-lo e saborear as risadas que Bridge me deu. Queria correr minhas mãos para cima e para baixo em seu corpo, explorá-lo, pesquisar todas as diferenças únicas e memorizá-la.

— Você está ouvindo alguma coisa que acabei de dizer? — O sorriso de Bridge parecia quase perverso, como seus olhos percorriam meu rosto como se ele soubesse todos os pensamentos sujos que eu estava tendo sobre ele ou sobre ter.

Meus olhos se arregalaram. — Hum... desculpe, não estava prestando atenção.

— Oh, você estava prestando atenção, mas não a nada saindo da minha boca. — O sorriso dele aumentou. — Você viu algo que gostou?

Fiz uma careta e depois cobri meu rosto com as mãos, rindo. —Estava pensando que você parece igual, mas você não é o mesmo. Ainda existem muitas diferenças, sabia?

— Boas diferenças ou más diferenças?

Engoli em seco, garganta subitamente seca. — Boas.

— Que bom? — Ele passou a mão livre pelo meu corpo e agarrou minha coxa. Senti as pontas dos dedos em todos os lugares. — Estamos conversando muito bem? Ou apenas bom?

Lambi meus lábios. — Muito bom.

— Então... — Seus dedos subiram mais alto até que ele entrou em contato com meu quadril. — Em uma escala de um a dez... — Seus dedos passaram pelo meu quadril e deslizaram para baixo da minha camisa.

Soltei um suspiro.

— Dez sendo muito bons, um sendo muito ruim... — Sua mão estava logo abaixo dos meus seios, seus dedos avançando sob o meu sutiã. — O que você diria?

Dizer? Não conseguia nem pensar! Estava com medo de pousar meu copo de vinho, com medo de respirar, com medo de que esse momento como tantos outros momentos antes desaparecesse e eu ficaria sem nada.

— Dez. — Minha resposta foi sem fôlego, meu corpo fraco.

Bridge não se moveu imediatamente, seus olhos eram tão intensos que me perguntei como nunca o vi. Vi a emoção crua ali que Julian havia trancado tantas vezes por mim, vi a guerra sob a superfície de sua fachada calma. Julian parou de lutar. E Bridge?

Ele era um homem em guerra.

Meu corpo pulsava e doía.

Uma polia de tensão inebriante entre nós.

Bridge fechou os olhos. — Não posso — eu quero.

Ele começou a afastar a mão.

Odiei isso.

Contei os segundos.

Os dedos deslizaram de volta pelo meu corpo, deixando-me mais vazia do que antes.

E eu estava com raiva.

Tão brava.

Talvez eu fosse pior do que todos os Tennysons, porque um ato egoísta me separaria de Julian por uma eternidade.

Uma escolha

Assim como o que ele fez quando começou a trabalhar para o pai.

Quando ele não valorizava mais o que tínhamos.

Quando ele começou a tomar decisões por nós sem me perguntar.

Então eu decidi que faria essa escolha sem perguntar a ele.

E condenando qualquer futuro que possamos ter no processo.

Coloquei meu vinho na mesa de vidro e depois me levantei lentamente.

A leitura preguiçosa de Bridge me deu confiança de que eu não seria recusada. Eu estava fazendo isso sabendo exatamente quem ele era.

E quem eu era também.

Ele não se mexeu quando eu lentamente tirei minha camisa por cima da cabeça e a joguei no chão.

Seu peito subiu como se ele tivesse sugado uma grande quantidade de ar porque estava tendo problemas para obter oxigênio suficiente em seu corpo. — Bridge. — Sussurrei o nome dele, testei em meus lábios. Gostei do jeito que isso me fez sentir, o nome dele, gostei de dizer enquanto estava nua na frente dele. Gostei da maneira como seu corpo maciço parecia endurecer só de me ver tirar algo tão simples quanto uma camisa.

Meu sutiã veio a seguir.

Ele ainda não se mexeu.

Não estava desistindo.

Estava vendo isso.

Estava fazendo minha escolha.

Ele mordeu o lábio inferior e murmurou uma maldição quando minhas mãos se moveram para o meu jeans. Chutei pelo apartamento durante o processo, depois desabotoei o primeiro botão, o segundo, seus olhos fixos nos meus dedos como se ele estivesse prestes a devorá-los e eu completamente inteira.

Balancei os quadris e os chutei das minhas pernas, descartando-os ao lado do resto da minha roupa.

E ele ainda não se mexeu.

Tudo que me restava era minha calcinha de renda branca, porque mesmo assim eu era uma criatura de hábitos e usava branco, não era? Para agradar o Reino, usava branco.

Comecei a tirá-las quando Bridge de repente estendeu a mão e empurrou meus quadris em direção a ele. Ele segurou, seus olhos nunca deixando os meus enquanto ele segurava as laterais da minha calcinha em suas mãos e as arrancava do meu corpo, rasgando-as completamente ao meio.

Não, isso definitivamente não era Julian, era?

Este homem tinha o perigo à espreita sob o seu olhar. Este homem também tinha um ódio ardente que reconheci aos meus próprios olhos.

— Nunca quero ver você vestindo branco de novo, — ele murmurou. — Você entende?

Assenti entorpecida. — Meu vestido de noiva é champanhe.

— Izzy?

— Sim?

— Realmente não quero conversar agora. — E então ele me puxou para seu colo, fazendo com que eu o sentasse completamente nua enquanto sua boca encontrava a minha em um frenesi de calor e língua que me deixou doendo por toda parte. Eu o senti nos meus pulmões, senti-o no meu cérebro, contra a minha pele, o peso do seu corpo entre as minhas pernas. Apertei minhas coxas, imaginando como seria quando ele finalmente estivesse entre elas, quando ele fosse meu.

Quando eu pegasse o que era meu.

Minhas mãos percorreram seu peito sólido e depois abaixei quando puxei sua camisa sobre sua cabeça.

Perfeição.

Músculos por toda parte.

Tinta que finalmente foi descoberta.

Passei minhas unhas por seu peito enquanto ele me jogou de costas no sofá, nunca puxando seus lábios dos meus.

Ele era agressivo.

Não havia nada de terno em Bridge Tennyson.

Ele era cru, selvagem, com fome.

Faminto.

Então eu o alimentei, abri para ele, observei enquanto ele tirava a calça jeans, chutando-a no sofá.

Sem cueca.

— Você sempre fica sem cueca? — Perguntei uma vez que ele se afastou.

Ele apenas balançou a cabeça. — Você realmente quer falar sobre a minha falta de cueca agora?

Sorri contra sua boca, ganhando um sorriso em troca quando ele aprofundou o próximo beijo, inclinando a cabeça para o lado enquanto se posicionava sobre mim, podia sentir seu calor, seu comprimento, mesmo que ele nem estivesse dentro de mim ainda.

Meu corpo se esforçou por isso, implorou por isso. Eu estava tremendo e não fazia ideia de por que esse momento parecia tudo para mim. A coisa mais importante que eu precisava fazer.

— Izzy. — Seu pescoço ficou tenso quando tocamos na testa. — Diga-me para parar, porque não podemos voltar disso, não podemos.

— Eu sei. — Beijei sua boca e repeti suavemente: — Eu sei.

— Queria você no momento em que a vi, — ele admitiu.

— Oh, Bridge. — Lágrimas encheram meus olhos.

— Diga isso de novo. — Ele cerrou os dentes quando sua ponta roçou minha entrada. Nunca estive tão pronto em toda a minha vida. — Meu nome, diga de novo.

— Bridge, — sussurrei, deslizando minha língua em sua boca apenas para me afastar e dizer contra seus lábios. — Meu Bridge.

— Está certa. — Ele empurrou em mim com tanta força que minhas mãos se moveram para seus ombros para segurar enquanto ele começou a se mover lentamente em mim. — Estou roubando você, Izzy Cunningham. — Outro impulso. — Você é minha.

— Sua, — concordei quando ele me esticou, me completou. Ele me adorou com a boca então, me beijou tão profundamente, me encheu ainda mais fundo. — Bridge! — Não conseguia parar de dizer, precisava que fosse real, fosse ele, não Julian. — Bridge!

— Seu, Izzy. — Ele cerrou os dentes e segurou meu rosto com as duas mãos e fixou os olhos em mim, nossos movimentos sincronizados, profundos, rápidos. Eu estava tão perto. — Fique comigo, Izzy.

Balancei a cabeça estupidamente enquanto meu corpo pulsava de prazer com a necessidade de liberação. — Estou contigo.

Eu o apertei.

Ele deixou escapar uma maldição.

E então eu senti isso, ele, eu, juntos.

Minha cabeça caiu no sofá enquanto ele beijava meu pescoço, respirando pesadamente contra a minha pele, sua boca quente, seus lábios ainda mais quentes.

— Você está certo. — Finalmente encontrei minha voz. — Não podemos voltar disso. Mas não quero, Bridge, não quero.

Seu olhar focou no meu, seus lábios se transformaram em um sorriso irritantemente presunçoso como se ele soubesse que nunca era assim entre eu e Julian, como se soubesse que eu não conseguia me lembrar de voar tão alto com ele. — Bom.


Capítulo Trinta e Oito

Bridge


Não consegui dormir naquela noite.

A acordei três vezes, duas vezes enquanto eu estava dentro dela, depois com minha boca em cima dela. Tinha essa necessidade permanente de ter certeza de que não era tudo uma alucinação. Senti como se estivéssemos esperando a bomba explodir.

Não tínhamos outro plano senão continuar com a fachada para o mundo ver e nos preparar para o casamento em poucos dias. Parecíamos e agíamos como o casal perfeito de poder. A mídia estava acampada em frente ao prédio e #weddingcountdown estava em alta no Twitter.

A culpa cresceu como um tumor no meu peito.

Quanto mais horas passavam, mais crescia.

Porque eu não tinha certeza de como diabos eu iria enfrentar Julian, olhar para ele de homem para homem e dizer : Estou mantendo-a... e eu não sinto muito.

Porque eu não estava arrependido.

Porque eu estava apaixonado por ela.

E ela era tudo para mim.

E, naquele momento, pensei muito mais: se meu irmão morresse, ele nunca saberia que eu o traíra, como nós o traímos. o apartamento dele, no sofá e na cama. Traí-o usando suas roupas, seu dinheiro, seus bens, sua vida.

Tinha feito isso.

Nós tínhamos feito isso.

Sempre pensei que era uma boa pessoa — sólida, leal, confiável.

E agora?

Me senti como um ladrão sem desculpas.

Inclinei-me e beijei-a na bochecha.

Ela chegou para mim, e seus olhos se abriram, e então ela estava rastejando para mim, me empurrando de costas e me montando.

Estava tão duro por ela que era doloroso.

Amaldiçoei quando ela se moveu em cima de mim. Segurei seus seios, apertei, depois abaixei minhas mãos na bunda dela e a puxei com mais força contra mim, mais rápido.

Ela se inclinou, a mão no meu ombro, nossos olhos uma vez mais trancando como se soubéssemos o que estávamos fazendo de errado, mas uma vez que você tinha o gosto, você estava fodido.

Literalmente.

Não consegui parar.

E ela também não.

— Nada nunca foi tão bom quanto você, Bridge. — Seu cabelo fez cócegas no meu rosto, pois criou uma cortina de privacidade enquanto nos beijávamos. Seu corpo estremeceu, eu senti sua libertação e segui-a com prazer.

Gostei dela em cima de mim.

Gostei da sensação de suas coxas em volta do meu corpo.

Ela se inclinou e me beijou novamente, depois se afastou e rolou para o lado com um bocejo.

Soltei uma risada baixa e me inclinei para beijá-la na cabeça. — Durma, querida.

— Mmm. — Ela não disse nada depois disso.

Brinquei com o cabelo dela. Imaginei um cenário em que isso era vida real, onde eu estava no meu apartamento... com ela, vivendo uma vida e... com ela.

Eu era um impostor.

Levantei-me e peguei meu telefone antigo, pronto para mandar uma mensagem de texto para minha mãe, para pedir conselhos, quando percebi que não seria bom para ela ficar ainda mais estressada.

Afastei meu telefone e olhei de volta para a cama quando o sol começou a subir lentamente, deixando a luz entrar no quarto.

— Julian, por favor... — Apertei meus olhos com força. — Por favor tente entender.


Capítulo Trinta e Nove

Isobel


Meu corpo estava dolorido.

Sentia isso a cada passo que corria no Central Park.

Eu o senti quando lavei meu corpo suado.

Eu o senti quando fui ao mercado pegar comida para o jantar.

E senti-o quando voltei quinta-feira à noite e comecei a cozinhar, esperando com expectativa animada que ele passasse pela porta.

Bridge

Meu Bridge.

Fechei os olhos enquanto pensava na escolha que fiz, um homem que eu mal conhecia e, no entanto, sentia como se soubesse a vida toda.

Talvez porque Bridge realmente se sentisse como Julian costumava ser antes seu pai assumir. Bridge foi o homem que Julian nunca teve a chance de ser, não foi?

Tinha ido à ala da UTI naquele dia para trazer flores para Julian e fiquei chocada quando as enfermeiras me disseram que os médicos disseram que eu não podia vê-lo. Algo sobre um sistema imunológico comprometido. Então, deixei as flores em cima da mesa com um baile de boas-vindas e fiz recados pelo resto do dia.

E porque me senti idiota ao esperar Bridge chegar em casa, fiz outra caminhada; isso me ajudou a processar.

Horas depois, coloquei a mão na barriga e respirei fundo quando a porta da cobertura se abriu.

Respirei quando Bridge deixou cair as chaves e carteira de Julian sobre o balcão. O terno que ele estava vestindo era azul marinho, sua camisa branca. Parecia que ele pertencia à capa do Men's Journal. Então, novamente, um passo em falso e provavelmente Hulk usaria direito essas roupas.

Bridge olhou para mim, tirando os aviadores que Julian raramente usava, se diferenciando muito mais.

— Com fome? — Murmurei.

— Morrendo de fome. — Dois passos, e ele estava me puxando para seus braços, puxando minha saia até minhas coxas e me colocando no balcão. Nunca tinha ouvido um som mais sexy do que um cinto sendo tirado, as calças sendo abertas quando ele inclinou a cabeça, me beijando com força, exigindo que eu desse cada centímetro da minha boca enquanto minha bunda nua deslizava contra o mármore frio. — Você não está usando calcinha.

— Pensei em ver o motivo de toda essa confusão—. Me afastei e mordi meu lábio inferior com seu sorriso divertido.

— E? — Ele provocou meus lábios com alguns beliscões famintos. — Qual é a conclusão?

Abri minhas pernas, seus olhos dilatados. — Acho que se isso faz você me olhar assim, nunca mais vou usá-las.

Sua boca bateu contra a minha. — Porra, onde você esteve minha vida inteira?

— Oh, você sabe, esperando o gêmeo do mal aparecer e me resgatar.

Ele sorriu contra o meu pescoço. — Palavras mais verdadeiras nunca foram faladas. Não esqueça que eu sou o cara mau nesse cenário, Izzy. Você não era minha.

— Sim, — confessei. — Realmente estava.

Ele soltou um rosnado feroz antes de me beijar com mais força, me puxando para a beira da bancada e entrando em mim com um impulso fluido. — Sobre isso... em todas as reuniões de merda.

— Sexo na cozinha?

— Sexo com você. — Ele me silenciou com outro beijo. — Sexo com você em todos os lugares. E então a Netflix, enquanto terminamos, mais sexo, conversando, uísque, colocando você na cama, mantendo você segura, mais sexo, seguido por mais proteção. — Seus movimentos foram frenéticos. Não ia durar muito, cravei minhas unhas em seus bíceps protuberantes e segurei enquanto ele me pegou pela bunda e afundou mais fundo em mim.

— Ali. — Apertei meus olhos com força. — Oh Deus, eu não acho que eu posso...

— Não pense, — ele ordenou com uma voz forte. — Apenas sinta o que você faz comigo.

E eu fiz, oh cara, eu fiz.

Cada centímetro duro dele.

Eu fiz isso.

Cerrei os dentes quando minha libertação me atingiu logo depois.

Ele disse meu nome.

Ele sussurrou.

Ele repetiu.

Ele reverenciou isso.

Senti suas palavras me envolverem suavemente, nossos corpos ainda ligados, quando ele pressionou um beijo nos meus lábios e olhou nos meus olhos. — Como qualquer homem pode manter os olhos, muito menos as mãos, fora de você está além de mim, Izzy. Você é tudo.

Meus olhos se encheram de lágrimas. — Gostaria de pensar que era difícil para ele.

— Gostaria de pensar que ele gosta de homens e não vai me matar quando acordar do coma.

Meu sorriso foi triste.

— E tenho certeza que ele lutava todos os dias, Izzy. Perdi um mês. Um maldito mês. Pelo menos você sabe quem é o dom do autocontrole.

Coloquei meus braços em volta do pescoço dele. — Não se esqueça, sou eu quem te seduziu.

— Não se esqueça, eu fui uma vítima voluntária. — Ele sorriu.

— Sim, mas eu não sabia disso. Você apenas olhou.

Ele jogou a cabeça para trás e riu. Deus, eu amei a risada dele. — Izzy, eu não conseguia formar um pensamento coerente além de 'uh'.

Adorava que ele admitisse isso para mim, que ele era um homem gigante, sexy como o inferno, e ainda vulnerável. — Você me faz rir.

— Alguém deveria, — ele respondeu. — Agora, por que não fico cutucando — ele olhou por cima do ombro — esse espaguete de aparência maravilhosa enquanto você se limpa, pega uma taça de vinho e senta no sofá com um livro.

Eu o encarei. — Quem é Você?

— Bridge Tennyson, o gêmeo que entende que toda mulher deve ter a oportunidade de se sentar no final do dia com um livro e um bom copo de vinho.

Julian sempre zombou dos meus romances, dizendo que eles eram como junk food para a mente.

Bridge estava me incentivando a estragar minha mente com fantasias e vinho.

— Hmm, gêmeo do mal sabe o que uma garota quer, — provoquei.

Ele fez uma careta. — Nem me inicie no tipo de livros que eu vi na mesa de café da mamãe. — Seus olhos me percorreram. — Não é uma maneira ruim de obter algumas dicas e truques.

Meu queixo caiu. — Você está me dizendo que lê romances?

— Não. — Ele apontou o dedo para mim e riu. — Estou lhe dizendo que pulo para as partes boas, faço a estratégia necessária na minha cabeça, como se você pudesse fazer esse tipo de coisa nesse ângulo e depois guardo na minha cabeça para uso futuro. Isso não é leitura, querida, é pesquisa, porra.

Ri tanto que tinha lágrimas nos olhos. — Você lê romances.

— Shhhh. — Ele bateu a mão na minha boca. — Não admito nada.

Mordi sua mão e ele a puxou de volta. — Aposto que eu poderia fazer você admitir.

— Izzy... — Seus olhos se estreitaram quando meu olhar baixou.

— Humm, talvez você deva pensar nisso enquanto cozinha, de todas as maneiras que eu vou fazer você admitir que, no fundo, você ama romance.

— Sou homem o suficiente para admitir que amo romances. Toda mulher deveria ter, e se um cara não é homem o suficiente para dar a ela, ele não deve ter um pau e muito menos poder usá-lo. — Ele encolheu os ombros.

— Acho que gosto de você, Bridge Tennyson.

— Graças a Deus. Estava esperando para mudar meu status no Facebook... — Ele piscou. — Sério, vá, eu vou terminar de cozinhar.

— OK. — Com as pernas bambas, atravessei a cozinha e parei. — Ei, quase esqueci de perguntar. Como foi o trabalho?

Ele sorriu tanto que eu queria beijá-lo novamente. — Foi bom, estamos fazendo um grande progresso, não vou aborrecer você, mas é bom, Izzy, muito bom. Embora por melhor que fosse, tudo o que eu queria era voltar para casa.

— Desculpe.

— Não fique. — Ele balançou sua cabeça. — Isso me deu algo pelo que esperar. Casa...

— Casa, — repeti. — Engraçado, eu nunca pensei em nosso apartamento como em casa.

Ele ficou calado. Poderia dizer que ele queria dizer algo contra seu irmão, seu queixo tremia como se estivesse cerrando os dentes. — Eu vou... — Balancei a cabeça em direção ao quarto. — Tente não queimar o apartamento.

— Sem promessas. Amo uma boa fogueira — ele chamou de volta enquanto eu sorria o resto do caminho para o quarto.

Foi perfeito.

Tão perfeito que fiquei aterrorizada que desabaria ao nosso redor em uma glória ardente.


Capítulo Quarenta

Bridge


— Você está pronta para isso? — Izzy parecia nervosa enquanto segurava minha mão na dela. Apertei de volta. — Não sei por que estou tão nervosa.

— Você está bonita. — Beijei a mão dela. E ela realmente estava. Eu a ajudei a tirar esse vestido três vezes antes de finalmente desistir e deixá-la mante- lo. Era um vestido escorregadio que mal cobria sua bunda, azul gelo, e tão suave contra suas curvas que eu estava quase com ciúmes da maldita coisa.

Ele a abraçou, acariciou, provocou, enquanto eu tinha que usar um estúpido smoking de grife escolhido por alguns editores da Vogue que, na minha opinião, escorregaram várias vezes ao me avaliar no início da semana.

— Nós temos isso, — sussurrei, puxando-a em meus braços e beijando seu pescoço. — Somos uma equipe, está bem?

Podia sentir a tensão em seu corpo. Estávamos do lado de fora do restaurante onde nosso jantar de ensaio estava sendo realizado.

Para o casamento no dia seguinte.

Onde o mundo pensaria que eu a estava legalmente fazendo dele.

Quando eu a estava mantendo como minha.

O padre jurou segredo, o que foi decepcionante para outras razões. Quando Julian acordasse - e não se - o casamento seria anulado... pelo menos esse era o meu entendimento. Um membro do conselho no bolso de meu pai testemunharia junto com meu pai.

E eu, Bridge Anderson Tennyson, não apenas roubaria sua futura noiva, mas também sua vida.

Receberia meu fundo fiduciário.

Todas as minhas ações.

E eu continuava rezando para que meu irmão não me matasse e que, quando ele acordasse, entenderia todas as razões pelas quais eu fiz isso.

Os médicos disseram que ele estava se mudando muito mais, o que era um progresso, mas ainda não o deixavam receber visitas.

— Somos uma equipe, — Izzy repetiu de seu lugar ao meu lado.

Sorri para ela e beijei o topo de sua cabeça. Se alguém tivesse me dito um ano atrás que eu iria ao meu jantar de ensaio naquele verão com a mulher mais bonita do mundo, eu teria rido.

Tudo mudou.

E ainda estava mudando.

Na verdade, eu estava me acostumando com a atenção, a maneira como as pessoas tiravam fotos de nós como se merecessem a sua atenção. Os elogios constantes no escritório.

E pior, a atenção constante de meu próprio pai toda vez que eu fazia algo certo.

Ele até admitiu que não achava que eu seria capaz de fazê-lo como Julian e depois riu e disse: — Bem, pelo menos eu deixo minha empresa em boas mãos se ele morrer.

Riu sobre isso. Como se a vida do meu irmão fosse uma piada.

Me fazendo odiá-lo ainda mais.

Ao meu lado, Izzy ficou tensa antes de abrir a porta do restaurante.

— Você está bem? — Perguntei.

— Bridge. — Ela sussurrou meu nome, sempre cuidadosa, sempre protetora de mim, de nós. — Você não precisa fazer isso, você sabe.

— Engraçado, eu ia lhe contar a mesma coisa.

Ela sorriu. — Grandes mentes.

— Só quero que você saiba que não vou me casar com você porque meu pai quer que eu case, Izzy. Estou casando com você, porque não tê-la na minha vida me machucaria fisicamente. Cinco semanas, Izzy. Levei cinco semanas para me apaixonar por você.

— Eu também te amo. — Uma lágrima deslizou por sua bochecha. — Eu te amo muito.

Pressionei um beijo lento e drogado em sua boca e depois fui para seu pescoço. — Acho que precisava ouvir tanto quanto você precisava falar.

Ela assentiu. — Parece errado para você? Nosso amor?

— Não está errado, apenas não na hora certa, — respondi honestamente. — Mas essa é a vida, Izzy, e nós dois sabemos como é curta. Nunca sabemos quanto tempo nos foi concedido, então não vou desperdiçá-lo, não quando tiver você.

O sorriso dela era tão brilhante quando ela lambeu os lábios e suspirou feliz. — Você sabe, quando você não está sendo argumentativo, pode ser realmente romântico.

— Eu não sou argumentativo. Você simplesmente se recusa a me deixar vencer.

— Porque eu estou sempre certa. — Ela piscou.

Revirei os olhos e deslizei minha mão pela bunda dela e toquei levemente. — Vamos acabar com isso para que possamos ir para casa e tomar sorvete.

Entramos no prédio em meio a aplausos e champanhe, e eu realmente achei que era sorrir porque ela estava ao meu lado.

Porque estávamos juntos.

Porque eu estava realmente feliz, apesar da culpa que mantinha em meu coração, a culpa que eu alimentava toda vez que a beijava, toda vez que eu estava dentro dela, sabendo que ele estava em coma.

— Um brinde! — Edward levantou seu copo no ar. — Para o herdeiro do trono de Tennyson, meu filho Julian Tennyson e sua linda noiva, Isobel Cunningham.

Izzy levantou o copo comigo. Nós dois bebemos profundamente quando as pessoas se juntaram.

Meu pai me deu um sorriso conhecedor.

Atirei um sorriso arrogante de volta.

Pelo menos eu sabia que ele precisava de mim agora que eu era o novo garoto de ouro. A culpa roeu quando percebi que ele estava olhando para mim do jeito que Julian teria matado para ser visto.

Droga.

— O que é que foi isso? — Izzy disse da minha direita.

— O que?

— Aquilo. — Ela acenou com a cabeça para Edward. — Ele parecia quase... orgulhoso, não zangado, não manipulador, mas orgulhoso.

— Porque ele é, — disse rapidamente. — Joguei-me diretamente nas mãos dele, o fiz ficar mais rico, vou me casar com a garota que ele aprova... Segundo ele, está tudo bem. Agora, se alguém acordasse...

— Parte de mim acha que ele não quer que ele, — Izzy admitiu, expressando exatamente o que eu estava pensando na semana passada. — Julian teria matado se Edward sorrisse para ele assim.

Abaixei minha cabeça. O que ela era? Um leitor de mentes? — Você não pode dizer isso para mim, não agora, não quando eu já sinto essa quantidade enorme de culpa como se eu tivesse pegado tudo e o deixado sem nada.

— O que acontece com a posição de CEO quando ele acordar? — Izzy segurou minha mão com força enquanto caminhávamos pelo salão , sorrindo para os convidados.

— Nenhuma ideia.

— Você manteria ? — Ela me puxou para perto quando nos mudamos para a pequena pista de dança. — Se você pudesse, você o manteria?

Senti minha garganta quase fechar. — Podemos não falar sobre isso agora?

— Não é uma opção, — ela retrucou. — Nada além de honestidade entre nós agora, você sabe disso.

— Merda, — murmurei baixinho. — Sim, eu gostaria de mantê-lo, certo? Estou me divertindo, mas luto contra isso... a culpa em mim que me diz que eu sou como meu pai, pior, na verdade.

— Não. — Ela agarrou meu queixo com a mão livre. — Não se compare a ele. Ele nem é digno de ficar ao seu lado.

Exalei. — Obrigado, Izzy.

— Quero dizer.

— Sei que você faz. — Não a mereço. Passaria o resto da minha vida tentando conquistá-la, com um sorriso no rosto. — Pelo menos as pessoas não duvidam que estamos realmente nos casando, com você segurando sua bolsa como se estivesse a segundos de me acertar com ela. — Pisquei.

Ela abaixou e olhou, embora não demorou muito. — Você está antagonizando, sabia disso?

— Você não estava reclamando há algumas horas atrás, quando o andar abaixo de nós apresentou uma queixa de ruído.

Parecia que ela queria se esconder atrás de mim, suas bochechas ficaram rosadas. — Eu não estava gritando tão alto.

— Oh, você estava. — Sorri triunfante. — Bridge, Deus, Bridge, mais profundo.

— Estou tão perto— vermelho beterraba, ela segurou a mão na frente dos olhos, polegar e indicador a meia polegada de distância — para seguir adiante com toda essa coisa de envenenamento.

— Você não deveria ter que pedir desculpas por orgasmos, Izzy.

— Você também não deve gritar tão alto que o andar abaixo de você acha que alguém está sendo assassinado.

Engasguei com meu próximo gole de champanhe.

Ela deu de ombros e depois se aproximou de mim. — Vamos te contar, vamos dar a volta, apertar as mãos, sorrir e depois dar nossas desculpas para que possamos voltar ao apartamento e ver se recebemos um aviso de despejo por ruído.

Levantei meu copo e brindei com o dela. — Você tem um acordo.

— Fabuloso. — Ela bebeu o resto da bebida e depois sorriu para mim.

E eu sabia exatamente o que era: nunca a deixaria ir.

Sempre.

— Minha, — sussurrei baixinho, para que apenas ela pudesse ouvir.

Ela respirou fundo enquanto eu me movia ao seu redor.

Ela não sabia que eu precisava me casar com ela para obter o fundo fiduciário.

E as ações.

Porque eu não tinha dito a ela.

Porque eu não queria que ela pensasse que é por isso que eu estava casando com ela. Porque no final nem importava.

Porque Julian ainda não estava acordado.

E se ele não estivesse acordado.

Não havia sentido.

Dei uma olhada pela sala e percebi que esse seria o novo normal. CEO de uma empresa que eu realmente gostei, trabalhando com um pai que eu queria estrangular noventa por cento do tempo, e Izzy.

Talvez o amor tenha prevalecido no final.

Estava de bom humor para deixar o sorriso do meu pai me irritar, então levantei minha campeã até o bastardo e contei as horas até que eu pudesse ficar nu com minha noiva.

Eu sorri.

Minha .

Não dele.

Minha.


Capítulo Quarenta e Um

Isobel


— Espere, comece de novo. — Nós dois estávamos deitados nus na cama tomando sorvete. Ele me entregou um biscoito de chocolate e então pegou a colher de mim, mergulhando-a de volta no rocky road. — Você disse não a Julian quando ele te convidou para sair pela primeira vez?

Revirei os olhos. — Ele era arrogante.

— Eu teria pago para ver isso. — Bridge riu. — Ele teve sua primeira namorada no jardim de infância. O cara não estava acostumado a rejeitar o sexo mais justo. — Ele lambeu a colher; Eu nunca quis tanto ser um talher na minha vida.

Ele lambeu um lado enquanto me observava.

E então a língua perfeita dele deslizou por cima.

Tirei-a da mão dele e mergulhei-o no sorvete.

— Tá legal, eu terminei. — Ele balançou a cabeça para mim, sua boca puxando um sorriso divertido.

— Você estava demorando muito para comer. — Balancei a colher para ele, a boca cheia. — Não sei se você está ciente disso, mas... — Eu torci o dedo e sussurrei: — Sorvete derrete.

— Vamos apenas adicionar 'merda sarcástica' ao seu currículo, sim? — ele brincou, pegando um travesseiro e segurando-o alto.

— Nããão... — Eu ri. — Tudo bem, desculpe. Aqui, dê uma mordida, olha ao avião, brrrrr... — Circulei na frente dele.

Ele olhou e me virou e depois se inclinou. — Só para constar, eu só estou fazendo isso porque realmente quero outra mordida e porque sou um otário por garotas nuas fazendo barulho de avião.

Ele mordeu a colher.

O calor se espalhou pelo meu corpo. — Se alguém pensasse que eu estaria fazendo barulhos de avião na noite anterior ao meu casamento... — Minha voz sumiu.

O rosto dele caiu. — Sinto muito, eu sei que não é assim que você imaginou.

— É melhor, — interrompi. Foi como se eu finalmente entendesse que Julian não estava acordando. Bridge disse que falar sobre ele tornou mais fácil, e acho que sim, mas ainda doía que essa parte da minha vida tivesse desaparecido para sempre.

Que ele se foi.

— É muito mais do que eu poderia ter sonhado, embora toda essa coisa gêmeo do mal seja um pouco forçada. — Torci o nariz enquanto ele assentia em concordância. — Você acha que ele ficou chateado no dia em que sofreu o acidente? Você acha que os últimos pensamentos dele antes do acidente foram zangados comigo?

Não queria fazer a pergunta, porque tinha medo da resposta.

Seu rosto naquele dia havia sido decepcionado.

Mas não havia mais nada lá.

Ele estava chateado?

Ou ele era o habitual eu, indiferente? O rosto que ele usava no escritório.

— Izzy. — Bridge pegou a caixa de sorvete de mim e colocou na mesa de cabeceira, depois me puxou para o colo dele. — Nunca saberemos. E você não pode se culpar ou se auto culpar por isso. Não lhe dará um encerramento. Não vai resolver nada.

— Quando você apareceu no apartamento, isso me lembrou muito de todos os motivos pelos quais eu o amava, mas depois percebi que os motivos pelos quais eu o amava são os motivos pelos quais me apaixonei por você.

Ele beijou o topo da minha cabeça. — Diga essa última parte novamente.

— Me apaixonei por você.

— Parece que não consigo parar de cair, — acrescentou. — Todo dia aprendo mais, todo dia você afunda cada vez mais no meu coração. Não consigo imaginar que haverá um dia em que eu digo: 'Hoje, hoje é o dia em que acabei de explorá-la, aprendi sobre o que a torna tão incrível.

Me agarrei a ele então, enquanto ele me abraçava. Era a resma que eu sempre tive e desejei com Julian. Sempre ter essa abertura com ele, ficar nu, tomando sorvete, conversando sobre a vida.

E foi na noite anterior ao meu casamento com seu irmão gêmeo que finalmente vi meu sonho se tornando realidade.

Suspirei e olhei para Bridge. — Diga o melhor acontece, depois diga que ele acorda daqui a um ano...

— OK. — Ele estava quieto, seus olhos procurando os meus.

— O que dizemos a Julian?

Bridge exalou e fechou os olhos, em seguida, beliscou a ponta do nariz. — Acho que depende do que você quer fazer.

— Eu?

Ele franziu a testa. — Izzy, eu quero você, você sabe que eu quero você, e sim, isso me destruiria, mas você é sua própria pessoa. Não vou cometer o erro de deixar você fora de qualquer decisão importante novamente, então se você o quiser... — Ele apertou a mandíbula. — Não, eu nem acredito que estou dizendo isso, mas se você ainda quiser tentar com ele, se ele voltar ao que estava acontecendo... — Ele parecia com o coração partido, e sua expressão ficou fechada quando ele respirou fundo outra vez. — Quero o que você quer, Izzy. Sua felicidade. E sua liberdade, custe o que custar. E essa é a verdade.

O abracei apertado. — O gêmeo do mal não deveria dizer coisas assim.

— Quando decidimos que eu era todo mal?

— No momento em que você fez sexo comigo no sofá do seu irmão, mal.

— Você estava nua, eu não tinha outra escolha. — Ele riu contra o meu cabelo. — E Izzy, vai ficar tudo bem, tem que ficar .

Fiquei no colo dele, tomando sorvete, conversando sobre a infância dele, perguntando sobre Julian, tentando juntar as peças da melhor maneira possível, por que ele o sentia tanto, por que havia um abismo entre eles.

Quanto mais ele me dizia, mais pesado meu coração se tornava.

Parece que eu não fui a única que não foi escolhida.

Julian escolheu trabalhar em cima de mim.

Edward escolheu Julian em vez de Bridge.

Dois párias, sentados em uma cama, comendo rocky road. Sim, havia algo muito poético e alguns podem diriam romântico sobre isso.


Capítulo Quarenta e Dois

Bridge


Estava de pé na frente do espelho suando sob meu colete e sapatos de grife. Deveríamos fazer uma sessão de fotos logo após o casamento e depois trocar de roupa e nos juntar a todos na recepção uma hora depois.

Tinha seis roupas para vestir nas fotos, cada uma mais alarmante que a anterior e uma sem camisa, apenas suspensórios.

Não entendi, mas talvez não precise. Só tive que passar o resto do dia sem que nada acontecesse com minha mãe ou Izzy.

Verifiquei o pesado Rolex banhado a ouro no meu pulso esquerdo e peguei meu telefone para discar para minha mãe.

Eu estava em uma das salas dos fundos esperando uma mensagem do meu pai, e Izzy estava sendo observada por Marla como um falcão na sala ao lado, enquanto todos os estilistas faziam seu cabelo e maquiagem, e prendiam coisas que ela não queria mais nada. do que sair no minuto em que enfiei a cabeça e fui enxotado.

Imaginei meu casamento diferente.

Talvez em uma igreja pequena, ou na praia, onde todos possam ficar bêbados e depois dormir e surfar na manhã seguinte.

Me olhei no espelho e vi minha pele visivelmente pálida.

Hoje eu parecia mais com ele do que comigo.

Com o peito apertado, olhei para mim mesmo e me perguntei se Julian teria feito isso. Ele teria ido tão longe?

Ele teria colocado esse terno, beijado sua boca, apaixonado?

Não conhecia o homem que ele era agora, tudo o que sabia eram os garotos que havíamos estado juntos, e tudo que me lembrava era de tentar protegê-lo e depois roubá-la diariamente.

Suspirei e desviei o olhar.

O Rolex dele estava pesado no meu braço.

Esse era o dinheiro dele.

O dia do casamento dele.

Liguei para minha mãe usando o FaceTime e fechei os olhos. O telefone tocou e tocou, mas finalmente mamãe atendeu. QUERIDO!

— Mãe. — Minha voz falhou. — Queria que você estivesse aqui. — Precisava dela lá, mas era perigoso viajar em sua condição. O tubo de alimentação estava fazendo seu trabalho e ela parecia mais saudável do que eu a tinha visto nos últimos dois anos. Ela ainda tinha cor nas bochechas.

Eu poderia pelo menos agradecer ao meu pai por isso.

Julian também.

— Gostaria de estar lá também, baby. — Ela fungou. — Você parece tão bonito, muito parecido com seu irmão e ainda tão singularmente você.

Lágrimas brotaram em meus próprios olhos. — Odeio ter saudades dele em momentos como este. Odeio ainda me ressentir dele também. Eu não sei como me sentir, mãe. Vou me casar...

— Querido. — Ela segurou o telefone perto do rosto. — Apenas me responda isso. Se as situações fossem invertidas, você tem alguma dúvida de que ele faria exatamente a mesma coisa?

Estava pronto para dizer que sim.

E então eu realmente pensei sobre isso.

Como ele enviou dinheiro e, em seguida, criou um fundo separado para mim e mamãe, mas também como ele nunca visitou, nunca me procurou uma vez que estávamos na faculdade, os e-mails diminuíram e desapareceram.

— Sim, mãe, acho que ele provavelmente iria, embora eu duvido que ele tenha perdido o controle da realidade e começado a acreditar que era real, que Izzy amava o substituto em vez do real.

— Querido... — Ela usou a voz da mãe, a que me fez ficar um pouco mais reto, ouvindo um pouco melhor. — Você não pode escolher quem você ama, ou por quem se apaixona, isso é apenas vida. Não é algo que você pode controlar. Preocupe-se com hoje, só há energia suficiente para hoje. Pare de se preocupar com o amanhã, viva, querido, apenas viva sua melhor vida nessas próximas horas e seja o garoto que eu criei nesse homem espetacular que vejo na minha frente. Estou tão orgulhosa.

Fechei os olhos e assenti. — Você me fez quem eu sou.

— Malditamente certo, — ela brincou. — Você é o que faz o nome Tennyson valer a pena, filho. Nunca esqueça isso. E me ligue quando puder. Quero uma atualização. Estou me sentindo... inquieta com tudo isso. Vocês foram noticiados todas as noites que eu assisti. As pessoas continuam dizendo que este é o começo de uma dinastia para esta família, estão comparando você à realeza.

Estremeci. Não era apenas muita pressão.

Era o fato de o mundo pensar que eu era outra pessoa quando queria que eles soubessem... que era eu.

Daqui a dez anos, eles ainda pensariam que Julian Tennyson estava vivo e ninguém perguntaria sobre o outro irmão que mudou de nome.

Olhei no espelho novamente e percebi.

Meu pai tinha feito isso.

Ele realmente fez isso.

Ele matou Bridge.

E ressuscitou o que viu foi uma versão melhor de Julian.

Filho da puta.

Andei na frente do espelho.

— Você ainda está aí, querido?

— Sim, — resmunguei, me sentindo mais em pânico do que em anos. — O mesmo aqui.

— Mas... — O sorriso dela estava de volta. — Você é minha ponte. Você descobrirá, e eu nunca — as lágrimas escorriam pelo rosto dela — esquecerei o sacrifício que você fez para que eu pudesse falar com você assim no dia do seu casamento sem desmaiar.

— Mãe.

— Vá. — O sorriso dela era aguado. — Diga a essa garota adorável para cuidar de você.

— Ela vai, — eu disse, e então o calor subiu pelo meu pescoço em meu rosto, e eu sabia que estava corando como uma criança imatura.

As sobrancelhas da mamãe se ergueram. — Huh, então é assim?

— Apenas aconteceu. — Desviei o olhar.

— Oh, vocês se apaixonaram enquanto estavam nus? Você desliza em uma casca de banana?

— Oh inferno, eu estou desligando agora. — Eu ri, amando que ela pudesse me animar quando eu estivesse pronto para ter um ataque de pânico pela constatação de que eu era ele agora.

Verdadeiramente ele.

Ela piscou. — Te amo.

— Amo você também.

Me levantei e olhei para o telefone em minhas mãos, sem mensagens dizendo que Julian tinha acordado de repente.

Tinha dois padrinhos que eram amigos de Julian, amigos que eu sabia merda. Um deles se chamava Oz e o outro idiota era Rhett, que, ao me ver, me entregou uma dose de tequila e disse: — Para transar com uma garota pelo resto da vida.

Então eles saíram para me dar privacidade.

Uma batida soou na porta, interrompendo meus pensamentos.

— Entre. — Coloquei meu telefone de volta no bolso quando a porta se abriu e meu pai entrou com os dois padrinhos. Fotógrafos e paparazzi já estavam tirando fotos no corredor. Quando olhei pela janela, vi pelo menos uma dúzia de vans.

— Filho! — Papai me deu um tapa nas costas. — Você está pronto para a velha bola e corrente?

Deus me salve, estou cercado por idiotas. — Ei, contanto que seja Izzy.

Ele piscou para mim. — Ela é uma garota bonita.

Eu simplesmente disse: — Ela é perfeita.

— Seu cachorro, — ele murmurou aprovando baixinho. — Agora, vamos fazer um brinde. Oz, as taças?

Oz segurava quatro taças enquanto meu pai abria o champanhe com um estalo retumbante que parecia uma arma disparando. Ele se derramou quando ele serviu a todos nós champanhe.

Ele levantou o copo. — Para o meu verdadeiro filho. — Não estava perdido para mim que ele enfatizasse a verdade. — Tive minhas dúvidas, Julian. — Ele encolheu os ombros. — Mas agora, vendo você na minha frente, percebo que talvez eu tenha escolhido melhor do que eu pensava, porque isso termina com você, não é? Estou orgulhoso que você queira isso, tão orgulhoso.

Me sinto doente.

Como se eu fosse atirar em cima dele.

Porque estava errado.

Isso foi tão errado.

Essas palavras, ele deveria dizer essas palavras para Julian, não para mim.

Não precisava delas.

Julian teria morrido por eles.

Julian estava em coma por eles.

Eu precisava de ar.

Outra batida soou na porta, e o coordenador entrou com a cabeça. — Está na hora!

Eu estava sem tempo.

Julian também.

Por que isso parecia tão final?

Como se eu fosse a pessoa que o matou.

Ao dizer sim a ela, eu estava dando as costas para ele.

Traição final.

Por um irmão que deveria amar mais.

Pela sua outra metade.

Cada passo parecia de madeira enquanto eu caminhava para o salão principal. Uma onda de atividade me atingiu de uma só vez quando olhei para cima e vi Izzy parada nas portas, sua expressão mais nervosa do que eu já tinha visto.

Parei e a bebi, sem perceber que tínhamos uma audiência, sem confiar em todos os meus sentidos, porque ela estava me dominando de todas as maneiras. — Você é de tirar o fôlego.

Izzy se virou e sorriu tão brilhante que eu queria chorar. Ela era bonita demais. Fui em direção a ela, então a segurei em meus braços e a girei, para a irritação da coordenadora do casamento, que limpou a garganta várias vezes antes de finalmente pôr minha noiva em pé.

— Tenho medo de abraçá-la com muita força. — Suspirei contra seu pescoço. — Você é bonita demais neste vestido, bonita demais para ser real.

E ela era.

Seu vestido era justo e caído dos ombros, tinha aplicação de renda na parte de cima e era costurado à mão. Também, graças a Deus, não era branco, mas um champanhe profundo que trouxe sua coloração impecável. Ela usava um véu que ia até o chão, também era de renda, e seus cabelos estavam em cachos soltos pendurados em volta dos ombros.

— Perfeita, você é perfeita.

A coordenadora do casamento mudou-se para o lado e falou no fone de ouvido. — Mande Edward Tennyson. Estamos prestes a começar.

— Não deveria te ver ainda, — sussurrei, ainda a segurando em meus braços.

Ela tocou minha testa com a dela. — Eu sei. Eu só precisava ver você, ver seu rosto antes de tudo, antes... — Ela engasgou com um soluço. — Acabei de perceber o quão desesperadamente quero andar por aquele corredor... em sua direção.

Meu coração quase explodiu. — Eu quero isso também.

— Eu sei. — Suas mãos tremiam quando ela se levantou na ponta dos pés e deu um beijo na minha bochecha. — Acho que te vejo no final do corredor.

— Certamente. — Eu sorri

Ela me deu um olhar de esperança, assim como Oz e Rhett vieram atrás de mim, seguidos por meu pai que parecia completamente relaxado.

Porque ele ganhou.

E eu deixei.

Porque isso significava Izzy.

— Bem! — Nossa coordenadora bateu palmas. — Homens, no final do corredor, vire na segunda à esquerda e faça o seu caminho para o altar. E Isobel — ela sorriu para Izzy -— Edward e você começam sua caminhada assim que eu ver que os homens estão em seus lugares.

— Está realmente acontecendo, — disse Izzy com entusiasmo.

Meu pai deu um sorriso tático para ela. — Estou feliz que você esteja tão animada com isso e não esteja pronta para correr na direção oposta.

Lancei-lhe um último olhar e me juntei aos meus padrinhos pelo corredor e pela porta.

Não havia como descrever o sentimento que me atingiu, como se algo estivesse acontecendo.

Arrepios surgiram em meus braços, apesar do smoking de três peças. Estava sendo paranoico.

Certo?

Fui para a frente da igreja e olhei para o corredor.

Algo dentro de mim disse que estava errado.

Algum instinto me disse que não voltaríamos disso.

Não eu e Izzy.

Eu e Julian.

E então todos os pensamentos do meu irmão gêmeo se dissiparam quando as portas se abriram e a marcha nupcial começou.

— Perdoe-me, pai, — sussurrei baixinho. — Pois pequei...


Capítulo Quarenta e Três

Isobel


Odiava ter que enrolar meu braço no dele.

Ele era tão arrogante.

Tão satisfeito consigo mesmo.

A música começou. Era linda, centenas de velas brancas brilhavam na frente do altar onde Bridge estava esperando. O cheiro de lavanda encheu o ar. Meu vestido era perfeito, meus sapatos ainda mais perfeitos, e o homem que eu amava estava esperando por mim.

Olhando para mim do jeito que toda noiva quer ser vista no dia do casamento.

Com completa adoração.

Com amor.

Seus olhos brilhavam com lágrimas quando ele murmurou — eu te amo.

Lágrimas deslizaram por minhas bochechas quando eu a mordi de volta.

Seu sorriso era enorme.

Demorou uma eternidade para chegar ao fim do corredor.

Mas finalmente conseguimos.

— Quem dá a esta mulher?

— Eu faço. — Edward me reivindicou alto e depois se inclinou e beijou minha bochecha direita, depois minha esquerda.

Bridge estendeu o braço.

Prendi a minha nela e depois encostei minha cabeça contra ele, só precisava estar mais perto.

Tocando ele.

Ele passou um braço em volta de mim.

E foi assim que dissemos nossos votos.

Comigo praticamente nos braços dele.

E Bridge Tennyson, gêmeo do meu verdadeiro noivo, se recusando a me deixar ir.

Foi um momento feliz, sendo reivindicado por ele, seguido por uma tristeza arrebatadora por Julian não estar aqui, por nunca termos encerrado.

Que ele estava deitado na cama, com máquinas apitando ao redor dele, em vez de estar cercado por amigos e familiares.

Este teria sido o dia dele, o nosso.

Mas Bridge e eu estávamos roubando isso também, não estávamos?

Você não pode ajudar quem você ama.

Eu sabia disso mais do que a maioria.

Porque quando eu ainda estava entendendo o amor que tinha por Julian, me apaixonei por Bridge.

— Agora te declaro marido e mulher. Você pode beijar a noiva! — Eu já estava girando em seus braços.

Bridge sorriu para mim e depois tomou um beijo que roubou meu fôlego quando ele me levantou no ar em meio a aplausos da multidão.

Foi perfeito.

Eu estava chorando.

Ele passou o polegar sob os meus olhos e piscou enquanto de mãos dadas e caminhávamos de volta pelo corredor.

Quase tropecei no meu vestido quando Bridge parou de repente.

Eu sorri para ele e congelei.

Ele estava pálido. Tão pálido.

Descrença gravada em todas as partes do seu rosto, em seu corpo rígido.

E eu sabia.

Eu não sei como eu sabia.

Eu apenas sabia.

Lentamente, enquanto as pessoas ainda nos aplaudiam, olhei para o corredor onde Bridge olhava.

E em um terno de três peças, parecendo cada centímetro o playboy bilionário.

Estava Julian Tennyson.

Com raiva nos olhos.

E vingança em sua posição.


Capítulo Quarenta e Quatro

Bridge


Não conseguia respirar.

Não conseguia pensar além do que diabos ele estava fazendo lá e por que ele parecia tão malditamente saudável?

Saí do meu choque, mas não rápido o suficiente. As pessoas à nossa volta começaram a apontar e sussurrar.

Lágrimas escorreram pelo rosto de Izzy quando chegamos ao final do corredor e, com a confiança de um Tennyson, Julian saiu na nossa frente em direção ao salão de baile.

Centenas de pessoas foram convidadas para a recepção, apesar de apenas cinquenta terem sido convidadas para a cerimônia, o que significava que tínhamos uma sala cheia de pessoas esperando por nós.

Incluindo a mídia.

Me agarrei a Izzy. — Julian, espere...

— Então você se lembra do meu nome. — Ele não se virou. Em vez disso, ele empurrou as portas do salão de baile.

As pessoas aplaudiram.

Câmeras brilharam.

E então eles ofegaram.

Música alegre soou no sistema de som enquanto as pessoas sentavam em suas mesas com expressões chocadas.

E então Julian virou-se para Izzy. — Acho que deveria pelo menos receber a primeira dança, já que esse deveria ser o meu casamento, já que você deveria ser minha, já que essa é literalmente a coisa mais fodida que uma pessoa pode acordar depois de lutar pela vida. Quero dizer, pelo menos me dê, ao noivo, — ele disse entre dentes, — uma dança do caralho.

Izzy estendeu a mão trêmula para ele. Ele pegou sem olhar para mim, sem olhar para ninguém além dela.

E eu deixei.

Eu o deixei porque não tinha uma perna para me apoiar.

Porque ele estava certo.

Porque toda a culpa que eu estava sentindo estava subitamente me sufocando até a morte, então eu fiquei lá enquanto ele tomava minha dança, do jeito que eu havia tirado a vida dele.

E a cada volta da sala, a dor se intensifica tanto que eu pensei que ia desmaiar.

Porque ele a estava tocando.

Ele estava dançando com ela.

Eu queimei de ciúmes.

Me deixei odiar porque era mais fácil odiá-lo do que vê-lo como uma vítima.

Era mais fácil odiá-lo do que olhar no espelho e perceber que eu era o vilão.

Verdadeiramente o gêmeo do mal.

Porque eu tinha roubado tudo.

E eu faria isso de novo.

Mil vezes mais.

Tê-la.

Foi um efeito de câmera lenta, a maneira como ele a girou pela sala, sua expressão endurecida.

Meu pai veio atrás de mim e me deu um tapinha nas costas. — Má publicidade ainda é boa publicidade, certo?

Eu me virei lentamente. — Desculpe?

— Acordou alguns dias atrás, ouviu todos nós conversando na sala e queria algum tempo para reunir seus pensamentos, e então ele quis seu uniforme. E vi algo mudar em Julian, algo que você colocou lá. Algo que ele estava sempre sentindo falta. Não ligo para o ódio que o alimenta, assim como não ligo que você se casou com Izzy quando ela foi criada para Julian. No momento, tudo o que me interessa é que a única coisa que trending topics do Twitter é a minha empresa e o fato de eu ter filhos gêmeos.

Um sorriso sinistro cruzou seu rosto quando ele me entregou um jornal. — Notícias de amanhã. Pensei que você poderia querer se antecipar.

Irmãos gêmeos se reúnem em um romance de amor trançado, as ações da Tennyson Financial disparam.

Meu estômago caiu quando eu recuei e dei um soco no meu pai e joguei o jornal no chão. — Talvez no dia seguinte eles incluam uma foto do seu olho roxo.

Pisei no meio da pista de dança, interrompendo Julian e Izzy, não que eles estivessem conversando. Ele estava olhando. Ela estava chorando.

— Nós precisamos conversar. Agora — eu bati.

Julian me deu um olhar frio. — E faltar na sua recepção?

— Corte a merda, Julian. Papai armou pra nós.

— Eu sei. — Sua voz era baixa. — Há doze anos, espero a aprovação desse homem. — Seus olhos ficaram furiosos. — Doze. Anos.

— Julian, não aqui.

Ele recuou e me deu um soco no rosto.

E eu deixei.

Porque eu mereci.

Não caí como nosso pai, mas estávamos dando a ele um show fantástico e provando que tudo naquele jornal era verdade.

Papai estava de pé novamente, ajustando a gravata, enquanto Izzy estava me segurando pela vida.

— Para Izzy, — murmurei. — Fazemos isso em privacidade. Para Izzy.

O olhar de Julian suavizou um pouco enquanto sua mandíbula flexionava como se estivesse apertando os dentes com muita força. — Bem.

— Você está bem? — Izzy perguntou. A maquiagem dela estava uma bagunça, o rosto inchado e cheio de lágrimas.

— Não. — Balancei minha cabeça. — Eu não estou.

Andamos de mãos dadas em nossa própria recepção, com Julian pisando à nossa frente e meu pai sorrindo de seu lugar no chão como se fosse o melhor resultado do mundo.

Os dois filhos dele.

Em desacordo com ele, um com o outro, sobre uma mulher.

E ao longo de uma vida roubada.

Quando chegamos a um dos quartos vazios, Julian se virou para nós.

E eu finalmente vi.

Ele estava lívido.

Mas mais que isso.

Meu irmão estava de coração partido.


Capítulo Quarenta e Cinco

Isobel


Eu estava destruída.

Uma grande parte de mim queria correr nos braços de Bridge e pedir que ele fizesse tudo desaparecer. A outra parte de mim estava enjoada com o fato de que foi assim que Julian descobriu.

Ao aparecer no que deveria ter sido o nosso casamento, o dele e o meu.

Entrei com os olhos bem abertos.

Bridge também.

Julian, no entanto, teve os olhos fechados durante a coisa toda. Ele não tinha visto como nos apaixonamos, ele não tinha visto a luta dos dois lados, e ele não tinha ouvido as conversas entre mim e Bridge, a preocupação com o que aconteceria.

E agora ele estava lá me olhando como se eu tivesse arruinado o mundo dele.

E eu, olhando de volta para ele com culpa nos meus olhos, porque eu não sabia dizer o contrário.

— Eu ouvi sua voz, Iz. — Ele me olhou, como se não me conhecesse mais, como se eu fosse um estranho para ele. — O dia em que você e Bridge entraram no hospital discutindo... — sua voz falava. — Talvez tenha sido a traição que me acordou, por isso acho que posso agradecer a vocês dois.

Bridge suspirou. — Você acordou três dias atrás?

— Eu vi você segurando a mão dela, — admitiu Julian. — Eu vi seu beijo. Eu vi você pegar o que era meu e papai... — Suas narinas se abriram. — Ele voltou porque esqueceu seus malditos óculos de sol na sala, e lá estava eu, de olhos arregalados, pronto para destruir o mundo.

— Papai sabia? — Bridge murmurou uma maldição. — Por que você não disse algo para nós? Por que deixá-lo fazer isso?

— Deixá-lo ? — Julian explodiu. Nunca o vi tão bravo. Nunca o vi ser qualquer coisa, mas com controle total. — Eu não sei, Bridge, como você pôde dominar minha vida? Hã? Vestir minhas roupas? Gastar meu dinheiro? Pegar meu trabalho!

— Fiz isso por você. — Bridge olhou para ele. — E para mamãe. Ela está morrendo.

— Sim, eu sei, — Julian cuspiu. — Por que mais eu mandaria dinheiro? Por que mais eu colocaria uma conta separada para vocês? Você realmente acha que todo esse tempo eu fiquei cego?

— Você nunca visitou. Você nunca entrou em contato conosco. — Bridge cruzou os braços. — O que diabos eu deveria pensar?

— Porque finalmente tive tudo! — Julian xingou. — Eu seria CEO! Descobri o fundo fiduciário que papai deixou e juntei dois e dois! Eu sabia que poderíamos recuperar o que era nosso! E então você vai e faz esse truque, casando-se com ela só para conseguir! Que diabos está errado com você?

Ofeguei com a explosão dele e então o medo tomou conta de mim quando me virei para Bridge. — Espere... o que?

Bridge enrijeceu. — Ia te contar, mas realmente não acho que isso importava desde que me casei com você porque te amo.

Julian olhou entre nós e balançou a cabeça. — Inacreditável. Papai disse que Bridge teve que se casar com você para liberar a confiança dele junto com as ações. Parabéns, você se casou com um verdadeiro Tennyson, afinal. Mentirosos. Todos nós.

— Traidores. — Bridge olhou furioso.

Julian balançou a cabeça. — Você não entende, a pressão que ele exerce sobre você, a atenção constante, as mulheres se jogando em você.

Eu quase tampei meus ouvidos.

— Não é desculpa. — Bridge rangeu os dentes.

— Não é desculpa, mentiras, — Julian disparou de volta.

Era o dia do meu casamento.

Meu dia perfeito

Afundei-me lentamente na cadeira mais próxima e meu vestido ondulou ao meu redor. Meu peito estava apertado quando olhei para os dois irmãos.

Ambos me machucaram.

De diferentes maneiras.

Apertei meus olhos com força enquanto mais lágrimas quentes deslizavam pelas minhas bochechas.

— Eu estava terminando com você, — sussurrei para ninguém em particular. — Julian, eu estava deixando você.

— Você não sabe, então. — Ele desviou o olhar. — Eu me virei, Iz, estava no carro e pedi a eles que se virassem porque sabia que um texto não faria isso, não desta vez. O motorista fez uma inversão de marcha, não estava prestando atenção, fomos atingidos de frente. Sofri um acidente, estava em coma, quase morri porque estava pensando em voltar para você, me ajoelhar e implorar para que me levasse de volta.

— Não é assim que funciona, Julian, — sussurrei. — Você não pode simplesmente machucar alguém repetidamente, pedir desculpas e melhorar tudo.

Ele soltou um longo suspiro. — Mesmo que essa pessoa perceba que ele tem sido um idiota?

— Mesmo assim. — Peguei a mão de Bridge. — Vocês dois... Não posso agora... Bridge, você deveria ter me contado.

— Eu sei. — Seu rosto estava desapontado quando eu fiquei em pé com as pernas bambas e exalei. — Primeiro de tudo, vocês precisam descobrir o que fazer amanhã.

— O que? — eles disseram em uníssono.

— Sessenta por cento das ações da empresa. — Disse devagar. — Você quer se libertar desse ódio, comece com o homem que o plantou.

E assim, engoli minhas lágrimas, me virei e comecei a sair da sala.

— Izzy, espere! — Bridge agarrou meu braço. — Você não pode sair, temos que conversar sobre isso. Nós temos que ...

Balancei minha cabeça. — Se você me ama, me deixa sair desta sala, me deixa ir.

— Nunca vou deixar você ir.

Acredito nele.

— Só por hoje. Preciso de tempo.

— OK. — Ele beijou o topo da minha cabeça como sempre fazia e se repetiu. — OK.


Capítulo Quarenta e Seis

Bridge


— Sinto Muito. — Não olhei para ele. Na verdade, eu ainda estava olhando para a porta pela qual Izzy havia atravessado, levando meu coração ainda batendo quando ela saiu daquela sala.

Vazio.

Me senti tão malditamente vazio.

— Para tudo. — Abaixei minha cabeça. — Sei que você não vai acreditar em mim, mas eu tentei. Tentei ficar longe. Ela pensou que eu era você, e tudo o que eu ficava pensando era: por que essa linda mulher trata seu próprio noivo com tanta hostilidade? Por que estou tendo que ganhar a confiança dela quando eles deveriam se casar?

Julian não disse nada.

Finalmente me virei e vi culpa em sua expressão. — Ela se apaixonou por mim porque pensou que você estava voltando para ela, que o velho Julian estava finalmente prestando atenção. Então, sim, peguei o que era seu, mas também consertei o que você quebrou e não vou me desculpar por isso.

Ele trancou os olhos comigo, mas não disse nada.

— Quando você sofreu o acidente, papai apareceu. Ele fez o que faz de melhor, me convenceu de que eu tinha que atuar como CEO para que as ações não caíssem me disse que as pessoas estavam contando com ele, contando com você, disse que o conselho ficaria do outro lado e saberia o tempo todo. Ele basicamente disse que a música de Tennyson estava em minhas mãos enquanto você dormia. E eu sabia que isso era tudo para você, sabia que era tudo para o qual você havia trabalhado. Sabia que você era vice-presidente por dois anos e estava apenas esperando sua chance. Então aceitei, entendendo que no minuto em que você acordasse, você o teria de volta. Transição perfeita.

— Mas não será fácil, — disse Julian com um tom duro na voz. — Porque de alguma forma você é melhor no meu trabalho do que eu.

— Não sou melhor.

— Não foi isso que meu pai me disse poucos minutos depois de que eu acordei. 'Bridge tem um dom natural para os negócios. Talvez se ele tivesse trabalhado tão duro quanto você, ele seria algo ótimo. '

O elogio foi tanto ofensivo quanto indireto.

Para nós dois.

— O trabalho é seu, Julian.

— E a garota? — Ele só tinha que perguntar. — Então e ela?

Não disse nada.

Julian finalmente se sentou e, em seguida, seus olhos procuraram na sala antes de pousar em uma garrafa aberta de champanhe.

Ele foi até lá e tomou alguns goles. — Não é como eu imaginava o dia do meu casamento.

— Você quer dizer que seu irmão gêmeo se casa com a garota que ama? Sim, achei que isso não estava realmente no plano de dez anos — falei sarcasticamente. — Você deveria beber tão logo após o coma?

Ele me virou e deu outro gole. — Você deveria se casar com a noiva de outra pessoa?

— Eu a amo.

— Eu também, caramba. — Julian engoliu mais champanhe. — Ela é fácil de amar. Difícil de sair.

— Então, por que trair Julian? Por que fazê-la se sentir menos importante do que ela é?

— Eu acordei.

— O que?

— Eu acordei, — ele repetiu. — Era um domingo. Ela estava deitada na cama olhando para mim, e ela apenas clicou, como se eu estivesse dormindo a vida inteira e finalmente estivesse acordado... essa família é um veneno. Estava no meu sangue, na minha vida. Não negue que está no seu também. Tennyson, completamente. — Ele abaixou a cabeça. — Ela havia perdido um pouco da luz que a tornava especial. Eu a vi... mais velha , mais sabia e amarga , e eu sabia que colocaria a amargura ali pedindo que ela fosse a esposa que eu sabia que papai queria que ela fosse para mim. Vestir as roupas certas, faça compras nos lugares certos, salte por cinco aros de íons de moinho. Espero que, no final, você consiga o que merece. Eu era um covarde. Em vez de terminar com ela, saí e fiquei extremamente bêbado, e uma coisa levou a outra. Lembro-me de talvez metade da noite. Voltei cheirando como perfume de outra pessoa, pedi desculpas profusamente e marcamos uma data para o casamento. E eu me odiava um pouco mais a cada dia que a mantinha, sabendo que um dia ela também acordaria e perceberia que não era a pessoa que ela queria ser, não comigo, e ela nunca seria.

— Você acordou, — repeti, finalmente entendendo o que ele estava dizendo. — Julian, você pode se afastar de tudo isso, sabe disso, certo?

— Não. — Seu olhar encontrou o meu. — Realmente não posso. Papai me deve, porra me deve pelo inferno que ele me fez passar, e você também.

Ele estava certo sobre isso.

Eu devo a ele.

— Temos sessenta por cento do patrimônio combinado, — lembrei a ele. — O que você acha de usá-lo? Juntos?

— Acho que precisamos de uísque. — Ele balançou sua cabeça. — Isso não significa que eu não te odeio. Ainda quero jogar você do penhasco mais próximo. Não sei como processar a profundidade desse tipo de traição, mas sou um Tennyson, então os negócios — ele engoliu outro gole de champanhe — vem em primeiro lugar.


Capítulo Quarenta e Sete

Isobel


Eu estava de volta ao apartamento.

Fora do meu vestido de noiva.

Com uma garrafa de vinho em uma mão e meu celular na outra.

Eu queria gritar com os dois.

Queria que Bridge me segurasse.

Assim como eu queria que Julian me perdoasse.

Estava chegando à meia-noite, e eu era Cinderela com dois sapatos e nenhum príncipe.

Nenhum homem havia me contatado.

Então, novamente, o que havia para dizer?

Não culpei Bridge por não me dizer. Eu sabia que ele me amava do jeito que eu o amava.

E não culpei Julian por estar com raiva além da razão.

Porque ele tinha todo o direito de nos odiar.

Odiar-me.

Porque ele me amou primeiro.

Do jeito que eu já o amei.

A maçaneta girou.

Olhei para cima quando Bridge entrou pela porta, ainda de smoking, parecendo ter sido atropelado por um carro.

Sua expressão escureceu quando ele pegou meu rosto e, em passos longos e determinados, ele estava na minha frente, caindo de joelhos, pressionando seu rosto contra as minhas pernas. — Sinto muito, Izzy.

— Bridge. — O nome dele caiu dos meus lábios como uma oração. — Eu também.

— Eu te amo. — Ele se agarrou às minhas pernas. — Eu te amo muito. Saiba que eu te amo mais do que qualquer coisa neste mundo, vou te amar mais do que você jamais poderia imaginar.

Lágrimas deslizaram pelo meu rosto em sua cabeça. — Por que isso parece adeus, então? Se você me ama? Se eu te amo?

— Porque. — Ele finalmente olhou nos meus olhos. Eu o machuquei. Nós o machucamos. Sabíamos que não poderíamos voltar disso. — Recuperei meu irmão apenas para perdê-lo para sempre. Quero pensar que podemos sobreviver a isso, quero pensar que podemos sobreviver a qualquer coisa. — Ele se levantou e depois segurou meu rosto com as mãos e pressionou um beijo suave nos meus lábios. — Eu te amo o suficiente para permitir que você escolha o que acontece a seguir, está bem? Vou ficar em um hotel.

— Não. — Me agarrei a ele, com medo de deixá-lo ir.

O olhar dele se suavizou. — Você tem certeza?

Eu assenti. — Julian... ele está passando?

— É o apartamento dele, — Bridge me lembrou. — Mas hoje à noite decidimos — juntos — que entrar aqui, nos ver juntos, saber o que fizemos, seria uma má ideia, e desde que ele estava bebendo, achei que era melhor deixá-lo dormir. Ele está no Ritz-Carlton.

— E você está aqui comigo, — eu sussurrei. — Para sempre.

— Se você me quiser, — confessou. — Estarei ao seu lado para sempre.

— Ele não me amava, não mais, — disse, mais para mim do que para ele. — O amor que sinto por você é tão diferente. Ele rouba minha respiração e me faz querer correr na outra direção. O amor que tenho por você, Bridge Tennyson, é aterrorizante.

— Bem, Izzy Tennyson, acho que esse será nosso primeiro argumento como casal. Porque o amor que temos entre nós, embora aterrorizante, é perfeito.

Ele me beijou forte na boca.

E eu estava perdida para ele.

Abri meus lábios quando suas mãos me envolveram e me levantaram. Dedos puxaram meu vestido até que ele estivesse livre do meu corpo, e tudo o que senti foi o ar frio da sala e o calor da boca na minha pele.

Meus olhos se fecharam e soltei um suspiro.

Eu só queria senti-lo.

Meu marido.

Meu para sempre.

Ele segurou meus quadris com as mãos e eu levantei minhas pálpebras, pegando seu rosto enquanto eu abria sua camisa, tocando sua pele macia enquanto ele fazia promessas contra o meu pescoço.

Promessas que eu sabia que ele iria cumprir.

— Eu te amo muito. — As luzes de Manhattan brilhavam do lado de fora das janelas altas, e eu me perguntava se alguém acreditaria que o homem neste apartamento fazendo amor comigo com as mãos, com a boca, era o vilão autoproclamado em nossa história.

E que, quando ele puxou as peças restantes do meu corpo e me inclinou sobre o sofá, agradeci ao universo que ele não era o cavaleiro branco.

— Olhe para nós. — Ele exalou contra o meu pescoço, nossos corpos nus refletidos na janela da sala.

As luzes de Manhattan.

E eu e meu vilão.

Ele agarrou meus quadris novamente, me puxando contra ele enquanto empurrava dentro de mim, enquanto me fazia dele e dizia meu nome.

Eu não queria fechar meus olhos.

Eu queria nos ver.

Sentir você e nos ver.

Tudo consumia onda após onda torrencial.

Nem todas as histórias terminam felizes.

Algumas terminam bagunçados.

A nossa ficaria cheio de caos.

E eu sempre me lembraria do dia em que me apaixonei pelo gêmeo do meu noivo e prometi mantê-lo para sempre.


Capítulo Quarenta e Oito

Bridge


Fui para a cama domingo à noite com o mundo sabendo que o CEO da Tennyson Financial era eu.

Bridge Anderson Tennyson.

As notícias da minha identidade e as consequências de Julian não eram apenas notícias de primeira página. Estava em todos os jornais, em todos os canais.

Minha foto. A foto dele.

Meu telefone estava tocando, e tudo que eu queria fazer era me esconder embaixo das cobertas com o corpo de Izzy.

Em vez disso, tive que acordar cedo na segunda-feira de manhã e encontrar um irmão que me odiava, para que pudéssemos consertar de uma vez por todas o que deveríamos consertar quando éramos crianças.

Eu disse a Izzy o que estávamos planejando.

E então eu disse a ela que precisaria dela mais tarde.

O carro parou no hotel. Enviei uma mensagem para Julian.

E ele saiu, em seu traje perfeito, com seus Ray-ban e expressão estoica. Os paparazzi já estavam esperando do lado de fora do prédio, mas ele deu um passo à frente, nem uma vez abrindo a boca para negar ou confirmar.

Ele entrou no carro enquanto mais câmeras piscavam e gritava perguntas com especulações. Quem mais estava no carro com ele, seu irmão há muito perdido?

— Eles fazem parecer que eu sou o filho pródigo, — resmunguei quando o carro finalmente decolou.

Ele encolheu os ombros. — A única parte dessa história que lembro é onde o pai faz uma festa para o filho de merda, enquanto o bom fica com ciúmes.

— Confie em mim, e em nossa gordura, ele não vai dar uma festa para nenhum de nós hoje.

— Bom. — Julian soltou um suspiro exasperado. — Espero que você esteja certo sobre o conselho comer da sua mão.

— Sim eu também.

Julian se virou e me deu um olhar assassino.

— O que? — Eu sorri — Eu estava tentando fazer você rir. Não está funcionando? Perdeu seu senso de humor?

— Sim, mais ou menos na mesma hora em que você dormiu com minha noiva.

— E a empregada?

— Desculpe? — Julian franziu a testa. — O que diabos a empregada teria a ver com isso?

— Quando Izzy voltou para casa no dia do acidente, ela a encontrou muito nua, em sua cama.

— Filha da puta. — Julian passou as mãos pelo rosto. — Não é de admirar que Izzy estivesse chateada quando você apareceu. A empregada está atrás de mim há um ano, mas nunca pensei que ela fosse tão longe.

Acho que foi mais do que isso, mas é bom saber que a empregada não teve chance com você. Eu fiz uma careta. — Eu também posso ter demitido Amy.

Ele me encarou. — Mais alguma coisa que eu deveria saber sobre suas ações enquanto afirmava ser eu?

— Benefícios—. Dei de ombros. — Muitos e muitos benefícios para os funcionários antigos da IFC, licença parental, participação em academias—. Quanto mais eu falava, mais ele parecia ouvir, até que finalmente estávamos no prédio.

— Merda, Bridge, você poderia ao menos tentar chupar um pouco o meu trabalho?

Eu estremeci. — Desculpe.

E pela primeira vez desde que acordou, um sorriso fantasma se espalhou por seu rosto. — Não fique. Esta empresa é a minha vida. Você fez bem.

Eu não sabia o quanto precisava que ele dissesse isso até aquele momento.

— E você fez bem, Julian. Entrei por algumas semanas, mas você está administrando este lugar há anos. Eu sei que ele nunca disse que estava orgulhoso, mas isso é porque ele é um idiota egoísta. Você fez algo incrível. — Isto — apontei para o arranha-céu — é tudo você.

Ele colocou a mão no meu ombro e depois o afastou.

Era tudo o que eu ia conseguir.

E eu estava bem com isso.

— Vamos acabar logo com isso, — ele disse baixinho.

A porta do carro se abriu.

Nós dois saímos.

E todo o inferno explodiu.

Tantas câmeras que eu estava cego. Andamos altos, um ao lado do outro. Entramos naquele prédio como iguais. Chegamos ao elevador com um senso de propósito carregado.

Um silêncio sinistro nos seguiu enquanto caminhávamos pelo corredor familiar para a sala de reuniões. As pessoas olhavam quase com reverência enquanto nos movíamos em sincronia.

Eu abri a porta para Julian e o seguindo.

Fechou-se silenciosamente atrás de nós.

Nenhum membro do conselho se levantou.

Nosso pai, no entanto, fez. — Meninos, é bom ver vocês. Sente-se.

— Na verdade — eu sorri — está um pouco cheio aqui.

Os membros do conselho trocaram olhares enquanto eu odiava que Julian escolheu aquele momento para encarar o homem pelo qual ele teria feito de tudo.

E perdeu tudo por causa disso.

— Faço uma proposta para remover Edward Tennyson como presidente corporativo da Tennyson Financial disse e encarei Julian.

— Eu em segundo. Disse Julian — Eu fiquei ao lado dele.

Papai bateu a mão na mesa. — Como você ousa pensar que pode entrar aqui e ...

— Terceiro, — Harry interrompeu.

— Quarto.

— Quinto.

Mais vozes soaram. Todo homem prometendo lealdade a nós na frente de nosso pai. Os homens que representam a empresa que ele construiu.

A empresa que o estava demitindo.

Ele finalmente conseguiu o que merecia.

— Todos a favor? — Harry perguntou.

Aconteceu rápido.

Tão rápido que minha cabeça girou.

Nosso pai olhou para nós como se o tivéssemos traído.

E me perguntei se ele finalmente entendeu como era ter sua própria carne e sangue rejeitando você, da maneira como ele havia rejeitado a nós e nossa mãe.

Pressionei o botão de comunicação. — Podemos obter segurança aqui para escoltar Edward Tennyson das instalações? Obrigado.

— Esta é a minha empresa! — Edward rugiu.

— Não estamos dizendo que não é sua companhia, pai. — Julian cuspiu a palavra pai. — Estamos apenas tomando as rédeas. Afinal, não era isso que você queria? Seus dois filhos estão abrindo caminho no mundo? Ouvi dizer que a Flórida é maravilhosa nesta época do ano.

— É mesmo, — Harry falou.

A segurança entrou na sala de reuniões.

Um olhar de fúria absoluta distorceu as feições de nosso pai, mas ele não lutou quando o tiraram da sala.

Deixando eu e Julian com o conselho.

Limpei a garganta e torci para que Julian não ficasse irritado. — Eu tenho uma proposta para você.

Julian franziu a testa para mim.

— A posição de CEO é de Julian, não minha. Mas espero ter me provado o suficiente para pedir que você considere me contratar para assumir o cargo de diretor financeiro.

Julian olhou para mim como se eu tivesse perdido a cabeça.

— É seu, Jules, sempre foi seu. — E eu tinha tomado o suficiente. Deixei essa parte de fora.

Ele balançou a cabeça e um olhar de surpresa cruzou seu rosto enquanto conversavam à nossa volta, todos concordando que era uma ideia fantástica.

Os dois Tennyson administrando a empresa.

Os dois garotos Tennyson se reuniram.

E mais, os dois garotos Tennyson finalmente lado a lado, como sempre deveríamos ser.

Quando o conselho votou para transferir legalmente a posição de CEO para Julian e os papéis foram assinados para esse efeito, eu precisava de uma bebida forte e queria ir para casa. Então, de novo, eu realmente não tinha casa, então havia isso.

Julian me disse para encontrá-lo em seu escritório.

A porta estava entreaberta, então eu bati e entrei.

Ele estava lá com Izzy.

Eu odiava a visão.

Eu também odiava a culpa.

E a necessidade de dar um soco na cara dele ou jogá-lo pela janela. O que diabos havia de errado comigo?

— Iz trouxe seu almoço, — disse ele, um pouco divertido. — Estranho, já que ela nunca me trouxe o almoço, e mesmo assim provavelmente teria sido envenenado, especialmente nos últimos meses.

— Vocês conversaram? — Cruzei meus braços.

Izzy assentiu. — Sim, nós fizemos. — E então ela revirou os olhos. — Pare de encará-lo assim. Você parece pronto para jogá-lo contra a parede.

Eu apenas dei de ombros.

Ganhando um sorriso de Julian.

— E nunca te trouxe almoço porque você não gostava que eu viesse ao escritório, sem misturar negócios e prazer.

O sorriso de Julian caiu. — Sinto muito, Iz.

— Eu sei que você sente.

Você poderia cortar a tensão com uma faca quando Izzy se aproximou e me entregou um saco de papel marrom.

Foi estranho.

Nós três provavelmente estamos orando para que o prédio nos engolisse .

— Vamos comer... — Era tudo o que eu tinha quando estendi a mão para a mão de Izzy.

— Espere, — Julian chamou.

Quase escapamos.

Ele enfiou a mão no bolso e me jogou as chaves. — Os títulos dos dois carros estão no cofre. Pense nisso como um bônus junto com o apartamento. As minhas roupas... Eu vou querer de volta. Mais tarde eu pego todas as minhas coisas. Eu simplesmente não posso... — Ele engoliu em seco e olhou para o chão acarpetado como se estivesse tentando controlar suas emoções. — Sabendo que vocês estavam lá, eu não posso voltar. É seu, um presente de casamento junto com seu bônus.

— Julian.

Os ombros de Izzy caíram.

— Não. — O sorriso dele foi forçado. — É melhor assim. Não quero morar lá sozinho. Parece que sim... como um final muito engraçado depois de acordar de um coma, sabia?

— Obrigado, Jules. — Eu quis dizer isso.

Um dia seria melhor.

Um dia, jurei que seríamos capazes de sentar um ao lado do outro sem pensar na mulher que estava entre nós, ou nas quase cinco semanas em que ele lutou por sua vida e eu lutei por seu coração.

Um dia tudo ficaria bem.

Hoje não era esse dia.

— Vá comer antes que eu o demita, — ele finalmente disse como se estivesse irritado comigo, quando realmente eu sabia que ele só precisava de tempo.

Todos nós fizemos.

Peguei a mão de Izzy e a acompanhei pelo corredor até o meu novo escritório.

E quando eu fechei a porta, ela sorriu para mim com amor nos olhos.

Eu não queria que ela fosse, mas sabia que Julian precisava de mim, então depois de almoçar juntos, a beijei e comecei a trabalhar.

Lado a lado com meu irmão.

Nas seis horas seguintes, revi tudo o que aconteceu enquanto ele estava no hospital. Falei tanto que minha voz ficou rouca e, quando o sol finalmente começou a se pôr, ele se recostou na cadeira e me encarou. — Eu já a tinha perdido.

Eu olhei para o chão. — Você só a perdeu porque parou de vê-la, porque se colocou em primeiro lugar, a empresa...

— Não cometa o mesmo erro, — ele sussurrou. — Ou eu realmente vou chutar sua bunda.

Eu olhei com um sorriso triste no meu rosto. — Quero resolver isso, entre nós.

— Você levou um mês para se apaixonar pela minha noiva e, para mim, esse tempo foi como dormir e acordar segundos depois, imaginando o que diabos aconteceu com o mundo em que eu costumava viver. Preciso de mais tempo do que isso para lidar com isso...

— Isso é justo.

Ele ficou. — Vou mandar Kelsey para o apartamento para pegar minhas coisas amanhã.

Saí do meu assento e estendi minha mão. — Obrigado. Por tudo.

Ele olhou para ela, depois para mim, pressionou lentamente a palma da mão na minha e firmemente apertou minha mão de volta. — Nós ainda somos irmãos.

Peguei minhas coisas e saí do prédio, meus pensamentos uma bagunça confusa enquanto eu levava um carro da cidade de volta para o apartamento. Eu podia entender que ele não queria morar lá depois de tudo.

Senti como se tivesse dez anos quando finalmente coloquei minha chave na fechadura e entrei.

Izzy ficou lá esperando em um longo casaco preto segurando duas taças de champanhe. — Bem-vindo em casa, marido.

Meu coração bateu contra o meu peito com a visão. — Isso é um casaco novo?

Peguei meu copo e ela me entregou o dela também. Curioso, observei enquanto ela desabotoava lentamente o casaco e o abria para revelar na altura das coxas, uma calcinha de renda e um espartilho que juntava seus seios, criando uma fenda cremosa na qual eu queria enterrar a cabeça.

— Uau... — Murmurei, rapidamente colocando os copos no bar. — Isso é... — Balancei minha cabeça. — Os pensamentos não estão chegando, Izzy, mas eu garanto que você estará em cerca de dois minutos.

— Vou cronometrar você. — Ela piscou.

E eu a alcancei.

Hoje não era o dia em que meu irmão e eu encontraríamos paz.

Mas era o dia em que encontraria o amor de novo e de novo nos braços dela.

— Sua calcinha é vermelha.

— Alguém me disse que eu não podia mais usar nada branco. Eu queria te surpreender.

— Deus eu te amo. — Eu devorei os lábios dela, gemendo seu nome enquanto ela se agarrava a mim como se ela pertencesse lá.

E ela fez.

Ela era uma parte de mim.

E eu fazia parte dela.

E naquele apartamento, eu dei tudo a ela.

Ela me beijou com lágrimas escorrendo pelo rosto.

E eu a beijei de volta como se meu toque curasse sua dor.

Chegamos à mesa da sala de jantar com meu terno meio fora, minhas calças já derrubadas enquanto eu aprofundava o beijo. — Somos apenas nós, Izzy.

— Apenas nós, — ela concordou. — Há muito o que pensar, muito o que fazer.

— Neste momento, fazemos amor. Amanhã fazemos planos. — Eu a silenciei com outro beijo e outro.

E então eu estava dentro dela, exatamente onde eu queria estar.

Sentindo seu aperto em volta de mim.

Pele sobre pele.

Seus quadris estavam macios quando eu pressionei minha palma contra eles. — Eu nunca vou te deixar.

— Nem mesmo se for para o meu próprio bem?

— Eu sou muito egoísta.

— Eu gosto de você egoísta. — Ela arqueou em minha direção.

Eu respirei fundo. — Eu posso dizer.

E então minha linda Izzy sorriu.

Era tudo o que eu precisava.

Nós ficaríamos bem.

Talvez não hoje.

Talvez não amanhã.

Mas um dia, ficaríamos bem.

— Iz? — Sussurrei, sentindo nossos corpos deslizarem um contra o outro, eu nunca conseguiria o suficiente dela. — Case comigo?

Seus lábios se separaram, eu podia senti-la se separando ao meu redor, tentando se concentrar em minhas palavras, em nossos corpos unidos. — Nós somos casados.

— Quero ouvir você dizer meu nome. — Eu segurei seu rosto. — Por favor?

— Qualquer coisa para você, Bridge Tennyson. — Seus olhos se encheram de lágrimas. — Qualquer coisa.

Engoli a bola de emoção na garganta e beijei-a com força, fiz-lhe promessas de que continuaria cumprindo e rezei para que Julian um dia encontrasse em seu coração motivos para me perdoar, e se perdoar. Enfim...

Nos perdoar.


Epílogo

Julian


— Ei! — um estranho aleatório disse enquanto passava. — Você é aquele cara? O irmão que quase morreu? Ei, é verdade que seu irmão gêmeo e sua ex-noiva estão esperando um bebê?

Nunca quis tanto dar um soco em outro humano em toda a minha vida. Bem, talvez isso fosse uma mentira, eu ainda devia a Bridge vários socos com juntas sangrentas.

Ele sabia disso.

Eu sabia.

Planejei com um sorriso no rosto.

E ele não recuou. O bastardo era persistente, e ele se recusou a me deixar em paz.

Eu quase voei para a China para me afastar dele, mas ele não deixaria isso o parar, ele me seguiria até lá também. Já era difícil o suficiente trabalharmos no mesmo andar onde nos encontrávamos todos os dias.

E também que ele era tão agradável que eu queria estrangulá-lo e depois procurar avidamente por falhas que eu pudesse expor.

Ele queria me dar à família que eu perdi.

E eu só queria esquecer tudo o que perdi.

Tudo o que ele levou.

Principalmente Izzy.

Eu tinha perdido minha noiva e minha melhor amiga para ele, e agora que meu pai me odiava, parecia que eu não tinha ninguém.

— Cara errado, — eu bati no idiota. Depois coloquei meus óculos escuros e caminhei em direção ao quarto do hospital.

Meu humor mudou no minuto em que vi seu rosto. — Mãe.

— Julian! — Ela sorriu para mim, em seguida, estendeu os braços abertos. Quantas vezes eu sonhei com isso? De abraçá-la? De segurá-la? E agora eu tenho que fazer isso diariamente.

— Você parece melhor hoje, Jules. — Mamãe deu um tapinha no local ao lado dela. Fui e me sentei, meu corpo com raiva de mim por colocá-lo no inferno nos últimos meses. Eu parei de correr. Tive dificuldade em fazer qualquer coisa que me lembrasse de minha antiga vida com Izzy, a vida antes de Bridge.

Comecei a levantar pesos.

E quando acordei pensando em Izzy e no fato de que eles já estavam grávidos, planejando uma família.

Levantei mais pesos.

E imaginei um mundo onde venci no final, onde consegui a garota, e ela me agradeceu pelas montanhas que eu movi e pelos dragões que eu matei.

— Eu me sinto melhor. — Era mentira.

— Bridge ligou novamente.

Eu bufei. — Ele sempre liga, mais eu o vejo todos os dias.

— Ele se preocupa com você.

— Então ele não deveria ter fodido minha noiva, — eu disse rudemente. E então eu suspirei. — Desculpe mãe, isso foi desnecessário.

— Na verdade não. — Ela encolheu os ombros. — Ele fez muitas coisas , mas ainda é seu irmão e você ainda tem alguma responsabilidade. Eu sei como você a tratou.

Eu instantaneamente me senti na defensiva.

— O que quero dizer é que há ferimentos nos dois lados, nos três lados, na verdade.

— Eles estão esperando um bebê. — Quase não consegui expressar a frase.

Um bebê.

Minha vida.

Essa foi a minha vida.

Ladrão.

Mentiroso.

Traidor.

— Um dia, você vai perdoá-lo, — mamãe disse enigmaticamente. — Um dia você precisará.

Eu fiz uma careta para ela. — O que você está dizendo?

Ela encolheu os ombros. — Manter o passado dói. Você tem que deixar passar, Jules. Você não tem escolha a não ser liberá-lo. Você parece mais com ele agora, você sabe.

— Não me lembre.

— Não é uma coisa ruim parecer um com o outro.

Com certeza foi o inferno.

— Vou pegar uma xícara de café. Quer alguma coisa? — Perguntei, eu a observava porque eu precisava de uma fuga tão desesperadamente.

— Claro, mais uma coisa, no entanto. — Mamãe puxou uma pasta do suporte perto da cama do hospital. — Você é da família, irmãos. Ele precisa de você. — Elas eram fotos de bebê. Golpe baixo, é claro que ela pegaria esse cartão, ela era implacável e eu a amava por isso.

— E quando eu precisei dele, veja o que aconteceu. — Desviei o olhar da nossa imagem sorridente na cabana — minhas lembranças mais felizes aconteceram lá.

— Pare de sentir pena de si mesmo, e seja o homem que eu sei que te criei.

Eu a beijei na testa. — Você tem sorte de ser linda e eu amo você. Eu despedi pessoas por levantarem a voz para mim.

— Quem? Você? Você é como um pequeno gatinho manso. — Ela riu.

Balancei minha cabeça e sorri. — Deixe-me estar de mau humor.

— Não.

— Você é tão teimoso.

— Filho, vá se olhar no espelho e depois volte para mim, humm?

— Bem bem. — Meu telefone tocou. — É o escritório.

— Vá. — Ela sorriu. — Estou a apenas um telefonema de distância! Além disso, não vou a lugar nenhum.

Senti meu coração partir. — Por favor, não faça piadas sobre isso, sobre ficar presa neste hospital esquecido por Deus.

— Se você não ri, chora, Julian. Prefiro passar os momentos restantes em que estou rindo.

— Pare de fazer sentido, — eu resmunguei. — Eu te amo, mãe.

— Eu também te amo, Julian.

Ela abriu os braços e eu a segurei firme. Memorizei o perfume de lavanda que ela colocou atrás das orelhas, a suavidade de sua pele contra o meu pescoço.

Eu memorizei cada detalhe minucioso.

Não percebendo.

Que seria o último abraço que eu receberia dela.

A primeira conversa que teríamos.

Eu sorri para ela uma última vez.

E eu saí.

 

 

                                                                  Rachel Van Dyken

 

 

              Voltar à “Página do Autor"

 

 

 

 

      

 

 

O melhor da literatura para todos os gostos e idades